SlideShare uma empresa Scribd logo

Empatia etica e solidariedade

1 de 4
Baixar para ler offline
EMPATIA, ÉTICA, SOLIDARIEDADE
2ª feira: 10/Novembro/2003
Bom dia ouvinte do caderno Manhã da rádio MEC. No quadro Escutar e pensar, nós
vamos falar sobre você e o mundo à sua volta.
Outro dia, ouvi uma história que me chamou atenção, e que faz a gente pensar. A
mãe de uma menininha de 2 anos e meio me contou que, enquanto ela estava
trabalhando em casa, a garotinha assistia a um filme infantil na televisão. De
repente ela ouviu um choro muito sentido e correu pra ver o que tinha
acontecido. A menina chorava e quando a mãe perguntou o que tinha acontecido,
ela respondeu:_ "o ratinho, coitado, ele perdeu a mamãe dele e é muito triste
não ter mãe".
Veja só, ouvinte, essa menininha já sabe se colocar no lugar do outro. Vendo o
ratinho sofrer, ela reconhece a dor dele, ela sabe como é se sentir desamparado,
aí ela sofre também. Se diz que ela se identifica com o ratinho. E quando ela se
coloca no lugar dele e compreende aquele sofrimento, isso é empatia, que é uma
dos sentimentos mais importantes que um ser humano pode ter por outro ser humano
porque é a base pra convivência. E veja que a base desse sentimento já está
presente numa criança tão pequena, portanto os pequenos não são absolutamente
seres indiferentes como algumas pessoas pensam.
Se nós somos capazes de sofrer quando compreendemos que alguém próximo de nós
sofre, ou se somos capazes de nos alegrarmos com a felicidade do outro, então já
somos capazes de compartilhar, e isso é o contrário da indiferença pelo outro.
No mesmo terreno da empatia, tem a ética. Tanto ética como empatia tem a ver com
o reconhecimento do lugar do outro. A empatia é a possibilidade de nos
colocarmos no lugar do outro, e compreendermos uma situação a partir da ótica
daquele outro. A ética é basicamente o reconhecimento do lugar da outra pessoa.
Os limites são estabelecidos no convívio pessoal e social, e a gente vai
incorporando. Assim, ninguém precisa ler na porta de uma loja que é proibido
roubar, a gente aprende isso ao longo do nosso crescimento. Aprendemos que não
vamos invadir locais onde não somos autorizados a entrar, e por aí vai uma série
de regras sociais, que vão mantendo os limites que cada um ocupa. Essas regras
nós internalizamos ao longo do nosso crescimento e educação, e que são
anteriores ao cumprimento da Lei. Quer dizer, não precisamos roubar, sermos
presos, punidos para sabermos que não podemos roubar. Nem é preciso que a lei se
cumpra.
Vamos aprendendo isso principalmente no convívio familiar. Pra isso, são
indispensáveis sensibilidade e respeito entre os membros da família. Aquela
menina que chora porque o ratinho perdeu a mãe, tem dentro de si o sentimento de
bem-estar de ter sua mãe, de ser olhada, amparada, amada, e em algum momento já
sentiu medo de perder isso. É a partir da sua vivência que ela pode deduzir o
sofrimento do ratinho.
Ética e empatia são a base pra um convívio melhor entre os humanos, e isso se
começa aprendendo na nossa casa, na nossa família.
Pense nisso ouvinte e até amanhã com o quadro escutar e pensar do caderno manhã
da Rádio MEC. Se você tiver alguma dúvida ou sugestão telefone pra 2252-8413,
central de atendimento da rádio MEC.
3ª feira: 11/ Novembro/ 2003
Bom dia ouvinte do caderno Manhã da rádio MEC. No quadro Escutar e pensar, nós
vamos falar sobre você e o mundo à sua volta.
Hoje em dia as informações nos chegam com uma rapidez inacreditável. O que
acontece em qualquer parte do mundo, nós ficamos sabendo logo e, por mais
distante que esteja, nos afeta, nos comove e às vezes até nos revolta. Surgem
sentimentos que nos fazem solidários. E a gente fala tanto sobre a importância
da solidariedade...Afinal, o que é solidariedade? Qual é a matriz desse
sentimento?
Todos nós, desde pequenos, conhecemos a palavra simpatia. Mesmo que a gente não
saiba como definir, sabemos bem quando alguém nos é simpático, ou ao contrário.
Veja como desde bebê começamos a discriminar o agradável do desagradável, alguém
com quem gostamos de ficar ou não. Todo mundo já viu como um bebê pode chorar
forte quando ele é retirado do colo da mãe pro colo de outra pessoa. Isso quer
dizer que ele já sabe que prefere estar com a mãe. Depois, com o crescimento,
temos a possibilidades de ampliar as opções, e aí o prazer que a gente sentia na
companhia da mãe vai sendo inserindo no contato com os outros.
Então, prazer e desprazer fazem parte do nosso mundo desde muito cedo.
Preferimos a avó à tia, preferimos um coleguinha ao outro, uma professora à
outra, e mais tarde a gente adquire uma capacidade plena de dizer com alguma
segurança de quem gostamos e de quem não gostamos de estar.
Simpatia é algo individual. Alguém ou algo que nos pareça simpático pode não
causar a mesma impressão a uma outra pessoa. Mesmo se essa outra pessoa é muito
próxima de nós. Isso acontece porque a simpatia tem a ver com o mundo de dentro,
com a história de cada um, com as emoções de cada um. Pra que eu tenha simpatia
por alguém é preciso que essa pessoa tenha alguma coisa que mexa de forma
agradável com meu mundo interno, com minhas vivências.
Mas a questão inicial foi solidariedade, o que a solidariedade tem a ver com
isso?
A solidariedade é uma experiência um pouco mais complexa, porque vem junto com
um gesto efetivo em direção à alguém ou a alguma situação. Vai além da simpatia.
A solidariedade inclui uma interferência, uma tentativa de resolver ou diminuir
o sofrimento de alguém com quem nos identificamos.
Portanto, ser solidário é uma experiência que engloba o sentimento de empatia,
que é a capacidade que temos de nos colocarmos no lugar do outro e
compreendermos o que o outro está sentindo.
Transitamos num mundo cada vez maior. Saímos do raio da nossa família e dos
nossos amigos e nos envolvemos, nos sensibilizamos em muitos dramas que não nos
dizem respeito diretamente, mas que nos tocam porque somos seres empáticos,
solidários, éticos, e antes de tudo humanos.
Pense nisso ouvinte e até amanhã com o quadro escutar e pensar do caderno manhã
da Rádio MEC. Se você tiver alguma dúvida ou sugestão telefone pra 2252-8413,
central de atendimento da rádio MEC.
4ª feira: 12/ Novembro/ 2003
Bom dia ouvinte do caderno Manhã da rádio MEC. No quadro Escutar e pensar, nós
vamos falar sobre você e o mundo à sua volta.
De uns tempos pra cá temos ouvido com muita freqüência duas palavras,
solidariedade e ética. Elas não estão atreladas numa mesma história todo tempo,
mas a verdade é que uma é irmã da outra.
A ética, a princípio, deveria sempre passar meio despercebida, porque ela é
somente pra ser observada, apreendida, exercitada e exercida, amplamente. É mais
ou menos como o comportamento educado, que deve ser uma coisa natural.
Veja que coisa curiosa: não encontramos em lugar nenhum, da nossa vida
cotidiana, nenhuma placa com a inscrição "é proibido matar". Ainda bem. Mas em
todas as praças que têm grama, está lá a placa "é proibido pisar na grama". A
rigor, esse aviso não deveria ser necessário porque se há um caminho bem ao
lado, próprio pra circulação, ninguém precisa pensar em andar sobre a grama.
Será que burlar as normas é sempre uma tentação?
Ensinamos a nossos filhos desde cedo que eles não devem matar as plantinhas,
porque elas são vivas; que não se deve machucar os animais, porque eles sentem;
que não devem sair batendo nos coleguinhas, que é melhor aprender a dialogar.
Ensinamos que é bom obedecer aos pais, aos professores, que se deve respeitar os
mais velhos, etc. Esses são os princípios da ética quando se é criança. Quando
crescemos, aprendemos por ex., que quando se dirige um carro não se pode
ultrapassar sinais vermelhos, porque há risco de trombadas, risco de nos
machucarmos ou aos outros, ou mesmo matarmos ou morrermos. Não existem cartazes
avisando não avance quando o sinal estiver vermelho, não precisamos disso,
porque internalizamos essa regra como um código social. Isso é ética, e como
disse há pouco, o fato de não estar escrita em cada esquina é sinal que os
indivíduos já aprenderam sobre ela e que reconhecem sua importância. Isso quer
dizer que a ética está viva e ativa nas nossas vidas.
Mas temos lidado muito com as transgressões. Mata-se muito por aí, rouba-se
muito por aí, de tal forma que muitas vezes se diz que banalizamos a vida e as
relações. É como se a gente não estivesse mais discriminando o sinal verde do
vermelho.
O que será que aconteceu? Será que a herança ética foi mal recebida, não foi
incorporada devidamente?
Vamos pensar um pouco. Se alguém avança o sinal e produz vítimas isso pode
chegar aos jornais, mas o contrário não. Obedecer aos sinais não é notícia. É
verdade que a incidência de quem chega aos jornais por causa de transgressão à
ética é cada vez maior. Porém, maior ainda é a quantidade de gente que respeita
sinais socias. Nós ficamos assustados com o mundo, com os inúmeros desmandos e
transgressões, mas acontece que o gesto ético é mudo, ele não causa alarido, em
geral não sai no jornal.
Mas tem muita gente fazendo trabalhos voluntários e solidários, ajudando pessoas
necessitadas. Tem muita gente ensinando seus filhos a não destruírem o que é
público, a respeitarem os semelhantes. Existe um mundo ético e solidário. Você
que opta por não pisar na grama não precisa se sentir um bicho raro. Porque
nesse caminho você vai encontrar, com certeza, outras pessoas que vão lhe fazer
companhia. No caminho contrário, temos a falta de ética que não promove gestos
solidários, e que segue só na contramão de tudo que adotamos quando nos tornamos
pessoas.
Pense nisso ouvinte e até amanhã com o quadro escutar e pensar do caderno manhã
da Rádio MEC. Se você tiver alguma dúvida ou sugestão telefone pra 2252-8413,
central de atendimento da rádio MEC.
Programa de Rádio
"Escutar e Pensar"

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Violência Doméstica.
Violência Doméstica.Violência Doméstica.
Violência Doméstica.Dandreia
 
Desenvolvimento de competências socioemocionais
Desenvolvimento de competências socioemocionaisDesenvolvimento de competências socioemocionais
Desenvolvimento de competências socioemocionaisGrasiela Dourado
 
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevençãoSuicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevençãoWashington Costa
 
Manejo do adolescente com transtorno de conduta
Manejo do adolescente com transtorno de condutaManejo do adolescente com transtorno de conduta
Manejo do adolescente com transtorno de condutaCláudio Costa
 
Textos autobiográficos
Textos autobiográficosTextos autobiográficos
Textos autobiográficosVanda Marques
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectosguested634f
 
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃOTERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃOSerafim Carvalho, MD, PhD
 
Textos sobre bullying
Textos sobre bullyingTextos sobre bullying
Textos sobre bullyingFabio Cruz
 
Processos emocionais
Processos emocionaisProcessos emocionais
Processos emocionaisSilvia Revez
 
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptxAGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptxDamsioCear
 
Inferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendidoInferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendidoAna Lúcia Moura Neves
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos EmocionaisJorge Barbosa
 
Folheto alunos - bullying
Folheto alunos - bullyingFolheto alunos - bullying
Folheto alunos - bullyingFátima Rocha
 
Ficha leitur pé de laranja lima
Ficha leitur  pé de laranja limaFicha leitur  pé de laranja lima
Ficha leitur pé de laranja limabibliotecap
 
Comportamento Emocional
Comportamento EmocionalComportamento Emocional
Comportamento EmocionalTiago Malta
 

Mais procurados (20)

Violência Doméstica.
Violência Doméstica.Violência Doméstica.
Violência Doméstica.
 
Desenvolvimento de competências socioemocionais
Desenvolvimento de competências socioemocionaisDesenvolvimento de competências socioemocionais
Desenvolvimento de competências socioemocionais
 
Fábulas 1
Fábulas 1Fábulas 1
Fábulas 1
 
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevençãoSuicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
 
Manejo do adolescente com transtorno de conduta
Manejo do adolescente com transtorno de condutaManejo do adolescente com transtorno de conduta
Manejo do adolescente com transtorno de conduta
 
O que é o bullying
O que é o bullyingO que é o bullying
O que é o bullying
 
Textos autobiográficos
Textos autobiográficosTextos autobiográficos
Textos autobiográficos
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
 
Emoções e sentimentos.pptx
Emoções e sentimentos.pptxEmoções e sentimentos.pptx
Emoções e sentimentos.pptx
 
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃOTERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
 
Textos sobre bullying
Textos sobre bullyingTextos sobre bullying
Textos sobre bullying
 
Processos emocionais
Processos emocionaisProcessos emocionais
Processos emocionais
 
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptxAGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
 
Inferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendidoInferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendido
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 
Estereotipo
EstereotipoEstereotipo
Estereotipo
 
Folheto alunos - bullying
Folheto alunos - bullyingFolheto alunos - bullying
Folheto alunos - bullying
 
Ficha leitur pé de laranja lima
Ficha leitur  pé de laranja limaFicha leitur  pé de laranja lima
Ficha leitur pé de laranja lima
 
Comportamento Emocional
Comportamento EmocionalComportamento Emocional
Comportamento Emocional
 
Palestra o suicidio
Palestra o suicidioPalestra o suicidio
Palestra o suicidio
 

Semelhante a Empatia etica e solidariedade

REVISTA DO 44º SEMINÁRIO DA ESCOLA DE PAIS DO BRASIL - SECCIONAL DE BELO HORI...
REVISTA DO 44º SEMINÁRIO DA ESCOLA DE PAIS DO BRASIL - SECCIONAL DE BELO HORI...REVISTA DO 44º SEMINÁRIO DA ESCOLA DE PAIS DO BRASIL - SECCIONAL DE BELO HORI...
REVISTA DO 44º SEMINÁRIO DA ESCOLA DE PAIS DO BRASIL - SECCIONAL DE BELO HORI...Ana Maria Oliveira Silva
 
Edição da revista do Seminário da EPB/BH -2014
Edição da revista  do Seminário da EPB/BH -2014Edição da revista  do Seminário da EPB/BH -2014
Edição da revista do Seminário da EPB/BH -2014Ana Maria Oliveira Silva
 
Descola ebook comunicacao-nao-violenta
Descola ebook comunicacao-nao-violentaDescola ebook comunicacao-nao-violenta
Descola ebook comunicacao-nao-violentaJussara Ribeiro
 
NIT PORTAL SOCIAL - PESSOAS MELHORES PARA UM MUNDO MELHOR!
NIT PORTAL SOCIAL - PESSOAS MELHORES PARA UM MUNDO MELHOR!NIT PORTAL SOCIAL - PESSOAS MELHORES PARA UM MUNDO MELHOR!
NIT PORTAL SOCIAL - PESSOAS MELHORES PARA UM MUNDO MELHOR!Nit Portal Social
 
O valor da simpatia cristiane cardoso
O valor da simpatia   cristiane cardosoO valor da simpatia   cristiane cardoso
O valor da simpatia cristiane cardosoTais Fogaça
 
Quais lições aprendemos com os autistas?
Quais lições aprendemos com os autistas?Quais lições aprendemos com os autistas?
Quais lições aprendemos com os autistas?André Boaratti
 
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdf
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdfComo se libertar das relacoes tóxicas.pdf
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdfSandraLima324724
 
Emrc_ viseu_Viver em grupo é... 5º ano ul 1
Emrc_ viseu_Viver em grupo é...  5º ano ul 1Emrc_ viseu_Viver em grupo é...  5º ano ul 1
Emrc_ viseu_Viver em grupo é... 5º ano ul 1Sandra Figueiredo
 

Semelhante a Empatia etica e solidariedade (20)

REVISTA DO 44º SEMINÁRIO DA ESCOLA DE PAIS DO BRASIL - SECCIONAL DE BELO HORI...
REVISTA DO 44º SEMINÁRIO DA ESCOLA DE PAIS DO BRASIL - SECCIONAL DE BELO HORI...REVISTA DO 44º SEMINÁRIO DA ESCOLA DE PAIS DO BRASIL - SECCIONAL DE BELO HORI...
REVISTA DO 44º SEMINÁRIO DA ESCOLA DE PAIS DO BRASIL - SECCIONAL DE BELO HORI...
 
Edição da revista do Seminário da EPB/BH -2014
Edição da revista  do Seminário da EPB/BH -2014Edição da revista  do Seminário da EPB/BH -2014
Edição da revista do Seminário da EPB/BH -2014
 
Descola ebook comunicacao-nao-violenta
Descola ebook comunicacao-nao-violentaDescola ebook comunicacao-nao-violenta
Descola ebook comunicacao-nao-violenta
 
RELIGIÃO 24.03.docx
RELIGIÃO 24.03.docxRELIGIÃO 24.03.docx
RELIGIÃO 24.03.docx
 
NIT PORTAL SOCIAL - PESSOAS MELHORES PARA UM MUNDO MELHOR!
NIT PORTAL SOCIAL - PESSOAS MELHORES PARA UM MUNDO MELHOR!NIT PORTAL SOCIAL - PESSOAS MELHORES PARA UM MUNDO MELHOR!
NIT PORTAL SOCIAL - PESSOAS MELHORES PARA UM MUNDO MELHOR!
 
# Amália silveira - o egoísmo - [ espiritismo]
#   Amália silveira - o egoísmo - [ espiritismo]#   Amália silveira - o egoísmo - [ espiritismo]
# Amália silveira - o egoísmo - [ espiritismo]
 
O valor da simpatia cristiane cardoso
O valor da simpatia   cristiane cardosoO valor da simpatia   cristiane cardoso
O valor da simpatia cristiane cardoso
 
Quais lições aprendemos com os autistas?
Quais lições aprendemos com os autistas?Quais lições aprendemos com os autistas?
Quais lições aprendemos com os autistas?
 
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdfMaturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
 
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdfMaturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
 
Como se libertar das relacoes t lucy beresford
Como se libertar das relacoes t   lucy beresfordComo se libertar das relacoes t   lucy beresford
Como se libertar das relacoes t lucy beresford
 
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdf
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdfComo se libertar das relacoes tóxicas.pdf
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdf
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdf
RELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdfRELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdf
RELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdf
 
Encontro de Pais
Encontro de PaisEncontro de Pais
Encontro de Pais
 
Sexualidade Relacao
Sexualidade RelacaoSexualidade Relacao
Sexualidade Relacao
 
Cartilha
CartilhaCartilha
Cartilha
 
CARTILHA OAB VAI À ESCOLA
CARTILHA OAB VAI À ESCOLACARTILHA OAB VAI À ESCOLA
CARTILHA OAB VAI À ESCOLA
 
2º Encontro de Pais.
2º Encontro de Pais.2º Encontro de Pais.
2º Encontro de Pais.
 
Continuacao do-ser-modo-de-vida
Continuacao do-ser-modo-de-vidaContinuacao do-ser-modo-de-vida
Continuacao do-ser-modo-de-vida
 
Emrc_ viseu_Viver em grupo é... 5º ano ul 1
Emrc_ viseu_Viver em grupo é...  5º ano ul 1Emrc_ viseu_Viver em grupo é...  5º ano ul 1
Emrc_ viseu_Viver em grupo é... 5º ano ul 1
 

Empatia etica e solidariedade

  • 1. EMPATIA, ÉTICA, SOLIDARIEDADE 2ª feira: 10/Novembro/2003 Bom dia ouvinte do caderno Manhã da rádio MEC. No quadro Escutar e pensar, nós vamos falar sobre você e o mundo à sua volta. Outro dia, ouvi uma história que me chamou atenção, e que faz a gente pensar. A mãe de uma menininha de 2 anos e meio me contou que, enquanto ela estava trabalhando em casa, a garotinha assistia a um filme infantil na televisão. De repente ela ouviu um choro muito sentido e correu pra ver o que tinha acontecido. A menina chorava e quando a mãe perguntou o que tinha acontecido, ela respondeu:_ "o ratinho, coitado, ele perdeu a mamãe dele e é muito triste não ter mãe". Veja só, ouvinte, essa menininha já sabe se colocar no lugar do outro. Vendo o ratinho sofrer, ela reconhece a dor dele, ela sabe como é se sentir desamparado, aí ela sofre também. Se diz que ela se identifica com o ratinho. E quando ela se coloca no lugar dele e compreende aquele sofrimento, isso é empatia, que é uma dos sentimentos mais importantes que um ser humano pode ter por outro ser humano porque é a base pra convivência. E veja que a base desse sentimento já está presente numa criança tão pequena, portanto os pequenos não são absolutamente seres indiferentes como algumas pessoas pensam. Se nós somos capazes de sofrer quando compreendemos que alguém próximo de nós sofre, ou se somos capazes de nos alegrarmos com a felicidade do outro, então já somos capazes de compartilhar, e isso é o contrário da indiferença pelo outro. No mesmo terreno da empatia, tem a ética. Tanto ética como empatia tem a ver com o reconhecimento do lugar do outro. A empatia é a possibilidade de nos colocarmos no lugar do outro, e compreendermos uma situação a partir da ótica daquele outro. A ética é basicamente o reconhecimento do lugar da outra pessoa. Os limites são estabelecidos no convívio pessoal e social, e a gente vai incorporando. Assim, ninguém precisa ler na porta de uma loja que é proibido roubar, a gente aprende isso ao longo do nosso crescimento. Aprendemos que não vamos invadir locais onde não somos autorizados a entrar, e por aí vai uma série de regras sociais, que vão mantendo os limites que cada um ocupa. Essas regras nós internalizamos ao longo do nosso crescimento e educação, e que são anteriores ao cumprimento da Lei. Quer dizer, não precisamos roubar, sermos presos, punidos para sabermos que não podemos roubar. Nem é preciso que a lei se cumpra. Vamos aprendendo isso principalmente no convívio familiar. Pra isso, são indispensáveis sensibilidade e respeito entre os membros da família. Aquela menina que chora porque o ratinho perdeu a mãe, tem dentro de si o sentimento de
  • 2. bem-estar de ter sua mãe, de ser olhada, amparada, amada, e em algum momento já sentiu medo de perder isso. É a partir da sua vivência que ela pode deduzir o sofrimento do ratinho. Ética e empatia são a base pra um convívio melhor entre os humanos, e isso se começa aprendendo na nossa casa, na nossa família. Pense nisso ouvinte e até amanhã com o quadro escutar e pensar do caderno manhã da Rádio MEC. Se você tiver alguma dúvida ou sugestão telefone pra 2252-8413, central de atendimento da rádio MEC. 3ª feira: 11/ Novembro/ 2003 Bom dia ouvinte do caderno Manhã da rádio MEC. No quadro Escutar e pensar, nós vamos falar sobre você e o mundo à sua volta. Hoje em dia as informações nos chegam com uma rapidez inacreditável. O que acontece em qualquer parte do mundo, nós ficamos sabendo logo e, por mais distante que esteja, nos afeta, nos comove e às vezes até nos revolta. Surgem sentimentos que nos fazem solidários. E a gente fala tanto sobre a importância da solidariedade...Afinal, o que é solidariedade? Qual é a matriz desse sentimento? Todos nós, desde pequenos, conhecemos a palavra simpatia. Mesmo que a gente não saiba como definir, sabemos bem quando alguém nos é simpático, ou ao contrário. Veja como desde bebê começamos a discriminar o agradável do desagradável, alguém com quem gostamos de ficar ou não. Todo mundo já viu como um bebê pode chorar forte quando ele é retirado do colo da mãe pro colo de outra pessoa. Isso quer dizer que ele já sabe que prefere estar com a mãe. Depois, com o crescimento, temos a possibilidades de ampliar as opções, e aí o prazer que a gente sentia na companhia da mãe vai sendo inserindo no contato com os outros. Então, prazer e desprazer fazem parte do nosso mundo desde muito cedo. Preferimos a avó à tia, preferimos um coleguinha ao outro, uma professora à outra, e mais tarde a gente adquire uma capacidade plena de dizer com alguma segurança de quem gostamos e de quem não gostamos de estar. Simpatia é algo individual. Alguém ou algo que nos pareça simpático pode não causar a mesma impressão a uma outra pessoa. Mesmo se essa outra pessoa é muito próxima de nós. Isso acontece porque a simpatia tem a ver com o mundo de dentro, com a história de cada um, com as emoções de cada um. Pra que eu tenha simpatia por alguém é preciso que essa pessoa tenha alguma coisa que mexa de forma agradável com meu mundo interno, com minhas vivências. Mas a questão inicial foi solidariedade, o que a solidariedade tem a ver com isso? A solidariedade é uma experiência um pouco mais complexa, porque vem junto com
  • 3. um gesto efetivo em direção à alguém ou a alguma situação. Vai além da simpatia. A solidariedade inclui uma interferência, uma tentativa de resolver ou diminuir o sofrimento de alguém com quem nos identificamos. Portanto, ser solidário é uma experiência que engloba o sentimento de empatia, que é a capacidade que temos de nos colocarmos no lugar do outro e compreendermos o que o outro está sentindo. Transitamos num mundo cada vez maior. Saímos do raio da nossa família e dos nossos amigos e nos envolvemos, nos sensibilizamos em muitos dramas que não nos dizem respeito diretamente, mas que nos tocam porque somos seres empáticos, solidários, éticos, e antes de tudo humanos. Pense nisso ouvinte e até amanhã com o quadro escutar e pensar do caderno manhã da Rádio MEC. Se você tiver alguma dúvida ou sugestão telefone pra 2252-8413, central de atendimento da rádio MEC. 4ª feira: 12/ Novembro/ 2003 Bom dia ouvinte do caderno Manhã da rádio MEC. No quadro Escutar e pensar, nós vamos falar sobre você e o mundo à sua volta. De uns tempos pra cá temos ouvido com muita freqüência duas palavras, solidariedade e ética. Elas não estão atreladas numa mesma história todo tempo, mas a verdade é que uma é irmã da outra. A ética, a princípio, deveria sempre passar meio despercebida, porque ela é somente pra ser observada, apreendida, exercitada e exercida, amplamente. É mais ou menos como o comportamento educado, que deve ser uma coisa natural. Veja que coisa curiosa: não encontramos em lugar nenhum, da nossa vida cotidiana, nenhuma placa com a inscrição "é proibido matar". Ainda bem. Mas em todas as praças que têm grama, está lá a placa "é proibido pisar na grama". A rigor, esse aviso não deveria ser necessário porque se há um caminho bem ao lado, próprio pra circulação, ninguém precisa pensar em andar sobre a grama. Será que burlar as normas é sempre uma tentação? Ensinamos a nossos filhos desde cedo que eles não devem matar as plantinhas, porque elas são vivas; que não se deve machucar os animais, porque eles sentem; que não devem sair batendo nos coleguinhas, que é melhor aprender a dialogar. Ensinamos que é bom obedecer aos pais, aos professores, que se deve respeitar os mais velhos, etc. Esses são os princípios da ética quando se é criança. Quando crescemos, aprendemos por ex., que quando se dirige um carro não se pode ultrapassar sinais vermelhos, porque há risco de trombadas, risco de nos machucarmos ou aos outros, ou mesmo matarmos ou morrermos. Não existem cartazes avisando não avance quando o sinal estiver vermelho, não precisamos disso, porque internalizamos essa regra como um código social. Isso é ética, e como disse há pouco, o fato de não estar escrita em cada esquina é sinal que os
  • 4. indivíduos já aprenderam sobre ela e que reconhecem sua importância. Isso quer dizer que a ética está viva e ativa nas nossas vidas. Mas temos lidado muito com as transgressões. Mata-se muito por aí, rouba-se muito por aí, de tal forma que muitas vezes se diz que banalizamos a vida e as relações. É como se a gente não estivesse mais discriminando o sinal verde do vermelho. O que será que aconteceu? Será que a herança ética foi mal recebida, não foi incorporada devidamente? Vamos pensar um pouco. Se alguém avança o sinal e produz vítimas isso pode chegar aos jornais, mas o contrário não. Obedecer aos sinais não é notícia. É verdade que a incidência de quem chega aos jornais por causa de transgressão à ética é cada vez maior. Porém, maior ainda é a quantidade de gente que respeita sinais socias. Nós ficamos assustados com o mundo, com os inúmeros desmandos e transgressões, mas acontece que o gesto ético é mudo, ele não causa alarido, em geral não sai no jornal. Mas tem muita gente fazendo trabalhos voluntários e solidários, ajudando pessoas necessitadas. Tem muita gente ensinando seus filhos a não destruírem o que é público, a respeitarem os semelhantes. Existe um mundo ético e solidário. Você que opta por não pisar na grama não precisa se sentir um bicho raro. Porque nesse caminho você vai encontrar, com certeza, outras pessoas que vão lhe fazer companhia. No caminho contrário, temos a falta de ética que não promove gestos solidários, e que segue só na contramão de tudo que adotamos quando nos tornamos pessoas. Pense nisso ouvinte e até amanhã com o quadro escutar e pensar do caderno manhã da Rádio MEC. Se você tiver alguma dúvida ou sugestão telefone pra 2252-8413, central de atendimento da rádio MEC. Programa de Rádio "Escutar e Pensar"