Discurso e mudança social norman fairclough

2.745 visualizações

Publicada em

Discurso e mudança social norman fairclough

Publicada em: Mídias sociais
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.745
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
217
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Discurso e mudança social norman fairclough

  1. 1. Discurso e mudanga socia
  2. 2. FUNDAC&O UNTVERSIDADE DE BRASILIA Relior Lauro Morhy Vice-Reif or Timothy Martin Mulholland EDITORA UNIVERSIDADE DE BRASILIA Diretor Alexandre Lima CONSELHO EDITORIAL Airton Lugarinho de Lima Camara. Alexandra Lima, Elizabeth Cancelli. Estevao Chaves de Rezende Martins. Henryk Siewierski, Jose Maria Conceives de Almeida Junior, Moema Malheiros Pontes, Reinhardt Adolfo Fuck, Sergio Paulo Rouanet e Sylvia Ficher 40 anosEditors Untvmldadf lieBrasilia Norman Fairclough Discurso e mudan^a social , ,- :-. Izabcl Haggles | Revisao tecnica e prefacio fi ediqao brasileira Izabel Magalhaes EDITORA
  3. 3. Equipe editorial:Airton Lugarinho (Supervisao editorial); Rejane de Meneses (Acompanhamento editorial);Izabel Magalhaes, Andre R. N. Martins, Carla Rosane Zorio, Celia M. L. Mota, Janaina Saraiva de Aquino, Josenia Vicira, Maria Christina Diniz Leal, Sandra da Rocha M. de Oliveira (Equipe de traducao); GilvamJoaquim Cosmo e Wilma Conceives Rosas Saltarelli (Preparacao de originals, revisao e indicc): Eugenio Felix Braga (Editoracao elelronica): Wagner Soares (Qipa). Titulo original: Discourse and social change Copyright © 1992 by Norman Fairclough Copyright © 2001 by Editora Universidade de Brasilia, pela traducao Impresso noBrasil ** ** B * 3 ' ^ Direitos exclusivos para esta edigao: Editora Universidade de Brasilia SCS Q.02 BlocoC N° 78 Ed. OK 2-andar 70300-500-Brasilia-DF Tel: (Oxx61) 226-6874 Fax: (OxxGl) 225-5611 editora(5)unb.br integrtdo Todos os direitos reservados. Nenhiima parte dcsta publicagao podera ser armazenada ou reproduzida por qualquer meio sem a autorizagao por cs- crito da Editora. Ficlia catalografica elaborada pela Biblioteca Central da Universidade de Brasilia Fairclough, Norman F165 Discurso e mudan^a social / Norman Fairclough; Iza- bel Magalhaes, coordenadora da traducao, revisao tecnica e prefacio. - Brasilia : Editora Universidade de Brasilia. 2001. 316 p. Tradugao de : Discourse and social change. ISBN 85-230-0614-1 1. Sociolingtiistica. 2. Analise do tliscurso. 3. Mudan- ca social. I. Magalhaes, Izabel. 11.Tftulo. CDU 801 801:30.1 Para minha mae, e em memoria de meu pai.
  4. 4. Sumario PREFACIO AEDICAO BRASILEIRA, 11 AGRADECIMENTOS, 15 PREFACIO, 17 INTRODUCAO, 19 CAPITULO 1 ABORDAGENS DAANALISE DEDISCURSO, 31 Sinclair e Coulthard, 32 Analise da conversacao, 36 Labov e Fanshel, 40 Potter e Wetherell, 44 .* Lingtiistica critica, 46 Pecheux, 51 Conclusao, 57 CAPITULO 2___^ MICHEL FOUCAULT E A ANALISE DE DISCURSO, 61 Os trabalhos arqueologicos de Foucault, 64 A formagao dos objetos, 65 —-t> A formagao de modalidades enunciativas, 68 =—^ A forma^ao de conceitos, 70 —T? A forma^ao de estrategias, 73 Da arqueologia a genealogia, 74 Foucault e a analise de discurso textualmente orientada, 81
  5. 5. Norman Fairclough CAPITULO 3 TEORIA SOCIAL DODISCURSO, 89 Discurso, 89 Discurso como texto, 101 Pratica discursive, 106 Fbiscurso como pratica social: ideologia e hegemonia, 116 Mudanga discursiva, 126 Conclusao, 130 CAPITULO 4 INTERTEXTUALIDADE, 133 Exemplo 1: Reportagem de jornal, 138 Exemplo 2: Urn guia para os portadores de carlao do banco Barclay, 148 Intertextualidade manifesta, 152 Intertextualidade e transformacoes, 166 Intertextualidade, coerencia e sujeitos, 170 CAPITULO 5 ANALISE TEXTUAL: A CONSTRUCAO DAS RELACOES SOCIAIS EDO'EU', 175 Exemplo 1: Entrevista medica 'padrao; , 176 Exemplo 2: Entrevista medica alternativa, 183 Exemplo 3: Narrativa conversational, 189 Caracten'sticas de controle interacional, 192 Tomada de turno, 192 Estruturas de troca, 193 Controle de topicos, 195 Determinacao e poJiciamenlo de agendas, 196 Formulagao, 198 Modalidade, 199 Polidez, 203 Ethos, 207 Conclusao, 209 Suma no CAPITULO 6 ANALISE TEXTUAL: ACONSTRUCAODAREALIDADESOCIAL, 211 [Collectives e argumentae,ao, 212 I Transitividadee tema, 221 Significado das palavras, 230 Criagao de palavras, 236 Metafora,241 Conclusao, 245 k CAPITULO 7 DISCURSOEATUDANCASOCIAL NASSOCIEDADES CONTEMPORANEAS, 247 Democratizacao, 248 Comodificagao, 255 Tecnologizagao, 264 Produziudo sentido das tendencias, 268 Conclusao: modelos relevantes de discurso, 272 CAPITULO 8 A PRATICA DAANALISE DE DISCURSO, 275 Os dados, 276 Analise, 282 Resultados. 291 REFERENCES BIBLIOGRAFICAS, 295 INDICE,307
  6. 6. Prefacio a edi^ao brasileira Conheci Norman Fairclough na Universidade de Lancaster. Gra-Bretanha, em 1975. Em 1988, ele visitou a Universidade de Brasilia a meu convite, para ministrar o curso Linguagem, Poder e Ideologia. Durante a visita, discutimos a ideia de um convenio de pesquisa internacional entre a Universidade de Brasilia e a Univer- sidade de Lancaster. 0 conveniorecebeu apoio do Conselho Brita- nico e da Capes, em 1991. Fairclough visitou a Universidade de Brasilia novamente em 1994 e em 1998. A traducao desta obra e produto do convenio e uma realizacao do Grupo de Pesquisa de Linguagem e Ideologia da Universidadede Brasilia. 0 trabalho de Fairclough e conhecido no mundo inteiro, re- presentando uma significativa contrihuigao da lingiifstica brilanica do final do seculo XX, que tern iufluenciado um grande numero de pesquisadores, lanto estudiosos da linguagem como de disciplinas afins. A Teoria Social do Discurso, que o autor apresenta no Ca- pitulo 3, tern em comum com a Escola Francesa de Analise de Dis- curso a dimensao critica do olhar sobre a linguagem como pratica social. Entretanto, a teoria de Fairclough e inovadora quando pro- poe examinar em profundidade nao apenas o papel da linguagem na reprodugao das praticas sociais e das ideologias, mas tambem seu papel fundamental na transformagao social. Isso e possivel na teoria de Fairclough porque ela e dialetica na medida em que considera o discurso. por um lado, moldado pela estrutura social e, por outro, constitutivo da estrutura social: O discurso contribui para a constituigao de todas as dimeasocs da eslrutura social que, direta cm indiretamente, o moklani e restrin- gein: suas proprias normas e convencoes e tambem as relac.oes, as identidades e as instituic.6cs que Ihe sao subjacentes (cf. Capftulo 3).
  7. 7. 12 Norman Fairclough A]em disso, a teoria de Fairclough resgata o conceito de 'in- terdiscurso', do teorico da analise de discurso francesa Michel Pecheux. Fairclough discule a configuragao de praticas discursivas e a relagao entre elas, em termos da 'ordem de discurso' (um con- ceito formulado inicialmente por Michel Foucault), que tanto pode favorecer a reprodugao do sujeito social como a sua trans- formagao. A mudanga discursiva ocorre mediante a reconfiguragao ou a mutagao dos elementos da ordem de discurso que aluam di- rjamicamente na relagao entre as praticas discursivas. Ela pode es- tender seus efeitos sobre os sujeilos e suas identidades, as relagoes sociais e os sistemas de conhecimento e crenca. Num munclo de grandes transform agoes como o nosso, essa e, sem sombra de dii- vida, uma questaocentral. E e ai que se encontra a principal contribuicao de Fairclough para os leitores brasileiros: ate que pouto as transformagoes pro- postas nos textos orais e escritos sao favoraveis aos cidadaos? Para responder a essa questao, e preciso ter uma visao critica sobre o papel da linguagem na organizacao e na manutengao da hegemonia de determinados grupos sociais em detrimento de outros. Tais blocos incluem nao apenas a classe social - como na visao de Louis Althusser e Michel Pecheux -, mas tambem a etnia, o genero social e mesmo a linguagem escrita, que, no senso comum ideolo- gico, separa os individuos em letrados e analfabetos, valorizando os primeiros. A manutengao desses blocos exige, em muitos casos, o apelo a mudauca, a modernizagao superficial e a rearticulacao das praticas socials conservadoras. Num pais em que a populacao e com freqiiencia alvo de manipulacao por parte de grupos de poder, couhecer o trabalho de Fairclough e uma necessidade. Cabe esclarecer, porem, que o autor nao propoe solugoes fa- ceis, principalmenteporque o caminho da critica exige leitura, re- flexao e desenvolvimento de uma consciencia sobre direitos e deveres, que pode demandar profundas transformacoes na identi- dade do 'eu' e do 'outro' e ainda na identidade nacional. Nesse sentido, a transformacao das praticas sociais passa por uma Irans- formagao das praticas lingiiisticas nos mais diversos domfnios. Na tradugao, optou-se pelo uso do masculino e do feminino (por exemplo, 'ele(a)') em siluagoes em que se usa normalmente o Discurso e mudan^a social 13 masculino generico em portugues, como em 'ciencias do homem'. Essa decisao segue um uso ja consolidado no ingles, fruto da ten- dencia de 'democratizagao do discurso' que o autor discute no Capitulo 7 desta obra. Adolaram-se o masculino e o feminino, em substituigao ao feminino generico usado pelo autor. buscando t'a- cilitar a leitura, sem prejudicar a dimensao critica da obra. Izabel Magalhaes
  8. 8. Agradecimentos O artigo de jornal a pagiua 139 foi reproduzido com permissao do The Sun. Agradego Ji Eclitora da Universidade de Cambridge e ao doutor S. Levinson a permissao para usar a figura a pagina 204, a Universidade de Lancaster por ter permitido a reproduce do texto as paginas 261-262 e a "MGN Limited", que autorizou a reprodu- cjio do artigo a pagina 145-
  9. 9. Prefacio A ideia de escrever este livro surgiu nas discussoes com um grupo de colegas da Universidade de Lancaster sobre a analise de discurso corao um metodo na pesquisa social, particularniente com os sociologos Paul Bagguley, Scott Lash, Celia Lury e Mick Dillon, do Departamento de Politica, e Susan Condor, do Depar- tamento de Psicologia. Tanibem foram beueficos o apoio e o entu- siasmo de colegas e alunos de Linguistica, priucipalmente Romy Clark, Roz Ivanic, Hilary Janks, Stef Slembrouk. e Mary Talbot. Mary Talbot tambem forneceu o exemplo de narrativa conversa- cional do Capftulo 5. Agradego a Gunther Kress e John Thompson por terem lido e comeutado uma versao anterior do livro. Final- mente, live muito apoio e paciencia de Vonny, Simon e Matthew durante o processo de produgao do livro.
  10. 10. Introdu^ao" Hoje, os indivfduos que trabalhara em uma variedade de dis- ciplinas come§am a reconhecer os modos como as mudanc^as no uso lingiiistico estao ligadas a processes socials e culturais raais amplos e, conseqiientemente, a considerar a importancia do uso da analise linguistica como um metodo para estudar a mudanga social. Mas ainda nao existe um metodo de analise linguistica que seja tanto teoricamente adequado como viavel na pratica. Meu objetivo principal neste livro e, portanto, desenvolver uma abordagem de analise lingiiistica que possa contribuir para preencher essa lacuna— uma abordagem que sera util particularmente para investigar a mudanc,a na linguagem e que sera litil em estudos de mudaiiga social e cultural. Para atingir isso, e necessario reunir metodos para analisar a linguagem desenvolvidos ua linguistica e nos estudos de lingua- gem com o pensamento social e politico relevante, para desenvol- ver uma teoria social da linguagem adequada. Entre os primeiros, incluo trabalhos em varies ramos da lingiiistica (vocabulario, se- mantica, gramatica), na pragmatica e, acima de tudo, na 'analise de discurso', que foram desenvolvidos nos iiltimos anos principal- mente por linguistas (os varios sentidos de 'discurso' e 'anaJise de discurso' sao discutidos resumidamente); e incluo enlre os iiltimos os trabalhos de Antonio Gramsci, Louis Althusser, Michel Fou- cault, Jiirgen Habermas e Anthony Giddens (veja referencias). Tal sintese ha muito deveria ter sido feita, mas ha varios fatores que tern dificultado sua realizagao satisfatoria ate o momenlo. Um e o isolamento dos estudos lingiiisticos de outras ciencias socials e ainda a dominac,ao da lingufstica por paradigmas formalistas e Tradui;ao de Izabel Magalhaes.
  11. 11. 20 Norman Fairclough cognitivos. Dois outros fatores sao a falta de inleresse pela lingua- gem por parte de outras ciencias sociais e uma tendeiicia de consi- derar a linguagem transparente: enquantodados lingiiisticos, como entrevislas, sao amplamenteusados, ha uma tendeiicia emacreditar qne o conteudo social de tais dados pode ser lido sem atencao a propria linguagem.Tais posicoes e atitudes estao mudando agora. Os limites entre as ciencias sociais estao enfraquecendo, e uma major diversidade de teoria e pratica vein se desenvolvendo nas discipli- nas. Tais mudancas tem-se feito acompanhar por uma 'virada lin- giiistica' na teoria social, cujo resultado e um papel mais central conferido a linguagem nos fenomenos sociais. As tentativas anteriores de sintese entre os estudos linguisticos e a teoria social tiveram, dessa forma, sucesso limitado. Por exem- plo, um grupo de lingiiistas na Gra-Bretanha, na decada de 1970, desenvolveu uma 'lingtiistica critica' ao combinar as teorias e os metodos de analise textual da 'lingiiistica sislemica' (Halliday, 1978) com teorias de ideologia. Algum tempo antes, na Franca, Michel Pecheux e seus colegas come^aram a desenvolver uma abordagem a analise de discurso que se baseou especialmente no trabalho do lingilista Zellig Harris e na reelaboragao de uma teoria marxista de ideologia feita por Althusser. Ambas as tentativas apresentam um desequilfbrio entre os elementos sociais e os lin- giifsticos da sintese, embora tenham pontos negatives e positives complementares: nos primeiros, a analise lingufstica e o tratamento de textos linguisticos estao bem desenvolvidos, mas ha pouca teo- ria social, e os conceitos de 'ideologia' e 'poder' sao usados com pouca discussao ou explicac.ao, enquantono trabalho de Pecheux a teoria social e mais sofisticada, mas a analise lingiiistica e tratada em termos semanticos muito estreitos. Alera do mais, ambas as lentativas estao baseadas em uma visao estatica das relates de poder, com enfase exagerada no papel desempenhado pelo amol- damento ideologico dos textos lingiiisticos na reproducao das relac.6es de poder exislentes. Prestou-se pouca atenc_ao a luta e a transformacao nas relagoes de poder e ao papel da linguagem ai. Conferin-se enfase semelhante a descricao dos textos como pro- dutos acabados e deu-se pouca atenc_ao aos processos de produgao e interpretacao textual, ou as tensoes que caracterizam tais proces- Discurso e mudantpa social 21 sos. Como conseqiiencia, essas tentalivas de sintese nao sao ade- quadas para investigar a linguagem dinamicamente, em processos de mudanca social e cultural (ver Capitulo 1, para uma discussao mais detalhada dessas abordagens e referencia a tentativas mais recentes de aprimora-las e desenvolve-las). A sintese que tentarei realizar neste livro estara centrada, como a de Pecheux, na 'analise de discurso' e no conceito de 'dis- curso'. Discurso e um conceito dificil, principalmente porque ha tantas definicoes conflitantes e sobrepostas, formuladas de varias perspectivas teoricas e disciplinares (ver van Dijk, 1985; McDo- nell, 1986, sobre algumas dessas definicoes). Na lingiiistica, 'dis- curso' e usado algumas vezes com referencia a amostras ampliadas de dialogo falado, em contraste com 'textos' escritos. Nesse sentido, 'analise textual' e 'analise de discurso' nao partilham a limitac/io tradicional da analise lingiiistica a frases ou a unidades gramaticais menores; ao contrario, focafizam as propriedades organizacionais de nivel superior do dialogo (por exemplo, tomada de turno, ou a es- trntnra de aberturas e fechamentos conversacionais) ou de textos escritos (por exemplo, a estrutura de uma reportagem de crime em um jornal). Mais comumente, entretanto, 'discurso' e usado na lin- giiistica com referencia a amostras ampliadas de linguagem falada ou escrita. Alem de preservar a enfase em aspectos organizacionais de m'vel superior, esse sentido de 'discurso' enfatiza a interacao entre falante e receptor(a) ou entre escritor(a) e leitor(a); porlanto, entre processos de producao e interpretacao da fala e da escrita, como tambem o contexto situacional do uso lingiiistico. Texto' e considerado aqui como uma dimensao do discurso: o 'prodnto' escrito ou falado do processo de producao textual. (Sobre essa concepc,ao de discurso como 'texto e interacao', ver Widdowson, 1979.) Finalmente, 'discurso' tambem e usado em relacao a dife- rentes tipos de linguagem usada em diferenles lipos de situagao social (por exemplo, 'discurso de jornal', 'discurso publicitario', 'discurso de sala de aula', 'discurso de consultas medicas'). Por outro lado, 'discurso' e amplamente usado na teoria e na analise social, como, por exemplo, no trabalho de Michel Fou- cault, com referencia aos diferenles modos de estruluragao das areas de conhecimento e pratica social. Dessa forma, o discurso da
  12. 12. 22 Norman Fairclough 'ciencia medica' e atualmente o dominante na pratica de assisten- cia medica, embora contraste com varios discursos holfsticos 'al- ternativos' (por exempio, os da homeopatia e os da acupuntura), como tambem com os discursos populares 'folcloricos'. Nesse sentido, os discursos sao manifestados nos modos parliculares de uso da linguagem e de outras t'ormas simbolicas, tais como ima- gens visuais (ver Thompson, 1990). Os discursos nao apenas refletem on representam entidades e relagoes sociais, eles as constroem ou as 'constituem'; diferentes discursos constituem entidades-chave (sejam elas a 'doenca mental', a 'cidadania' ou o Tetramento') de dife- rentes modos e posicionam as pessoas de diversas maneiras como sujeitos sociais (por exempio, como medicos ou pacientes), e sao esses efeitos sociais do discurso que sao focalizados na analise de discurso. Outro foco imporlante localiza-se na mudane,a histo- rical como diferentes discursos se combinam em condigoes sociais particulares para produzir um novo e complexo discurso. Um exempio contemporaneo e a construgao social da doenga Aids, em que varios discursos (como os discursos da venereologia, da 'inva- sao' cultural por 'estrangeiros', da poluic.ao) sao combiuados para constituir um novo discurso, o da Aids. Esse sentido mais so- cioteorico de discurso sera discutido adiante no Capitulo 2. Minha tentativa de reunir a analise linguistica e a teoria social esta cenlrada numa combinagao desse sentido mais socioteorico de 'discurso' com o sentido de 'texto e interagao1 na analise de discurso orientada lingiiisticamente. Esse conceito de discurso e aniilise de dis- curso e tridimensional. Qualquer 'evento" discursivo (isto e, qual- quer exempio de discurso) e considerado como simultaneamente um texto, um exempio de pratica discursiva. e um exempio de pra- tica social. A dimensao do 'texto' cuida da analise linguistics de textos. A dimensao da 'pratica discursiva', como 'interac.ao', na concepcjio 'texto e interagao' de discurso, especifica a natureza dos processes de producao e interpretacao textual - por exempio, que tipos de discurso (incluindo 'discursos' no sentido mais socioteo- rico) sao derivados e como se combinam. A dimensao de 'pratica social' cuida de questoes de interesse na analise social, tais como as circunstancias instituciomiis e organizacionais do evento discur- sivo e como elas moldam a natureza da pratica discursiva e os efeitos constitutivos/construtivos referidos anteriorniente. Discurso e mudanca social 23 Acrescentaria que 'texto7 e usado neste livro em um sentido que e bastante familiar na linguistica, mas nao alhures, para referir a qualquer produto escrito ou falado, de tal maneira que a transcri- cao de uma entrevista ou couversa, por exempio, seria denomimtda um 'texto'. A enfase neste livro e sobre a linguagem e, portanto, textos lingiiisticos. mas e muito apropriado estender a nogao de discurso a outras formas simbolicas, tais como imagens visuais e textos que sao combinagoes de palavras e imagens - por exempio, na publicidade (ver Hodge e Kress, 1988). Usarei o termo 'discurso' sem um artigo para referir ao uso lingiiistico considerado do modo tridimensional citado auteriormente (por exempio. "a posigao dos sujeitos sociais e realizada no discurso"), e referir-me-ei a 'tipos de discurso' aos quais as pessoas recorrem quando se envolvem no discurso, significando couvencoes como generos de discurso e es- tilos. No Capitulo 4, tambem comegarei a usar o termo 'discurso' com um artigo ('um discurso', 'os discursos'. 'o discurso da biolo- gia') no sentido socioteorico para uma classe particular de tipos de discurso ou convengoes. Tambem referir-me-ei as 'praticas discur- sivas' de instituigoes, organizagoes ou sociedades particulares (em contraste com 'pratica discursiva' como uma dimensao analitica- mente distinta do discurso). A justificativa para o couceito multidimensional de discurso e para a analise de discurso delineada anteriormente e apresentada nos capitulos de 1 a 3. O Capitulo J e um estudo de abordagens da analise de discurso que sao orientadas lingiiisticamente, isto e, elas focalizam os textos e a analise textual. Argumentarei que essas abordagens dao atengao insuficiente a aspectos sociais importantes do discurso, para os quais e preciso recorrer a teoria social. No Capitulo 2, comento tais perspectives sociais do discurso no tra- ballio de Michel Foucault, um teorico social que tern sido uma in- fluencia de destaque no desenvolvirnento da analise de discurso como forma de analise social. No Capitulo 2, argumento ainda que a maior atengao aos textos e a analise linguistica aumentaria o va- lor da analise de discurso como metodo na pesquisa social. Em seguida, no Capitulo 3, apresento minha abordagem multidi- mensional como si'ntese das concepc_6es de discurso com orientagao social e linguistica, avancando para o que denomino 'teoria social do
  13. 13. Norrnan Fairclough discurso'. Essa abordagem e elaborada e aplicada a varias especies de discurso em capitulos posteriores do livro. Sugeri no inicio desta Introdugao que as mudangasno uso lin- giiistico sao uma parte importaute de mudangas sociais e culturais mais amplas. Isso ocorre cada vez mais; entretanto, a afirmagao precisa de mais explicagao e justificativa. As afirmagoes sobre a importancia social da linguagem nao sao novas. A teoria social em decadas recentes atribui a linguagem um lugar mais central na vida social (ver Thompson, 1984). Primeiro, na teoria marxista, Gramsci (1971) e Althusser (1971) enfatizam o significado da ideologia na reproducao social moderna, e outros como Pecheux (1982) identi- ficam o discurso como a forma material linguistica preeminente da ideologia (ver. no Capitulo 1, o item "Pecheux"; entendo por 'repro- dugao' os mecanismos por meio dos quais as sociedades mantem suas estruturas sociais e relagoes sociais ao longo do tempo). Se- gundo, Foucault (1979) ressalta a importancia das tecnologias em formas modernas de poder e esta claro que estas sao exemplifica- das centralmente na linguagem (ver, no Capitulo 2, o item "Da ar- queologia a genealogia"). Terceiro, Habermas (1984) focaliza a colonizagao do 'mundo da vida' pelos 'sistemas' da economia e do Estado, que considera em tennos de um deslocamento de usos 'comunicativos' da liuguagem - orientados para produzir a com- preensao —por usos 'estrategicos' da linguagem ~ orientados para o sucesso, para conseguir que as pessoas realizem coisas. A eleva- gao da linguagem e do discurso na esfera social reflete-se de ma- neira variada em trabalhos, por exemplo, sobre as relagoes de genero (Spender, 1980) ou a mi'dia (van Dijk, 1985b), que focali- zam a linguagem, e na pesquisa sociologica que toma como dados a conversagao (Atkinson e Heritage, 1984). 0 que esta aberto ao debate e se tal teoria e pesquisa reconhe- cem a importancia que a linguagem sempre teve na vida social, mas que previamente nao foi suficientemente reconhecicla, ou real- mente refletem um destaque na importancia social da linguagem. Embora ambos os casos possam ser verdadeiros, acredito que tenha havido mudanga significativa no funcionamento social da linguagem, alteragao refletida na centralizagao da linguagem nas principals mudangas sociais ocorridas nas ultimas decadas. Muitas dessas Discurso e mudanfa social 25 mudangas sociais nao envolvem apenas a linguagem, mas sao constitui'das de modo significativo por mudangas nas praticas de linguagem; e talvez seja uma indicagao da importancia crescente da linguagem na mudanga social e cultural que (entativas de defi- nir a diregao da mudanga cada vez mais incluam tentativas de mu- dar as praticas de linguagem. Darei alguns exemplos. Primeiro, em muitos paises houve recentemente um movimento de extensao do mercado a novas areas da vida social: setores como a educagao, a assistencia medica e as artes foram obrigados a rees- truturar e a reconceituar suas aiividades como produgao e marketing de bens para consumidores (Urry, 1987). Tais mudangas afetam profundamente as atividades. as relagoes sociais e as identidades sociais e profissionais das pessoas que trabalham em tais setores. Grande parte de sen impacto diz respeito a mudangas nas praticas discursivas, isto e, mudangas na linguagem. Por exemplo, na edu- cagao as pessoas encontram-se sob pressao para se envolver com novas atividades que sao definidas em grande parte por novas pra- ticas discursivas (como marketing) e para adotar novas praticas discursivas em aiividades existentes (como o eiisino). Isso inclui 'relexicalizagoes' de atividades e relagoes - por exemplo, a relexi- calizagao dos aprendizes como 'consumidores' ou 'clientes', de cursos como 'pacotes' ou 'produtos'. Inclui tambem uma reestrutura- gao mais sutil das praticas discursivas da educagao - os tipos de discurso (generos, estilos, etc.) que af sao usados - e a 'coloniza- gao' da educagao por tipos de discurso exteriores, incluindo os da publicidade, os da administragao e os da terapia. Alem disso, a industria esta passando por mudangas, no sentido do que e denominado produgao 'pos-fordiana' (Bagguley e Lash, 1988: Bagguley, 1990), em que os operarios nao mais luncionam como indivi'duos que desempenham rotinas repetitivas em um pro- cesso de produgao invariante, mas como grupos em relagao flexivel com um processo acelerado de mudanga. Acrescente-se que as re- lagoes tradicionais empregado-firma sao consideradas pelas admi- nistragoes como disluncionais nesse contexto; portanto, elas teni tentado transformar a cultura do local de trabalho ~ por exemplo, ao estabelecer instituigoes que posicionam os empregados em uma relagao mais participativa com a gerencia. como nos 'cfrculos de
  14. 14. 26 Norman Fairclough qualidade*. Descrever tais mudangas como 'culturais' nao e apenas retorica: o objetivo e estabelecer novos valores culturais, operarios que sao 'empreendedores', automotivados e, como Rose (inedito) chama. 'autodireciouados'. Tais mudangas na organizacao e na cultura sao, de modo significative, mudancas nas praticas discursivas. O uso lingiiistico esta assumindo maior importancia como meio de produgao e controle social no local de trabalho. Mais especifica- mente, espera-se agora que os operarios se envolvam em interacao face a face com o grupo, como falantes e ouvintes. Quase todas as describes de emprego no trabalho 'colarinho branco', mesnio nos niveis mais inferiores, enfatizam agora as habilidades comuiiicaiivas. O resultado e que as identidades sociais das pessoas como traba- Ihadores passam a ser definidas em termos que tradicionalmente nao tern side considerados como ocupacionais, mas perlencentes a esfera da vida privada. Um aspecto surpreendente de mudancas desse tipo e que sao transnacionais. Novos estilos de administragao e mecanismos como os 'circulos de qualidade' sao importados de pafses economicamente mais bem-sucedidos, como o Japao, de tal modo que as mudancas nas praticas discursivas dos locais de tra- balho sao de carater parcialmente internacional. A nova ordem de discurso global e caracterizada, desse modo. por tensoes generali- zadas entre praticas internadonais importadas e tradigoes locais. Ha muitos outros exemplos de mudanca: mudangas nas rela- goes entre medicos e pacientes, entre polfticos e o publico, entre mulheres e homens nos locais de trabalho e na fami'lia, todas etas parcialmente constitui'das por novas praticas discursivas. Alem disso. o destaque cada vez maior do discurso nas transformagoes sociais relaciona-se, como sugeri anteriormente, com uma preocu- pagao para controlar o discurso: causar mudancas nas praticas discursivas como parte da engenharia da mudanca social e cultural. Estamos observando uma 'tecnologizacao do discurso' (Fairclougb, 1990b), em que tecnologias discursivas. urn tipo de 'lecnologias de governo' (Rose e Miller, 1989), sao sistemalicamente aplicadas em uma variedadade de organizacoes por tecnologos profissionais que pesquisam, redesenham e t'ornecem treinamento em praticas dis- cursivas. Um exemplo inicial de tal desenvolvimento sao os psi- cologos sociais envolvidos no 'treinamento de habilidades' (ver Discurso e mudanca social 27 Argyle, 1978). Tecnologias discursivas, como a entrevista e a tera- pia, sao tratadas como tecnicas ou habilidades livres de contexto, que poclem ser aplicadas em varies domi'nios diferenciados. E pra- ticas institucionais vem sendo amplamente sujeitas a simulagao: particularmeute, as praticas discursivas conversacionais que tradi- cionalmente pertencem a esfera privada sao simuladas de maneira sistematica nas organizagoes. (Para discussao adicional da tecno- logizacao discursiva, ver, no Capitulo 7, o item "Tecnologizagao".) Desse modo, meu objetivo e desenvolver uma abordagem para a analise de discurso que poderia ser usada como um metodo den- tre outros para investigar mudancas sociais como as referidas ante- riormente. Para que um metodo de analise de discurso seja util em tais contextos, leria de preencher algumas condigoes minimas. Comentarei quatro dessas condigoes e, ao faze-lo, pretendo deta- Ihar um pouco mais o esquema da abordagem que apresentei ante- riormente. Primeiro, seria necessario um metodo para analise multidimensional. Minha abordagem tridimensional permite avaliar as relagoes entre mudanga discursiva e social e relacionar sistema- ticamente propriedades detalhadas de textos as propriedades so- ciais de eventos discursivos como instancias de pratica social. Segundo, seria necessario um metodo de analise multifuncio- nal. As praticas discursivas em mudanga contribuem para modifi- car o conhecimento (ate mesmo as crengas e o senso comum), as relagoes sociais e as identidades sociais; e necessitamos de uma concepgao de discurso e de um metodo de analise que contemplem a relagao entre essas tres areas. Um bom ponto de partida e uma teoria sistemica da linguagem (Halliday, 1978) que considera a linguagem como multifuncional e considera que os textos simulta- neamente representam a realidade, ordenam as relagoes sociais e estabelecem identidades. Essa teoria de linguagem pode ter aplica- goes liteis quando combinada a enfase nas propriedades socialmente construtivas do discurso nas abordagens socioteoricas do discurso, como a de Foucault. Terceiro, seria necessario um metodo de analise hislorica. A analise de discurso deveria focalizar a estruturagao ou os pro- cesses 'articulatorios' na construgao de textos, e na constituicao a longo prazo de 'ordens de discurso' (isto e, configuragoes totals tie
  15. 15. 28 Norman Fairclough praticas discursivas em institutes particulares, ou mesmo em toda uma sociedade). No nivel de textos, considero esses processos em termos de 'intertextualidade' (ver, no Capitulo 3, o item "Prati- ca discursiva" e o Capjtulo 4): os textos sao constrmdos por meio da articulagao de outros textos de modos particulares, modos que dependem de circunstaucias sociais e mudam com elas. No nivel de ordens de discurso, as relagoes eiitre praticas discursivas e li- mites entre estas em uma instituicao ou na sociedade mais ampla sao modificadas segundo as diregoes seguidas pela mudanga social. Quarto, seria necessario um metodo crftico. Tipicamente, as relagoes entre a mudanga discursiva, social e cultural nao sao transparentes para as pessoas envolvidas. Nem tarapouco o e a tecnologizagao do discurso. 'Critico' implica mostrar conexoes e causas que estao ocultas; implica tambem intervene,ao ~ por exem- plo, fornecendo recursos por meio da mudanga para aqueles que possam encontrar-se em desvantagem. Nesse sentido, e importante evitar uma imagem da mudanca discursiva como um processo uni- linear, de cima para baixo: ha luta na esrruturagao de textos e or- dens de discurso, e as pessoas podem resistir as mudancas que vein de cima ou delas se apropriar, como tambem simpJesmente as se- guir (ver, no Capitulo 3, o item "Discurso" e o Capitulo 7). Para concluir esta Iniroducao, apresentarei uma breve discussao do tralamento dado a mudanga discursiva nos capitulos de 3 a 7. O Capitulo 3 apresenta minha smtese de concepgoes de discurso social e lingiiisticamente orientadas. Minha formulagao da analise na dimensao da pratica discursiva esta centrada no conceito de in- tertextualidade. Entretanto, minha formulagao da analise na di- mensao da pratica social esta centradanos conceitos de ideologia e essencialmente de hegemonia, no sentido de um modo de dominagao que se baseia em aliangas, na incorporagao de grupos subordinados e na geragao de consentimento. As hegemonias em organizacoes e instituigoes particulares, e no nivel societario, sao produzidas, repro- duzidas, contestadas e transformadas no discurso. Alem disso, pocle ser considerada a estruturagao de praticas discursivas em modos particulares nas ordens de discurso, nas quais se naturalize e ganha ampla aceitagao, como uma forma de hegemonia (especificamente cultural). E a combinagao dos conceitos de intertextualidade e Discurso e niudanca social 29 hegemonia que torna a teoria do Capitulo 3 util para investigar a mudanga discursiva em relagao a mudangasocial e cultural. A se- legao de textos previos e de tipos de texto que sao articulados em uma dada instancia (um 'evento discursivo' particular) e a maneira como sao articulados dependem de como o evento discursivo se silua em relagao as hegemonias e as lutas hegemonicas - se, por exemplo, ele contesta praticas e relagoes hegemonicas existentes ou, ao contrario, toma-as como dadas. A abordagem da mudanga discursiva apresentada no Capitulo 3 combiua uma concepgao de texto e pratica discursiva que deriva do conceito de intertextuali- dade de Bakhtin via Kristeva (Bakhtin, 1981 e 1986; Kristeva, 1986a), e uma concepgao de poder que deriva da teoria de hege- monia de Gramsci (Gramsci, 1971; Buci-Glucksmann, 1980). A teoria do Capitulo 3 e elaborada nos capitulos que se se- guem. O Capitulo 4 toma o conceito de intertextualidade em termos de uma distingao entre intertextualidade 'manifesta' (a preseuga explicita de outros textos em um texto) e 'interdiscursividade' (a constituigao de um texto com base numa configuragao de tipos de texto ou convengoes discursivas). Sugiro um modo de diferenciar 'generos de discurso', 'discursos', 'estilos' e 'tipos de atividade' como convengoes discursivas distintas. O Capitulo 4 tambem dis- cute a intertextualidadeem relagao a distribuigao social de textos e as transformagoes que sofrem, e em relagao a construgao da iden- tidade social no discurso. Nos capitulos 5 e 6, a enfase e na analise textual. Esses capitulos examinam aspeclos do vocabulario, da gramatica, da coesao, da estrutura textual, da forga e da coerencia textual (sobre esses termos, ver, no Capitulo 3, o item "Discurso como texto"). Tambem desenvolvem uma concepgao multifuncio- nal da analise de discurso: o Capitulo 5 versa principalmente sobre a fungao do discurso na constituigao de identidades sociais e rela- goes sociais, enquanto o foco do Capitulo 6 e sobre constituigao, reprodugao e mudanga dos sistemas de conhecimento e crenga no discurso. No Capitulo 7, a enfase e sobre a dimensao de pratica social do discurso, e especialmente sobre determinadas tenden- cias amplas de mudanga que afetam ordens de discurso conlem- poraneas ('democratizagao', 'comodificagao' e 'tecnologizacao' do discurso) e sua relagao com mudangas sociais e culturais.
  16. 16. 30 Norman Fairclough As analises de mudanga nos capitulos de 4 a 7 ilustram uma varie- dade de campos e institutes, com analise detalhada de amostras de discurso. Uma queslao examinada no Capitulo 4 e o modo como os meios de comunicacao de massa estao modiiicando o li- mite entre as est'eras publicas e privadas da vida social. Isso envol- ve nao apenas questoes ligadas ao conteudo do discurso da midia, tal como o tratamento de aspectos da vida privada como notfcia (publica), mas tambem se manifesta intertextuafmente em uma mescla de praticas discursivas da esfera privada com aquelas da esfera publica, resultando no use por alguns setores da midia de uma versao estereotipada da fala popular. Uma outra questao e a pressao nas induslrias de servicos para tratar os services como bens e os clientes como consumidores, que se evidencia na mescla das praticas discursivas de prestacao de informagoes e de publici- dade. No Capitulo 5, discufo mudanc.as nas identidades sociais de profissionais e seus clienles e na natureza da interac,ao entre eles, focalizando medicos e pacientes. Sugiro que as mudancas nas identidades e nas relac.6es de medicos e pacientes se realizem discursivamente na mudanc.a de consultas medicas formats para consultas mais informais. que podem incorporar as praticas discur- sivas da (erapia aquelasda medicina mais traditional. O Capitulo 6 inclui amostras de dois livretos de assistencia pre-natal que exem- plificam representagoes opostas de processes pre-natais. Prossigo discutindo a engenharia da mudanc_a semantica como parte de uma tentativa de realizac.ao de mudanga cultural, com referenda especf- fica as falas de um ministro do governo Thatcher sobre o tema da 'cultura empresarial'. O Capitulo7 retoma o tema da comodificac,ao e a mescla de prestacao de informacao e publicidade, agora com referenda a educa^ao, usando o exemplo de um prospecto de uni- versidade. O objetivo deste livro e persuadir os leitores de que a analise de discurso e um tipo de analise interessanle de fazer e prove-los com os recursos para reah'zfi-la, 0 ultimo capitulo do livro, o Ca- pitulo 8, reiine os assuntos introduzidos nos capitulos de 3 a 7 na forma de um conjunto de instruc.oes para fazer analise de discurso. Tais instrucoes referem-se a coleta, a transcribe e a codificacao de textos, ao uso de resultados, como tambem a analise. Capftulo 1 Abordagens da analise de discurso" Men objetivo, neste capftulo, e descrever brevemeute algumas abordagens recentes e atuais para a aualise de discurso, como contexto e base para a elaboragao de minha propria abordagem nos capitulos de 3 a 8. A analise de discurso e agora uma area de estu- do muilo diversificada, com uma variedade de abordagens em inn grupo de disciplinas (exemplos dessa variedade estao representa- dos em van Dijk, 1985a). A pesquisa de abordagens neste capitulo e, portanto, necessariamente seletiva. Selecionei abordagens que, de a]gum modo, combinam a analise detalhada de textos lingiifsti- cos com uma orientagao social para o discurso. Isso corresponde ao meu objetivo. em capitulos posteriores, de realizar uma combi- nacao efetiva e util de analise textual e outros modos de analise social. Tambem conferi um tratamentoseletivo as abordagens. fo- calizando os aspectos que sao mais proximos as minhas priorida- des neste livro. As abordagens investigadas podem ser divididas em dois gru- pos, segundo a natureza de sua orientagao social para o discurso, distinguindo-se abordagens 'nao-crfticas' e 'criticas'. Tal divisao nao e absoluta. As abordagens criticas diferem das abordagens nao-criticas nao apenas ua descricao das praticas discursivas. mas tambem ao moslrarem como o discurso e moldatlo por relacoes de poder e ideologias e os efeitos construtivos que o discurso exerce sobre as identidades sociais, as relac_6es sociais e os sistemas de conhecimento e crenca, nenhum dos quais e normalmente aparente Tradu^ao de Izabel Magalliaes.
  17. 17. 32 Norman Fairclough para os participantes do discurso. As abordagens que classifiquei como basicamente nao-crfticas sao: os pressupostos para a descri- gao do discurso de sala de aula, de Sinclair e Coulthard (1975); o trabalho etnometodologico da 'analise da conversac.ao'; o modelo de discurso terapeutico de Labov e Fanshel (1977); e uma aborda- gem recente da analise de discurso desenvolvida pelos psicologos sociais Potter e Wetherell (1987). As abordagens criticas que inclui sao: a 'linguistica critica', de Fowler e! al. (1979), e a abor- dagem francesa da analise de discurso desenvolvida com base na teoria de ideologia de Althusser por Pecheux (Pecheux, 1982). Conclui-se o capitulo com um resumo de questoes-chave na anali- se de discurso retiradas dessa pesquisa, que servirao como ponto de partida para a apresentagao de minha propria abordagem no Capitulo 3. Sinclair e Coulthard Sinclair e Coulthard(1975; ver tambem Coulthard, 1977) tive- ram o proposito de elaborar um sistema descritivo geral para a analise de discurso, mas decidiram focalizar a sa!a de aula por tra- tar-se de uma situagao formal cuja pratica discursiva e passfvel de ser governada por regras claras. 0 sistema descritivo esta baseado em unidades que se supoe estejam na mesma relagao umas com as outras como unidades nas formas iniciais da gramatica sistemica (Halliday, 1961): hit uma 'escala hierarquica' de unidades, com unidades hierarquicamente superiores formando-se de unidades do nivel abaixo. Dessa forma, na gramatica uma frase e formada de oracoes, que sao formadas de grupos, e assim por diante. Da mes- ma forma, no discurso de sala de aula, ha cinco unidades de hie- rarquia descendente - aula. transagao, (roca, lance, ato -, de tal modo que uma aula e formada de transacts, que sao formadas de trocas, e assim pordiante. Sinclair e Coulthard tern pouco a dizer sobre a 'aula', mas su- gerem uma estrutura clara para a 'transagao'. Transacoes consis- tem de trocas. Sao abertas e fechadas por 'trocas limile* que consistem minimamente de 'lances estruturadores' com outros lan- Discurso e mudanga social 33 ces ou sem eles. Por exemplo, "Bern, hoje imagine! que fariamos tres testes" consiste de um lance estruturador ('bem') e um lance 'focalizador' que iuforma a turma sobre o que sera a transac.ao. Entre as trocas limite ha, geralmente, uma seqiiencia de trocas 'in- formativas', 'diretivas' ou 'provocativas', em que se realizam res- pectivamente afirmativas, pedidos (ou cornandos) e perguntas, geralmente pelo(a) professor(a). Vamos examinar a estrutura de um tipo de troca, a troca pro- vocativa. Este consiste tipicamente de tres lances: 'iniciador', 'resposta' e 'retorno'. Por exemplo: Professor: Voee pode me clizer por que voce come toda essa comida? Sim. Aluno: Para ficar forte. P: Para ficar forte. Sim.Para ficar forte. Por que voce quer ser forte? A primeira contribuigao do professor e um lance iniciador, a contribuicao do aluno e uma resposta, e a primeira linha da segun- da contribuigao do professor e o retorno; a segunda linha e outro lance iniciador. Note que uma contribuic.ao ('enunciado') pode consistir de mais de um lance. A presenc.a consistente de retorno pressupoe que os professores tern o poder de avaliar as contribui^oes dos alunos (raramente alguem se arriscaria a fazer isso fora de uma situagao de aprendizagem) e mostra que grande parte do discurso de sala de aula concerne a avaliagao do conhecimento dos alunos e ao seu treinamento para dizer coisas que sao relevantes segtmdo criterios estabelecidos pelas escolas. Um lance consiste de um ou mais atos. Sinclair e Coulthard distinguem 22 atos para o discurso de sala de aula, alguns dos quais (como 'pronto', quando uma crianca pede o direito de res- ponder, talvez levantando a mao) sao bastante especificos desse (ipo de discurso. Outros sao menos especificos: o lance iniciador de uma troca provocativa iuclui, por exemplo, uma 'provocagao', enquanto o lance iniciadorde uma troca diretiva inclui uma 'diretiva'.
  18. 18. 34 Norman Fairclough Atos sao funcionais e nao categorias formais, e uma questao central e a relagao entre eles e as categorias formais da gramatica (essa questao vem recebendo muita atengao na pragmatica; ver Levinson, 1983; Leech e Thomas, 1989). Sabe-se bem que nao existem correspondencias simples. For exemplo, uma frase inler- rogativa (uma 'pergunta gramatical') pode ser uma diretiva como tambem uma provocagao (por exemplo, "Voce pode fecliar as cor- tinas?") e uma frase declarativa ('afirmativa gramatical') pode ser qualquer urn desses ultimos ou um ato 'informativo' (por exemplo, "As cortinas nao eslao fechadas" pode pedir uma confirmagao, pedir a alguem que as feche, ou apeuas prestar informagao). Sinclair e Coulthard referem-se ao que denominam 'situagao' e 'lalica' para determinar a fungao de uma frase em um exemplo particular de discurso, A primeira traz fatores situacionais que sao relevantes: por exemplo, se as criangas sabem que nao e permitido conversar na sala, uma frase declarativa do(a) professor(a) ("VocS esta con- versando") provavelmente sera iuterpretada como um comando para parar. Como Labov e Fanshel (veja adiante), Sinclair e Coul- thard propoem regras interpretativas que abranjam tanto a forma lingufstica das frases como os fatores situacionais. 'Tatica' trata da influencia da posigao seqiiencial tie uma frase no discurso sobre sua interpretagao. Por exemplo, uma frase declarativa como "Tal- vez seja diferente do ponto de vista da mulher", apos um retorno em uma serie de trocas provocativas (isto e, na qual seria antetipado um lance iniciador), e passivel de ser interpretada como provoca- gao, apesar do fato de a maioria das declarativas nao ser provo- cagoes e de a maioria das provocagoes ser frases interrogativas. O ponto forte da teoria de Sinclair e Coulthard esta no modo pioneiro pelo qua] chama atengao para as propriedades organi- zacionais sistematicas do dialogo e fornece modos para sua descri- gao. As limitagoes dessa teoria sao a ausencia de desenvolvimenlo de uma orientagao social para o discurso e a insutlciente atengao a interpretagao. Tais limitagoes podem e,star relacionadas a escolha de dados: eles se concentram em uma modalidade de discurso de sala de aula tradicional centrada no(a) professor(a), e os dados nao refletem a diversidade das atuais praticasde sala de aula. Isso leva a que o discurso de sala de aula parega mais homogeneo do Discurso e mudansa social 35 que realmente e e uaturaliza praticas dominantes, ao apresenta-las como se fossem as unicas. Elas aparecem como se simplesmente estivessem 'la', disponlveis para a descrigao e nao como tendo sido postas la por meio de processos de conlestagao a praticas alternati- ves; nao como praticas 'investidas' (ver, no Capitulo 3, o item "Ideologia") de ideologias particulares (por exemplo. concepgoes de aprendizagem e de aprendizes) e auxiliares na manutengao de relagoes de poder particulares na sociedade. Em resumo, falta na abordagem de Sinclair e Coulthard uma orieiitagao social desen- volvida, ao deixar de considerar como as relagoes de poder mol- dam as praticas discursivas e ao deixar de situar historicamente o discurso de sala de aula em processos de luta e mudauga social, Uma caracterfstica surpreendente da pratica de sala de aula con- temporanea e sua diversidade; indaga-se por que o discurso de sala de aula tradicional que eles descrevem esta sob pressao e o que esta em jogo. A homogeneidade dos dados tambem desvia a atengao da ambivalencia do discurso de sala de aula e da diversidade de inter- pretagoes possiveis. Considere este exemplode Coulthard (1977:108): Professor: Que tipo de pessoa voce acha que ele e? Voce - de queesta rindo? Aluno: De nada. P: Como? A: De nada. P: Voce nao esta rindo de nada, nada mesmo? A: Nao. E engragado mesmo porque eles nao acliam que se estivessem la poderiam niio gostar disso e soa, de certo, como uma atitude ar- rogante. Sinclair e Coulthard consideram esse exemplo uma interpreta- gao erronea da situagao pelo aluno, tomando assim a pergunta do professor sobre o riso como disciplinar na intencjSo, em vez de dia- logica, mas tais exernplos tambem-indicam a heterogeneidacle
  19. 19. Norman Fairclough potencial do discurso de saJa de aula, a coexistencia nas escolas de um repertorio de discursos de sala de aula, que os produtores e os interpretes de textos precisam ter em mente. Isso implica atenc.ao aos processes discursivos, tanto em relagao a interpretagao como a produgao, enquanto a enfase de Sinclair e Coulthard esta nos textos como produtos do discurso (embora a categoria 'tatica' implique alguma atengao a interpretagao). Isso tambem lorna sua atengao, como analistas, problematica, ja que os analistas interpre- tam os textos em vez de simplesmeute descreve-los. Ao alegar que descrevem os dados, nao estao Sinclair e Coulthard realmente in- terpretando-os na perspectiva do professor? Por exemplo, conside- ram que o aluno 'cometeu um erro' ao interpreter o professor e nao o coiitrario, que o aluno talvez tenha dado uma resposta evasiva a uma pergunta ambivalente do professor. Afinal de contas, 'nada' tambem e ambivalente: poderia significar "Nao posso dizer-ihe o que me faz rir aqui". Isso levanta outro problema na teoria: ela for- ga decisoes sobre as fungoes dos enunciados, mas os enunciados, com freqiiencia, sao realmente ambivalentes para os inlerpretes, nao apenas amblguos, como demonstra recente (rabalho na pragmatica (ver Levinson, 1983), isto e, nao se pode decidir com clareza sobre seus sentidos. Analise da conversa9ao Analise da conversacio (AC) e uma abordagem da analise de discurso que foi desenvolvida por um grupo de sociologos que se autodenominam 'etnometodologistas'. A etnometodologia e uma abordagem interpretativada sociologia que focaliza a vida cotidia- na como feito dependente de habilidades e os metodos que as pessoas usam para 'produzi-la' (Garfinkel, 1967; Benson e Hughes, 1983). A tendencia entre os etnometodologistas e evitar a teoria geral e a discussao ou o uso de conceitos como classe, poder e ideolo- gia, que constituem preocupagao central na sociologia regular. Alguns etnometodologistas demonstrate interesse particular na conversac^ao e nos metodos que seus praticantes usam para produ- zi-la e interpreta-la (Schenkein, 1978; Atkinson e Heritage, 1984). Discurso e mudanca social 37 Os analistas da conversacjio tem-se concentrado principalmente em conversas informais entre iguais (por exemplo, conversas ao telefone), embora alguns trabalhos recentes direcionem-se para tipos institucionais de discurso, nos quais as assimetrias de poder sao mais obvias (Button e Lee, 1987). A AC contrasta com a abor- dagem de Sinclair e Coulthard ao destacar processes discursivos e, conseqiientemente, ao contemplar tanto a interpretacao como a produgao. Contudo, como argumentarei em seguida, a AC tern uma concepgao eslreita de interpretagao e processo, comparando-se, portanto, a Sinclair e a Coulthard em sua orientagao para a busca de estruturas nos textos. Os analistas da conversagao produziram estudos de varios as- pectos da conversacao: aberturas e fechamentos conversacionais; como os topicos sao estabelecidos, desenvolvidos e mudados; como as pessoas relatam estorias no curso de conversas; como e por que as pessoas 'formulam' conversas (por exemplo, resumem-nas, sugerem o que implicam). Particularmente notaveis e iufluentes sao os trabalhos sobre a tomada de turno descrevendo como os fa- Iantes se alternam no turno de fala. Sacks, Schegloff e Jefferson (1974) propoem um conjunto simples mas poderoso de regras para a tomada de turno. Tais regras aplicam-se ao completar-se uma 'unidade de construgao de turno': os praticantes da conversagao constroem seus turnos com unidades, tais como a frase complexa, a frase simples, o sintagma, e mesmo a palavra, e os participantes sao capazes de determinar qual e essa uuidade e predizer, com grande precisao, seu ponto de completude. As regras sao ordena- das: 1) o falante atual pode selecionar o proximo falante; 2) se isso nao ocorrer, o proximo falante pode 'auto-selecionar-se', iniciando a produgao de um turno; 3) se isso nao ocorrer, o falante atual pode continuar. Sacks, Schegloff e Jefferson argumenlam que es- sas regras dao conta de muitos aspectos observados da conversa- cao: que as sobreposic.6es entre os falantes ocorrem. mas geralmente sao breves; que ocorre um grande numero de transicoes entre os iurnos sem lacuna e sem sobreposigao. e assim por diante. Apesar da generalidade das regras, elas permitem variagao consi- deravel em aspectos como a ordem e a duragao dos turnos. A AC tern enfatizado bastante a 'implicatividade seqiienciar da conversagao —a alegagao de que qualquer enunciado impor<1
  20. 20. 38 Norman Fairclough restric.6es ao que possa segui-lo. Exemplos particularmente claros sao os 'pares adjacentes' como pergunta e resposta - umapergunta produzida por um(a) falaote implica seqiientialmente uma resposta de outro(a) - ou reclamac,ao e desculpa. A evidencia para que x implique sequencialmente y inclui: 1) o fato de que qualquer coisa que ocorra apos x, se for de qualquer modo possivel, sera tomada como y (por exemplo, se "Essa e sua esposa?" e seguida por "Bern, nao e minha mae", a ultima devera ser tomada como uma resposta positiva implicada; e 2) o fato de que se y nao ocorrer, sua ausen- cia sera notada e comumente oferece margem para uma inferencia (por exemplo, se os professores deixain de dar retorno as respostas dos alunos, isso pode ser tornado como uma rejeigao implicita destes). Segundo Atkinson e Heritage (1984: 6), "virtualmente todo enunciado ocorre em algum local estruturalmente definido na conversa". Uma implicagao disso e que os turnos exibem uma analise de turnos previos, fornecendo evidencia constante no texto de como os enunciados sao interpretados. Outra implicac.ao e que a posigao seqiiencial de um enunciado e por si so bastante para determinar seu sentido. Mas esse ponto e altamente questionavel por dois motives: 1) os efeitos da sequencia sobre o sentido variam seguudo o tipo de discurso; 2) como sugeri quando discuti Sinclair e Coulthard, pode-se recorrer a uma varie- dade de tipos de discurso duranteuma interagao, e os participantes, como produtores e interpretes, constantemente tern de negociar suas posigoes em relacao a esse repertorio. Considere esta passagem de uma coiisulta medica que analiso no Capitulo 5 ("Exemplo 2"): Paciente: [e eu acho. que uma das razoes pelas quais eu bebia [tanto [sabe - [eahm Medico: [hum [humhum [humvoce voltou voce voltou voce voltou a beber [novamente P: [nao M: ah voce nao voltou (inin[teligivel) P: |nao. mas ahm uma coisa que a senhora me disse na terc.a- feira Discurso e mudan^a social 39 Vou sugerir em minha analise desse fragmento de consulta que ela e um misto de consulta medica e terapia. Nessa mescla, o que diz a sequencia Ji interprete sobre a pergunta do medico em seu primeiro turno? Em uma consulta medica mais conventional, uma pergunta do(a) medico(a) imediatamente apos o(a) paciente ter-se referido a uma condic.ao medica possivelmente perigosa (aqui, a bebida) provavelmente seria tomada como uma questao medica, exigindo atengao completa de ambos os participates. Em uma sessao de terapia. tal pergunta poderia ser tomada de modo mais conversational como um comentario lateral, mostrando que o(a) terapeuta esta em sintoiiia com os problemas do(a) paciente. Aqui, a paciente parece toma-Ja como um comentario lateral: ela da respostas mecanicas de uma palavra a pergunta principal e ao assenlimento (talvez um teste?) do medico a resposta e muda o as- sunto de volta a narrativa de eventos receutes. Para tomar tal deci- sao interpretativa, a paciente precisa de informagoes aditionais a sequencia: ela precisa avaliara natureza do evento social, a relac.ao social entre ela e o medico e o tipo de discurso. Isso implica uma concepc,ao de processes discursivos e interpretac,ao que e mais complexa do que e geralmente pressuposto na AC —uma concep- 9ao que pode, por exeinplo, acomodar produtores e interpretes negociando seu caminho em repertories de tipos de discurso. O exemplo tambem sugere que a propria analise e um processo de interpretagao e, portanto, uma pratica contenciosa e problematica. Ha pouca preocupagao com isso na AC. Mas, como Sinclair e Coulthard, ha uma tendencia entre os analistas a interpretar os da- dos com base em uma orientagao partilhada entre os participantes para um um'co tipo de discurso (entretanto, ver Jefferson e Lee, 1981). O efeito e apresentar um quadro da conversagao excessiva- mente harmonioso e cooperativo. Ha tambem um negligenciamento do poder como um fator na conversacjio. Nos processes de negociac,ao a que me referi, alguns participantes tipicamente tern mais forga do que outros, e em mui- tos tipos de discurso (por exemplo, discurso de sala de aula) nao encontramos regras partilhadas para a tomada de turno em que os
  21. 21. 4O Norman Fairclough participantes tern direitos e obrigagoes iguais, mas uma distribuicao assimetrica de direilos (por exemplo, para auto-selecionarem-se, interromperem, 'manterem o piso' em varies turnos) e obrigagoes (por exemplo, tomar o turno se forem chamados). Em tais casos, e evidente que produzir o discurso faz parte de processos mais am- plos de produgao da vida social, das relacoes sociais e das identi- dades sociais; mas grande parte da AC, em sua leitura harmoniosa da interagao entre iguais, da a impressao de que produzir o discur- so e um fim em si mesmo. Apesar de diferenles pontos de partida e orientacoes discipli- nares e teoricas, as abordagens de Sinclair e Coulthard e da AC tern forcas e limitagoes bastante similares: ambas fizeram conlri- buicoes importantes para uma nova apreciagao da natureza das estruturas no dialogo, mas nenhuma das duas desenvolve uma orientacao social para o discurso (a esse respeito, a AC sofre das mesmas limitacoes de Sinclair e Coulthard) e nem fornece uma explicacao satisfatoria dos processos discursivos e da interpreta- cao, embora a AC apresente consideravel reflexao sobre determi- nados aspectos da interpretagao. Labov e Fanshel O trabalho de Labov e Fanshel (1977) e um estudo de um lin- gtiista e um psicologo sobre o discurso da entrevisla psicoterapeu- tica. Ao contrario de Sinclair e Coulthard e da AC, Labov e Fanshel assumem a heterogeneidade do discurso, que para eles re- flete as "contradicoes e pressoes" (p. 35) da situacao de entrevista. Eles concordam com Goffman (1974) que as mudangas entre 'molduras' sao um aspecto normal da conversacao e identificam nos seus dados uma conl'iguragao de diferentes 'estilos' associados a diferentes molduras: o 'estilo da entrevista', o 'estilo cotidiano' usado nas narrativasde pacientes sobre a "vida desde a ultima vi- si(a" (N, para 'narrativa', a seguir) e o 'estilo da familia' (F, a se- Termo da AC que signifies manter o espago sociopsicologico, ou tero controle, dos turnos conversacionais (N. da T.). Discurso e mudan^a social guir), o estilo geralmente usado uas situagoes de familia, para ex- pressar emogoes fortes. As entrevistas estao divididas em 'segoes transversals', que correspondem aproximadamente em extensao as 'trocas' de Sinclair e Coulthard, embora as secoes transversals tambem possam fazer parte de monologos. A analise de segoes transversals enfatiza a existencia de 'fluxos de comunicagao' verbal e paralingiifstica pa- ralelos, os ultimos cobrindo aspectos como freqiiencia, volume e qualificadores de voz, como 'ofegancia', e carregando sentidos implicitos que sao 'negaveis'. Uma variavel entre tipos de discurso e a relativa importancia do canal paralingiiistico: no discurso tera- peutico, as contradigoes entre os significados explicitos do canal verbal e os sentidos implicitos do canal paralinguistico constituem um aspeclo central. A analise produz uma 'expansao' de cada segao transversal, uma formulagao do texto que torna explicito o que era implicito. ao fornecer referentes para pronomes, ao verbalizar os sentidos implicitos das pistas paralingiiisticas, ao introduzir materialfactual relevante de outras partes dos dados e ao tornar explfcita parte do conhecimento partilhado dos participantes. As expansoes sao abertas, podendo ser elaboradas indefinidamente. Aqui esta um exemplo, analisado em termos de estilos, e sua expansao: <N E-e entao - quando - Ihe telefonei hoje, disse <F "Bern, quando voce pensa em voltar para casa?" >F>N <N Quando telefonei a minha mae hoje (quinta-feira), realmente disse, <F "Bern, em relagao ao assunto que ambas sabemos que e im- portante e que me preocupa, quando voce vai sair da casa de minha irma onde {2} suas obrigacoes ja foram cumpridas e {4}voltar como cstou Ihe pedindo para uma casa onde {3} suas obrigacoes principals sao ncgligenciadas, porque voce deve fa- zer isso como {CHEFE-MAE} chefe de nossa familia?" >F>N Os simbolos entre chaves precedem proposigoes que sao re- correntemente tomadas como dadas. Algumas destas sao especifi- cas da interagao particular;outras como {CHEFE-MAE}, "a mae e
  22. 22. Norman Fairclough a chefe da familia". tern implicagoes gerais na cultura em termos de obrigagoes do papel; e outras sao parte dos pressupostos correnles da terapia (por exemplo, "o terapeuta nao diz a paciente o que fazer") ou da cultura (por exemplo, "cada um deve cuidar de si"). As proposigoes raramente sao formuladas explicitamente, mas a questao principal numa interagao pode ser se um evento e ou nao um exemplo de proposigao. Alem disso, as proposigoes constituem conexoes implicitas entre partes de uma interagao que sao impor- tantes para sua coerencia. A segao transversal e entao analisada como 'inferagao' (signifi- cando uma "agao que afeta as relacoes do 'eu' e outros"). Supoe-se que qualquer enunciado realize simultaneamente algumas acoes que sao liierarquicamente ordenadas, de modo que agoes de njvel superior sao realizadas por meio de agoes de nivel inferior (uma relagao marcada por 'conseqiientemente' a seguir). Assim, para o exemplo anterior (simplifiquei a representagao de Labov e Fanshel): Rhoda (a paciente) continua a narrativa e fornece informac,6es para sustentar sua asserc,ao de que realizou a sugestao {S}. Rhoda requer Informac,6es sobre a hora em que sua mae preten- de voltar para casa; por conseguinte, solicita indiretamente que a mae volte para casa; portanto, realizando a sugestao {S}, con- sequentemente questionando a mae indiretamente por nao desempenhar de forma adequada seu papel como chefe da fa- mflia, simultaneamente admitindo suas proprias limitacdes. si- multaneamente afirmando novamente que realizou a sugestao. A proposigao {S} e a sugestao (do terapeuta) de que devemos expressar nossas necessidades a outras pessoas. Tais representa- goes sao baseadas em regras discursivas proposlas por Labov e Fanshel para interpretar as formas de superficie dos enunciados como tipos particulares de agao. Por exemplo, ha uma 'regra de pedidos indiretos' que especifica as condigoes sob as quais se to- mam perguntas ('pedidos de informagao') como pedidos de agao. A analise e completada com 'regras seqiienciais' de combinagao das segues transversals. Labov e Fanshel referem-se a sua abordagem como analise de discurso 'abrangente', e seu detalhamento e de certo impressio- Discurso e tnudanga social 43 nante, einbora tambem, como indicam, consuma muito tempo. Eles proprios identificam alguns problemas: as pistas paralingiiisticas sao reconhecidamente dificeis de interpretar, as expansoes podein ser feitas interminavelmenle e inexiste um ponto obviamente moti- vado para a segmentagao, e as expansoes tern o efeito de aplainar importantes difereugas entre elementos de primeiro e segundo pia- no no discurso. Entretanto, quero focalizar minha discussao sobre duas importantes percepgoes em sua abordagem que precisam ser levadas adiante. A primeira e a visao de que o discurso pode ser estilistica- mente heterog^neo por causa de contradigoes e pressoes na situagao de fala. Por exemplo, no caso do discurso lerapeutico, a sugestao e que o uso do estilo 'cotidiano' e 'familiar' e parte de uma estrate- gia da paciente para estabelecer algumas parfes da conversa como imunes a habilidade intrusa do terapeuta. Mencionei anteriormente a similaridade desse ponto com o conceito de molduras de Goffman. O principio da heterogeneidade do discurso e um elemento central em minha discussao de 'hitertextualidade' (ver, no Capftulo 3, o item "Pratica discursiva"). Mencionarei aqui apenas duas diferengas entre minha posigao e a de Labov e Fanshel. Primeiro, o encaixe de um estilo em outro, como no exemplo anterior, e apenas uma for- ma de heterogeneidade e frequentemente torna formas mais com- plexas, em que os estilos sao dificeis de separar. Segundo, a visao deles sobre heterogeneidade e muito estatica: eles consideram o dis- curso terapeutico como uma configuragao estavel de estilos, mas nao analisam a heterogeneidade dinamicamente como mudaucas historicas nas configuragoes de estilos. 0 valor principal do prin- cipio da heterogeneidade parece estar na investigagao da mudanga discursiva dentro da mudanga social e cultural mais ampla (ver. no Capitulo 3, o item "Mudanga discnrsiva", para uma elaboragao dessa perspectiva). A segunda percepgao e que o discurso e construido sobre pro- posigoes implicitas que sao tomadas como tacitas pelos partici- pantes e que sustenlam sua coerencia. Novamente, esse e um principle importanle, cujo potencial e cnjas implicagoes nao sao desenvolvidos por Labov e Fanshel. Particularmente, eles nao atentam para o carater ideologico de algumas dessas proposigoes -
  23. 23. 44- Norman Fairclough tais como as obrigagoes associadas ao papel de mae, ou a ideologia individualista do 'eu' na proposigao "cada um deve cuidar de si" - ou para o trabalho ideologico da terapia em sua reprodugao sem questionamento, que e reminiscente de crfticas da terapia como um mecanismo para adequar as pessoas a papeis sociais convencio- nais. Em outras palavras, Labov e Fanshel aproximam-se de uma analise critico do discurso terapeutico, fornecendo recursos analf- ticos valiosos para tal analise. Potter e Wetherell Como exemplo final de uma abordagem nao-cntica a analise de discurso, discutirei o uso por Potter e Wetherell (1987) da ana- lise de discurso como um metodo na psicologia social. Isso e in- teressante no presente contexto, primeiro porque mostra como a analise de discurso pode ser usada para estudar questoes que tern sido abordadas tradicionalmente com outros metodos e, segundo, porque levanta a questao se a analise de discurso concerne, principal- mente, a 'forma' ou ao 'couteiido' do discurso. (Veja a critica a Sinclair e Coulthard em Thompson (1984: 106-108) por serein 'formalistas' e por negligenciarem o contetido do discurso de sala de aula.) A defesa da analise de discurso por Potter e Wetherell como um metodo para psicologos sociais baseia-se em um unico argu- mento que e sucessivamente aplicado a varias areas fundamentals da pesquisa na psicologia social. O argumento e que a psicologia social tradicional distorce e mesmo 'suprime' propriedades-chave dos materiais linguisticos que usa como dados; que o discurso e 'construtivo' e, conseqiientemenle, 'constitui' objetos e categorias; e que o que uma pessoa diz nao permanece consistente de uma ocasiao a outra, mas varia segundo as funcoes da fala. Primeiro, o argumento e aplicado a pesquisa sobre atitudes: a pesquisa tradicio- nal pressupunha que as pessoas tinham atitudes consistentes sobre 'objetos', tais como 'imigrantes de cor', enquanto a analise de dis- curso mostra nao apenas que as pessoas fazem avaliagoes diferen- tes e ate contraditorias de um objeto de acordo com o contexto, Discurso e mudanca social mas tarnbem que o proprio objeto e construfdo diferentemente, dependendo de sua avaliagao (entao 'imigrantes de cor' e uma construgao que muitas pessoas rejeitariam). O argumento e entao aplicado ao estudo de como as pessoas usam regras, como as pes- soas produzem relatos explicativos de sen comportamento (descul- pas, justificativas, etc.), e assim por diaiite, argumentando-se, em cada caso, a favor da superioridade da analise de discurso sobre outros metodos, tais como os metodos experimentais. Potter e Wetherell contrastam a priorizagao do conteudo em sua abordagem com a priorizagao da forma na 'teoria da acomoda- c,ao da fala' na psicologia social. Esta focaliza a maneira como as pessoas modificam a fala de acordo com a pessoa a quern falam e assim com a variabilidade da forma lingiiistica segundo o contexto e a fungao; enquanto na primeira eles abordam a variabilidade do conteudo lingiiistico. Em alguns casos, o foco e sobre o conteudo proposicional dos enunciados e sobre os tipos de argumento nos quais as proposigoes funcionam. Por exemplo, ao pesquisarem atitudes, registrant o que os informantes da Nova Zelandia dizein a respeito da repatriagao dos imigranles polinesios. Em outros casos, o foco e sobre o vocabulario e a metafora - por exemplo. os pre- dicados (verbos, adjetivos) e as metaforas usados relativos a 'comunidade', em reportagens da midia sobre os disturbios urba- nos na Gra-Bretanha em 1980. Na verdade, a distingao forma-conteudo nao e tao clara como pode parecer. Ha aspectos de conteudo que claramente estao liga- dos a questoes de forma; por exemplo, a metafora pode ser uma questao de fusao de diferentes dommios de sentido, mas (ambem e uma questao de quais palavras sao usadas em um texto, um aspecto de sua forma. E, do mesmo modo, aspectos de forma estao ligados ao conteudo: a mescla de estilos no discurso terapeutico, identifi- cada por Labov e Fanshel, e, em um nivel, a mescla de formas (re- fere-se, por exemplo, as linhas de entonagao que sao tipicas do estilo da 'familia'), mas e tambem significativa em termos de conteudo; por exeinplo, em termos ciaconstrugao da paciente como um tipo particular de 'eu' ou sujeilo. O quadro analitico de Potter e Wetherell e pobre em compara- gao com outras abordagens: sen 'conteudo' reduz-se a aspectos
  24. 24. Norman Fairclough limitados do significado 'ideacional' ou conceilual do discurso, o que deixa intocadas outras dimensoes de significado (em termos amplos, 'in(erpessoais') e aspectos associados'de forma. (Os signi- ficados 'ideacionais' e 'Jnterpessoais' sao explicados em maiores detalhes no Capitulo 3, ilem "Discurso".) E no tralamento dado ao 'eu' por Potter e Wetherell que essas limitacoes analiticas se tor- nam mais aparentes. Ao contrario de tratamentos tradicionais do eu na psicologia social, eles adotam uma posicao construtivista que enfatiza a constituigfio variavel do eu no discurso. Mas eles sao incapazes de operacionalizar adequadamente essa teoria em sua analise de discurso, porque (como argumentarei adiante: Ca- pi'tulo 5, "Exemplo 3: Entrevista medica 'padrao'") diferentes 'eus' sao sinalizados iinplicitamente por meio de configuracoes de inuitos aspectos diversos do comportamento verbal (como tambem nao-verbal), e e necessario um aparato analftico mais rico do que o de Potter e Wetherell para descreve-los. Como outras abordagens referidas, a de Potter e Wetherell e insuficienlemente desenvolvida em sua orientacao social para o discurso. Ha em sua analise de discurso uma enfase individualista parcial sobre as estrategias retoricas dos falantes. A discussao do eu e uma excecao aparente, porque uma visao construtivista do eu enfatiza a ideologia e a moldagem social do eu no discurso, mas essa teoria e pouco adequada a orientacao predominante do livro, alem de nao ser operacionalizada na analise de discurso. Final- mente, ha uma tendencia para a atividadeestrategica ou retorica do 'en', ao se usarem categorias. regras, etc., como alternativas a su- jeicao do 'eu'} em lugar de se tomarem as duas em uma siutese dialetica (ver Capitulo 3, item "Discurso", para uma elaboracao dessa visao). Lingiiistica critica 'Lingiiistica critica' foi uma abordagem desenvolvida por um grupo da Universidade de East Anglia na decada de 1970 (Fowler et al., 1979; Kress e Hodge, 1979). Eles tentaram casar um metodo de analise linguistica textual com uma teoria social do funciona- Discurso e mudanga social 47 meiito da linguagem em processes polilicos e ideologicos, recor- rendo a teoria linguistica funcionalisla associada com Michael Halliday (1978, 1985) e conhecida como 'linguistica sislemica'. Considerando-se suas origens disciplinares, nao surpreende que a linguistica critica estivesse ansiosa por distinguir-se da lin- guistica regular (na epoca mais firmemente dominada pelo para- digma chomskyano do que agora) e da sociolingiiistica (ver Fowler et ai, 1979: 185-195), Sao rejeitados dois 'dualismos prevalecen- tes e relacionados' na teoria linguistica: o tratamento dos sistemas lingiiisticos como autonomos e independentes do 'uso' da lingua- gem e a separacao entre 'significado' e 'estilo' ou 'expressaV (on entre 'conteiido' e 'forma'). Contra o primeiro dualismo, a lin- guistica critica afirma com Halliday que "a linguagem e como e por causa de sua fungao na estrutura social" (Halliday, 1973: 65) e argumenta que a linguagem a qual as pessoas tern acesso depende de sua posic.ao no sistema social. Contra o segundo dualismo, a linguistica critica apoia a concepcao de Halliday da gramatica de uma Ifngua como sistemas de 'op^oes', entre as quais os falantes fazem 'sele^oes' segundo as circunstancias sociais, assumindo que opgoes formais tern significados contrastantes e que as escolhas de formas sao sempre significativas. A sociolingiiistica e criticada porque meramente estabelece correla^oes entre linguagem e socie- dade, em vez de buscar relac,6es causais mais profundas, incluindo os efeitos da linguagem na sociedade: "a linguagem serve para confirmar e consolidar as organizacoes que a moldam'" (Fowler et al,, 1979: 190). A citagao de Halliday no ultimo paragrafo diz mais: "A lin- guagem e como e por causa de sua funcao na estrutura social, e a organizacao dos sentidos comportamentais deve propiciar per- cepcao de suas fundacoes sociais" (Halliday, 1973: 65). Kress (1989: 445) sugere que a Hngiiistica critica desenvolveu a afirma- §ao contida na segunda parte da citagao, mas na verdade nao aquela contida na primeira: ela "tentou 'compreender' estruturagoes das 'fundagoes sociais' da 'organizacao dos sentidos comportamen- tais'" nos textos. A linguistica critica novamente toma uma posi- gao conforme Halliday, em oposigao a pratica da linguistica regular e da sociolingtiistica, ao tomar texlos completos (falados
  25. 25. Norman Fairclough ou escritos) como objetos de analise. Estende-se a 'hipotese Sapir- Whorf de que a linguagem incorpora visoes de mundo parliculares a variedades da mesma lingua; os textos particulares incorporam ideologias ou (eorias particulares, e o proposito e a 'interpretagao critica' de textos: "a recuperagao dos sentidos socials expresses no discurso pela analise das estruturas lingiiisticas a luz dos con- textos iuteracionais e socials mais ampJos" (Fowler ef «/., 1979: 195-196). O objetivo e produzirum metodo analitico que seja utili- zavel por pessoas que possam ser, por exemplo, liistoriadores e nao especialislas em lingiiistica. Para a analise textual, os linguistas criticos baseiam-se muito no trabalho da 'gramatica sistemica' de Halliday (ver Halliday, 1985), mas tambem em conceitos de outras teorias, como *ato de fala' e 'transformagao'. A lingiiistica critica difere de outras abor- dagens na atengao que dedica a gramatica e ao vocabulario dos textos. Ha muita referenda a 'transitividade', o aspecto da grama- tica da oragao ou da frase relaciouado ao seu significado ideacio- nal, isto e, o modo como representa a realidade (ver. no Capitulo 6, o item "Transitividade e tema", para uma discussao detalhada de transitividade). A gramatica fomece diferentes 'tipos de processo' e 'participates' associados corao opgoes, e a selegao sistematica de um tipo de processo particular pode ser ideologicamente sign!- ficativa. Por exemplo, o jornal comunista The Morning Star (21 de abril de 1980) formula parte de uma reportagem sobre um dia de agao de um sindicato medico como um processo 'de agao' em que os trabalhadores ('nortistas') sao os atores: "O Parlamento foi atacado por centenas de nortistas". Isso poderia ter sido formuiado como um processo 'relacionaF em que o significado de 'trabalhadores em agao' fosse menos proeminente (por exemplo, "Houve um lobby no Parlamento com centenas de nortistas"). Um outro foco relacionado e sobre os processos gramaticais da 'transformagao' examinados no tempo real (por exemplo, as transformagoes associadas com o desenvolvimento de uma repor- tagem num jornal num periodo de anos. discutidas em Trew, 1979), on mais abstratamente. por exemplo, onde o que poderia ter sido formuiado como oragao ("x criticou bastante y") e realmente formuiado de modo trausformado como 'nominalizagao' ("houve Discurso e mudanca social muita critica"). A nominalizacjio e a conversao de uma oragao em um nominal ou nome, aqui 'critica' de "x criticou y". Outra trans- formagao e a 'apassivagao', a conversao de uma oragao ativa em uma oragao passiva (por exemplo, a raanchete "Manifestantes sao mortos (pela policia)", em lugar de "Policia mata manifestantes"). Tais transformagoes podem ser associadas com aspectos do texto ideologicamente significativos, tal como a mistificagao sistematica da agenda: ambas permitem que o agente de uma oragao seja omitido. Um foco adicional e sobre aspectos da gramatica da oragao que dizem respeito a seus siguificados interpessoais, isto e, um foco sobre o modo como as relagoes sociais e as identidades socials sao marcadas na oragao. Trata-se da gramatica da 'modaJi- dade' (ver. no Capitulo 5, o item "Modalklade", para exempJos e discussao). A abordagem do vocabulario baseia-se no pressuposto de que diferentes modos de 'lexicalizar' domfnios de significado podem envolver sistemas de classificagao ideologicamente dife- rentes, assim ha Interesse em como as areas da experiencia podem vir a ser 'relexicalizadas' em princfpios classificatorios diferentes, por exempJo, no curso da luta politica (ver, no Capitulo 6, o item "Metafora", para mais detalhes). Na lingiiistica critica, lia uma tendencia a enfatizar denials o texto como produto e a relegar a segundo piano os processos de produgao e interpretagao de textos. Por exemplo, embora se diga que o objetivo da lingtiistica critica seja a interpretagao critica de textos, da-se pouca atencao aos processos e aos problemas da inter- pretagao, aos do(a) analista-interprete ou aos do(a) participante interprete. Assim, na analise,a relagao entre aspectos textuais e senti- dos sociais e muitas vezes retratada como sem problemas e trans- parente: apesar da insistencia de que "nao ha associagao previsivel de um para um entre qualquer forma lingiiistica e qualquer sentido social especifico" (Fowler el af., 1979: 198). na pratica atribuem-se valores a estruturas particulares (tais como oragoes passivas sem agentes) de modo bastante mecanico. Mas os textos podem estar aberlos a diferentes interpretagoes, dependendo do contexto e do(a) interprete,o que significa que os sentidos sociais do discurso (bem como ideologias) nao podem ser-simplesmente extrafdos do
  26. 26. 50 Norman Fairclough texto sem considerar padroes e variagoes na distribute, no con- sumo e na interpretac.ao social do texto. Pode ser que "a ideologia seja Hnguisticamente mediada e habitual para um(a) leitor(a) aquies- cente, nrio-cntico(a)" (Fowler et al., 1979: 1.90), mas os leitores sao frequenlemente crflicos. Uma vez que a lingiiistica critica te- nha estabelecido sentidos sociais para um texto, ha uma tendencia a tomar os efeitos ideologicos como tacitos. Uma outra limitagao da linguistica critica e que ela confere uma enfase unilateral aos efeitos do discurso na reproduce social de relagoes e estruturas sociais existentes e, cousequentemente, negligencia tanto o discurso como dominio em que se realizam as lutas sociais, como a mudanga no discurso, uma dimensao da mu- danga social e cultural mais ampla. Isso nao esfa desligado dos comentarios que fiz no ultimo paragrafo: a interpretagao e um pro- cesso ativo em que os sentidos a que se chegou dependem dos re- cursos usados e da posigao social do(a) interprete, e so ignorando esse processo dinamico e que se pode construir textos que sim- plesmente produzam efeitos ideologicos sobre um recipiente passive. Mais geralmente, o que esta em questao e a visao exclusivamente descendente do poder e da ideologia na linguistica critica, que cor- responde a uma enfase enconrrada tambem na abordagem althusse- riana do grupo de Pecheux (discutida a seguir) na estase social e nao na mudanca, nas estruturas sociais e nao na agae social, e na re- produgao social e nao na transfonnagao social. Ha necessidade de uma teoria social do discurso baseada em uma reavaliac.ao desses dualismos tornados como polos em relacoes de tensao, em vez de optar-se por um membro de cada par e rejeitar o outro como se fossem mutuamente exclusivos. Um comentario final e que na linguistica critica se concebe a interface linguagem-ideologia muito estreitamente. Primeiro. alem da gramatica e do vocabulario, outros aspectos dos textos podem ter significancia ideologies - por exemplo, a estrutura argumenta- tiva ou narrativa geral de um texto. Segundo, a linguistica critica lida principalmenle com o monologo escrito e tem relativamenle pouco a dizer sobre aspectos ideologicamente importantes da or- ganiza^ao do dialogo falado (como a tomada de turno). embora haja alguma discussao das dimensoes pragmaticas dos enunciados, Discurso e mudanca social 51 tais como sens aspectos de polidez (ver, no Capitulo 5, o item "Polidez"). Terceiro, deviclo ao negligenciamento relative dos pro- cesses de interpretacao, a enfase cai exageradamente na realizagao de ideologias nos textos. O que e deixado de lado e o sentido em que os processes de interpretagao levam os interpretes a pressupor coisas que nao estao no lexto e que podem ser de natureza ideolo- gica (veja um exemplo no Capitulo 3, item "Pratica discursiva"). (Fairclough, 1989b, apresenta uma discussao mais completa.) Recentemente, os lingiiistas criticos fizeram sua propria criti- ca do trabalho anterior (Kress, 1989; Fowler, 1988a), incluindo alguns pontos que levantei anteriormente, e determinados mem- bros do grupo envolveram-se muito com o desenvolvimento de uma abordagem um pouco diferente (Hodge e Kress, 1988;Kress e Threadgold, 1988). que deneminam 'semiolica social'. Em oposi- gao a linguistica critica, ha preocupagao com uma variedade de sistemas semioticos, como a linguagem, e com a inter-relagao entre linguagem e semiose visual. Os processes discursivos de produgae e interpretagao textual tornaram-se uma preocupagao central, e ha mais atengao expHcita ao desenvolvimento de uma teoria social de discurso, com uma orientacae para a luta e a mudanga historica no discurso, que se centra em uma tentativa de deseuvolver uma teoria do genero de discurso. Pecheux Michel Pecheux e seus colaboraderes (Pecheux el al..1979; Pecheux, 1982) desenvolveram uma abordagem critica a anatise de discurso que, cemo a linguistica critica, tenta combinar uma teoria social do discurso com um metedo de analise textual, trabalhando principalmente com o discurso politico escrito. Sua pesquisa (em se ligado conscieutemente a desenvolvimentos peliticos na Franca, especialmente a relacao entre os partidos cemunisla e socialisln nes anos 1970 e uma comparagao de seu discurso politico. A fonte principal da abordagem de Pecheux na teoria social foi a teoria marxista de ideologia de Althusser (1971). Aithusser enfatiza a autonomia relativa da ideologia da base economica e a
  27. 27. 52 Norman Fairclough contribuic.ao significativa da ideologia para a reproduce ou trans- formagao das relagoes economicas. Ele tambem argumentou que, longe de ser meramente 'ideias' descorporificadas, a ideologia ocorre em formas materials. Alem disso, a ideologia funciona pela constituicao ('interpelac,ao') das pessoas em sujeitos sociais e sua fixacao em 'posigoes' de sujeito, enquanto ao mesmo tempo Ihes da a ilusao de serem agenles livres. Esses processes realizam-se no interior de varias instituigoes e organizagoes, lais como a educa- gao, a familia ou o direilo, que na concepcao de Althusser funcio- nam como dimensoes ideologicas do Estado - que chamou de "aparelbos ideologicos de estado" (AlEs). A contribuigao de Pecheux a essa teoria foi desenvolver a ideia de que a liuguagem e uma forma material da ideologia fun- darnentalmente importante. Ele usa o termo 'discurso' para enfati- zar a nalureza ideologica do uso linguistico. 0 discurso "mostra os efeitos da luta ideologica no funcionamento da linguagem e, de modo inverse, a existencia de materialidade linguistica na ideologia" (Pecheux, citado em Courtine, 1.981). Um AIE pode ser concebido como um complexo de 'formagoes ideologicas' inter-relacionadas, cada qual correspondedo aproximadamente a uma posigao de classe no interior do AIE. Pecheux sugere que cada posigao incor- pora uma 'formagao discursiva' (FD), um termo que tomou empresta- do de Foucault. Uma FD e "aquilo que em uma dada formacao ideologica... determina 'o que pode e deve ser difo"' (Pecheux, 1982: 111, ilalico no original). Isso e compreendido em termos especificamente semanticos: as palavras "mudam sen sentido de acordo com as posigoes de quern as 'usa'" (Pecheux et oi., 1979: 33). Alem disso, embora duas diferentes formagoes discursivas possam ter determinadas palavras ou expressoes em comum, as relates entre essas e outras palavras e expressoes diferirao nos dois casos. e assim tambem diferirao os sentidos dessas palavras ou expressoes partilhadas, porque e sua relagao com as outras que determina sen seutido. For exemplo, 'militante' significa coisas difereutes no discurso siudical (no qual poderia ser sinonimo de 'ativista' e antonimo de 'apatico') e no discurso conservador da direita (no qual poderia ser sinonimo de 'subversive' e antonimo de 'moderado'). Ademais, os sujeitos sociais sao constituidos em Discurso e mudanca social 53 relagao a FDs particulares e seus sentidos; essas FDs sao, de acordo com Pecheux, faces Jingiiisticas de '"domfnios de peiisamenkr... sociohistoricamente constituidos na forma de pontos de estabiliza- cao que produzem o sujeito e simultaneamentejunto cow ele o que Hie e dado ver, compreender, fazer, temer e esperar" (Pecheux, L982: 112-113, italico nooriginal). As FDs sao posicionadas em complexos de FDs relacionadas referidas como 'interdiscurso', e os sentidos especfficos de uma FD sao determinados 'de fora' por sua relacao com outras no in- terdiscurso. O 'estado' particulardo interdiscurso em um momento particular (quais as FDs nele contidas e quais suas relagoes) de- pende do estado da luta ideologica em um AIE. Entretanto, essa determinagao externa de FDs e algo de que os sujeitos tipicamente nao tern consciencia; os sujeitos tendem a perceber a si mesmos equivocadamente como a fonte dos sentidos de uma FD, quando na verdade sao seus efeilos. Pecheux refere-se a 'pre-construidos', elementos ja formados que circulam entre as FDs, que sao perce- bidos como o que e 'dado' ou conhecido ou ja dito pelos partici- pantes, enquanto eles realmente se originam fora dos sujeitos, no interdiscurso. Um exemplo seriam expressoes como "o aumento nos padroes de vida do pos-guerra", ou "a ameaga sovietica", que cru- zam de uma FD a outra como expressoes ja pronlas, junto com suas pressuposicoes (que houve um aumento e que existe uma ameaya). Um aspecto importante e que os sujeitos nem sempre se iden- tificam totalmente com uma FD. Os sujeitos podem distanciar-se de uma FD pelo uso de marcadores metadiscursivos (ver, no Ca- pi'tulo 4, o item "Metadiscurso"), tais como 'o assim chamado x', 'o que voce chama um x' e o 'x'. Pecheux denomina isso 'contra- identificagao' - o distanciar-se depraticas existentes sem substitui'-ias por novas praticas. Onde uma tal substituigao ocorre, trata-se de uma situagao mais radical de 'desidentificacjJo', que envolve "o 'rear- ranjo da expulsao' do complexo de forma^oes ideologicas (e das formagoes discursivas que af estao imbricadas)" (Pecheux, 1982: 159). Entrelanto, Pecheux considera a possibilidade de desidentificac,ao especificamente ligada a teoria e a pratica re- volucionaria do marxismo-leninismo, na forma organizacional do Partido Comunista.
  28. 28. Norman Fairclough O metodo de analise e denominado 'analise automatica do discurso' porque parte do procedimento e computadorizada com o fim de identificar FDs em um corpus de textos. Pecheux et af. (1979: 33) notam que a composicao mesma de um corpus incorpora "uma hipotese sobre a existencia de uma ou mais FDs" que 'doini- nam' os textos constituintes e sugerem que uma tal hipotese deve- ria originar-se em discJpJinas especialistas, tais como a historia ou a sociologia, e nao nos proprios analistas de discurso, para evitar circularidade. A reuniao de um corpus na base de uma hipotese e a mesma coisa que impor homogeneidade no dorm'nio textual, e, alem disso, o corpus e homogeneizado por meio da exclusao de partes de textos cujas 'condigoes de produgao' (conseqitentemente cujas FDs dominantes) sao diferentes das principals FDs. A primeira parte do procedimento e uma analise lingiiislica do texto em oragoes (isto e, oragSes simples), usando-se os procedi- mentos 'transformacionais' do lingiiista Zellig Harris (1963). Por exemplo, "Lamento sua partida" seria analisada em duas oragoes: "Lamenlo", "que ela partiu". Sao produzidos graficos que mostram os tipos de relates exislentes entre as oragoes (coordenagao, su- bordinagao, complementagao, etc.). Submetem-se entao tais graficos a um segundo procedimento, computadorizado, para determinar as palavras e as expressoes que se encontram em uma relacao de 'substituigao', isto e, as que podem ocorrer nas mesmas posigoes nas oragoes, as que sao semelhantes em sua estrulura gramatical e as que sao reiacionadas, de modo semelhante, a outras oragoes. Por exemplo, 'militantes' e 'subversivos' estao em uma relagao de substituigao em "Devenamos observar militantes que destroem a industria", "A nagao deve proteger-se de subversivos que solapam nossas instituigoes". Quando as palavras ou as expressoes sao postas em uma relagao de substituigao em um texto, estabelecem-se relagoes semanticas entre elas - tais como as relates de sinonimia (A implica B, e B implica A) ou implicagao (A implica B, mas B nao implica A)-que provavelmente sao distintivas na FD a qnal o texto esta associado. O procedimeuto focaliza determinadas 'pala- vras-chave', palavras de excepcional signit'icado social ou politico (por exemplo, 'luta' no discurso politico). (Para uma descrigao mais detalhada do metodo de analise, ver Maingueneau, 1976; Thompson, Discurso e mudanca social 55 1984: 238-247.) Finalmente. os resultados dos procedimentos aua- Ifticos precisam ser interpretados. embora se dedique pouca aten^ao a problemas associados a interprelagao e o metodo parega bastante ad hoc. A forc,a da abordagem de Pecheux, e a razao para considera-la como crftica, e que ela casa uma teoria marxista do discurso com metodos lingiifsticos de analise textual. Entretanto, o tratamento dos lextos e iusatisfatorio. Como indiquei anteriormente, eles sao homogeneizados antes da analise pela maneira como o corpus e constituido (Courtine e Marandin, 1981: 22-23), e o efeito da apli- cagao de procedimentos transformacionais a analise de textos em orac.6es separadas e eliminar aspectos distintivos da organizagao textual. Alem disso, tais procedimentos possibilitam um foco sele- tivo sobre partes dos textos, o que significa que os objetos de ana- lise sao efetivamente as oragoes e nao os textos completes. Os textos tambem sao tratados como produtos, exatamente como na lingiiistica crilica, e os processos discursivos de produgao e inter- pretagao textual recebem pouca atenc,ao. Sao analisados em termos semanticos estreitos (uma critica que fiz tambem a Potter e Wethe- rell) com um foco predeterminado em 'palavras-chave': sao consi- deradas apenas as dimensoes ideacionais do significado, enquanto deixam de ser contempladas as dimeusoes interpessoais que dizem respeito as relagoes sociais e as identidades sociais e sao favoreci- das as relagoes de significado mais abstralas em detrimento das propriedades do sentido dos enunciados no coiitexto. Sao ignorados muitos aspectos da forma e da organizagao dos textos que recebem atengao em outras abordagens. Em suma, os textos sao tratados como evidencias para hipoteses sobre as FDs formuladas a priori, conlrariamente a tentativa pelos analistas de esludo cuidadoso daquilo que e distintivo no texto e no evento discursivo. Ha uma tendencia semelhante na teoria althusseriana de enfase na reprodu- gao - como os sujeitos sao posicionados dentro de formagoes e como a dominagao ideologica e assegurada - em detrimento da transformacao - como os sujeitos podem coutestar e progressiva- mente reestruturar a dominagao e as formacoes mediante a pratica. Sugeri que semelhante enfase ocorre na lingufstica critica. Conse- qiientemente, ha uma visao unilateral, da posigao do sujeito como
  29. 29. 56 Norman Fairclough um efeito; e negligenciada a capacidade dos sujeitos de agirem como agentes, e mesmo de transformarem eles proprios as bases da sujeicao. A teoria de 'desidentificagao' como mudanc.a gerada ex- teriormente por uma pratica politica particular e uma alternaliva implausivel para construir a possibilidade de transformagao em nossa visao do discurso e do sujeito. A 'segunda geragao' da analise de discurso na tradicjio de Pecheux alterou aspectos fundamentals da abordagem. em parte em resposta as criticas e em parte sob a infhiencia de mudan^as poh'ticas na Franca (Maldidier, 1984: xi-xiv). Alguns estudos do discurso politico (por exemplo. Courline, 1981) enfatizam as es- trategias discursivas de alianc.a e combinacoes de diferentes FDs que tornam o discurso altamente helerogeneo e ambiguo. Taispro- priedades nao sao facilmente acomodadas na visao anterior, em que as FDs monoliticas tern relagoes estaticas de oposigao. Passou-se a caracterizar o discurso como possuidor de 'heterogeneidade cons- titutiva' (Authier-Revuz, 1982), de propriedades inerentes de 'dialo- gismo* e 'intertextualidade' nos termos de uma tradigao teorica diferente (verBakhlin, 198]; Kristeva, 1986a; e, no Capilulo 3, o ilem "Pratica discursiva"), e o Irabalhoanterior foi considerado em conformidade com minha critica anterior, como procedimentos para imposic,ao de homogeneidade. O interdiscurso passou a ser considerado como "um processo de constante reestrutura^ao", no qual a delimitagao de uma FD e "fundamentalmente instavel, nao se tratando de um limite permanente a separar o interior do exterior, mas um limile entre diferentes FDs que muda de acordo com o que esta em jogo na luta ideologica" (Courtine, 1981: 24). Dada a hete- rogeneidade constitutiva do discurso, partes espeeificas de um texto serao frequenlemente ambivalentes, pondo questoes para os interpretes sobre as FDs mais relevantes para sua interpretat;ao e, como observa Pecheux em um de seus ultimos irabalhos (1988), conferiudo a analise de discnrso o carater de uma disciplina inter- pretativa e nao diretamente descritiva. Ao mesmo tempo, ocorre o abandono da 'ilusao do teorico', de que transformagoes radicals do interdiscurso sao "autorizadas pela existencia do marxismo-leninismo" (Pecheux, 1983: 32).Com urn novo foco sobre o *evento' discursivo particular, emerge uma visao dialetica. e a possibilidade de trans- Discurso e mudan^a social 57 formates torna-se inerente a natureza heterogenea e contraditoria do discurso: Qualquer discurso dado e o sinal potencial de um movimcnto nas fiiiagoes socioliistoricas da identificacao, na medida em que constitui. ao inesmo tempo, o resultado de lais filiacues e o tra- balho... de deslocamenlo em sen espac.o (Pecheux, 1988: 648). Conclusao Quero concluir esta discussao reunindo as questoes principals ate agora na forma de um conjunto de afirma^oes que podem ser julgadas desejaveis para uma abordagem critica adequada a analise de discurso. Isso fornecera um quadro preliminar da abordagem que comego a desenvolver no Capitulo 3, e indicara sua relacao com aquelas ja discutidas. Ao mesmo tempo, ajudara a identificar as areas em que a tradigao de analise de discurso orientada lin- guisticamente, que resenhei neste capitulo, e fraca e pouco desen- volvida, precisando ser fortalecida pela adogao de pressupostos da linguagem e do discurso na teoria social. 1. O objeto de analise sao texlos linguisticos, que sao analisados em termos de sua propria especificidade (compare-se Pecheux). As selegoes de textos que representam utn domiuio particular de pratica devem assegurar que a diversidade de praticas e repre- sentada (compfire-se Sinclair e Coulthard) e evita a homogenei- zagao (compare-se Pecheux). 2. Alem de textos como 'produtos' de processes de produgao e inlerpretacao textual, os proprios processos sao analisados (comparem-se Sinclair e Coulthard e a lingiiistica critica e con- fira-se a abordagem a analise de discurso critica em van Dijk (1988) para a atencjio detalhada aos processos discursivos). A analise propriamente dita e considerada como interpreta^ao, e os analistas buscam ser sensfveis a suas proprias tendencias interpretativas e a razoes sociais (comparem-se Sinclair e Coulthard, a analise da conversayao, a lingiitstica critica).
  30. 30. 58 Norman Fairclough 3. Os (extos podem ser heterogeneos e ambiguos, e pode-se recor- rer a configuragoes de diferentes tipos de discurso em sua pro- dugao e interpretagao (Labov e Fanshel; comparem-se a analise da conversagao, a 'primeira geraejio' do grupo de Pecheux). 4. O discurso e esludado liistorica e dinamicamente. em terraos de configuracoes mutantes de tipos de discurso em processos dis- cursivos, e em termos de como tais mudangas refletem e cons- tituem processos de mudanga social mais amplos (a 'segunda geragao' do grupo de Pecheux, a semiotica social; comparem-se Labov e Fanshel, a 'primeira geragao' do grupo de Pecheux, a liugiiistica critica). 5. O discurso e socialmeiite construtivo (liugiiistica critica, Pecheux, Potter e Wetherell), constituindo os sujeitos sociais, as relates sociais e os sislemas de conhecimento e crenga, e o esludo do discurso focaliza seus efeitos ideologicos construtivos (Pecheux, lingiiistica critica; compare-se Labov e Faushel). 6. A analise de discurso preocupa-se nao apenas com as relagoes de poder no discurso (compare-se a analise da conversagao), mas tambem com a maneira como as relagoes de poder e a luta de poder moldam e transformam as praticas discursivas de urna sociedade ou instituicao ('segunda geragao' do gnipo de Pecheux; comparem-se as abordagens nao-criticas, a lingiiistica crftica). 7. A analise de discurso cuida do funcionameuto deste na trans- formagao criativa de ideologias e praticas como tambem do fun- cionamento que assegura sua reprodugao (comparem-se Pecheux, a lingiiistica critica). 8. Os textos sao analisados em lermos de uma gama diversa de as- pectos de forma e significado (por exemplo, as propriedades do dialogo e da estrutura textual como tambem o vocabulario e a gramatica) pertencentes tanto as fungoes ideacionais da lingua- gem como as interpessoais (comparem-se Potter e Wetherell, Pecheux). O que se busca e uma analise de discurso que focalize a varia- bilidade, a mudanga e a luta: variabilidade enlre as praticas e hete- rogeneidade enlre elas como reflexo sincronico de processos de mudanga historica que sao moldados pela lula entre as forgas Discurso e mudanipa social 59 sociais. Erabora os pontos 4, 5 e 6 recebam algum apoio, espe- cialmente nas abordagens criticas a analise de discurso que discuti anteriormente, precisamos ir a teoria social para encoiitrar desen- volvimentos completes e explicitos. Foucault contribui com sua valiosa percepgao de todos eles, como argumentarei no Capftulo 2. Entretanto, nem a tradigao critica na analise de discurso orienlada lin- giiisticamenle nemFoucault lidam satisfatoriamente como ponto 7 - o modp como o discurso contribui tanto para a reprodugao como para a transformagao das sociedades. Tal dualidade do discurso e de importancia central no quadra teorico que apresento no Capitulo 3, e seu negligenciamento uos escritos de Foucault e associado a fraque- zas teoricas e metodologicas fundamentals em seu trabalho.

×