SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
Transcrição




Priscila Rodrigues de Souza
Transcrição: é a síntese de moléculas de RNA, com o DNA como molde




                                                         .

Estrutura do RNA

O RNA, como o DNA, é um polímero que consiste em nucleotídeos unidos por ligação
fosfodiéster. Entretanto, existem várias diferenças importantes nas estruturas do DNA
e do RNA.O RNA difere do DNA por conter uracil em vez de timina, ser normalmente
unifilamentar e por conter o açúcar ribose.




Tipos de RNAs
Somente pequena parcela do DNA total das células é transcrito. Genes individuais são
transcritos apenas quando seus produtos são necessários.

Genoma = DNA codificante(aquele que é transcrito) + DNA não-codificante (“DNA
lixo”)




O molde para a síntese de RNA é um filamento único da dupla-hélice de DNA. Ao
contrário da replicação, a transcrição ocorre em apenas um dos dois filamentos de
DNA.O filamento usado para a trancrição é chamado de filamento molde. O outro
filamento, chamdo de filamento não-molde, geralmente não é transcrito.
Uma unidade de trancrição ou gene é um trecho de DNA que codifica uma molécula
de RNA e as sequencias necessárias para sua transcrição apropriada. Cada unidade
de transcrição ou gene inclui um promotor, uma região codificante de RNA e um
finalizador.




Promotor é uma sequência de DNA que o aparelho de transcrição reconhece e à qual
se liga. Ele indica qual dos dois filamentos de DNA deve ser lido como molde e o
sentido da transcrição. Também determina o ponto de início da transcrição, o primeiro
nucleotídeo que será transcrito em RNA. Está situado perto do sítio de início da
transcrição, mas ele mesmo não é transcrito.

Os promotores contêm sequências curtas de consenso (nucleotídeos mais comumente
encontrados em um local específico) como por exemplo a sequencia de consenso –
10 (na região -10) cuja sequência é 5’ TATAAT 3’.

A região codificante de RNA é uma sequência denucleotídeos de DNA que é
copiada em uma molécula de RNA.

O finalizador é a sequência de nucleotídeos que indica onde termina a transcrição.
Em geral a transcrição pára após o finalizador ter sido copiado em RNA.

O RNA é sintetizado a partir de trifosfatos de ribonucleosídeos. A transcrição é de
5’3’: cada novo nucleotídeo é unido ao grupo3’-OH do último nucleotídeo adicionado
á molécula crescente de RNA. A síntese de RNA não requer um primer.
Transcrição em Procariotos

Ocorre diretamente no citoplasma (procariotos não possuem núcleo).

RNA polimerase: É uma enzima formada por muitas cadeias polipeptídicas, que
catalisam toda transcrição do DNA.

Só há um tipo de RNA polimerase que catalisa a síntese de todas as classes de RNA
(mRNA, tRNA, e rRNA). No centro da RNA polimerase estão 4 subunidades(cadeias
polipeptídicas individuais) que constituem o cerne da enzima: duas subunidades
chamadas α, uma β e uma β’.




O cerne da enzima catalisa o alongamento da molécula de RNA. Outras subunidades
funcionais se unem e deixam o cerne da enzima em estágios particulares da
transcrição. O fator sigma controla a ligação da RNA pol ao promotor. Sem sigma, a
RNA pol iniciaria a transcrição em qualquer ponto do DNA. Sigma é necessário
apenas para a ligação do promotor e a iniciação.

Estágios da transcrição: iniciação, alongamento e término

Iniciação

Inclui :1) reconhecimento ao promotor; 2) formação da bolha de transcrição, 3) criação
das primeiras ligações entre rNTPs e 4) saída do aparelho de transcrição do promotor.

O fator sigma associa-se ao cerne da enzima RNA pol para formar uma holoenzima,
que se liga à sequência de consenso -35 e -10 no promotor do DNA (a orientação e
espaçamento das sequencias de consenso determinam qual filamento será o molde
para a trancrição, e portanto determinam o sentido da transcrição).




 Após a holoenzima ter se ligado ao promotor a RNA pol é posicionada no ponto inicial
da transcrição (posição +1) e desenrola o DNA para produzir um molde unifilamentar .
A RNA polimerase transcreve o DNA usando rNTPs(trifosfatos de ribonucleosídeos)
como substratos na síntese de RNA. Dois fosfatos são cortados do rNTPs e, o
nucleotídeo resultante é unido ao grupo 3’-OH do filamento crescente de RNA.




Alongamento

Após a iniciação, a RNA pol move-se ao longo do molde, deselicoidizando
progressivamente o DNA na margem da bolha de transcrição, juntando nucleotídeos à
molécula de RNA de acordo com a sequência do molde e reenrolando o DNA na
margem antecedente da bolha. As enzimas topoisomerases aliviam o estresse
associado à deselicoidização e reelicoidização do DNA na transcrição, assim como
fazem na replicação.

Término

A RNA polimerase move-se ao longo do molde até transcrever o finalizador. A
transcrição termina após ser transcrito o finalizador.

2 tipos de finalizadores:
-finalizadores dependentes de rô : A proteína rô se liga à cadeia crescente de RNA
e se move de 5’ para 3’ ao longo da cadeia do RNA. Quando a RNA polimerase
diminui ou para na sequência de terminação de rô, a rô se liga à polimerase e retira o
RNA da bolha de transcrição.

-finalizadores independentes de rô: apresentam seqüências nucleotídicas ( rica em
C:G seguida de seis ou mais pares de bases A:T, com os A presentes no filamento
molde) capazes de formar grampos (dificultam o movimento da RNA polimerase pela
cadeia de DNA). Os grampos são seguidos de uma seqüência rica em A (a ligação A-
U é facilmente rompida facilitando a liberação do RNA transcrito).




Transcrição em Eucariotos

-Envolve mais fatores de transcrição que procariotos.

--Transcrição ocorre no núcleo.

Três tipos de RNA polimerase que reconhecem tipos diferentes de promotores:

RNA pol I - trancreve o rRNA.
RNA pol II- trancreve o mRNA.

RNA pol III- transcreve o tRNA, snRNA e outros RNA’s pequenos.

Nas células eucarióticas, o reconhecimento do promotor é feito por proteínas
acessórias que se ligam ao promotor e então escolhem uma RNA pol específica (I,II
ou III) para o promotor.



Promotores da RNA pol II

Consiste em 2 partes: o cerne do promotor e o regulador do promotor(afeta a taxa de
transcrição).

O cerne do promotor está situado adjacentemente o sítio de início da transcrição e
inclui tipicamente uma ou mais sequências de consenso. A mais comum dessas
sequências de consenso é o TATA Box, que tem sequências de consenso TATAAA.
Todas as sequências de consenso no cerne são reconhecidas por fatores de
transcrição(ptns acessórias) que se ligam à elas e servem com uma plataforma para a
montagem do aparelho basal de transcrição.




Iniciação

O fator de transcrição TFIID liga-se ao TATA Box . Fatores TFIIA e TFIIB se ligam e
formam um complexo com TFIID. O Complexo resultante se liga à RNA polimerase II,
a qual já se ligou ao TFIIF. O Complexo resultante é completado com a adição de
TFIIE, TFIIJ, e TFIIH. A RNA pol é ativada através de fosfoliração e, então inicia a
transcrição no ponto de início (+1).
Alongamento:

Durante essa fase, o RNA recém-sintetizado pareia-se temporariamente com a fita
molde de DNA, formando um híbrido curto RNA-DNA. Uma vez iniciada, a transcrição
segue numa velocidade de aproximadamente 50 nucleotídeos por segundo, estando a
RNA polimerase ligada à fita molde de DNA até encontrar o sinal de término da
transcrição.

Término

As 3 RNA pol utilizam mecanismos diferentes para o término. RNA polimerase II
encontra uma sequência que indica o término da transcrição (AAUAAA ou AUUAAA
– Sinal de Poliadenilação) na extremidade 3’ do RNA nascente. A RNA pol I requer
um fator de término que se liga a uma sequência de DNA posterior ao sítio de término.
A RNA pol III termina a transcrição após transcrever uma sequência finalizadora rica
em Us na molécula de RNA
Processamento do pré-mRNA




Priscila Rodrigues de Souza
Muitos genes eucarióticos contêm éxons e íntrons, ambos os quais são transcritos em
RNA. Os éxons são regiões codificantes(corresponde á informação que sairá do
núcleo e será traduzida no citoplasma e que determina a sequência de aminoácidos
que o polipeptídio deverá ter) e os íntrons são regiões não-codificantes( macete para
decorar: os íntrons são INTRONmetidos).

Os íntrons são removidos pelo processamento do RNA , tendo tamanho e número que
variam de gene para gene. São raramente encontrados em procariotos.

A estrutura do RNA Mensageiro

O RNA mensageiro funciona como molde para a síntese de proteínas.Cada
aminoácido em uma proteína é especificado por um conjunto de 3 nucleotídeos no
mRNA, chamado um códon. Os mRNA tanto eucariótico como procariótico contêm
três regiões primárias:

   1- Região 5’ não traduzida: sequência de nucleotídeos na ponta 5’ do mRNA
      que não codifica a sequência de aminoácidos numa proteína. No RNA
      bacteriano, essa região contém uma sequência de consenso chamada de
      sequência Shine-Dalgarno que serve como sítio de ligação de ribooso
      durante a tradução. O mRNA não tem uma sequência de consenso equivalente
      em sua região não traduzida 5’.
   2- Região codificante de proteínas: compreende os códons que especificam a
      sequência de aminoácidos da proteína.
   3- Região 3’ não codificante: sequência de nucleotídeos na ponta 3’ do mRNA
      que não é traduzida em proteína.




Processamento do Pré-mRNA
Nas bactérias a transcrição e a tradução
                                  ocorrem simultaneamente e com isso há pouca
                                  oportunidade para que o mRNA bacteriano seja
                                  modificado antes da síntese de proteínas.

                                  Já o mRNA eucariótico é amplamente alterado
                                  após a transcrição. O transcrito inicial de genes
                                  é chamado de pré-mRNA, enquanto o
                                  transcrito final processado é o mRNA.




                                  Adição do Cap 5’

                                  Consiste na adição de um nucleotídeo guanina à
                                  ponta 5’ do mRNA e metilação pela adição de um
                                  grupo metil(CH3) à base no nucleotídeo recém
                                  adicionado e ao grupo 2’-OH do açúcar de um ou
                                  mais nucleotídeos na ponta 5’. Apresença do cap 5’
                                  aumenta estabilidade do mRNA, influencia a
                                  remoção dos íntrons e funciona no início da
                                  tradução.




Adição da Cauda Poli(A)

Muitos genes eucarióticos transcritos pela RNA pol II são transcritos além da ponta da
sequência codificante. Esse material extra na ponta 3’ é então cortado e uma cauda
poli(A) (50 a 250 nucleotídeos adenina) é adicionada. A sequência de consenso
AAUAAA está geralmente de 11 a 30 nucleotídeos antecedente ao ponto de corte e
determina o ponto ao qual irá ocorrer o corte. Uma sequência rica em Us(ou Gs e Us)
está tipicamente posterior ao ponto de corte.

A cauda poli(A) confere estabilida ao mRNA, aumentado o tempo que o mRNA
permanece intacto e disponível para a tradução antes de ser degradado por enzimas
celulares.
Recomposição do DNA

Processo de remoção dos íntrons(os intronmetidos, lembra? rsrsrs) que ocorre no
núcleo após a transcrição.

A recomposição requer a presença de 3 sequências no íntron. Uma ponta do íntrons é
chamada de sítio de corte 5’ e a outra ponta é o sítio de corte 3’. Esses pontos de
corte apresentam sequências de consenso, sendo que a maioria dos íntrons começam
co GU e termina AG. A terceira sequência importante ésta no chamado ponto de
ramificação, que é uma nucleotídeo adenina que fica de 18 a 40 nucleotídeos
antecedentes ao ponto de corte 3’. A deleção ou mutação nonucleotídeo adenina no
ponto de ramificação impede a recomposição.

A recomposição ocorre num grande complexo chamado spliceossomo que consiste
em snRNA(RNAs nucleares) e proteínas associadas.



Processo de Recomposição

Antes que ocorra a recomposição, um éxon antecedente(éxon 1) e um éxon
posterior(éxon 2) são separados por um íntron. Numa primeira etapa, o pré-mRNA é
cortado no sítio de corte 5’. Esse corte separa o éxon1 do íntron, e a ponta 5’ do
íntron se liga ao seu ponto de ramificação, isto é, o íntron se dobra sobre si mesmo,
formando uma estrutura chamada de laço. Na segunda etapa é feito um corte no sítio
de corte 3’ e, simultaneamente, a ponta 3’ do éxon1 se liga à ponta 5’ do éxon2 numa
reação de transesterificação. O íntron é liberado como um laço,depois torna-se linear e
é degradado por enzimas nucleares. O mRNA final, consistindo em éxons unidos, é
liberado para o citoplasma onde ele é traduzido.
Vias alternativas de processamento

Permite que os éxons sejam recompostos em combinações diferentes para produzir
mRNA que codificam proteínas diferentes.

Ex: Recomposição alternativa e múltiplos sítios de corte 3’
Edição do RNA

Na edição do Mrna, a sequência codificante de uma molécula de mRNA é alterada
após a transcrição, e assim a proteína tem uma sequência de aminoácidos que difere
da codificada pelo gene. O processo inclui a inserção e deleção de nucleotídeos e a
conversão de uma base em outra.
RESUMINDO O PROCESSAMENTO DO mRNA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula on line-3_hemoglobinas bases moleculares prof ana cristina
Aula on line-3_hemoglobinas bases moleculares prof ana cristinaAula on line-3_hemoglobinas bases moleculares prof ana cristina
Aula on line-3_hemoglobinas bases moleculares prof ana cristinaRhomelio Anderson
 
Os ácidos nucleicos e a síntese de proteínas
Os ácidos nucleicos e a síntese de proteínasOs ácidos nucleicos e a síntese de proteínas
Os ácidos nucleicos e a síntese de proteínasDelminda Venancio
 
Aula de Biologia Molecular sobre Síntese de Proteínas
Aula de Biologia Molecular sobre Síntese de ProteínasAula de Biologia Molecular sobre Síntese de Proteínas
Aula de Biologia Molecular sobre Síntese de ProteínasJaqueline Almeida
 
Estudo da velocidade de hemossedimentação (vhs)
Estudo da velocidade de hemossedimentação (vhs)Estudo da velocidade de hemossedimentação (vhs)
Estudo da velocidade de hemossedimentação (vhs)Julai1991
 
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune HumoralICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune HumoralRicardo Portela
 
Aula de comunicação celular
Aula de comunicação celularAula de comunicação celular
Aula de comunicação celularBeatriz Ramalho
 
Tráfego selectivo de proteínas para o nucleo
Tráfego selectivo de proteínas para o nucleoTráfego selectivo de proteínas para o nucleo
Tráfego selectivo de proteínas para o nucleoInês Patrícia
 
Aula 1 fosforilação oxidativa
Aula 1 fosforilação oxidativaAula 1 fosforilação oxidativa
Aula 1 fosforilação oxidativaGlaucia Moraes
 
Controle ciclo celular fisioterapia
Controle ciclo celular fisioterapiaControle ciclo celular fisioterapia
Controle ciclo celular fisioterapialaismoraes93
 
Ppt 7 SíNtese Proteica
Ppt 7   SíNtese ProteicaPpt 7   SíNtese Proteica
Ppt 7 SíNtese ProteicaNuno Correia
 
Regulação da expressão gênica em procariotos e eucariotos
Regulação da expressão gênica em procariotos e  eucariotosRegulação da expressão gênica em procariotos e  eucariotos
Regulação da expressão gênica em procariotos e eucariotosPriscila Rodrigues
 
Mutações do material genético
Mutações do material genéticoMutações do material genético
Mutações do material genéticoUERGS
 
Proteínas aminoácidos
Proteínas  aminoácidosProteínas  aminoácidos
Proteínas aminoácidosFábio Santos
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFRicardo Portela
 

Mais procurados (20)

Processamento do pré-mRNA
Processamento do pré-mRNA Processamento do pré-mRNA
Processamento do pré-mRNA
 
Aula on line-3_hemoglobinas bases moleculares prof ana cristina
Aula on line-3_hemoglobinas bases moleculares prof ana cristinaAula on line-3_hemoglobinas bases moleculares prof ana cristina
Aula on line-3_hemoglobinas bases moleculares prof ana cristina
 
Os ácidos nucleicos e a síntese de proteínas
Os ácidos nucleicos e a síntese de proteínasOs ácidos nucleicos e a síntese de proteínas
Os ácidos nucleicos e a síntese de proteínas
 
duplicação do dna e rna
duplicação do dna  e rnaduplicação do dna  e rna
duplicação do dna e rna
 
Aula de Biologia Molecular sobre Síntese de Proteínas
Aula de Biologia Molecular sobre Síntese de ProteínasAula de Biologia Molecular sobre Síntese de Proteínas
Aula de Biologia Molecular sobre Síntese de Proteínas
 
Estudo da velocidade de hemossedimentação (vhs)
Estudo da velocidade de hemossedimentação (vhs)Estudo da velocidade de hemossedimentação (vhs)
Estudo da velocidade de hemossedimentação (vhs)
 
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune HumoralICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
 
Linfócitos B
Linfócitos BLinfócitos B
Linfócitos B
 
Aula de comunicação celular
Aula de comunicação celularAula de comunicação celular
Aula de comunicação celular
 
Tráfego selectivo de proteínas para o nucleo
Tráfego selectivo de proteínas para o nucleoTráfego selectivo de proteínas para o nucleo
Tráfego selectivo de proteínas para o nucleo
 
Anticorpos Função
Anticorpos FunçãoAnticorpos Função
Anticorpos Função
 
Aula 1 fosforilação oxidativa
Aula 1 fosforilação oxidativaAula 1 fosforilação oxidativa
Aula 1 fosforilação oxidativa
 
Controle ciclo celular fisioterapia
Controle ciclo celular fisioterapiaControle ciclo celular fisioterapia
Controle ciclo celular fisioterapia
 
Ppt 7 SíNtese Proteica
Ppt 7   SíNtese ProteicaPpt 7   SíNtese Proteica
Ppt 7 SíNtese Proteica
 
Regulação da expressão gênica em procariotos e eucariotos
Regulação da expressão gênica em procariotos e  eucariotosRegulação da expressão gênica em procariotos e  eucariotos
Regulação da expressão gênica em procariotos e eucariotos
 
Mutações do material genético
Mutações do material genéticoMutações do material genético
Mutações do material genético
 
Proteínas aminoácidos
Proteínas  aminoácidosProteínas  aminoácidos
Proteínas aminoácidos
 
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e FibrinóliseCoagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
 
Síntese proteica
Síntese proteicaSíntese proteica
Síntese proteica
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
 

Semelhante a Processamento do pré-mRNA eucariótico

Regulação e expressão gênica bacteriana
Regulação e expressão gênica bacterianaRegulação e expressão gênica bacteriana
Regulação e expressão gênica bacterianaUERGS
 
Biologia Celular: Dogma Central de Biologia
Biologia Celular: Dogma Central de BiologiaBiologia Celular: Dogma Central de Biologia
Biologia Celular: Dogma Central de Biologianatboy51
 
Resumo da materia_de_biologia_do_11oano
Resumo da materia_de_biologia_do_11oanoResumo da materia_de_biologia_do_11oano
Resumo da materia_de_biologia_do_11oanosilvia_lfr
 
Crescimento e renovação_celular
Crescimento e renovação_celularCrescimento e renovação_celular
Crescimento e renovação_celularsilvia_lfr
 
Transcrição gênica 2009.1 vera
Transcrição gênica 2009.1 veraTranscrição gênica 2009.1 vera
Transcrição gênica 2009.1 veradjvillela
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 3
Biologia Molecular e Celular - Aula 3Biologia Molecular e Celular - Aula 3
Biologia Molecular e Celular - Aula 3Gustavo Maia
 
Apresentação2.pdf
Apresentação2.pdfApresentação2.pdf
Apresentação2.pdfLinoReis1
 
Metabolismo de controle II Síntese de proteínas - aulas 21 a 24
Metabolismo de controle II   Síntese de proteínas - aulas 21 a 24Metabolismo de controle II   Síntese de proteínas - aulas 21 a 24
Metabolismo de controle II Síntese de proteínas - aulas 21 a 24Alpha Colégio e Vestibulares
 
ESPECÍFICA REPLIC TRANSC E TRAD
ESPECÍFICA REPLIC TRANSC E TRADESPECÍFICA REPLIC TRANSC E TRAD
ESPECÍFICA REPLIC TRANSC E TRADMARCIAMP
 
DNA e síntese proteica II.pptx
DNA e síntese proteica II.pptxDNA e síntese proteica II.pptx
DNA e síntese proteica II.pptxmariagrave
 
Síntese de proteínas
Síntese de proteínasSíntese de proteínas
Síntese de proteínasletyap
 
Iv sinteseproteica-111013090643-phpapp02
Iv sinteseproteica-111013090643-phpapp02Iv sinteseproteica-111013090643-phpapp02
Iv sinteseproteica-111013090643-phpapp02Éricka Rocha
 
Biologia molecular texto04 (8)final
Biologia molecular texto04 (8)finalBiologia molecular texto04 (8)final
Biologia molecular texto04 (8)finalLilianm11
 
Rna e síntese de proteínas
Rna e síntese de proteínasRna e síntese de proteínas
Rna e síntese de proteínasdanilo oliveira
 
Sintese Proteica
Sintese ProteicaSintese Proteica
Sintese Proteicasarabr
 
Dna, rna, síntese protéica
Dna, rna, síntese protéicaDna, rna, síntese protéica
Dna, rna, síntese protéicaLarissa Yamazaki
 

Semelhante a Processamento do pré-mRNA eucariótico (20)

Regulação e expressão gênica bacteriana
Regulação e expressão gênica bacterianaRegulação e expressão gênica bacteriana
Regulação e expressão gênica bacteriana
 
Transcrição gênica
Transcrição gênicaTranscrição gênica
Transcrição gênica
 
Transcrição gênica
Transcrição gênicaTranscrição gênica
Transcrição gênica
 
Biologia Celular: Dogma Central de Biologia
Biologia Celular: Dogma Central de BiologiaBiologia Celular: Dogma Central de Biologia
Biologia Celular: Dogma Central de Biologia
 
Resumo da materia_de_biologia_do_11oano
Resumo da materia_de_biologia_do_11oanoResumo da materia_de_biologia_do_11oano
Resumo da materia_de_biologia_do_11oano
 
Crescimento e renovação_celular
Crescimento e renovação_celularCrescimento e renovação_celular
Crescimento e renovação_celular
 
Jjj
JjjJjj
Jjj
 
Transcrição gênica 2009.1 vera
Transcrição gênica 2009.1 veraTranscrição gênica 2009.1 vera
Transcrição gênica 2009.1 vera
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 3
Biologia Molecular e Celular - Aula 3Biologia Molecular e Celular - Aula 3
Biologia Molecular e Celular - Aula 3
 
Apresentação2.pdf
Apresentação2.pdfApresentação2.pdf
Apresentação2.pdf
 
Metabolismo de controle II Síntese de proteínas - aulas 21 a 24
Metabolismo de controle II   Síntese de proteínas - aulas 21 a 24Metabolismo de controle II   Síntese de proteínas - aulas 21 a 24
Metabolismo de controle II Síntese de proteínas - aulas 21 a 24
 
ESPECÍFICA REPLIC TRANSC E TRAD
ESPECÍFICA REPLIC TRANSC E TRADESPECÍFICA REPLIC TRANSC E TRAD
ESPECÍFICA REPLIC TRANSC E TRAD
 
DNA e síntese proteica II.pptx
DNA e síntese proteica II.pptxDNA e síntese proteica II.pptx
DNA e síntese proteica II.pptx
 
Síntese de proteínas
Síntese de proteínasSíntese de proteínas
Síntese de proteínas
 
Iv sinteseproteica-111013090643-phpapp02
Iv sinteseproteica-111013090643-phpapp02Iv sinteseproteica-111013090643-phpapp02
Iv sinteseproteica-111013090643-phpapp02
 
Biologia molecular texto04 (8)final
Biologia molecular texto04 (8)finalBiologia molecular texto04 (8)final
Biologia molecular texto04 (8)final
 
Rna
RnaRna
Rna
 
Rna e síntese de proteínas
Rna e síntese de proteínasRna e síntese de proteínas
Rna e síntese de proteínas
 
Sintese Proteica
Sintese ProteicaSintese Proteica
Sintese Proteica
 
Dna, rna, síntese protéica
Dna, rna, síntese protéicaDna, rna, síntese protéica
Dna, rna, síntese protéica
 

Mais de Priscila Rodrigues

Mais de Priscila Rodrigues (7)

Hereditariedade
HereditariedadeHereditariedade
Hereditariedade
 
Mutações e sistema de reparo do DNA
Mutações e sistema de reparo do DNAMutações e sistema de reparo do DNA
Mutações e sistema de reparo do DNA
 
Replicação do DNA
Replicação do DNAReplicação do DNA
Replicação do DNA
 
Divisão celular e alterações dos cromossomos
Divisão celular e alterações dos cromossomosDivisão celular e alterações dos cromossomos
Divisão celular e alterações dos cromossomos
 
Grupos sanguíneos
Grupos sanguíneosGrupos sanguíneos
Grupos sanguíneos
 
Estrutura do dna
Estrutura do dnaEstrutura do dna
Estrutura do dna
 
Epigenética e câncer
Epigenética e câncerEpigenética e câncer
Epigenética e câncer
 

Processamento do pré-mRNA eucariótico

  • 2. Transcrição: é a síntese de moléculas de RNA, com o DNA como molde . Estrutura do RNA O RNA, como o DNA, é um polímero que consiste em nucleotídeos unidos por ligação fosfodiéster. Entretanto, existem várias diferenças importantes nas estruturas do DNA e do RNA.O RNA difere do DNA por conter uracil em vez de timina, ser normalmente unifilamentar e por conter o açúcar ribose. Tipos de RNAs
  • 3. Somente pequena parcela do DNA total das células é transcrito. Genes individuais são transcritos apenas quando seus produtos são necessários. Genoma = DNA codificante(aquele que é transcrito) + DNA não-codificante (“DNA lixo”) O molde para a síntese de RNA é um filamento único da dupla-hélice de DNA. Ao contrário da replicação, a transcrição ocorre em apenas um dos dois filamentos de DNA.O filamento usado para a trancrição é chamado de filamento molde. O outro filamento, chamdo de filamento não-molde, geralmente não é transcrito.
  • 4. Uma unidade de trancrição ou gene é um trecho de DNA que codifica uma molécula de RNA e as sequencias necessárias para sua transcrição apropriada. Cada unidade de transcrição ou gene inclui um promotor, uma região codificante de RNA e um finalizador. Promotor é uma sequência de DNA que o aparelho de transcrição reconhece e à qual se liga. Ele indica qual dos dois filamentos de DNA deve ser lido como molde e o sentido da transcrição. Também determina o ponto de início da transcrição, o primeiro nucleotídeo que será transcrito em RNA. Está situado perto do sítio de início da transcrição, mas ele mesmo não é transcrito. Os promotores contêm sequências curtas de consenso (nucleotídeos mais comumente encontrados em um local específico) como por exemplo a sequencia de consenso – 10 (na região -10) cuja sequência é 5’ TATAAT 3’. A região codificante de RNA é uma sequência denucleotídeos de DNA que é copiada em uma molécula de RNA. O finalizador é a sequência de nucleotídeos que indica onde termina a transcrição. Em geral a transcrição pára após o finalizador ter sido copiado em RNA. O RNA é sintetizado a partir de trifosfatos de ribonucleosídeos. A transcrição é de 5’3’: cada novo nucleotídeo é unido ao grupo3’-OH do último nucleotídeo adicionado á molécula crescente de RNA. A síntese de RNA não requer um primer.
  • 5. Transcrição em Procariotos Ocorre diretamente no citoplasma (procariotos não possuem núcleo). RNA polimerase: É uma enzima formada por muitas cadeias polipeptídicas, que catalisam toda transcrição do DNA. Só há um tipo de RNA polimerase que catalisa a síntese de todas as classes de RNA (mRNA, tRNA, e rRNA). No centro da RNA polimerase estão 4 subunidades(cadeias polipeptídicas individuais) que constituem o cerne da enzima: duas subunidades chamadas α, uma β e uma β’. O cerne da enzima catalisa o alongamento da molécula de RNA. Outras subunidades funcionais se unem e deixam o cerne da enzima em estágios particulares da transcrição. O fator sigma controla a ligação da RNA pol ao promotor. Sem sigma, a RNA pol iniciaria a transcrição em qualquer ponto do DNA. Sigma é necessário apenas para a ligação do promotor e a iniciação. Estágios da transcrição: iniciação, alongamento e término Iniciação Inclui :1) reconhecimento ao promotor; 2) formação da bolha de transcrição, 3) criação das primeiras ligações entre rNTPs e 4) saída do aparelho de transcrição do promotor. O fator sigma associa-se ao cerne da enzima RNA pol para formar uma holoenzima, que se liga à sequência de consenso -35 e -10 no promotor do DNA (a orientação e espaçamento das sequencias de consenso determinam qual filamento será o molde para a trancrição, e portanto determinam o sentido da transcrição). Após a holoenzima ter se ligado ao promotor a RNA pol é posicionada no ponto inicial da transcrição (posição +1) e desenrola o DNA para produzir um molde unifilamentar .
  • 6. A RNA polimerase transcreve o DNA usando rNTPs(trifosfatos de ribonucleosídeos) como substratos na síntese de RNA. Dois fosfatos são cortados do rNTPs e, o nucleotídeo resultante é unido ao grupo 3’-OH do filamento crescente de RNA. Alongamento Após a iniciação, a RNA pol move-se ao longo do molde, deselicoidizando progressivamente o DNA na margem da bolha de transcrição, juntando nucleotídeos à molécula de RNA de acordo com a sequência do molde e reenrolando o DNA na margem antecedente da bolha. As enzimas topoisomerases aliviam o estresse associado à deselicoidização e reelicoidização do DNA na transcrição, assim como fazem na replicação. Término A RNA polimerase move-se ao longo do molde até transcrever o finalizador. A transcrição termina após ser transcrito o finalizador. 2 tipos de finalizadores:
  • 7. -finalizadores dependentes de rô : A proteína rô se liga à cadeia crescente de RNA e se move de 5’ para 3’ ao longo da cadeia do RNA. Quando a RNA polimerase diminui ou para na sequência de terminação de rô, a rô se liga à polimerase e retira o RNA da bolha de transcrição. -finalizadores independentes de rô: apresentam seqüências nucleotídicas ( rica em C:G seguida de seis ou mais pares de bases A:T, com os A presentes no filamento molde) capazes de formar grampos (dificultam o movimento da RNA polimerase pela cadeia de DNA). Os grampos são seguidos de uma seqüência rica em A (a ligação A- U é facilmente rompida facilitando a liberação do RNA transcrito). Transcrição em Eucariotos -Envolve mais fatores de transcrição que procariotos. --Transcrição ocorre no núcleo. Três tipos de RNA polimerase que reconhecem tipos diferentes de promotores: RNA pol I - trancreve o rRNA.
  • 8. RNA pol II- trancreve o mRNA. RNA pol III- transcreve o tRNA, snRNA e outros RNA’s pequenos. Nas células eucarióticas, o reconhecimento do promotor é feito por proteínas acessórias que se ligam ao promotor e então escolhem uma RNA pol específica (I,II ou III) para o promotor. Promotores da RNA pol II Consiste em 2 partes: o cerne do promotor e o regulador do promotor(afeta a taxa de transcrição). O cerne do promotor está situado adjacentemente o sítio de início da transcrição e inclui tipicamente uma ou mais sequências de consenso. A mais comum dessas sequências de consenso é o TATA Box, que tem sequências de consenso TATAAA. Todas as sequências de consenso no cerne são reconhecidas por fatores de transcrição(ptns acessórias) que se ligam à elas e servem com uma plataforma para a montagem do aparelho basal de transcrição. Iniciação O fator de transcrição TFIID liga-se ao TATA Box . Fatores TFIIA e TFIIB se ligam e formam um complexo com TFIID. O Complexo resultante se liga à RNA polimerase II, a qual já se ligou ao TFIIF. O Complexo resultante é completado com a adição de TFIIE, TFIIJ, e TFIIH. A RNA pol é ativada através de fosfoliração e, então inicia a transcrição no ponto de início (+1).
  • 9. Alongamento: Durante essa fase, o RNA recém-sintetizado pareia-se temporariamente com a fita molde de DNA, formando um híbrido curto RNA-DNA. Uma vez iniciada, a transcrição segue numa velocidade de aproximadamente 50 nucleotídeos por segundo, estando a RNA polimerase ligada à fita molde de DNA até encontrar o sinal de término da transcrição. Término As 3 RNA pol utilizam mecanismos diferentes para o término. RNA polimerase II encontra uma sequência que indica o término da transcrição (AAUAAA ou AUUAAA – Sinal de Poliadenilação) na extremidade 3’ do RNA nascente. A RNA pol I requer um fator de término que se liga a uma sequência de DNA posterior ao sítio de término. A RNA pol III termina a transcrição após transcrever uma sequência finalizadora rica em Us na molécula de RNA
  • 10.
  • 12. Muitos genes eucarióticos contêm éxons e íntrons, ambos os quais são transcritos em RNA. Os éxons são regiões codificantes(corresponde á informação que sairá do núcleo e será traduzida no citoplasma e que determina a sequência de aminoácidos que o polipeptídio deverá ter) e os íntrons são regiões não-codificantes( macete para decorar: os íntrons são INTRONmetidos). Os íntrons são removidos pelo processamento do RNA , tendo tamanho e número que variam de gene para gene. São raramente encontrados em procariotos. A estrutura do RNA Mensageiro O RNA mensageiro funciona como molde para a síntese de proteínas.Cada aminoácido em uma proteína é especificado por um conjunto de 3 nucleotídeos no mRNA, chamado um códon. Os mRNA tanto eucariótico como procariótico contêm três regiões primárias: 1- Região 5’ não traduzida: sequência de nucleotídeos na ponta 5’ do mRNA que não codifica a sequência de aminoácidos numa proteína. No RNA bacteriano, essa região contém uma sequência de consenso chamada de sequência Shine-Dalgarno que serve como sítio de ligação de ribooso durante a tradução. O mRNA não tem uma sequência de consenso equivalente em sua região não traduzida 5’. 2- Região codificante de proteínas: compreende os códons que especificam a sequência de aminoácidos da proteína. 3- Região 3’ não codificante: sequência de nucleotídeos na ponta 3’ do mRNA que não é traduzida em proteína. Processamento do Pré-mRNA
  • 13. Nas bactérias a transcrição e a tradução ocorrem simultaneamente e com isso há pouca oportunidade para que o mRNA bacteriano seja modificado antes da síntese de proteínas. Já o mRNA eucariótico é amplamente alterado após a transcrição. O transcrito inicial de genes é chamado de pré-mRNA, enquanto o transcrito final processado é o mRNA. Adição do Cap 5’ Consiste na adição de um nucleotídeo guanina à ponta 5’ do mRNA e metilação pela adição de um grupo metil(CH3) à base no nucleotídeo recém adicionado e ao grupo 2’-OH do açúcar de um ou mais nucleotídeos na ponta 5’. Apresença do cap 5’ aumenta estabilidade do mRNA, influencia a remoção dos íntrons e funciona no início da tradução. Adição da Cauda Poli(A) Muitos genes eucarióticos transcritos pela RNA pol II são transcritos além da ponta da sequência codificante. Esse material extra na ponta 3’ é então cortado e uma cauda poli(A) (50 a 250 nucleotídeos adenina) é adicionada. A sequência de consenso AAUAAA está geralmente de 11 a 30 nucleotídeos antecedente ao ponto de corte e determina o ponto ao qual irá ocorrer o corte. Uma sequência rica em Us(ou Gs e Us) está tipicamente posterior ao ponto de corte. A cauda poli(A) confere estabilida ao mRNA, aumentado o tempo que o mRNA permanece intacto e disponível para a tradução antes de ser degradado por enzimas celulares.
  • 14. Recomposição do DNA Processo de remoção dos íntrons(os intronmetidos, lembra? rsrsrs) que ocorre no núcleo após a transcrição. A recomposição requer a presença de 3 sequências no íntron. Uma ponta do íntrons é chamada de sítio de corte 5’ e a outra ponta é o sítio de corte 3’. Esses pontos de corte apresentam sequências de consenso, sendo que a maioria dos íntrons começam co GU e termina AG. A terceira sequência importante ésta no chamado ponto de ramificação, que é uma nucleotídeo adenina que fica de 18 a 40 nucleotídeos antecedentes ao ponto de corte 3’. A deleção ou mutação nonucleotídeo adenina no ponto de ramificação impede a recomposição. A recomposição ocorre num grande complexo chamado spliceossomo que consiste em snRNA(RNAs nucleares) e proteínas associadas. Processo de Recomposição Antes que ocorra a recomposição, um éxon antecedente(éxon 1) e um éxon posterior(éxon 2) são separados por um íntron. Numa primeira etapa, o pré-mRNA é cortado no sítio de corte 5’. Esse corte separa o éxon1 do íntron, e a ponta 5’ do íntron se liga ao seu ponto de ramificação, isto é, o íntron se dobra sobre si mesmo, formando uma estrutura chamada de laço. Na segunda etapa é feito um corte no sítio de corte 3’ e, simultaneamente, a ponta 3’ do éxon1 se liga à ponta 5’ do éxon2 numa reação de transesterificação. O íntron é liberado como um laço,depois torna-se linear e é degradado por enzimas nucleares. O mRNA final, consistindo em éxons unidos, é liberado para o citoplasma onde ele é traduzido.
  • 15. Vias alternativas de processamento Permite que os éxons sejam recompostos em combinações diferentes para produzir mRNA que codificam proteínas diferentes. Ex: Recomposição alternativa e múltiplos sítios de corte 3’
  • 16. Edição do RNA Na edição do Mrna, a sequência codificante de uma molécula de mRNA é alterada após a transcrição, e assim a proteína tem uma sequência de aminoácidos que difere da codificada pelo gene. O processo inclui a inserção e deleção de nucleotídeos e a conversão de uma base em outra.