Pensamento Sistêmico      O Pensamento como um Sistema de David Bohm                                   Grupo de Estudos   ...
David Bohm - Dados Biográficos• Bohm é amplamente considerado um dos físicos teóricos  mais importantes do século XX.• Dev...
Algumas obras de David BohmGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
“Era intenção do dr. Bohm que     O Pensamento Como Sistema fosse abordado     Simplesmente , como um mapa proposto para  ...
“Iniciamos dizendo que o mundo está em caos,                                           porém terminaremos dizendo que     ...
O pensamento como fonte todos os problemas• Crença de que a mente (o pensamento) pertence  a uma ordem superior diferencia...
O pensamento como fonte todos os problemas• Os processos genéricos de pensamento da  humanidade tendem a perceber o mundo ...
Natureza participatória do pensamento• Em toda parte da mente e do corpo … (o  sentimento e o pensamento se) interpenetram...
Condicionamento do pensamento e o sistema                 de reflexos• Alguns reflexos são estabelecidos e condicionados. ...
Pensamento como um sistema• o corpo, a emoção, o intelecto, o reflexo e o  artefato passam a ser compreendidos como  um ca...
Geração da incoerência• Incoerên-cia significa que suas intenções e  seus resultados não concordam.      – Sua ação não es...
Geração da incoerência• Falha sistemática do pensamento      – Não estão cientes do fato de que o pensamento está        a...
Geração da incoerência• Falha sistemática do pensamento      – Não olhar para a incoerência, também é evidência de        ...
Incoerência sustentável e defensiva• Os reflexos podem se tornar incoerentes e se firmarem  por causa das condições criada...
Como sair da incoerência?• A ação inapropriada de tentar sair da  confusão, cair fora do sistema, também é  parte do probl...
Como sair da incoerência?• A compreensão é importante, mas não é  suficiente. A questão é como mudar esses  reflexos.     ...
Como sair da incoerência?• A compreensão é importante, mas não é suficiente. A questão  é como mudar esses reflexos.      ...
Como sair da incoerência?• A compreensão é importante, mas não é suficiente. A questão  é como mudar esses reflexos.      ...
O processo de observação desse sistema e             janela para a aprendizagem• É por meio da observação que compreendemo...
Representação e a percepção• A representação coloca certas coisas como sendo  únicas, certas com sendo muitas, certas como...
Construção das representações         Elementos da                                                     Experiência        ...
Incompletude do pensamento• O pensamento é incompleto, pois oferece uma  representação daquilo que estamos pensando.• O sa...
Observação cuidadosa da realidade• O que Bohm sugere é que    – Não devemos tentar modificar o processo de produção      d...
Propriocepção• O termo propriocepção significa  “autopercepção”.      – Percepção de estímulos que se originam no        i...
Propriocepção• Falta-nos um feedback imediato sobre o movimento do  pensamento      – ... por isso, com frequência imagina...
Propriocepção do pensamento• Significa percebemos a relação que existe entre intenção e ação.    – Nosso processo de pensa...
Propriocepção espontânea do pensamento• Segundo Bohm, existe um potencial natural para  a propriocepção espontânea do pens...
David Bohm - O                 Pensamento Como                      Sistema                Domingo à Tarde - Hector Paulo ...
•    O que significa ser capaz de realmente se      comunicar, para que as pessoas tentem conversar? •    Mas, para entend...
Comunicação• Os significados são similares, mas não  idênticos.    – Quando alguém diz alguma coisa, o      interlocutor e...
Por que é tão difícil se comunicar?• Há sempre uma defesa inconsciente das nossas ideias:    – Há sensações fugazes de med...
Problema da comunicação                                                                                  os diferentes gru...
Cultura é significado compartilhado • A importância da sociedade e de seus valores:       o    Eu digo que uma cultura é b...
Cultura  o   Há várias subculturas nas quais as coisas      significam algo completamente diferente. E se as      pessoas ...
• As suposições também permitem que um grupo      culturalmente unido, assim permaneça, pois eles      cultivam a mesma ba...
Diálogo                      • Embora o exercício do diálogo seja tão                        antigo quanto a própria      ...
Diálogo• "Diálogo" vem do grego diálogos. Logos  significa "palavra" ou, em nosso  caso, poderíamos dizer "significado da ...
Diálogo vem sendo usado? • O "diálogo" não vem sendo usado nesse sentido.      • Por exemplo, as pessoas falam sobre diálo...
Diálogo• O diálogo examina a forma pela qual o  pensamento é gerado e/ou processado e  mantido no plano coletivo.• Uma inv...
Objetivo do diálogo• O objetivo do diálogo não é analisar as coisas, ganhar  discussões ou trocar opiniões.• Seu propósito...
Tendência a manutenção dos pressupostos• A espécie humana não costuma fazer muitas  suspensões de pressupostos:      – Nos...
Suspensão de pressupostos• Os pressupostos emergirão. As pessoas trarão seus  pressupostos para qualquer grupo. Enquanto o...
Suspensão de pressupostos• Pode descobrir outras pressuposições e  todos as suspenderão, as observarão e  verão o que elas...
Defesa dos pressupostos e opiniões                                                                       Todo mundo tem pr...
Alavancagem do diálogo                                                                        Fragmentação                ...
Objetivo do diálogo• Pode resultar que os conteúdos não sejam muito  importantes - pode se tratar apenas de  pressupostos....
Ouvir é dialogar!• “Ouvir”, no contexto dialógico, é muitas vezes interpretado  como uma sensibilidade profunda, cuidadosa...
Condição de entendimento• Um diálogo só pode levar à produção de  algo novo se as pessoas forem capazes de  ouvir livremen...
Discussão x DiálogoProcesso                   Quebrar, fragmentar, análise              Construir visão comumFormato      ...
Consciência participativa• Cada pessoa participa, compartilha a totalidade dos  significados do grupo e, ao mesmo tempo, f...
Participação coletiva• Dinâmica da participação no pensamento  coletivo:      – Um exemplo de indivíduos a pensar juntos s...
Diáologo consigo mesmo •    Quando questionado sobre o diálogo interno ou do indivíduo para      consigo mesmo, ele afirma...
Diálogo consigo • Manter o diálogo dentro de si mesmo      aumenta a possibilidade do diálogo com os      outros. • Manter...
•    Entretanto,a sociedade nos condiciona de uma forma na qual      não é possivel fazer isso sozinho, ou sem um grande e...
•   Em algum ponto poderemos ver um significado em co-mum. Incluindo o que é    a necessidade, o que é valioso, o que vale...
A Importância do diálogo •    Portanto, temos de manter o diálogo apesar da frustração e de todos os      problemas. •    ...
• Uma noção básica para o diálogo é a necessidade  das pessoas se sentarem em círculo                                     ...
Envolvimento no diálogo e grupo de diálogo• Um grupo de diálogo não é o que se denominou de "grupo de  encontro", que se p...
Como iniciar um Grupo de Diálogo1.   Reunir 15 a 40 pessoas em círculo2.   Esclarecimentos iniciais sobre a natureza do pr...
Processo do diálogo                               Processo do diálogo em si mesmo é visto como um livre       Fluxo de    ...
Liberdade, necessidade e contingência •    Temos de esclarecer a necessidade e a contingência. A liberdade exige um pouco ...
•    Quando alguém surge com uma nova ordem de      necessidade, outras pessoas podem não ver prontamente e olhar      par...
• E a cultura que deseja dominar a vontade dos seus      cidadãos, obviamente não encorajará a criatividade,      porque e...
O pensamento envolve o Tempo •    Todo pensamento envolve o tempo, de uma forma que não      vemos. Nossa tendência é acha...
•    O mesmo problema ocorre com todo o pensamento: a      representação entra na percepção e se apresenta como um fato   ...
•    Para uma visão conjunta, necessitamos do diálogo.      Individualmente, uma pessoa pode ter uma visão; mas precisamos...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pensamento como sistema [david bohm]grupo de estudos seminário 5

824 visualizações

Publicada em

Slides do 5º seminário do grupo de estudos do livro "Pensamento como Sistema" de David Bohm - Turma Recife.
Elaborados por: Hector Paulo e Diana De'Carli

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
824
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pensamento como sistema [david bohm]grupo de estudos seminário 5

  1. 1. Pensamento Sistêmico O Pensamento como um Sistema de David Bohm Grupo de Estudos Turma Recife 2012 Seminário 5 Recife, 25 de Janeiro de 2013 Hector Paulo e Diana De‟CarliGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  2. 2. David Bohm - Dados Biográficos• Bohm é amplamente considerado um dos físicos teóricos mais importantes do século XX.• Devido a suspeitas de comunismo, ele deixou os Estados Unidos. Ele seguiu sua carreira científica em vários países, tornando-se um brasileiro, e, mais tarde, um cidadão britânico.• Físico teórico e professor emérito da Universidade de Londres, onde ficou até a sua aposentadoria em 1987.• Autor de 19 livros (1951 – 2002).• O Pensamento como um Sistema (1992) é a transcrição de um seminário realizado na California de 30 de Novembro a 2 de Dezembro de 1990.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  3. 3. Algumas obras de David BohmGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  4. 4. “Era intenção do dr. Bohm que O Pensamento Como Sistema fosse abordado Simplesmente , como um mapa proposto para ser testado com as expeirências diretas da vida, e medido por sua veracidade e sua utilidade para redução de conflitos e sofrimentos no mundo como um todo.” Lee NicholGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  5. 5. “Iniciamos dizendo que o mundo está em caos, porém terminaremos dizendo que o pensamento está em caos.” David BohmGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  6. 6. O pensamento como fonte todos os problemas• Crença de que a mente (o pensamento) pertence a uma ordem superior diferenciada da matéria.• Achamos que somos capazes de observar e retratar de forma neutra algum objeto ou evento, sem causar nenhum tipo de efeito naquilo que observamos ou sem ser afetado pelo mesmo. – O pensamento afeta absolutamente tudo. – Enquanto não compreendermos o pensamento – ou melhor mais do que compreender, perceber – ele continuará nos controlando, porém nos dando a impressão de que … é o nosso servo (auto-engano)Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  7. 7. O pensamento como fonte todos os problemas• Os processos genéricos de pensamento da humanidade tendem a perceber o mundo de uma forma fragmentária, “quebram coisas que na verdade não estão separadas” – … pensamos (no) corpo, emoções e pensamento como sendo diferentes. Os sentimentos são … afetados pelo pensamento (e vice-versa).• O pensamento é um processo – um todo interligado que inclui o sentimento e o corpo (emoções), além de atividades intelectuais. – Ao mudar a forma de pensar (a emoção é alterada)Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  8. 8. Natureza participatória do pensamento• Em toda parte da mente e do corpo … (o sentimento e o pensamento se) interpenetram e formam uma estrutura de reflexos neurofisiológicos que pela repetição, intensidade emocional e atitudes defensivas reagem independentes da nossa escolha consciente. – nossa linguagem não apresenta uma distinção entre o „ato de pensar‟ e o „pensamento‟ – O pensamento é a resposta da memória – do passado, daquilo que já ocorreu – Esse pensamento começa, então, a agir automaticamente.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  9. 9. Condicionamento do pensamento e o sistema de reflexos• Alguns reflexos são estabelecidos e condicionados. – A forma básica do condicionamento é repetir algo de maneira quase contínua. – Grande parte de nosso aprendizado diário consiste em estabelecer reflexos condicionados. (Habilidade) – O pensamento é um jogo muito sutil e potencialmente ilimitado de reflexos , apesar de que achamos que estamos gerando e controlando o pensamento – Reflexos livres podem ser modificados pela inteligência e percepção, mas quando se tornam muito condicionados, ficam rígidos, não permitem que a inteligência e a percepção ajam. – Quando os reflexos são condicionados de forma muito forte formam uma estrutura (de pensamento).Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  10. 10. Pensamento como um sistema• o corpo, a emoção, o intelecto, o reflexo e o artefato passam a ser compreendidos como um campo contínuo de pensamento – Processo é um fluxo com elementos interdependentes – Nesse sistema não estão inclusos apenas o pensamento, o que foi sentido e os sentimentos, mas inclui também o estado do corpo; inclui a sociedade como um todo - cultura, a maneira que passamos informação e as emoçõesGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  11. 11. Geração da incoerência• Incoerên-cia significa que suas intenções e seus resultados não concordam. – Sua ação não está de acordo com sua expec-tativa.• A incoerência se revela quando o conhecimento (programado na memória) é aplicado, quando você age com base nele. – A maneira de você pensar determina o modo como você faz algo.” – A incoerência se revela na ação.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  12. 12. Geração da incoerência• Falha sistemática do pensamento – Não estão cientes do fato de que o pensamento está ativo e participando do processo. – Não vemos que nossas intenções são incoerentes – O pensamento não sabe que está fazendo algo e, então, luta contra o que está fazendo, tentando evitar esses resultados desagradáveis, enquanto se mantém na mesma forma de pensar. – O que você tem, nesse caso, é contradição, confusão e auto-engano, o qual é uma tentativa de escondê- las.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  13. 13. Geração da incoerência• Falha sistemática do pensamento – Não olhar para a incoerência, também é evidência de incoerência. – Estamos gerando essa situação contrária às nossas intenções conscientes porque existe uma outra resistência ocorrendo (intenções ocultas e profundas), e que não estamos muito consciente delas. – Trazer o pensamento para lidar com (um) problema, (só que) o pensamento é parte do sistema. (E) apresenta a mesma falha ... pode fazer até que as coisas piorem.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  14. 14. Incoerência sustentável e defensiva• Os reflexos podem se tornar incoerentes e se firmarem por causa das condições criadas pela sociedade. – É a incoerência sustentável que se perpetua apesar das evidências. – A resposta inteligente seria pará-la, suspendê-la, começar a buscar o motivo da incoerência e depois mudá-la• Mas há uma incoerência defensiva, cujos pensamentos incoerentes se atrelam às endorfinas que os defendem e evitam os questionamentos e, consequentemente, a remoção das endorfinas e o desconforto.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  15. 15. Como sair da incoerência?• A ação inapropriada de tentar sair da confusão, cair fora do sistema, também é parte do problema.• A investigação da incoerência é parte da nossa coerência. – mover-se para a coerência; buscar entender a raiz da incoerenciaGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  16. 16. Como sair da incoerência?• A compreensão é importante, mas não é suficiente. A questão é como mudar esses reflexos. – A saída é tocar os reflexos por meio de uma compreensão tão profunda que modifique o ato de pensar – É preciso prestar atenção, num nível que nos leve mais a fundo. (Modelos Mentais) – É preciso apresentar um outro tipo de mapa mental, mais coerente com o não ditoGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  17. 17. Como sair da incoerência?• A compreensão é importante, mas não é suficiente. A questão é como mudar esses reflexos. – Se os sentimentos estão ligados com os pensamentos, então, quando há um sentimento, em uma dada situação, há uma suposição geral. – É válido colocar a suposição em palavras para tentar entender porque está reagindo a esta situação; tentar entender o pensamento que está por detrás disso. – É preciso ir mais fundo porque um reflexo gera outro, que gera outro. E alguns deles podem até trazer de volta ou recriar o reflexo que se acreditava ter eliminado.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  18. 18. Como sair da incoerência?• A compreensão é importante, mas não é suficiente. A questão é como mudar esses reflexos. – É preciso explorar isso, não com o espírito de tentar se livrar desse ou daquele reflexo em particular, mas com o espírito de aprendizado – “O que precisamos é de uma descrição correta da forma como você está pensando agora”.… “Não admitimos a nós mesmos a natureza real dos nossos pensamentos”. (para descobrir o que está acontecendo)Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  19. 19. O processo de observação desse sistema e janela para a aprendizagem• É por meio da observação que compreendemos a maneira como o sistema funciona e, consequentemente, aprendermos algo sobre ele.• A palavra como representação do pensamento – O processo de pensamento por si só não consegue “ver”. Ele consegue apenas obter informação. – O uso das palavras é essencial para tornar visível o pensamento – As palavras são a forma de colocar o pensamento em evidência, no qual geralmente funciona implicitamente sem que você esteja ciente deleGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  20. 20. Representação e a percepção• A representação coloca certas coisas como sendo únicas, certas com sendo muitas, certas como sendo necessárias, gerais, exclusivas.• A maneira como falamos sobre as coisas e o modo como pensamos sobre as coisas afetam a maneira com as vemos. – A representação afeta a percepção – A representação entra diretamente na percepção em muitas formas sutis e você perde a noção de que está vindo no pensamentoGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  21. 21. Construção das representações Elementos da Experiência percep-ção Repre-sen tações Elementos da memória• Construção dessas representações é natural e necessária• A dificuldade essencial é que presumimos, automaticamen-te, que nossas representações são retratos verdadeiros da realidade, quando na verdade são guias relativos para ações baseadas em recordações não-examinadas Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  22. 22. Incompletude do pensamento• O pensamento é incompleto, pois oferece uma representação daquilo que estamos pensando.• O saber nunca será absoluto, pois o conhecimento é limitado, porque ele é apenas uma representação. – O conhecimento pode ser adequado, mas não é a coisa propriamente dita, seja lá o que for, não é “aquilo que é”. – As opiniões são “apenas” suposições e é fundamental que saibamos disso.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  23. 23. Observação cuidadosa da realidade• O que Bohm sugere é que – Não devemos tentar modificar o processo de produção das representações (o que pode ser impossível), – Mas que observemos com cui-dado (ter atenção) o fato de que qualquer representação - intuitivamente percebida como realidade - pode ser, de algum modo, menos do que (se julga) real ou verdadeira.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  24. 24. Propriocepção• O termo propriocepção significa “autopercepção”. – Percepção de estímulos que se originam no interior do próprio organismo• Existe propriocepção no corpo - a distinção entre as ações que nele se originam e as que vêm de fora é percebida como uma diferença funcionalGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  25. 25. Propriocepção• Falta-nos um feedback imediato sobre o movimento do pensamento – ... por isso, com frequência imaginamos que uma determinada dificuldade se origina fora de nós, quando na verdade ela é uma construção do nosso pensamento... – A falta de propriocepção do pensamento, como conhecemos agora, significa que não conseguimos distinguir se uma imagem está baseado no que está acontecendo ou naquilo que penso que está acontecendo • Um grande problema é que, muitas vezes, consideramos nossas conclusões como sendo fatos! • O pensamento diz, implicitamente, que a propriocepção não é necessária. Se o pensamento estava apenas lhe contando do jeito que as coisas são, então a propriocepção não seria neces-sária, pois nada haveria para procurarGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  26. 26. Propriocepção do pensamento• Significa percebemos a relação que existe entre intenção e ação. – Nosso processo de pensamento deveria ter a consciência desse movimento, da intenção de pensar e do resultado que o pensamento gera.• O pensamento pode ser proprioceptivo? – Você pensa porque tem a intenção de pensar. – O ponto fundamental da suspensão é tornar a Propriocepção possível, criar um espelho, de modo que você possa ver os resultados do seu pensamento. O pensamento proprioceptivo sabe o que faz e não cria confusões! Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  27. 27. Propriocepção espontânea do pensamento• Segundo Bohm, existe um potencial natural para a propriocepção espontânea do pensamento. – A propriocepção é muito sutil e vem sendo inibida: • Você seria capaz de dizer: "Certo, há um pensamento que constrói uma imagem amedrontadora ou desconfortável. Mas con-siderando que se trata só de uma imagem, não é muito importante". • Em vez disso, você diz: "Não devo pensar nisso". Ou nem mesmo reflete sobre o que acontece - apenas se afasta. – O corpo produz tudo o que é necessário para impedir pensamentos dolorosos • Ele tenta nos proteger do que considera mauGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  28. 28. David Bohm - O Pensamento Como Sistema Domingo à Tarde - Hector Paulo e Diana De CarliGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  29. 29. • O que significa ser capaz de realmente se comunicar, para que as pessoas tentem conversar? • Mas, para entender isso, é preciso compreender outros aspectos de influencia na comunicação das pessoas.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  30. 30. Comunicação• Os significados são similares, mas não idênticos. – Quando alguém diz alguma coisa, o interlocutor em geral não responde com o mesmo significado – Também, quando a segunda pessoa responde, a primeira percebe uma diferença entre o que ela quis dizer e o que a outra entendeu.• Nessa diferença, pode surgir algo novo: e assim o processo vai e vem, com a emergência contínua de novos conteúdos que são comuns a ambos os participantes.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  31. 31. Por que é tão difícil se comunicar?• Há sempre uma defesa inconsciente das nossas ideias: – Há sensações fugazes de medo que o impedem de refletir sobre elas (uma pessoa é capaz de manter-se longe de tudo aquilo que imagina que pode perturbá-la) – Há sensações de prazer, que atraem os pensamentos e fazem com que eles se dirijam a outros assuntos – As pessoas tendem a defender suas ideias enquanto supõe que ouve o que os outros têm a dizer É crucial estar atento à natureza de nossos próprios “bloqueios”! Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  32. 32. Problema da comunicação os diferentes grupos que maneira rude e insensível de nelas se empenham não pensar sobre a comunicação, e falar a respeito dela tentativa de são capazes de ouvir uns melhorar a aos outros comunicação R B confusão incapacidade de perceberações inteligentes que possam problema de pôr fim às atuais dificuldades comunicação sentimento de R frustração Fazer uma pausa nesse modo de Reflexão B pensar R agressão e a entendimento mútuo violênciaIndagar se a dificuldade não surge de e da confiança algum modo mais sutil, que escapou de nossa maneira de formular o que vem dando errado Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  33. 33. Cultura é significado compartilhado • A importância da sociedade e de seus valores: o Eu digo que uma cultura é basicamente um significado partilhado. Se as pessoas desejam se juntar para fazer algo, as coisas devem ter o mes-mo significado para elas; caso contrário, nada farão juntas.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  34. 34. Cultura o Há várias subculturas nas quais as coisas significam algo completamente diferente. E se as pessoas ten-tam se juntar, entre esses grupos ou mesmo dentro desses grupos, surgirá alguém que lidere o evento e, em seguida, poderão fazer o que desejavam. o Mas, se não houvesse um líder nem uma agenda para o grupo, elas provavelmente ficariam muito ansiosas sem saber o que fazer.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  35. 35. • As suposições também permitem que um grupo culturalmente unido, assim permaneça, pois eles cultivam a mesma base cultural. • Porém, se precisassem se reunir para discutir qualquer asssunto por algum tempo, iriam perceber, que mesmo eles, possuem suposições (modelos mentais) diferentes. Ou seja, as suposições é o que unifica e também pode afastar um grupo.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  36. 36. Diálogo • Embora o exercício do diálogo seja tão antigo quanto a própria civilização, nos últimos tempos surgiu uma profusão de práticas, técnicas e definições em torno do termo "diálogo". • O que vocês entendem por Diálogo?Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  37. 37. Diálogo• "Diálogo" vem do grego diálogos. Logos significa "palavra" ou, em nosso caso, poderíamos dizer "significado da palavra” e Dia não significa "dois", e sim "por meio de“, “através”. – Podemos visualizar o significado fluindo entre as pessoas – muitas pessoas podem participar - é entre nós dois ou entre todos nós.• Falar significa comunicar uma significância.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  38. 38. Diálogo vem sendo usado? • O "diálogo" não vem sendo usado nesse sentido. • Por exemplo, as pessoas falam sobre diálogos nas Nações Unidas.O que elas praticam não é diálogo, mas uma troca confusa de idéias, cheias de pressupostos embutidos. • O maior obstáculo que um grupo encontra para atingir qualquer objetivo, pelo qual se unem, é que devem partilhar do significado; desse modo, para que um grupo possa ser capaz de fazer aquilo que se propôs a fazer, primeiro precisa ser capaz de partilhar do significado juntos. • Para Bohm, isso significa diálogoGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  39. 39. Diálogo• O diálogo examina a forma pela qual o pensamento é gerado e/ou processado e mantido no plano coletivo.• Uma investigação que questiona pontos de vista profundamente arraigados em relação à cultura, aos significados e à identidade.• Capacidade de revelar as estruturas mais profundas da consciência. – O que nós representamos por meio de palavras, mapas mentais, arquétipos, etc. Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  40. 40. Objetivo do diálogo• O objetivo do diálogo não é analisar as coisas, ganhar discussões ou trocar opiniões.• Seu propósito é suspender as opiniões e observá-las - ouvir os pontos de vista de todos, suspendê-los e a seguir perceber o que tudo isso significa.• Se pudermos perceber o que significam todas as nossas opiniões compartilharemos um conteúdo comum, mesmo se não concordarmos completamente.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  41. 41. Tendência a manutenção dos pressupostos• A espécie humana não costuma fazer muitas suspensões de pressupostos: – Nosso desenvolvimento tem sido orientado para respostas imediatistas e impulsivas, o que favorece a manutenção dos pressupostos• “Programação" da memória: quanto mais impulsivo você for, mais implementará o programa mental para reflexo, tornando o processo cada vez mais automático.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  42. 42. Suspensão de pressupostos• Os pressupostos emergirão. As pessoas trarão seus pressupostos para qualquer grupo. Enquanto o grupo continuar a se reunir, eles virão à superfície.• Se você ouvir alguém cujos pressupostos lhe parecem ofensivos, sua resposta natural poderia ser ficar irritado, ou excitado ou algo assim.• É necessário de se dar conta das conexões que existem entre os pensamentos que acontecem no diálogo, as sensações corporais e as emoções.• Mas veja-se suspendendo esses sentimentos. Você pode nem mesmo ter percebido que tinha um determinado pressuposto. – Foi só porque seu interlocutor surgiu com o pressuposto contrário que você descobriu que o tinha.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  43. 43. Suspensão de pressupostos• Pode descobrir outras pressuposições e todos as suspenderão, as observarão e verão o que elas significam.• É necessário, portanto, suspender essas ideias prévias, de tal modo que nem as ponhamos em prática nem as suprimamos. O ponto crucial é manter – As pessoas podem ou não mudar de opinião a reunião num nível em mas se dão conta do que está nas mentes umas das outras, sem chegar a quaisquer que as opiniões conclusões ou julgamentos. surjam, mas as pessoas possam apreciá- las, examiná-las. Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  44. 44. Defesa dos pressupostos e opiniões Todo mundo tem pressupostos e Questionamentos opiniões diferentes e o que uma sobre pressupostos pessoa pensa é realmente Esses pressupostos são importante defendidos quando B questionados Diálogo Opiniões Defesa dos R pressupostos R Pensamentos passados O diálogo precisa entrar em todas as pressões que estãoAs pessoas se identificam com suas por trás dos nossosopiniões, que estão atreladas a seus Carga pressupostos investimentos em auto-interesse, e emocional tendem a fazer isso sob uma carga Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012 emocional
  45. 45. Alavancagem do diálogo Fragmentação A fragmentação é uma Todo mundo tem pressupostos e das dificuldades do opiniões diferentes e o que uma pensamento Questionamentos pessoa pensa é realmente sobre pressupostos importante Atenção ao nosso Esses pressupostos são pensamento como um defendidos quando B processo questionados Diálogo Nosso pensamento é um processo que requer atenção, Opiniões do contrário seguirá um curso Defesa dos errado R pressupostos nossa atenção R se dirige Pensamentos somente aos passados O diálogo precisa entrar em todas as pressões que estão conteúdos, nãAs pessoas se identificam com suas por trás dos nossos o ao processoopiniões, que estão atreladas a seus Carga pressupostos investimentos em auto-interesse, e emocional tendem a fazer isso “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012 Grupo de Estudos sob uma carga emocional
  46. 46. Objetivo do diálogo• Pode resultar que os conteúdos não sejam muito importantes - pode se tratar apenas de pressupostos.• Mas se pudermos examinar todos os conteúdos, seremos capazes de nos mover de maneira criativa em direções diferentes.• Poderemos simplesmente compartilhar a apreciação dos resultados: e dessa totalidade a verdade emerge sem se anunciar, sem que a tenhamos escolhido.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  47. 47. Ouvir é dialogar!• “Ouvir”, no contexto dialógico, é muitas vezes interpretado como uma sensibilidade profunda, cuidadosa e empática em relação às palavras e significados produzidos pelos membros do grupo. No entanto, ouvir faz parte do diálogo (é condição inerente).• Bohm delineia aqui uma concepção diferente de ouvir, na qual erros de percepção (escuta) da fala de alguém podem levar ao surgimento de novos significados: fluxo dos significados inesperados ou surpreendentes Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  48. 48. Condição de entendimento• Um diálogo só pode levar à produção de algo novo se as pessoas forem capazes de ouvir livremente umas às outras.• Ouvir sem preconceitos e sem tentar influenciar-se mutuamente.• Cada uma deve estar interessada em primeiro lugar na verdade e na coerência, de modo a que possam deixar de lado suas ideias e intenções antigas, e tornarem-se pron-tas para entrar em algo diferente quando necessário.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  49. 49. Discussão x DiálogoProcesso Quebrar, fragmentar, análise Construir visão comumFormato Cada indivíduo apresenta seu Participação, na qual não ponto de vista que difere dos jogamos uns contra os outros, outros mas com cada um delesObjetivo “Ganhar pontos” para si Se al-guém ganha, todos ganhamCompartilhamento É possível que você aproveite Sempre que algum erro édas ideias as ideias dos outros para nelas descoberto por alguém, todo basear as suas mundo ganhaFoco Questões superficiais, pois Questionamento de seus vários aspectos são mantidos pressupostos fundamentais inegociáveis e intocá-veisEstilo Ganha-perde Ganha-ganhaGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  50. 50. Consciência participativa• Cada pessoa participa, compartilha a totalidade dos significados do grupo e, ao mesmo tempo, faz parte dele: Isso é um diálogo verdadeiro.• Se todos percebe-rem juntos o significado de todas as pressuposições, o conteúdo da consciência será essencialmente o mesmo• Por outro lado, se tivermos pressupostos diferentes e os defendermos, cada um terá um conteúdo diferente, por-que não tomaremos parte nas pressuposições das outras pessoas. Estaremos a combatê-las ou a afastá-las - tenta-remos convencer ou persuadir os outrosGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  51. 51. Participação coletiva• Dinâmica da participação no pensamento coletivo: – Um exemplo de indivíduos a pensar juntos seria o de alguém que tives-se uma ideia, outra pessoa a adotasse, mais outra lhe acrescentasse algo. – O pensamento fluiria e sairíamos da situação habitual, em que as pessoas tentam persuadir ou convencer umas às outras.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  52. 52. Diáologo consigo mesmo • Quando questionado sobre o diálogo interno ou do indivíduo para consigo mesmo, ele afirma: "quando falamos sobre o indivíduo, dissemos que você deve se manter com esse conflito, não consegue escapar dele. Você fica com ele, e chega até a gerá-lo. E assim você começa a ter um pouco de visão, começa a ver como o pensamento está gerando o conflito. • Como um individuo, você precisa ver que ao ficar com isso, fazendo isso, é muito mais importante que qualquer assunto em particular que se está tentando resolver. Em outras palavras, se você consegue fazer isso, terá ido a um nivel mais profundo,muito mais além do que os assuntos que lhe incomodam."Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  53. 53. Diálogo consigo • Manter o diálogo dentro de si mesmo aumenta a possibilidade do diálogo com os outros. • Manter o diálogo com você mesmo ajudará os demais. Ou, ao manter o diálogo com os outros, estará ajudando o individual.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  54. 54. • Entretanto,a sociedade nos condiciona de uma forma na qual não é possivel fazer isso sozinho, ou sem um grande esforço. • Enfatiza que o diálogo por si só não consegue impor um propósito ou uma intenção na reflexão e ação. • "Estou sugerindo que comece-mos comunicando essa significância, e ver onde podemos ir. Se pessoas que não têm noção alguma desse processo todo de pen-samento e diálogo e se juntarem, é possível que encontrem um caminho, com mais chances de não conseguirem.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  55. 55. • Em algum ponto poderemos ver um significado em co-mum. Incluindo o que é a necessidade, o que é valioso, o que vale a pena. E estou também delineando o propósito e o que são as intenções que poderiam executar isso.• O valor e o propósito fluem, da percepção do significado.• No entanto, o propósito pode estar mudando, porque à medida que você vê o significado mais profundamente tem de mudar o propósito.• O significado é necessário para ver o fato. O que as coisas significam para você é o que determinará a forma de agir. E o significado - que nosso pensamento oferece - é que o diálogo não é necessário, que podemos todos seguir como indivíduos fazendo o que bem quisermos,Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  56. 56. A Importância do diálogo • Portanto, temos de manter o diálogo apesar da frustração e de todos os problemas. • É o mesmo que a questão dó sofrimento, que diante do sofrimento as pessoas buscam constantemente a fuga, um movimento constante de não querer estar consciente dele. • Os reflexos tentam aliviar a situação desviando sua atenção. E isso significa que você nunca poderá descobrir o que é, o que está acontecendo; nunca poderá perceber isso. • Mas, se você desviar sua atenção e ficar com isso, este ficar gerará uma enorme quantidade de energia. Quanto mais você ficar com isso, maior será a sensação de que se trata de algum tipo de tensão física. Logo, você pode até ter uma visão de que tudo isso é apenas uma parte do processo material. • Fique com a situação difícil, não fuja dela. Se você se vir fugindo, precisará ver você mesmo fugindo, e assim por diante.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  57. 57. • Uma noção básica para o diálogo é a necessidade das pessoas se sentarem em círculo Condições• Em princípio, o diálogo deve funcionar sem nenhum para líder ou agenda. Na necessidade de um líder, este o diálogo deve se retirar o mais cedo possível dessa tarefa, mas isso pode levar tempo.• Tudo pode entrar em pauta, mas os participantes devem conhecer-se mutuamente, confiar uns nos outros e estabelecer uma relação de compartilhamento• A principal finalidade do grupo não é lidar com problemas pessoais, e sim com questões culturais.• É importante entender que um grupo de diálogo não é um grupo de terapia Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  58. 58. Envolvimento no diálogo e grupo de diálogo• Um grupo de diálogo não é o que se denominou de "grupo de encontro", que se propõe a ser um tipo específico de terapia, e no qual podem emergir as emoções das pessoas• No diálogo, os participantes devem falar diretamente uns com os outros, um a um, ao longo do círculo a fim de gerar conhecimento e confiança uns nos outros e assim ser possível falar diretamente ao grupo inteiro• Num grupo de diálogo, não decidimos o que fazer a respeito de nada. De outra maneira, não seríamos livres Nossa meta é se comunicar coerente e verdadeiramente a fim de criar entendimento comum e depois reunir-se em grupos menores e tomar decisões específicas.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  59. 59. Como iniciar um Grupo de Diálogo1. Reunir 15 a 40 pessoas em círculo2. Esclarecimentos iniciais sobre a natureza do processo – Conversar sobre; discutir porquês e significados, etc3. Decidir sobre um ou vários tópicos pode levar algum tempo – No inicío, pode ser útil a presença de um facilitador, mas seu papel deve ser eliminado o mais cedo possível para que o grupo determine seu próprio rumo4. Repetir encontros com regularidadeGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  60. 60. Processo do diálogo Processo do diálogo em si mesmo é visto como um livre Fluxo de fluxo de signifi-cados entre todos os participantes. No signifi-cad começo, as pes-soas expressavam posições fixas que os tendiam a defender, mas em seguida... ...tornou-se claro que era fundamental manter o sentimento de amizade no grupo e não apenas sustentar pontos de Amizade vista, uma amizade difusa já que não havia difusa rela-cionamentos interpessoais estreitos entre participantes. Significado Uma nova espécie de mentalidade começa a sur-gir, com co-mum base no desenvolvimento de um significado co-mum que está em constante transformação no processo do diálogo. Âmbitocomum de As pessoas já não estão basicamente em opo-sição, nem sesignifica-d pode dizer que estejam interagindo. Em vez disso, elas os participam desse âmbito comum de significa-dos que se mostra capaz de desenvolver-se e mudar cons-tantemente. Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  61. 61. Liberdade, necessidade e contingência • Temos de esclarecer a necessidade e a contingência. A liberdade exige um pouco de contingência, no sentido que, se as coisas não puderem ser de outra forma, então não haveria a liberdade. Entretanto, a liberdade requer um pouco, também, de necessidade, porque, se não houvesse necessidade nas nossas intenções, não haveria significado. • Podemos até tentar fazer algo, mas se a necessidade não estiver lá para amarrar tudo, qualquer coisa poderá acontecer, não importa qual foi nossa intenção inicial. Portanto, de alguma forma, tanto a necessidade quanto a contingência estão envolvidas com a liberdade. • A necessidade é aquilo que não pode ser de outra maneira e a contingência é aquilo que pode. O fato de as coisas já poderem ser de outra maneira é que possibilita ser livre para fazer várias coisas. Mas se as coisas fossem totalmente contingentes, você não teria liberdade alguma, não seria capaz de contar com nada. • A liberdade é percepção e a criação de uma nova ordem de necessidadeGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  62. 62. • Quando alguém surge com uma nova ordem de necessidade, outras pessoas podem não ver prontamente e olhar para isso como se fosse contingência • O diálogo é uma arte criativa em potencial: isto é, novas ordens de necessidade podem emergir se o mantivermos • E se você mantiver um diálogo com muita seriedade haverá a possibilidade de que se torne algo criativo e inovador, o que seria o microcosmo, o germe, que pode ser comunicado. Em outras palavras, aquilo que parece ser apenas um monte de contingência sem significado algum, pode ser o campo no qual uma nova ordem de necessidade criativa venha a ser gerada. E disso pode nascer uma nova cultura, uma nova sociedade.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  63. 63. • E a cultura que deseja dominar a vontade dos seus cidadãos, obviamente não encorajará a criatividade, porque elas não querem que as pessoas sejam criativas. A cultura só quer se defender • poderia nascer uma liberdade que fosse coletiva e ao mesmo tempo individual. Não somos livres de maneira alguma, enquanto estivermos presos a todas essas coisas • a nova cultura nascerá primeiro quando virmos o significado dessa situação e o valor disso tudo e, então, um propósito específico sobre aquílo que devemos fazer emergirá à medida em que caminharmos juntos - um propósito após o outro, em vez de iniciar com um propósito que é fixo.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  64. 64. O pensamento envolve o Tempo • Todo pensamento envolve o tempo, de uma forma que não vemos. Nossa tendência é achar que tudo existe no tempo, e que o tempo é independente da realidade. As pessoas representam o tempo pelo espaço. em um diagrama desenham uma linha e a chamam de "tempo", dizendo que "aqui" é um ponto no tempo, que significa agora, depois outro ponto, e outro ponto. • Claramente, o pensamento está, então, representando o tempo através do espaço. • O tempo é a ordem da existência sucessiva - a ordem da sucessão. A base real do tempo é a sucessão - as coisas se sucedendo em uma certa ordem. O tempo é um conceito que foi configurado pelo pensamento para representar a sucessão. O pensamento lida com isso, ordena por meio do conceito do tempo. • No entanto, nós nunca o vemos, percebemos ou experimentamos o "tempo" - ele é deduzido.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  65. 65. • O mesmo problema ocorre com todo o pensamento: a representação entra na percepção e se apresenta como um fato real. E o resto do ato de pensar, em seguida, recebe isso como uma prova, e procede daí por diante. Começa a construir todo o tipo de coisas em cima de uma estrutura errada • Quando o assunto é o fato psicológico, o único fato que você tem é o presente, o agora. • Já dissemos antes que o passado e o futuro são imagens contidas no pensamento. Este amarra todas essas imagens com o presente, para dar a sensação de movimento e continuidade • No domínio psicológico, sempre que existir a continuidade será mediante o pensamento.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  66. 66. • Para uma visão conjunta, necessitamos do diálogo. Individualmente, uma pessoa pode ter uma visão; mas precisamos dela juntos, porque agora a civilização atingiu uma etapa na qual não consegue proceder de outra maneira. No geral, necessitamos disso de qualquer maneira; no entanto, precisamos disso agora mais do que nunca • o pensamento está constantemente tentando se apoderar das coisas e organizá-las. E tentaria se apoderar de si mesmo porque vê a evidência dudetivel de si mesmo • E essa visão abriria a porta para a liberdade, tanto coletivamente quanto individualmente - para a amizade, o companheirismo e o amorGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012

×