Plantio de igrejas

985 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
985
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
60
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Plantio de igrejas

  1. 1.
  2. 2. PLANTIO DE IGREJAS<br />PAULO – UM EXCELENTE PARADIGMA DE PLANTADOR DE IGREJAS<br /> Foi ao mesmo tempo um teólogo profundo cuja mente brilhante fora capaz de, sob o influxo do Espírito, de sistematizar as bases da teologia cristã, um missionárioardoroso cuja paixão evangelística o levou a ultrapassar enormes barreiras para compartilhar a boa nova do evangelho e ainda revelou-se um pastor extremamente cuidadoso com os seus muitos filhos espirituais<br />
  3. 3. PLANTIO DE IGREJAS<br />PAULO – UM EXCELENTE PARADIGMA DE PLANTADOR DE IGREJAS – QUATRO CONVICÇÕES DE PAULO:<br /> <br /> 1 - A Convicção Ministerial: A Edificação da Igreja de Cristo<br />é na eclesiologia que aCristologiase planifica historicamente (Ef 1.23, Ef 2.15; 4.24; Cl 3.10). Ao plantar uma nova igreja, Paulo entendia estar dando concretude histórica a presença de Cristo neste mundo. Por isso ele via seu ministério como sendo o de edificar, construir, plantar, regar, fazer crescer a igreja de Jesus.<br />
  4. 4. PLANTIO DE IGREJAS<br /> 2 -  A Convicção Missionária: As Boas Novas como instrumento mais essencial da edificação da igreja<br />Na complexa “arquitetura” de edificar a igreja de Jesus, Paulo tinha uma preocupação essencial com o alicerce – O EVANGELHO.<br />Sua incrível criatividade metodológica de se fazer “tudo para todos, para, por todos os meios, chegar a salvar alguns”( I Cor 9:20-23) não implicava em negociar o conteúdo básico ou a raiz mais profunda.<br />
  5. 5. PLANTIO DE IGREJAS<br />3 - A Motivação Escatológica: O fim já começou!<br />Para ele o final dos tempos começou quando o tempo chegou a sua maturidade, alcançou a plenitude na pessoa de Jesus. Tal perspectiva injetava em suas veias missionárias um senso de urgência tão profundo que o levava a não ter dúvida de que "eis, agora, o tempo sobremodo oportuno, eis, agora, o dia da salvação” (2 Co 6.2b). O semear novas igrejas por todo o império era uma resposta imediata a urgência da missão.<br />
  6. 6. PLANTIO DE IGREJAS<br /> 4 - A Convicção Metodológica: A plantação de Igrejas Locais<br /> Era dentro do contexto da igreja local que Paulo discipulava os novos, identificava liderança e os levava a assumirem o cuidado das igrejas. Foi pelas igrejas que plantou que o evangelho foi sendo disseminado de geração em geração.<br />
  7. 7. PLANTIO DE IGREJAS<br />O contato com estas convicções de Paulo deve inspirar a todos nós envolvidos hoje com o processo de plantação de novas igrejas <br />
  8. 8. “Que posso dizer a meus irmãos em nome do Senhor? Que medida de nossos esforços foi feita de acordo com a luz que ao Senhor aprouve dar? Não podemos depender da forma ou do maquinismo externo. O que precisamos é da vivificadora influência do Espírito Santo de Deus. "Não por força, nem por violência, mas pelo Meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos." Zac. 4:6. Orai sem cessar, e vigiai, trabalhando de conformidade com vossas orações. Ao orardes, crede, confiai em Deus. Estamos no tempo da chuva serôdia, tempo em que o Senhor outorgará liberalmente o Seu Espírito. Sede fervorosos em oração, e vigiai no Espírito.”<br />

×