TUA SOLIDÃO Lar Espírita Chico Xavier - Psicografado  Vera Cohim  -  Espírito Amélia
A solidão é punição cruel, para ti, e ainda que estejas rodeado pelos familiares e os amigos te cerquem, és uma ilha, isol...
Tens, entretanto, comportamento conflitante, pois, apesar de detestares a solidão, foges ao convívio social, produzindo em...
Esqueceste-O no afã das conquistas materiais, perdendo o norte que te conduzia a Ele. E assim, sofres, saudoso de Sua pres...
E, enquanto a insônia cruel te mantém desperto, de olhos abertos, te encontras, todavia, lamentavelmente adormecido em esp...
Aguardam o teu auxílio, enquanto os Espíritos bondosos se aproximam de ti. Não os sentes, uma vez que estás absorvido em t...
Agradece esta dádiva que recebeste, suavizando-te as dores alheias, consolando os que choram, alimentando os que têm fome,...
Formatação: F@tim@antunes
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

By_F@ - Tua SolidãO

471 visualizações

Publicada em

Adaptação:- F@

Publicada em: Saúde e medicina, Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
471
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
46
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

By_F@ - Tua SolidãO

  1. 1. TUA SOLIDÃO Lar Espírita Chico Xavier - Psicografado Vera Cohim - Espírito Amélia
  2. 2. A solidão é punição cruel, para ti, e ainda que estejas rodeado pelos familiares e os amigos te cerquem, és uma ilha, isolado do gênero humano, por intensa solitude. Tu te sentes só, abrigando em ti ansiedade mórbida acerca do assunto...
  3. 3. Tens, entretanto, comportamento conflitante, pois, apesar de detestares a solidão, foges ao convívio social, produzindo em ti a gênese de neurose peculiar. Reflete sobre esta neurose que pouco a pouco se instala. Analisa o vazio que sentes e que te sufoca, e, verificarás, que tua solidão é a ausência de Deus, dentro de ti.
  4. 4. Esqueceste-O no afã das conquistas materiais, perdendo o norte que te conduzia a Ele. E assim, sofres, saudoso de Sua presença, em imensa solidão. Reclamas das noites que se alongam, porque só enxergas a escuridão erma do espaço vazio; não vislumbras as estrelas, porque teus olhos cerraram para as belezas da Criação.
  5. 5. E, enquanto a insônia cruel te mantém desperto, de olhos abertos, te encontras, todavia, lamentavelmente adormecido em espírito Tantas tarefas requisitam o teu auxilio! Tantas almas precisam da tua ajuda! Teu egoísmo não te permite vê-las, porque contemplas tão somente a tua amargura e soledade.
  6. 6. Aguardam o teu auxílio, enquanto os Espíritos bondosos se aproximam de ti. Não os sentes, uma vez que estás absorvido em ti mesmo e no mundo frio que te envolve. Desperta! Sai para o calor que só o amor e a caridade propiciam àqueles que se dispõem a servir. Esquece o isolamento em que te encarceras; abre o mais radioso sorriso e confirma que a vida é bela. Não estás só! Nunca estarás! Perto de ti, almas confrangidas.
  7. 7. Agradece esta dádiva que recebeste, suavizando-te as dores alheias, consolando os que choram, alimentando os que têm fome, formando, assim, companhia permanente na família da compaixão, do amor e da caridade. Desse modo não mais te sentirás só, e o vazio dentro de ti será permanentemente preenchido pela presença amiga de Jesus.
  8. 8. Formatação: F@tim@antunes

×