Noções de Administração Pública para Ancine

22.724 visualizações

Publicada em

Aula demonstrativa do curso Noções de Administração Pública para Ancine - Todos os cargos. Confira todo o catálogo do Ponto dos Concursos: http://www.pontodosconcursos.com.br

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
22.724
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
274
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
739
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Noções de Administração Pública para Ancine

  1. 1. Nome99999999999 NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – TEORIA E EXERCÍCIOS ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO E TÉCNICO EM REGULAÇÃO PROFESSOR: MARCO AURÉLIO CORRÊA AULA DEMONSTRATIVA Olá pessoal, Sejam bem-vindos ao nosso curso de Noções de Administração Pública para o cargo de Técnico Administrativo e de Técnico em Regulação da 99 Ancine – Agência Nacional do Cinema. 99 99 Este curso destina-se aos candidatos a Técnico Administrativo e a Técnico em 99 Regulação da Atividade Cinematográfica e Audiovisual, pois, nossa matéria 99 encontra-se na parte de conhecimentos básicos do edital e, dessa forma, o e9 conteúdo é o mesmo para os dois cargos. om N Já fui Analista Administrativo em uma agência reguladora e percebo que a 99 regulação vem se firmando, cada vez mais, como atividade típica de Estado, o 99 que contribui para o fortalecimento e valorização da carreira. 99 99 Em 2004, por exemplo, por meio da Lei 10.871/2004 (alterada posteriormente 99 e9 pela Lei 11.292/2006), houve uma reestruturação da carreira, com aumentos om significativos de remuneração. Atualmente, os servidores das agências estão pleiteando um novo plano, que proporcionará uma nova melhoria na N 99 remuneração. Enfim pessoal, dediquem-se! Realmente é uma carreira que 99 vale o esforço. 99 99 DICA importante para este concurso: pessoal, leram com atenção o item 99 8.10.2 do edital? Acredito que sim. Mas, caso não tenham lido, dêem uma e9 lidinha nele agora: om N 8.10.2 A nota em cada item das provas objetivas, feita com base nas 9 marcações da folha de respostas, será igual a: 1,00 ponto, caso a resposta do 99 candidato esteja em concordância com o gabarito oficial definitivo das provas; 99 0,50 ponto negativo, caso a resposta do candidato esteja em 9 99 discordância com o gabarito oficial definitivo das provas; 0,00, caso não 99 haja marcação ou haja marcação dupla (C e E) (grifei). e9 om Perceberam futuros Técnicos da Ancine? Diferentemente da maioria das provas N de Certo e Errado do CESPE, nessa prova, uma questão errada penalizará o 99 candidato somente em 0,5 ponto e não em 1,00, como normalmente ocorre. 9 99 Ou seja, a cada 2 questões erradas, o candidato perderá 1 certa. Isso significa 99 que vocês podem arriscar um pouco mais, sem precisar ter tanto medo de 99 verem anulados os itens que foram marcados com convicção. 9 e9 Não estou sugerindo que saiam chutando de forma indiscriminada. Estouom simplesmente chamando a atenção para o critério adotado, o qual permite aoN candidato arriscar um pouco mais naquelas questões em que tem “quase certeza” da resposta e que, normalmente, não marcaria, por medo de ter 1 ponto anulado. Prof. Marco Aurélio Corrêa www.pontodosconcursos.com.br 1O conteúdo deste curso é de uso exclusivo de Nome99999999999, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia,divulgação e distribuição, sujeitando-se os infratores à responsabilização civil e criminal.
  2. 2. Nome99999999999 NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – TEORIA E EXERCÍCIOS ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO E TÉCNICO EM REGULAÇÃO PROFESSOR: MARCO AURÉLIO CORRÊA AULA DEMONSTRATIVA Bom, feita essa necessária observação, vamos à apresentação: meu nome é Marco Aurélio Corrêa e Cunha, sou bacharel em Administração pela UFES – Universidade Federal do Espírito Santo. Sou pós-graduado em Direito do Estado e pós-graduando em Auditoria Governamental. 99 99 Exerço atualmente o cargo de Auditor Federal de Controle Externo no 99 Tribunal de Contas da União (pessoal, o negrito não é por arrogância. É por 99 orgulho mesmo ☺). Antes de chegar ao TCU – que sempre foi minha meta 99 e9 final – exerci os cargos de Analista Administrativo na Anatel e de Analista de om Administração no Ministério das Comunicações, tendo obtido o 1º lugar em ambos os concursos. N 99 99 Obtive êxito também no concurso do MPU, ocorrido em 2010, no qual fui 99 aprovado em 4º lugar para o cargo de Analista de Controle Interno. Porém, 99 apesar de ter sido nomeado na primeira chamada, não tomei posse, pois, na 99 ocasião, optei por ficar na ANATEL. e9 om Enfim, minha preparação para esses e outros certames me proporcionou certa N experiência em provas de concursos. Espero compartilhar essa experiência e 99 contribuir, de forma efetiva, para a aprovação de vocês. 99 99 Sabemos que o trajeto é um pouco árduo. No entanto, com foco, metodologia, 99 disciplina, perseverança e bom material de apoio, tenho certeza de que 99 lograrão êxito na empreitada. e9 om Não existe um livro que reúna todo o conteúdo de Administração Pública N cobrado no edital da Ancine. Até porque esse conteúdo é uma miscelânea de 9 99 Administração Geral e de Administração Pública. 9 99 Assim, não é interessante estudar por livros. Muito tempo seria gasto na 99 tentativa de reunir material. Além disso, haveria o risco de se focar em 99 assuntos que não são tão importantes para a prova. e9 om Então, fiquem tranquilos. Estudem pelas aulas. Assumo com vocês o N compromisso de simplificar ao máximo o conteúdo. Minha estratégia será a de 99 focar naquilo que realmente interessa para a prova, tomando como ponto de 9 99 partida questões de concursos recentes do CESPE, acerca da matéria. 99 99 Nosso curso on-line será composto por quatro aulas (incluindo esta aula 9 demonstrativa). Cada aula conterá, aproximadamente, sessenta a oitenta e9om páginas. A metodologia utilizada incluirá as seguintes estratégias didáticas:N Exposição teórica A exposição teórica sobre os assuntos abordados será a mais sucinta possível, até o limite que não comprometa o aprendizado do aluno. Prof. Marco Aurélio Corrêa www.pontodosconcursos.com.br 2O conteúdo deste curso é de uso exclusivo de Nome99999999999, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia,divulgação e distribuição, sujeitando-se os infratores à responsabilização civil e criminal.
  3. 3. Nome99999999999 NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – TEORIA E EXERCÍCIOS ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO E TÉCNICO EM REGULAÇÃO PROFESSOR: MARCO AURÉLIO CORRÊA AULA DEMONSTRATIVA Exemplos Apesar de nossa matéria abordar assuntos, na maioria das vezes, extremamente teóricos, sempre que for conveniente, apresentarei exemplos 99 logo após a apresentação de determinado assunto, com o objetivo de fornecer 99 ao aluno uma visão prática acerca do tema. 99 99 Não se trata de perda de tempo com aspectos de cunho prático que não 99 interessam para a prova, mas sim, de apresentação de algumas situações e9 hipotéticas ou casos práticos que auxiliem o entendimento da matéria e om ajudem o aluno a desenvolver um raciocínio acerca do assunto. Isso contribui N bastante na hora da prova e torna o aluno menos dependente do indesejado 99 99 “decoreba”. 99 99 Exposição em forma de perguntas 99 e9 Frequentemente, formularei algumas perguntas, como se tivessem sido om formuladas pelo próprio aluno. Darei a resposta em seguida. Isso ajudará a criar um “clima” de aula presencial, além de dinamizar o aprendizado. N 99 99 Caiu na prova 99 99 Sempre que possível, serão incluídas questões da banca, logo após a exposição 99 teórica de um determinado assunto, com breve comentário que remeta ao e9 conteúdo recém-apresentado. Isso é importante para criar uma conexão om direta entre a teoria e a prática de prova, ou seja, entre o conteúdo e a forma N com que a banca cobra o assunto. 9 99 Entendimento da banca 9 99 99 Quando for importante, será chamada a atenção do candidato acerca do 99 entendimento e posicionamento da banca em relação a determinado assunto e9 ou conceito apresentado. Isso é muito útil quando há divergência doutrinária om acerca do tema. N 99 Fique atento 9 99 Esta seção terá como objetivo informar o aluno sobre pontos importantes da 99 matéria como, por exemplo, os assuntos muito cobrados em prova, os que não 9 99 podem passar despercebidos pelo leitor ou os que podem gerar confusão de e9 interpretação e entendimento.omN Questões comentadas Após a explanação de cada tópico abordado na aula, será apresentada uma lista de questões acerca do tema exposto, com comentários que retomarão a teoria apresentada. Prof. Marco Aurélio Corrêa www.pontodosconcursos.com.br 3O conteúdo deste curso é de uso exclusivo de Nome99999999999, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia,divulgação e distribuição, sujeitando-se os infratores à responsabilização civil e criminal.
  4. 4. Nome99999999999 NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – TEORIA E EXERCÍCIOS ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO E TÉCNICO EM REGULAÇÃO PROFESSOR: MARCO AURÉLIO CORRÊA AULA DEMONSTRATIVA Serão utilizadas, preferencialmente, questões de provas recentes. Questões mais antigas poderão ser usadas em caráter excepcional, se houver escassez de questões recentes acerca do tema. 99 Ao final da aula, será apresentada essa mesma lista somente com os 99 gabaritos, para aqueles que já tenham algum conhecimento da matéria e 99 prefiram resolver as questões, antes mesmo de iniciar a leitura da parte 99 teórica. 99 e9 Gostaria de ressaltar que críticas e sugestões acerca da metodologia utilizada om ou de qualquer outro aspecto relacionado a nosso curso serão muito bem- N vindas e, sempre que possível, consideradas e implementadas. 99 99 Se ainda persistirem dúvidas acerca do conteúdo, da metodologia utilizada ou 99 99 da organização do curso, fiquem à vontade para entrar em contato pelo e-mail 99 marco.correa@pontodosconcursos.com.br. e9 om Bom pessoal, tentei reunir nas minhas aulas algumas metodologias e ferramentas que, na minha época de candidato, julgava importantes e N 99 considerava que ajudavam bastante na minha preparação. Espero que gostem 99 e que contribuam efetivamente para a conquista da tão sonhada aprovação. 99 99 O conteúdo do nosso curso não seguirá a mesma sequência com que os 99 assuntos foram apresentados no edital do certame. Por motivos didáticos, foi e9 organizado obedecendo a uma ordem que permitirá que o aluno conheça om assuntos que são pré-requisitos para o próximo tópico, o que proporcionará N um aprendizado gradativo. 9 99 Por se tratar conteúdo não muito extenso, formulei um cronograma segundo o 9 99 qual as aulas serão disponibilizadas em um espaço maior de tempo (a cada 15 99 dias). Isso possibilitará um estudo mais gradativo e detalhado do assunto, 99 além de proporcionar um período maior de contato com o professor. e9 om Mesmo com aulas a cada 15 dias, a última aula de nosso curso está prevista N para 12/9. Assim, o aluno ainda disporá de 10 dias para efetuar a importante 99 e necessária revisão de véspera de prova (lembrem-se: nem sempre passam 9 99 os que sabem mais, e sim, os que lembram mais). 99 9 99 e9omN Prof. Marco Aurélio Corrêa www.pontodosconcursos.com.br 4O conteúdo deste curso é de uso exclusivo de Nome99999999999, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia,divulgação e distribuição, sujeitando-se os infratores à responsabilização civil e criminal.
  5. 5. Nome99999999999 NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – TEORIA E EXERCÍCIOS ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO E TÉCNICO EM REGULAÇÃO PROFESSOR: MARCO AURÉLIO CORRÊA AULA DEMONSTRATIVA As aulas terão a seguinte divisão e cronograma: Item(s) Aula Assunto do Data 99 edital 99 Noções de administração 99 pública. 99 Demonstrativa Abordagens clássica, 1 e 1.1 1/8/2012 99 burocrática e sistêmica da e9 administração. om Processo administrativo. N Funções da administração: 99 planejamento, organização, 2; 2.1; Aula 1 15/8/2012 99 direção e controle. 2.2 e 2.3 99 Estrutura organizacional. 99 Cultura organizacional. 99 Evolução da administração e9 pública no Brasil após 1930. 1.2; 1.3 Aula 2 29/8/2012 om Reformas administrativas. N e 1.4 A nova gestão pública. 99 Aula 3 Modelo do gespública. 3 12/9/2012 99 99 Bem, como podem perceber, temos bastante trabalho pela frente. Não é 99 mesmo? Vamos começar então? 99 e9 Ânimo pessoal! Manter o alto-astral e a autoestima é essencial para uma om preparação de sucesso. N 9 99 9 99 99 99 e9 om N 99 9 99 99 9 99 e9omN Prof. Marco Aurélio Corrêa www.pontodosconcursos.com.br 5O conteúdo deste curso é de uso exclusivo de Nome99999999999, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia,divulgação e distribuição, sujeitando-se os infratores à responsabilização civil e criminal.
  6. 6. Nome99999999999 NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – TEORIA E EXERCÍCIOS ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO E TÉCNICO EM REGULAÇÃO PROFESSOR: MARCO AURÉLIO CORRÊA AULA DEMONSTRATIVA Conteúdo da Aula Aula Noções de administração pública. Demonstrativa Abordagens clássica, burocrática e sistêmica da administração. 99 99 1 Introdução às Abordagens da Administração .................................................................................... 7 99 99 2 Abordagem Clássica da Administração .............................................................................................. 8 99 2.1 Administração Científica ................................................................................................................ 9 e9 om 2.1.1 Princípios da Administração Científica .............................................................................. 10 N 2.1.2 Organização Racional do Trabalho.................................................................................... 11 99 99 2.1.3 Desvantagens da Administração Científica ...................................................................... 13 99 2.2 Teoria Clássica.............................................................................................................................. 15 99 99 2.2.1 Princípios Gerais da Teoria Clássica da Administração ................................................. 17 e9 om 2.2.2 Desvantagens da Teoria Clássica ..................................................................................... 19 N 3 Modelo Burocrático ............................................................................................................................... 20 99 3.1 Características da Burocracia ..................................................................................................... 22 99 99 3.2 Vantagens da Burocracia ............................................................................................................ 27 99 3.3 Disfunções e Esgotamento da Burocracia ................................................................................ 29 99 e9 4 Teoria Sistêmica ................................................................................................................................... 32 om 4.1 Parâmetros dos Sistemas ........................................................................................................... 35 N 9 4.2 Principais Características da Teoria Sistêmica ........................................................................ 37 99 99 5 Quadro Comparativo das Abordagens/Teorias da Administração................................................ 40 9 99 6 Questões Comentadas ........................................................................................................................ 41 99 e9 7 Questões Utilizadas na Aula ............................................................................................................... 53 om 8 Referências ............................................................................................................................................ 59 N 9 99 99 99 9 99 e9omN Prof. Marco Aurélio Corrêa www.pontodosconcursos.com.br 6O conteúdo deste curso é de uso exclusivo de Nome99999999999, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia,divulgação e distribuição, sujeitando-se os infratores à responsabilização civil e criminal.
  7. 7. Nome99999999999 NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – TEORIA E EXERCÍCIOS ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO E TÉCNICO EM REGULAÇÃO PROFESSOR: MARCO AURÉLIO CORRÊA AULA DEMONSTRATIVA 1 Introdução às Abordagens da Administração Antes de estudarmos especificamente o que está sendo cobrado no edital, é importante fazer uma contextualização acerca das abordagens da 99 administração. Inicialmente, vale destacar, conforme já comentamos na 99 99 introdução desta aula, que o conteúdo exigido no edital acerca de 99 Administração Pública contém uma parte que, na verdade, diz respeito à 99 Administração Geral. e9 om Isso é muito comum nos editais de concursos, até porque, esses assuntos são, N em sua maior parte, totalmente inter-relacionados. Dessa forma, o que se 99 exige de nós nos tópicos do edital que estudaremos nesta aula (1 e 1.1) são 99 conhecimentos acerca de algumas das diversas abordagens da administração. 99 99 Mas, professor! Poderia explicar melhor o que seria uma 99 “abordagem” da administração? e9 om N Claro que sim. Até porque o conceito de abordagem e os demais que 99 relacionarei em seguida são indispensáveis para prosseguirmos nosso 99 estudo... 99 99 Maximiano apresenta, entre outros, os seguintes conceitos: 99 e9 Teoria: explicações, interpretações ou proposições sobre a realidade. om Exemplos: teoria da burocracia, teoria da motivação, teoria do processo N administrativo etc. 9 99 Modelo de gestão (ou de administração): conjunto de doutrinas e 99 técnicas do processo administrativo. Exemplos: modelo japonês e 9 99 modelo burocrático de administração etc. 99 e9 Abordagem (ou escola): linha de pensamento ou conjunto de autores om que utilizaram o mesmo enfoque. Ou seja, escolheram o mesmo aspecto N específico para analisar, ou adotaram o mesmo raciocínio. Exemplos: 99 abordagem clássica, abordagem estruturalista, abordagem das relações 9 99 humanas etc. 99 99 Assim, temos que as teorias da administração são conhecimentos organizados, 9 produzidos pela experiência prática das organizações. O que normalmente se e9 denomina de teoria geral da administração é o conjunto dessas váriasom teorias, as quais reúnem modelos de gestão, doutrinas, enfoques, técnicas etc.N Nesse contexto da teoria geral da administração, surge o conceito de abordagem (ou, como é mais comumente utilizado, de escola da administração). Prof. Marco Aurélio Corrêa www.pontodosconcursos.com.br 7O conteúdo deste curso é de uso exclusivo de Nome99999999999, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia,divulgação e distribuição, sujeitando-se os infratores à responsabilização civil e criminal.
  8. 8. Nome99999999999 NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – TEORIA E EXERCÍCIOS ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO E TÉCNICO EM REGULAÇÃO PROFESSOR: MARCO AURÉLIO CORRÊA AULA DEMONSTRATIVA Abordagem então seria um conceito mais amplo, que pode contemplar uma ou ão mais teorias ou modelos de gestão. Existem várias abordagens administrativas, por exemplo, a abordagem 99 clássica, a abordagem humanística, a abordagem estruturalista, a abordagem 99 comportamental, a abordagem sistêmica etc. 99 99 No entanto, não são todas essas abordagens que nos interessam neste curso. 99 O edital só nos exigiu o conhecimento das abordagens clássica burocrática clássica, e9 e sistêmica da administração. om N Na verdade, nem tudo que nosso edital chamou de abordagem, é, de fato, 99 uma abordagem da administração. Por exemplo, em vez de abordagem administração. 99 burocrática, seria mais apropriado se fosse utilizado o termo modelo 99 99 burocrático. 99 e9 Explicando melhor essa divisão, temos: A abordagem clássica é composta pelo modelo de administração om N científica e pela teoria clássica. 99 99 A abordagem estruturalista é composta pelo modelo burocrático e pela 99 99 teoria estruturalista. 99 e9 A abordagem sistêmica é composta pela teoria da tecnologia da om informação, teoria matemática de administração e pela teoria matemática sistêmica. N 9 99 Assim, sendo fiel à nossa linha de limitar o conteúdo da aula ao que realmente 99 interessa para a prova, focarei o estudo na abordagem clássica, no modelo , 9 99 burocrático e na teoria sistêmica sistêmica. 99 e9 Tecnologia da om Informação Administração Modelo N Científica Burocrático Abordagem Abordagem Abordagem Teoria 99 Clássica Estruturalista Sistêmica Matemática Teoria 9 99 Teoria Clássica Estruturalista Teoria 99 Sistêmica 9 99 A seguir, veremos com mais detalhes os aspectos inerentes a cada uma dessas e9 abordagens, teorias e modelos (destacados em vermelho no esquema acima) , acima).omN 2 Abordagem Clássica da Administração A passagem para o século XX marcou o início de um grande avanço para a administração, impulsionado pela expansão da Revolução Industrial, que criou uma nova realidade para as organizações. Nesse período, as idéias de dois período, engenheiros constituíram a base da chamada Abordagem Clássica da bordagem Prof. Marco Aurélio Corrêa www.pontodosconcursos.com.br 8O conteúdo deste curso é de uso exclusivo de Nome99999999999, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia,divulgação e distribuição, sujeitando-se os infratores à responsabilização civil e criminal.
  9. 9. Nome99999999999 NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – TEORIA E EXERCÍCIOS ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO E TÉCNICO EM REGULAÇÃO PROFESSOR: MARCO AURÉLIO CORRÊA AULA DEMONSTRATIVA Administração, cujos postulados prevaleceram no âmbito da ciência administrativa por quatro décadas. Frederick Winslow Taylor iniciou a chamada Escola de Administração Científica, 99 a qual se concentrou no aumento da eficiência da indústria, por meio da 99 racionalização do trabalho do operário. 99 99 Henry Fayol desenvolveu a chamada Teoria Clássica (denominada por alguns 99 autores de Escola do Processo de Administração). Essa teoria também se e9 preocupou com o aumento da eficiência da empresa. Só que, para isso, o foco om de Fayol não foi especificamente a racionalização do trabalho, como foi o de N Taylor, e sim, a organização da empresa e a aplicação de princípios gerais da 99 99 administração em bases científicas. 99 99 A abordagem clássica teve sua origem nas consequências geradas pela 99 Revolução Industrial, mais especificamente em relação aos seguintes fatos: e9 om Crescimento acelerado e desorganizado das empresas: esse crescimento ocasionou uma gradativa complexidade na administração N 99 das empresas e exigiu uma abordagem científica mais apurada de 99 administração, que substituísse o empirismo e a improvisação até então 99 dominantes. 99 99 Crescente demanda por aumento de eficiência e competência das e9 organizações: era preciso desenvolver técnicas que permitissem obter o om melhor rendimento possível dos recursos produtivos e fazer face à N concorrência e à competição acirrada que surgia entre as empresas. 9 99 Em seguida, aprofundaremos um pouco o estudo acerca das características e 9 99 modelos de aplicação dessas duas teorias que constituem a abordagem 99 clássica de administração. 99 e9 2.1 Administração Científica om N A denominação “Administração Científica” surgiu em virtude da tentativa de 99 aplicação de métodos científicos aos problemas da administração, com o 9 99 intuito de aumentar a eficiência da indústria. 99 99 Idealizada por Frederick Winslow Taylor, a administração científica teve como 9 foco principal a redução de desperdício e perdas e a elevação dos níveis de e9 produtividade das indústrias, por meio da aplicação de métodos e técnicas daom engenharia industrial.N A escola de administração científica enfatizava as tarefas executadas pelos operários. Inicialmente, Taylor focou em técnicas de racionalização do trabalho, por meio do estudo de tempos e movimentos. Evoluindo em sua teoria, concluiu que a racionalização do trabalho operário deveria ser Prof. Marco Aurélio Corrêa www.pontodosconcursos.com.br 9O conteúdo deste curso é de uso exclusivo de Nome99999999999, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia,divulgação e distribuição, sujeitando-se os infratores à responsabilização civil e criminal.
  10. 10. Nome99999999999 NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – TEORIA E EXERCÍCIOS ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO E TÉCNICO EM REGULAÇÃO PROFESSOR: MARCO AURÉLIO CORRÊA AULA DEMONSTRATIVA acompanhada de uma estruturação geral, para que os princípios de sua teoria pudessem ser aplicados em toda a empresa. Para Taylor, a indústria por ele analisada padecia dos seguintes principais 99 problemas: 99 99 Trabalhadores não cumpriam as suas responsabilidades e eram alocados 99 em tarefas para as quais não possuíam aptidão. 99 e9 Conflitos entre capatazes e operários, que discordavam a respeito da om quantidade de produção. N 99 Gerência desconhecia as rotinas de trabalho e o tempo necessário para a 99 realização de cada tarefa e não tinha noção clara da divisão de suas 99 responsabilidades com os trabalhadores. 99 99 Gerência parecia ignorar que a excelência no desempenho significaria e9 recompensas para a empresa e para os trabalhadores. om N Falta de uniformidade das técnicas e dos métodos de trabalho e de 99 incentivos para melhorar o desempenho dos trabalhadores. 99 99 Decisões administrativas baseadas em intuição e palite, em vez de 99 métodos científicos. 99 e9 Falta de integração entre os departamentos da empresa. om N A partir de suas observações e experiências, Taylor começou a desenvolver 9 99 seu sistema de administração de tarefas, o qual, posteriormente, ficaria 99 conhecido como sistema Taylor, taylorismo e, finalmente, administração 9 99 científica. 99 e9 A teoria de Taylor baseou-se em princípios e métodos, os quais possuíam como om objetivo a organização racional do trabalho, de modo a substituir o empirismo então vigente por ciência administrativa. N 99 9 2.1.1 Princípios da Administração Científica 99 99 A preocupação com a padronização e racionalização levou Taylor a desenvolver 99 os seguintes princípios: 9 e9om Princípio do planejamento: visou à substituição da improvisação e doN empirismo pela ciência, por meio do planejamento do método de trabalho. Principio do preparo: preparar e treinar os trabalhadores para produzirem mais e melhor, levando em consideração suas aptidões e o método planejado. Prof. Marco Aurélio Corrêa www.pontodosconcursos.com.br 10O conteúdo deste curso é de uso exclusivo de Nome99999999999, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia,divulgação e distribuição, sujeitando-se os infratores à responsabilização civil e criminal.
  11. 11. Nome99999999999 NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – TEORIA E EXERCÍCIOS ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO E TÉCNICO EM REGULAÇÃO PROFESSOR: MARCO AURÉLIO CORRÊA AULA DEMONSTRATIVA Princípio do Controle: controlar para assegurar que o trabalho esteja sendo desenvolvido conforme os métodos estabelecidos e de acordo com o plano previsto. 99 Principio da execução: distribuir atribuições e responsabilidades para 99 que a execução do trabalho seja disciplinada. 99 99 Outro princípio importante idealizado por Taylor foi o da exceção. De acordo 99 com esse princípio, tudo que ocorresse dentro dos padrões normais não e9 deveria ocupar demasiadamente a atenção do administrador. Este deveria om preocupar-se com as exceções (ocorrências que se afastam dos padrões de N normalidades), para que possam ser rapidamente corrigidas. 99 99 2.1.2 Organização Racional do Trabalho 99 99 Em suas observações, Taylor percebeu que a falta de uma metodologia para a 99 e9 preparação e treinamento dos operários para o trabalho fazia com que estes om utilizassem diferentes métodos para desenvolverem a mesma tarefa e uma grande variedade de ferramentas diferentes em cada operação. N 99 99 A organização racional do trabalho visou, então, ao desenvolvimento de 99 melhores métodos e instrumentos para o trabalho, que poderiam ser obtidos 99 por intermédio de uma análise científica e de um minucioso estudo de tempos 99 e movimentos, com vistas à padronização de uma metodologia de trabalho, no e9 lugar do critério pessoal de cada operário. om N Assim, a organização racional do trabalho, idealizada por Taylor, teve como 9 fundamento os seguintes preceitos: 99 99 Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos: o trabalho 9 99 é executado de maneira mais racional e econômica por intermédio da 99 divisão e subdivisão de todos os movimentos necessários à execução de e9 cada operação de uma tarefa. om N Dessa forma, o estudo dos tempos e movimentos permitiria, segundo 99 Taylor, a racionalização do método de trabalho e a fixação dos tempos- 9 99 padrão para a execução das tarefas, além de trazer as seguintes 99 vantagens adicionais: 9 99 o Eliminação do desperdício do esforço humano e de movimentos e9 desnecessários.omN o Seleção racional de operários para determinadas tarefas e melhor adaptação deles a essas tarefas. o Facilidade no treinamento e melhoria da eficiência da produção. o Distribuição uniforme do trabalho. Prof. Marco Aurélio Corrêa www.pontodosconcursos.com.br 11O conteúdo deste curso é de uso exclusivo de Nome99999999999, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia,divulgação e distribuição, sujeitando-se os infratores à responsabilização civil e criminal.
  12. 12. Nome99999999999 NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – TEORIA E EXERCÍCIOS ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO E TÉCNICO EM REGULAÇÃO PROFESSOR: MARCO AURÉLIO CORRÊA AULA DEMONSTRATIVA o Definição de métodos e normas padronizadas para o trabalho. o Uniformidade de salários e de prêmios de produção. 99 Estudo da fadiga humana: o estudo dos movimentos humanos, que 99 vimos no princípio anterior, possuía como finalidades evitar movimentos 99 inúteis e executar, do ponto de vista fisiológico, movimentos úteis de 99 forma econômica e adequar os movimentos ao trabalho a ser executado 99 (princípio de economia de movimentos). e9 om Assim, a administração científica objetivou a racionalização dos N movimentos, de forma a eliminar os que não estão diretamente 99 relacionados com a tarefa executada pelo trabalhador e que, em virtude 99 disso, produzem fadiga. A fadiga deveria ser evitada, pois, seria causa de 99 99 redução de produtividade e de qualidade do trabalho, além de ocasionar 99 doenças ocupacionais e de aumentar a rotatividade de pessoal. e9 om Padronização: padronização de métodos e processos de trabalho, de máquinas e de equipamentos, de ferramentas e instrumentos de trabalho N 99 e de matérias-primas e componentes, com o objetivo de padronizar o 99 processo produtivo como um todo, de forma a eliminar o desperdício e 99 aumentar a eficiência. 99 99 Desenho de cargos e tarefas: foi a administração científica que e9 empreendeu os primeiros esforços no sentido de se estabelecer om racionalmente cargos e tarefas. A tarefa é considerada toda a atividade N executada por uma determinada pessoa. É a menor unidade de trabalho 9 99 possível dentro do contexto da divisão do trabalho. O cargo é um 99 conjunto de tarefas executadas de maneira cíclica ou repetitiva. 9 99 Assim, a administração científica preocupou-se com o desenho do cargo, 99 por meio da especificação de suas tarefas, dos métodos de executar e9 essas tarefas e do estabelecimento das relações dessas tarefas com os om demais cargos existentes na organização. N 99 Conceito de homo economicus: segundo esse conceito, toda pessoa é 9 99 influenciada, exclusivamente, por recompensas salariais, econômicas e 99 materiais. O homem não visualiza o trabalho como algo que gosta e sim 99 como meio de ganhar a vida. 9 e9om Incentivos a salários e prêmios de produção: substituição da remuneração baseada no tempo trabalhado (mensal, diária etc.) porN remuneração baseada na produção de cada operário (salário por quantidade produzida). Melhores condições de trabalho: a eficiência não depende somente de método de trabalho e de incentivo salarial, mas também, de condições Prof. Marco Aurélio Corrêa www.pontodosconcursos.com.br 12O conteúdo deste curso é de uso exclusivo de Nome99999999999, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia,divulgação e distribuição, sujeitando-se os infratores à responsabilização civil e criminal.
  13. 13. Nome99999999999 NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – TEORIA E EXERCÍCIOS ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO E TÉCNICO EM REGULAÇÃO PROFESSOR: MARCO AURÉLIO CORRÊA AULA DEMONSTRATIVA de trabalho que proporcionem bem-estar físico do trabalhador e redução da fadiga. Divisão do trabalho e especialização do operário: cada operário 99 passou a ser especializado na execução de uma única tarefa para 99 ajustar-se aos padrões descritos e às normas de desempenho definidas 99 pelo método previamente estabelecido. 99 99 Supervisão funcional: existência de diversos supervisores, cada um e9 especializado em determinada área, com autoridade funcional (relativa à om sua especialidade) sobre seus subordinados. N 99 Taylor considera a organização funcional como a organização por 99 excelência. Para ele, o trabalho deve ser dividido de maneira que cada 99 99 homem, desde o assistente até o superintendente, execute a menor 99 variedade possível de funções. Sempre que possível, o trabalho de cada e9 homem deverá se limitar à execução de uma única função. Vamos fechar este importante tópico com uma questão de prova? om N 99 1. (CESPE – MPS/MPAS 2010 – Administrador) A 99 racionalização do trabalho, segundo Taylor, era vista como um 99 99 meio de aumentar a eficiência da produção, evitando desperdício e Caiu na 99 promovendo prosperidade entre patrões e empregados, sendo Prova e9 esses os primados da administração científica. om CERTO. Questão bem didática e elucidativa. O objetivo da N administração científica com a organização racional do trabalho era 9 99 realmente o aumento da eficiência. Por meio da racionalização do 99 trabalho e da especialização do trabalhador, seria possível evitar 9 99 desperdícios de tempo e de materiais. 99 e9 Conforme vimos, a racionalização do trabalho proporcionou, ainda, a om possibilidade de se estabelecer a remuneração por produtividade. N Dessa forma, os operários poderiam ser mais bem remunerados. 99 9 Assim, eficiência, eliminação de desperdício, maior remuneração para 99 funcionários mais produtivos se constituíram em preceitos 99 fundamentais da administração científica e, segundo Taylor, 9 99 acabavam por promover prosperidade entre empregados e patrões. e9om 2.1.3 Desvantagens da Administração CientíficaN A abordagem que ficou conhecida como administração científica não foi estruturada sobre aspectos estritamente científicos. O próprio Taylor admitia que a administração científica fosse uma evolução e não uma teoria, pois tinha como ingrediente 75% de análise e 25% de bom senso. Prof. Marco Aurélio Corrêa www.pontodosconcursos.com.br 13O conteúdo deste curso é de uso exclusivo de Nome99999999999, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia,divulgação e distribuição, sujeitando-se os infratores à responsabilização civil e criminal.
  14. 14. Nome99999999999 NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – TEORIA E EXERCÍCIOS ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO E TÉCNICO EM REGULAÇÃO PROFESSOR: MARCO AURÉLIO CORRÊA AULA DEMONSTRATIVA Na época da concepção da administração científica, a falta de conhecimento acerca de assuntos administrativos e a precária experiência empresarial e industrial não apresentavam condições propícias à formulação de hipóteses nem o suporte adequado para a elaboração de conceitos cientificamente 99 rigorosos. 99 99 Porém, isso não tira o mérito de Taylor em ter sido pioneiro a estudar a 99 nascente teoria da administração. No entanto, tal situação deu margem para o 99 e9 surgimento de diversas críticas à administração científica, conforme veremos a om seguir. N Mecanicismo: deu pouca ênfase ao elemento humano e concebeu a 99 99 organização como um arranjo rígido e estático de peças, como se fosse 99 uma máquina. 99 99 Visão reducionista do homem: a administração científica ignorou o e9 trabalhador como um ser social, pelo contrário, considerou-o como se om fosse um acessório do maquinário industrial. N 99 2. (CESPE – FUB 2011 – Secretário Executivo) De acordo com 99 Taylor, o nível de eficiência do trabalhador é estabelecido com base 99 na capacidade social que esse trabalhador apresenta, e não em sua 99 Caiu na capacidade de executar o trabalho corretamente no prazo 99 Prova estabelecido. e9 om ERRADO. A administração científica ignorava os aspectos sociais dos trabalhadores. O que interessava, na verdade, era sua capacidade de N 9 executar o trabalho de forma eficiente, no menor tempo possível. 99 99 Especialização extremada do trabalhador: a premissa de que a 9 99 eficiência administrativa aumenta com a especialização do trabalho não 99 foi confirmada por pesquisas posteriores. Ou seja, maior especialização e9 não redunda, necessariamente, em aumento da eficiência. om N Ausência de comprovação científica: como vimos anteriormente, o 99 taylorismo não se baseou em aspectos estritamente científicos. Os 9 idealizadores da administração científica utilizaram pouquíssima pesquisa 99 99 e experimentação para comprovar suas teorias. 9 99 Limitação do objeto de estudo: restrição aos aspectos relacionados a e9 problemas de produção. Não levou em consideração aspectosom financeiros, comerciais, logísticos etc.N Abordagem incompleta da organização: ignorância em relação à vida social interna dos participantes da organização. Os funcionários são considerados indivíduos isolados e organizados de acordo com suas habilidades pessoais e com as demandas da tarefa a ser executada. Prof. Marco Aurélio Corrêa www.pontodosconcursos.com.br 14O conteúdo deste curso é de uso exclusivo de Nome99999999999, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia,divulgação e distribuição, sujeitando-se os infratores à responsabilização civil e criminal.
  15. 15. Nome99999999999 NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – TEORIA E EXERCÍCIOS ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO E TÉCNICO EM REGULAÇÃO PROFESSOR: MARCO AURÉLIO CORRÊA AULA DEMONSTRATIVA Organização vista como sistema fechado: considerou somente aquilo que acontece dentro da organização, sem levar em conta o ambiente em que ela está inserida. Assim, visualizava as organizações como se fossem entidades autônomas e absolutas, indiferentes a qualquer influencia que 99 pudesse vim de seu ambiente externo. 99 99 2.2 Teoria Clássica 99 99 Por volta de 1916, enquanto Taylor desenvolvia, nos Estados Unidos, a teoria e9 om da administração científica, na França, Fayol se concentrava no desenvolvimento da teoria clássica da administração. Diferentemente da N 99 administração científica, que tinha ênfase na tarefa realizada pelo operário 99 como meio de alcançar a eficiência, a teoria clássica preocupava-se com a 99 estrutura que a organização deveria ter para ser eficiente. 99 99 Ou seja, a administração científica buscava o alcance da eficiência e9 organizacional por meio do somatório das eficiências individuais de seus om operários, que poderiam ser melhoradas com a racionalização do trabalho. Já N a teoria clássica partia do todo organizacional e da sua estrutura como forma 99 de garantir eficiência a todas as partes envolvidas. 99 99 Como ponto em comum com a administração científica, destaca-se que a 99 teoria clássica também teve como objetivo o estudo científico da administração 99 e a substituição do empirismo e da improvisação então vigentes por métodos e9 científicos. om N Em sua teoria, Fayol faz uma clara distinção entre os termos administração e 9 99 organização. Para ele, a organização constitui uma das partes de um todo 99 chamado administração. O conceito amplo de administração – como um 9 conjunto de processos entrosados e unificados – abrange aspectos que a 99 organização, isoladamente, não envolve tais como previsão, comando e 99 e9 controle. om Assim, a teoria clássica concebeu a organização como se fosse uma estrutura. N Para Fayol, a organização abrange o estabelecimento da estrutura e da forma, 99 9 sendo, portanto, estática e limitada. A estrutura organizacional constitui uma 99 cadeia de comando, ou seja, uma linha de autoridade que interliga as posições 99 da organização e define quem se subordina a quem. 9 99 e9 A partir dessa idéia, para Fayol, o termo organização passaria a ter doisom significados diferentes:N Organização como uma entidade social, em que as pessoas interagem entre si para alcançarem objetivos específicos. Organização como função administrativa e parte do processo administrativo, como previsão, comando, coordenação e controle. Significaria o ato de organizar, estruturar e alocar recursos de produção. Prof. Marco Aurélio Corrêa www.pontodosconcursos.com.br 15O conteúdo deste curso é de uso exclusivo de Nome99999999999, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, cópia,divulgação e distribuição, sujeitando-se os infratores à responsabilização civil e criminal.

×