SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Disciplina: Bioquímica Industrial
                                            Prof.ª Drª Maria Isaura




Acadêmicos:
Poliana Alves;   Lionizio Oliveira;   Diego Garreto;   Narciso Amorim.
Introdução

 Nos últimos anos a procura por produtos naturais tem
crescido em todo o mundo.

O uso de matérias-primas naturais – estudos e pesquisas –
por ser potencial na substituição de derivados petroquímicos.

 As fibras vegetais são úteis na indústria automobilística.

 Dentre as espécies da região Amazônica que tem o potencial
– produção de fibras – curauá (Ananas comosus var.
erectifolius).
Introdução

 Família Bromeliaceae – curauá: enzima bromelina.

 Tem      um      alto      valor     comercial:     Indústria
farmacêutica, alimentícia e cosmética.

 Bromelina: enzima proteolítica da classe das hidrolases.
Ananás comosus var. erictifolius
                            Curauá roxo




                                                     http://www.terradagente.com.br/flora/0,0,4,136%3B14,abacaxizeiro.aspx




http://frutasraras.sites.uol.com.br/ananascomo.htm
Introdução

 A Bromelina tem diversos estudos, todos baseados em sua
atividade proteolítica.

 A sua importância econômica - produção de fármacos e a
sua utilização na indústria alimentícia.

 Um dos grandes desafios na obtenção da bromelina é
manter a sua estabilidade enzimática.
Introdução

 Estudos vêm sendo conduzidos para identificar o que leva a
desnaturação da proteína, com isso minimizar a inativação.

 O objetivo deste trabalho foi avaliar a estabilidade da
bromelina extraída do curauá em diferentes condições de
temperatura e pH.
Materiais e Métodos
    Folhas:
•   Lavadas – água destilada;
•   Secas – papel toalha;
•   Armazenadas – sacos plásticos;
•   Sob refrigeração.
•   Pesou na proporção 1:2 (solução tampão e folhas);
•   Trituradas – multiprocessador de alta eficiência;
•   Filtradas – tela de nylon;
Materiais e Métodos
•   AE da bromelina: Método do biureto;
•   Analises em triplicata;
•   Duas condições de temperatura: 10 C e 25 C;
•   Três Variações de pH: 4,7 e 8;
•   Período de 48hs.

• Obs.: Foi medida a atividade no tempo zero e após 10
  minutos em cada condição de temperatura e pH.
Materiais e Métodos
• Preparo das amostras e a determinação da atividade
  enzimática: 540 nm;
• Substrato: Albumina de soro bovino (BSA);
• Proporção 1:5 (cada pH em estudo);
• Tubo foi agitado – agitador magnético;
• Retirou-se 1 amostra (tempo inicial zero);
• Colocou-se em um outro tubo adicionou-se
  imediatamente 5ml do biureto.
• Reagir por 10 min – amostra inicial;
Materiais e Métodos
• Retirou-se outra amostra realizou o
  procedimento anterior;
• Descanso por 10 min;
• Leitura espectrofotômetro.
Resultados e Discussão
Teste da atividade proteolítica em temperaturas e valores de
pH diferentes
Resultados e Discussão
Teste da atividade proteolítica em temperaturas e valores de
pH diferentes
Resultados e Discussão
    Esse resultado difere de uma caracterização da
bromelina em que o pH ótimo encontrado foi 7,5, para o
Ananas cosmosus(HARRACH,1998).

     Silva et al.,(2006) encontraram valores ótimos de
estabilidade da atividade enzimática nas temperaturas
entre 25 C e 40 C, e pH entre 5,5 e 8,0.
Conclusão

      A bromelina apresentou um melhor perfil de
estabilidade na condição de pH 8 a 10ºC, porém
mostrou atividade em todos os valores de
pH, confirmando ser um complexo enzimático com
atividade hidrolítica.
Estabilidade da bromelina extraída do curauá em diferentes condições de temperatura e pH

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seminário peptídeos bioativos
Seminário peptídeos bioativosSeminário peptídeos bioativos
Seminário peptídeos bioativosCamilo Teixeira
 
Pectinas
PectinasPectinas
PectinasEme Cê
 
Análise de Fibra Bruta por diferentes Metodologias
Análise de Fibra Bruta  por diferentes MetodologiasAnálise de Fibra Bruta  por diferentes Metodologias
Análise de Fibra Bruta por diferentes MetodologiasKalliany Kellzer
 
Processamento de produtos de origem vegetal
Processamento de produtos de origem vegetalProcessamento de produtos de origem vegetal
Processamento de produtos de origem vegetalsaraerthal
 
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos netMicrobiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos netAna Paula Alves
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisBriefCase
 
Cm tecnologia de produção frutas desidratadas
Cm   tecnologia de produção frutas desidratadasCm   tecnologia de produção frutas desidratadas
Cm tecnologia de produção frutas desidratadasCamila Moresco
 
Apostila de aulas práticas (1)
Apostila de aulas práticas (1)Apostila de aulas práticas (1)
Apostila de aulas práticas (1)Filgueira Nogueira
 
Bactérias utilizadas na produção de alimentos
Bactérias utilizadas na produção de alimentosBactérias utilizadas na produção de alimentos
Bactérias utilizadas na produção de alimentosLuan Queiroz
 
Apostila biotecnologia alimentos
Apostila biotecnologia alimentosApostila biotecnologia alimentos
Apostila biotecnologia alimentosconsultor tecnico
 
Apresentação Tese de Doutorado em Ciência de Alimentos
Apresentação Tese de Doutorado em Ciência de Alimentos Apresentação Tese de Doutorado em Ciência de Alimentos
Apresentação Tese de Doutorado em Ciência de Alimentos Camilo Teixeira
 
2 - A industria de alimentos- fases do processamento
2 - A industria de alimentos- fases do processamento2 - A industria de alimentos- fases do processamento
2 - A industria de alimentos- fases do processamentoprimaquim
 

Mais procurados (20)

Seminário peptídeos bioativos
Seminário peptídeos bioativosSeminário peptídeos bioativos
Seminário peptídeos bioativos
 
Pectinas
PectinasPectinas
Pectinas
 
Análise de Fibra Bruta por diferentes Metodologias
Análise de Fibra Bruta  por diferentes MetodologiasAnálise de Fibra Bruta  por diferentes Metodologias
Análise de Fibra Bruta por diferentes Metodologias
 
Branqueamento
BranqueamentoBranqueamento
Branqueamento
 
Fermentação em estado sólido
Fermentação em estado sólidoFermentação em estado sólido
Fermentação em estado sólido
 
Composio centecsimal
Composio centecsimalComposio centecsimal
Composio centecsimal
 
Processamento de produtos de origem vegetal
Processamento de produtos de origem vegetalProcessamento de produtos de origem vegetal
Processamento de produtos de origem vegetal
 
%C1gua nos alimentos
%C1gua nos alimentos%C1gua nos alimentos
%C1gua nos alimentos
 
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos netMicrobiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
 
Farmacêutica
FarmacêuticaFarmacêutica
Farmacêutica
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos gerais
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
 
Aula3
Aula3Aula3
Aula3
 
Cm tecnologia de produção frutas desidratadas
Cm   tecnologia de produção frutas desidratadasCm   tecnologia de produção frutas desidratadas
Cm tecnologia de produção frutas desidratadas
 
Seminário de enzimologia
Seminário de enzimologia Seminário de enzimologia
Seminário de enzimologia
 
Apostila de aulas práticas (1)
Apostila de aulas práticas (1)Apostila de aulas práticas (1)
Apostila de aulas práticas (1)
 
Bactérias utilizadas na produção de alimentos
Bactérias utilizadas na produção de alimentosBactérias utilizadas na produção de alimentos
Bactérias utilizadas na produção de alimentos
 
Apostila biotecnologia alimentos
Apostila biotecnologia alimentosApostila biotecnologia alimentos
Apostila biotecnologia alimentos
 
Apresentação Tese de Doutorado em Ciência de Alimentos
Apresentação Tese de Doutorado em Ciência de Alimentos Apresentação Tese de Doutorado em Ciência de Alimentos
Apresentação Tese de Doutorado em Ciência de Alimentos
 
2 - A industria de alimentos- fases do processamento
2 - A industria de alimentos- fases do processamento2 - A industria de alimentos- fases do processamento
2 - A industria de alimentos- fases do processamento
 

Destaque (7)

Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Bromeeliaceae
BromeeliaceaeBromeeliaceae
Bromeeliaceae
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Enzima (2)
Enzima (2)Enzima (2)
Enzima (2)
 
Tecnologia de vegetais
Tecnologia de vegetaisTecnologia de vegetais
Tecnologia de vegetais
 
Proteínas
Proteínas   Proteínas
Proteínas
 

Semelhante a Estabilidade da bromelina extraída do curauá em diferentes condições de temperatura e pH

Relatório Final de Estágio - Arthur Lima 2-1
Relatório Final de Estágio - Arthur Lima 2-1Relatório Final de Estágio - Arthur Lima 2-1
Relatório Final de Estágio - Arthur Lima 2-1Arthur Silva
 
Espectrofotometria: Análises em UV e infravermelho
Espectrofotometria: Análises em UV e infravermelhoEspectrofotometria: Análises em UV e infravermelho
Espectrofotometria: Análises em UV e infravermelhoAldy Paula
 
Digestibilidade proteica cruz et al 2005
Digestibilidade proteica cruz et al 2005Digestibilidade proteica cruz et al 2005
Digestibilidade proteica cruz et al 2005Jorge Custodio
 
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...tgandr
 
Guia Prático Refisa - Noções básicas sobre microbiologia em alimentos.
Guia Prático Refisa - Noções básicas sobre microbiologia em alimentos.Guia Prático Refisa - Noções básicas sobre microbiologia em alimentos.
Guia Prático Refisa - Noções básicas sobre microbiologia em alimentos.Refisa
 
Atividade enzimática em polpa de frutos de macaúba em função do tempo de perm...
Atividade enzimática em polpa de frutos de macaúba em função do tempo de perm...Atividade enzimática em polpa de frutos de macaúba em função do tempo de perm...
Atividade enzimática em polpa de frutos de macaúba em função do tempo de perm...AcessoMacauba
 
Germinação de Apuleia leiocarpa.
Germinação de Apuleia leiocarpa.Germinação de Apuleia leiocarpa.
Germinação de Apuleia leiocarpa.Gracieli Henicka
 
OTIMIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXTRAÇÃO DE SAPONINAS EM Ampelozizyphus amazonicu...
OTIMIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXTRAÇÃO DE SAPONINAS EM Ampelozizyphus amazonicu...OTIMIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXTRAÇÃO DE SAPONINAS EM Ampelozizyphus amazonicu...
OTIMIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXTRAÇÃO DE SAPONINAS EM Ampelozizyphus amazonicu...JERSIKACORTEZO
 
8 top ciência 2012 café breda
8  top ciência 2012 café breda 8  top ciência 2012 café breda
8 top ciência 2012 café breda Pavel Noa
 
Sara maria chalfoun palestra IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
Sara maria chalfoun palestra IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do BrasilSara maria chalfoun palestra IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
Sara maria chalfoun palestra IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do BrasilRevista Cafeicultura
 
Sara maria chalfoun palestra ix simpósio dos cafés
Sara maria chalfoun palestra ix simpósio dos cafésSara maria chalfoun palestra ix simpósio dos cafés
Sara maria chalfoun palestra ix simpósio dos cafésRevista Cafeicultura
 
Laboratório de biologia da Univali
Laboratório de biologia da UnivaliLaboratório de biologia da Univali
Laboratório de biologia da Univaliguiribeiro0210
 

Semelhante a Estabilidade da bromelina extraída do curauá em diferentes condições de temperatura e pH (20)

Relatório Final de Estágio - Arthur Lima 2-1
Relatório Final de Estágio - Arthur Lima 2-1Relatório Final de Estágio - Arthur Lima 2-1
Relatório Final de Estágio - Arthur Lima 2-1
 
Artigo bioterra v17_n2_09
Artigo bioterra v17_n2_09Artigo bioterra v17_n2_09
Artigo bioterra v17_n2_09
 
Espectrofotometria: Análises em UV e infravermelho
Espectrofotometria: Análises em UV e infravermelhoEspectrofotometria: Análises em UV e infravermelho
Espectrofotometria: Análises em UV e infravermelho
 
Digestibilidade proteica cruz et al 2005
Digestibilidade proteica cruz et al 2005Digestibilidade proteica cruz et al 2005
Digestibilidade proteica cruz et al 2005
 
Aula 2.pptx
Aula 2.pptxAula 2.pptx
Aula 2.pptx
 
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
 
aninga
aningaaninga
aninga
 
Guia Prático Refisa - Noções básicas sobre microbiologia em alimentos.
Guia Prático Refisa - Noções básicas sobre microbiologia em alimentos.Guia Prático Refisa - Noções básicas sobre microbiologia em alimentos.
Guia Prático Refisa - Noções básicas sobre microbiologia em alimentos.
 
Atividade enzimática em polpa de frutos de macaúba em função do tempo de perm...
Atividade enzimática em polpa de frutos de macaúba em função do tempo de perm...Atividade enzimática em polpa de frutos de macaúba em função do tempo de perm...
Atividade enzimática em polpa de frutos de macaúba em função do tempo de perm...
 
Germinação de Apuleia leiocarpa.
Germinação de Apuleia leiocarpa.Germinação de Apuleia leiocarpa.
Germinação de Apuleia leiocarpa.
 
OTIMIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXTRAÇÃO DE SAPONINAS EM Ampelozizyphus amazonicu...
OTIMIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXTRAÇÃO DE SAPONINAS EM Ampelozizyphus amazonicu...OTIMIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXTRAÇÃO DE SAPONINAS EM Ampelozizyphus amazonicu...
OTIMIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXTRAÇÃO DE SAPONINAS EM Ampelozizyphus amazonicu...
 
Carne de sol
Carne de solCarne de sol
Carne de sol
 
8 top ciência 2012 café breda
8  top ciência 2012 café breda 8  top ciência 2012 café breda
8 top ciência 2012 café breda
 
204 638-1-pb
204 638-1-pb204 638-1-pb
204 638-1-pb
 
Sara maria chalfoun palestra IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
Sara maria chalfoun palestra IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do BrasilSara maria chalfoun palestra IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
Sara maria chalfoun palestra IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
 
Sara maria chalfoun palestra ix simpósio dos cafés
Sara maria chalfoun palestra ix simpósio dos cafésSara maria chalfoun palestra ix simpósio dos cafés
Sara maria chalfoun palestra ix simpósio dos cafés
 
Calculo da c n
Calculo da c nCalculo da c n
Calculo da c n
 
Art15
Art15Art15
Art15
 
Laboratório de biologia da Univali
Laboratório de biologia da UnivaliLaboratório de biologia da Univali
Laboratório de biologia da Univali
 
Aula de compostagem
Aula de  compostagemAula de  compostagem
Aula de compostagem
 

Último

AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxLeonardoSauro1
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfAlberto205764
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 

Último (9)

AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 

Estabilidade da bromelina extraída do curauá em diferentes condições de temperatura e pH

  • 1. Disciplina: Bioquímica Industrial Prof.ª Drª Maria Isaura Acadêmicos: Poliana Alves; Lionizio Oliveira; Diego Garreto; Narciso Amorim.
  • 2. Introdução  Nos últimos anos a procura por produtos naturais tem crescido em todo o mundo. O uso de matérias-primas naturais – estudos e pesquisas – por ser potencial na substituição de derivados petroquímicos.  As fibras vegetais são úteis na indústria automobilística.  Dentre as espécies da região Amazônica que tem o potencial – produção de fibras – curauá (Ananas comosus var. erectifolius).
  • 3. Introdução  Família Bromeliaceae – curauá: enzima bromelina.  Tem um alto valor comercial: Indústria farmacêutica, alimentícia e cosmética.  Bromelina: enzima proteolítica da classe das hidrolases.
  • 4. Ananás comosus var. erictifolius Curauá roxo http://www.terradagente.com.br/flora/0,0,4,136%3B14,abacaxizeiro.aspx http://frutasraras.sites.uol.com.br/ananascomo.htm
  • 5. Introdução  A Bromelina tem diversos estudos, todos baseados em sua atividade proteolítica.  A sua importância econômica - produção de fármacos e a sua utilização na indústria alimentícia.  Um dos grandes desafios na obtenção da bromelina é manter a sua estabilidade enzimática.
  • 6. Introdução  Estudos vêm sendo conduzidos para identificar o que leva a desnaturação da proteína, com isso minimizar a inativação.  O objetivo deste trabalho foi avaliar a estabilidade da bromelina extraída do curauá em diferentes condições de temperatura e pH.
  • 7. Materiais e Métodos Folhas: • Lavadas – água destilada; • Secas – papel toalha; • Armazenadas – sacos plásticos; • Sob refrigeração. • Pesou na proporção 1:2 (solução tampão e folhas); • Trituradas – multiprocessador de alta eficiência; • Filtradas – tela de nylon;
  • 8. Materiais e Métodos • AE da bromelina: Método do biureto; • Analises em triplicata; • Duas condições de temperatura: 10 C e 25 C; • Três Variações de pH: 4,7 e 8; • Período de 48hs. • Obs.: Foi medida a atividade no tempo zero e após 10 minutos em cada condição de temperatura e pH.
  • 9. Materiais e Métodos • Preparo das amostras e a determinação da atividade enzimática: 540 nm; • Substrato: Albumina de soro bovino (BSA); • Proporção 1:5 (cada pH em estudo); • Tubo foi agitado – agitador magnético; • Retirou-se 1 amostra (tempo inicial zero); • Colocou-se em um outro tubo adicionou-se imediatamente 5ml do biureto. • Reagir por 10 min – amostra inicial;
  • 10. Materiais e Métodos • Retirou-se outra amostra realizou o procedimento anterior; • Descanso por 10 min; • Leitura espectrofotômetro.
  • 11. Resultados e Discussão Teste da atividade proteolítica em temperaturas e valores de pH diferentes
  • 12. Resultados e Discussão Teste da atividade proteolítica em temperaturas e valores de pH diferentes
  • 13. Resultados e Discussão Esse resultado difere de uma caracterização da bromelina em que o pH ótimo encontrado foi 7,5, para o Ananas cosmosus(HARRACH,1998). Silva et al.,(2006) encontraram valores ótimos de estabilidade da atividade enzimática nas temperaturas entre 25 C e 40 C, e pH entre 5,5 e 8,0.
  • 14. Conclusão A bromelina apresentou um melhor perfil de estabilidade na condição de pH 8 a 10ºC, porém mostrou atividade em todos os valores de pH, confirmando ser um complexo enzimático com atividade hidrolítica.