mestre das emoçõesmestre_ilusões.indd 1                        22/09/11 09:58
mestre_ilusões.indd 2   22/09/11 09:58
Odair J. Comin                   mestre das                    emoções                        Conhece-te a Ti mesmo       ...
Título Original em Português: Mestre das emoções: conhece-te a ti mesmo.               © 2011 de Odair J. Comin           ...
“Conhece-te a ti mesmo”                                               Inscrição no templo de Delphos                      ...
mestre_ilusões.indd 6   22/09/11 09:58
Agradecimentos                                  Agradeço aos meus pais Dorvalino e Marilene,                              ...
Este livro é dedicado à todos aqueles que                         acreditam que viver, é muito mais que                   ...
Sumário               Introdução............................................................................ 13           ...
A Alegria............................................................................... 87                         Novos ...
Ira nos Relacionamentos .................................................. 151                         Ira no Trabalho ......
Ansiedade nos Relacionamentos ...................................... 202                         Ansiedade no Trabalho ......
Introdução                                                     “Regressa a ti mesmo e saberás                             ...
Odair J. Comin                      Temos muito com o que nos preocupar, aprender e sa-               ber, e isso até cert...
A Filoterapia                      A Filoterapia é um modelo de psicoterapia que tem               como objetivo último po...
Odair J. Comin               Ser Humano moderno e sedento do bem viver. A Filoterapia               é elegância, é sutilez...
Conhece-te a ti mesmo                                                         “Para conhecer-se a si mesmo,               ...
Odair J. Comin               educação, por isso requer tempo. A virtude moral advém do               hábito, apenas a prat...
mestre das emoções               ajudar? “Cada cabeça uma sentença”, cada mente que chega               a essa pergunta tr...
Odair J. Comin                      Para conhecer-se a si mesmo, talvez seja necessária uma               autorreflexão so...
mestre das emoções               direcionamento de acordo com nossa vontade. Só poderemos               fazer isso na medi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Mestre das Emoções - 1º capítulo

1.398 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.398
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
30
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mestre das Emoções - 1º capítulo

  1. 1. mestre das emoçõesmestre_ilusões.indd 1 22/09/11 09:58
  2. 2. mestre_ilusões.indd 2 22/09/11 09:58
  3. 3. Odair J. Comin mestre das emoções Conhece-te a Ti mesmo São Paulo, 2011mestre_ilusões.indd 3 22/09/11 09:58
  4. 4. Título Original em Português: Mestre das emoções: conhece-te a ti mesmo. © 2011 de Odair J. Comin Todos os direitos desta edição reservados ao autor. É PROIBIDA A REPRODUÇÃO Nenhuma parte desta obra poderá ser reproduzida, copiada, transcrita ou mesmo transmitida por meios eletrônicos ou gravações, assim como traduzida, sem a permissão, por escrito, do autor. Os infratores serão punidos pela Lei nº 9.610/98 Coordenação editorial: Simone Mateus Assistente Editorial: Taciani Ody Editoração eletrônica e capa: Equipe Giz Editorial Impressão: Gráfica Vida & Consciência Giz Editorial Rua Álvaro de Abreu, 203 – Jd. São Paulo São Paulo – SP – 02039-000 Website: www.gizeditorial.com.br E-mail: giz@gizeditorial.com.br Tel/Fax: (11) 3333-3059 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Comin, Odair J. Mestre das emoções : conhece-te a ti mesmo /Odair J. Comin. -- São Paulo: Giz Editorial, 2011. Bibliografia. ISBN 978-85-7855-153-7 1. Autoconsciência 2. Autodomínio 3. Autopercepção 4. Emoções 5. Filoterapia 6. Solução de problemas I. Título. 11-09708 CDD-158.1 Índice para Catálogo Sistemático 1. Autopercepção : Psicologia aplicada 158.1 Impresso no Brasil/Printed in Brazilmestre_ilusões.indd 4 18/10/11 11:03
  5. 5. “Conhece-te a ti mesmo” Inscrição no templo de Delphos “O que está atrás de nós, e o que está à nossa frente, são coisa pouca, comparado ao que está dentro de nós”. Ralph Waldo Emerson “A sentença falada deve ser dedicada ao presente, ao momento; o que se escreve, dedique-se a distância, ao futuro”. Johann Wolfgang von Goethe “Se abandonar a ingenuidade e os preconceitos do senso comum for útil; se não se deixar guiar pela submissão às ideias dominantes e aos poderes esta- belecidos for útil; se buscar compreender a significação do mundo, da cultura, da história for útil; se conhecer o sentido das criações humanas nas artes, nas ciências e na política for útil; se dar a cada um de nós e à nossa sociedade os meios para serem conscientes de si e de suas ações numa prática que deseja a liberdade e a felicidade para todos for útil, então podemos dizer que a Filosofia é o mais útil de todos os saberes de que os seres humanos são capazes.” Marilena Chauímestre_ilusões.indd 5 22/09/11 09:58
  6. 6. mestre_ilusões.indd 6 22/09/11 09:58
  7. 7. Agradecimentos Agradeço aos meus pais Dorvalino e Marilene, que me levaram até onde podiam me levar, e foi tudo o que eu precisava, depois disso me ofereceram o mundo. Às minhas irmãs Diana, Eliana e Adriana pelo convívio, e também a André Nogami. Agradecer aos meus mestres Walther Hermann, João Vanin e Bayard Galvão, que tantas luzes acenderam dentro de mim para que eu pudesse percorrer o caminho com minhas próprias pernas. Por terem me apresentado a Hipnose Ericksoniana, a PNL e a Filosofia. Agradecer às centenas de pacientes que já passaram pela clínica, com os quais pude aprender em seus relatos, sobre paixões, lucidez, virtudes, vícios, amor, ódio; sobre o poder de transformação que temos dentro de nós. Por fim a gratidão aos mestres do passado, os filósofos. Estes que vem pensando o Ser Humano em suas infinitas possibilidades, com os quais aprendi e continuarei aprendendo por todo o sempre. Obrigado!mestre_ilusões.indd 7 22/09/11 09:58
  8. 8. Este livro é dedicado à todos aqueles que acreditam que viver, é muito mais que um acúmulo de dias, meses ou anos... À aqueles que acreditam que é possível viver e viver bem...mestre_ilusões.indd 8 22/09/11 09:58
  9. 9. Sumário Introdução............................................................................ 13 A Filoterapia ........................................................................ 15 Conhece-te a ti mesmo........................................................ 17 O mundo dos sentidos ......................................................... 23 O mundo das ideias ............................................................. 29 Ideias essenciais e inessenciais ............................................ 35 Dor e Prazer ......................................................................... 39 Sofrimento Humano ........................................................... 41 Múltiplos Sofrimentos ........................................................ 44 A inter-relação mente-corpo ................................................ 49 Memória Celular ................................................................ 61 Novos Padrões ..................................................................... 65 A Paixão................................................................................ 67 Sede das Paixões ................................................................. 70 Equilíbrio das Paixões......................................................... 71 As Doenças das Paixões ...................................................... 72 Paixões são Consequências ................................................. 76 A Admiração ........................................................................ 79 Apatia ou Indiferença ......................................................... 82 Novos Padrões ..................................................................... 83 Apatia nos Relacionamentos ............................................. 84 Admiração nos Relacionamentos ....................................... 84 Apatia no Trabalho ........................................................... 85 Admiração no Trabalho ..................................................... 85mestre_ilusões.indd 9 22/09/11 09:58
  10. 10. A Alegria............................................................................... 87 Novos Padrões .................................................................... 89 Alegria nos Relacionamentos ............................................. 89 Alegria no Trabalho ........................................................... 90 A Tristeza ............................................................................. 91 Novos Padrões .................................................................... 93 O Desejo .............................................................................. 95 Novos Padrões .................................................................... 99 Desejo nos Relacionamentos ............................................. 99 Desejo na Profissão ............................................................ 99 A Vaidade ........................................................................... 101 Novos Padrões .................................................................. 111 Vaidade nos Relacionamentos ......................................... 112 Vaidade no Trabalho ....................................................... 112 O Medo.............................................................................. 113 Medo – Um discípulo dedicado ........................................ 116 Causa do Medo ................................................................ 118 O que motiva o medo? ...................................................... 120 Os disfarces do medo......................................................... 123 Fobias e Pânico ................................................................. 127 Novos Padrões .................................................................. 130 Medo nos Relacionamentos ............................................. 131 Medo no Trabalho ........................................................... 131 A Cólera ............................................................................. 133 Novos Padrões .................................................................. 138 Cólera nos Relacionamentos ........................................... 139 Cólera na Profissão .......................................................... 139 A Ira.................................................................................... 141 Níveis da Ira ..................................................................... 143 Os disfarces de uma paixão “mal vista” ............................ 145 Ira: conhecer para dominar .............................................. 148 Novos Padrões .................................................................. 150mestre_ilusões.indd 10 22/09/11 09:58
  11. 11. Ira nos Relacionamentos .................................................. 151 Ira no Trabalho ................................................................ 151 O Ódio ............................................................................... 153 Ódio ao Semelhante ......................................................... 156 Saídas para o ódio ............................................................ 157 Novos Padrões .................................................................. 159 Ódio nas Relações ........................................................... 160 Ódio na Profissão ............................................................ 160 A Mágoa............................................................................. 161 Absolvição da Mágoa ....................................................... 163 Prevenção da Mágoa ........................................................ 165 Novos Padrões .................................................................. 167 Mágoa nas Relações ........................................................ 168 Mágoa no Trabalho ......................................................... 168 A Inveja e a Emulação ....................................................... 169 Novos Padrões .................................................................. 171 Inveja nos Relacionamentos ............................................ 172 Inveja no Trabalho .......................................................... 172 A Emulação ...................................................................... 173 Emulação nos Relacionamentos ...................................... 175 Emulação no Trabalho .................................................... 176 O Ciúme ............................................................................ 177 Condutas do Ciumento .................................................... 180 Equilíbrio do Ciúme ......................................................... 181 Novos Padrões ................................................................... 183 Ciúme no Relacionamento ............................................... 183 Ciúme no Trabalho .......................................................... 184 A Angústia .......................................................................... 185 Novos Padrões .................................................................. 193 Angústia nos Relacionamentos ........................................ 194 Angústia no Trabalho ...................................................... 194 A Ansiedade ....................................................................... 195mestre_ilusões.indd 11 22/09/11 09:58
  12. 12. Ansiedade nos Relacionamentos ...................................... 202 Ansiedade no Trabalho .................................................... 203 O Amor .............................................................................. 205 Éros: o amor erótico .......................................................... 209 Caso clínico ...................................................................... 218 Novos Padrões .................................................................. 219 Philía: o amor de amigo.................................................... 219 Novos Padrões .................................................................. 231 Amizade nos Relacionamentos ........................................ 232 Amizade no Trabalho ....................................................... 232 Ágape: o amor familiar ..................................................... 232 Novos Padrões .................................................................. 241 Egophilía: o amor a si ...................................................... 241 Novos Padrões .................................................................. 251 Afetividade: o amor que afeta os amores ........................... 252 Novos Padrões .................................................................. 256 Força invisível inteligente .................................................. 257 Bibliografia......................................................................... 265mestre_ilusões.indd 12 22/09/11 09:58
  13. 13. Introdução “Regressa a ti mesmo e saberás quão simples é para ti o inventário”. Pércio O amor ao saber, a Filosofia, foi de fato a primeira ciência a buscar explicações para a essência humana, a tornar o homem humano. Dela advieram todos os questionamentos, dúvidas e reflexões a respeito do que é a vida, como nos en- volvemos com a experiência de estar vivos, e quais as possibi- lidades para se ter uma boa vida. Sentimentos, paixões, vícios, virtudes e valores humanos; conceitos de bem e mal, certo e errado, ética e moral. Desde os primórdios, a Filosofia é a grande tecelã, que através dos tempos vem tecendo e aprimo- rando este ser chamado: humano. Buscamos informações sobre o mundo em que vive- mos, sobre tudo o que se passa ao nosso redor. Buscamos estar sempre bem atualizados com as notícias que chegam como enxurrada nos meios de comunicação de massa. Buscamos nos aperfeiçoar em nossas profissões com diferentes cursos, com a intenção de permanecermos competitivos no mercado de trabalho. Sabemos tudo sobre nosso time, nosso hobby, a raça do nosso cão; sobre cinema, literatura, televisão; sobre os últimos lançamentos daquilo que nos interessa. Sabemos o que está na moda e nos preocupamos demasiado com nossa aparência e estética. • 13 •mestre_ilusões.indd 13 22/09/11 09:58
  14. 14. Odair J. Comin Temos muito com o que nos preocupar, aprender e sa- ber, e isso até certo ponto é bom. Entretanto, nos dirigimos ao externo para nos preencher e ignoramos o vasto e imenso mundo interior. Pouco sabemos sobre nós mesmos, pouco sa- bemos sobre nossos pensamentos e sentimentos, pouco sabe- mos sobre nossos desejos mais íntimos. Somos ignorantes quando se refere a falarmos sobre nós mesmos. Será que não nos consideramos importantes? Será que não temos nada de bom e interessante? Será que não vale a pena fazer um curso cujo tema seja você? Será que não somos uma boa companhia para nós mesmos? Será que não somos dignos de fazer um estudo, uma expedição em nosso mundo pessoal? Talvez o Ser Humano sofra tanto porque des- conhece a si mesmo. Sofre porque não aprendeu a como ser feliz. Sofre porque não aprendeu a arte do bem viver. Sofre porque é escravo, porque não aprendeu a ser livre. Porque abandona a si mesmo para seguir as massas ou alguém. Triste verdade do ser, é o que nos expõe Santo Agostinho: “Como ignora a liberdade que liberta, é-lhe útil ser enganado”. Triste verdade não conseguir ou não saber governar-se a si mesmo. • 14 •mestre_ilusões.indd 14 22/09/11 09:58
  15. 15. A Filoterapia A Filoterapia é um modelo de psicoterapia que tem como objetivo último possibilitar às pessoas o bem estar, por meio do conhecimento de si mesmos, de suas paixões, de suas virtudes e vícios. Proporcionar o bem pensar, o bem viver e o bem agir. Quando se busca ajuda para mudar, o pedido implícito é que algo novo precisa ser aprendido, e é assim que se dará o processo terapêutico pela Filoterapia. Possibilitar a travessia do ser que se traduz em dor, sofrimento, problema, doença, dificuldade, mal estar, para um novo estágio. E nesse lugar poderá se deparar com o prazer, com respostas, soluções, saú- de, bem estar, lucidez, conhecimento de si mesmo e a pró- pria felicidade. Aquele que não consegue ou ainda não conseguiu fazer a travessia, é porque ainda não sabe, ainda não aprendeu, e é por isso que a Filoterapia é uma forma de aprender, de formar seres humanos capazes de serem senhores de si mesmos. A Filoterapia, baseada na Filosofia, oferece todo esse conhecimento construído ao longo de séculos e por vezes di- fícil de ser compreendido de uma forma leve e clara. A Filo- terapia é a Filosofia antiga para tempos modernos; para um • 15 •mestre_ilusões.indd 15 22/09/11 09:58
  16. 16. Odair J. Comin Ser Humano moderno e sedento do bem viver. A Filoterapia é elegância, é sutileza nos processos de mudança e, ao mesmo tempo, extremamente impactante. A Filoterapia entrega as rédeas da sua vida em suas próprias mãos, e como é bom por alguns momentos depender apenas de si mesmo. A Filoterapia é o alegre saber, e como dizia Nietzsche “é esse transformar sem cessar, em claridade e em chama tudo o que somos e também tudo o que nos toca”. Há poesia onde palavras diferentes e surpreendentes se encontram. Há Filoterapia quando diferentes pensamentos filosóficos se en- contram com um único objetivo: possibilitar o bem pensar, o bem agir e o bem viver do indivíduo. Compartilhar da Filosofia é descentralizar o conhe- cimento ou o poder de saber. A humanidade investe muito mais em nossa ignorância do que em nosso conhecimento. O poder investe na ignorância para permanecer no poder. In- veste para o saber não chegar a todos. O poder é egoísta e, ao que nos parece, continuará sendo, pelo menos o poder que conhecemos: financeiro e ideológico. Descentralizar é abrir mão do poder apenas para si, abrir mão do egoísmo, da vaida- de, para o amor à humanidade, ao outro. Não falta dinheiro para o saber, falta amor. E este livro é um pouco desse amor ao saber, que é Filosofia; e amor ao outro, que é Filoterapia. • 16 •mestre_ilusões.indd 16 22/09/11 09:58
  17. 17. Conhece-te a ti mesmo “Para conhecer-se a si mesmo, talvez seja necessária uma autorreflexão sobre seus pensamentos, sentimentos, palavras e ações...” Odair J. Comin O homem torna-se humano pelo contato com outros ho- mens. É um Ser racional biopsicossocial, dotado de cin- co sentidos, com os quais entrará em contato com o mundo e apreenderá a realidade externa, construindo a realidade in- terna e individual. É dotado de um aparelho psíquico com um cérebro (mente) capaz de receber, armazenar e articu- lar diferentes conteúdos por meio do pensamento e da razão. Na medida em que interage, começa a utilizar a razão e as paixões. Terá uma memória, onde guardará tudo o que for aprendido e vivenciado; isso também o impactará de forma percebida e/ou não percebida (inconsciente) durante a vida. O Ser Humano também nasce com a capacidade de sentir dor e prazer, além das paixões em potencial; esses sentimen- tos o acompanharão em maior ou menor intensidade durante o tempo todo. No processo de tornar-se humano, mais precisamente a formação deste, entram o ensino das virtudes e sua gradativa prática, é claro que nesse processo aparecem as paixões e os vícios, que somos propensos a aprender mesmo sem sermos ensinados. Teremos duas espécies de virtudes: a intelectual e a moral. A virtude intelectual é adquirida pelo ensino, pela • 17 •mestre_ilusões.indd 17 22/09/11 09:58
  18. 18. Odair J. Comin educação, por isso requer tempo. A virtude moral advém do hábito, apenas a praticando a temos em nós. O ator assim se torna pela prática da atuação, o tenista pela prática do tênis, o médico pela prática da medicina: essas são virtudes intelectu- ais. Do mesmo modo as virtudes morais: tornamo-nos toleran- tes na medida em que toleramos, tornamo-nos corajosos por atos de coragem, justos pela prática de atos justos. Portanto, nenhuma virtude é inata, antes sim é aprendida e vivenciada, podendo ser mudada em qualquer momento da vida. O que é inato ou do instinto não pode ser mudado, como a possibilidade de sentir dor, prazer ou o próprio medo instintual, além da utilização dos cinco sentidos; cada um tem uma especificidade e não podemos mudar. De forma literal, não dá para saborear com os olhos, por exemplo. O que é por natureza de uma forma, não poderá comportar-se de outra. Mesmo que joguemos mil vezes um objeto para cima, ele não aprenderá a ficar suspenso no ar. A água molha, o fogo quei- ma, o animal carnívoro comerá carne, esta é a sua natureza e não pode ser mudada. Ademais, todo o resto é aprendido e passível de ser reaprendido, mudado; aprender algo novo por certo trará novas conexões internas e consequentes transforma- ções. A natureza nos dá sim a capacidade, a potencialidade de aprender virtudes e, tal capacidade se aperfeiçoa com o hábito. O oculto em nós é maior que o percebido. “Conhecemo- nos tão pouco que muitos pensam morrer quando estão pas- sando bem, e muitos julgam passar bem quando estão próxi- mos da morte”, dizia Pascal. Nosso saber de si é limitado. “Só sei que nada sei”, dizia o mais sábio dos homens – Sócrates. Por isso, essa eterna busca para saber mais sobre nós mesmos, ampliando nosso saber de si, o tão famigerado autoconheci- mento. Esta também é uma busca para nos ajudar, para nos aprimorar enquanto seres humanos. E quem é capaz de se co- nhecer e de ajudar a si mesmo? Como se pode conhecer e se • 18 •mestre_ilusões.indd 18 22/09/11 09:58
  19. 19. mestre das emoções ajudar? “Cada cabeça uma sentença”, cada mente que chega a essa pergunta traduziria de uma forma diferente as respos- tas. Para autoajudar-se, talvez, antes seja necessário autoco- nhecer-se, “conhece-te a ti mesmo”, no templo de Delphos estava a chave onde cada Ser Humano poderia abrir as portas de sua mais íntima sabedoria, espírito ou alma. Conhece-te a ti mesmo, e então poderás autoajudar-se. A “receita” parece a mesma para todos, porém a forma de fazer este banquete será diferente para cada um. Como conhecer-se a si mesmo? Aqui está a grande pergunta, uma dúvida que atravessa milênios e, mesmo com toda a evolução da cultura humana e seu privilegiado pen- samento e criatividade, a resposta ainda parece esconder-se dentro de cada um. Tão escondida que alguns desistem de procurar, outros nunca nem quiseram tentar, enquanto mui- tos ignoram totalmente sua existência e poucos a acham. Sua busca é digna de comparação com os heróis e mitos gregos, através de Homero, Sófocles e outros. O herói parte em bus- ca do desconhecido, do tesouro, da pessoa amada, de seu destino. E como dizia Nietzsche, “ninguém pode construir em teu lugar as pontes que precisarás para atravessar o rio da vida – ninguém, exceto tu, só tu”. É uma jornada solitária, essa busca pelo misterioso e maravilhoso mundo interno. Temos coisas que percebemos em nós e queremos mu- dar ou melhorar, enquanto outras que permaneçam como está. Esta é talvez a parte mais fácil, todavia, não somos ape- nas o que percebemos ou o que acreditamos que somos; mas também o que não percebemos, e que por certo nos afeta, ou seja, o oculto, o desconhecido de nós mesmos. Por isso às vezes sofremos, adoecemos, vivemos em conflito, empobre- cemos espiritualmente. O caminho é a busca do saber de si, o mais completo e abrangente possível. Este não está no outro, no céu ou nas estrelas, mas dentro de cada um. • 19 •mestre_ilusões.indd 19 22/09/11 09:58
  20. 20. Odair J. Comin Para conhecer-se a si mesmo, talvez seja necessária uma autorreflexão sobre seus pensamentos, sentimentos, palavras e ações. Questionamentos sobre o que causa dor e o que cau- sa prazer, o que lhe traz tristeza e o que lhe traz felicidade. O que gosta de fazer, o que faz por conveniência, obrigação ou desgosto. Quais são os motivos que o levam a fazer algo, a viver mais um dia, a amar. Descobrir porque sonha o que sonha, qual o sentido da própria vida. Buscar os princípios que regem sua existência, as raízes que alimentam sua vida e de onde vem a seiva. É difícil perceber e mesmo admitir que temos falhas; nos zangamos com alguém que perceba falhas em nós. Isso tira nossas certezas, nos faz experimentar sensações imprevi- síveis e impensadas. Se estamos doentes, até aceitamos com certa tranquilidade esse mal em nós, mas se nos dizem que agimos mal, que escolhemos mal, que educamos mal nossos filhos, que não sabemos fazer nosso trabalho com excelência, isso nos aborrece. Pascal pergunta: “como se explica que um coxo não nos irrite e um espírito coxo nos aborreça?”. Para Pascal, a resposta é que um coxo reconhece que os demais andam direito, enquanto que um “espírito coxo” acredita que os outros é que mancam. Portanto, são as incertezas que nos aborrecem. Sabemos ou não que estamos com alguma dor e que andamos direito; mas não temos certeza de que fizemos a melhor escolha. Quando o outro vê coisas em nós que não percebemos, nossa mente torna-se um terreno minado. Uma das alternativas pode ser ignorar essa percepção alheia e per- manecer na rota. A outra requer ousadia, requer sair do cam- po da certeza incerta, para uma nova possibilidade que ainda está por acontecer. Por certo escolhida, diferente e, quem sabe, melhor – racional. A mudança acontece independente de nossa vontade. A diferença está em ser comandado pela mudança e a possibilidade de comandá-la, dar-lhe o melhor • 20 •mestre_ilusões.indd 20 22/09/11 09:58
  21. 21. mestre das emoções direcionamento de acordo com nossa vontade. Só poderemos fazer isso na medida em que nos conhecemos. O primeiro indício de que estamos no caminho do au- toconhecimento, é a percepção de que algo pode ser muda- do ou melhorado, de que algo novo foi percebido, uma nova descoberta sobre si mesmo; estar sempre aberto para que a interação consigo mesmo e com o mundo possa fluir sem pre- conceitos, com tolerância, tranquilidade e coragem. Nessa busca é necessário o autoacolhimento, não im- portando o quão difícil seja entrar em contato com o oculto de si. Não importa o quanto erramos, mas sim quanta possi- bilidade de acerto podemos criar e efetivar a partir de agora. Não importa quantos pensamentos, sentimentos, palavras e ações que não foram adequados, mas o que de bom poderá ser feito a partir dessa aprendizagem. Tudo isso precisa ser acolhido, olhado com surpresa, com admiração. Isso também faz parte de mim, também sou eu, e agora que sei, o que pos- so fazer para mudar ou melhorar. Um olhar de contemplação sobre si. Como será bom tornar-se amigo de si mesmo, poder contar consigo mesmo. • 21 •mestre_ilusões.indd 21 22/09/11 09:58

×