Livro de horas

2.166 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Livro de horas

  1. 1. Livro de Horas – séc. XIV No final do século XIV, os estilos artísticos evoluiram para o gótico internacional, queinfluenciou o conjunto das artes e artesanatos da Europa ocidental. A finalidade da pintura já nãoera contar uma história sagrada da maneira maisclara e impressionante possível, mas representar um fragmento da natureza da maneira mais fiel possível.Inicia-se o processo de voltar-se para a natureza, tema retomado com grande expressividade na Renascença.
  2. 2. Página de um Livro de Horas - AnunciaçãoMiniaturaIluminura
  3. 3. O livro de horas foi o best seller nofinal da Idade Média, e seu uso eralimitado à leitura privada, alheia às cerimônias públicas e coletivas. Todos tinham seu Livro de Horas, muitas vezes o único da estante, mesmo os analfabetos, que decoravam suas orações.
  4. 4. As Riquíssimas Horas do Duque de BerryO mais conhecido e o mais belo entre os Livros de Horas, foi executado, por encomenda do duque, pelos irmãos Limbourg. O duque e os artistas,porém, morreram antes do término da obra, cujas miniaturas exibem, num colorido luminoso, admiráveis representações da vida cotidiana.
  5. 5. Os IluminadoresDesde o século XII, começaram a instalar-se nas principais cidades européias vários ateliês deiluminura, formados por profissionais que foramarrebatando as comunidades religiosas a ediçãode manuscritos, pondo fim ao secular monopólio dos mosteiros.
  6. 6. A s Riquíssimas Horas foram pintadas pelos três irmãos Limbourg — Paul, Hermann e Jean, artistas flamengoscontratados pelo duque de Berry por volta de 1405.
  7. 7. O s Limbourg utilizaram uma grande variedade de cores obtidas através de minerais, plantas ouprodutos químicos, misturados com goma arábica para ligar a tinta. Entre as cores incomuns queutilizaram estão o verde íris, obtido esmagando-se flores e massicote (óxido de chumbo), o azulultramarino, feito de lápis-lazúli orientais triturados. Esta cor era usada para representar os azuis brilhantes. Era, evidentemente, de um valor inestimável! O s detalhes extremamente precisos são característicos do estilo dos Limbourg, que exigia lupas e pincéis finíssimos.
  8. 8. O s quadros seguintes fazem parte do Calendário das RiquíssimasHoras. Pintado entre 1412 e 1416, constitui a mais bela parte domanuscrito e, certamente, um dos grandes tesouros da França.
  9. 9. JaneiroO mês dos presentes de Ano Novo.Em certas famílias, não celebrava- se o Natal — dava-se a cada ano um presente, chamado étrennes. Esta palavra remonta a umcostume romano segundo o qual o patrão oferecia um subsídio anual a seus clientes. (do latim strena, em português resultou estréia.)
  10. 10. Fevereiro O inverno numa aldeia decamponeses. Vemos os habitantes se aquecendo junto ao fogo,enquanto no segundo plano a vida cotidiana — corte da madeira, conduzir os animais à feira — segue seu curso.
  11. 11. Março Primeiros trabalhos agrícolas doano, semeadura, lavra e outros. Ocastelo que se avista ao fundo é ode Lusignan, um dos preferidos do duque.
  12. 12. Abril A chegada da primavera, daesperança e da vida — a relva está verde e o jovem casal de noivos troca os anéis em primeiro plano, acompanhados de seus familiarese amigos. O castelo, outro domínio do duque, é o de Dourdan.
  13. 13. Maio A festa do bonito mês de maio,durante a qual as pessoas deviamvestir-se de verde, com a libré de maio. Os cavaleiros e amazonas são jovens nobres, entre eles avistamos príncipes e princesas.Ao fundo, um castelo que julga-seser o Palais de la Cité, em Paris.
  14. 14. Junho Estação da colheita — oscamponeses ceifam os prados emharmonia. Atrás, o Palais de la Cité e a Sainte-Chapelle. Esta, situada à direita, ainda está intacta nos dias de hoje.
  15. 15. JulhoAinda a colheita: tosam-se ovelhase colhe-se o feno. O castelo que se avista ao fundo é o que se erguia outrora às margens do Clain, em Poitiers.
  16. 16. Agosto Mês da falcoaria; os nobres, levando os falcões, vão à caça,enquanto que no segundo plano os camponeses acabam a colheita e nadam. Atrás deles, o castelo de Etampes.
  17. 17. Setembro Considerada a mais famosa iluminura dos Limbourg. Os camponeses fazem a vindima. Levam as uvas ao castelo deSaumur, magnificamente pintados com inúmeros detalhes.
  18. 18. OutubroOs aldeões se ocupam em lavrar esemear a terra à sombra do Louvre — o palácio real de Charles V em Paris.
  19. 19. Novembro Trata-se da colheita da bolota do carvalho no outono. Um camponês derruba com uma vara as bolotas efrutos da faia, com que seus porcos se alimentam. Este quadro foi concluído por Jean Colombe, após a morte dos irmãos Limbourg, que pintaram apenas o tímpano zodiacal na parte superior.
  20. 20. Dezembro Na floresta de Vincennes, famosapor sua caça, um javali acossado é decepado pelos cães. Ao fundo, o castelo de Vincennes, por muitotempo residência do rei da França.

×