2004 2005 - mapa do crime

1.520 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

2004 2005 - mapa do crime

  1. 1. Ministério da JustiçaAnálise das Ocorrências Registradas pelas Polícias Civis (Janeiro de 2004 a Dezembro de 2005) Setembro / 2006 Secretaria Nacional de Segurança Pública Departamento de Pesquisa, Análise da Informação e Formação de Pessoal em Segurança Pública
  2. 2. Ficha Institucional Ministro da Justiça Marcio Thomaz Bastos Secretario Nacional de Segurança Publica Luiz Fernando CorrêaDiretor do Departamento de Pesquisa, Analise da Informação e Desenvolvimento de Pessoal em Segurança Publica Ricardo Balestreri
  3. 3. Ministério da JustiçaImplantação do Sistema Nacional de Estatísticas de Segurança Pública e Justiça Criminal(Ocorrências Criminais e Atividades Policiais – Polícia Civil)
  4. 4. Sistema Nacional de Estatísticas de Segurança Pública e Justiça CriminalOs princípios fundamentais de constituição deste sistema foram a criação deconhecimento que promova a integração das organizações de segurança pública e osubsídio para a implantação da gestão como princípio de administração destasorganizações. O sistema possui 6 módulos diferentes:(1) Ocorrências Criminais e Atividades de Segurança Pública - monitora a incidênciada criminalidade no Brasil, em especial nos 224 municípios com população acima de 100mil habitantes, caracterizando vítimas, agressores, presença de armas e atividadesdesenvolvidas pelas organizações de segurança pública;(2) Perfil das Organizações de Segurança Pública - monitora as organizações desegurança pública em relação às suas condições de funcionamento, recursos humanos,recursos materiais convencionais, ações e a articulação com a SENASP;(3) Fluxo do Sistema de Justiça Criminal - monitora o fluxo do Sistema de JustiçaCriminal em cada Unidade da Federação;(4) Pesquisa Nacional de Vitimização - avaliação da população sobre a violência,notificação de crimes, satisfação da população em relação à atuação da polícia e outrasavaliações da população em relação às políticas de segurança pública;(5) Cadastro Nacional de Mortes Violentas - cadastro com informações de vítimas,agressores e características dos incidentes de homicídio doloso de todo país; e(6) Controle da Ação Policial - pesquisa de avaliação dos resultados das açõesdesenvolvidas pela ouvidorias e corregedorias de polícia.
  5. 5. Estrutura do Sistema Nacional de Estatísticas de Segurança Pública e Justiça CriminalPERIODICIDADE BASES DO SISTEMA FONTES DE DADOS Ocorrências Criminais Polícia Civil e Atividades de Polícia Militar Segurança Pública Corpo de Bombeiro Cadastro Nacional Polícia Civil Mensais De Mortes Violentas SUS Controle da Ouvidorias Ação Policial Corregedorias Fluxo do Sistema de Sistema de Justiça Justiça Criminal Criminal Pesquisa Nacional Institutos de Anual De Vitimização Pesquisa Polícia Civil Perfil das Polícia Militar Organizações de IML, DEAM, DPCA Segurança Pública Guardas Municipais Corpo de Bombeiros
  6. 6. Ocorrências Criminais e Atividades de Segurança Pública (Polícia Civil)Este módulo foi implantado em dezembro de 2003. A SENASP já possui informaçõescoletadas neste novo sistema para os anos de 2004 e 2005. Assim, este relatório,denominado Mapa de Ocorrências Registradas pelas Polícias Civis, constitui o primeiroestudo realizado a partir dos dados coletados por este sistema.Como principais características do funcionamento deste módulo destacamos:(1)Monitoramento de 50 categorias diferentes de ocorrências criminais,(2)Coleta das informações estatísticas de todos os municípios brasileiros com população acimade 100 mil habitantes (total de 224 municípios),(3)Caracterização das vítimas e agressores dos crimes segundo sexo, idade e raça,(4)Caracterização da presença de armas de fogo e armas brancas nos delitos,(5)Implantação de um sistema de controle da cobertura dos dados a serem enviados para aSENASP baseado no controle das delegacias,(6)Definição de padrões claros de periodicidade de envio e ratificação das informações,(7)Definição dos conteúdos das informações a serem coletadas com base na análise detalhadados sistemas de classificação de ocorrências criminais de todas as 27 unidades da federação, e(8)Elaboração de um software para envio de informações dos estados para a SENASP atravésda rede do INFOSEG.
  7. 7. Considerações Metodológicas – Elaboração Boletim de OcorrênciasA elaboração ou não de um Boletim de Ocorrência das Polícias Civis envolve avaliações e decisões dos diversos atores (cidadãos, policiais, etc.) que participaram de um certo evento que foi interpretado por eles como um “assunto de polícia”. Pode-se identificar o seguinte padrão de encaminhamento dos eventos: Eventos Soluções Civis (acidentes, incidentes, desordens, incivilidades Não Policiais conflitos, violências, etc.) (sub-registro) Polícia Polícia Civil Militar Boletins de Ocorrência “Encerrado no EncaminhamentosBalcão” (mediação para outros de conflitos civis) órgãos Rotinas policiais administrativas Crimes Inquérito policial Processo
  8. 8. Considerações Metodológicas – Elaboração Boletim de Ocorrências Tendo em vista os aspectos inerentes ao fluxo de elaboração dos boletins deocorrência, ao analisarmos os dados produzidos a partir das estatísticas oficiais e apresentados aqui neste Mapa das Ocorrências Registradas pela Polícia Civilno Brasil não podemos deixar de levar em conta dois fatores importantíssimos: PRIMEIRO – A sub-notificação de ocorrências junto aos órgãos de segurança pública varia de intensidade entre as diferentes regiões espaciais aqui analisadas (municípios, estados e regiões geográficas).SEGUNDO – Variações no volume de ocorrências registradas também resultamdo nível de desenvolvimento dos sistemas de coleta e registro de informações criminais das organizações policiais. Assim, as diferenças entre as taxas de ocorrências de delitos de diferentesregiões aqui apresentadas podem estar indicando, menos uma diferença no nível de incidência entre estas regiões, e mais uma diferenciação nos níveis de sub- notificação e desenvolvimento dos sistemas de coleta e registro das organizações policiais.
  9. 9. Considerações Metodológicas – Localização do EventoAs considerações metodológicas a respeito da localização da ocorrência decorrem dadificuldade de encontrar informações precisas e claras a respeito do local do evento nas basesde dados das organizações de segurança pública.Existem diversas estratégias sendo utilizadas na definição da localização:A base de dados do Ministério da Saúde (www.datasus.gov.br), que sistematiza as informaçõesdos atestados de óbito, localiza as ocorrências segundo a residência da vítima e o local doregistro do atestado de óbito. Pode ocorrer que uma pessoa tenha residência em um município,morra em um outro município e tenha seu atestado de óbito registrado em um terceiromunicípio. O padrão deste movimento é que as vítimas de homicídio em municípios menorestenham seus corpos encaminhados para hospitais de municípios maiores, onde são registradosos atestados de óbito. Verificou-se, até então, que entre estas duas opções existentes a melhorpara se aproximar do local do evento é o endereço da residência da vítima.Também entre as organizações de segurança pública, esta diferença entre local de ocorrênciae local de registro pode acontecer. Devido à baixa qualidade das informações registradas,dificilmente temos as informações detalhadas sobre local de ocorrência e somos obrigados atrabalhar com as informações sobre local de registro da ocorrência. Assim, alguns municípiosterminam tomando para si ocorrências que aconteceram em outros municípios.
  10. 10. Considerações Metodológicas – Informações AnalisadasO módulo Ocorrências Criminais e Atividades de Polícia (Polícia Civil) coletamensalmente informações estatísticas das 27 polícias civis existentes no Brasilrelativas às ocorrências registradas, perfil de vítimas, perfil dos agressores raça eatividades executadas pela polícia. Decidimos nos ater à análise das ocorrênciasregistradas devido à melhor qualidade do preenchimento destas informações. Umaavaliação das respostas fornecidas pelas Polícias Civis ao sistema nos permiteperceber que algumas informações não são preenchidas por várias destasorganizações. O grande problema em relação a esta questão do preenchimento é aquase inexistência destas informações sistematizadas nas bases de dadosestaduais de ocorrências registradas pelas polícias civis.Verificamos que Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul não informam nenhuma dasoutras seções, fora ocorrências criminais. Estados que se destacam por fornecerinformações de modo parcial são Acre, Amazonas, Minas Gerais, Paraná, SantaCatarina, São Paulo e Sergipe. Os outros Estados informam todas as seções deinformação coletadas neste módulo do Sistema Nacional de Estatísticas deSegurança Pública e Justiça Criminal.
  11. 11. Situação da Informação dos Dados no Módulo de Ocorrências Criminais e Atividades Policiais por Unidade da Federação em 2004. Seção Vítimas Autores/Infratores Ocorrências Segundo Atividades de PolíciaUnidade da Federação Instrumento ou Meio e Outras Faixa Etária Raça Faixa Etária Raça Utilizado InformaçõesAcre Informado Não Informado Informado Não Informado Informado InformadoAlagoas Informado Informado Informado Informado Informado InformadoAmazonas Informado Não Informado Informado Não Informado Informado InformadoAmapá Informado Informado Informado Informado Informado InformadoBahia Informado Informado Informado Informado Informado InformadoCeará Informado Informado Informado Informado Informado InformadoDistrito Federal Informado Informado Informado Informado Informado InformadoEspírito Santo Informado Informado Informado Informado Informado InformadoGoiás Informado Informado Informado Informado Informado InformadoMaranhão Informado Informado Informado Informado Informado InformadoMinas Gerais Informado Não Informado Informado Não Informado Informado InformadoMato Grosso do Sul Informado Informado Informado Informado Informado InformadoMato Grosso Informado Informado Informado Informado Informado InformadoPará Informado Informado Informado Informado Informado InformadoParaíba Informado Informado Informado Informado Informado InformadoPernambuco Informado Informado Informado Informado Informado InformadoPiauí Informado Informado Informado Informado Informado InformadoParaná Informado Informado Informado Informado Não Informado InformadoRio de Janeiro Não Informado Não Informado Não Informado Não Informado Não Informado Não InformadoRio Grande do Norte Informado Informado Informado Informado Informado InformadoRondônia Informado Informado Informado Informado Informado InformadoRoraima Informado Informado Informado Informado Informado InformadoRio Grande do Sul Não Informado Não Informado Não Informado Não Informado Não Informado Não InformadoSanta Catarina Informado Informado Não Informado Não Informado Não Informado InformadoSergipe Informado Não Informado Informado Não Informado Informado InformadoSão Paulo Não Informado Não Informado Não Informado Não Informado Não Informado InformadoTocantins Informado Informado Informado Informado Informado InformadoFonte: Ministério da Justiça - MJ/ Secretaria Nacional de Segurança Pública - SENASP/ Secretarias Estaduais de Segurança Pública/ Departamento de Pesquisa, Análise da Informação eDesenvolvimento de Pessoal em Segurança Pública - Coordenação Geral de Pesquisa.
  12. 12. Considerações Metodológicas – Informações AnalisadasA análise dos dados relativos às ocorrências registradas foi estruturada obedecendo duasdimensões principais: a avaliação conforme tipo de ocorrências e a avaliação conformeregião (Brasil, Região Geográfica, Estados e municípios). Realizamos a subdivisão dos tiposde ocorrência da seguinte forma: Indicadores Criminais Agregados: Homicídios Dolosos, Roubos Seguidos de Morte eCrimes Violentos Letais e Intencionais Lesões Seguidas de Morte Tentativas de Homicídio, Estupros, Atentados ViolentosCrimes Violentos Não Letais contra a Pessoa ao Pudor e TorturasCrimes Violentos contra o Patrimônio Roubos e Extorsões Mediante Seqüestro Homicídios Culposos e Lesões Corporais CulposasDelitos de Trânsito Resultantes de Acidentes de TrânsitoDelitos Envolvendo Drogas Tráfico, Uso e Porte de Drogas Em uma primeira versão do indicador Crimes Violentos Letais Intencionais inserimos as ocorrências“Mortes a Esclarecer” como componente deste indicador. Após a divulgação da primeira versão desterelatório, em 27 de setembro de 2006, recebemos críticas em relação a este procedimentometodológico. A equipe técnica da SENASP, após várias consultas com especialistas da área, decidiuretirar estas ocorrências do cálculo deste indicador. •Homicídios Dolosos •Atentados Violentos ao Pudor Indicadores Criminais •Tentativas de Homicídio •Extorsões Mediante Seqüestro Específicos: •Lesões Corporais •Roubos •Estupros •Furtos
  13. 13. Considerações Metodológicas – Grau de Cobertura das InformaçõesO grau de cobertura das informações encaminhadas pelas Polícias Civis, ou seja, do totalde delegacias da Polícia Civil existentes em cada Estado quantas nos enviaraminformações estatísticas, varia principalmente em função da maturidade e informatizaçãodos sistemas de registro de ocorrências já existentes nos Estados. Assim, por exemplo,há Estados onde já existem redes informatizadas que interligam todas as delegacias ebases de dados que sistematizam periodicamente as estatísticas coletadas destasdelegacias. Por outro lado, há Estados onde inexistem estruturas como estas e o esforçopara produzir uma estatística estadual se transforma em uma atividade difícil, demorada ede baixa garantia da qualidade da informação. Deste modo, podemos concluir que amensuração da cobertura dos dados encaminhados pelas Secretarias Estaduais deSegurança Pública constitui-se em uma forma de identificação das áreas onde é prioritárioo investimento da SENASP para a melhoria das condições de uso da informação.Avaliando as informações sobre cobertura dos dados, verificamos que a maior parte dosEstados possui alta cobertura, com valores acima de 90%. Os Estados que se destacampor ter cobertura de praticamente 100% são Bahia, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul,Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo, Sergipe, Goiás e Tocantins.Ressalta-se o sucesso apresentado pelos Estados do Paraná e Piauí que aumentaramsignificativamente a cobertura dos dados encaminhados no ano de 2005.Por outro lado, o Espírito Santo se destaca por ter a pior cobertura no país. Buscou-senão incluir este Estado nas análises comparativas, pois esta situação da cobertura dosdados prejudicaria as conclusões alcançadas por essas análises.
  14. 14. Cobertura dos Dados Enviados pelas Secretarias Estaduais de Segurança Pública em 2004 e 2005 Média da Cobertura dos Dados Média da Cobertura dos DadosUnidade da Federação entre Janeiro e Dezembro Unidade da Federação entre Janeiro e Dezembro 2004 2005 2004 2005Acre 92.3% 97.5% Paraíba 97.6% 91.1%Alagoas 98.5% 97.8% Paraná 46.8% 99.4%Amapá 91.1% 90.1% Pernambuco 97.8% 91.6%Amazonas 66.4% 80.6% Piauí 50.2% 96.5%Bahia 99.8% 98.8% Rio de Janeiro 100.0% 100.0%Ceará 96.5% 96.5% Rio Grande do Norte 65.0% 74.0%Distrito Federal 100.0% 100.0% Rio Grande do Sul 100.0% 100.0%Espírito Santo 61.5% 54.2% Rondônia 100.0% 95.4%Goiás 96.8% 100.0% Roraima 66.0% 96.0%Maranhão 85.7% 93.1% Santa Catarina 98.8% 93.0%Mato Grosso 71.4% 90.7% São Paulo 99.3% 100.0%Mato Grosso do Sul 100.0% 99.9% Sergipe 100.0% 98.6%Minas Gerais 83.5% 96.3% Tocantins 99.9% 98.2%Pará 90.7% 99.8%Fonte: Ministério da Justiça - MJ/ Secretaria Nacional de Segurança Pública - SENASP/ Secretarias Estaduais de Segurança Pública/Departamento de Pesquisa, Análise da Informação e Desenvolvimento de Pessoal em Segurança Pública - Coordenação Geral de Pesquisa. Elaboração da Tabela: 16/08/2006
  15. 15. Mapa das Ocorrências Registradas pelas Polícias Civis (Janeiro de 2004 a Dezembro de 2005) SITUAÇÃO NO BRASIL
  16. 16. Análise das Ocorrências Registradas pelas Polícias Civis por Número e Taxas por 100mil habitantes no Brasil (2004-2005) A análise das ocorrências registradas pelas Polícias Civis em todo o Brasil, nos anos de 2004 e 2005, evidencia que os crimes contra o patrimônio continuam sendo mais freqüentes que os outros crimes analisados. Em 2005, a chance de um brasileiro ser vítima de roubo foi 23 vezes maior do que ser vítima de um homicídio doloso. Apesar de não termos uma série histórica de dados suficientemente longa para elaborarmos projeções, é possível identificar que os crimes violentos letais e intencionais e os não letais contra a pessoa passam por um período de estabilidade, os crimes violentos contra o patrimônio e delitos envolvendo drogas passam por um período de incremento e os delitos de trânsito passam por um período de redução significativa. Em relação aos indicadores criminais específicos, é importante destacar a queda de homicídios dolosos e furtos entre os anos de 2004 e 2005. Por outro lado, os roubos aumentaram significativamente neste período. Em uma primeira versão do indicador Crimes Violentos Letais Intencionais inserimos as ocorrências“Mortes a Esclarecer” como componente deste indicador. Após a divulgação da primeira versão desterelatório, em 27 de setembro de 2006, recebemos críticas em relação a este procedimentometodológico. A equipe técnica da SENASP, após várias consultas com especialistas da área, decidiuretirar estas ocorrências do cálculo deste indicador.
  17. 17. Distirbuição das Ocorrências Registradas pelas Polícias Civispor número e taxas por 100 mil Habitantes no Brasil em 2004 e 2005. 2004 2005 Indicadores Criminais Número de Taxa por 100.000 Número de Taxa por 100.000 (1) (1) Ocorrências habitantes Ocorrências habitantesCrimes Violentos Letais Intencionais 43.044 24.0 43.847 23.8Crimes Violentos Não Letais Contra Pessoa 60.931 34.0 63.656 34.6Crimes Violentos Contra o Patrimônio 907.571 506.7 942.687 511.8Delitos de Trânsito 339.703 189.7 323.232 175.5Delitos envolvendo Drogas 84.364 47.1 89.261 48.5Homicídio Doloso 40.240 22.5 40.845 22.2Tentativa de Homicídio 35.279 19.7 35.739 19.4Lesão Corporal 677.312 378.2 722.202 392.1Estupro 14.719 16.2 15.268 16.3Atentado Violento ao Pudor 9.840 5.5 10.806 5.9Extorsão Mediante Sequestro 455 0.3 651 0.4Roubos 907.116 506.5 942.036 511.5Furtos 2.156.812 1.204.2 2.152.681 1.168.8Fonte: Ministério da Justiça - MJ/ Secretaria Nacional de Segurança Pública - SENASP/ Secretarias Estaduais de Segurança Pública/Departamento de Pesquisa, Análise da Informação e Desenvolvimento de Pessoal em Segurança Pública - Coordenação Geral dePesquisa/ Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.1 - Cálculo feito com base nos Censos Demográficos, Contagem Populacional e MS/SE/Datasus, a partir de totais populacionais fornecidos peloIBGE, para os anos intercensitários. Data da Elaboração da Tabela 11/10/2006.
  18. 18. Mapa das Ocorrências Registradas pelas Polícias Civis (Janeiro de 2004 a Dezembro de 2005) SITUAÇÃO NOS ESTADOS E MUNICÍPIOS
  19. 19. CRIMES VIOLENTOS LETAIS E INTENCIONAIS Situação nos Estados e Municípios
  20. 20. Crimes Violentos Letais e Intencionais (2004/2005) Composição e Distribuição MensalAs Polícias Civis registraram 43.044 ocorrências de crimes violentos letaisintencionais no Brasil, em 2004, e 43.847 ocorrências, em 2005. Estes crimes sãocompostos pela agregação dos homicídios dolosos, lesões corporais seguidas demorte e roubos seguidos de morte nas proporções abaixo expostas no gráfico. Oshomicídios dolosos correspondem a 93.5% dos crimes violentos letais eintencionais. Comparativamente, a análise da evolução mensal da incidência, combase no cálculo da média móvel* dos crimes violentos letais e intencionais, entrejaneiro de 2004 e dezembro de 2005, evidencia que os meses com maior númerode registro foram entre dezembro de 2004 e março de 2005. O primeiro semestrede 2004 e o segundo semestre de 2005 compreenderam meses com menornúmero de registro. Em uma primeira versão do indicador Crimes Violentos Letais Intencionais inserimos as ocorrências“Mortes a Esclarecer” como componente deste indicador. Após a divulgação da primeira versão desterelatório, em 27 de setembro de 2006, recebemos críticas em relação a este procedimentometodológico. A equipe técnica da SENASP, após várias consultas com especialistas da área, decidiuretirar estas ocorrências do cálculo deste indicador.* Cálculo com base na soma das ocorrências do mês em questão, dos dois meses anteriores e os dois meses consecutivos, divido pelo número de meses calculados.
  21. 21. Análise dos Crimes Violentos Letais e Intencionais Registrados pelas Polícias Civis no Brasil segundo sua Composição e distribuição Mensal (2004-2005) Distribuição Mensal dos Crimes Violentos Letais Intencionais no Brasil em 2004 e 2005 5000 4500 Número de Ocorrências 4000 3500 3000 2500 2000 4 4 5 5 4 4 4 4 5 5 5 5 04 04 4 04 4 4 05 05 5 05 5 5 0 /0 0 /0 r/0 /0 l/0 t/0 /0 r/0 /0 l/0 t/0 /0 /0 t/0 /0 t/0 o/ o/ n/ v/ n/ n/ v/ n/ v v ai z ai z ar ar ju ju se se ou ou ab ab de de fe fe no no ag ag ja ja ju ju m m m m Meses 2.0% 4.6% Homicídio Doloso Lesão Corporal Seguida de Morte Roubo Seguido de Morte (Latrocínio) 93.5%Fonte: Ministério da Justiça - MJ/ Secretaria Nacional de Segurança Pública - SENASP/ Secretarias Estaduais de Segurança Pública/ Departamento de Pesquisa, Análise da Informação eDesenvolvimento de Pessoal em Segurança Pública - Coordenação Geral de Pesquisa.
  22. 22. Crimes Violentos Letais e Intencionais (2004/2005) Distribuição EspacialAproximadamente 42% dos crimes violentos letais e intencionais ocorreram naregião sudeste e 28% ocorreram na região nordeste. São Paulo foi o Estado ondeocorreu o maior número destes crimes nos dois anos, concentrando 17% doscrimes ocorridos no Brasil. Por outro lado, Roraima foi o Estado brasileiro onde seregistrou o menor número de ocorrências deste tipo de crime.Em termos de taxas do número de registros por 100 mil habitantes, verificamos quea região norte é a que possui a maior taxa, seguida pela região nordeste.Comparando as taxas dos diversos Estados, verificamos que as maiores taxasencontram-se em Pernambuco e no Rio de Janeiro, e as menores taxasencontram-se no Rio Grande do Sul, Maranhão, Santa Catarina, Roraima e Piauí.Entre os municípios com população acima de 100 mil habitantes, verificamos queos seguintes municípios se destacam por possuírem as maiores taxas de númerode registro de ocorrências de crimes violentos letais e intencionais por 100 milhabitantes, nos anos de 2004 e 2005: Foz do Iguaçu (PR), Jaboatão dosGuararapes (PE), Olinda (PE), Macaé (RJ), Cariacica (ES) e Cabo de SantoAgostinho (PE).
  23. 23. (3) (1) Distribuição das Ocorrências de Crimes Violentos Letais Intencionais Registradas pelas Polícias Civis por 100.000 Habitantes, em 2004 e 2005 2004 2005 Brasil, Regiões e Unidades da Taxa por Taxa por Federação Número de Número de População 100.000 População 100.000 Ocorrências Ocorrências habitantes(2) habitantes(2) Brasil 179.108.134 43.044 24.0 184.184.074 43.847 23.8 Região Norte 14.064.278 3.485 24.8 14.698.834 3.950 26.9Rondônia 1.479.940 532 35.9 1.534.584 476 31.0Acre 614.205 155 25.2 669.737 121 18.1Amazonas 3.100.136 436 14.1 3.232.319 525 16.2Roraima 367.701 54 14.7 391.318 49 12.5Pará 6.695.940 1.926 28.8 6.970.591 2.438 35.0Amapá 553.100 179 32.4 594.577 132 22.2Tocantins 1.253.256 203 16.2 1.305.708 209 16.0 Região Nordeste 49.862.741 12.300 24.7 51.018.983 12.896 25.3Maranhão 5.943.807 815 13.7 6.103.338 954 15.6Piauí 2.949.133 220 7.5 3.006.886 273 9.1Ceará 7.862.067 1.456 18.5 8.097.290 1.637 20.2Rio Grande do Norte 2.923.287 433 14.8 3.003.040 597 19.9Paraíba 3.542.167 730 20.6 3.595.849 696 19.4Pernambuco 8.238.849 4.034 49.0 8.413.601 4.039 48.0Alagoas 2.947.717 1.056 35.8 3.015.901 1.123 37.2Sergipe 1.903.065 482 25.3 1.967.818 460 23.4Bahia 13.552.649 3.074 22.7 13.815.260 3.117 22.6 Região Sudeste 76.333.625 19.867 26.0 78.472.036 18.405 23.5Minas Gerais 18.762.405 3.209 17.1 19.237.434 3.566 18.5Espírito Santo 3.298.541 1.326 40.2 3.408.360 969 28.4Rio de Janeiro 15.033.317 5.966 39.7 15.383.422 6.230 40.5São Paulo 39.239.362 9.366 23.9 40.442.820 7.640 18.9 Região Sul 26.315.184 4.412 16.8 26.973.432 5.384 20.0Paraná 10.015.425 2.241 22.4 10.261.840 3.307 32.2Santa Catarina 5.686.503 573 10.1 5.866.590 490 8.4Rio Grande do Sul 10.613.256 1.598 15.1 10.845.002 1.587 14.6 Região Centro-Oeste 12.532.306 2.980 23.8 13.020.789 3.212 24.7Mato Grosso do Sul 2.198.640 551 25.1 2.264.489 519 22.9Mato Grosso 2.697.717 645 23.9 2.803.272 899 32.1Goiás 5.402.335 1.162 21.5 5.619.919 1.218 21.7Distrito Federal 2.233.614 622 27.8 2.333.109 576 24.7Fonte: Ministério da Justiça - MJ/ Secretaria Nacional de Segurança Pública - SENASP/ Secretarias Estaduais de Segurança Pública/ Departamento de Pesquisa, Análise daInformação e Desenvolvimento de Pessoal em Segurança Pública - Coordenação Geral de Pesquisa/ Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.1 - Este indicador é composto pela soma do número de ocorrências dos seguintes delitos: homícidio doloso; lesão corporal seguida de morte e roubo seguido de morte (latrocínio).2 - Cálculo feito com base nos Censos Demográficos, Contagem Populacional e MS/SE/Datasus, a partir de totais populacionais fornecidos pelo IBGE, para os anos intercensitários.3 - As Informações fornecidas pelas Secretarias Estaduais de Segurança Pública podem variar de acordo com a cobertura dos dados em termo das delegacias que informam o sistema. Data da Elaboração da Tabela 11/10/2006.
  24. 24. Mapa das Taxas de Ocorrência de Crimes Violentos Letais Intencionais por 100 mil Hab. Registradas pela Polícia Civil nas Unidades da Federação em 2005 Taxas por 100 mil hab. de Crimes Violentos Letais Intencionais nas Unidades da Federação em 2005 Acima de 30,0 por 100 mil Hab. Entre 20,0 e 30,0 por 100 mil Hab. Entre 18,0 e 20,0 por 100 mil Hab. Abaixo de 17,0 por 100 mil Hab.Fonte: Ministério da Justiça - MJ/ Secretaria Nacional de Segurança Pública - SENASP/ Secretarias Estaduais de Segurança Pública/ Departamento de Pesquisa, Análise da Informação eDesenvolvimento de Pessoal em Segurança Pública - Coordenação Geral de Pesquisa/ Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.
  25. 25. Distribuição das Ocorrências Registradas pelas Polícias Civis Relativas a Crimes Violentos Letais Intencionais, Segundo Número e Taxas por 100.000 habitantes, nos Municípios com População Superior a 100 mil hab. em 2004 N° de Taxa por 100 N° de Taxa por 100 N° de Taxa por 100 N° de Taxa por 100 Municípios Municípios Municípios Municípios Ocorrências mil Hab. Ocorrências mil Hab. Ocorrências mil Hab. Ocorrências mil Hab. 1 AL-ARAPIRACA 239 122.4 65 SP-CUBATÃO 43 37.3 129 SP-GUARUJÁ 69 24.1 193 MG-ARAGUARI 13 12.2 2 ES-SERRA 405 112.1 66 SP-FERRAZ DE VASCONCELOS 60 37.2 130 PR-PARANAGUÁ 33 23.8 194 SP-SANTA BÁRBARA DO OESTE 22 12.2 3 PR-FOZ DO IGUAÇU 303 105.8 67 CE-CAUCAIA 106 37.2 131 MA-TIMON 33 23.8 195 SP-BARRETOS 13 12.1 4 ES-CARIACICA 332 96.4 68 PR-PONTA GROSSA 108 37.1 132 CE-FORTALEZA 536 23.4 196 SP-MOGI GUAÇÚ 16 12.0 5 PE-JABOATÃO DOS GUARARAPES 573 92.4 69 SP-CAMPINAS 378 37.1 133 MS-CAMPO GRANDE 163 22.7 197 MG-UBERLÂNDIA 65 11.7 6 PE-OLINDA 333 87.9 70 BA-VITÓRIA DA CONQUISTA 103 37.1 134 DF-TAGUANTINGA 58 22.6 198 BA-JEQUIÉ 17 11.5 7 RJ-MACAÉ - CARAPEBUS - QUISSAMÃ 148 85.7 71 SP-COTIA 61 36.8 135 RS-SAPUCAIA DO SUL 29 22.3 199 SP-FRANCA 35 11.3 8 PE-CABO DE SANTO AGOSTINHO 131 80.1 72 PA-ANANINDEUA 164 36.4 136 BA-ALAGOINHAS 30 22.2 200 SP-MARÍLIA 23 10.9 9 PA-MARABÁ 145 78.0 73 PB-JOÃO PESSOA 227 35.6 137 SC-SÃO JOSÉ 41 21.7 201 SP-PINDAMONHANGABA 14 10.3 10 MG-BETIM 259 71.6 74 PR-PINHAIS 40 35.1 138 SC-LAGES 35 21.4 202 MG-DIVINÓPOLIS 20 10.2 11 PE-GARANHUNS 88 71.2 75 SE-NOSSA SR.ª DO SOCORRO 55 34.9 139 PR-TOLEDO 22 21.4 203 PA-CAMETÁ 10 9.7 12 PE-CARUARU 182 67.5 76 DF-SAMAMBAIA 60 34.7 140 RN-MOSSORÓ 47 21.1 204 RS-SANTA MARIA 25 9.7 13 ES-VITÓRIA 206 67.3 77 SP-GUARULHOS 410 34.5 141 RJ-NOVA FRIBURGO 37 21.0 205 SP-SÃO CARLOS 19 9.2 14 GO-LUZIÂNIA 110 66.1 78 MT-RONDONÓPOLIS 55 34.2 142 RS-SANTA CRUZ DO SUL 24 21.0 206 PR-MARINGÁ 28 9.1 15 RJ-QUEIMADOS 86 65.5 79 DF-RECANTO DAS EMAS 38 33.7 143 GO-ANÁPOLIS 63 20.8 207 SP-DIADEMA 34 9.0 16 PE-RECIFE 945 64.1 80 MG-TEÓFILO OTONI 43 33.5 144 SP-VOTORANTIN 21 20.6 208 SP-SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 35 9.0 17 ES-VILA VELHA 232 61.3 81 AC-RIO BRANCO 94 33.4 145 SP-SOROCABA 111 20.6 209 RS-PELOTAS 30 9.0 18 RJ-ITABORAÍ - TANGUÁ 143 61.1 82 MS-DOURADOS 59 33.4 146 RS-URUGUAIANA 27 20.4 210 SP-AMERICANA 17 8.8 19 AL-MACEIÓ 518 59.8 83 SP-SÃO PAULO 3556 33.1 147 TO-ARAGUAÍNA 25 20.4 211 MT-VÁRZEA GRANDE 19 8.0 20 RO-PORTO VELHO 215 59.7 84 BA-SALVADOR 855 33.0 148 MA-CAXIAS 29 20.4 212 SC-JOINVILLE 37 7.9 21 BA-JUAZEIRO 114 59.0 85 SE-ARACAJÚ 155 31.9 149 RR-BOA VISTA 46 20.2 213 RJ-PETRÓPOLIS 23 7.7 22 PR-LONDRINA 266 56.2 86 SP-JANDIRA 33 31.9 150 RS-NOVO HAMBURGO 48 19.3 214 RS-BAGÉ 9 7.6 23 RJ-BELFORD ROXO 259 55.8 87 CE-JUAZEIRO DO NORTE 71 31.2 151 RS-CAXIAS DO SUL 75 19.3 215 SP-BRAGANÇA PAULISTA 10 7.4 24 RJ-DUQUE DE CAXIAS 454 55.4 88 PA-CASTANHAL 46 31.2 152 SP-ITÚ 28 19.1 216 SP-SÃO CAETANO DO SUL 10 7.3 25 PE-PAULISTA 154 54.5 89 GO-ÁGUAS LINDAS DE GOIÁS 43 30.6 153 SP-ATIBAIA 23 18.9 217 RS-RIO GRANDE 14 7.3 26 PR-SÃO JOSÉ DOS PINHAIS 128 54.4 90 PA-BELÉM 416 30.6 154 PA-ABAETETUBA 24 18.9 218 SC-CRICIÚMA 13 7.2 27 RJ-NOVA IGUAÇU 434 54.0 91 MG-CONTAGEM 173 30.2 155 SC-PALHOÇA 22 18.9 219 GO-APARECIDA DE GOIÂNIA 28 7.0 28 BA-ITABUNA 108 53.7 92 SP-SUZANO 77 30.0 156 PI-TERESINA 139 18.2 220 MG-POUSO ALEGRE 8 6.8 29 MG-BELO HORIZONTE 1228 52.8 93 RS-SÃO LEOPOLDO 61 29.9 157 MA-IMPERATRIZ 42 18.1 221 GO-RIO VERDE 8 6.3 30 GO-VALPARAÍSO DE GOIÁS 57 51.4 94 SP-MAUÁ 115 29.4 158 SC-FLORIANÓPOLIS 68 18.0 222 SP-CATANDUVA 7 6.3 31 RJ-NILÓPOLIS 78 51.3 95 RN-NATAL 222 29.4 159 SP-TABOÃO DA SERRA 38 17.9 223 MG-VARGINHA 7 6.0 32 BA-CAMAÇARI 89 49.1 96 RJ-VOLTA REDONDA 73 29.1 160 SP-RIBEIRÃO PIRES 20 17.8 224 SC-JARAGUÁ DO SUL 7 5.8 33 RJ-ANGRA DOS REIS 64 48.2 97 RJ-CAMPOS DOS GOYTACAZES 122 29.1 161 CE-SOBRAL 29 17.4 225 MG-UBERABA 15 5.6 34 BA-TEIXEIRA DE FREITAS 56 48.1 98 SP-SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 168 29.0 162 SC-CHAPECÓ 28 17.4 226 MG-CONSELHEIRO LAFAIETE 6 5.5 35 SP-ITAPECERICA DA SERRA 71 48.1 99 SP-FRANCO DA ROCHA 34 29.0 163 SP-ARARAS 19 17.1 227 MG-SETE LAGOAS 11 5.5 36 PE-PETROLINA 116 48.1 100 SP-SÃO BERNARDO DO CAMPO 219 28.9 164 RS-CANOAS 54 16.8 228 MG-MONTES CLAROS 18 5.5 37 MG-SANTA LUZIA 98 48.0 101 DF-GUARÁ 36 28.8 165 RS-PASSO FUNDO 30 16.7 229 MG-BARBACENA 6 5.0 38 BA-ILHÉUS 105 47.4 102 SP-RIO CLARO 52 28.8 166 SP-BAURU 56 16.6 230 ES-LINHARES 5 4.2 39 SP-HORTOLÂNDIA 82 45.7 103 SP-CARAPICUIBA 105 28.4 167 BA-BARREIRAS 21 16.6 231 MG-IPATINGA 9 4.0 40 SP-SUMARÉ 100 45.6 104 DF-GAMA 38 27.7 168 SP-POÁ 17 16.4 232 SP-JAÚ 4 3.4 41 RJ-MAGÉ 96 43.1 105 PB-CAMPINA GRANDE 101 27.4 169 SP-JUNDIAÍ 54 16.0 233 MG-JUIZ DE FORA 16 3.3 42 RJ-MESQUITA 76 43.0 106 SP-ARAÇATUBA 48 27.3 170 RS-VIAMÃO 39 15.8 234 MG-IBIRITÉ 5 3.2 43 MG-GOVERNADOR VALADARES 109 42.9 107 GO-GOIÂNIA 316 27.2 171 SP-ITAPETININGA 21 15.5 235 MG-PATOS DE MINAS 4 3.0 44 RJ-CABO FRIO - ARRAIAL DO CABO 73 42.1 108 PR-COLOMBO 57 27.2 172 ES-CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 29 15.5 236 SC-BLUMENAU 2 0.7 45 BA-LAURO DE FREITAS 55 41.8 109 SC-ITAJAÍ 43 27.1 173 SP-TAUBATÉ 40 15.4 237 MG-RIBEIRÃO DAS NEVES 1 0.4 46 CE-MARACANAÚ 79 41.8 110 SP-BOTUCATU 31 26.9 174 PA-SANTARÉM 41 15.2 238 DF-SOBRADINHO . . 47 MT-CUIABÁ 212 41.1 111 RJ-BARRAMANSA - QUATIS 49 26.5 175 SP-PIRACICABA 53 15.2 239 AM-PARINTINS . . 48 SP-JACAREÍ 83 41.0 112 PR-GUARAPUAVA 43 26.4 176 SP-PRESIDENTE PRUDENTE 29 14.6 240 MA-SÃO JOSÉ DE RIBAMAR . . 49 SP-FRANCISCO MORATO 63 40.9 113 RO-JI-PARANÁ 29 26.3 177 SP-INDAIATUBA 24 14.5 241 BA-PAULO AFONSO . . 50 SP-ITAQUAQUECETUBA 129 40.7 114 SP-OSASCO 179 26.1 178 RJ-TERESÓPOLIS 21 14.5 242 BA-SIMÕES FILHO . . 51 AP-MACAPÁ 134 40.6 115 SP-SANTO ANDRÉ 172 26.0 179 SP-SANTOS 60 14.4 243 MG-CORONEL FABRICIANO . . 52 PR-CURITIBA 686 40.4 116 SP-BARUERI 62 25.9 180 MG-SABARÁ 18 14.3 244 MG-ITABIRA . . 53 RJ-SÃO JOÃO DE MERITI 184 40.1 117 BA-FEIRA DE SANTANA 132 25.8 181 RN-PARNAMIRIM 21 14.0 245 MG-PASSOS . . 54 RJ-NITERÓI 185 39.5 118 DF-CEILÂNDIA 89 25.6 182 PE-VITÓRIA DE SANTO ANTÃO 17 13.9 246 MG-POÇOS DE CALDAS . . 55 PB-SANTA RITA 49 39.4 119 SP-PRAIA GRANDE 56 25.2 183 RS-CACHOEIRINHA 16 13.9 247 SP-ARARAQUARA . . 56 RS-ALVORADA 79 39.3 120 RS-PORTO ALEGRE 354 25.2 184 DF-BRASILIA 27 13.6 248 SP-BIRIGUI . . 57 RJ-RIO DE JANEIRO 2361 39.3 121 AM-MANAUS 393 25.1 185 SP-RIBEIRÃO PRETO 72 13.5 249 SP-OURINHOS . . 58 PE-CAMARAGIBE 55 39.1 122 SP-MOGI DAS CRUZES 88 24.9 186 MA-SÃO LUÍS 126 13.4 250 SP-SALTO . . 59 SP-EMBÚ 89 38.9 123 BA-PORTO SEGURO 30 24.9 187 PR-APUCARANA 15 13.3 251 SP-SERTÃOZINHO . . 60 RJ-SÃO GONÇALO 362 38.7 124 RJ-RESENDE 28 24.8 188 MA-CODÓ 15 13.2 252 SP-TATUÍ . . 61 SP-ITAPEVI 71 38.5 125 SP-GUARATINGUETA 27 24.8 189 TO-PALMAS 24 13.1 253 SP-VÁRZEA PAULISTA . . 62 DF-SANTA MARIA 41 38.3 126 CE-CRATO 27 24.5 190 RS-GRAVATAÍ 33 13.0 254 PR-ALMIRANTE TAMANDARE . . 63 PR-CASCAVEL 101 37.9 127 SP-SÃO VICENTE 77 24.2 191 PI-PARNAÍBA 18 13.0 255 PR-ARAUCARIA . . 64 DF-PLANALTINA 67 37.6 128 ES-COLATINA 26 24.1 192 SP-LIMEIRA 33 12.4 256 PR-CAMPO LARGO . . Data de Elaboração da Tabela: 10/11/06Nota: A análise dos dados não considerou os Estados do Espírito Santo, Paraná e Piauí devido aos baixos índices de cobertura das informações fornecidas ao SINESPJC.Fonte: Ministério da Justiça - MJ/ Secretaria Nacional de Segurança Pública - SENASP/ Secretarias Estaduais de Segurança Pública/ Departamento de Pesquisa, Análise da Informação eDesenvolvimento de Pessoal em Segurança Pública - Coordenação Geral de Pesquisa/ Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.
  26. 26. Distribuição das Ocorrências Registradas pelas Polícias Civis Relativas a Crimes Violentos Letais Intencionais, Segundo Número e Taxas por 100.000 habitantes, nos Municípios com População Superior a 100 mil hab. em 2005 N° de Taxa por 100 N° de Taxa por 100 N° de Taxa por 100 N° de Taxa por 100 Municípios Municípios Municípios Municípios Ocorrências mil Hab. Ocorrências mil Hab. Ocorrências mil Hab. Ocorrências mil Hab. 1 PE-CAMARAGIBE 258 175.4 65 CE-CAUCAIA 107 35.2 129 MG-IPATINGA 51 21.9 193 MG-VARGINHA 10 8.2 2 PR-FOZ DO IGUAÇU 329 109.2 66 GO-ÁGUAS LINDAS DE GOIÁS 56 35.2 130 SP-SÃO BERNARDO DO CAMPO 172 21.8 194 PE-VITÓRIA DE SANTO ANTÃO 10 8.0 3 PE-JABOATÃO DOS GUARARAPES 593 92.6 67 BA-SALVADOR 923 34.5 131 SP-TABOÃO DA SERRA 47 21.3 195 SP-FRANCA 25 7.8 4 PA-MARABÁ 178 90.9 68 RJ-RESENDE 40 34.1 132 MA-TIMON 30 20.9 196 BA-JEQUIÉ 11 7.4 5 ES-CARIACICA 323 90.9 69 SP-ITAQUAQUECETUBA 115 33.8 133 PI-TERESINA 161 20.4 197 MG-POUSO ALEGRE 9 7.4 6 PE-CABO DE SANTO AGOSTINHO 151 89.2 70 CE-CRATO 38 33.5 134 SP-BARUERI 52 20.3 198 SC-JARAGUÁ DO SUL 9 7.0 7 PE-OLINDA 332 86.3 71 SP-FRANCISCO MORATO 55 33.3 135 RO-JI-PARANÁ 22 19.6 199 SP-DIADEMA 27 6.9 8 RJ-MACAÉ - CARAPEBUS - QUISSAMÃ 117 74.8 72 MS-DOURADOS 61 33.3 136 SP-SOROCABA 108 19.1 200 MG-SABARÁ 9 6.9 9 AL-MACEIÓ 643 71.2 73 PA-BELÉM 466 33.2 137 PB-JOÃO PESSOA 124 18.8 201 BA-ALAGOINHAS 9 6.510 RJ-ITABORAÍ - TANGUÁ 151 70.0 74 RJ-NOVA FRIBURGO 58 32.7 138 MS-CAMPO GRANDE 137 18.3 202 SP-AMERICANA 12 6.011 GO-LUZIÂNIA 125 69.4 75 PB-CAMPINA GRANDE 121 32.2 139 RJ-TERESÓPOLIS 27 18.1 203 TO-PALMAS 12 5.812 PR-SÃO JOSÉ DOS PINHAIS 171 67.7 76 SP-CARAPICUIBA 123 32.1 140 SP-VOTORANTIN 19 18.0 204 ES-CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 11 5.713 AL-ARAPIRACA 134 67.0 77 GO-VALPARAÍSO DE GOIÁS 38 31.8 141 SP-MOGI DAS CRUZES 65 17.8 205 PI-PARNAÍBA 8 5.614 RJ-DUQUE DE CAXIAS 561 66.6 78 MT-RONDONÓPOLIS 53 31.8 142 MA-CODÓ 20 17.5 206 SP-JAÚ 6 4.915 MT-CUIABÁ 353 66.1 79 CE-JUAZEIRO DO NORTE 75 31.7 143 DF-TAGUATINGA 45 17.4 207 PA-CAMETÁ 5 4.716 BA-ITABUNA 134 65.8 80 SP-COTIA 55 31.4 144 SP-SANTO ANDRÉ 116 17.3 208 SP-SÃO CAETANO DO SUL 6 4.517 PE-GARANHUNS 81 63.9 81 SP-EMBÚ 74 30.8 145 MA-IMPERATRIZ 39 16.8 209 SC-BLUMENAU 13 4.418 MG-SANTA LUZIA 134 62.5 82 PR-PONTA GROSSA 91 30.3 146 GO-APARECIDA DE GOIÂNIA 72 16.5 210 MG-UBERABA 12 4.319 MG-BETIM 240 61.3 83 SP-ITAPEVI 59 30.0 147 SP-ITÚ 24 15.7 211 SC-LAGES 6 3.620 BA-ILHÉUS 134 60.6 84 MG-IBIRITÉ 50 29.9 148 SP-SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 94 15.7 212 SP-BOTUCATU 4 3.421 PE-RECIFE 903 60.2 85 SP-FERRAZ DE VASCONCELOS 51 29.8 149 SP-SANTA BÁRBARA DO OESTE 29 15.6 213 MG-BARBACENA 4 3.322 RJ-ANGRA DOS REIS 81 57.7 86 BA-LAURO DE FREITAS 42 29.7 150 SC-PALHOÇA 19 15.3 214 MG-POÇOS DE CALDAS 3 2.023 RJ-MAGÉ 134 57.7 87 PR-PARANAGUÁ 43 29.7 151 RR-BOA VISTA 37 15.3 215 MG-CONSELHEIRO LAFAIETE 2 1.824 MG-GOVERNADOR VALADARES 145 56.3 88 SP-ARAÇATUBA 53 29.5 152 SC-SÃO JOSÉ 30 15.2 216 SC-CRICIÚMA 3 1.625 BA-JUAZEIRO 113 55.6 89 SP-FRANCO DA ROCHA 36 29.4 153 SP-PRESIDENTE PRUDENTE 31 15.2 217 MG-JUIZ DE FORA 7 1.426 RJ-CABO FRIO - ARRAIAL DO CABO 87 54.5 90 PR-TOLEDO 31 29.3 154 SC-FLORIANÓPOLIS 58 14.6 218 MG-RIBEIRÃO DAS NEVES 4 1.327 RJ-BELFORD ROXO 260 54.1 91 TO-ARAGUAÍNA 37 29.0 155 SP-RIBEIRÃO PIRES 17 14.6 219 SC-JOINVILLE 4 0.828 PE-CARUARU 149 53.5 92 SP-GUARULHOS 363 29.0 156 SP-MARÍLIA 32 14.5 220 MG-DIVINÓPOLIS 1 0.529 MG-TEÓFILO OTONI 67 52.4 93 SP-ITAPECERICA DA SERRA 45 28.6 157 SC-ITAJAÍ 23 13.9 221 SP-RANCHARIA 0 0.030 PE-PETROLINA 131 51.6 94 SE-ARACAJÚ 141 28.3 158 SP-RIO CLARO 26 13.9 222 AM-PARINTINS . .31 ES-SERRA 193 50.4 95 CE-FORTALEZA 666 28.0 159 SP-SÃO VICENTE 45 13.8 223 PA-BRAGANÇA . .32 RJ-NITERÓI 238 50.2 96 CE-SOBRAL 48 27.8 160 SP-GUARUJÁ 41 13.7 224 MA-SÃO JOSÉ DE RIBAMAR . .33 ES-VILA VELHA 197 49.7 97 GO-GOIÂNIA 329 27.4 161 SP-PIRACICABA 49 13.6 225 BA-PAULO AFONSO . .34 PA-ANANINDEUA 239 49.6 98 ES-COLATINA 30 27.2 162 MG-UBERLÂNDIA 79 13.5 226 BA-SIMÕES FILHO . .35 BA-CAMAÇARI 94 49.0 99 MG-CONTAGEM 160 27.0 163 SP-BRAGANÇA PAULISTA 19 13.5 227 MG-CORONEL FABRICIANO . .36 PR-CASCAVEL 134 48.2 100 RJ-VOLTA REDONDA 68 26.6 164 SP-GUARATINGUETA 15 13.4 228 MG-ITABIRA . .37 PR-COLOMBO 108 48.1 101 AM-MANAUS 435 26.5 165 MG-PATOS DE MINAS 18 13.1 229 MG-PASSOS . .38 BA-TEIXEIRA DE FREITAS 58 47.9 102 MA-CAXIAS 38 26.5 166 SP-PRAIA GRANDE 31 13.1 230 ES-LINHARES . .39 PR-CURITIBA 841 47.8 103 RJ-BARRAMANSA - QUATIS 46 26.2 167 MT-VÁRZEA GRANDE 32 12.9 231 SP-ARARAQUARA . .40 RJ-NOVA IGUAÇU 394 47.4 104 BA-VITÓRIA DA CONQUISTA 75 26.2 168 SP-BAURU 43 12.3 232 SP-BIRIGUI . .41 RJ-QUEIMADOS 64 46.9 105 BA-FEIRA DE SANTANA 138 26.2 169 SP-SANTOS 51 12.2 233 SP-OURINHOS . .42 PR-LONDRINA 228 46.7 106 DF-CEILÂNDIA 91 26.1 170 SP-POÁ 13 12.0 234 SP-SALTO . .43 PR-PINHAIS 56 46.6 107 SP-CUBATÃO 31 26.0 171 SP-LIMEIRA 32 11.6 235 SP-SERTÃOZINHO . .44 PA-CASTANHAL 71 45.9 108 AC-RIO BRANCO 79 25.8 172 SP-TAUBATÉ 31 11.6 236 SP-TATUÍ . .45 PB-SANTA RITA 58 44.9 109 MA-SÃO LUÍS 252 25.8 173 SP-ITAPETININGA 16 11.4 237 SP-VÁRZEA PAULISTA . .46 MG-BELO HORIZONTE 1057 44.5 110 SP-JANDIRA 28 25.4 174 MG-MONTES CLAROS 39 11.4 238 PR-ALMIRANTE TAMANDARE . .47 RN-NATAL 343 44.1 111 AP-MACAPÁ 90 25.3 175 SP-ARARAS 13 11.3 239 PR-ARAUCARIA . .48 BA-PORTO SEGURO 59 44.0 112 SP-SÃO PAULO 2726 25.0 176 SP-JUNDIAÍ 39 11.3 240 PR-CAMPO LARGO . .49 PE-PAULISTA 128 43.5 113 DF-SAMAMBAIA 43 24.6 177 SP-MOGI GUAÇÚ 15 10.8 241 RS-ALVORADA . .50 RO-PORTO VELHO 161 43.1 114 DF-GAMA 33 23.8 178 SP-RIBEIRÃO PRETO 59 10.7 242 RS-BAGÉ . .51 RJ-SÃO GONÇALO 408 42.5 115 PA-ABAETETUBA 31 23.6 179 SP-PINDAMONHANGABA 15 10.6 243 RS-CACHOEIRA DO SUL . .52 RJ-SÃO JOÃO DE MERITI 196 42.2 116 SP-ATIBAIA 30 23.6 180 DF-BRASILIA 21 10.6 244 RS-CACHOEIRINHA . .53 RJ-NILÓPOLIS 63 41.7 117 GO-ANÁPOLIS 74 23.6 181 GO-RIO VERDE 14 10.5 245 RS-CANOAS . .54 RJ-MESQUITA 75 41.1 118 PR-MARINGÁ 75 23.5 182 MG-SETE LAGOAS 22 10.5 246 RS-CAXIAS DO SUL . .55 PR-GUARAPUAVA 67 40.2 119 SP-JACAREÍ 49 23.5 183 SP-INDAIATUBA 18 10.2 247 RS-GRAVATAÍ . .56 SE-NOSSA SR.ª DO SOCORRO 68 39.6 120 PR-APUCARANA 27 23.3 184 MG-ARAGUARI 11 10.1 248 RS-NOVO HAMBURGO . .57 DF-RECANTO DAS EMAS 46 38.9 121 BA-BARREIRAS 31 23.1 185 RN-PARNAMIRIM 16 9.8 249 RS-PASSO FUNDO . .58 DF-SANTA MARIA 42 38.6 122 PA-SANTARÉM 63 23.0 186 RJ-PETRÓPOLIS 30 9.8 250 RS-PELOTAS . .59 DF-PLANALTINA 70 37.7 123 SP-SUZANO 62 22.8 187 SP-SÃO CARLOS 21 9.8 251 RS-PORTO ALEGRE . .60 CE-MARACANAÚ 73 37.7 124 SP-MAUÁ 92 22.7 188 SP-CATANDUVA 11 9.5 252 RS-RIO GRANDE . .61 SP-HORTOLÂNDIA 73 37.6 125 SP-SUMARÉ 52 22.5 189 SC-CHAPECÓ 16 9.5 253 RS-SANTA CRUZ DO SUL . .62 RJ-CAMPOS DOS GOYTACAZES 159 37.3 126 RN-MOSSORÓ 51 22.4 190 SP-SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 38 9.3 254 RS-SANTA MARIA . .63 RJ-RIO DE JANEIRO 2235 36.7 127 SP-OSASCO 158 22.4 191 DF-GUARÁ 11 8.7 255 RS-SÃO LEOPOLDO . .64 ES-VITÓRIA 114 36.4 128 SP-CAMPINAS 234 22.4 192 SP-BARRETOS 9 8.2 256 RS-SAPUCAIA DO SUL . . Data de Elaboração da Tabela: 10/11/06Fonte: Ministério da Justiça - MJ/ Secretaria Nacional de Segurança Pública - SENASP/ Secretarias Estaduais de Segurança Pública/ Departamento de Pesquisa, Análise da Informação eDesenvolvimento de Pessoal em Segurança Pública - Coordenação Geral de Pesquisa.
  27. 27. CRIMES VIOLENTOS NÃO LETAIS CONTRA A PESSOA Situação nos Estados e Municípios
  28. 28. Crimes Violentos Não Letais contra a Pessoa (2004/2005) Composição e Distribuição Mensal Estes crimes são compostos pela agregação das tentativas de homicídio, estupros, atentados violentos ao pudor e torturas nas proporções abaixo expostas no gráfico. As tentativas de homicídio compreendem 55% do total de crimes violentos não letais contra a pessoa. Comparativamente, a análise da evolução mensal da incidência dos crimes violentos não letais contra a pessoa, com base no cálculo da média móvel*, entre janeiro de 2004 e dezembro de 2005, evidencia a existência de um maior número de registros no segundo semestre de 2004 e no primeiro trimestre de 2005. O restante do período analisado mostra número de registros variando mensalmente em torno de um padrão praticamente constante.* Cálculo com base na soma das ocorrências do mês em questão, dos dois meses anteriores e os dois meses consecutivos, divido pelo número de meses calculados.

×