SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 54
NÃO TERÁS
OUTROS DEUSES
1º Trimestre de 2015
Lição 3
LIÇÕES
BÍBLICAS
Pr. Moisés Sampaio de Paula
TEXTO ÁUREO
NãoTerásOutrosDeuses
"Ouve, Israel, o SENHOR, nosso
Deus, é o único SENHOR." (Dt 6.4)
2
VERDADE PRÁTICA
NãoTerásOutrosDeuses
3
O primeiro mandamento do
Decálogo é muito mais que uma
apologia ao monoteísmo; trata-se
da soberania de um Deus que
libertou? Israel da escravidão do
Egito.
OBJETIVO GERAL
•Amar a Deus, temê-lo e
adorá-lo de todo o coração
e sinceridade.
NãoTerásOutrosDeuses
4
OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
• Explicar a autoridade da Lei.
• Informar que o primeiro mandamento
explicitava o anúncio de que havia um
único Deus.
• Mostrar a exegese do primeiro
mandamento.
• Apresentar a relação entre monoteísmo e
trindade.
NãoTerásOutrosDeuses
5
INTERAGINDO COM O
PROFESSOR
• Caro professor, a aula desta semana traz um assunto da mais
suprema importância: Deus é um Ser único, invisível, mas real. Deus é
Espírito! Numa cultura marcada pelo imediatismo, superficialismo e o
consumismo, a imagem de Deus, revelada na Bíblia Sagrada, expõe o
caminho tortuoso que a humanidade continua a trilhar no mundo
contemporâneo: a "idolatria do supérfluo". Jesus Cristo revelou a
plenitude da divindade através do evento humilde do seu nascimento.
Deus quis ser reconhecido por meio da humildade, da mansidão e do
amor manifestado por seu Filho, apesar de Criador dos céus e da
terra, o Todo-Poderoso. O primeiro mandamento ensina que o Deus
de Israel, o Deus revelado por Jesus Cristo, deve ser o único assentado
em nosso coração, isto é, na sede dos nossos pensamentos, desejos e
vontades. Os seres humanos precisam ouvir o chamado de Deus
quanto à verdadeira adoração: "Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é
o único SENHOR" (Dt 6.4).
NãoTerásOutrosDeuses
6
II. O PRIMEIRO MANDAMENTO
1. Um código monoteísta.
2. Idolatria do Egito.
3. Como Israel preservou o monoteísmo de Abraão?
Esboço da Lição
NãoTerásOutrosDeuses
7
I. A AUTORIDADE DA LEI
1. A fórmula introdutória do Decálogo.
2. As partes do concerto.
3. O Senhor do universo.
4. A libertação do Egito.
III. EXEGESE DO PRIMEIRO MANDAMENTO
1. Outros deuses.
2. O ponto de discussão.
3. O politeísmo
IV. O MONOTEÍSMO
1. Os mandamentos, os estatutos e os juízos.
2. O maior de todos os mandamentos.
3. A Trindade na unidade.
PONTO CENTRAL
•Deus é um Ser singular.
Por isso, a nossa
adoração e devoção
devem ser exclusivas.
NãoTerásOutrosDeuses
8
INTRODUÇÃO
• O primeiro mandamento vai
além da proibição à
idolatria; é contra o
politeísmo, seja em
pensamento, seja em
palavras.
• O propósito é levar Israel a
amar e a temer a Deus, e a
adorar somente a Ele com
sinceridade.
NãoTerásOutrosDeuses
9
INTRODUÇÃO
• Deus libertou os
israelitas da
escravidão do Egito e
por essa razão tem o
direito ao senhorio
sobre eles, da
mesma maneira que
Cristo nos redimiu e
se tornou Senhor
absoluto da nossa
vida.
NãoTerásOutrosDeuses
10
I. A AUTORIDADE DA LEI
• 1. A fórmula introdutória do Decálogo.
• 2. As partes do concerto.
• 3. O Senhor do universo.
• 4. A libertação do Egito.
NãoTerásOutrosDeuses
11
I. A AUTORIDADE DA LEI
NãoTerásOutrosDeuses
12
1. A fórmula introdutória do Decálogo.
• Os Dez Mandamentos estão
registrados em dois lugares
na Bíblia (Êx 20.1-17; Dt 5.6-
21).
• A fórmula introdutória:
"Então, falou Deus todas
estas palavras, dizendo [...]"
(Êx 20.1), é característica
única, como disse o rabino e
erudito bíblico Benno Jacob:
"Nós não temos um
segundo exemplo de tal
sentença introdutória".
Nem mesmo na passagem
paralela em Deuteronômio
é repetida, mas aparece de
maneira reduzida ao
mínimo absoluto.
I. A AUTORIDADE DA LEI
NãoTerásOutrosDeuses
13
2. As partes do concerto.
• O prólogo dos Dez Mandamentos identifica as
partes do concerto do Sinai:
"Eu sou o SENHOR, teu Deus,
que te tirei da terra do Egito, da
casa da servidão" (Dt 5.6; Êx
20.2).
• Estas palavras são a fonte da autoridade divina
da lei e o prefácio de todo o Decálogo.
I. A AUTORIDADE DA LEI
NãoTerásOutrosDeuses
14
2. As partes do concerto.
•É o termo legal de um pacto.
Deus,
o autor do
concerto
Israel, o povo a quem
Deus escolheu dentre
todas as nações (Dt
4.37; 10.15).
• O nome de Israel não aparece aqui, pois não é
necessário. Deus se dirige ao seu povo na segunda
pessoa do singular porque a responsabilidade de
servi-lo é pessoal, é para cada israelita, mas está
claro que o texto se refere a Israel-nação.
I. A AUTORIDADE DA LEI
NãoTerásOutrosDeuses
15
3. O Senhor do universo.
• Alguns críticos liberais, com base
numa premissa falsa sobre a
composição dos diversos códigos
do sistema mosaico, querem
sustentar a ideia de um Deus
tribal ou nacional na citação de
Dt 5.6
• São teorias subjetivas que eles
procuram submeter a métodos
sistemáticos para dar forma
acadêmica ao seu pressuposto
I. A AUTORIDADE DA LEI
NãoTerásOutrosDeuses
16
3. O Senhor do universo.
• Mas o relato da criação em
Gênesis e do dilúvio, por
exemplo, fala por si só da
soberania de Jeová em
todo o universo como
Senhor do céu e da terra,
reduzindo as ideias liberais a
cinzas.
I. A AUTORIDADE DA LEI
NãoTerásOutrosDeuses
17
4. A libertação do Egito.
• A segunda cláusula - "que te
tirei da terra do Egito, da
casa da servidão" - é uma
explicação de como se
estabeleceu o concerto.
• Estava cumprida a promessa
de redenção feita a Abraão
(Gn 15.13,14).
I. A AUTORIDADE DA LEI
NãoTerásOutrosDeuses
18
4. A libertação do Egito.
• A libertação de Israel do Egito
prefigura a nossa redenção,
pois éramos prisioneiros do
pecado e Cristo nos libertou
(Jo 8.32, 36; Cl 1.13, 14).
• É legítimo o senhorio de Deus
sobre Israel da mesma
maneira que o Senhor Jesus
Cristo tem o direito de reinar
em nossa vida (Gl 2.20).
CONHEÇA MAIS
• Cultura Pagã Egípcia
• Ao deus egípcio Amon-Rá é um dos
principais símbolos da cultura
paganizada egípcia. Um deus adorado e
venerado na cidade de Tebas. Talvez, a
divindade mais popular do Egito. De
uma aparência pouco religiosa como
outros deuses do panteão egípcio, foi
honrado como uma divindade política.
Leia mais em Tempos do Antigo
Testamento, CPAD, pp.104-107.
NãoTerásOutrosDeuses
19
SINOPSE DO TÓPICO (1)
NãoTerásOutrosDeuses
20
A autoridade da lei está
manifesta na fórmula:
"Então, falou Deus todas
estas palavras, dizendo
[...]".
SUBSÍDIO DIDÁTICO
• O primeiro tópico deseja mostrar a autoridade
da Lei, como advinda de Deus, por meio da
fórmula apresentada no primeiro versículo de
Êxodo 20: "Então, falou Deus todas estas
palavras, dizendo [...]" (v.1). Tal característica no
texto antigo é única e absoluta. Não é Moisés
falando por si mesmo, mas o texto revelando
que foi o próprio Deus quem descreveu, por
intermédio de Moisés, a introdução ao Decálogo.
Posteriormente, o versículo 2 acrescenta: "Eu
sou o SENHOR, teu Deus, que te tirei da terra do
Egito, da casa da servidão". O Deus de Israel
identifica-se como o Libertador do cativeiro que
assolava a nação
NãoTerásOutrosDeuses
21
II. O PRIMEIRO MANDAMENTO
• 1. Um código monoteísta.
• 2. Idolatria do Egito.
• 3. Como Israel preservou o monoteísmo
de Abraão?
NãoTerásOutrosDeuses
22
Shema Israel
• "Ouve, ó Israel! O Senhor, nosso Deus, é o
único Senhor. Amarás o Senhor, teu Deus,
de todo o teu coração, de toda a tua
alma e de todas as tuas forças” (Dt 6,4-5)
NãoTerásOutrosDeuses
23
II. O PRIMEIRO MANDAMENTO
• O pensamento principal do primeiro
mandamento abrange a singularidade e a
exclusividade de Deus.
• Esse mandamento é:
1. O fundamento da vida em
Israel,
2. A base de toda a lei e
3. A base de toda a Bíblia.
• Jeová é o único e verdadeiro Deus e
somente Ele deve ser adorado (Mt 4.10).
NãoTerásOutrosDeuses
24
1. Um código monoteísta.
II. O PRIMEIRO MANDAMENTO
• É a primeira vez que um código de lei
apresenta a existência de um só Deus:
NãoTerásOutrosDeuses
25
1. Um código monoteísta.
"Não terás outros deuses“
(Dt 5.7; Êx 20.3)
• Os povos da antiguidade eram politeístas,
pois adoravam a vários deuses.
II. O PRIMEIRO MANDAMENTO
• Os antigos egípcios empregavam o termo TaNeteru, "terra
dos deuses" para o seu país.
• Havia no Egito uma proliferação de deuses como as tríades
Osíris, Ísis e Hórus, divindades padroeiras da cidade de
Ábidos; Ptah, Sekhmet e Nefertum, de Mênfis; AmonRá,
Mut e Khonsu, de Tebas.
• Os israelitas viviam em meio a essa cultura pagã.
NãoTerásOutrosDeuses
26
2. Idolatria do Egito.
Deuses Egípcios
NãoTerásOutrosDeuses
27
II. O PRIMEIRO MANDAMENTO
• Os egípcios
abominavam os
pastores de ovelhas,
principal atividade dos
filhos de Israel.
NãoTerásOutrosDeuses
28
3. Como Israel preservou o monoteísmo de Abraão?
II. O PRIMEIRO MANDAMENTO
• Por essa razão os hebreus
foram viver em Gósen,
separados da idolatria
(Gn 46.34).
• Agora, o próprio Deus
comunicava por meio de
Moisés sua singularidade
e exclusividade. Era a
revelação da doutrina
monoteísta.
NãoTerásOutrosDeuses
29
3. Como Israel preservou o monoteísmo de Abraão?
SINOPSE DO TÓPICO (2)
NãoTerásOutrosDeuses
30
A ideia principal do primeiro
mandamento exprime a
singularidade e a
exclusividade de Deus.
III. EXEGESE DO PRIMEIRO
MANDAMENTO
• 1. Outros deuses.
• 2. O ponto de discussão.
• 3. O politeísmo.
NãoTerásOutrosDeuses
31
III. EXEGESEDO PRIMEIROMANDAMENTO
• As palavras hebraicas aherim e elohim,
"outros deuses", referem-se aos falsos
deuses.
NãoTerásOutrosDeuses
32
1. Outros deuses.
O substantivo elohim se
aplica tanto ao Deus
verdadeiro como aos
deuses das nações.
No primeiro caso, é usado
para expressar o conceito
universal da deidade, como
encontramos no capítulo
inteiro de Gênesis 1, pois
expressa a plenitude das
excelências divinas.
III. EXEGESEDO PRIMEIROMANDAMENTO
• A expressão "diante de mim"
(Dt 5.7b), em hebraico, al-
panay, é termo de significado
amplo:
• "além de mim, acima de mim,
ao meu lado, oposto a mim,
etc.“
NãoTerásOutrosDeuses
33
2. O ponto de discussão.
III. EXEGESEDO PRIMEIROMANDAMENTO
• Essa variedade de sentido pode levar
alguém a pensar que o primeiro
mandamento não proíbe o culto dos
deuses, mas a adoração aos deuses
diante de Deus.
• Há quem defenda tal interpretação,
mas é engano, pois o propósito
de al-panay aqui é mostrar
que só Jeová é Deus.
NãoTerásOutrosDeuses
34
2. O ponto de discussão.
III. EXEGESEDO PRIMEIROMANDAMENTO
1. Não existe nenhum deus além do
Deus de Israel (Is 45.6,14,21; Jo
17.3; 1 Co 8.6).
2. Os deuses só existem na mente
dos gentios (1 Co 8.5) e não sãos
reais (Gl 4.8).
3. Os ídolos que os pagãos
adoram são os próprios
demônios (1 Co 10.19-21).
NãoTerásOutrosDeuses
35
2. O ponto de discussão.
III. EXEGESEDO PRIMEIROMANDAMENTO
• É a prática de adoração a mais de
uma divindade.
• Esta era a prática dos cananeus e de
todos os povos da antiguidade, e
continua ainda hoje em muitas
culturas.
• O termo vem da língua grega,
reunindo polys, "muito", e theos,
"deus".
NãoTerásOutrosDeuses
36
3. O politeísmo.
III. EXEGESEDO PRIMEIROMANDAMENTO
• Isso significa que o politeísta
serve e adora a vários deuses,
e não o simples fato de
reconhecer a existência deles.
NãoTerásOutrosDeuses
37
3. O politeísmo.
• Trata-se de um sistema oposto
ao monoteísmo (monos,
"único"), a crença em um só
Deus, revelado nas Escrituras
Sagradas (Dt 6.4).
SINOPSE DO TÓPICO (3)
NãoTerásOutrosDeuses
38
Ao politeísmo é a prática da
adoração a mais de uma
divindade. Esta fazia parte
da cultura dos cananeus e
dos povos da antiguidade.
SUBSÍDIO TEOLÓGICO
• "Este primeiro mandamento trata diretamente do cerne da
relação pressuposta pelo tratado entre soberano e vassalo. O
Senhor, em virtude de eleger e libertar salvadoramente o povo
tirando-o de outro senhor (o Egito), ordena aos israelitas a
empreender e manter uma atitude de lealdade indivisa a Ele.
'Não terás outros deuses diante de mim' (v.3) é uma afirmação
categórica das reivindicações exclusivas do Senhor de domínio
e adoração. Violar este mandamento é repudiar a totalidade
de relação do concerto, pois se trata nada mais nada menos,
de alta traição" (ZUCK, Roy (Ed.). Teologia do Antigo
Testamento. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, p.51).
NãoTerásOutrosDeuses
39
IV. O MONOTEÍSMO
•1. Os mandamentos, os estatutos e
os juízos.
•2. O maior de todos os
mandamentos.
•3. A Trindade na unidade.
NãoTerásOutrosDeuses
40
IV. O MONOTEÍSMO
• Mandamentos, os estatutos e os juízos. Essas palavras
denotam toda a lei do concerto (Dt 6.1, 2).
• A pedido do próprio povo, Moisés passa a relatar, a partir
daqui, as palavras que Deus lhe disse no monte (Dt 5.27-
31).
NãoTerásOutrosDeuses
41
1. Os mandamentos, os estatutos e os juízos.
IV. O MONOTEÍSMO
• A ordem aqui tem por objetivo
estreitar a relação de Deus com os
filhos de Israel quando entrarem na
Terra Prometida.
• O povo precisava ser instruído:
1. Para viver em obediência e
2. No temor de Jeová,
• e assim possuir a terra dos cananeus
por herança (Dt 4.1).
NãoTerásOutrosDeuses
42
1. Os mandamentos, os estatutos e os juízos.
2. O maior de todos os mandamentos.
IV. O MONOTEÍSMO
NãoTerásOutrosDeuses
43
O primeiro de todos os
mandamentos
E o segundo semelhante a
este
... Ouve, Israel, o Senhor nosso
Deus é o único Senhor.
Amarás, pois, ao Senhor teu Deus
de todo o teu coração, e de toda a
tua alma, e de todo o teu
entendimento, e de todas as tuas
forças; este é o primeiro
mandamento.
...Amarás o teu próximo como a ti
mesmo. Não há outro
mandamento maior do que estes.
Essa é a confissão de fé do
judaísmo e, ainda hoje, os judeus
religiosos recitam-na três vezes
ao dia.
Note que a frase "o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR" (Dt 6.4) é
citada por Jesus Cristo como parte do primeiro e grande mandamento da lei
(Mc 12.29, 30).
Marcos 12:29-31
IV. O MONOTEÍSMO
• A palavra hebraica usada aqui (Heb.
ECHAD) indica uma unidade
composta por isso o monoteísmo
judaico-cristão não contradiz a
doutrina da Trindade.
• A mesma palavra é usada para
afirmar que marido e mulher são
"uma só carne" (Gn 2.24).
• A expressão "o único SENHOR" se
traduz também por "o SENHOR é
um" (Zc 14.9).
NãoTerásOutrosDeuses
44
3. A Trindade na unidade.
Em Deuteronômio 6:4
Moisés usou a palavra
ECHAD. Logo quando a
Bíblia diz que o Senhor
Deus é o
único Senhor, está falando
de uma UNIDADE
COMPOSTA".
IV. O MONOTEÍSMO
• A Bíblia Hebraica, tradução judaica
do Antigo Testamento para o
português, traduz o termo como "o
Eterno é um só".
• Além disso, vemos a Trindade
indiretamente em todo o Antigo
Testamento.
• O Novo Testamento tornou explícito
o que dantes estava implícito com a
manifestação do Filho de Deus.
NãoTerásOutrosDeuses
45
3. A Trindade na unidade.
Evidências da trindade no AT
• O primeiro verso da Bíblia ao descrever a obra criadora de Deus
assim diz: "No princípio criou Deus os céus e a terra." (Gen 1:1 ) A
palavra "Deus" aqui, vem do Hebraico ELONHIM. E ELOHIM é a
forma plural de ELOHÁ. Assim sendo, aqui está a primeira evidência
bíblica de pluralidade Divina.
• Em Gênesis 1:26 lemos: "E disse Deus, façamos o homem à nossa
imagem, conforme à nossa semelhança...Já no verso 27 lemos: "E
criou Deus o homem à Sua imagem...". Whidden, Moon e Reeve,
The Trinity, pág. 34, Review and Herald Publishing Association, USA,
2002. Moisés ao escrever este relato intercalou plural com singular.
Mostrando que há um só Deus, que se manifesta em três Pessoas.
• Logo após a entrada do pecado, continua a descrição: "Então disse o
Senhor Deus: Eis que o homem é como um de nós..." (Gênesis.3:22)
Perceba novamente a verbo disse o Senhor no singular e como um
de nós no plural.
NãoTerásOutrosDeuses
46
http://www.sermoes.com.br/lib/s351.htm
SINOPSE DO TÓPICO (4)
NãoTerásOutrosDeuses
47
O monoteísmo é explicitado
na frase "o Senhor nosso
Deus, é o único Senhor".
Mais tarde foi citada por
Jesus como parte do
primeiro grande
mandamento (Mc 12.30,31).
SUBSÍDIO TEOLÓGICO
NãoTerásOutrosDeuses
48
• "A Religião dos Cananeus
• Como mostram os mitos da Ugarite, a religião dos povos cananeus
adotava uma forma grosseira e aviltante de ritual politeísta. Estava
associada a uma sensual adoração da fertilidade, além de uma
particular espécie de orgia e lascívia, tendo se mostrado mais
influente que qualquer outra religião natural do Oriente Próximo. A
principal divindade reconhecida pelos cananeus tinha o nome de El,
a quem creditavam a liderança do panteão. Era uma figura um
pouco obscura, adorada como 'pai do homem' e 'pai dos anos'. Uma
estela desenterrada em Ras Shamra mostra-o sentado num trono,
com uma mão levantada em sinal de bênção, enquanto o
governante de Ugarite lhe oferecia um presente. Sua consorte era
Aserate, conselheira dos deuses e conhecida pelos israelitas como
Aserá" (HARRISON, R. K. Tempos do Antigo Testamento: Um
Contexto Social, Político e Cultural. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, p.162
).
Entre aspas
Os deuses só existem
na mente dos gentios e
não são reais. Os ídolos
são os próprios
demônios.
NãoTerásOutrosDeuses
49
Conclusão
• A tendência humana é se
esforçar para merecer a
salvação, por isso ainda há
aqueles que se ofendem com a
mensagem de que a salvação é
pela fé em Jesus, sem as obras
da lei (Gl 2.16). O que tais
pessoas querem é fazer do
cristianismo um remendo de
pano novo em veste velha (Mt
9.16; Mc 2.21).
NãoTerásOutrosDeuses
50
Sobre o primeiro
mandamento:
O que implica para a vida o mandamento "Não
terás outros deuses"?
• Exclusividade e entrega inteira para Deus. Não
permitir que nenhuma outra coisa tome o lugar
de Deus no coração.
Que mal a idolatria pode trazer para a vida de
uma pessoa?
• Um comprometimento com princípios pagãos de
vida, que nada têm a ver com a vontade de
Deus.
NãoTerásOutrosDeuses
51
Sobre o primeiro
mandamento:
Qual é a importância do maior de todos os
mandamentos?
• Este mandamento era o fundamento da vida em
Israel. Os israelitas deviam anunciar Jeová como
o único e verdadeiro Deus em meio a uma
cultura politeísta.
Por que a nossa adoração deve ser exclusiva a
Deus?
• Porque Deus é o fundamento da nossa vida.
NãoTerásOutrosDeuses
52
A respeito dos Dez
Mandamentos:
"O Senhor nosso Deus é o único Senhor." Que
significado este mandamento tem para você?
• Procure fazer com que o aluno expresse da
maneira mais natural possível o que ele sente ao
ouvir essa expressão
NãoTerásOutrosDeuses
53
Pr. Moisés Sampaio
NãoTerásOutrosDeuses
54
• Pastor auxiliar da Igreja Assembleia de
Deus em Rio Branco, AC, Brasil.
• Palestrante de seminários e pregador
no Brasil e exterior.
• Contato

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

LIÇÃO 12 - Uma séria advertência aos discípulos
LIÇÃO 12 - Uma séria advertência aos discípulosLIÇÃO 12 - Uma séria advertência aos discípulos
LIÇÃO 12 - Uma séria advertência aos discípulosNatalino das Neves Neves
 
As leis civis entregues por Moisés aos israelitas
As leis civis entregues por Moisés aos israelitasAs leis civis entregues por Moisés aos israelitas
As leis civis entregues por Moisés aos israelitasMoisés Sampaio
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoMoisés Sampaio
 
Lição 9 - A bondade divina e a regra de ouro
Lição 9 - A bondade divina e a regra de ouroLição 9 - A bondade divina e a regra de ouro
Lição 9 - A bondade divina e a regra de ouroNatalino das Neves Neves
 
O livro de deuteronômio
O livro de deuteronômioO livro de deuteronômio
O livro de deuteronômiombrandao7
 
EEPOAD - Períodos Bíblicos
EEPOAD - Períodos BíblicosEEPOAD - Períodos Bíblicos
EEPOAD - Períodos BíblicosJamerson Maia
 
Lição 13 - A decisão crucial do discípulo ouvir e praticar
Lição 13 - A decisão crucial do discípulo ouvir e praticarLição 13 - A decisão crucial do discípulo ouvir e praticar
Lição 13 - A decisão crucial do discípulo ouvir e praticarErberson Pinheiro
 
Não farás imagens de esculturas
Não farás imagens de esculturasNão farás imagens de esculturas
Não farás imagens de esculturasMoisés Sampaio
 
Unidade 4 - Descobrindo em parte "O Mistério da Trindade" - versão 2018.
 Unidade 4 - Descobrindo em parte "O Mistério da Trindade" - versão 2018. Unidade 4 - Descobrindo em parte "O Mistério da Trindade" - versão 2018.
Unidade 4 - Descobrindo em parte "O Mistério da Trindade" - versão 2018.Ramón Zazatt
 
Unidade 3 - Deus no Relato da Criação - versão 2018
Unidade 3 - Deus no Relato da Criação - versão 2018Unidade 3 - Deus no Relato da Criação - versão 2018
Unidade 3 - Deus no Relato da Criação - versão 2018Ramón Zazatt
 
Unidade 5 - A Natureza do Homem criado 1 - V2018
Unidade 5 - A Natureza do Homem criado 1 - V2018Unidade 5 - A Natureza do Homem criado 1 - V2018
Unidade 5 - A Natureza do Homem criado 1 - V2018Ramón Zazatt
 
EEPOAD - Epístolas Cristãs 3
EEPOAD - Epístolas Cristãs 3EEPOAD - Epístolas Cristãs 3
EEPOAD - Epístolas Cristãs 3Jamerson Maia
 
Lição 7 - O Decálogo: A Aliança no Sinai
Lição 7 - O Decálogo: A Aliança no SinaiLição 7 - O Decálogo: A Aliança no Sinai
Lição 7 - O Decálogo: A Aliança no SinaiÉder Tomé
 
SEITAS E HERESIAS - MÓRMONS
SEITAS E HERESIAS - MÓRMONSSEITAS E HERESIAS - MÓRMONS
SEITAS E HERESIAS - MÓRMONSLeonam dos Santos
 
Lição 1 - Apocalipse, a revelação de Jesus Cristo
Lição 1 - Apocalipse, a revelação de Jesus CristoLição 1 - Apocalipse, a revelação de Jesus Cristo
Lição 1 - Apocalipse, a revelação de Jesus CristoAilton da Silva
 
Unidade 6 - A natureza do Homem criado 2 - V2018
Unidade 6 -  A natureza do Homem criado 2 - V2018Unidade 6 -  A natureza do Homem criado 2 - V2018
Unidade 6 - A natureza do Homem criado 2 - V2018Ramón Zazatt
 

Mais procurados (20)

LIÇÃO 12 - Uma séria advertência aos discípulos
LIÇÃO 12 - Uma séria advertência aos discípulosLIÇÃO 12 - Uma séria advertência aos discípulos
LIÇÃO 12 - Uma séria advertência aos discípulos
 
As leis civis entregues por Moisés aos israelitas
As leis civis entregues por Moisés aos israelitasAs leis civis entregues por Moisés aos israelitas
As leis civis entregues por Moisés aos israelitas
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
 
Lição 9 - A bondade divina e a regra de ouro
Lição 9 - A bondade divina e a regra de ouroLição 9 - A bondade divina e a regra de ouro
Lição 9 - A bondade divina e a regra de ouro
 
O livro de deuteronômio
O livro de deuteronômioO livro de deuteronômio
O livro de deuteronômio
 
EEPOAD - Períodos Bíblicos
EEPOAD - Períodos BíblicosEEPOAD - Períodos Bíblicos
EEPOAD - Períodos Bíblicos
 
Santificarás o sábado
Santificarás o sábadoSantificarás o sábado
Santificarás o sábado
 
Lição 13 - A decisão crucial do discípulo ouvir e praticar
Lição 13 - A decisão crucial do discípulo ouvir e praticarLição 13 - A decisão crucial do discípulo ouvir e praticar
Lição 13 - A decisão crucial do discípulo ouvir e praticar
 
Não farás imagens de esculturas
Não farás imagens de esculturasNão farás imagens de esculturas
Não farás imagens de esculturas
 
Lição 4 Hebreus
Lição 4   HebreusLição 4   Hebreus
Lição 4 Hebreus
 
Unidade 4 - Descobrindo em parte "O Mistério da Trindade" - versão 2018.
 Unidade 4 - Descobrindo em parte "O Mistério da Trindade" - versão 2018. Unidade 4 - Descobrindo em parte "O Mistério da Trindade" - versão 2018.
Unidade 4 - Descobrindo em parte "O Mistério da Trindade" - versão 2018.
 
Unidade 3 - Deus no Relato da Criação - versão 2018
Unidade 3 - Deus no Relato da Criação - versão 2018Unidade 3 - Deus no Relato da Criação - versão 2018
Unidade 3 - Deus no Relato da Criação - versão 2018
 
40 hebreus
40 hebreus40 hebreus
40 hebreus
 
Unidade 5 - A Natureza do Homem criado 1 - V2018
Unidade 5 - A Natureza do Homem criado 1 - V2018Unidade 5 - A Natureza do Homem criado 1 - V2018
Unidade 5 - A Natureza do Homem criado 1 - V2018
 
EEPOAD - Epístolas Cristãs 3
EEPOAD - Epístolas Cristãs 3EEPOAD - Epístolas Cristãs 3
EEPOAD - Epístolas Cristãs 3
 
Lição 7 - O Decálogo: A Aliança no Sinai
Lição 7 - O Decálogo: A Aliança no SinaiLição 7 - O Decálogo: A Aliança no Sinai
Lição 7 - O Decálogo: A Aliança no Sinai
 
EEPOAD - Pentateuco
EEPOAD - PentateucoEEPOAD - Pentateuco
EEPOAD - Pentateuco
 
SEITAS E HERESIAS - MÓRMONS
SEITAS E HERESIAS - MÓRMONSSEITAS E HERESIAS - MÓRMONS
SEITAS E HERESIAS - MÓRMONS
 
Lição 1 - Apocalipse, a revelação de Jesus Cristo
Lição 1 - Apocalipse, a revelação de Jesus CristoLição 1 - Apocalipse, a revelação de Jesus Cristo
Lição 1 - Apocalipse, a revelação de Jesus Cristo
 
Unidade 6 - A natureza do Homem criado 2 - V2018
Unidade 6 -  A natureza do Homem criado 2 - V2018Unidade 6 -  A natureza do Homem criado 2 - V2018
Unidade 6 - A natureza do Homem criado 2 - V2018
 

Semelhante a Não terás outros deuses

Ebd adultos lição 12 - 1º trimestre 2016
Ebd   adultos lição 12 - 1º trimestre 2016Ebd   adultos lição 12 - 1º trimestre 2016
Ebd adultos lição 12 - 1º trimestre 2016Joel Silva
 
LIÇÃO 3 – NÃO TERÁS OUTROS DEUSES
LIÇÃO 3 – NÃO TERÁS OUTROS DEUSESLIÇÃO 3 – NÃO TERÁS OUTROS DEUSES
LIÇÃO 3 – NÃO TERÁS OUTROS DEUSESLourinaldo Serafim
 
Lição 03 - Não terás outros deuses
Lição 03 - Não terás outros deusesLição 03 - Não terás outros deuses
Lição 03 - Não terás outros deusesPr. Andre Luiz
 
Não terás outros deuses
Não terás outros deusesNão terás outros deuses
Não terás outros deusesAilton da Silva
 
Teologia. 1 doutrinas bíblicas
Teologia. 1 doutrinas bíblicasTeologia. 1 doutrinas bíblicas
Teologia. 1 doutrinas bíblicasJoel da Silva
 
Teologia. 1 doutrinas bíblicas
Teologia. 1 doutrinas bíblicasTeologia. 1 doutrinas bíblicas
Teologia. 1 doutrinas bíblicasJoel O. Silva
 
Juvenis lição 07 - 3º trimestre 2015
Juvenis   lição 07 - 3º trimestre 2015Juvenis   lição 07 - 3º trimestre 2015
Juvenis lição 07 - 3º trimestre 2015Joel Oliveira
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 07
3º trimestre 2015 juvenis lição 073º trimestre 2015 juvenis lição 07
3º trimestre 2015 juvenis lição 07Joel Silva
 
Lição 1 O Livro de Exodo e o Cativeiro de Israel no Egito & Licao 2 Um Libert...
Lição 1 O Livro de Exodo e o Cativeiro de Israel no Egito & Licao 2 Um Libert...Lição 1 O Livro de Exodo e o Cativeiro de Israel no Egito & Licao 2 Um Libert...
Lição 1 O Livro de Exodo e o Cativeiro de Israel no Egito & Licao 2 Um Libert...pralucianaevangelista
 
Dispensação da lei.pptx
Dispensação da lei.pptxDispensação da lei.pptx
Dispensação da lei.pptxSamyraAlves3
 
genesis: A Compreensão sobre a criação (Afonso David Manjate).ppt
genesis: A Compreensão sobre a criação (Afonso David Manjate).pptgenesis: A Compreensão sobre a criação (Afonso David Manjate).ppt
genesis: A Compreensão sobre a criação (Afonso David Manjate).pptAfonsodvd2
 
Lição 13 (1° 14) o legado de moisés
Lição 13 (1° 14) o legado de moisésLição 13 (1° 14) o legado de moisés
Lição 13 (1° 14) o legado de moisésPr. Andre Luiz
 
Panorama do AntigoTestamento - aula 1
Panorama do AntigoTestamento - aula 1Panorama do AntigoTestamento - aula 1
Panorama do AntigoTestamento - aula 1Juarez Sobrenome
 
5 deuteronomio
5 deuteronomio5 deuteronomio
5 deuteronomioPib Penha
 

Semelhante a Não terás outros deuses (20)

Ebd adultos lição 12 - 1º trimestre 2016
Ebd   adultos lição 12 - 1º trimestre 2016Ebd   adultos lição 12 - 1º trimestre 2016
Ebd adultos lição 12 - 1º trimestre 2016
 
LIÇÃO 3 – NÃO TERÁS OUTROS DEUSES
LIÇÃO 3 – NÃO TERÁS OUTROS DEUSESLIÇÃO 3 – NÃO TERÁS OUTROS DEUSES
LIÇÃO 3 – NÃO TERÁS OUTROS DEUSES
 
Lição 03 - Não terás outros deuses
Lição 03 - Não terás outros deusesLição 03 - Não terás outros deuses
Lição 03 - Não terás outros deuses
 
Não terás outros deuses
Não terás outros deusesNão terás outros deuses
Não terás outros deuses
 
Teologia. 1 doutrinas bíblicas
Teologia. 1 doutrinas bíblicasTeologia. 1 doutrinas bíblicas
Teologia. 1 doutrinas bíblicas
 
Teologia. 1 doutrinas bíblicas
Teologia. 1 doutrinas bíblicasTeologia. 1 doutrinas bíblicas
Teologia. 1 doutrinas bíblicas
 
LIÇÃO 3 - NÃO TERÁS OUTROS DEUSES
LIÇÃO 3 - NÃO TERÁS OUTROS DEUSESLIÇÃO 3 - NÃO TERÁS OUTROS DEUSES
LIÇÃO 3 - NÃO TERÁS OUTROS DEUSES
 
Juvenis lição 07 - 3º trimestre 2015
Juvenis   lição 07 - 3º trimestre 2015Juvenis   lição 07 - 3º trimestre 2015
Juvenis lição 07 - 3º trimestre 2015
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 07
3º trimestre 2015 juvenis lição 073º trimestre 2015 juvenis lição 07
3º trimestre 2015 juvenis lição 07
 
O legado de Moisés
O legado de MoisésO legado de Moisés
O legado de Moisés
 
Deuteronomio 7
Deuteronomio 7Deuteronomio 7
Deuteronomio 7
 
Deuteronomio 8
Deuteronomio 8Deuteronomio 8
Deuteronomio 8
 
Deuteronomio 6
Deuteronomio 6Deuteronomio 6
Deuteronomio 6
 
Lição 1 O Livro de Exodo e o Cativeiro de Israel no Egito & Licao 2 Um Libert...
Lição 1 O Livro de Exodo e o Cativeiro de Israel no Egito & Licao 2 Um Libert...Lição 1 O Livro de Exodo e o Cativeiro de Israel no Egito & Licao 2 Um Libert...
Lição 1 O Livro de Exodo e o Cativeiro de Israel no Egito & Licao 2 Um Libert...
 
Dispensação da lei.pptx
Dispensação da lei.pptxDispensação da lei.pptx
Dispensação da lei.pptx
 
Aula 3 - Êxodo
Aula 3 - ÊxodoAula 3 - Êxodo
Aula 3 - Êxodo
 
genesis: A Compreensão sobre a criação (Afonso David Manjate).ppt
genesis: A Compreensão sobre a criação (Afonso David Manjate).pptgenesis: A Compreensão sobre a criação (Afonso David Manjate).ppt
genesis: A Compreensão sobre a criação (Afonso David Manjate).ppt
 
Lição 13 (1° 14) o legado de moisés
Lição 13 (1° 14) o legado de moisésLição 13 (1° 14) o legado de moisés
Lição 13 (1° 14) o legado de moisés
 
Panorama do AntigoTestamento - aula 1
Panorama do AntigoTestamento - aula 1Panorama do AntigoTestamento - aula 1
Panorama do AntigoTestamento - aula 1
 
5 deuteronomio
5 deuteronomio5 deuteronomio
5 deuteronomio
 

Mais de Moisés Sampaio

Mais de Moisés Sampaio (20)

Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
 
A infância de Jesus
A infância de JesusA infância de Jesus
A infância de Jesus
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
 
9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum
 
8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia
 
Não cobiçarás
Não cobiçarásNão cobiçarás
Não cobiçarás
 
7- Tiberíades
7- Tiberíades7- Tiberíades
7- Tiberíades
 
6 meggido
6   meggido6   meggido
6 meggido
 
5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo
 
4 - Haifa
4 - Haifa4 - Haifa
4 - Haifa
 
3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima
 
2-Jaffa
2-Jaffa2-Jaffa
2-Jaffa
 
1 - Tel Aviv
1 - Tel Aviv1 - Tel Aviv
1 - Tel Aviv
 

Último

UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxmariiiaaa1290
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 

Último (20)

UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 

Não terás outros deuses

  • 1. NÃO TERÁS OUTROS DEUSES 1º Trimestre de 2015 Lição 3 LIÇÕES BÍBLICAS Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 2. TEXTO ÁUREO NãoTerásOutrosDeuses "Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR." (Dt 6.4) 2
  • 3. VERDADE PRÁTICA NãoTerásOutrosDeuses 3 O primeiro mandamento do Decálogo é muito mais que uma apologia ao monoteísmo; trata-se da soberania de um Deus que libertou? Israel da escravidão do Egito.
  • 4. OBJETIVO GERAL •Amar a Deus, temê-lo e adorá-lo de todo o coração e sinceridade. NãoTerásOutrosDeuses 4
  • 5. OBJETIVOS Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: • Explicar a autoridade da Lei. • Informar que o primeiro mandamento explicitava o anúncio de que havia um único Deus. • Mostrar a exegese do primeiro mandamento. • Apresentar a relação entre monoteísmo e trindade. NãoTerásOutrosDeuses 5
  • 6. INTERAGINDO COM O PROFESSOR • Caro professor, a aula desta semana traz um assunto da mais suprema importância: Deus é um Ser único, invisível, mas real. Deus é Espírito! Numa cultura marcada pelo imediatismo, superficialismo e o consumismo, a imagem de Deus, revelada na Bíblia Sagrada, expõe o caminho tortuoso que a humanidade continua a trilhar no mundo contemporâneo: a "idolatria do supérfluo". Jesus Cristo revelou a plenitude da divindade através do evento humilde do seu nascimento. Deus quis ser reconhecido por meio da humildade, da mansidão e do amor manifestado por seu Filho, apesar de Criador dos céus e da terra, o Todo-Poderoso. O primeiro mandamento ensina que o Deus de Israel, o Deus revelado por Jesus Cristo, deve ser o único assentado em nosso coração, isto é, na sede dos nossos pensamentos, desejos e vontades. Os seres humanos precisam ouvir o chamado de Deus quanto à verdadeira adoração: "Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR" (Dt 6.4). NãoTerásOutrosDeuses 6
  • 7. II. O PRIMEIRO MANDAMENTO 1. Um código monoteísta. 2. Idolatria do Egito. 3. Como Israel preservou o monoteísmo de Abraão? Esboço da Lição NãoTerásOutrosDeuses 7 I. A AUTORIDADE DA LEI 1. A fórmula introdutória do Decálogo. 2. As partes do concerto. 3. O Senhor do universo. 4. A libertação do Egito. III. EXEGESE DO PRIMEIRO MANDAMENTO 1. Outros deuses. 2. O ponto de discussão. 3. O politeísmo IV. O MONOTEÍSMO 1. Os mandamentos, os estatutos e os juízos. 2. O maior de todos os mandamentos. 3. A Trindade na unidade.
  • 8. PONTO CENTRAL •Deus é um Ser singular. Por isso, a nossa adoração e devoção devem ser exclusivas. NãoTerásOutrosDeuses 8
  • 9. INTRODUÇÃO • O primeiro mandamento vai além da proibição à idolatria; é contra o politeísmo, seja em pensamento, seja em palavras. • O propósito é levar Israel a amar e a temer a Deus, e a adorar somente a Ele com sinceridade. NãoTerásOutrosDeuses 9
  • 10. INTRODUÇÃO • Deus libertou os israelitas da escravidão do Egito e por essa razão tem o direito ao senhorio sobre eles, da mesma maneira que Cristo nos redimiu e se tornou Senhor absoluto da nossa vida. NãoTerásOutrosDeuses 10
  • 11. I. A AUTORIDADE DA LEI • 1. A fórmula introdutória do Decálogo. • 2. As partes do concerto. • 3. O Senhor do universo. • 4. A libertação do Egito. NãoTerásOutrosDeuses 11
  • 12. I. A AUTORIDADE DA LEI NãoTerásOutrosDeuses 12 1. A fórmula introdutória do Decálogo. • Os Dez Mandamentos estão registrados em dois lugares na Bíblia (Êx 20.1-17; Dt 5.6- 21). • A fórmula introdutória: "Então, falou Deus todas estas palavras, dizendo [...]" (Êx 20.1), é característica única, como disse o rabino e erudito bíblico Benno Jacob: "Nós não temos um segundo exemplo de tal sentença introdutória". Nem mesmo na passagem paralela em Deuteronômio é repetida, mas aparece de maneira reduzida ao mínimo absoluto.
  • 13. I. A AUTORIDADE DA LEI NãoTerásOutrosDeuses 13 2. As partes do concerto. • O prólogo dos Dez Mandamentos identifica as partes do concerto do Sinai: "Eu sou o SENHOR, teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão" (Dt 5.6; Êx 20.2). • Estas palavras são a fonte da autoridade divina da lei e o prefácio de todo o Decálogo.
  • 14. I. A AUTORIDADE DA LEI NãoTerásOutrosDeuses 14 2. As partes do concerto. •É o termo legal de um pacto. Deus, o autor do concerto Israel, o povo a quem Deus escolheu dentre todas as nações (Dt 4.37; 10.15). • O nome de Israel não aparece aqui, pois não é necessário. Deus se dirige ao seu povo na segunda pessoa do singular porque a responsabilidade de servi-lo é pessoal, é para cada israelita, mas está claro que o texto se refere a Israel-nação.
  • 15. I. A AUTORIDADE DA LEI NãoTerásOutrosDeuses 15 3. O Senhor do universo. • Alguns críticos liberais, com base numa premissa falsa sobre a composição dos diversos códigos do sistema mosaico, querem sustentar a ideia de um Deus tribal ou nacional na citação de Dt 5.6 • São teorias subjetivas que eles procuram submeter a métodos sistemáticos para dar forma acadêmica ao seu pressuposto
  • 16. I. A AUTORIDADE DA LEI NãoTerásOutrosDeuses 16 3. O Senhor do universo. • Mas o relato da criação em Gênesis e do dilúvio, por exemplo, fala por si só da soberania de Jeová em todo o universo como Senhor do céu e da terra, reduzindo as ideias liberais a cinzas.
  • 17. I. A AUTORIDADE DA LEI NãoTerásOutrosDeuses 17 4. A libertação do Egito. • A segunda cláusula - "que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão" - é uma explicação de como se estabeleceu o concerto. • Estava cumprida a promessa de redenção feita a Abraão (Gn 15.13,14).
  • 18. I. A AUTORIDADE DA LEI NãoTerásOutrosDeuses 18 4. A libertação do Egito. • A libertação de Israel do Egito prefigura a nossa redenção, pois éramos prisioneiros do pecado e Cristo nos libertou (Jo 8.32, 36; Cl 1.13, 14). • É legítimo o senhorio de Deus sobre Israel da mesma maneira que o Senhor Jesus Cristo tem o direito de reinar em nossa vida (Gl 2.20).
  • 19. CONHEÇA MAIS • Cultura Pagã Egípcia • Ao deus egípcio Amon-Rá é um dos principais símbolos da cultura paganizada egípcia. Um deus adorado e venerado na cidade de Tebas. Talvez, a divindade mais popular do Egito. De uma aparência pouco religiosa como outros deuses do panteão egípcio, foi honrado como uma divindade política. Leia mais em Tempos do Antigo Testamento, CPAD, pp.104-107. NãoTerásOutrosDeuses 19
  • 20. SINOPSE DO TÓPICO (1) NãoTerásOutrosDeuses 20 A autoridade da lei está manifesta na fórmula: "Então, falou Deus todas estas palavras, dizendo [...]".
  • 21. SUBSÍDIO DIDÁTICO • O primeiro tópico deseja mostrar a autoridade da Lei, como advinda de Deus, por meio da fórmula apresentada no primeiro versículo de Êxodo 20: "Então, falou Deus todas estas palavras, dizendo [...]" (v.1). Tal característica no texto antigo é única e absoluta. Não é Moisés falando por si mesmo, mas o texto revelando que foi o próprio Deus quem descreveu, por intermédio de Moisés, a introdução ao Decálogo. Posteriormente, o versículo 2 acrescenta: "Eu sou o SENHOR, teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão". O Deus de Israel identifica-se como o Libertador do cativeiro que assolava a nação NãoTerásOutrosDeuses 21
  • 22. II. O PRIMEIRO MANDAMENTO • 1. Um código monoteísta. • 2. Idolatria do Egito. • 3. Como Israel preservou o monoteísmo de Abraão? NãoTerásOutrosDeuses 22
  • 23. Shema Israel • "Ouve, ó Israel! O Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças” (Dt 6,4-5) NãoTerásOutrosDeuses 23
  • 24. II. O PRIMEIRO MANDAMENTO • O pensamento principal do primeiro mandamento abrange a singularidade e a exclusividade de Deus. • Esse mandamento é: 1. O fundamento da vida em Israel, 2. A base de toda a lei e 3. A base de toda a Bíblia. • Jeová é o único e verdadeiro Deus e somente Ele deve ser adorado (Mt 4.10). NãoTerásOutrosDeuses 24 1. Um código monoteísta.
  • 25. II. O PRIMEIRO MANDAMENTO • É a primeira vez que um código de lei apresenta a existência de um só Deus: NãoTerásOutrosDeuses 25 1. Um código monoteísta. "Não terás outros deuses“ (Dt 5.7; Êx 20.3) • Os povos da antiguidade eram politeístas, pois adoravam a vários deuses.
  • 26. II. O PRIMEIRO MANDAMENTO • Os antigos egípcios empregavam o termo TaNeteru, "terra dos deuses" para o seu país. • Havia no Egito uma proliferação de deuses como as tríades Osíris, Ísis e Hórus, divindades padroeiras da cidade de Ábidos; Ptah, Sekhmet e Nefertum, de Mênfis; AmonRá, Mut e Khonsu, de Tebas. • Os israelitas viviam em meio a essa cultura pagã. NãoTerásOutrosDeuses 26 2. Idolatria do Egito.
  • 28. II. O PRIMEIRO MANDAMENTO • Os egípcios abominavam os pastores de ovelhas, principal atividade dos filhos de Israel. NãoTerásOutrosDeuses 28 3. Como Israel preservou o monoteísmo de Abraão?
  • 29. II. O PRIMEIRO MANDAMENTO • Por essa razão os hebreus foram viver em Gósen, separados da idolatria (Gn 46.34). • Agora, o próprio Deus comunicava por meio de Moisés sua singularidade e exclusividade. Era a revelação da doutrina monoteísta. NãoTerásOutrosDeuses 29 3. Como Israel preservou o monoteísmo de Abraão?
  • 30. SINOPSE DO TÓPICO (2) NãoTerásOutrosDeuses 30 A ideia principal do primeiro mandamento exprime a singularidade e a exclusividade de Deus.
  • 31. III. EXEGESE DO PRIMEIRO MANDAMENTO • 1. Outros deuses. • 2. O ponto de discussão. • 3. O politeísmo. NãoTerásOutrosDeuses 31
  • 32. III. EXEGESEDO PRIMEIROMANDAMENTO • As palavras hebraicas aherim e elohim, "outros deuses", referem-se aos falsos deuses. NãoTerásOutrosDeuses 32 1. Outros deuses. O substantivo elohim se aplica tanto ao Deus verdadeiro como aos deuses das nações. No primeiro caso, é usado para expressar o conceito universal da deidade, como encontramos no capítulo inteiro de Gênesis 1, pois expressa a plenitude das excelências divinas.
  • 33. III. EXEGESEDO PRIMEIROMANDAMENTO • A expressão "diante de mim" (Dt 5.7b), em hebraico, al- panay, é termo de significado amplo: • "além de mim, acima de mim, ao meu lado, oposto a mim, etc.“ NãoTerásOutrosDeuses 33 2. O ponto de discussão.
  • 34. III. EXEGESEDO PRIMEIROMANDAMENTO • Essa variedade de sentido pode levar alguém a pensar que o primeiro mandamento não proíbe o culto dos deuses, mas a adoração aos deuses diante de Deus. • Há quem defenda tal interpretação, mas é engano, pois o propósito de al-panay aqui é mostrar que só Jeová é Deus. NãoTerásOutrosDeuses 34 2. O ponto de discussão.
  • 35. III. EXEGESEDO PRIMEIROMANDAMENTO 1. Não existe nenhum deus além do Deus de Israel (Is 45.6,14,21; Jo 17.3; 1 Co 8.6). 2. Os deuses só existem na mente dos gentios (1 Co 8.5) e não sãos reais (Gl 4.8). 3. Os ídolos que os pagãos adoram são os próprios demônios (1 Co 10.19-21). NãoTerásOutrosDeuses 35 2. O ponto de discussão.
  • 36. III. EXEGESEDO PRIMEIROMANDAMENTO • É a prática de adoração a mais de uma divindade. • Esta era a prática dos cananeus e de todos os povos da antiguidade, e continua ainda hoje em muitas culturas. • O termo vem da língua grega, reunindo polys, "muito", e theos, "deus". NãoTerásOutrosDeuses 36 3. O politeísmo.
  • 37. III. EXEGESEDO PRIMEIROMANDAMENTO • Isso significa que o politeísta serve e adora a vários deuses, e não o simples fato de reconhecer a existência deles. NãoTerásOutrosDeuses 37 3. O politeísmo. • Trata-se de um sistema oposto ao monoteísmo (monos, "único"), a crença em um só Deus, revelado nas Escrituras Sagradas (Dt 6.4).
  • 38. SINOPSE DO TÓPICO (3) NãoTerásOutrosDeuses 38 Ao politeísmo é a prática da adoração a mais de uma divindade. Esta fazia parte da cultura dos cananeus e dos povos da antiguidade.
  • 39. SUBSÍDIO TEOLÓGICO • "Este primeiro mandamento trata diretamente do cerne da relação pressuposta pelo tratado entre soberano e vassalo. O Senhor, em virtude de eleger e libertar salvadoramente o povo tirando-o de outro senhor (o Egito), ordena aos israelitas a empreender e manter uma atitude de lealdade indivisa a Ele. 'Não terás outros deuses diante de mim' (v.3) é uma afirmação categórica das reivindicações exclusivas do Senhor de domínio e adoração. Violar este mandamento é repudiar a totalidade de relação do concerto, pois se trata nada mais nada menos, de alta traição" (ZUCK, Roy (Ed.). Teologia do Antigo Testamento. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, p.51). NãoTerásOutrosDeuses 39
  • 40. IV. O MONOTEÍSMO •1. Os mandamentos, os estatutos e os juízos. •2. O maior de todos os mandamentos. •3. A Trindade na unidade. NãoTerásOutrosDeuses 40
  • 41. IV. O MONOTEÍSMO • Mandamentos, os estatutos e os juízos. Essas palavras denotam toda a lei do concerto (Dt 6.1, 2). • A pedido do próprio povo, Moisés passa a relatar, a partir daqui, as palavras que Deus lhe disse no monte (Dt 5.27- 31). NãoTerásOutrosDeuses 41 1. Os mandamentos, os estatutos e os juízos.
  • 42. IV. O MONOTEÍSMO • A ordem aqui tem por objetivo estreitar a relação de Deus com os filhos de Israel quando entrarem na Terra Prometida. • O povo precisava ser instruído: 1. Para viver em obediência e 2. No temor de Jeová, • e assim possuir a terra dos cananeus por herança (Dt 4.1). NãoTerásOutrosDeuses 42 1. Os mandamentos, os estatutos e os juízos.
  • 43. 2. O maior de todos os mandamentos. IV. O MONOTEÍSMO NãoTerásOutrosDeuses 43 O primeiro de todos os mandamentos E o segundo semelhante a este ... Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. ...Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes. Essa é a confissão de fé do judaísmo e, ainda hoje, os judeus religiosos recitam-na três vezes ao dia. Note que a frase "o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR" (Dt 6.4) é citada por Jesus Cristo como parte do primeiro e grande mandamento da lei (Mc 12.29, 30). Marcos 12:29-31
  • 44. IV. O MONOTEÍSMO • A palavra hebraica usada aqui (Heb. ECHAD) indica uma unidade composta por isso o monoteísmo judaico-cristão não contradiz a doutrina da Trindade. • A mesma palavra é usada para afirmar que marido e mulher são "uma só carne" (Gn 2.24). • A expressão "o único SENHOR" se traduz também por "o SENHOR é um" (Zc 14.9). NãoTerásOutrosDeuses 44 3. A Trindade na unidade. Em Deuteronômio 6:4 Moisés usou a palavra ECHAD. Logo quando a Bíblia diz que o Senhor Deus é o único Senhor, está falando de uma UNIDADE COMPOSTA".
  • 45. IV. O MONOTEÍSMO • A Bíblia Hebraica, tradução judaica do Antigo Testamento para o português, traduz o termo como "o Eterno é um só". • Além disso, vemos a Trindade indiretamente em todo o Antigo Testamento. • O Novo Testamento tornou explícito o que dantes estava implícito com a manifestação do Filho de Deus. NãoTerásOutrosDeuses 45 3. A Trindade na unidade.
  • 46. Evidências da trindade no AT • O primeiro verso da Bíblia ao descrever a obra criadora de Deus assim diz: "No princípio criou Deus os céus e a terra." (Gen 1:1 ) A palavra "Deus" aqui, vem do Hebraico ELONHIM. E ELOHIM é a forma plural de ELOHÁ. Assim sendo, aqui está a primeira evidência bíblica de pluralidade Divina. • Em Gênesis 1:26 lemos: "E disse Deus, façamos o homem à nossa imagem, conforme à nossa semelhança...Já no verso 27 lemos: "E criou Deus o homem à Sua imagem...". Whidden, Moon e Reeve, The Trinity, pág. 34, Review and Herald Publishing Association, USA, 2002. Moisés ao escrever este relato intercalou plural com singular. Mostrando que há um só Deus, que se manifesta em três Pessoas. • Logo após a entrada do pecado, continua a descrição: "Então disse o Senhor Deus: Eis que o homem é como um de nós..." (Gênesis.3:22) Perceba novamente a verbo disse o Senhor no singular e como um de nós no plural. NãoTerásOutrosDeuses 46 http://www.sermoes.com.br/lib/s351.htm
  • 47. SINOPSE DO TÓPICO (4) NãoTerásOutrosDeuses 47 O monoteísmo é explicitado na frase "o Senhor nosso Deus, é o único Senhor". Mais tarde foi citada por Jesus como parte do primeiro grande mandamento (Mc 12.30,31).
  • 48. SUBSÍDIO TEOLÓGICO NãoTerásOutrosDeuses 48 • "A Religião dos Cananeus • Como mostram os mitos da Ugarite, a religião dos povos cananeus adotava uma forma grosseira e aviltante de ritual politeísta. Estava associada a uma sensual adoração da fertilidade, além de uma particular espécie de orgia e lascívia, tendo se mostrado mais influente que qualquer outra religião natural do Oriente Próximo. A principal divindade reconhecida pelos cananeus tinha o nome de El, a quem creditavam a liderança do panteão. Era uma figura um pouco obscura, adorada como 'pai do homem' e 'pai dos anos'. Uma estela desenterrada em Ras Shamra mostra-o sentado num trono, com uma mão levantada em sinal de bênção, enquanto o governante de Ugarite lhe oferecia um presente. Sua consorte era Aserate, conselheira dos deuses e conhecida pelos israelitas como Aserá" (HARRISON, R. K. Tempos do Antigo Testamento: Um Contexto Social, Político e Cultural. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, p.162 ).
  • 49. Entre aspas Os deuses só existem na mente dos gentios e não são reais. Os ídolos são os próprios demônios. NãoTerásOutrosDeuses 49
  • 50. Conclusão • A tendência humana é se esforçar para merecer a salvação, por isso ainda há aqueles que se ofendem com a mensagem de que a salvação é pela fé em Jesus, sem as obras da lei (Gl 2.16). O que tais pessoas querem é fazer do cristianismo um remendo de pano novo em veste velha (Mt 9.16; Mc 2.21). NãoTerásOutrosDeuses 50
  • 51. Sobre o primeiro mandamento: O que implica para a vida o mandamento "Não terás outros deuses"? • Exclusividade e entrega inteira para Deus. Não permitir que nenhuma outra coisa tome o lugar de Deus no coração. Que mal a idolatria pode trazer para a vida de uma pessoa? • Um comprometimento com princípios pagãos de vida, que nada têm a ver com a vontade de Deus. NãoTerásOutrosDeuses 51
  • 52. Sobre o primeiro mandamento: Qual é a importância do maior de todos os mandamentos? • Este mandamento era o fundamento da vida em Israel. Os israelitas deviam anunciar Jeová como o único e verdadeiro Deus em meio a uma cultura politeísta. Por que a nossa adoração deve ser exclusiva a Deus? • Porque Deus é o fundamento da nossa vida. NãoTerásOutrosDeuses 52
  • 53. A respeito dos Dez Mandamentos: "O Senhor nosso Deus é o único Senhor." Que significado este mandamento tem para você? • Procure fazer com que o aluno expresse da maneira mais natural possível o que ele sente ao ouvir essa expressão NãoTerásOutrosDeuses 53
  • 54. Pr. Moisés Sampaio NãoTerásOutrosDeuses 54 • Pastor auxiliar da Igreja Assembleia de Deus em Rio Branco, AC, Brasil. • Palestrante de seminários e pregador no Brasil e exterior. • Contato