SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
PROJETOS ARQUITETÔNICOS DA REDE CEGONHA:
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
“Cada nascimento é diferente. A experiência de
cada mulher e a história a ser contada, tudo
sempre será único".
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
Objetivos dessa apresentação
Apresentar os ambientes de atenção ao parto, de maneira a
facilitar a elaboração de projetos arquitetônicos voltados para a
Rede Cegonha.
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Introdução
De acordo com a Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011, são objetivos da Rede
Cegonha:
• I – fomentar a implementação de novo modelo de atenção à saúde da mulher e à
saúde da criança com foco na atenção ao parto, ao nascimento, ao crescimento e ao
desenvolvimento da criança de zero aos vinte e quatro meses;
• II – organizar a Rede de Atenção à Saúde Materna e Infantil para que esta garanta
acesso, acolhimento e resolutividade; e
• III – reduzir a mortalidade materna e infantil com ênfase no componente neonatal.
BRASIL, 2011, art. 3º
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Ambiência
• Espaço físico, profissional e de relações interpessoais, relacionado à um projeto de saúde voltado
para a atenção acolhedora, resolutiva e humana (ANVISA, 2008).
• A intervenção nos espaços físicos (reforma e ampliação), de acordo com essa diretriz, vai além de
uma organização físico-funcional, pode interferir e contribuir ou não para a qualificação dos
processos de trabalho, a depender do modo como são conduzidos os processos de mudança.
• Orienta-se discussão compartilhada dos projetos arquitetônicos como estratégia para melhorar
as condições e os processos de trabalho no sentido das Boas Práticas e Humanização de partos e
nascimentos.
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Com base na RDC nº50, de 21 de fevereiro de 2002, a Agência Nacional de Vigilância
Sanitária (ANVISA), para o Ministério da Saúde, os objetivos referentes aos serviços de
arquitetura e/ou de engenharia são assim classificados:
CONSTRUÇÃO – nova edificação
desvinculada funcionalmente ou
fisicamente de algum estabelecimento
já existente.
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Fluxos
Para elaboração do projeto arquitetônico é importante ressaltar que se
deve atentar para os fluxos de pacientes, visitantes e funcionários do
estabelecimento.
Em projetos arquitetônicos de maternidades atentar para o
fluxo das gestantes.
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Fluxo da parturiente
de acordo com a RDC
ANVISA nº36/2008
ACOLHIMENTO + ADMISSÃO
Sala de
Classificação de
Risco
Sala de
Exame e
Admissão
de
Parturientes
Sala de
Acolhimento da
parturiente e
seu
acompanhante
Quarto PPP
Sala de
Parto
Cirúrgico
PRÉ-PARTO
PARTO
PUERPÉRIO
IMEDIATO
PUERPÉRIO
Quarto ou
enfermaria
para
alojamento
conjunto
Porta de Entrada Unidade de
Centro
Obstétrico
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Adequação de ambiência em ambientes de atenção ao parto e ao nascimento
Objetivo da adequação da ambiência
PORTA DE
ENTRADA
Classificação
de Risco
Acolhimento
Atendimento à
mulher e
acompanhante
Qualificar as reformas e ampliações,
de maneira com que favoreça e
facilite os processos de trabalho de
parto de acordo com as boas práticas
e a humanização na atenção aos
partos e aos nascimentos, com a
implementação do acolhimento, da
classificação de risco, dos quartos PPP
e dos alojamentos conjuntos
garantindo conforto e privacidade
para mãe, acompanhante e bebê.
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Os espaços deverão:
• Favorecer o acolhimento da gestante e seus acompanhantes;
• Criar sala de Classificação de Risco próxima à equipe de acolhimento, com acesso tanto para a sala
de espera quanto para o interior do hospital;
• Criar ambiente confortável com quantidade de cadeiras adequadas à demanda das usuárias e
acompanhantes;
• Garantir atendimento do registro em bancadas baixas, com cadeiras e sem barreiras;
• Instalação de bebedouros e equipamentos audiovisuais;
• Condições de conforto lumínico, térmico e acústico;
• Criar sistema de sinalização e comunicação visual acessíveis, de fácil compreensão e orientação.
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Exemplo de porta de entrada (gestante deambulando)
Obs: Nos casos de gestante chegar
de ambulância (situação de
emergência), indica-se porta de
entrada específica.
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Centro Obstétrico
Centro
Obstétrico
Não há sala
de parto
normal
Não há
pré-parto
QUARTO PPP
com banheiro
individual e
acompanhante
de livre
escolha
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O Ambiente do parto normal
e do nascimento, faz parte do
desenvolvimento do
trabalho de parto.
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Os projetos de reforma e ampliação para adequação da ambiência no Centro Obstétrico deverão:
• Adequar a ambiência, possibilitando que os períodos clínicos do parto sejam assistidos no mesmo
ambiente com a presença de acompanhante.
• Transformar os tradicionais pré-partos coletivos em espaços individualizados de pré-parto, parto e pós-
parto imediato (PPP) com acesso à banheiro, onde a mulher desenvolva todo processo de trabalho de parto
e parto, podendo ser transferida após o pós-parto imediato para o alojamento conjunto, sempre com a
presença do acompanhante de livre escolha. Esses espaços devem possibilitar a inclusão no ambiente, de
métodos não farmacológicos de alívio da dor e estímulo ao trabalho de parto ativo, criando condições na
ambiência que garantam à mulher a escolha das diversas posições no trabalho de parto e parto.
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Os projetos de reforma e ampliação para adequação da ambiência no Centro Obstétrico deverão:
• Adequar no quarto PPP área para cuidados com o RN, ou seja, que o atendimento imediato ao recém-
nascido seja realizado no mesmo ambiente do parto, sem interferir na interação mãe e filho, com espaços
adequados para as atividades, por exemplo, com a instalação de bancada com pia para os cuidados, provida
de instalação de água quente, espaço para o berço, entre outros.
• Criar espaços internos e/ou externos que permitam a deambulação e a movimentação ativa da mulher.
• Possibilitar condições de conforto lumínico, térmico e acústico com o controle de luminosidade, de
temperatura e de ruídos no ambiente.
• Prever a sinalização adequada, com identificação das áreas de modo a orientar os usuários na sua
mobilidade dentro da maternidade.
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Exemplo de centro obstétrico
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PRÉ-PARTO COLETIVO QUARTO PPP
Extinção de pré-parto coletivo
Espaços individualizado de pré-parto, parto e pós-parto imediato (PPP)
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Alojamento Conjunto
Alojamento
Conjunto
Privacidade da
mulher, bebê e
acompanhante
DIMENSÕES
RDC 36/2008
Cuidados com
o RN no
alojamento
conjunto –
prever
bancada e HQ
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Alojamento conjunto
Os projetos de reforma e ampliação para adequação da ambiência na internação obstétrica alojamento
conjunto deverão:
• Garantir a privacidade da mulher/bebê e seu acompanhante, instalando-se cortinas, biombos ou divisórias
quando o quarto não for individual
• Contemplar sempre a presença do acompanhante, prevendo uma cadeira/poltrona inclinável para sua
acomodação
• Garantir que os cuidados com o recém-nascido sejam realizados no próprio alojamento conjunto, prevendo
bancadas, armários e especialmente água quente para o banho
• O acesso do alojamento conjunto ao banheiro deve ser direto e este conter chuveiro com água quente
• É importante garantir uma ambiência confortável e acolhedora com conforto térmico, luminoso e acústico
• Adequar espaços para solário (banho de sol) para os bebês e movimentação das mães
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Exemplo de alojamento conjunto
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Centro de parto normal
Unidade destinada à
assistência ao parto de
risco habitual, vinculado
a um estabelecimento
hospitalar, localizada:
Nas dependências
internas - CPN Intra-
hospitalar.
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Centro de parto normal
• Em áreas externas
ao estabelecimento
hospitalar – CPN
PERI-HOSPITALAR
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Centro de parto normal
Quarto PPP (Pré-parto, parto e pós parto) • Ambiente acolhedor;
• Iluminação indireta;
• Espaço para acompanhante;
• Métodos de alívio da dor e
facilitadores do trabalho de parto;
• Pré-parto, parto e pós parto no
mesmo ambiente;
• Mãe, bebê e acompanhante no
mesmo espaço;
• Garantir que os cuidados com o
recém-nascido sejam realizados no
quarto PPP, prevendo bancadas
com água quente para o banho
(banho não acontece na bancada).
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
“Ao intervir nos espaços físicos na saúde, não
estamos apenas reformando e ampliando
áreas, mas transformando e criando novas
situações de convivência e trabalho”.
Mirela Pessati
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO
• BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. RESOLUÇÃO – RDC Nº 53, de 14 de
Novembro de 2013. Altera a Resolução RDC Nº 36, de 25 de julho de 2013 que institui ações para a segurança do
paciente em serviços de saúde e dá outras providências. DOU. Nº 225 (nov.2013), Seção I, p.77.
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.
Orientações para elaboração de projetos arquitetônicos Rede Cegonha: ambientes de atenção ao parto e nascimento
[recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas
Estratégicas. – Brasília : Ministério da Saúde, 2018. 48 p. : il.
• BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Resolução da Diretoria Colegiada
(RDC) nº. 50 de 21 de fevereiro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação,
elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde.
Referências bibliográficas
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 05 de novembro de 2018
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
PROJETOS ARQUITETÔNICOS DA REDE CEGONHA:
AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.Edna Rúbia Paulino de Oliveira
 
Aula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguroAula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguroProqualis
 
Assistência de enfermagem durante o parto cesáreo !
Assistência de enfermagem durante o parto cesáreo !Assistência de enfermagem durante o parto cesáreo !
Assistência de enfermagem durante o parto cesáreo !Raquel Constantino
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerJesiele Spindler
 
Emergência Obstétrica
Emergência ObstétricaEmergência Obstétrica
Emergência Obstétricasiatego
 
Humanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência ObstétricaHumanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência ObstétricaProfessor Robson
 

Mais procurados (20)

Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 
Alta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do BebêAlta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do Bebê
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
 
Uso Seguro de Medicamentos em Neonatologia
Uso Seguro de Medicamentos em NeonatologiaUso Seguro de Medicamentos em Neonatologia
Uso Seguro de Medicamentos em Neonatologia
 
Aula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguroAula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguro
 
Gestacao alto risco
Gestacao alto riscoGestacao alto risco
Gestacao alto risco
 
Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1
 
Assistência de enfermagem durante o parto cesáreo !
Assistência de enfermagem durante o parto cesáreo !Assistência de enfermagem durante o parto cesáreo !
Assistência de enfermagem durante o parto cesáreo !
 
A Dor no Parto: significados e manejo
A Dor no Parto: significados e manejoA Dor no Parto: significados e manejo
A Dor no Parto: significados e manejo
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
Atenção às Mulheres com HIV no Parto e Puerpério
Atenção às Mulheres com HIV no Parto e PuerpérioAtenção às Mulheres com HIV no Parto e Puerpério
Atenção às Mulheres com HIV no Parto e Puerpério
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Emergência Obstétrica
Emergência ObstétricaEmergência Obstétrica
Emergência Obstétrica
 
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
 
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervirDiagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
 
Parto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizadoParto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizado
 
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à práticaSegurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
 
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
 
Humanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência ObstétricaHumanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência Obstétrica
 

Semelhante a Ambientes de parto humanizados

Apresentação Métron - Implantação de Canteiros.ppt
Apresentação Métron - Implantação de Canteiros.pptApresentação Métron - Implantação de Canteiros.ppt
Apresentação Métron - Implantação de Canteiros.pptRosinaldoSena
 
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdfAulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdfJohannesabreudeolive1
 
biosseguranca_302_2005_ago_2014_v2.ppt
biosseguranca_302_2005_ago_2014_v2.pptbiosseguranca_302_2005_ago_2014_v2.ppt
biosseguranca_302_2005_ago_2014_v2.pptMarcoReisBrugnerotto
 

Semelhante a Ambientes de parto humanizados (20)

Ambiência em Unidades Neonatais: do Nascimento à Internação
Ambiência em Unidades Neonatais: do Nascimento à InternaçãoAmbiência em Unidades Neonatais: do Nascimento à Internação
Ambiência em Unidades Neonatais: do Nascimento à Internação
 
Subsídios para a Organização de Maternidades em tempos de COVID-19
Subsídios para a Organização de Maternidades em tempos de COVID-19Subsídios para a Organização de Maternidades em tempos de COVID-19
Subsídios para a Organização de Maternidades em tempos de COVID-19
 
A Equipe de Enfermagem e o Monitoramento do Crescimento do recém-nascido pré-...
A Equipe de Enfermagem e o Monitoramento do Crescimento do recém-nascido pré-...A Equipe de Enfermagem e o Monitoramento do Crescimento do recém-nascido pré-...
A Equipe de Enfermagem e o Monitoramento do Crescimento do recém-nascido pré-...
 
cuidadornpar
cuidadornparcuidadornpar
cuidadornpar
 
slide_modulo_6.pdf
slide_modulo_6.pdfslide_modulo_6.pdf
slide_modulo_6.pdf
 
A Primeira Consulta do Recém-nascido na Atenção Primária
A Primeira Consulta do Recém-nascido na Atenção PrimáriaA Primeira Consulta do Recém-nascido na Atenção Primária
A Primeira Consulta do Recém-nascido na Atenção Primária
 
Apresentação Métron - Implantação de Canteiros.ppt
Apresentação Métron - Implantação de Canteiros.pptApresentação Métron - Implantação de Canteiros.ppt
Apresentação Métron - Implantação de Canteiros.ppt
 
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda GástricaCuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
 
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDOMANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
 
Manejo Clínico da Gastrosquise
Manejo Clínico da GastrosquiseManejo Clínico da Gastrosquise
Manejo Clínico da Gastrosquise
 
O Papel dos Bancos de Leite Humano na Promoção e Proteção do Aleitamento Materno
O Papel dos Bancos de Leite Humano na Promoção e Proteção do Aleitamento MaternoO Papel dos Bancos de Leite Humano na Promoção e Proteção do Aleitamento Materno
O Papel dos Bancos de Leite Humano na Promoção e Proteção do Aleitamento Materno
 
Lactario parte 1
Lactario parte 1Lactario parte 1
Lactario parte 1
 
O Cuidado em Rede e a Prevenção da Morte Materna e Perinatal
O Cuidado em Rede e a Prevenção da Morte Materna e PerinatalO Cuidado em Rede e a Prevenção da Morte Materna e Perinatal
O Cuidado em Rede e a Prevenção da Morte Materna e Perinatal
 
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatalSegurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
 
Lista de Verificação da OMS para Partos Seguros
Lista de Verificação da OMS para Partos SegurosLista de Verificação da OMS para Partos Seguros
Lista de Verificação da OMS para Partos Seguros
 
Inserção do DIU de cobre: quando e como fazer?
Inserção do DIU de cobre: quando e como fazer?Inserção do DIU de cobre: quando e como fazer?
Inserção do DIU de cobre: quando e como fazer?
 
Cuidados com Cateteres de Longa Permanência: orientações para a Atenção Primá...
Cuidados com Cateteres de Longa Permanência: orientações para a Atenção Primá...Cuidados com Cateteres de Longa Permanência: orientações para a Atenção Primá...
Cuidados com Cateteres de Longa Permanência: orientações para a Atenção Primá...
 
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdfAulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
 
Boas Práticas na Obtenção e Manutenção do Acesso Venoso Periférico em Pediatria
Boas Práticas na Obtenção e Manutenção do Acesso Venoso Periférico em PediatriaBoas Práticas na Obtenção e Manutenção do Acesso Venoso Periférico em Pediatria
Boas Práticas na Obtenção e Manutenção do Acesso Venoso Periférico em Pediatria
 
biosseguranca_302_2005_ago_2014_v2.ppt
biosseguranca_302_2005_ago_2014_v2.pptbiosseguranca_302_2005_ago_2014_v2.ppt
biosseguranca_302_2005_ago_2014_v2.ppt
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnósticoDiabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
 

Ambientes de parto humanizados

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO “Cada nascimento é diferente. A experiência de cada mulher e a história a ser contada, tudo sempre será único".
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO Objetivos dessa apresentação Apresentar os ambientes de atenção ao parto, de maneira a facilitar a elaboração de projetos arquitetônicos voltados para a Rede Cegonha.
  • 4. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Introdução De acordo com a Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011, são objetivos da Rede Cegonha: • I – fomentar a implementação de novo modelo de atenção à saúde da mulher e à saúde da criança com foco na atenção ao parto, ao nascimento, ao crescimento e ao desenvolvimento da criança de zero aos vinte e quatro meses; • II – organizar a Rede de Atenção à Saúde Materna e Infantil para que esta garanta acesso, acolhimento e resolutividade; e • III – reduzir a mortalidade materna e infantil com ênfase no componente neonatal. BRASIL, 2011, art. 3º
  • 5. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Ambiência • Espaço físico, profissional e de relações interpessoais, relacionado à um projeto de saúde voltado para a atenção acolhedora, resolutiva e humana (ANVISA, 2008). • A intervenção nos espaços físicos (reforma e ampliação), de acordo com essa diretriz, vai além de uma organização físico-funcional, pode interferir e contribuir ou não para a qualificação dos processos de trabalho, a depender do modo como são conduzidos os processos de mudança. • Orienta-se discussão compartilhada dos projetos arquitetônicos como estratégia para melhorar as condições e os processos de trabalho no sentido das Boas Práticas e Humanização de partos e nascimentos.
  • 6. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Com base na RDC nº50, de 21 de fevereiro de 2002, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), para o Ministério da Saúde, os objetivos referentes aos serviços de arquitetura e/ou de engenharia são assim classificados: CONSTRUÇÃO – nova edificação desvinculada funcionalmente ou fisicamente de algum estabelecimento já existente.
  • 7. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Fluxos Para elaboração do projeto arquitetônico é importante ressaltar que se deve atentar para os fluxos de pacientes, visitantes e funcionários do estabelecimento. Em projetos arquitetônicos de maternidades atentar para o fluxo das gestantes.
  • 8. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Fluxo da parturiente de acordo com a RDC ANVISA nº36/2008 ACOLHIMENTO + ADMISSÃO Sala de Classificação de Risco Sala de Exame e Admissão de Parturientes Sala de Acolhimento da parturiente e seu acompanhante Quarto PPP Sala de Parto Cirúrgico PRÉ-PARTO PARTO PUERPÉRIO IMEDIATO PUERPÉRIO Quarto ou enfermaria para alojamento conjunto Porta de Entrada Unidade de Centro Obstétrico
  • 9. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Adequação de ambiência em ambientes de atenção ao parto e ao nascimento Objetivo da adequação da ambiência PORTA DE ENTRADA Classificação de Risco Acolhimento Atendimento à mulher e acompanhante Qualificar as reformas e ampliações, de maneira com que favoreça e facilite os processos de trabalho de parto de acordo com as boas práticas e a humanização na atenção aos partos e aos nascimentos, com a implementação do acolhimento, da classificação de risco, dos quartos PPP e dos alojamentos conjuntos garantindo conforto e privacidade para mãe, acompanhante e bebê.
  • 10. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Os espaços deverão: • Favorecer o acolhimento da gestante e seus acompanhantes; • Criar sala de Classificação de Risco próxima à equipe de acolhimento, com acesso tanto para a sala de espera quanto para o interior do hospital; • Criar ambiente confortável com quantidade de cadeiras adequadas à demanda das usuárias e acompanhantes; • Garantir atendimento do registro em bancadas baixas, com cadeiras e sem barreiras; • Instalação de bebedouros e equipamentos audiovisuais; • Condições de conforto lumínico, térmico e acústico; • Criar sistema de sinalização e comunicação visual acessíveis, de fácil compreensão e orientação.
  • 11. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Exemplo de porta de entrada (gestante deambulando) Obs: Nos casos de gestante chegar de ambulância (situação de emergência), indica-se porta de entrada específica.
  • 12. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Centro Obstétrico Centro Obstétrico Não há sala de parto normal Não há pré-parto QUARTO PPP com banheiro individual e acompanhante de livre escolha
  • 13. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O Ambiente do parto normal e do nascimento, faz parte do desenvolvimento do trabalho de parto.
  • 14. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Os projetos de reforma e ampliação para adequação da ambiência no Centro Obstétrico deverão: • Adequar a ambiência, possibilitando que os períodos clínicos do parto sejam assistidos no mesmo ambiente com a presença de acompanhante. • Transformar os tradicionais pré-partos coletivos em espaços individualizados de pré-parto, parto e pós- parto imediato (PPP) com acesso à banheiro, onde a mulher desenvolva todo processo de trabalho de parto e parto, podendo ser transferida após o pós-parto imediato para o alojamento conjunto, sempre com a presença do acompanhante de livre escolha. Esses espaços devem possibilitar a inclusão no ambiente, de métodos não farmacológicos de alívio da dor e estímulo ao trabalho de parto ativo, criando condições na ambiência que garantam à mulher a escolha das diversas posições no trabalho de parto e parto.
  • 15. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Os projetos de reforma e ampliação para adequação da ambiência no Centro Obstétrico deverão: • Adequar no quarto PPP área para cuidados com o RN, ou seja, que o atendimento imediato ao recém- nascido seja realizado no mesmo ambiente do parto, sem interferir na interação mãe e filho, com espaços adequados para as atividades, por exemplo, com a instalação de bancada com pia para os cuidados, provida de instalação de água quente, espaço para o berço, entre outros. • Criar espaços internos e/ou externos que permitam a deambulação e a movimentação ativa da mulher. • Possibilitar condições de conforto lumínico, térmico e acústico com o controle de luminosidade, de temperatura e de ruídos no ambiente. • Prever a sinalização adequada, com identificação das áreas de modo a orientar os usuários na sua mobilidade dentro da maternidade.
  • 16. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Exemplo de centro obstétrico
  • 17. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PRÉ-PARTO COLETIVO QUARTO PPP Extinção de pré-parto coletivo Espaços individualizado de pré-parto, parto e pós-parto imediato (PPP)
  • 18. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Alojamento Conjunto Alojamento Conjunto Privacidade da mulher, bebê e acompanhante DIMENSÕES RDC 36/2008 Cuidados com o RN no alojamento conjunto – prever bancada e HQ
  • 19. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Alojamento conjunto Os projetos de reforma e ampliação para adequação da ambiência na internação obstétrica alojamento conjunto deverão: • Garantir a privacidade da mulher/bebê e seu acompanhante, instalando-se cortinas, biombos ou divisórias quando o quarto não for individual • Contemplar sempre a presença do acompanhante, prevendo uma cadeira/poltrona inclinável para sua acomodação • Garantir que os cuidados com o recém-nascido sejam realizados no próprio alojamento conjunto, prevendo bancadas, armários e especialmente água quente para o banho • O acesso do alojamento conjunto ao banheiro deve ser direto e este conter chuveiro com água quente • É importante garantir uma ambiência confortável e acolhedora com conforto térmico, luminoso e acústico • Adequar espaços para solário (banho de sol) para os bebês e movimentação das mães
  • 20. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Exemplo de alojamento conjunto
  • 21. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Centro de parto normal Unidade destinada à assistência ao parto de risco habitual, vinculado a um estabelecimento hospitalar, localizada: Nas dependências internas - CPN Intra- hospitalar.
  • 22. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Centro de parto normal • Em áreas externas ao estabelecimento hospitalar – CPN PERI-HOSPITALAR
  • 23. AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Centro de parto normal Quarto PPP (Pré-parto, parto e pós parto) • Ambiente acolhedor; • Iluminação indireta; • Espaço para acompanhante; • Métodos de alívio da dor e facilitadores do trabalho de parto; • Pré-parto, parto e pós parto no mesmo ambiente; • Mãe, bebê e acompanhante no mesmo espaço; • Garantir que os cuidados com o recém-nascido sejam realizados no quarto PPP, prevendo bancadas com água quente para o banho (banho não acontece na bancada).
  • 24. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO “Ao intervir nos espaços físicos na saúde, não estamos apenas reformando e ampliando áreas, mas transformando e criando novas situações de convivência e trabalho”. Mirela Pessati
  • 25. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO • BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. RESOLUÇÃO – RDC Nº 53, de 14 de Novembro de 2013. Altera a Resolução RDC Nº 36, de 25 de julho de 2013 que institui ações para a segurança do paciente em serviços de saúde e dá outras providências. DOU. Nº 225 (nov.2013), Seção I, p.77. • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Orientações para elaboração de projetos arquitetônicos Rede Cegonha: ambientes de atenção ao parto e nascimento [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília : Ministério da Saúde, 2018. 48 p. : il. • BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº. 50 de 21 de fevereiro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Referências bibliográficas
  • 26. ATENÇÃO ÀS MULHERES portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 05 de novembro de 2018 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. PROJETOS ARQUITETÔNICOS DA REDE CEGONHA: AMBIENTES DE ATENÇÃO AO PARTO