Textos módulo 8

46 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
46
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Textos módulo 8

  1. 1. Isto posto, falaremos, primeiramente, do poema onze, cujo tema é a corrupção que assola à Bahia. Nesse, o eu-satírico tece críticas mordazes ao povo baiano. Para isso, lança mão de vinte tercetos, isto é, estrofes compostas por versos, onde “o primeiro e o terceiro verso rimam entre si com o segundo da estrofe anterior” (Malard, 1997, p. 51). Ademais, ele adotou, outrossim, versos de onze silabas, o chamado hendecassílabo. Além disso, o escritor recorreu a vários tropos, destacamos a metáfora e a ironia. No tocante ao primeiro, podemos encontra-lo em diversas partes do verso. A metáfora, por sua vez, fica evidente, por exemplo, no décimo sétimo soneto. Calcando-se no que foi aludido acima, vejamos como o poeta trabalha com a sátira e a cidade. Nas três primeiras estrofes, o sujeito-satírico mostra que com sua lira já cantou os diversos males do Brasil, e os cantará outra vez, porém, desta vez por meio dum plecto diferente, isto é, lançará mão da Terça Rima. Interessante notar a referência à lira, que era um instrumento usado pelos gregos para acompanhar os poemas líricos. Entretanto, se a lira dos antigos era usada para cantar, na maioria das Gregório de Matos imputava à Justiça a bastardia, o comércio, a injustiça. Para o poeta baiano, a Justiça viera do nada, era vendida e, pior, não era justiça, era injusta. Ao emprestar à Justiça três nefastos epítetos (bastarda, vendida, injusta), o poeta barroco imprimiu, literariamente, aspecto de seu desencanto para com o Direito. Destilava muito desconforto com a época em que vivia. Para oBoca do Inferno, a Justiça protegia a poderosos. E denunciava: “O Fidalgo de solar se dá por envergonhado de um tostão pedir prestado para o ventre sustentar: diz, que antes o quer furtar por manter a negra honra, que passar pela desonra, de que lhe neguem talvez; mas se o virdes nas galés com honras de Vice-Rei, esta é a justiça, que manda El-Rei. Segundo o professor DALLARI, como já foi adiantado, o termo "Política" é polissêmico, embora não tenha sido assim em sua origem. Surgida na Grécia antiga, tal
  2. 2. vocábulo deriva da palavra polis (cidade) e se referia, por isso, à "vida na polis, ou seja, à vida em comum, às regras de organização dessa vida, aos objetivos da comunidade e às decisões sobre todos esses pontos" (DALLARI, p. 8). --> Ao longo do tempo, porém, outros significados foram atribuídos ao termo pelos estudiosos do tema. Em seu livro, já citado, o autor DALLARI lista algumas concepções sobre a "Política", além da grega: para alguns especialistas, Política é "a arte e ciência do governo. Consideram que é arte porque comporta e exige muita invenção e uma sensibilidade especial para conhecer os seres humanos, suas preferências, seus caprichos, suas virtudes, visando [...] promover o bem comum" , aliado ao consentimento de muitos ou da maioria (id.ibidem). Além disso, trata-se de ciência porque hoje existem diversas ciências (como a Ciência Política, por exemplo) que se dedicam a, entre outras coisas, analisar, "estabelecer cientificamente algumas regras sobre a vida humana em sociedade e sobre como os seres humanos deverão reagir em cada situação" (DALLARI, p. 9). Outros a veem como " estudo do poder", já que as decisões acerca dos assuntos, problemas, necessidades ou demandas de uma determinada sociedade são tomadas por aqueles que detêm o poder. As decisões são, dessa forma, um "ato de poder". Inversamente, alguns acreditam que "essas decisões estão nas mãos do Estado ou depende dele e por isso preferiram conceituar política como 'Ciência do Estado'" (id.ibidem). É preciso não confundir Estado com poder: o poder do Estado é um, dentre vários outros, como por exemplo, o poder econômico, que está nas mão de grandes conglomerados industriais, empresariais ou até mesmo nas mãos da mídia (que detém o poder ideológico ainda). Há também aqueles que entendem Política como algo necessário por sua capacidade de "conjugar as ações humanas e orientá-las para uma direção que seja da conveniência de todos" (id.ibidem). Dessa forma, para DALLARI, "Política é a conjugação das ações dos indivíduos e grupos humanos, dirigindo-as a um fim comum" (DALLARI, p.9). Até a próxima! Referência Bibliográfica ¹ DALLARI, Dalmo de Abreu. O que é Participação Política. São Paulo: Brasiliense, 1985.
  3. 3. O pior analfabeto O pior analfabeto É o analfabeto político, Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e o lacaio das empresas nacionais e multinacionais. http://migalhaspoliticofilosoficas.blogspot.com.br/2012/08/o-analfabeto- politico.html
  4. 4. Triste Bahia Triste Bahia! Ó quão dessemelhante Estás e estou do nosso antigo estado! Pobre te vejo a ti, tu a mi empenhado, Rica te vi eu já, tu a mi abundante. A ti trocou-te a máquina mercante, Que em tua larga barra tem entrado, A mim foi-me trocando, e tem trocado, Tanto negócio e tanto negociante. Deste em dar tanto açúcar excelente Pelas drogas inúteis, que abelhuda Simples aceitas do sagaz Brichote. Oh se quisera Deus que de repente Um dia amanheceras tão sisuda Que fora de algodão o teu capote!
  5. 5. TEXTO 2 A cada canto um grande conselheiro, Que nos quer governar a cabana, e vinha, Não sabem governar sua cozinha, E podem governar o mundo inteiro Em cada porta um freqüentado olheiro, Que a vida do vizinho, e da vizinha Pesquisa, escuta, espreita, e esquadrinha, Para a levar à Praça, e ao Terreiro. Muitos Mulatos desavergonhados, Trazidos pelos pés os homens nobres, Posta nas palmas toda a picardia. Estupendas usuras nos mercados, Todos, os que não furtam, muito pobres, E eis aqui a cidade da Bahia. EPÍLOGO: Que falta nesta cidade?... Verdade. Que mais por sua desonra?... Honra. Falta mais que se lhe ponha?... Vergonha. O demo a viver se exponha, Por mais que a fama a exalta, Numa cidade onde falta Verdade, honra, vergonha. Quem a pôs neste rocrócio?... Negócio. Quem causa tal perdição?... Ambição. E no meio desta loucura?... Usura. Notável desaventura De um povo néscio e sandeu, Que não sabe que perdeu Negócio, ambição, usura. Quais são seus doces objetos?... Pretos. Tem outros bens mais maciços?... Mestiços. Quais destes lhe são mais gratos?... Mulatos. Dou ao Demo os insensatos, Dou ao Demo o povo asnal, Que estima por cabedal,
  6. 6. Pretos, mestiços, mulatos. Quem faz os círios mesquinhos?... Meirinhos. Quem faz as farinhas tardas?... Guardas. Quem as tem nos aposentos?... Sargentos. Os círios lá vem aos centos, E a terra fica esfaimando, Porque os vão atravessando Meirinhos, guardas, sargentos. E que justiça a resguarda?... Bastarda. É grátis distribuída?... Vendida. Que tem, que a todos assusta?... Injusta. Valha-nos Deus, o que custa O que El-Rei nos dá de graça. Que anda a Justiça na praça Bastarda, vendida, injusta. Que vai pela clerezia?... Simonia. E pelos membros da Igreja?... Inveja. Cuidei que mais se lhe punha?... Unha Sazonada caramunha, Enfim, que na Santa Sé O que mais se pratica é Simonia, inveja e unha. E nos frades há manqueiras?... Freiras. Em que ocupam os serões?... Sermões. Não se ocupam em disputas?... Putas. Com palavras dissolutas Me concluo na verdade, Que as lidas todas de um frade São freiras, sermões e putas. O açúcar já acabou?... Baixou. E o dinheiro se extinguiu?... Subiu. Logo já convalesceu?... Morreu. À Bahia aconteceu O que a um doente acontece: Cai na cama, e o mal cresce, Baixou, subiu, morreu. A Câmara não acode?... Não pode. Pois não tem todo o poder?... Não quer. É que o Governo a convence?... Não vence.
  7. 7. Quem haverá que tal pense, Que uma câmara tão nobre, Por ver-se mísera e pobre, Não pode, não quer, não vence. SONETO: Neste mundo é mais rico, o que mais rapa: Quem mais limpo se faz, tem mais carepa: Com sua língua ao nobre o vil decepa: O Velhaco maior sempre tem capa. Mostra o patife da nobreza o mapa: Quem tem mão de agarrar, ligeiro trepa; Quem menos falar pode, mais increpa: Quem dinheiro tiver, pode ser Papa. A flor baixa se inculca por Tulipa; Bengala hoje na mão, ontem garlopa: Mais isento se mostra, o que mais chupa. Para a tropa do trapo vazo a tripa, E mais não digo, porque a Musa topa Em apa, epa, ipa, opa, upa.

×