O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Métricas alternativas e marketing científico digital

111 visualizações

Publicada em

Apresentação feita por Ronaldo Ferreira de Araújo (UFAL) no VI Ciclo de Debates Periódicos UFSC, realizado nos dias 3 e 4 de de maio de 2018 na Universidade Federal de Santa catarina.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Métricas alternativas e marketing científico digital

  1. 1. MÉTRICAS ALTERNATIVAS & MARKETING CIENTÍFICO DIGITAL | ronaldfa | @ronaldfar Dr. Ronaldo Ferreira de Araújo Lab-iMetrics (UFAL)
  2. 2. Considerações iniciais Métricas alternativas Marketing científico digital Alguns desafios e perspectivas Imagem:https://bluesyemre.com/Imagem:https://www.overflowlocal.com/
  3. 3. Fonte: http://s3.amazonaws.com Considerações iniciais
  4. 4. Imagem: https://www.elsevier.com.br Imagem:https://ucsd.libguides.com/ Quantos artigos você revisou ano passado? Quantos aprovou? Quantos rejeitou? Quantos foram publicados? Eles já foram citados? Obtiveram alguma atenção online?
  5. 5. O sucesso das tecnologias da web social (wikis, blogs, microblogs e outras mídias sociais) tem aberto novas oportunidades para colaboração e compartilhamento de informação entre cientistas e pesquisadores Surgem novas e métricas que avaliam a atenção que seus trabalhos recebem e a visibilidade que atingem seus produtos de pesquisa (livros, artigos de periódico, apresentações, dados de pesquisa, etc).
  6. 6. Avaliação da produção científica; Novas práticas e ferramentas; Produção, consumo e disseminação online da produção científica. J. Priem, D. Taraborelli, P. Groth, C. Neylon (2010), Altmetrics: A manifesto, 26 Oct, 2010. http://altmetrics.org/manifesto Métricas alternativas: (altmetria)
  7. 7. Métricas baseadas na web social para análise de atividades acadêmicas. Quanto à avaliação assemelha-se um pouco ao fator de impacto, mas é mais social e responsivo. Medem aspectos desconsiderados nas citações, como, onde um artigo está sendo baixado, lido, compartilhado e discutido, o que amplia o olhar para a visibilidade e o alcance dos resultados de investigação, para além da comunidade científica. Métricas alternativas: o que são?
  8. 8. Método complementar de mensurar a repercussão da produção científica e de monitorar a forma como artigos científicos se disseminam na web social e são discutidos por pesquisadores e o público geral imediatamente após sua divulgação Impacto da pesquisa científica na era digital e das redes sociais com novas perspectivas para uma abordagem multidimensional sobre a visibilidade e o alcance das pesquisas, considerando inclusive uma nova relação entre ciência e sociedade Tradicionais + Alternativas = Quadro Completo
  9. 9. Existem ferramentas que podem ser utilizadas para acompanhamento, coleta e análise de dados altmétricos. Algumas de uso mais individual no qual o pesquisador analisa seu impacto e a repercussão de sua pesquisa como o ImpactStory que monitora o impacto de conteúdos disponibilizados online quanto às menções, tweets, citações em blogs, números de downloads e diversas outras formas alternativas de referência. Métricas alternativas: ferramentas e dados
  10. 10. Disponível em: https://impactstory.org/
  11. 11. Outras são voltadas para pesquisa de artigos de periódicos científicos, como é o caso do Altmetric.com Localiza e avalia a citação em blogs, mídias sociais e gestores de referências (Mendeley, CiteULike e o Zotero), de qualquer artigo que possua um Digital Object Indentifier (DOI) ou Uniform Resource Identifier (URI). Altmetric bookmarklet (browser); Altmetric Free Badges (blogs, currículo); Altmetric Explorer (pesquisa acadêmica). Altmetric ORCID Profile(dados do ORCID).
  12. 12. Tem se consolidado como ferramenta maior adesão entre editores e grandes publishers como Science e Nature e bases como Elsevier/Scopus, Springer e a SciELO, tendo sido utilizada como fonte de dados por diversas pesquisas nacionais e internacionais. Costuma ser a principal patrocinadora de eventos acadêmicos sobre o tema da altmetria na comunidade científica internacional: Divulga todo ano o The Altmetric Top100
  13. 13. A pontuação é uma medida geral da atenção que um artigo ou conjunto de dados tem recebido online, e deve refletir (i) a visibilidade (alcance) (ii) influência e engajamento (onde e quem)
  14. 14. Public Library of Science (PLoS) pioneira no desenvolvimento e adoção de altmetrics (2009) Acompanha Twitter, Facebook, Reddit, Mendeley, CiteULike, F1000Prime, ScienceSeeker, Blogs, Wikipedia, ORCID, comentários de PLoS +citações: PubMed Central e Figshare. Essas métricas são resumidas na página de um artigo no site da PLoS, e os pesquisadores podem passar o mouse sobre ou clicar no resumo para obter informações mais detalhadas Search - Institution: “Federal University of Santa Catarina”
  15. 15. Outras são mais de uso institucional como Plumx da Plum Analytics Ferramenta de altmetria da EBSCO information Services que demonstra a evidência da pesquisa, utilização, citação e comentários através de métricas de várias fontes online. Mostra a produção científica da instituição e de cada um de seus pesquisadores, porém não exclui aferição por métricas tradicionais. Cobre uma variedade de artefatos de pesquisa e não só artigos.
  16. 16. Outros serviços...
  17. 17. Outros serviços... Fonte: https://figshare.com/
  18. 18. Indexadores tem exigido aferição desses dados como condição de ingresso e permanência de revistas em suas bases. Plano operacional de marketing e divulgação Disseminação das pesquisas nas redes sociais mais pertinentes, utilizando o Twitter, o Facebook e/ou outros sistemas. As demandas reforçam novas práticas e exigem adoção de estratégias condizentes com tais ambientes. SCIENTIFIC ELETRONIC LIBRARY ONLINE (SciELO). Critérios, política e procedimentos para a admissão e a permanência de periódicos científicos na Coleção SciELO Brasil. São Paulo: SciELO, 2014 e 2017.
  19. 19. Estratégia empregada em produtos da ciência, aliada à comunicação científica e comunicação digital, com o intuito de oferecer serviços alinhados às necessidades dos usuários, visando à promoção de periódicos, pesquisas e pesquisadores, com foco na visibilidade científica. MARKETING CIENTÍFICO MARKETING DIGITAL MARKETING CIENTÍFICO DIGITAL Marketing Científico Digital: o que é?
  20. 20. BIZZOCCHI, A. Marketing científico: o papel do marketing na difusão da ciência. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 24., Salvador , 2002. Anais... Salvador: SBEIC, 2002
  21. 21. Marketing Científico Digital: princípio Imagem:http://hamyarweb.ir Marca Relacionamento
  22. 22. Às vezes, fazer boa ciência não é suficiente. Como destacar publicações dentre cerca de 800.000 manuscritos de ciência e engenharia que são publicados a cada ano? Valorização da pesquisa para atração de financiamentos, investimentos e parcerias Comunicar a ciência com uma variedade de partes interessadas (mídia, academia, público...) Visibilidade e reputação frente ao crescente tamanho da comunidade científica Marketing Científico Digital: por quê? The scientific marketplace. Nature Materials, 11, 259 (2012). http://doi.org/10.1038/nmat3300
  23. 23. ARAÚJO, Ronaldo Ferreira de - Marketing científico digital e métricas alternativas para periódicos: da visibilidade ao engajamento. Perspectivas em Ciência da Informação. v.20, n.3, ,p. 67-84, 2015 Marketing Científico Digital: como fazer? 1) construir e manter uma presença online 2) oferecer conteúdo adequado aos ambientes em que atuar 3) estabelecer atuação responsiva
  24. 24. A dedicação a essas três questões é fundamental para a geração e acompanhamento das principais métricas que o marketing digital tem a oferecer ao marketing científico: ● visibilidade (audiência, alcance: fãs, seguidores) ● influência (reputação) ● engajamento (interações) ● conversão (alcance de metas pré- estabelecidas) Também vistas como indicadores de valores construídos na rede. RECUERO, R. Redes sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.
  25. 25. Um plano de marketing científico digital aplicado a portais, periódicos ou outros produtos da ciência pode considerar essas quatro métricas básicas. Deve ser pensado de forma alinhada às estratégias de promoção de revistas, artigos, autores, realizando divulgação científica, analisando feedbacks e monitorando os ambientes digitais periodicamente com a finalidade de atingir melhores resultados. ARAUJO, R. F.. Marketing científico digital e métricas de mídias sociais: indicadores-chave de desempenho de periódicos no Facebook. Inf & Soc: Estudos, v. 28, p. 7-22, 2018.
  26. 26. Não só o conteúdo, mas a forma como ele é veiculado tem sido determinante para despertar na fanbase da revista o interesse em acessar e se informar sobre algum artigo. Colaboratividade: convide autores/especialistas a contribuírem (texto, vídeo) | Linguagem acessível O interesse público pela ciência foi e ainda é um grande desafio a ser analisado nas ações comunicação e divulgação científica Considerações finais: desafios e perspectivas
  27. 27. • Teórico-conceitual e Político: – superar resistências e preconceitos quanto ao uso do marketing na ciência – teoria crítica do marketing e o marketing social – Melhor compreensão do que as métricas alternativas que realmente são? O que representam? O que queremos delas? • Inconsistência das fontes e cobertura: – baixa cobertura de indicadores altmétricos para pesquisas do Brasil e América Latina – Application Programming Interface (API) das mídias sociais como Facebook e Twitter
  28. 28. • Boas práticas de marketing científico digital: equipes envolvidas, ações, resultados • Estudos panorâmicos da altmetria: áreas de conhecimento, temas, periódicos, instituições, pesquisadores • Estudo de compreensão e qualificação das fontes: como funcionam, qual sua implicação para comunicação científica • Identificação de comunidades de atenção: perfis dos usuários (acadêmicos ou público geral), comportamento, razões de menções
  29. 29. “Presença e a performance de periódicos brasileiros no Facebook por meio de indicadores- chave de desempenho” Universo: 310 Periódicos Presença online: 29,6% Fanpage Karma Análise de 67 páginas ARAUJO, R. F.. Marketing científico digital e métricas de mídias sociais: indicadores-chave de desempenho de periódicos no Facebook. Inf & Soc: Estudos, v. 28, p. 7-22, 2018. “divulgação científica sistemática das revistas do portal e aferição de altmétricas como forma de avaliação do alcance” ARAUJO, R. F.; MURAKAMI, T.; SERRADAS, A. O desempenho almétrico de artigos de revistas do portal USP no Facebook: o diferencial da divulgação científica?. Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria, v.6, Rio de Janeiro, 2018 (no prelo).
  30. 30. ARAÚJO, R. F.. The “communities of attention network” around a pharmacological paper. 2017 (no prelo)
  31. 31. As métricas alternativas carecem de mais estudos que aprofundem sua discussão teórica e metodológica atenta a sua contribuição para a comunicação científica e podem ser pensadas no âmbito das ações do marketing científico digital. Eventos: Eixo: Webometria e Altmetria Painel: Presença na Web dos periódicos e das pesquisas que comunicam Submissão de trabalhos Palestra: “Métricas para analisar o desempenho dos periódicos”
  32. 32. Obrigado! @ronaldfar ronaldfa@gmail.com www.ronaldfar.wordpress.com

×