Atps educacao ludica (1)

7.796 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.796
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
142
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atps educacao ludica (1)

  1. 1. ANHANGUERA UNIDERP – POLO DE APOIO PRESECIAL ITATIBA Amanda Steffany de Melo – RA 376856 Carolina Destro – RA 391362 Lucila Maria Monte – RA 379635 Marinalva Dias dos Santos – RA 364354 Rafaela Innocêncio – RA 378559 EDUCAÇÃO LÚDICA Professora Ma. Adriana Rodrigues da Silva Itatiba 19 de Novembro de 2013 Trabalho apresentado para avaliação na disciplina de Educação Lúdica, do curso de Pedagogia, da Universidade Anhanguera Unidep ministrado pela professora mestra Adriana Rodrigues da Silva.
  2. 2. Apresentação Sabemos que quanto mais o educador utilizar de atividades lúdicas, mais prazeroso e produtivo será o seu trabalho com as crianças. Aprender brincando é algo muito mais simples e agradável a todos, sem contar que os resultados serão bem mais favoráveis as crianças.
  3. 3. A seguir temos a pintura de Pieter Brueghel, nela podemos identificar vários grupos de crianças brincando, podemos identificar o bambolê, pula cela, escravos de jó, bimboquê e de balança caixão, brincadeiras que hoje foram esquecidas, ou trocadas pela tecnologia que chegou até nós. Brincadeiras como essas ajudam a desenvolver noções das ações individuais sobre o todo e também a consciência necessária para agir de acordo com objetivos do grupo, exercita a parceria, a cooperação, a convivência e a responsabilidade, a comunicação com outras crianças, planejar estratégias, trabalhar com regras e desapego e acima de tudo a criatividade da criança. Conseguimos reunir algumas crianças e jovens para reproduzir as brincadeiras atualmente, como podemos ver a seguir
  4. 4. O brincar contribui, assim, para a interiorização de determinados modelos de adulto. Os conhecimentos da criança provêm da imitação de alguém ou de algo conhecido, de uma experiência vivida na família ou em outros ambientes. Do relato de um colega ou de um adulto, de cenas assistidas na televisão, no cinema ou narradas em livros etc. É no ato de brincar que a criança estabelece os diferentes vínculos entre as características do papel assumido, suas competências e as relações que possuem com outros papéis, tomando consciência disto e generalizando para outras situações. Para brincar é preciso que as crianças tenham certa independência para escolher seus companheiros e os papéis que irão assumir no interior de um determinado tema e enredo, cujos desenvolvimentos dependem unicamente da vontade de quem brinca. A relação entre a criança e o adulto é algo extremamente importante, é através dessa relação que a criança vai a prender as normas de convívio social, que a criança será inserida em um grupo e que irá obter seus primeiros conhecimentos, que dará início a sua formação como pessoa e ser social, consciente das suas responsabilidades sociais. É nessa que aparece as brincadeiras de faz de conta, onde desde pequeninos as crianças demonstram seus sonhos para o futuro.
  5. 5. Como funciona Meninos e meninas assumem diversos papéis, se colocando no lugar de pai, mãe e professor, além de personagens (super- herói, princesa, rei, fada) ou animais (cachorro, gato, cavalo). As regras são implícitas e variam conforme os costumes, os participantes, o momento, o local, os objetos à disposição e, principalmente as decisões de quem brinca. Origem Na Antiguidade, os gregos e romanos já simulavam situações reais, principalmente cenas de combate. Por que propor Para a turma experimentar e explorar o mundo e as convenções sociais vivendo situações com as quais estão acostumadas ou não. Como enriquecer o brincar Divida o ambiente usando varais com tecidos coloridos para os pequenos passarem entre eles. Convide a criançada a montar diferentes kits de jogos simbólicos específicos, como navio pirata e show de calouros. Agende visitas a locais que podem inspirar a brincadeira ou mostre vídeos que os retratem, como um consultório médico e uma lanchonete. Registre as falas dos pequenos para encaminhar intervenções em outros momentos e aprimorar o jogo simbólico. O erro mais comum Interpretar as situações que as crianças criam. Nem tudo é uma expressão da realidade e do cotidiano delas.
  6. 6. Música para Bebês Publico Alvo: Bebês de até 03 ano de idade Perfil da Turma: Temos meninos e meninas nas turma, alguns são bem agitados, porém temos alguns bem calmos. Tema: Música para Bebês. Justificativa: Observamos que os bebês do berçário reagem de diferentes maneiras aos sons a que são expostos durante sua rotina na escola, assim sentimos a necessidade de explorar e expor a ele a variedade de sons que temos disponíveis em nosso cotidiano Objetivos: A atividade contribui para o desenvolvimento psicomotor, socioafetivo, cognitivo e linguístico, além de facilitar no processo de construção de conhecimento, favorecendo o desenvolvimento da sensibilidade, da criatividade, do senso rítmico, do prazer de ouvir musica, da imaginação, da memoria, da concentração e da atenção. Conteúdos/Recursos de Ensino/Recursos Materiais: Gravamos um CD apenas com musicas infantis, dessas escolhemos 10 Pra compor um livro de ilustrações que fizemos com os bebês, utilizando suas mãozinhas com ilustrações com tinta guache, pedimos para que os pais fabricassem em casa com seus filhos instrumentos musicais e que trouxessem a escola para organizarmos uma banda, oferecemos as crenças vários instrumentos para que elas produzissem sons diferentes com diferentes instrumentos, como tampas de panela, colheres e canecas
  7. 7. Conclusão Diante tudo o que apresentamos nas paginas anteriores, podemos perceber o quanto a interação entre adultos e crianças é extremamente importante para o desenvolvimento da criança. Através de brincadeiras lúdicas as crianças aprendem com mais facilidade, interagem com outras crianças, aprendem a respeitar regras, a explorarem a sua criatividade e também podemos identificar com mais facilidade quais são as dificuldades das crianças, para que logo de inicio se possa corrigi-las para a dificuldade não aumente. Através das brincadeiras que a criança começa construir a sua identidade, a identificar quais são seus gostos, suas preferencias, suas habilidades, a partir dai começa a perceber que cada individuo é diferente do outro, que cada um é igualmente único. As crianças são seres em construção, são maleáveis em suas capacidades e com uma inteligência que pode se expandir á medida que é estimulada pelo ambiente, a partir do momento em que é estimulado se abre um leque de oportunidades e desafios que a criança quer superar e enfrentar. Através das brincadeiras as crianças se desenvolvem muito, dos jogos originam sorrisos, alegria e principalmente a cumplicidade entre as crianças e os adultos, para se desenvolver de forma harmoniosa nos planos sensoriais, psicológico e motor a criança tem a necessidade de brincar. Um bom brinquedo deve reunir varias características que ajudaram a criança a se desenvolver de forma adequada, tais características são: crianças agitadas tem necessidades diferentes de crianças mais calmas, uma criança que tem pouco contato com outras necessita de atenção diferente das que tem um contato mais ativo socialmente, não se deve fazer tudo pela criança, é importante que a criança faça por si só o que lhe é proposto, para que suas dificuldades sejam detectadas e assim poder ajuda-las, deve deixar que a criança explore a criatividade que tem dentro dela, dando espaço a ela, ser versátil, evoluir e oferecer diferentes modos de ação, ser seguro para criança. Atualmente com tanta tecnologia que temos diante de nós, deixamos de ensinar que as crianças podem sim se divertir através de brincadeiras e jogos mais simples, que o fato de poder interagir com outras crianças pessoalmente pode ser muito ais divertido do só virtualmente.
  8. 8. Referências Bibliográficas http://www1.folha.uol.com.br/fol/brasil500/brinca8.htm (Acesso em 10 de novembro de 2013) http://www.rupert.id.au/TJ521/bruegel_la.jpg (Acesso em 15 de novembro de 2013) http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.pdf (Acesso em 12 de novembro de 2013)

×