SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 86
Baixar para ler offline
Princípios Gerais             do Preparo Cavitário GBPD - 2005
Preparo Cavitário É o tratamento biomecânico da cárie e de outras lesões dos tecidos duros do dente, afim de que as estruturas remanescentes  possam receber uma restauração que as proteja, seja resistente e previna a reincidência de cárie, devolvendo a forma, função e estética. MONDELLI et al, Procedimentos Pré-clínicos, 1997 GBPD - 2005
 Cavidade  Patológica   Cavidade Terapêutica Preparo Cavitário GBPD - 2005
Finalidades do Preparo Cavitário  FORMA ESTÉTICA FUNÇÃO GBPD - 2005
Finalidades do Preparo Cavitário 1- Eliminar o tecido patológico; 2- Estender as margens da cavidade a      locais de relativa imunidade à cárie; 3- Conferir  à  cavidade   formas   que       permitam ao dente receber e reter      o   material  restaurador; 4- Preservar a vitalidade pulpar. GBPD - 2005
    Regras do Preparo Cavitário 1- Remover  totalmente  o   tecido       cariado infectado; 2- Deixar  as paredes  da  cavidade      suportadas por dentina sadia ou      por materiais com igual função; 3- Conservar maior quantidade de      tecido dental sadio; 4- Paredes cavitárias planas e lisas; 5- Preparo cavitário limpo e seco. GBPD - 2005
    HISTÓRICO 1871 – ROBERT ARTHUR 1881 – MARSHAL, H. WEBB Princípios  Gerais  do  Preparo  Cavitário G.V.BLACK – 1891 e 1908 GBPD - 2005
    TEMPOS OPERATÓRIOS I- FORMA  DE  ABERTURA  DA      CAVIDADE; II- FORMA DE CONTORNO; III- REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA; IV- FORMA DE RESISTÊNCIA; GBPD - 2005
    TEMPOS OPERATÓRIOS V- FORMA DE RETENÇÃO; VI- FORMA DE CONVENIÊNCIA; VII- FORMA DE ACABAMENTO DAS         PAREDES DE  ESMALTE; VIII- FORMA DE LIMPEZA DA            CAVIDADE. GBPD - 2005
    TEMPOS OPERATÓRIOS I- ABERTURA  DA CAVIDADE     É o Tempo Operatório que visa  a remoção do esmalte sem apoio dentinário, com  a  finalidade  de expor a lesão de cárie, facilitando sua  visualização e, desta  forma, permitir   a   instrumentação das  fases  subseqüentes  do  preparo cavitário. ABERTURA DA CAVIDADE GBPD - 2005
    TEMPOS OPERATÓRIOS I- ABERTURA DA CAVIDADE - LESÃO DE CÁRIE INCIPIENTE - LESÃO DE CÁRIE AMPLA GBPD - 2005
    TEMPOS OPERATÓRIOS I-ABERTURA DA CAVIDADE - LESÃO DE CÁRIE  INCIPIENTE GBPD - 2005
    TEMPOS OPERATÓRIOS I-ABERTURA DA CAVIDADE - LESÃO DE CÁRIE AMPLA GBPD - 2005
ABERTURA – LESÃO DE CÁRIE INCIPIENTE Realizada com instrumentos rotatórios                  em alta velocidade:       Fresas Carbide 245, 329, 330              (Dentes posteriores) GBPD - 2005
ABERTURA – LESÃO DE CÁRIE AMPLA GBPD - 2005
    TEMPOS OPERATÓRIOS II- FORMA DE CONTORNO      É o Tempo Operatório que visa  delimitar a área da superfície do dente que deverá ser incluída no preparo cavitário.  II-FORMA DE CONTORNO GBPD - 2005
FORMA DE CONTORNO  Engloba todo o tecido cariado e         áreas susceptíveis à cárie. GBPD - 2005
    TEMPOS OPERATÓRIOS  Princípios Básicos da Forma de Contorno 1- Todo esmalte sem apoio dentinário deve                          ser removido; GBPD - 2005
 Princípios Básicos da Forma de Contorno 2 -  As margens do preparo (ângulo cavo-superficial) devem  estar  localizadas  em áreas  de “ Relativa imunidade   à   cárie”     e  possibilitem  um  correto  acabamento            das  margens  da restauração; GBPD - 2005
 Princípios Básicos da Forma de Contorno 3- Devem ser observadas as diferenças de procedimentos     entre      cavidades     de cicatrículas   e   fissuras   e   cavidades  de superfície  lisa; GBPD - 2005
 Princípios Básicos da Forma de Contorno 4- O risco de cárie dos pacientes deve  ser  levado em consideração. GBPD - 2005
 FATORES A SEREM CONSIDERADOS:     TEMPOS OPERATÓRIOS II-FORMA DE CONTORNO  GBPD - 2005
(Fatores  a serem considerados)   (Superficies de Cicatrículas e Fissuras e  Lisas) II- FORMA DE CONTORNO  1. EXTENSÃO DA CÁRIE   2. EXTENSÃO PREVENTIVA  3. IDADE DO PACIENTE  4. RISCO DE CÁRIE GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO       (Fator a ser considerado)  1. EXTENSÃO DA CÁRIE   PROGRESSÃO DA LESÃO DE CÁRIE ,[object Object]
 Superfície Lisa GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO       (Fator a ser considerado)  PROGRESSÃO DA LESÃO DE CÁRIE ,[object Object]
 Direção dos prismas de esmalte;
 Direção dos túbulos dentinários;
 Diferença da dureza entre esmalte    e dentina. GBPD - 2005
        Superfície de    Cicatrícula e Fissura II- FORMA DE CONTORNO       (Fator a ser considerado)  PROGRESSÃO DA LESÃO DE CÁRIE GBPD - 2005
  PROGRESSÃO DA LESÃO DE CÁRIE II- FORMA DE CONTORNO       (Fator a ser considerado) Superfície Lisa GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO       (Fator a ser considerado)  2. EXTENSÃO PREVENTIVA     Cicatrículas e Fissuras ,[object Object],    fissuras e sulcos profundos. ,[object Object],GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO          (Fator a ser considerado)  2. EXTENSÃO PREVENTIVA      Cicatrículas e Fissuras GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO       (Fator a ser considerado)  2. EXTENSÃO PREVENTIVA       Cicatrículas e Fissuras 		Quando duas cavidades  distintas estiverem separadas por estrutura  sadia, com  menos  de 1mm,  elas   deverão  ser unidas.  Caso   contrário,   esta  estrutura deverá ser mantida, preparando-se assim,     duas cavidades distintas.  GBPD - 2005
> 1mm < 1mm II- FORMA DE CONTORNO       (Fator a ser considerado)  2. EXTENSÃO PREVENTIVA       Cicatrículas e Fissuras GBPD - 2005
1mm GBPD - 2005
-1mm GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO       (Fator a ser considerado)     3. IDADE DO PACIENTE Cicatrículas e Fissuras ,[object Object]
 Pacientes JovensGBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO       (Fator a ser considerado)     3. IDADE DO PACIENTE Cicatrículas e Fissuras Jovem Idoso GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO         Superfícies Lisas   1 – Propagação  da lesão de Cárie   2 – Margens da Cavidade   3 – Prismas de Esmalte GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO       (Fator a ser considerado) 1. EXTENSÃO  DA CÁRIE         Superfícies Lisas PROGRESSÃO DA LESÃO DE CÁRIE GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO         Superfícies Lisas       (Fator a ser considerado) 2. EXTENSÃO  PREVENTIVA ,[object Object],   - Idade do Paciente   - Material Restaurador ,[object Object],GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO         Superfícies Lisas 2. EXTENSÃO  PREVENTIVA ,[object Object],   - Idade do Paciente  Na extensão Preventiva para Gengival as   margens   cavitárias proximais poderão situar-se Aquém,  ao Nível ou Além da gengiva marginal livre. GBPD - 2005
Adulto Idoso Jovem II- FORMA DE CONTORNO         Superfícies Lisas 2. EXTENSÃO  PREVENTIVA ,[object Object],- Idade do Paciente GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO         Superfícies Lisas 2. EXTENSÃO  PREVENTIVA ,[object Object],Material Restaurador ,[object Object]
  PermanentesGBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO         Superfícies Lisas 2. EXTENSÃO  PREVENTIVA ,[object Object],GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO Superfícies Cicatrículas e Fissuras 4.  Risco de Cárie ,[object Object]
 Pacientes de Médio Risco
 Pacientes de Baixo  Risco GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO  Superfícies Cicatrículas e Fissuras 4.  Risco de Cárie Baixo Risco Alto Risco GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO  Superfícies Cicatrículas e Fissuras ,[object Object]
 Pacientes de Alto Risco
 Pacientes de Médio Risco
 Preparos Modernos GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO  Superfícies Cicatrículas e Fissuras ,[object Object],GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO  Superfícies Cicatrículas e Fissuras ,[object Object]
 Pacientes de Baixo Risco
 Preparos Ultra Conservadores GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO  Superfícies Cicatrículas e Fissuras ,[object Object],GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO         Superfícies Lisas 2. EXTENSÃO  PREVENTIVA ,[object Object]
 Deve englobar toda lesão de cárie;
 A parede cervical, vestibular e lingual   da caixa proximal deve estar afastada     do contato com o dente vizinho numa    distância de 0,2 à 0,5 mm. ,[object Object],GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO         Superfícies Lisas 2. EXTENSÃO  PREVENTIVA ,[object Object],0,2 à 0,5 mm GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO         Superfícies Lisas ,[object Object],GBPD - 2005
II- FORMA DE CONTORNO         Superfícies Lisas ,[object Object],GBPD - 2005
    TEMPOS OPERATÓRIOS III- REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA         É o Tempo Operatório que consiste na remoção de toda dentina que encontra-se desmineralizada e infectada, pela lesão de cárie, de modo irreversível.   REMOÇÃO  DA DENTINA     CARIADA GBPD - 2005
1a Zona – Dentina muito infectada                      e desorganizada 2a Zona – Dentina infectada e                     desmineralizada 3a Zona – Dentina desmineralizada                   não infectada, passível                      de remineralização         ZONAS  DA     LESÃO DE CÁRIE GBPD - 2005
III- REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA            RECURSOS PARA   EVIDENCIAÇÃO E REMOÇÃO        DA DENTINA CARIADA GBPD - 2005
III- REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA  EVIDENCIAÇÃO DA DENTINA CARIADA            CORANTES Fucsina básica 0.5 ml em    100 ml de propileno glicol GBPD - 2005
III- REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA    REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA GBPD - 2005
    TEMPOS OPERATÓRIOS       FORMA          DE RESISTÊNCIA         III- FORMA DE RESISTÊNCIA         É o Tempo Operatório que consiste em se dar forma à cavidade para que a estrutura dental e material restaurador possam resistir aos: GBPD - 2005
        III- FORMA DE RESISTÊNCIA   - Esforços mastigatórios;   - Variação volumétrica dos materiais      restauradores;   - Diferenças    no      coeficiente    de      expansão   térmica  do dente  e do       material  restaurador. GBPD - 2005
Esmalte sem suporte dentinário         III- FORMA DE RESISTÊNCIA PRINCÍPIOS MECÂNICOS DE BLACK ,[object Object],    dentina sadia; Esmalte após      preparo GBPD - 2005
90o         III- FORMA DE RESISTÊNCIA PRINCÍPIOS MECÂNICOS DE BLACK ,[object Object],    entre si e perpendiculares a parede pulpar; GBPD - 2005
        III- FORMA DE RESISTÊNCIA PRINCÍPIOS MECÂNICOS DE BLACK ,[object Object],    pulpar e ambas perpendiculares ao longo eixo                                    do dente; GBPD - 2005
        III- FORMA DE RESISTÊNCIA PRINCÍPIOS MECÂNICOS DE BLACK ,[object Object],V P L V-P; L-P A C A-C-L GBPD - 2005
        III- FORMA DE RESISTÊNCIA PRINCÍPIOS MECÂNICOS DE BLACK ,[object Object],V L P A C GBPD - 2005
        III- FORMA DE RESISTÊNCIA PRINCÍPIOS MECÂNICOS DE BLACK ,[object Object],GBPD - 2005
    TEMPOS OPERATÓRIOS             V- FORMA DE RETENÇÃO         É o Tempo Operatório que consiste em se dar forma à cavidade com a finalidade de evitar o deslocamento da restauração, durante da mastigação de alimentos pegajosos.        FORMA           DE    RETENÇÃO Forma de Retenção = embricamento mecânico entre o material restaurador e paredes cavitárias. GBPD - 2005
            V- FORMA DE RETENÇÃO TIPOS DE FORMAS DE RETENÇÃO ,[object Object]
QUÍMICA=   Condicionamento ácido                                                    +                                             Sistema Adesivo ,[object Object],GBPD - 2005
Cavidade não retentiva Cavidade retentiva GBPD - 2005             V- FORMA DE RETENÇÃO
            V- FORMA DE RETENÇÃO TIPOS DE FORMAS DE RETENÇÃO ,[object Object],Sulco GBPD - 2005
            V- FORMA DE RETENÇÃO TIPOS DE FORMAS DE RETENÇÃO ,[object Object],GBPD - 2005

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Isolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo OperatórioIsolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo Operatórioprofcelsoklein
 
Coroas Provisórias
Coroas ProvisóriasCoroas Provisórias
Coroas ProvisóriasLeidy Any
 
Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas  Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas Ines Jacyntho Inojosa
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARayssa Mendonça
 
Odontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia localOdontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia localItalo Gabriel
 
Principios de oclusão
Principios de oclusãoPrincipios de oclusão
Principios de oclusãoItalo Gabriel
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasprofguilhermeterra
 
Classificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasClassificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasprofguilhermeterra
 
Aula de Dentística - Classificação das Cavidades de Black
Aula de Dentística - Classificação das Cavidades de BlackAula de Dentística - Classificação das Cavidades de Black
Aula de Dentística - Classificação das Cavidades de BlackAndré Milioli Martins
 
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunos
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunosNomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunos
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunosLucas Almeida Sá
 
Classificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removívelClassificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removívelRhuan
 
Cimento de ionômero de vidro civ
Cimento de ionômero de vidro  civCimento de ionômero de vidro  civ
Cimento de ionômero de vidro civDr.João Calais.:
 
Isolamento do campo operatório2010 02
Isolamento do campo operatório2010 02Isolamento do campo operatório2010 02
Isolamento do campo operatório2010 02Lucas Almeida Sá
 
Prótese parcial removível
Prótese parcial removívelPrótese parcial removível
Prótese parcial removívelPriscila Freitas
 
Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013Guilherme Terra
 
Escultura dental com auxílio do método geométrico
Escultura dental com auxílio do método geométricoEscultura dental com auxílio do método geométrico
Escultura dental com auxílio do método geométricoprofguilhermeterra
 

Mais procurados (20)

Isolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo OperatórioIsolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo Operatório
 
Exodontia simples
Exodontia simplesExodontia simples
Exodontia simples
 
Coroas Provisórias
Coroas ProvisóriasCoroas Provisórias
Coroas Provisórias
 
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXAAPOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
 
Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas  Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
 
Odontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia localOdontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia local
 
Principios de oclusão
Principios de oclusãoPrincipios de oclusão
Principios de oclusão
 
Restaurações em Amálgama
Restaurações em AmálgamaRestaurações em Amálgama
Restaurações em Amálgama
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostas
 
Classificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasClassificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostas
 
Aula de Dentística - Classificação das Cavidades de Black
Aula de Dentística - Classificação das Cavidades de BlackAula de Dentística - Classificação das Cavidades de Black
Aula de Dentística - Classificação das Cavidades de Black
 
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunos
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunosNomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunos
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunos
 
Traumatismo dental em Odontopediatria
Traumatismo dental em OdontopediatriaTraumatismo dental em Odontopediatria
Traumatismo dental em Odontopediatria
 
Classificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removívelClassificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removível
 
Cimento de ionômero de vidro civ
Cimento de ionômero de vidro  civCimento de ionômero de vidro  civ
Cimento de ionômero de vidro civ
 
Isolamento do campo operatório2010 02
Isolamento do campo operatório2010 02Isolamento do campo operatório2010 02
Isolamento do campo operatório2010 02
 
Prótese parcial removível
Prótese parcial removívelPrótese parcial removível
Prótese parcial removível
 
Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013
 
Escultura dental com auxílio do método geométrico
Escultura dental com auxílio do método geométricoEscultura dental com auxílio do método geométrico
Escultura dental com auxílio do método geométrico
 

Semelhante a Princípios do preparo cavitário

Materiais dentários em odontopediatria
Materiais dentários em odontopediatriaMateriais dentários em odontopediatria
Materiais dentários em odontopediatriaFlavio Salomao-Miranda
 
Princípios gerais de preparos cavitários
Princípios gerais de preparos cavitáriosPrincípios gerais de preparos cavitários
Princípios gerais de preparos cavitáriosAlexandre Paim
 
Nomenclaturaeclassificaodascavidades2011 2-111115154744-phpapp01
Nomenclaturaeclassificaodascavidades2011 2-111115154744-phpapp01Nomenclaturaeclassificaodascavidades2011 2-111115154744-phpapp01
Nomenclaturaeclassificaodascavidades2011 2-111115154744-phpapp01Alysson Lima
 
Curso de marinheiro manutenção convés revisão 0 AMARELO.pptx
Curso de marinheiro manutenção convés revisão 0 AMARELO.pptxCurso de marinheiro manutenção convés revisão 0 AMARELO.pptx
Curso de marinheiro manutenção convés revisão 0 AMARELO.pptxPedroAlmeida86143
 
nomenclaturaeclassificaodascavidades2011-2-111115154744-phpapp01.pptx
nomenclaturaeclassificaodascavidades2011-2-111115154744-phpapp01.pptxnomenclaturaeclassificaodascavidades2011-2-111115154744-phpapp01.pptx
nomenclaturaeclassificaodascavidades2011-2-111115154744-phpapp01.pptxssuser438f161
 
Estudos clínicos -parte 2.1: O que fazer em casos de agenesia de dentes perma...
Estudos clínicos -parte 2.1: O que fazer em casos de agenesia de dentes perma...Estudos clínicos -parte 2.1: O que fazer em casos de agenesia de dentes perma...
Estudos clínicos -parte 2.1: O que fazer em casos de agenesia de dentes perma...Jbneves
 
Preparo classe ii amálgama 2011-2
Preparo classe ii amálgama   2011-2Preparo classe ii amálgama   2011-2
Preparo classe ii amálgama 2011-2Lucas Almeida Sá
 
Princípios Gerais do Preparo Cavitário
Princípios Gerais do Preparo Cavitário Princípios Gerais do Preparo Cavitário
Princípios Gerais do Preparo Cavitário Rebeca Peixoto
 
Cirurgia Periodontal - Catarina de Siena
Cirurgia Periodontal - Catarina de SienaCirurgia Periodontal - Catarina de Siena
Cirurgia Periodontal - Catarina de SienaRegis Valentim
 
Cirurgia periodontal rafael nobre
Cirurgia periodontal   rafael nobreCirurgia periodontal   rafael nobre
Cirurgia periodontal rafael nobreRafael Nobre
 
Acesso à Câmara Pulpar.pdf
Acesso à Câmara Pulpar.pdfAcesso à Câmara Pulpar.pdf
Acesso à Câmara Pulpar.pdfGAMA FILHO
 
Aula Nucleo metalico fundido para dentes tratados endodonticamente
Aula Nucleo metalico fundido para dentes tratados endodonticamenteAula Nucleo metalico fundido para dentes tratados endodonticamente
Aula Nucleo metalico fundido para dentes tratados endodonticamenteCleyttonNeris
 
Laminados ceramicos - Passo a passo para o clinico - Ronaldo Hirata - NOVO.pdf
Laminados ceramicos - Passo a passo para o clinico - Ronaldo Hirata - NOVO.pdfLaminados ceramicos - Passo a passo para o clinico - Ronaldo Hirata - NOVO.pdf
Laminados ceramicos - Passo a passo para o clinico - Ronaldo Hirata - NOVO.pdfAmerident
 

Semelhante a Princípios do preparo cavitário (20)

Preparo
PreparoPreparo
Preparo
 
Materiais dentários em odontopediatria
Materiais dentários em odontopediatriaMateriais dentários em odontopediatria
Materiais dentários em odontopediatria
 
Princípios gerais de preparos cavitários
Princípios gerais de preparos cavitáriosPrincípios gerais de preparos cavitários
Princípios gerais de preparos cavitários
 
Nomenclaturaeclassificaodascavidades2011 2-111115154744-phpapp01
Nomenclaturaeclassificaodascavidades2011 2-111115154744-phpapp01Nomenclaturaeclassificaodascavidades2011 2-111115154744-phpapp01
Nomenclaturaeclassificaodascavidades2011 2-111115154744-phpapp01
 
Curso de marinheiro manutenção convés revisão 0 AMARELO.pptx
Curso de marinheiro manutenção convés revisão 0 AMARELO.pptxCurso de marinheiro manutenção convés revisão 0 AMARELO.pptx
Curso de marinheiro manutenção convés revisão 0 AMARELO.pptx
 
TABELA INTERODONTO
TABELA INTERODONTOTABELA INTERODONTO
TABELA INTERODONTO
 
nomenclaturaeclassificaodascavidades2011-2-111115154744-phpapp01.pptx
nomenclaturaeclassificaodascavidades2011-2-111115154744-phpapp01.pptxnomenclaturaeclassificaodascavidades2011-2-111115154744-phpapp01.pptx
nomenclaturaeclassificaodascavidades2011-2-111115154744-phpapp01.pptx
 
Faceta semi direta
Faceta semi diretaFaceta semi direta
Faceta semi direta
 
Estudos clínicos -parte 2.1: O que fazer em casos de agenesia de dentes perma...
Estudos clínicos -parte 2.1: O que fazer em casos de agenesia de dentes perma...Estudos clínicos -parte 2.1: O que fazer em casos de agenesia de dentes perma...
Estudos clínicos -parte 2.1: O que fazer em casos de agenesia de dentes perma...
 
Preparo classe ii amálgama 2011-2
Preparo classe ii amálgama   2011-2Preparo classe ii amálgama   2011-2
Preparo classe ii amálgama 2011-2
 
Princípios Gerais do Preparo Cavitário
Princípios Gerais do Preparo Cavitário Princípios Gerais do Preparo Cavitário
Princípios Gerais do Preparo Cavitário
 
Cirurgia Periodontal - Catarina de Siena
Cirurgia Periodontal - Catarina de SienaCirurgia Periodontal - Catarina de Siena
Cirurgia Periodontal - Catarina de Siena
 
Cirurgia periodontal rafael nobre
Cirurgia periodontal   rafael nobreCirurgia periodontal   rafael nobre
Cirurgia periodontal rafael nobre
 
Dentística3
Dentística3Dentística3
Dentística3
 
Dentística1
Dentística1Dentística1
Dentística1
 
dentes retidos.pdf
 dentes retidos.pdf dentes retidos.pdf
dentes retidos.pdf
 
Acesso à Câmara Pulpar.pdf
Acesso à Câmara Pulpar.pdfAcesso à Câmara Pulpar.pdf
Acesso à Câmara Pulpar.pdf
 
Aula Nucleo metalico fundido para dentes tratados endodonticamente
Aula Nucleo metalico fundido para dentes tratados endodonticamenteAula Nucleo metalico fundido para dentes tratados endodonticamente
Aula Nucleo metalico fundido para dentes tratados endodonticamente
 
Laminados ceramicos - Passo a passo para o clinico - Ronaldo Hirata - NOVO.pdf
Laminados ceramicos - Passo a passo para o clinico - Ronaldo Hirata - NOVO.pdfLaminados ceramicos - Passo a passo para o clinico - Ronaldo Hirata - NOVO.pdf
Laminados ceramicos - Passo a passo para o clinico - Ronaldo Hirata - NOVO.pdf
 
Prof. abdias magalhães gomes
Prof. abdias magalhães gomesProf. abdias magalhães gomes
Prof. abdias magalhães gomes
 

Princípios do preparo cavitário

  • 1. Princípios Gerais do Preparo Cavitário GBPD - 2005
  • 2. Preparo Cavitário É o tratamento biomecânico da cárie e de outras lesões dos tecidos duros do dente, afim de que as estruturas remanescentes possam receber uma restauração que as proteja, seja resistente e previna a reincidência de cárie, devolvendo a forma, função e estética. MONDELLI et al, Procedimentos Pré-clínicos, 1997 GBPD - 2005
  • 3. Cavidade Patológica Cavidade Terapêutica Preparo Cavitário GBPD - 2005
  • 4. Finalidades do Preparo Cavitário FORMA ESTÉTICA FUNÇÃO GBPD - 2005
  • 5. Finalidades do Preparo Cavitário 1- Eliminar o tecido patológico; 2- Estender as margens da cavidade a locais de relativa imunidade à cárie; 3- Conferir à cavidade formas que permitam ao dente receber e reter o material restaurador; 4- Preservar a vitalidade pulpar. GBPD - 2005
  • 6. Regras do Preparo Cavitário 1- Remover totalmente o tecido cariado infectado; 2- Deixar as paredes da cavidade suportadas por dentina sadia ou por materiais com igual função; 3- Conservar maior quantidade de tecido dental sadio; 4- Paredes cavitárias planas e lisas; 5- Preparo cavitário limpo e seco. GBPD - 2005
  • 7. HISTÓRICO 1871 – ROBERT ARTHUR 1881 – MARSHAL, H. WEBB Princípios Gerais do Preparo Cavitário G.V.BLACK – 1891 e 1908 GBPD - 2005
  • 8. TEMPOS OPERATÓRIOS I- FORMA DE ABERTURA DA CAVIDADE; II- FORMA DE CONTORNO; III- REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA; IV- FORMA DE RESISTÊNCIA; GBPD - 2005
  • 9. TEMPOS OPERATÓRIOS V- FORMA DE RETENÇÃO; VI- FORMA DE CONVENIÊNCIA; VII- FORMA DE ACABAMENTO DAS PAREDES DE ESMALTE; VIII- FORMA DE LIMPEZA DA CAVIDADE. GBPD - 2005
  • 10. TEMPOS OPERATÓRIOS I- ABERTURA DA CAVIDADE É o Tempo Operatório que visa a remoção do esmalte sem apoio dentinário, com a finalidade de expor a lesão de cárie, facilitando sua visualização e, desta forma, permitir a instrumentação das fases subseqüentes do preparo cavitário. ABERTURA DA CAVIDADE GBPD - 2005
  • 11. TEMPOS OPERATÓRIOS I- ABERTURA DA CAVIDADE - LESÃO DE CÁRIE INCIPIENTE - LESÃO DE CÁRIE AMPLA GBPD - 2005
  • 12. TEMPOS OPERATÓRIOS I-ABERTURA DA CAVIDADE - LESÃO DE CÁRIE INCIPIENTE GBPD - 2005
  • 13. TEMPOS OPERATÓRIOS I-ABERTURA DA CAVIDADE - LESÃO DE CÁRIE AMPLA GBPD - 2005
  • 14. ABERTURA – LESÃO DE CÁRIE INCIPIENTE Realizada com instrumentos rotatórios em alta velocidade: Fresas Carbide 245, 329, 330 (Dentes posteriores) GBPD - 2005
  • 15. ABERTURA – LESÃO DE CÁRIE AMPLA GBPD - 2005
  • 16. TEMPOS OPERATÓRIOS II- FORMA DE CONTORNO É o Tempo Operatório que visa delimitar a área da superfície do dente que deverá ser incluída no preparo cavitário. II-FORMA DE CONTORNO GBPD - 2005
  • 17. FORMA DE CONTORNO Engloba todo o tecido cariado e áreas susceptíveis à cárie. GBPD - 2005
  • 18. TEMPOS OPERATÓRIOS Princípios Básicos da Forma de Contorno 1- Todo esmalte sem apoio dentinário deve ser removido; GBPD - 2005
  • 19. Princípios Básicos da Forma de Contorno 2 - As margens do preparo (ângulo cavo-superficial) devem estar localizadas em áreas de “ Relativa imunidade à cárie” e possibilitem um correto acabamento das margens da restauração; GBPD - 2005
  • 20. Princípios Básicos da Forma de Contorno 3- Devem ser observadas as diferenças de procedimentos entre cavidades de cicatrículas e fissuras e cavidades de superfície lisa; GBPD - 2005
  • 21. Princípios Básicos da Forma de Contorno 4- O risco de cárie dos pacientes deve ser levado em consideração. GBPD - 2005
  • 22. FATORES A SEREM CONSIDERADOS: TEMPOS OPERATÓRIOS II-FORMA DE CONTORNO GBPD - 2005
  • 23. (Fatores a serem considerados) (Superficies de Cicatrículas e Fissuras e Lisas) II- FORMA DE CONTORNO 1. EXTENSÃO DA CÁRIE 2. EXTENSÃO PREVENTIVA 3. IDADE DO PACIENTE 4. RISCO DE CÁRIE GBPD - 2005
  • 24.
  • 25. Superfície Lisa GBPD - 2005
  • 26.
  • 27. Direção dos prismas de esmalte;
  • 28. Direção dos túbulos dentinários;
  • 29. Diferença da dureza entre esmalte e dentina. GBPD - 2005
  • 30. Superfície de Cicatrícula e Fissura II- FORMA DE CONTORNO (Fator a ser considerado) PROGRESSÃO DA LESÃO DE CÁRIE GBPD - 2005
  • 31. PROGRESSÃO DA LESÃO DE CÁRIE II- FORMA DE CONTORNO (Fator a ser considerado) Superfície Lisa GBPD - 2005
  • 32.
  • 33. II- FORMA DE CONTORNO (Fator a ser considerado) 2. EXTENSÃO PREVENTIVA Cicatrículas e Fissuras GBPD - 2005
  • 34. II- FORMA DE CONTORNO (Fator a ser considerado) 2. EXTENSÃO PREVENTIVA Cicatrículas e Fissuras Quando duas cavidades distintas estiverem separadas por estrutura sadia, com menos de 1mm, elas deverão ser unidas. Caso contrário, esta estrutura deverá ser mantida, preparando-se assim, duas cavidades distintas. GBPD - 2005
  • 35. > 1mm < 1mm II- FORMA DE CONTORNO (Fator a ser considerado) 2. EXTENSÃO PREVENTIVA Cicatrículas e Fissuras GBPD - 2005
  • 36. 1mm GBPD - 2005
  • 37. -1mm GBPD - 2005
  • 38.
  • 40. II- FORMA DE CONTORNO (Fator a ser considerado) 3. IDADE DO PACIENTE Cicatrículas e Fissuras Jovem Idoso GBPD - 2005
  • 41. II- FORMA DE CONTORNO Superfícies Lisas 1 – Propagação da lesão de Cárie 2 – Margens da Cavidade 3 – Prismas de Esmalte GBPD - 2005
  • 42. II- FORMA DE CONTORNO (Fator a ser considerado) 1. EXTENSÃO DA CÁRIE Superfícies Lisas PROGRESSÃO DA LESÃO DE CÁRIE GBPD - 2005
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 48.
  • 49.
  • 50. Pacientes de Médio Risco
  • 51. Pacientes de Baixo Risco GBPD - 2005
  • 52. II- FORMA DE CONTORNO Superfícies Cicatrículas e Fissuras 4. Risco de Cárie Baixo Risco Alto Risco GBPD - 2005
  • 53.
  • 54. Pacientes de Alto Risco
  • 55. Pacientes de Médio Risco
  • 56. Preparos Modernos GBPD - 2005
  • 57.
  • 58.
  • 59. Pacientes de Baixo Risco
  • 60. Preparos Ultra Conservadores GBPD - 2005
  • 61.
  • 62.
  • 63. Deve englobar toda lesão de cárie;
  • 64.
  • 65.
  • 66.
  • 67.
  • 68. TEMPOS OPERATÓRIOS III- REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA É o Tempo Operatório que consiste na remoção de toda dentina que encontra-se desmineralizada e infectada, pela lesão de cárie, de modo irreversível. REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA GBPD - 2005
  • 69. 1a Zona – Dentina muito infectada e desorganizada 2a Zona – Dentina infectada e desmineralizada 3a Zona – Dentina desmineralizada não infectada, passível de remineralização ZONAS DA LESÃO DE CÁRIE GBPD - 2005
  • 70. III- REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA RECURSOS PARA EVIDENCIAÇÃO E REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA GBPD - 2005
  • 71. III- REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA EVIDENCIAÇÃO DA DENTINA CARIADA CORANTES Fucsina básica 0.5 ml em 100 ml de propileno glicol GBPD - 2005
  • 72. III- REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA GBPD - 2005
  • 73. TEMPOS OPERATÓRIOS FORMA DE RESISTÊNCIA III- FORMA DE RESISTÊNCIA É o Tempo Operatório que consiste em se dar forma à cavidade para que a estrutura dental e material restaurador possam resistir aos: GBPD - 2005
  • 74. III- FORMA DE RESISTÊNCIA - Esforços mastigatórios; - Variação volumétrica dos materiais restauradores; - Diferenças no coeficiente de expansão térmica do dente e do material restaurador. GBPD - 2005
  • 75.
  • 76.
  • 77.
  • 78.
  • 79.
  • 80.
  • 81. TEMPOS OPERATÓRIOS V- FORMA DE RETENÇÃO É o Tempo Operatório que consiste em se dar forma à cavidade com a finalidade de evitar o deslocamento da restauração, durante da mastigação de alimentos pegajosos. FORMA DE RETENÇÃO Forma de Retenção = embricamento mecânico entre o material restaurador e paredes cavitárias. GBPD - 2005
  • 82.
  • 83.
  • 84. Cavidade não retentiva Cavidade retentiva GBPD - 2005 V- FORMA DE RETENÇÃO
  • 85.
  • 86.
  • 87.
  • 88.
  • 89.
  • 90. TEMPOS OPERATÓRIOS FORMA DE CONVENIÊNCIA VI- FORMA DE CONVENIÊNCIA É o Tempo Operatório que consiste em se dar ao preparo cavitário características a fim de facilitar o acesso, a conformação e a instrumentação da cavidade. GBPD - 2005
  • 91.
  • 92.
  • 93.
  • 94. TEMPOS OPERATÓRIOS FORMA DE ACABAMENTO DAS PAREDES DE ESMALTE VII- ACABAMENTO DAS PAREDES DE ESMALTE É o Tempo Operatório que consiste em alisar as irregularidades das paredes de esmalte e do ângulo cavo-superficial do preparo cavitário. GBPD - 2005
  • 95.
  • 96. Dimunuir a infiltração marginal. GBPD - 2005
  • 97. RECORTADORES ENXADAS VII - FORMA DE ACABAMENTO DAS PAREDES DE ESMALTE GBPD - 2005
  • 98. VII - FORMA DE ACABAMENTO DAS PAREDES DE ESMALTE GBPD - 2005
  • 99. TEMPOS OPERATÓRIOS VIII- LIMPEZA DA CAVIDADE É o Tempo Operatório que consiste em remover os resíduos do preparo cavitário antes da inserção do material protetor e/ou restaurador através de diferentes agentes considerados de limpeza dentinária. LIMPEZA DA CAVIDADE GBPD - 2005
  • 100. VIII- LIMPEZA DA CAVIDADE “SMEAR LAYER” Camada de partículas agregadas resultante do Preparo Cavitário. Formada por restos adamantinos e dentinários associados a saliva, sangue, colágeno, óleo etc.... CANDIDO, M.S. M – TESE DE MESTRADO - 1980 “ mear Layer” TEMPOS OPERATÓRIOS GBPD - 2005
  • 101.
  • 102. AGENTES DESMINERALIZANTESGBPD - 2005
  • 103.
  • 104.