Educação e Dialética

6.180 visualizações

Publicada em

Material utilizado em aulas de Fundamentos Filosóficos da Educação

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.180
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
142
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Educação e Dialética

  1. 1. EDUCAÇÃO E DIALÉTICAProf. Ms. Adnilson José da Silva
  2. 2. A dialética é considerada como a mais elaborada forma de filosofia. DialéticaDo grego dialetiké debate O debate é a arte da negação. Mas, como ocorre a negação dialética?
  3. 3. Heráclito de Éfeso(aproximadamente 540 a 470 a.C.)O movimento faz com que as coisasmudem e, nessa mudança, neguem oque eram antes (porque deixaram desê-lo).Heráclito ocupava-se da natureza detodas as coisas (physis).Uma mesma pessoa nunca tomabanho duas vezes em um mesmo rio.Isso porque as pessoas mudam comoas águas de um rio.
  4. 4. Sócrates (aproximadamente 470 a 399 a.C.) Em sua maiêutica (forma de diálogo em que há “parturição” de ideias), acrescentava elementos que levavam o seu interlocutor a reelaborar o pensamento. A cada reelaboração, o pensamento já não era mais como antes (negava a forma anterior). Sócrates utilizou a dialética para tratar de contextos políticos.Platão (aproximadamente 427 a 374 a.C.)Seguiu o modelo dialético por acréscimode seu mestre (Sócrates).
  5. 5. Idade médiaA dialética foi utilizada como recursofilosófico a serviço da fé para refutarescolas e doutrinas contrárias à igreja.Santo Agostinho (354 a 430) e SãoTomás de Aquino (1225 a 1274) sãoexemplo de pensadores medievais queexploraram a contradição entre graçae pecado para combater os infiéis.
  6. 6. A dialética moderna é caracterizada por umúnico modelo e por duas perspectivas opostas O modelo é o hegeliano, composto por TESE / ANTÍTESE / SÍNTESE As perspectivas são idealismo e materialismo
  7. 7. Georg Wilhelm Friedrich Hegel(1770 a 1831)Teorizou o modelo dialético comodinâmica entre TESE, ANTÍTESE eSÍNTESE
  8. 8. A dialética se deflagra mediante a dinâmica entre dois elementos, implicando em um terceiro, assim: TESE ANTÍTESEA TESE é uma A ANTÍTESEsituação dada, nega a TESE. posta, queocupa lugar na consciênciacomo verdade, SÍNTESE crença, convicção. A SÍNTESE nega tanto a TESE quanto a ANTÍTESE, e se constitui como a nova situação dada, posta, ocupando lugar na consciência como nova verdade, crença, convicção.
  9. 9. A dialética se caracteriza pela continuidade, assim:TESE ANTÍTESE SÍNTESE TESE ANTÍTESE SÍNTESE TESE ANTÍTESE eternamente...
  10. 10. Karl Heinrich Marx (1818 a 1883) eFriedrich Engels (1820 a 1895)Estudaram a dialética hegeliana (TESE/ ANTÍTESE / SÍNTESE), porém autilizaram para interpretação darealidade histórica e econômica.Com isso teorizaram o materialismohistórico-dialético.
  11. 11. A dialética MATERIALISTA (Marx e Engels) se opõe à dialética IDEALISTA (de Hegel). dialética dialética IDEALISTA MATERIALISTA “(...) a estrutura econômica da ideia sociedade é a base Hegel Marx e Engels real sobre a qual se eleva uma a dinâmica dasuperestrutura jurídica p a dinâmica da dialética seedá qual e política à a dialética se dá em planocorrespondem formas = u em plano mental sociais determinadas t material de consciência.” a (MARX) tudo ocorre tudo ocorre antes em nível antes em nível prática mental, de material, social ideias, e materialismo histórico, e somente depoishistórico/dialético somente em nível depois, em material nível mental
  12. 12. As formas modernas de produção da vida material NEGARAM As formas medievais de produção da vida materialAs mudanças nos meios de produção (trabalho) acarretarammudanças nas formas de pensar e de se organizarsocialmente (Estado, Direito...).
  13. 13. Assim, DIALETICAMENTE: TESE ANTÍTESE A TESE é uma A ANTÍTESE situação dada, nega a TESE. posta, que ocupa lugar na É a problematização consciência proporcionada pela como verdade, SÍNTESE experiência histórica crença, convicção. A SÍNTESE nega tanto a TESE quanto a ANTÍTESE, e se constitui como a nova situação É a minha dada, posta, ocupando lugar na consciênciaprática social como nova prática, verdade, crença, inicial convicção. É a minha NOVA prática social
  14. 14. A dialética prevê uma ascensão epistemológica, ou seja, uma evolução no conhecimento proporcionada pelo constante jogo de negações. SOPHÓI Aqui a pessoa sabe diferenciar o BEM e o MAL e tem CONHECIMENTO para agir no sabedoria mundo sem que ninguém a explora, a engane e a faça sofrer. EPISTÉME Aqui a pessoa consegue entender o que acontece no mundo, sem as sombras dasconhecimento dúvidas e do medo. Entende a si mesma e o científico meio em que vive. Sabe do presente e do passado. Tem melhores condições de trabalhar e de apreciar as artes e a cultura. DOXA Aqui a pessoa aprende muita coisa boa, massenso comum ainda está presa a algumas idéias que não correspondem à realidade. Por exemplo: pode ter bom coração, mas acredita em mula-sem-cabeça e deixa que políticos corruptos a enganem.
  15. 15. Vamos rever a ascensão epistemológica, dialeticamente. SOPHÓI Diz respeito às atitudes adotadas pelo sujeito, com conhecimento e valores, tendo sabedoria em vista suas intenções pessoais e políticas. RELAÇÃO DE NEGAÇÃO EPISTÉME Compreende o conhecimento científico e cultural acumulado pela humanidade econhecimento ensinados sistematicamente (pela escola). científico RELAÇÃO DE NEGAÇÃO DOXA Compreende as opiniões aprendidassenso comum assistematicamente.
  16. 16. síncrese análise síntese todo processo que todo caótico eu empreendo cosmético pararealidade que realidade que compreender não compreendocompreendo, e apreender a que me realidadeinteressa e a qual querocompreender A avaliação pedagógica é um trabalho de verificação dessa evolução
  17. 17. Em GASPARIN, João Luiz. Uma Didática para a PedagogiaHistórico-Crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2002. TESE ANTÍTESE SÍNTESE Prática Problematização PráticaSocial Inicial Social Final Instrumentalização Catarse Condição Espaço de Nova provisória ação didática condição provisória Centro da ação dialética senso conhecimento consciência comum científico filosófica

×