Curso nova ortografia da lingua portuguesa

703 visualizações

Publicada em

Materiais sobre Língua Portuguesa, Inglês, Espanhol, Redação e Marketing.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
703
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
59
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso nova ortografia da lingua portuguesa

  1. 1. História da Língua Portuguesa Origem na língua latina, no latim bárbaro, falado pelo povo de Lácio (linguagem informal). A língua portuguesa teve origem do latim, bem como a língua espanhola, a romena e em vários países que foram conquistados por Roma. O povo romano, através da expansão dos seus territórios, implantava a língua latina nos povos conquistados. A língua é viva! Ela também evolui quando se usa ou para no tempo quando é deixada de ser usada Nessa nova reforma ortográfica, temos uma nova evolução da língua portuguesa, após acordo fechado entre os povos dela falantes..
  2. 2. R E V I S Ã O Antes de falarmos da Nova ortografia da Língua Portuguesa, vamos recuperar alguns conceitos básicos da nossa língua que devemos ter sempre em mente quando falarmos em ortografia: PRONOME = substitui o nome SUBSTANTIVO = nome ADJETIVO = qualidade VERBO = ação ADVÉRBIO = modifica o verbo ou adjetivos:
  3. 3. NOSSO ALFABETO Nosso alfabeto atual: Atualmente ele é composto de 26 letras, já íncluídas as da nova ortografia: K W e Y. Ex.: Kilo, Watt, Show, playboy, playground, Kung Fu, Willian, Kaiser, etc.
  4. 4. ACENTOS EM DITONGOS • NÃO SE UMA MAIS ACENTOS EM DITONGOS ABERTOS ( éi e ói das palavras paroxítonas) ANTES DEPOIS Coréia Coreia Idéia ideia jóia Joia Paranóia paranoia Ex.: adenoide, alcaloide, amenorreia, apneia, cefaleia, corticoide, corticoesteroide, diarreia, dispneia, esteroide, mastoide, mieloide, opioide, otorreia, paranoia, paranoico, proteico, tipoia, traqueia, ureia. > ATENÇÃO: continuam a ser acentuadas as palavras oxítonas e monossílabos tônicos terminados em EIS E OI(S) ex.papéis, herói, heróis, dói, sóis, etc. > NÃO SE USA MAIS nas palavras PAROXÍTONAS acento no I ou U TÔNICOS quando vierem após um DITONGO. Ex.: Baiúca = baiuca / bocaiúva = bocaiuva > ATENÇÃO: Nas palavras OXÍTONAS e o I ou U estiverem no final(com s ou não), PERMANECE O ACENTO. Ex: tuiuiú, tuiuiús, Piauí. > ATENÇÃO: O acento PERMANCE se o I ou U forem precedidos de ditongo crescente. Ex.: guaíba, Guaíra
  5. 5. OO/EEM > Palavras terminadas em ÔO(S). NÃO se usa mais o acento. Ex.: abencôo abençoo enjôo enjoo dôo doo perdôo perdoo vôo voo zôo zoo > Palavras terminadas em ÊEM: NÃO se usa mais acento. Ex.: creêm creem deêm deem lêem leem vêem veem
  6. 6. CAIU O ACENTO DIFERENCIAL > ACENTOS DIFERENCIAS: NÃO SE USA MAIS. Ex.: pára para ex.; ele para o carro / ele olha para o carro pólo polo ex.: ele foi ao polo norte/ele gosta de jogar polo pêlo pelo ex.: gato de pelos brancos / o amor de um pelo outro > EXCEÇÃO: PERMANCE O ACENTO DIFERENCIAL EM: PÔDE/PODE e PÔR/POR Ex.: Ontem, ela não pôde sair mais cedo, mas hoje ela pode. Vou pôr o livro na estante da sala, que foi feita por mim.
  7. 7. TER/MANTER/DETER/CONTER > ATENÇÃO: VERBOS TER, MANTER, DETER, RETER, CONTER, VIR, CONVIR, ADVIR, INTERVIR e seus derivados: USA-SE ACENTO DIFERENCIAL NESSES VERBOS PARA SINGULAR E PLURAL: Ex.: Ela tem dois carros. /elas têm dois carros. Ela, agora, detem o poder. / elas, agora, detêem o poder. Essa enfermeira convem ao hospital. / Essas enfermeiras convêem ao hospital. Essa moça, auxiliar de enfermagem, vem de Metrô todo dia. / Essas moças, vêm de Metrô todo dia.
  8. 8. HÍFEN > Uso do hífen com compostos: USA-SE O HÍFEN quando as palavras formadas em composição não apresentam elementos de ligação, são palavras que no seu sentido original são autônomas: Ex.: guarda-chuva, arco-iris, boa-fé, segunda-feira, mesa- redonda, vaga-lume, joão-ninguém, porta-malas, porta-bandeira, pão- duro, bate-boca. > NÃO SE USA O HÍFEN EM PALAVRAS QUE PERDERAM A NOÇÃO DE COMPOSIÇÃO: Ex.; girassol, madressilva, mandachuva, pontapé, paraquedas, paraquedista, paraquedismo. USA-SE O HÍFEN QUANDO AS PALAVRAS FORMADAS TÊM PALAVRAS IGUAIS OU QUASE IGUAIS, SEM MANTER ELEMENTOS DE LIGAÇÃO: Ex.: reco-reco, blá-blá-blá, zum-zum, tico-tico, tique-taque, cri- cri, glu-glu, rom-rom, pingue-pongue, zigue-zague, esconde-esconde, pega-pega, corre-corre.
  9. 9. > NÃO SE USA O HÍFEN em compostos que apresentam elementos de ligação. Ex.: pé de moleque, pé de vento, pai de todos, dia a dia, fim de semana, cor de vinho, ponto e vírgula, camisa de força, cara de pau, olho de sogra. > NÃO SE USA HÍFEN em compostos oracionais: Ex.: maria vai com as outras, leva e traz, diz que diz que, deus me livre, deus nos acuda, cor de burro quando foge, bicho de sete cabeças, faz de conta. EXCEÇÕES: água-de-colônia, arco-da-velha, cor-de-rosa, mais-que- perfeito, pé-de-meia, ao-deus-dará, à-queima-roupa. HÍFEN
  10. 10. > USA-SE O HÍFEN nos compostos entre cujos elementos há o emprego de APÓSTROFO. Ex.: gota-d'água, pé-d'água. > USA-SE O HÍFEN nas palavras compostas derivadas de TOPÔNIMOS (nomes próprios de lugares), com o sem elementos de ligação. Ex.: Belo Horizonte, belo-horizontino, Porto Alegre, porto-alegrense, Mato Grosso do Sul, mato-grossense-do-sul, Rio Grande do Norte, rio-grandense-do- norte, África do Sul, sul-africano. > USA-SE O HÍFEN nos compostos que designam espécies animais e botânicas (nomes de plantas, flores, frutos, raízes, sementes) que tenham ou não elementos de ligação. Ex.: bem-te-vi, peixe-espada, peixe-do-paraíso, mico-leão-dourado, andorinha- da-serra, lebre-da-patagônia, erva-doce, evilha-de-cheiro, pimenta-do-reino, peroba-do-campo, cravo-da-índia. HÍFEN
  11. 11. > ATENÇÃO: NÃO SE USA HÍFEN, quando os compostos que designam espécies botânicas e zoológicas são empregados fora do seu sentido original; Ex.: bico-de-papagaio (planta ornamental), bico de papagaio (deformação das vértebras), olho-de-boi (espécie de peixe), olho de boi (selo postal) USO DO HÍFEM COM PREFIXOS > USA-SE O HÍFEN diante de palavras iniciadas por H. Ex.: anti-higiênico, anti-histórico, macro-história, sobre-humano, proto- história, mini-hotel, super-homem, ultra-humano, anti-helmintico, anti- higienico, infra-hepático, auto-hemoterapia. > USA-SE O HÍFEN se o PREFIXO terminar com a mesma letra com que se inicia a outra palavra. Ex.: micro-ondas, micro-organismo, anti-inflacionário, sub-bibliotecário, inter-regional. > NÃO SE USA O HIFEN se o prefixo terminar com letra diferente daquela com que se inicia a outra palavra. Ex.: autointoxicação, autoescola, antiaéreo, intermunicipal, supersônico, superinteressante, agroindustrial, aeroespacial, semicírculo. HÍFEN
  12. 12. > NÃO SE USA HÍFEN SE O PREFIXO TERMINAR POR VOGAL E A OUTRA PALAVRA COMEÇAR POR R OU S, DOBRAM-SE ESSAS LETRAS. Ex.: minissaia, antirracismo, ultrassom, semirreta, antirrugas, antissepsia, antisséptico, ultrassensivel, ultrassensivel, > Com prefixos SUB E SOB, usa-se o hífen diante de palavra iniciada por R. Ex.: sub-região, sub-reitor, sub-regional, sob-roda. > Com prefixos CIRCUM E PAN, usa-se o hífen diante de palavras iniciadas por M,N, e vogal. Ex.: circum-murado, circum-navegação, pan-americano, pan-oftalmia, pan- osteíte, pan-mielopatia > USA-SE o HÍFEN com os prefixos SEM, ALÉM, AQUÉM, RECÉM, PÓS, PRÉ, PRÓ, VICE. Ex.: além-mar, além-túmulo, aquém-mar, ex-aluno, ex-diretor, ex-hospedeiro, ex-prefeito, ex-presidente, pós-graduação, pré-história, pré-vestibular, pró- europeu, recém-casado, recém-nascido, sem-terra, vice-rei, pré-clínico, pré- anestésico, pré-coma, pré-crítico, pré-diabetes, pré-eclâmpsia, pré-frontal, pré- ganglionar, pré-hipófise, pré-ictal, pré-medicação, pré-mestrual, pré-natal, pré- operatório, pré-pilórico, pré-senil. HÍFEN
  13. 13. > Quando o prefixo CO junta-se com o segundo elemento, mesmo quando este se inicia por O ou H. Ex.: coobrigação Nesse último caso, corta-se o H. Ex.: coabitação Se a palavra seguinte começar por R ou S, dobram-se essas letras. Ex.: corréu, corresponsável, cosseno. Outros Exs.: coedição cofundador, coerdeiro, PREFIXOS
  14. 14. PREFIXOS > Com o prefixo PRE E RE NÃO se usa hífen, mesmo diante de palavras começadas por E Ex.: preexistente, preelaborar, reescrever, reedição. > Com prefixos AB, OB e AD, USA-SE O HÍFEN diante de palavra começada por B,D e R Ex.: ad-digital, ad-renal, ob-rogar, ab-rogar > Com palavras NÃO e QUASE NÃO SE USA O HÍFEN. Ex.: não agressão, quase delito > Com palavras começadas por MAL, USA-SE O HÍFEN quando a palavra seguinte começar por VOGAL, H, ou L Ex.: mal-entendido, mal-estar, mal-humorado, mal-limpo. > ATENÇÃO: QUANDO "MAL" SIGNIFICA DOENÇA, USA-SE O HÍFEN SE NÃO HOUVER ELEMENTO DE LIGAÇÃO. Ex.: mal-francês.
  15. 15. > Se houver elemento de ligaççao, escreve-se sem o hífen. Ex.: mal de lázaro, mal de sete dias. > PREFIXOS DE ORIGEM TUPI-GUARANI: USA-SE O HÍFEN COM SUFIXOS QUE REPRESENTAM FORMAS ADJETIVAS, COMO 'AÇU","GUAÇU", "MIRIM". Ex.: capim-açu, amoré-guaçu, anajá-mirim. > ENCADEAMENTOS VOCABULARES: usa-se o hífen para ligar duas ou mais palavras que ocasionalmente se combinam, formando não propriamente um vocábulo, mas encadeamentos vocabulares. Ex.: ponte Rio-Niteroi, eixo Rio-São Paulo PREFIXOS
  16. 16. REDAÇÃO Toda e qualquer redação deve sempre seguir uma estrutura de: INTRODUÇÃO > onde se apresenta o tema que será abordado. DESENVOLVIMENTO > onde o tema é abordado com uso de fatos e argumentos CONCLUSÃO > onde se encerra o assunto finalizando as ideias Obs.: Uma boa redação tem no mínimo 15 linhas podendo ser divididas em 5 linhas para cada parte da estrutura.
  17. 17. REDAÇÃO Redações para Provas ou Concursos devem ser escritas na linguagem DISSERTATIVA. > A Dissertação deve ser baseada em fatos, nunca poderá ser uma história contada. > Tem um tom de notícia > Não deve conter perguntas ou a opinião de quem escreve.

×