Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

Aula 9
Análise do Filme

“Eles não usa...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

Ora, como observou Georg Lukács, “o ho...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

formação da humanidade. Nesse sentido,...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

satisfaze-los. Enfim, conscientizar nã...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

formação da consciência de classe, sej...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

sentido da experiência (de classe) com...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

impregnadas de particularismo individu...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

Num primeiro momento, não temos a clas...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

resistência vincula-se a própria idéia...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

iremos ver, a contraposição dilacerant...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

No escrito “18 Brumário de Luis Bonapa...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

coisas existentes. A própria “classe” ...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

responderam-lhe:"Para que é preciso te...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

social. O capital retirou da tera nova...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

limita/oprime/perverte/inverte/trasver...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

A análise crítica do filme “Eles não u...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

Usam Black-Tie”, provocativa referênci...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

assassinado por grileiros no Estado do...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

A peça teatral de Gian Francesco Guarn...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

afinal trata-se, em última instância, ...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

consciência de classe pré-contingente ...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

A constituição da classe através da fo...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

de acordo com seus interesses históric...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

(nesse momento, põe-se o embate de tel...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

Por exemplo: um operário ou empregado,...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

que – dependendo das circunstâncias da...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

O mundo do trabalho é constituído pela...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

em maior ou menor medida, contingentes...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

Prosaísmo e desencantamento

Experimen...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

operário. É flagrante atitudes autorit...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

Por exemplo, o lar de Otávio e Romana ...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

A (4) “ambição de ascensão social” é u...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

Finalmente, outro traço compositvo da ...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

Ora, medos e desejos compõem inconscie...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

social. Naquele momento, Tião carrega ...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

Não se faz movimento coletivo para ven...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

É um jovem autocentrado eu sua ambição...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

No filme, a presença do operário desem...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

Temos a fábrica e o lar operário – é d...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

entre pai e filho. Enfim, existe um “a...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

grávida; vai sustentar a família da no...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

momento, exclama: “Pô, merda! O quê qu...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

O recurso eufemístico é utilizado semp...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

aos valores-fetiches. As atitudes de T...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

O filme “Eles não usam black-tie” conf...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

A vigência da lógica individualista qu...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

assim como a gente quer, não!”. Na ver...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

esquerdista. Otávio é um homem moral n...
Curso de Extensão Universitária
A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global
 

“previsível” da ação histórica conting...
Aula 9 análise dofilme_eles nao usam black-tie
Aula 9 análise dofilme_eles nao usam black-tie
Aula 9 análise dofilme_eles nao usam black-tie
Aula 9 análise dofilme_eles nao usam black-tie
Aula 9 análise dofilme_eles nao usam black-tie
Aula 9 análise dofilme_eles nao usam black-tie
Aula 9 análise dofilme_eles nao usam black-tie
Aula 9 análise dofilme_eles nao usam black-tie
Aula 9 análise dofilme_eles nao usam black-tie
Aula 9 análise dofilme_eles nao usam black-tie
Aula 9 análise dofilme_eles nao usam black-tie
Aula 9 análise dofilme_eles nao usam black-tie
Aula 9 análise dofilme_eles nao usam black-tie
Aula 9 análise dofilme_eles nao usam black-tie
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula 9 análise dofilme_eles nao usam black-tie

3.806 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.806
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 9 análise dofilme_eles nao usam black-tie

  1. 1. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   Aula 9 Análise do Filme “Eles não usam black-tie” O filme “Eles não usam black-tie”, de Leon Hirzsman (1981), expõe a problemática da consciência de classe a partir da dialética entre contingencia e necessidade (das respostas) da classe do proletariado à condição existencial de proletariedade. Eis a questão: a consciência de classe necessária – que constitui a classe social do proletariado – emerge das respostas que as individualidades pessoais de classe são obrigadas a dar – no plano da contingencia da vida cotidiana – à condição existencial de proletariedade. No caso do filme de Leon Hirzsman as respostas dadas pelos homens e mulheres operárias à condição de proletariedade exposta no decorrer do filme assumiram um caráter coletivo, organizado no movimento sindical. 1   
  2. 2. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   Ora, como observou Georg Lukács, “o homem é um ser que dá respostas”. O que significa que, homens e mulheres proletárias imersas em sua condição de proletariedade são obrigados a dar resposta à alienação/estranhamento que permeiam suas vidas cotidianas. Na verdade, o que se coloca como questão essencial é a natureza das respostas humanas contingentes e necessárias capazes de constituírem, no plano do imaginário social, a identidade de classe do proletariado. É claro que as respostas existenciais das individualidades pessoais de classe às misérias da proletariedade são múltiplas. Elas perpassam um largo espectro que vai da pura contingencia à mais consciente necessidade da ação coletiva sindical ou política. Assim, num extremo, as respostas humanas podem assumir dimensões puramente contingentes, meramente individuais no sentido de serem intrinsecamente corporativo-particularistas; e noutro extremo, podem assumir um caráter coletivo, organizado no sentido sindical, quando permanecem numa dimensão econômico-corporativa; ou ainda organizadas no sentido politico, quando a resposta coletiva assume um caráter geral, de cariz ético-politico na medida em que se generaliza, envolvendo homens e mulheres proletárias das mais diversas inserções sócio-profissionais, num projeto político de transformação social do terreno nacional-popular, abrangendo, deste modo, a totalidade viva do complexo do trabalho social. Portanto, o movimento de formação da consciência de classe é intrinsecamente o movimento de respostas que o homem que trabalha dá à sua condição de proletariedade, surgindo, deste modo, como solução de resposta ao carecimento que a provoca, carecimentos originários da própria alienação/estranhamento que constitui o ser do proletariado como “classe”. Deve-se salientar também que essas respostas humanas ocorrem sempre a partir da vida cotidiana como espaço concreto das atividades prático-sensível de homens e mulheres proletários. O movimento cotidiano de formação da classe do proletariado expressa tão-somente, mutatis mutantis, o movimento histórico-ontológico da própria 2   
  3. 3. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   formação da humanidade. Nesse sentido, é interessante apreender que a consciência social se forma no próprio devir humano dos homens e mulheres, sendo a consciência de classe uma forma histórico-concreta de consciência social - a consciência social capaz de fazer a história sob as condições da dominação do capital. O que significa que não existe história sem consciência de classe. Lukács desvela o “mecanismo” intrincado da formação da consciência social (e por conseguinte, da consciência de classe) a partir da dialética histórica do movimento respostas (que pressupõem perguntas) aos carecimentos sociais. Diz ele: “...o homem torna-se um ser que dá respostas precisamente na medida em que - paralelamente ao desenvolvimento social e em proporção crescente ele generaliza, transformando em perguntas seus próprios carecimentos e suas possibilidades de satisfazê-los; e quando, em sua resposta ao carecimento que a provoca, funda e enriquece a própria atividade com tais mediações, freqüentemente bastante articuladas”. Nessa passagem, Lukács busca salientar não apenas que o homem que trabalha é um ser que dá respostas, mas também – e vale a pena destacar isso a importância da capacidade de generalizar e transformar em perguntas seus próprios carecimentos e suas possibilidades de satisfaze-los. Esta, inclusive, é um pressuposto fundamental (e fundante) do próprio ato (e processo) da solução de respostas humanas aos carecimentos que a provoca. Portanto, o processo de conscientização (de classe) envolve não apenas respostas, mas também perguntas que emergem dos carecimentos materiais postos pela condição existencial de proletariedade – perguntas que se interrogam sobre as possibilidades de satisfazer os carecimentos cotidianos de homens e mulheres proletárias. Deste modo, o homem que trabalha é um ser que transforma em perguntas seus próprios carecimentos, perguntas sobre a possibilidade de 3   
  4. 4. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   satisfaze-los. Enfim, conscientizar não é apenas dar respostas, mas saber elaborar perguntas a partir dos próprios carecimentos cotidianos. Nesse caso, podemos distinguir “experiência” da simples “vivência”. Uma experiencia (de classe) vivida e percebida, implica a capacidade de dar respostas e elaborar perguntas, que são a verdadeira matriz consciente da formação da consciência de classe e da própria classe como sujeito histórico-social. Na verdade, o capital como relação social estranhada busca corroer a capacidade do homem proletário de viver experiências de classe – mesmo no plano contingente, tornando-o meramente um “ente vivencial”, “sujeito” de vivências cotidianas pseudo-concretas, incapaz tanto de elaborar perguntas sobre seus carecimentos e a possibilidade de satisfaze-los, quanto de dar respostas efetivas capazes de ir além da fixação fetichizada da ordem burguesa. Sob o capitalismo tardio, agudiza-se a manipulação que visa a destruir a capacidade de viver experiencias de classe e portanto, do homem fazer história. Vivência (de “massa”) Experiência (de classe) Certeza sensível/pseudo-concreticidade da vida Entendimento/Razão/concreção da vida cotidiana cotidiana A simples vivência é a dimensão da mera certeza sensível que impregna a pseudo-concreticidade da vida cotidiana. Neste plano pré-contingente, construção social da ideologia do capital, a experiência (de classe) não tem o seu lugar. A “classe” é mera massa de vivências alienadas de si e dos outros. A ordem da experiencia – que torna-se possível pela capacidade social não apenas de dar respostas, mas de perguntar sobre seus próprios carecimentos e a possibilidade de satisfaze-los – põe-se como o campo sócio-histórico de 4   
  5. 5. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   formação da consciência de classe, seja ela consciência contingente ou consciência necessária. Um detalhe: um filme clássico que expressa com vigor o papel do interrogar-se no processo de conscientização de classe é o filme “Vinhas da Ira” (1941), de John Ford. Mais do que o filme de Leon Hirszman “Eles não usam Black-tie”, o filme “Vinhas da Ira”, de John Ford, é capaz de expor por meio da experiencia vivida do personagem Tom Joad, o movimento de formação da consciência de classe do proletariado. Ainda tratando da dialética da práxis social, Lukács observa: “De modo que não apenas a resposta, mas também a pergunta é um produto imediato da consciência que guia a atividade; todavia, isso não anula o fato de que o ato de responder é o elemento ontologicamente primário nesse complexo dinâmico”. O que significa que, numa situação de aguda manipulação social, as perguntas de homens e mulheres proletárias podem até expressar, em si e para si, contéudos da contingência da ordem da proletariedade, assumindo, deste modo, pelo menos no plano da elaboração consciente – no sentido propriamente dito – um caráter de critica do mundo burguês. É o caso de inúmeras narrativas que denunciam o prosaísmo da vida burguesa com seu vazio sem esperança. Entretanto, no plano das respostas, a vivência critica não se traduz em elementos de experiencia de classe, mesmo no plano contingente, mas sim como mero sentido irracional (por exemplo, o estranhamento como condição humana e a deriva como sina do destino). Na medida em que o ato de responder, como observa Lukács, é o “elemento ontologicamente primário nesse complexo dinâmico”, o equívoco da resposta intrinsecamente manipulada obstaculiza o trabalho de “negação da negação” (com suas cadeia de mediações) – cujo movimento implica a passagem da contingencia à necessidade da classe do proletariado. Nesse caso, a manipulação incide hoje com vigor, mais sobre o ato de responder (a corrosão da política) que propriamente sobre o ato de perguntar. A corrosão do complexo dinâmico do movimento de formação da classe do proletariado como sujeito histórico limita (e invalida) o próprio 5   
  6. 6. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   sentido da experiência (de classe) como salientamos acima, abrindo espaços de vivências pseudo-concretas que permeiam as narrativas da proletariedade pósmoderna. O que se visamos destacar, em nossa análise crítica do filme, é menos a “consciência de classe” e mais a “conscientização de classe”, isto é, o processo de formação da classe em si e para si (a passagem da contingência à necessidade da classe do proletariado). O termo “conscientização” é mais adequado que a palavra “consciência” para expor a dimensão processual da formação do sujeito coletivo “classe social”. Até hoje, os marxistas não atentaram para a diferença categórica entre “conscientização” e “consciência”. Enquanto o último remete para um estado do ser (a consciência), o primeiro implica um processo de formação com tudo aquilo que lhe é intrínseco (o movimento da contingência à necessidade, como salientamos acima). Consciência de classe Conscientização de classe (estado do ser) (movimento do ser da contingência em-si à necessidade para-si) Na medida em que se trata aqui da conscientização de classe, devemos considerar o movimento em si e para si, com suas idas e vindas, impregnado da dialética entre individualidades pessoais e ser social, contingencias e necessidade (no sentido de respostas efetivas - com sua cadeia de mediações - à condições objetivas dadas pelo mundo do capital). Mias uma vez salientamos que conscientização (de classe) nos remete ao espaço-tempo da vida cotidiana, verdadeiro território de construção/formação da classe que se dá intrinsecamente a partir das respostas humanas, sejam elas 6   
  7. 7. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   impregnadas de particularismo individual (a contingencia do em-si), ou ainda respostas na direção da ação coletiva da classe como sujeito histórico para-si ou mesmo para além-de-si (necessidade). É importante salientar que a luta de classes – seja ela sindical ou politica – é eixo estruturante da consciência (ou conscientização) de classe necessária. Ao dizermos consciência de classe necessária, exprimimos a necessidade de dar resposta à condição de proletariedade no sentido radical (ser radical, na ótica dialética, é ir até as raízes Mas a raiz é o próprio homem como ser social). Portanto, a consciência necessária da classe implica – como a própria constituição da classe social – a apreensão da necessidade do movimento coletivo contraposto à resposta meramente individual no sentido particularista. E mais – movimento coletivo que articula em si, a identidade entre homens e mulheres proletários, identidade que nasce da não-identidade com o mundo do capital, isto é, emerge da luta contra o capital e suas personas estranhadas. Em síntese: a identidade da classe – como matriz da consciência necessária da classe - nasce da própria luta da classe (o que explicita a função pedagógicomoral da luta de classe). Na verdade, a narrativa do filme “Eles não usam black-tie” trata, em si, da natureza íntima – intrinsecamente dialética, e, portanto, contraditória - da formação da classe do proletariado no Brasil. Ela articula, objetividade do ser social (o que se expressa na condição de proletariedade particular de uma formação capitalista de industrialização hipertardia e de via colonial-prussiana); e subjetividade de homens e mulheres proletários impregnados – no sentido da representação cultural - pelas clivagens de geração, gênero e etnia. O filme nos apresenta uma verdadeira totalidade concreta da vida (e trabalho) de homens e mulheres proletários, operários empregados e desempregados, à mercê do mundo social do capital. 7   
  8. 8. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   Num primeiro momento, não temos a classe social do proletariado, mas sim a “classe” do proletariado como conjunto de individualidades pessoais de homens e mulheres, jovens, adultos e idosos, operários e operárias empregadas na indústria absorvidos pela vida cotidiana do emprego (ou desemprego). Nesta apreensão imediata da narrativa do filme “Eles não usam Black-tie”, é perceptível o universo da família como realidade efetiva ou em desefetivação do ser genérico do homem (família no sentido da comunidade humano-genérica originária) – aliás, a narrativa do filme gira em torno da família de Otávio, o metalúrgico; ou mesmo o universo da família como utopia pessoal das individualidades de classe – projetos de vida constituídos pelo afeto mútuo de casais (como o casal Tião e Maria que planejam – ou se vêem diante da – constituição da família). Aos poucos, no decorrer da narrativa fílmica, constitui-se – aparece – a classe como movimento de resposta organizada (no sentido coletivo) à condição de proletariedade. A classe social aparece em sua forma econômico-corporativa. É a contingência da classe em-si em seu nivel superior (expressas pela organização sindical e a greve). Nas condições históricas da industrialização hipertardia em ascensão – como ocorreu no Brasil da década de 1970 – o locus de formação da classe social do proletariado é o espaço-tempo da fábrica, o local de trabalho organizado, onde o capital estrutura a exploração e acumulação de valor. Inclusive as outras instancias da vida cotidiana se articulam em torno da fábrica, como não poderia deixar de ser no caso de uma sociedade do trabalho. Naquela época, a classe operária – no sentido de proletários industriais está no centro do movimento de formação da classe do proletariado, tendo em vista que constituem coletivos mais organizados – tanto no sentido da produção em si, com o capital concentrando-os num território da produção de valor (a grande indústria), quanto no sentido da organização sindical com entidades associativas consolidadas (estrutura sindical). É em torno da classe operária organizada que se articula a resistência em suas múltiplas gradações (a idéia de 8   
  9. 9. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   resistência vincula-se a própria idéia de movimento de formação da classe – o que significa que percorre uma complexa gradação da contingencia à necessidade). Mas a classe operária que aparece no filme não esta só na fábrica, como iremos ver adiante. Ela está em múltiplos espaços da vida cotidiana – com destaque para o espaço do lar e espaços do lazer (cinema, barzinho, futebol). Enfim, dimensões da sociabilidade da “classe” que se faz classe. Aliás, a formação da consciência de classe ou a conscientização de classe percorre fundamentalmente dimensões da sociabilidade do complexo vivo do trabalho. A classe social do proletariado se forma ou se constitui nos espaços de sociabilidade e não apenas nos espaços de trabalho propriamente dito – embora não haja uma barreira intransponível entre as instâncias do trabalho e instancias da vida. Aliás, a natureza do trabalho – no caso de operários e operárias da grande indústria capitalista fordista-taylorista – coloca determinações à própria natureza da sociabilidade como espaço de formação da classe social do proletariado. A conscientização de classe é um processo de gradação – é claro – levado a cabo por homens (e mulheres) mais ou menos conscientes da necessidade de resposta coletiva e não apenas individuais à miséria da vida cotidiana. É importante que se diga que a resposta é sempre uma resposta concreta às condições existenciais da vida cotidiana organizada em torno do trabalho/emprego (em sua forma particular-concreta). Assim, o filme “Eles não usam Black-tie” trata do proletariado industrial da grande indústria fordistataylorista num país de formação capitalista colonial-prussiana de industrialização hipetardia. Outra coisa: o processo de conscientização de classe ocorre sempre em contraposição a obstáculos internos e externos à morfologia social da classe e de seus agentes/sujeitos pessoais. Por exemplo, no caso da narrativa fílmica, como 9   
  10. 10. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   iremos ver, a contraposição dilacerante ocorre não apenas na sociedade civil propriamente dita, no interior do lar da família operária onde o conflito candente entre pai e filho expõe o movimento desigual e combinado do processo de conscientização de classe. O conflito entre Tião e Otávio é quase um conflito edipiano clássico que contém elementos do processo de formação da classe do proletariado. Antes de avançarmos para a análise critica do filme – expondo mais elementos da relação dialética entre consciência contingente e consciência necessária de classe – seria interessante apresentarmos alguns elementos sóciohistóricos no plano da objetividade do ser social que condicionam o processo de conscientização da classe do proletariado industrial no Brasil. O drama social exposto no filme de Leon Hirszman é a síntese concreta de uma forma de ser do capitalismo sob as condições da modernidade capitalista periférica. Como salientamos acima, o Brasil é país de formação capitalista colonial-prussiana de industrialização hipertardia. É importante que se diga que a natureza da formação da classe do proletariado é condicionada – no sentido de condições herdadas de gerações passadas, como diria Marx - num primeiro momento, pela objetividade do ser social enquanto modo particular-concreto de objetivação do capitalismo (no caso do Brasil, via não-clássica de cariz colonial-prussiano); e num segundo momento, pela própria luta de classes como resposta contingente às condições sócio-históricas herdadas do passado. Isto é, o movimento da classe – no sentido da formação da sua efetividade social como sujeito histórico – é determinado tanto pelo passado quanto pelo presente – ou seja, condições históricas herdadas do passado, que colocam limites e alcances da efetividade de classe social (a dimensão da estrutura social), e escolhas políticas feitas no tempo presente diante do cenário concreto de luta de classes (a dimensão da contingencia). 10   
  11. 11. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   No escrito “18 Brumário de Luis Bonaparte” (1852), Karl Marx expressou numa frase lapidar, a dialética da história como devir humano dos homens, que é a própria dialética da formação da classe do proletariado. Disse ele: “Os homens fazem a sua própria história, mas não a fazem segundo a sua livre vontade; não a fazem sob circunstâncias de sua escolha e sim sob aquelas com que se defrontam diretamente, legadas e transmitidas pelo passado”. Num prmeiro momento, Marx observa: “os homens fazem sua propria história”. O que significa o reconhecimento da subjetividade na história e o papel da liberdade como resposta humana que implica escolhas contingentes e ações politicas propriamente ditas. Mas logo a seguir, Marx alerta: “...mas a não fazem segundo a sua livre vontade, não a fazem sob circunstâncias de sua escolha...”. Enfim, o fazer histórico – que é o fazer da classe social do proletariado – é um fazer condicionado pelas circunstâncias legadas e transmitidas do passado. O filosófo Jean Paul Sartre observou certa vez: “O importante não é aquilo que fazem de nós, mas o que nós mesmos fazemos do que os outros fizeram de nós.” Mas, segundo Marx, o que nós mesmos fazemos do que os outros fizeram de nós é condicionado pelas circunstâncias herdadas e transmitidas do passado. A práxis histórica, matriz da própria formação da classe social, articula a dialética entre liberdade e necessidade, passado e presente, trabalho morto que oprime trabalho vivo. O processo de conscientização de classe é um processo intrinsecamente contraditório. No processo de conscientização de classe, as circunstâncias herdadas e transmitidas do passado – no sentido da pura contingencia viva que contém em si, resíduos do conservantismo social, limitam a efetividade da formação do sujeito histórico coletivo, agente da transformação histórica social. Marx, ao afirmar que “a tradição de todas as gerações mortas oprime como um pesadelo o cérebro dos vivos”, trata, de fato, da consciência social e da sua efetividade histórica para além de si (problema do devir histórico). A contingencia pura oprime a necessidade histórica como movimento da classe do proletariado que nega o estado de 11   
  12. 12. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   coisas existentes. A própria “classe” do proletariado imersa na pseudo-concreticidade da vida cotidiana, como Tião (do filme “Eles não usam black-tie”) com seus interesses particularistas condicionado pela auto-preservação egoísta, é elemento compositivo do statu quo contingente. A condição de proletariedade – como o próprio nome diz – é uma condição existencial. Como uma tradição histórica quase naturalizada, oprime – em si e para si – homens e mulheres proletárias. Ao mesmo tempo, obriga – sob pena deles irem à ruina – uma resposta contundetente, mesmo que limitada, às miserias da proletariedade. Os proletários em seu processo de conscientização de classe lutam não apenas contra o capital, mas também consigo mesmo, afinal eles são partes compositiva deste mundo social. Noutra passagem brilhante do texto “18 Brumário de Luis Bonaparte”, Marx traduz o movimento dramático da classe do proletariado como sujeito histórico coletivo da revolução proletária que convulsiona a modernidade do capital. Observem a atualidade candente da reflexão marxiana no sentido de expressar o movimento histórico contraditório da classe do proletariado. Diz ele: “As revoluções proletárias, como as do século XIX, se criticam constantemente a si próprias, interrompem continuamente seu curso, voltam ao que parecia resolvido para recomeçá-lo outra vez, escarnecem com impiedosa consciência as deficiências, fraquezas e misérias de seus primeiros esforços, parecem derrubar seu adversário apenas para que este possa retirar da terra novas forças e erguer-se novamente, agigantado, diante delas, recuam constantemente ante a magnitude infinita de seus próprios objetivos até que se cria uma situação que toma impossível qualquer retrocesso e na qual as próprias condições gritam: ‘Hic Rhodus, hic salta! Aqui está Rodes, salta aqui!’” . Uma observação: “Hic Rhodus, hic salta!” (Aqui está Rodes, salta aqui!): expressão de uma fábula de Esopo sobre um fanfarrão que, invocando testemunhas, afirmava que uma vez, em Rodes, conseguira dar um salto enorme. Os que o escutavam 12   
  13. 13. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   responderam-lhe:"Para que é preciso testemunhas? Aqui está Rodes, agora salta!" No sentido figurado significa: aqui é que está o essencial, agora é preciso demonstrar. Enfim, a frase esopiana utilizada por Marx expressa o desafio histórico constante que o capital coloca para a “classe” do proletariado, submersa nas misérias do estranhamento social, e que é obrigada – nas condições de proletariedade extrema – a saltar sobre Rodes, isto é, a demonstrar, sob pena de ir a ruina, que é capaz de colocar – pelo menos - obstáculos à sanha do capital (como aconteceu nas experiencias revolucionárias do século XX). Para isso, homens e mulheres proletários – como verdadeira lei histórica – precisam converter-se em classe em si e para si. Esta passagem brilhante do “18 Brumário...” é quase visionária em sua acuidade histórica. Diz Marx com respeito as “revoluções proletárias” – que podemos traduzir como sendo o movimento da própria classe do proletariado como movimento que nega o estado de coisas existentes: “...voltam ao que parecia resolvido para recomeçá-lo outra vez...”. É o que ocorre no século XXI – o movimento da classe do proletaridao son as condições da reação histórica do capital em sua crise estrutural parece ser obrigado a recomeçar outra vez. E prosssegue: “...escarnecem com impiedosa consciência as deficiências, fraquezas e misérias de seus primeiros esforços...”. Eis a necesidade historica de critica (e autocritica) das experiencias de revolução pós-capitalistas do século XX que não conseguiram ir além do capital e que obrigam a classe do proletariado – na medida em que ela se forma – a ir além das misérias dos primeiros esforços de construção do socialismo no século XX. E Marx conclui, quase que antevendo a reação do capital no limiar do nosso século: “...parecem derrubar seu adversário apenas para que este possa retirar da terra novas forças e erguer-se novamente, agigantado, diante delas, recuam constantemente ante a magnitude infinita de seus próprios objetivos ...”. Ora, nos últimos trinta anos, o capital ergueu-se agigantado diante do proletariado que se invisibiliza como classe 13   
  14. 14. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   social. O capital retirou da tera novas forças, fazendo recuar o mundo do trabalho organizado. É o sentido da reestruturação capitalista e da ofensiva do capital. Mas, Marx, com dramaticidade critica, reconhece na dialética do movimento social, a necessidade historica do socialismo (o que não significa o determinismo de sua efetividade histórica). Diz ele: “...até que se cria uma situação que toma impossível qualquer retrocesso e na qual as próprias condições gritam: ‘Hic Rhodus, hic salta! Aqui está Rodes, salta aqui!’” Enfim, sob a crise estrutural do capital, as margens de recomposição civilizatória da ordem burguesa se estreitam. Está colocada para a humanidade proletária a necessidade histórica do avanço social, sob pena dela ir a ruina. A universalizaçào da condição de proletariedade com a agudização da alienação/estranhamento que lhe é intrinseca, desafiam – objetivamente - o proletariado a dar uma resposta radical, mesmo que desigual e limitada – em sua efetividade social – pelas circunstâncias do tempo passado – cristalizada nos mecanismos do presente fetichizado da ordem burguesa que ainda oprime o trabalho vivo em processo de desefetivação. Perguntemos: Qual a “tradição de todas as gerações mortas” que oprime, “como um pesadelo”, a “classe” do proletariado que se faz classe social no Brasil? Resposta: primeiro, a tradição histórica da herança colonial (Caio Prado Jr. diria: o “sentido da colonização”) e a tradição histórica da herança politico-autocrática no sentido de um Estado burguês despótico e voraz na repressão e/ou incorporação do movimento social autonomo da classe do proletariado. Em nossa história social, sempre que o povo organziado se levantada e caminhava com suas proprias pernas, o capital como sistema de poder da burguesia, reprimia ou incorporava utilizando seus aparatos de manipulação sistêmica (o Estado político de Vargas e Lula ou o neoliberalismo de Collor ou FHC). Enfim, neste primeiro momento é o que tentaremos esclarecer. Este “pesadelo histórico-genético” da objetividade 14    capitalista no Brasil
  15. 15. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   limita/oprime/perverte/inverte/trasverte o processo de conscientização de classe do proletariado nos últimos séculos. A tradição histórica da herança colonial está nos preconceitos escravistascoloniais que permeiam o próprio metabolismo social impedindo o desenvolvimento de sujietos autonomos capazes de irem além da servidão intrisneca à lógica escravista. Estes preconceitos sociais permeiam o próprio metabolismo social da classe, expressando com clareza na discrminação intra classe entre barncos formalziados e negros/mulatos informalizados. Por exemplo, no filme, não deixa de ser curioso que Braulio, operário negro, é o personagem assassinado na narrativa do filme. A tradição histórica da herança prussiana – no sentido de Estado burguês despótico - está visivel na autocracia policial-estatal secular que oprime a “rale” proletária na vida cotidiana e nos espaços da produção social. Por exemplo, o mandonismo das chefias e a truculencia policial contra pobres expressam, na narrativa do filme “Eles não usam black-tie”, a misério do autocratismo burguês que permeia nossa vida social. Ao mesmo tempo, o próprio proletário incorpora/introjeta – nas atitudes machistas, por exemplo, – a truculencia autocrática do Estado burguês colonial-prussiano que, no caso do Brasil, criou – quase a sua imagem e semelhança - a própria “sociedade civil” (o que explica outra miséria – a miséria do corporativismo que crassa na sociedade brasileira). A repressão politica violenta obstaculiza a organização da classe – eis um traço histórico da república burguesa no Brasil, onde tivemos poucos momentos de liberdade politica e democrática (com muita dificuldade, apenas o periodo de 1945-1964 e hoje – desde 1985). A ditadura militar (1964-1985) nos seus quase vinte anos de vigência autocrática, teve só uma função histórica: destruir – por meio da violência policial -militar, lideranças orgânicas do movimento da classe do proletariado e reforçar, à exaustão, a tradição histórica do fardo colonial-prussiano e todas as suas miséria sociais. Mesmo hoje, sob a “democracia politica”, a lógica protagônica do mercado e a corrosão do espaço público levado a cabo pelo neoliberalismo, não deixam de ser traços indeleveis do que poderia ser um “prussianismo de mercado” que oprime – como um pesadelo - homens e mulheres proletárias no Brasil. 15   
  16. 16. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   A análise crítica do filme “Eles não usam Black-tie” irá desvelar elementos do processo de conscientização da classe do proletariado e as particularidades histórico-concretas intrínsecas à ordem burguesa no Brasil. Iremos apreender, num primeiro momento, traços da condição de proletariedade no Brasil que sempre aparece vinculada com o terreno nacionalpopular em sua dimensão concreta. Como condição existencial de homens e mulheres proletárias, a condição de proletariedade, com seu rol de misérias sociais, possui um vínculo orgânico com a formação social histórico-concreta do país capitalista. Primeiro, vejamos a sinopse da narrativa do filme: o jovem Tião, operário metalúrgico da região metropolitana de São Paulo, ao tomar conhecimento que sua namorada, Maria, está grávida, decide noivar e casar. Por outro lado, Otávio, pai de Tião, velho militante sindical metalúrgico, está envolvido na organização de uma greve operária. O conflito entre pai e filho torna-se inevitável quando Tião decide “furar” a greve metalúrgica. Ao assumir atitude de “fura-greve”, ele entra também em conflito com a noiva, que apóia o movimento sindical metalúrgica. O filme “Eles não usam black-tie”, de Leon Hirszman, baseia-se na peça teatral homônima de Gianfrancesco Guarnieri (1934-2006), que estreiou em São Paulo em 22 de fevereiro de 1958, iniciando a fase nacionalista do Teatro de Arena. Foi esta peça teatral, escrita em 1956, que lançou o jovem Gianfrancesco Guarnieri, então com 24 anos de idade. Em 1958, devido a um período tumultuado pelas discussões políticas internas e escassas possibilidades de público, o Teatro de Arena pensa em fechar as portas. Pressionado pelo grupo originário do Teatro Paulista do Estudante (criado por Gianfrancesco Guarnieri e Oduvaldo Viana Filho em 1954), fundido com o Arena desde 1956, José Renato Pécora, fundador e idealizador do Teatro de Arena, resolve assumir a produção de “O Cruzeiro Lá no Alto”, texto de Gianfrancesco Guarnieri. Antevisto como o último ímpeto da companhia é rebatizado como “Eles Não 16   
  17. 17. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   Usam Black-Tie”, provocativa referência ao Teatro Brasileiro de Comédia (TBC) e seu público, uma vez que a peça trata da greve operária, colocando em cena moradores de uma favela e seus problemas socioeconômicos. O texto faz um recorte preciso de um momento altamente dramático: o jovem operário Tião fura o movimento grevista, pois tendo engravidado a namorada teme perder o emprego na hora em que mais necessita de recursos. As conseqüências de sua atitude são dolorosas, enfrentando não apenas seu pai, o líder grevista, como sua própria namorada grávida, que o impele a frente de luta e o abandona ao final. O ano de 1958, ano de lançamento da peça teatral “Eles não usam blacktie”, é marcado por candentes acontecimentos políticos e sociais. O Brasil de 1958, sob o governo Juscelino Kubitsckek, era um país que vivia a expansão do capitalismo industrial, com afluência do movimento operário. Alguns fatos históricos que marcaram o ano de 1958: 21 de janeiro de 1958, greve dos têxteis no Recife; greve geral no Recife em 13 de março; em 30 de outubro de 1958, grande manifestação do Pacto de Unidade Intersindical (PUI), em S. Paulo, contra o aumento do transporte. Há repressão e resistência com 5 mortos; 2 de dezembro de 1958, ocorreu a greve geral em São Paulo contra a carestia, e em 23 de dezembro de 1958, greve nos transportes coletivos de São Paulo. Em 21 de novembro de 1958 é inaugurada a fábrica da Ford, S. Bernardo (SP) - JK comparece. Em São Paulo, é eleito Carvalho Pinto como governador. No cenário internacional, a guerrilha cubana toma a cidade de Santa Clara; em 1958, o Brasil vence a sua primeira Copa do Mundo de Futebol e pela primeira vez aconteceu no Maracanãzinho o concurso Miss Brasil; nos EUA, ocorre a fundação da NASA para coordenar o programa espacial norte-americano. Morre o papa Pio XII e João XXIII é escolhido o novo papa; Nikita Kruchov é escolhido primeiro ministro da URSS. O ano de 1981, ano de lançamento do filme “Eles não usam black-tie”, de Leon Hirzsman, o Brasil, sob o governo militar do General João Batista Figueiredo, assiste os seguintes fatos históricos: em 2 de janeiro de 1981, 17   
  18. 18. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   assassinado por grileiros no Estado do Pará, José Manuel de Sousa, o Zé Piauí; em 5 de janeiro, a Volkswagem demite 3.750 operários em 1 só dia ; em 7 de janeiro, grileiros assassinam no Estado do Pará, o líder rural Sebastião Mearim; em 6 de fevereiro, quebra-quebra nos trens suburbanos da Zona leste de S. Paulo; em 20 de fevereiro, Congresso de professores em Campinas (SP), cria a Andes (Associação Nacional de Docentes do Ensino Superior); em 25 de fevereiro, a Justiça Militar condena Lula e mais dez sindicalistas do ABC, com base na Lei de Segurança Nacional, pela greve de 1980 (as penas mais tarde serão revogadas); em 9 de abril, quebra-quebra de trens em S. Paulo; em 28 de abril, greve de 60 mil médicos em Dia Nacional de Protesto; em 30 de abril, durante show realizado no Riocentro, no Rio de Janeiro, por entidades de oposição em comemoração ao Dia do Trabalho, duas bombas explodem; em 4 de maio, greve na FIAT do Rio barra demissões; em 2 de junho, o cel. Moacyr Coelho, diretor da PF, divulga lista de comunistas e simpatizantes, que inclui Fernando Henrique Cardoso e Chico Buarque; em 13 de junho, assassinado Joaquim Neves Norte, advogado dos Trabalhadores Rurais de Naviraí (PR); em 6 de julho, greve de 9 mil, contra 400 demissões, conquista comissão de fábrica na Ford do ABC (SP); em 7 de agosto, acaba, após 15 meses, a intervenção no Sindicato dos Metalúrgicos de S. Bernardo (SP). Jair Menegueli é eleito presidente ; em 20 de agosto, quebra-quebra de 750 ônibus em Salvador, após ato contra alta da tarifa; em 21 de agosto, em Praia Grande (SSP, 5 mil delegados de 1.126 entidades realizam a CONCLAT (Conferencia Nacional das Classes Trabalhadoras), que elege Comissão Pró-CUT ; greve na Embraer, de S. José dos Campos (SP), contra 400 demissões. No cenário internacional de 1981, temos o seguinte: 20 de Janeiro, Ronald Reagan torna-se o 40º presidente dos Estados Unidos da América, substituindo Jimmy Carter; em 9 de fevereiro, golpe na Polônia. O general Jaruzelsky sobe ao poder, em meio a onda de greves; em 10 de maio, François Mitterrand elege-se presidente da França que vive seu 1º governo de esquerda desde o da Frente Popular, em 1936 ; em 5 de junho, descoberto o 1º caso de AIDS (Califórnia, EUA); em 11 de dezembro, golpe militar na Argentina, assumindo o governo o general Leopoldo Galtieri. 18   
  19. 19. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   A peça teatral de Gian Francesco Guarnieri traduziu em sua narrativa, um traço histórico-estrutural da sociabilidade urbano-industrial em expansão no Brasil: a luta de classes, cujo metabolismo social perpassa gerações de operários e empregados. Na verdade, o autor conseguiu traduzir de forma histórico-concreta uma lei histórica geral expressas por Karl Marx e Friedrich Engels no Manifesto Comunista de 1848: “A história de todas as sociedades até hoje existentes é a história das lutas de classes”. Ao ser reescrita como roteiro de filme para o Brasil de 1981, o texto de Guarnieri preservou, como valor histórico-ontológico da formação social do capitalismo no Brasil, o traço essencial da processualidade histórica da sociedade brasileira: a luta de classe em suas múltiplas manifestações sóciometabólicas. A partir do conflito antagônico-estrutural entre capital e trabalho, o autor explicitou por meio da narrativa dramática da vida cotidiana de operários industrias na região metropolitana de São Paulo, a maior região industrial do País, os conflitos internos ao metabolismo social da própria classe do proletariado no Brasil, perpassados, por um lado, pela diferença contingente da “consciência de classe” entre os própios operários – diferenças que assumem, no filme, a dimensão do “conflito de geração” (por exemplo, o conflito candente entre Tião, o pai e Otávio, o filho); e, por outro lado, pelas diferenças de percepção e entendimento sindical e político da práxis do proletariado (por exemplo, o embate politico entre Tião e Bráulio, por um lado, e Santini, pelo outro). Enfim, em torno do conflito principal entre capital e trabalho, com a luta de classes em seu âmago estrutural organizando a narrativa do filme, temos um conjunto complexo de conflitos derivados no interior do metabolismo social da própria classe do proletariado (por exemplo, os conflitos entre operários e chefias, pai e filho, homem e mulher, policia e povo, empregados e desempregados marginais, etc). O filme “Eles não usam Black-tie” é uma narrativa permeada de tensão candente – intensa e extensa - entre classes – 19   
  20. 20. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   afinal trata-se, em última instância, da luta de classe entre burguesia e proletariado - e tensão candente intra-classe do proletariado (o sujeito histórico-coletivo da transformação social). Na verdade, o conflito social em suas múltiplas dimensões cotidianas é um traço indelével da processualidade histórica brasileira marcada historicamente pelo autocratismo estatal-burguês, pela superexploração do trabalho e pela desigualdade e misérias sociais crônicas. Uma obra de arte realista como a peça teatral/filme escrito por Gian Francesco Guarnieri, não poderia deixar de explicitar, em sua rica complexidade típica, esses traços essenciais da formação social do capitalismo histórico no Brasil. Antes de expormos a análise critica do filme propriamente dita, seria interessante desenvolver mais uma digressão teórico-analitica sobre o significado de classe e a consciência de classe. Na verdade, como salientamos acima, o filme “Eles não usam Black-tie” é um narrativa de formação da classe do proletariado em sua dimensão contingente (classe em-si). O nexo mediativo essencial da formação da classe é a conscientização de classe – ou o processo (movimento) da consciência social do proletariado da dimensão précontingente, contingente e necessária. O mundo do trabalho é constituído, em si e para si, pela “classe social” do proletariado no sentido sociológico propriamente dito. Utilizamos a expressão “classe do proletariado” no sentido de homens e mulheres subsumidos à condição de proletariedade, isto é, alienados do controle dos meios de produção da vida social. Devido a sua posição estrutural na divisão social do trabalho, a “classe social” do proletariado tende a ser os verdadeiros agentes histórico-coletivos da transformação histórico-social da modernidade do capital. Mas classe social pressupõe consciência de classe. Na verdade, só se pode tratar de classe social, no sentido de agente da transformação social, se houver, de fato, consciência de classe, em seus diversos graus de desenvolvimento (da 20   
  21. 21. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   consciência de classe pré-contingente à consciência de classe necessária – para-si da classe- passando pela consciência contingente – o em-si da classe). O que significa que há na sociedade, processos sócio-institucionais múltiplos de formação de classe, desde processos pré-contingentes, contingentes e processos necessários que implicam (ou levam a) intervenção social e política da classe. É importante distinguir, no sentido analítico, (1) “classe” (com aspas), no sentido de contingentes de homens e mulheres imersos na “condição de proletariedade” (condição de existência marcada, em maior ou menor grau, pela contingência, acaso, alienação e deriva pessoal); (2) de classe (sem aspas), no sentido de trabalhadores organizados, conscientes – no sentido de consciência de classe, capazes de intervenção coletiva, no plano econômico-corporativo ou no plano ético-politico (respectivamente, classe em–si ou classe para-si). A dinâmica da transformação social no capitalismo moderno exige a presença da classe e portanto, da consciência de classe, com a formação da classe a partir da “classe”. “classe” pré-contingencia Classe “em-si” Contingencia Classe “para-si”/para-além- necessidade de-si 21   
  22. 22. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   A constituição da classe através da formação da consciência de classe ocorre a partir de múltiplos processos sócio-institucionais (sujeitos/agentes politico-culturais e instituições de formação) mediado irremediavelmente pela luta de classe em sua dimensão histórico-estrutural (o conflito antagônioestrutural capital versus trabalho). A luta de classes produz conflitos derivados no interior da própria classe por conta da diferença pré- contingente/contingente de consciência de classe entre proletários. É no movimento da consciência de classe pré- contingente/contingente/necessária (nos níveis do senso comum, percepção e entendimento) que ocorrem os conflitos derivados internos à “classe” do proletariado. Um detalhe: a consciência de classe pré-contingente não é, a rigor, consciência de classe – no sentido usual utilizada no marxismo. É uma forma incipiente de consciência social cotidiana que constitui a pseudo-concreticidade da vida cotidiana da “classe” do proletariado. Portanto, o verdadeiro movimento da classe in fieri é o movimento do “em-si” da contingencia para o “para-si” necessário. É claro que não se deve desprezar a dimensão da précontingencia da “classe”, mas, neste caso, não temos propriamnete a classe (e, portanto, consciência de classe). Num primeiro momento, a dialética contingencia-necessidade caracteriza o movimento desigual e combinado da “classe” que reage – isto é, uma “classe” que consegue ir além da sua coisidade (o puro Eu que marca a certeza sensível de Hegel na “Fenomenologia do Espírito”). Nesse caso, o movimento da consciência pré-contingencia/contingencia/necessidade da classe tende a assumir múltiplas formas, seja como senso comum ou mera certeza de si impregnada de particularismos e singularidades pessoais (consciência social pré-politica propriamente dita ou contingencia pura da individualidade isolada); seja como percepção e entendimento, opiniões e interesses organizados em “corpus” de ideologia econômico-corporativo (o nivel sindical propriamente dito); ou ainda “corpus” de ideologia politica da classe que se coloca contra outra classe com projeto politico de transformação social 22   
  23. 23. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   de acordo com seus interesses históricos (tanto o “em-si”, quanto o “para-si” da classe tratam da formação de individualidades coletivas e não apenas individualidade isoladas (nesse caso, estamos no nivel do em-si/para-si da classe). pré-contingencia da “classe” (individualidade isolada) contingência – “em-si” da classe (nivel econômico-corporativo) (individualidade coletiva) necessidade – “para-si” da classe (nivel ético-politico) Por exemplo, vejamos Tião, em “Eles não usam Black-tie”, enquanto individualidade pessoal de classe/individualidade isolada, está no limiar do senso comum, sendo movido pelo seu particularismo singular (para isso se impregna da ideologia dominante do individualismo). Tião está impregnado da pré-contingencia imbuída de particularismo pessoal. Por outro lado, a contingencia de Bráulio, Otávio e Santini é outra: é a contingencia impregnada da necessidade coletiva da luta de classe. Eles conseguem ir além do nivel da pré-contingencia da resposta particularista de Tião à sua condição de proletariedade. Nesse caso, em Bráulio, Otávio e Santini, a consciência de classe – que se constitui a partir do momento em que aparece a individualidade coletiva - opera no nível sindical propriamente dito, onde atuam modos de percepção e entendimento da estratégia/tática de luta de classes 23   
  24. 24. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   (nesse momento, põe-se o embate de teleologias politicas sobre a direção da luta de classes em sua dimensão contingente – por exemplo, uma das discussões candentes entre Bráulio e Otávio, de um lado, e Santini, de outro, é, por exemplo, se deve ou não fazer a greve naquele momento (enfim, sob o movimento da práxis coletiva que constitui o “em-si” da classe coloca-se sempre, irremediavelmente, para os sujeitos sociais, a necessidade de escolhas politicas entre alternativas concretas postas. Como na vida cotidiana, as individualidade coletivas são convocadas a escolher quais os caminhos de sua própria formação como classe social. Eis o sentido da política – primeiro, organizar-se como movimento coletivo e segundo, fazer escolhas entre alternativas de ação coletiva para dar resposta à condição de proletariedade. Deste modo, o homem proletário é um ser que dá resposta (e elabora perguntas) à condição de proletariedade, como salientamos no começo deste texto. Nesse caso, a resposta no sentido da ação coletiva é a própria natureza da resistência de classe (seja “em-si” ou “para-si”). Formas de resistência social Resistência de classe Resistência pessoal Um detalhe: pode-se admitir um outro sentido categorial de resistência: a resistência pessoal que ocorre no nível da individualidade isolada imersa na pré-contingencia de classe. Ela não opera, é claro, escolhas políticas propriamente dita, no sentido que não se configura como ação coletiva, muito embora, no plano objetivo, possa ter repercussões políticas na medida em que se vincula, em si, a uma condição social de “classe”. 24   
  25. 25. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   Por exemplo: um operário ou empregado, decide por conta própria, indignado com as condições degradantes do trabalho, agredir fisicamente a chefia imediata. Ou ainda: sob pressão de intenso assédio moral, um operário ou empregado adoece. Podemos considerar o adoecimento provocado pelo trabalho como uma forma de resistência pessoal à exploração do capital. É um tipo de resistência que opera no plano da pré-contingencia da “classe”. Assim, a resistência pessoal é a resposta categórica das individualidades isoladas dada no plano da individualidade pessoal de classe às misérias da proletariedade. Ela opera na dimensão da singularidade do homem singular, isto é, ela é marcada por reações idiossincráticas categóricas, inclusive mobilizando as dimensões pré-conscientes e inconscientes da alma humana. O que significa que, por exemplo, num local de trabalho, apenas um ou outro operário ou empregado pode adoecer, mas não todos – enfim, por que uns adoecem e outros, não?. O adoecimento de um número significativo de operários e empregados submetidos às mesmas condições de trabalho pode explicitar o nexo causal do adoecimento provocado pelo trabalho. Mas, é claro, que não houve, nesse caso, uma concertação sobre o adoecer coletivo (operários e empregados não se reuniram num assembléia para decidir coletivamente – vamos adoecer!). Obviamente não se trata de uma ação coletiva ou resistência de classe, mas sim uma multiplicidade de resistências pessoais involuntárias às condições degradantes de exploração do trabalho. Mas é importante salientar que a resistência pessoal, embora esteja num patamar de pré-contingencia da “classe”, estando imbuída de particularismos, inclusive particularismos idiossincráticos oriundos da singularidade do homem singular, não pode ser desqualificada meramente por ser um ato pré-politico propriamente dito. Aliás, embora não seja uma resistência de classe ou ação política propriamente dita – tendo em vista que não se origina de uma teleologia politico-coletiva organizada – a resistência pessoal é sim, resistência social no sentido da individualidade pessoal de classe enquanto individualidade isolada; ela possui agudo conteúdo politico pressuposto objetivamente. O que significa 25   
  26. 26. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   que – dependendo das circunstâncias da luta de classes – o movimento social do proletariado pode “politizar” – no sentido pleno de “in-corporar” - as resistências pessoais esparsas dando-lhe o devido significado categórico como resistências humano-sociais às misérias da proletariedade. No filme “Eles não usam black-tie” são perceptíveis uma série de elementos compositivos da condição de proletariedade, marcada pela espoliação, exploração e opressão social, traços estruturais que se traduzem, no plano das individualidades de classe, em sentimentos de indignação individual (e coletiva) e ambições individuais contingentes. A exploração da força de trabalho, ocorre nas fábricas metalúrgicas; a espoliação do homem que trabalha ocorre, por exemplo, com o trabalho não-pago e tempo de vida ocupado por preocupações do trabalho estranhado; e a opressão social, perpassa a vida cotidiana de operários e operárias. Por exemplo, a truculencia policial na abordagem de proletários empregados e desempregados é um exemplo de opressão social. Além da violência cotidiana, perseguida pelos aparatos policiais, são vítimas de preconceito explicito ou oculto, contra negros e nordestinos. O metabolismo social da condição de proletariedade 26   
  27. 27. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   O mundo do trabalho é constituído pela “classe” do proletariado no sentido sociológico propriamente dito. Utilizamos o termo “classe” do proletariado (com aspas em classe) no sentido de homens e mulheres submersos na condição de proletariedade, alienados do controle dos meios de produção da vida social. Só na medida em que se tornam agentes históricocoletivos da transformação histórico-social da modernidade do capital é que aparecem como classe social do proletariado (sem aspas em classe). Portanto, classe pressupõe consciência de classe – e nesse caso, temos o “em-si” e o “para-si” da classe. Na verdade, só se pode tratar de classe social, no sentido de agente da transformação social, se houver, de fato, consciência de classe, em seus diversos graus de desenvolvimento (da consciência de classe contingente à consciência de classe necessária). O que significa que há na sociedade, processos sócio-institucionais e sócio-históricos múltiplos de formação de classe, desde processos contingentes de luta e enfrentamento com o mundo do capital até processos necessários que implicam a intervenção social e política consciente da classe para si. É importante distinguir, no sentido analítico, (1) “classe” (com aspas), no sentido de contingentes de homens e mulheres imersos na “condição de proletariedade” (condição de existência marcada, em maior ou menor grau, por uma série de atributos existenciais); (2) de classe (sem aspas), no sentido de trabalhadores organizados, conscientes – no sentido de consciência de classe capazes de intervenção coletiva, no plano econômico-corporativo ou dimensão ético-politico (classe em –si ou clase para-si). A dinâmica da transformação social no capitalismo moderno exige a consciência de classe e portanto a formação da classe a partir da “classe”. Nos primórdios do capitalismo moderno, os atributos existenciais da proletariedade se reduziam ao núcleo proletário propriamnete dito. Nesse caso, a condição de proletariedade se confundia com a condição proletária. Mas, com o desenvolvimento histórico do capitalismo e a expansão da relaçãocapital sob o capitalismo monopolista, os atributos da proletariedade atingem, 27   
  28. 28. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   em maior ou menor medida, contingentes de homens e mulheres que trabalham não implicados diretamente com a exploração do capital, como, por exemplo, empregados de “colarinho branco”, gestores, profissionais, pequenos e médios proprietários, etc. Enfim, a condição de proletariedade se universaliza sob o mundo do capital, ampliando a “classe” do proletariado. Entretanto, a formação da classe se dá de forma diferenciada entre os vários contingentes laborais, onde alguns, mesmo imersos na condição de proletariedade, são incapazes de desenvolverem – em virtude dos fetichismos sociais - a consciência de classe. Atributos existenciais da proletariedade Subalternidade Acaso e contingencia Insegurança e descontrole existencial Incomunicabilidade Deriva pessoal e sofrimento Risco e periculosidade Invisibilidade social Corrosão do caráter 28   
  29. 29. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   Prosaísmo e desencantamento Experimentação e manipulação Carecimento de sentido de vida O filme “Eles não usam black-tie” é um filme que retrata o mundo da proletariedade a partir da condição proletária de operários e operárias da cidade de São Paulo (Brasil). É um mundo social permeado de conflitos – conflitos entre classes (capital versus trabalho) e conflitos intraclasses (por exemplo, operário empregado versus operário empregado, e ainda operário empregado versus operário lumpenizado). No centro dos conflitos está Otávio, lider sindical em conflito com o capital e com outras lideranças operárias divergente de sua orientação politica (Santini); ou ainda, pai de família em conflito com o filho operário (Tião). São as dimensões da luta de classes que contém em si, conflitos intrageracional no interior do movimento da classe do proletariado. Condição proletária Condição de proletariedade Núcleo proletário propriamente dito Homens e mulheres que trabalham diretamente explorado pelo capital implicados nos atributos existenciais da proletariedade No filme “Eles não usam black-tie” são perceptíveis alguns elementos compositivos da condição de proletariedade. Em primeiro lugar, temos (1) a violência policial. Por exemplo, logo na abertura do filme, ao retornarem para casa, Tião e Maria presenciam à noite, uma batida policial no barzinho do bairro 29   
  30. 30. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   operário. É flagrante atitudes autoritárias, preconceituosas e arrogantes dos policiais com os trabalhadores pobres. Diz um policial: “Não pode andar sem documento não. Viu, ó panaca!”. Indignada, Maria observa: “Corre não que é pior. Esse pessoal não pensa não, atira.” A presença da polícia nos bairros operários é marcada pela truculência policial na abordagem de proletários empregados e desempregados. Além da violência cotidiana, perseguida pelos aparatos policiais, operários empregados ou desempregados são vítimas de preconceito explícito ou oculto, contra negros e nordestinos. O (2) preconceito – outro elemento compositivo da condição de proletariedade - é um traço da opressão social cotidiana que atinge as “classes pobres”. Como elemento constitutivo da sociabilidade de um país capitalista de extração colonial-prussiana, sob a ditadura militar, o preconceito fortaleceu-se, devido a transgressão institucionalziada de direitos da cidadania. É visível na mise-en-scene do filme “Eles não usam black-tie”, a (3) situação de pobreza do cotidiano operário, seja na degradação do local de moradia (bairros sem infra-estrutura urbana), seja no ambiente do lar, simples e sem requintes de luxo. 30   
  31. 31. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   Por exemplo, o lar de Otávio e Romana é o típico lar operário, lar simples, humilde e modesto, expressando um padrão de vida e consumo nos limites da comodidade moderna. Embora Otávio seja operário especializado (torneiromecânico), com os filhos Tião e Chiquinho complementando a renda familiar, o lar não possui requintes de luxo. O lar de Maria, namorada de Tião, que vive com a mãe doente e o pai operário da construção civil desempregado, é mais modesto ainda, expressando de forma singela, a pobreza operária no Brasil de 1981. A frugalidade do lar operário e a precariedade do local de moradia explicitam de forma candente, a condição de proletariedade de homens e mulheres alienados do controle da vida social, explorados e oprimidos pelo modo de produção capitalista (numa cena do filme, por exemplo, Otávio reclama do descaso do poder público com o bairro operário, explicitando uma insatisfação candente com a classe política). Na verdade, o núcleo proletário vive com intensidade os atributos existenciais da condição de proletariedade. Outro elemento compositivo da condição de proletariedade que aparece no filme é o (3) desejo de consumo. Ao saírem do cinema, Tião e Maria passeiam a noite pelo centro comercial em direção ao ponto de ônibus O olhar de Maria expressa seu desejo de consumo das mercadorias exibidas nas vitrines. Operários e operários fascinados pelos apelos das mercadorias, alimentam sonhos legítimos de melhores salários para terem acesso às comodidades da sociedade de consumo. Por exemplo, o pai de Maria pede emprestado ao mestre-de-obras um adiantamento de 200 cruzeiros. Numa das primeiras cenas do filme, uma mercadoria em promoção está em oferta por 30 cruzeiros, pouco menos de ¼ do valor adiantado do salário do operário da construção civil. 31   
  32. 32. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   A (4) “ambição de ascensão social” é um traço contingente compositivo da condição existencial de proletariedade. Este é um dos sentimentos contingentes intrínseco às individualidades pessoais de classe imersas na condição de proletariedade. O candente anseio de ascensão social de Tião tem que ser apreendido, por um lado, no contexto da percepção (de Tião) do fracasso do pai em dar um melhor padrão de vida para a família; e, por outro lado, mediado pelo sentimentos de medo do pai perder o emprego e ele tornarse provedor de duas famílias. O tempo de trabalho estranhado impõe um tempo de lazer como entretenimento para os homens que trabalham. Portanto, o (5) lazer operário como entretenimento é outro traço compositivo da condição de proletariedade. Além disso, é um espaço de sociabilidade necessária na instância da reprodução social (por exemplo nas cenas do filme “Eles não usam Black-tie”, o jovem casal operário Tião e Maria freqüenta o cinema, que em 1981, ainda não estava localizada nos shopping center; Maria flerta com as mercadorias, sonhos de consumo nas vitrines da loja; no final de semana, Tião freqüenta a mesa do bar e a sinuca e depois, passeia com a namorada num parque/balneário público. Noutra cena do filme, alguns operários jogam futebol de areia, enquanto outros companheiros discutem a greve). 32   
  33. 33. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   Finalmente, outro traço compositvo da condição de proletariedade que se explicita no filme é (6) risco e periculosidade. Traumatizada pelos “anos de chumbo” da ditadura militar, Romana vive temendo que algo possa acontecer com o filho (ou com o marido) e ela demore a saber. Por isso, ela sempre insiste, no decorrer do filme, que Tião ou Otávio leve o endereço de casa consigo . É o espírito da mãe que se angustia com outro atributo da proletariedade moderna: risco e periculosidade. No mundo do capital, como diz a canção, “são demais os perigos desta vida”. Na abertura do filme “Eles não usam Black-tie”, configura-se na cena da sala de estar da casa de Otávio, os elementos de conflito que irão envolver irremediavelmente pai e filho. De um lado, o jovem operário Tião depara-se com a perspectiva de constituição da nova família; de outro, o pai Otávio, trabalha a perspectiva da greve operária que irá confrontá-lo com o filho. Na verdade, temos um conflito intergeracional no interior do movimento da classe. De um lado, o fato social da Família; do outro, o fato social da Greve. De um lado, o fetiche da Reprodução Social, cuja responsabilidade paralisa de medo e apreensão o jovem Tião; de outro lado, a desfetichização da Produção Social que impulsiona a indignação candente do operário Otávio. O jovem Tião está marcado pela experiência pessoal de Otávio, seu pai, velho militante sindical, que, apesar de ter dedicado parte de sua vida à luta sindical e política, não conseguiu dar um melhor padrão de vida para mulher e filhos. Ele teme que, seguindo a opção moral do pai, que subsumiu-se no coletivo político, se arrisque a ver, como ele diz, “minha mulher sofrer como minha mãe sofre”. Para Tião, o pai fracassou em dar um melhor padrão de vida para a família. Diz ele: “Desde que eu me conheço por gente que ouço esse papinho, mas é a mesma merda.” Na verdade, ele acredita que sua opção pela saída individualista possa significar melhores possibilidades de realização familiar. 33   
  34. 34. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   Ora, medos e desejos compõem inconscientemente a singularidade do homem singular Tião. Ele se projeta no pai. O pai é a figura do fracasso. Assim, ao projetar-se no pai, visa, ao mesmo tempo, distinguir-se dele irremediavelmente por oposição. Tião não consegue particularizar sua projeção fantasmática. Faz uma projeção abstrata que perde a diferença essencial do espaço-tempo histórico. Otávio tem a percepção da diferença essencial. Diz ele para o filho: “Quando casei com a tua mãe, eu estava numa situação muito pior que a tua.” O jovem Tião, apesar de estar imerso na condição de proletariedade como seu pai, pertence como individualidade pessoal de classe, a outra geração operária. Os valores morais de Tião são outros. Como homem singular, Tião possui uma personalidade forte, cuja auto-confiança, orgulho e teimosia o levam a apostar com vigor em suas utopias pessoais com conteúdo individualista. Tião exclama: “Sabe, mãe? Ainda ganho essa parada”. A ideologia de Tião é apostar na profissão e arrumar sua vida para constituir sua familia. É um telos particularista que exclui, sob as condições da luta de classes, a participação dele no movimento coletivo da classe. Naquelas condições históricas de luta de classe, o jovem Tião imbuído do seu telos egoistico, escolhe o caminho contrário de seu pai, Otávio. Não aposta na classe em luta, mas sim na profissão (que é ideologia) e no esforço pessoal (“[Eu] ainda ganho essa parada”). Nesta cena final do filme, Romana, a mãe, apenas ouve o filho, evitando intervir na decisão pessoal do filho. Ela respeita a autonomia pessoal do filho, apostando talvez, que a sua decisão possa contribuir para sua auto-educação. É a vida (e a história) que talvez ensine Tião o valor do movimento coletivo para a realização dos anseios pessoais das individualidades de classe. Numa das cenas do filme, Tião e Maria passeiam no domingo num parque público. É o tempo do lazer operário. A imagem quase metafórica de Tião no teleférico projetando-se para o alto, explícita seus anseios de ascensão 34   
  35. 35. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   social. Naquele momento, Tião carrega em si, a preocupação com a nova condição de pai de família. “Acabou a poesia”, diz ele. E logo a seguir, diz que as coisas não caem do céu. Ele confessa que está preocupado pois agora tem que cuidar de um lugar para morar e dinheiro para comprar as coisas. Tião é um homem preocupado com as coisas. Mas logo a seguir, exclama: “Eu me arrumo”. Eis um traço de sua personalidade: é um homem orgulhoso de sua capacidade de “vencer na vida” (por isso diz que o filho que vai nascer, vai ser homem, parecido com ele, “para poder vencer na vida”). As forças ideológicas da instituição família exercem pressão conservadora sobre o jovem operário que planeja casar e constituir o novo grupo social. Tião é convulsionado pela expectativa de ser o provedor daquele núcleo orgânico da ordem burguesa. Enquanto Otávio. essa singularidade pessoal moldada pelas experiencias de luta política e luta de classes em sua juventude (Otávio cresceu na década de 1950 e 1960), tem paixão pelo macrocoletivo (o coletivo político), o jovem Tião, que cresceu no período histórico da ditadura militar, tem paixão pelo micro-coletivo egoístico, o coletivo egocentrado na sua família em vias de constituição. Tião se convulsiona intimamente a partir do momento em que percebe que será pai e irá constituir um novo grupo social. O medo (de “fracassar” como o pai) e paixão (pela mulher e sua prole) confundem-se com interesses meramente particularistas que amesquinham a sua ambição pessoal. O jovem Tião possui uma ideologia pessoal impregnada de valoresfetiches de sua geração castrada da perspectiva coletiva: a ideologia da ascensão social por conta própria. Eis a força (ou fardo) ideológica de seu tempo histórico. Esta ideia-força de cariz individualista (“vencer na vida”) implica alienar-se do movimento da classe (e por conseguinte, de seus entes queridos e de si próprio). Na verdade, “Vencer na vida” é o discurso da individualidade pessoal de classe imersa numa ótica meramente individualista. A ascensão social é da personalidade singular e não da classe que ele representa. 35   
  36. 36. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   Não se faz movimento coletivo para vencer na vida. Tião – como o pai Otávio – assume, com paixão e decisão, a sua própria briga. Mas ao invés de Otávio, o “coletivo” de Tião é um coletivo amesquinhado em seu particularismo. Noutro momento, Tião chegou a afirmar que, como o pai, “é de briga”. Mas a briga de Tião é, no fundo, por si mesmo. Tião é o antípoda do pai – fura a greve. Ele é movido por duas teleologias íntimas – primeiro, coloca como obsessão o “vencer na vida” no sentido pessoal; segundo, visa “vencer na vida” porque avalia – a partir de seus referentes mentais - que o pai, militante do coletivo político, fracassou. Mesmo sendo o antípoda do pai, age conforme ele, pois ele só quer realizar aquilo que o pai foi incapaz de dar por conta de circunstâncias intrinsecamente históricas. A conversa entre Tião e Otávio no bar do Alípio explicita alguns elementos interessantes sobre os dois homens em conflito (pai e filho). São duas gerações operárias (não deixa de ser sintomático que o pai pede para beber, cachaça; e o filho, cerveja). O pai tenta explicar a mudança do perfil ideológico do filho pela sua história de vida. A ironia da história é que a sua própria história de militância sindical e politica continha dentro de si a sua própria negação. Para Otávio, Tião se afastou das suas idéias porque foi viver com os padrinhos, tendo em vista que ele, Otávio, perseguido e desempregado, não poderia cuidar do filho adolescente. “Quem muda de casa, muda de idéias”, disse ele. Assim, Tião cresceu noutro ambiente ideológico, distanciando-se do pai. Otávio diz ter impressão que o filho Tião está um pouco perdido. O pai tenta retomar o diálogo com o filho, oferecendo-se a ajuda-lo. Diz: “Às vezes, a gente tem um problema e só vê o problema; não vê mais nada adiante”. Mas Tião, orgulhoso e teimoso, recusa a ajuda do pai: “Sei onde me aperta o sapato e porquê.” Eis o mote do individualismo heróico: “Quem pode me ajudar sou eu”. Tião recusa a ajuda do pai. Ele busca auto-afirmar-se através de sua própria ação individualista heróica expressa na frase “vencer na vida”. Como observou Braulio, Tião é o “bunda-mole que não enxerga ninguém a não ser ele mesmo”. 36   
  37. 37. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   É um jovem autocentrado eu sua ambição pessoal de ascensão social. Na medida em que anseia ir além da proletariedade, afirma sua condição proletária. Tião e Otávio – eis o contraste de atitudes: uma, coletiva solidária; outra individualista egocentrada. Otávio e Tião são personalidades antípodas contrastantes que expressam pólos antitéticos do movimento da consciência de classe. Um, o pólo no limiar da consciência ingênua, imersa na certeza de si; o outro, o pólo no limiar da consciência de classe para si, quase na perspectiva do entendimento do mundo como produto da luta de classes. Convulsionado intimamente pelo casamento e família, Tião está dilacerado por papéis sociais impostos pela ordem burguesa – ser o provedor da família operária (embora Maria possa trabalhar). É ele que se angustia para sustentar a família e projeta sonhos de ascensão social tendo em vista que o horizonte operário não lhe é suficiente. Busca uma saída individual para se posicionar melhor no interior da condição existencial de proletariedade. O pólo trabalho e família, sob determinadas condições, possui uma tensão ideológica interna no sentido da conformação, tendo em vista que implica a adoção de estratégias individuais por parte de personalidades singulares (o que significa que nem os pais de família operária todos são assim). Na verdade, Tião é um personagem singular em sua tipicidade – ele é o alter ego antitético do pai Otávio. Inclusive, talvez o conflito aberto com o pai seja parte de sua evolução humano-pessoal singular). No filme “Eles não usam black-tie”, o proletariado aparece sob várias formas de ser: operários e operárias metalúrgicos empregados e desempregados; operários da construção civil; jovens proletários marginas que estão na senda do crime; o jovem office-boy, empregado de escritório. Além disso, outra fração de classe que aparece é o pequeno comerciante, trabalhador por conta própria, dono do barzinho no bairro operário. Enfim, são múltiplas as formas de ser da “classe” do proletariado na indústria e nas atividades de serviços. 37   
  38. 38. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   No filme, a presença do operário desempregado que se lumpeniza, tornando-se marginal na ordem do capital é flagrante. Ora, o lumpen-proletário aparece como síntese negativa do proletariado. É o espectro negativo do proletariado “incluído” que persegue homens e mulheres que trabalham, convulsionando a ordem pública do capital. Primeiro, o lumpen é produto em si, da ordem burguesa – uma ordem do capital que tende a lumpenizar uma parcela de homens e mulheres proletários. A lumpenização é um processo social intrínseco à ordem do capital. Ao escolher a senda do crime, o proletário se lumpeniza. Enquanto, lumpen-proletário, é um estrato marginal ao núcleo produtivo do capital. Entretanto, embora seja parte orgânica da ordem burguesa, o lumpenproletário como operário desempregado que “escolhe” a senda do crime, não tem condições, em si e para si, de negá-la efetivamente (eis a tragédia do lumpen-proletariado. Ora, na medida em que o lumpen não vive a experiencia civilizatória da exploração do trabalho, no sentido amplo da palavra, ele tende a não possuir o horizonte da ação coletiva contra o capital). A estratégia de sobrevivência dos proletários lumpenziados, principalmente daqueles que “escolhem” a senda do crime, tende a ser meramente egoístico-individualista. Por exemplo, no filme, ao ser perseguido pelos policiais, o jovem proletário marginalizado esconde no bar do Alípio, isto é, recolhe-se no espaço dos proletários organizados incluídos na ordem do capital. No filme “Eles não usam Black-tie”, o lumpen-proletário marginalizado é um espectro social que persegue os proletários incluídos no mercado de trabalho (noutro momento do filme, o pai de Maria é assaltado e morto por um lúmpen-proletário marginalizado). É interessante a curiosa similitude entre os assaltantes lumpen e o jovem operário Tião – ambos buscam saídas individuais para sua miséria humana, sendo eles formas de negação da ação coletiva sob a ordem burguesa hipertardia. No filme, a “classe” do proletariado ou homens e mulheres proletários circulam e habitam espaços delimitados pela sua condição de proletariedade. 38   
  39. 39. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   Temos a fábrica e o lar operário – é de seu lar que Otávio vislumbra a cidade. O espaço da cidade sempre está no horizonte da classe operária como algo ao longe. Morando na periferia urbana, o proletariado é alienado da cidade como espaço público e da fábrica, local da exploração. Talvez seu único espaço seja o lar, território de sua autonomia humano-pessoal. O filme “Eles não usam black-tie” explícita dimensões da consciência de classe do proletariado brasileiro, expondo suas fragilidades e fraturas internas, expressas, por exemplo, pelo contraponto de posições típicas unilaterais: de um lado, o esquerdista Santini e de outro o pragmático Tião. Como contraponto à unilateralidade, outras posições de classe que são exemplos pessoais da busca de uma mediação essencial entre contingencia e necessidade, estão expressos nos personagens Otávio e Bráulio. Aliás, Bráulio – que morre no final do filme, executado por agentes policiais – é o personagem que busca, com dificuldades, um meio-termo entre as posições unilaterais do esquerdismo e do furagrevismo. (o destino trágico de Bráulio expressa a tragicidade da consciência de classe no Brasil). O personagem Tião é o jovem operário pragmático, que se contrapõe ao pai, velho militante sindical. Por um lado, expressa um conflito geracional, onde pai e filho, embora tendo o mesmo pertencimento de classe, explicitam um acervo de valores morais antípodas (coletivismo versus individualismo – por exemplo). O pragmatismo de Tião não possui um viés idiossincrático – ele não age por covardia, mas por convicção (ele acredita que se possa ter ascensão social por conta própria, prescindindo do movimento coletivo da classe). É um tipo de pragmatismo moral de viés individualista que se distingue do pragmatismo neocorporativo que não despreza a ação coletiva, mas a reduz (e a restringe) à ação corporativa de escopo imediato. A cena do diálogo entre Tião e Otávio na mesa do jantar é elucidativa das diferenças cruciais de visões de mundo (e consciência contingente da “classe”) 39   
  40. 40. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   entre pai e filho. Enfim, existe um “abismo ideológico” entre os dois. Primeiro, Otávio observa que despediram oito na fábrica metalúrgica. Tião diz: “Vê se te cuida pai. É bom você tomar cuidado. Se perder esse emprego não vai ser fácil encontrar outro.” Na verdade, Tião se preocupa com o emprego do pai pensando em si. Diz ele: “Não vai ser fácil para mim sozinho sustentar duas famílias”. Otávio logo percebe que o filho está “se borrando de medo”. Diz: “Esse teu casamento às pressas está deixando você mais medroso ainda.” E atenta que o filho tem “medo da própria sombra” e “vive olhando para o próprio pé”. Irritado, Otávio diz que os tempos são outros. Enfim, segundo ele, é hora de batalhar e que Tião procure “viver mais com os companheiros” nas assembléias sindicais. Reconhece que Tião foi socializado na época da ditadura militar e que isso marcou ele. Mas salienta que as coisas mudam. Tião desabafa culpando o pai pela miséria que a família vive e exclama que a visão de mundo do pai com suas idéias de que “precisa organizar a classe operária” e “num sei lá de história”, é que levou a familia a ficar “na mesma merda”. Ora, como salientamos acima, Tião, o jovem operário, cresceu durante a ditadura militar e suas utopias pessoais estão “contaminadas” pela ideologia da conformação particularista. É uma geração castrada em sua capacidade de perceber que o novo sempre vem a partir da ação coletiva. A dimensão do coletivo é meramente uma abstração para Tião (diferentemente de Otávio, onde o coletivo político é um eixo prático-ontológico que organiza suas escolhas morais). É a partir do coletivo político, com sua manifestação prático-sensível, que Otávio pode afirmar que os tempos são outros. Diz ele: “Os trabalhadores estão se organizando”. Por isso, ele diz: “É hora de batalha. Vai lá, Tião. Aparece nas reuniões.” Tião só percebe a si mesmo e a sua dimensão do coletivo é egoisticamente autocentrada. Embora Tião tenha dito que não é covarde, sua atitude em “furar” a greve, possui um fundo idiossincrático: ele tem medo (é o que observou Otávio) – medo de assumir responsabilidades pelas quais ele não está preparado (eis o inferno astral de Tião: vai constituir família, tendo em vista que Maria está 40   
  41. 41. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   grávida; vai sustentar a família da noiva, tendo em vista que o pai de Maria foi morto num assalto e a mãe e irmãos de Maria devem morar com ele; e finalmente, diante do risco da greve, Tião vislumbra a possibilidade do pais ser demitido e ele ter que assumir também a família do pai). Por isso, é o mundo das responsabilidades familiares que submete (e transtorna) o jovem operário às contingencias instrumentais da classe. O medo é o afeto regressivo na alma de Tião – através dele, negocia seu consentimento à ordem do capital. Mas a atitude moral de Tião representa uma visão de mundo antípoda a de Otávio. Ele não percebe que a dialética do real e o movimento da classe no sentido de negação da negação – mesmo que assumindo formas contingentes. Otávio procura ensinar-lhe isso utilizando a metáfora da poça d’água versus a corrente do riacho. Mas Tião não se convence: há um abismo geracional entre pai e filho. O jovem operário Tião expressa a visão da presentificação crônica onde o impulso para a futuridade inexiste. As escolhas morais de Tião são adequadas a essa visão de mundo. Na verdade, ele não é um imobilista que nada faça. Pelo contrário, como o pai, Tião é um homem de ação, só que noutra direção – das saídas individuais e da busca por conta própria de sua ascensão social. Ora, tanto Otávio quanto Tião acreditam que as coisas mudam e o que os tempos são outros – mas se o primeiro vê a mudança na perspectiva da ação coletiva da classe; o segundo, a partir da experiência do pai e da situação familiar, incorpora outros valores morais, e acredita na mudança numa perspectiva da ação meramente individual (ele quer realizar o que – na percepção dele - o pai não conseguiu – “vencer na vida”). Em vários momentos, Tião desabafa diante do pai e da noiva Maria, dizendo que o mundo está enlouquecido. Ele vê o mundo social a partir de outros valores morais – os valores burgueses baseados no individualismo egoístico. Ele olha tão-somente para si. Naquelas condições da luta de classes, a visão de mundo de Tião expressa uma certa alucinação – para ele, o mundo da luta de classes está enlouquecido. Ele só vê loucura nos outros. Num certo 41   
  42. 42. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   momento, exclama: “Pô, merda! O quê que é? Está todo mundo ficando louco, é? “. Noutro momento, exclama para o pai: “Fala que nem louco, pai. Porra!”. E noutra cena, Tião diz para Maria: “Está meio maluca ai, como todo mundo.” Talvez seja Tião que esteja enlouquecido e não o pai ou Maria. Depois da séria discussão na mesa de jantar, no dia seguinte, antes de irem para a fábrica, no café da manhã, Tião e Otávio têm uma rápida conversa. Fazem as pazes, embora tenha sido estabelecida – no plano ideológica – a diferença crucial entre a visão de mundo do pai e a visão de mundo do filho. É claro que Tião chega a reconhecer que o pai está certo e que ele está “meio perdidão”. E diz: “Muita responsabilidade a gente acaba dizendo o que não pensa e o que não quer, que nem de porre”. E diz para o pai que o respeita e que o admira muito. Se o conflito ideológico na mesa do jantar permitiu no dia seguinte, a paz entre os dois; com a greve, o conflito prático entre pai e filho, com Tião furando o movimento grevista, irá significar efetivamente a ruptura entre Otávio e seu filho pródigo. Enquanto, por um lado, Tião “fura” a greve utilizando argumentos racionais (como diz Otávio, ele “furou a greve fazendo comício”) – no fundo, adotando um argumento liberal, embora sua motivação intrínseca seja o medo e visão de mundo que possui com respeito a forma de ascensão social de classe; por outro lado, Jesuino é o típico filisteu que age por motivações mesquinhas – dinheiro e ascensão funcional (diz ele: “E é sempre umas milhas a mais, falou?”). Ele oculta sua traição de classe. 42   
  43. 43. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   O recurso eufemístico é utilizado sempre de forma cinica para ocultar, no plano lingüístico, as estratégias de dominação de classe. Tião tem que ocultar não apenas para os outros, mas para si, que é um espião do capital. Para cumprir seu papel de traidor da categoria assalariada (um “traidor por convicção”), tem que ocultar inclusive de si a vergonha de ser persona do capital. Para isso, mobiliza o recurso lingüístico, utilizando palavras que consigam não apenas ocultar, mas dar um tom de dignidade moral, a uma prática degradante. A prática do transformismo ideológico de proletários ocorre, no plano de individualidades pessoais, que assumem, de forma consciente, serem personas do capital. É a consciência contingente que nega a si própria como consciência de classe, tornando meramente consciência cínica de individualidades isoladas. É o proletário que se recusa a ir assumir uma atitude classe, alienando-se das possibilidades de formação em si e para si, da classe. Subsumido aos seus motivos pessoais e interesses egoísticos, as escolhas individuais atuam para sedimentar a ideologia da classe dominante. A consciência cinica possui características como renegação de práticas coletivas, opção por saídas individuais, atitudes oportunistas visando ascensão pessoal no interior da ordem, aceitação da ideologia dominante, subsumindo-se 43   
  44. 44. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   aos valores-fetiches. As atitudes de Tião e do Jesuino expressam a psicologia do cinismo conformista que busca auto-justificar-se utilizando-se a ótica liberal do direito. No centro da argumentação sempre a ótica do individuo abstrato burguês em detrimento da perspectiva coletiva. Dimensões da consciência cínica renegação de práticas coletivas, atitudes oportunistas visando ascensão pessoal no interior da ordem aceitação da ideologia dominante, subsumindo-se aos valores-fetiches Incapaz de vislumbrar a mudança social e os saltos de qualidade na praxis cotidiana do movimento da classe, a consciência cínica justifica sua adesão à classe dominante como um gesto pragmático. Diz Jesuino: “A turma não fez greve ano passado? E agora está precisando de outra. E vai precisar de mais outra, e mais outra, e nunca vai acabar”. Diante do eterno retorno da contingencia, “o jeito é ficar do lado de quem manda. Esses é que estão sabendo.” Assim, incapaz de vislumbrar para além da contingencia da pseudoconcreticidade da vida cotidiana, a consciência cinica legitima seu conformismo paradigmático. 44   
  45. 45. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   O filme “Eles não usam black-tie” confronta duas lógicas de pensamento – a lógica da individualidade coletiva e a lógica das individualidades isoladas. Jesuino expressa com desenvoltura a lógica das individualidades isoladas que pensam por si e agem de modo egoístico, calculando seus ganhos particularistas. Diz ele para Tião: “Que cada um quebre os seus galhos do jeito que pode”. Ele não pondera: “Que a união de todos quebre os galhos de cada um”, ele não concebe que os galhos que atingem as individualidades pessoas de classe são galhos sociais que só podem ser efetivamente solucionados de modo coletivo pela organização da categoria assalariada e pelo movimento social da classe do proletariado. A ótica de Jesuino é a ótica neoliberal do “salve-se quem puder”, que nega a vigência da coletividade em prol da vigência das individualidades isoladas. É a lógica social que marcou a sociedade brasileira desde a Colônia. Ele expressa um pensamento social adequado a uma formação capitalista colonialprussiana onde o movimento do coletivo (a contestação social) sempre foi reprimida pelas forças politicas dominantes. Com a ditadura militar e mais tarde, com a ofensiva neoliberal, a cultura da individualidade isolada adquiriu uma força maior visando destruir os esforços coletivos de mudança social. O diálogo entre Tião e Jesuíno no restaurante da fábrica explicita a traição de classe levada a cabo por Jesuino que assumiu o papel oculto de “agente do capital” no interior da categoria assalariada. Jesuino entrega à gerência de recursos humanos, nomes de ativistas sindicais para serem demitidos. Ele sugere que Tião adote a mesma postura. Diz: “Vai inventando os nomes que eles vão cobrar também.” É claro que Tião acha “sacanagem”, dedurar companheiros de trabalho. Na verdade, enquanto Jesuino traí a classe de modo oportunista e covarde (“Aproveitei a chance, companheiro!”) (Otávio dirá mais tarde, “traidor por covardia”); Tião apenas adota valores morais compatíveis com o mundo do capital, escolhendo “vencer na vida” por conta própria (o que explicita o sentido candente da “captura” da subjetividade do trabalho pelo capital). Enfim, Tião traí a classe por convicção. 45   
  46. 46. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   A vigência da lógica individualista que corrói o espírito do movimento coletivo é explicito quando Jesuino observa para Tião: “É a nossa chance, companheiro. É preciso levar vantagem em tudo.” É a lei de Gerson que traduz a vigência conservadora intrinseca à nossa formação colonial-prussiana. Na verdade, a ditadura militar e o neoliberalismo só tenderam a reforçar esta tara originária da objetivação capitalista colonial-prussiana (a chamada “lei de Gérson” é a lei daqueles que gostam de levar vantagem em tudo. Nesta propaganda do cigarro Vila Rica, exibido na televisão brasileira na década de 1970, tendo como garoto-propagando o jogador Gérson, “cerébro do time campeão do mundo de 70”, temos a expressão candente da ideologia do oportunismo que caracteriza o metabolismo social do capitalismo brasileiro. É um recurso ideológico que visa “quebrar por dentro” o protagonismo dos movimentos coletivos no País. “Levar vantagem em tudo” tornou-se a prática social sob o protagonismo do mercado. O neoliberalismo acirrou um traço crônico da miséria brasileira, destilado pela ditadura militar (1964-1985) cuja função histórica foi “quebrar” o ânimo coletivista da sociedade brasileira por meio de uma “modernização conservadora” do capitalismo tupiniquim). O pragmatismo de Jesuino expressa um certo tipo de realismo intrinsecamente oportunista. Por exemplo, ele diz: “Calma, garoto! A vida não é 46   
  47. 47. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   assim como a gente quer, não!”. Na verdade, trata-se de uma atitude de conformação que visa adequar-se às factualidades da vida cotidiana. Ao dizer que “a vida não é assim como a gente quer”, ele tende – em última instância - a negar a ação do sujeito e o enfrentamento das circunstâncias impostas pelo capital (na verdade, o sujeito deve apenas se aproveitar das oportunidades dadas pelo statu quo). Trata-se da negação da dialética da práxis histórica. Ora, se por um lado, é verdade que existem condições objetivas que constrangem a vontade e a ação dos sujeitos sociais; por outro lado, as circunstâncias herdadas do passado não eliminam absolutamente as escolhas e as possibilidades da práxis histórica. Além disso, na medida em que o referente praxiológico de Jesuino é meramente individualista – ele age por si só – o poder dos fetiches sociais torna-se quase absoluto, invalidando assim, a “negação da negação” cujo movimento é intrinsecamente coletivo. Otávio é o velho militante operário, homem político no sentido pleno da palavra, sempre indignado com as misérias do mundo burguês. É um agitador (e organizador) da classe operária com posições ponderadas que se contrasta, por exemplo, com Santini, cujo perfil de militância operária tem um viés 47   
  48. 48. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   esquerdista. Otávio é um homem moral no sentido da ação coletiva organizada deliberada democraticamente. Chefe de família, é o principal provedor do lar constituída por trabalhadores (Romana, trabalhadora do lar; e os filhos Chiquinho e Tião: um, office boy e outro, operário, como o pai, de fábrica metalúrgica). Romana, mulher de Otávio, é a organizadora do lar operário. Como “intelectual orgânica” do lar operário, é uma trabalhadora doméstica incansável que contribui para a reprodução da força de trabalho de Otávio, Tião e Chiquinho – aliás, a função estrutural da trabalhadora doméstica que executa um trabalho não-pago é reduzir o valor da mercadoria força de trabalho dos membros da família operária. Madrugadora, é ela que prepara o café da manhã. Diz ela: “Trabalhando, acordando antes para acordar eles”. Preocupa-se com Otávio, marido e companheiro, provedor do lar. Ela exclama: “Não se meta em confusão de novo Otávio”. Diante do conflito crucial entre pai e filho, Romana é a mediação vital que busca equilibrar o lar operário. Num certo momento, numa observação metafórica, Romana chega a dizer: “Preciso reforçar essa porta senão ela não agüenta”. Apóia Otávio ao expulsar o filho “fura-greve” de casa. Mas não deixa de expressar seu amor e carinho pelo filho pródigo: “Dá cá um abraço, meu filho”, diz ela. Romana é mulher supersticiosa que joga cartas para saber o futuro do movimento grevista que convulsiona sua família. Na medida em que se aproxima do clímax grevista, ela se preocupa com o marido (como salientamos, ela chega a exclamar: “Não se meta em confusão de novo, Otávio”). Ela é mulher calejada pela intempéries da luta social cujo espectro da repressão política ameaça seu núcleo familiar. Na verdade, ela teme ver aquele núcleo humanofamiliar dissolver-se pelas forças estranhadas do mundo social do capital. Presa à domesticidade do lar, comunidade humana primordial, Romana, mulher do povo, busca dar um sentido – ou apreender o sentido - da contingencia do real histórico. Diferentemente da religião, a superstição é uma técnica mística de racionalização do mundo social alienado. Ao jogar cartas, Romana põe um telos 48   
  49. 49. Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global   “previsível” da ação histórica contingente. Fechada naquele mundo da domesticidade proletária, as cartas criam um suposto horizonte de previsibilidade instrumental. Se como Marx disse, a religião é a “teoria geral deste mundo da alienação”, a superstição é sua técnica geral, racionalidade mistificada, que visa dar para homens e mulheres comuns, um horizonte de previsibilidade cotidiana. A cena final do filme “Eles não usam black-tie” é uma cena metafórica onde Romana , sentada à mesa, cata feijão. O marido Otávio a ajuda. Jogam no lixo os grãos que não prestam. Talvez o filho Tião, o fura-greve, seja o grão que não presta. A luta de classes que perpassa a reprodução social dilacera os laços humano-familiares. No movimento da classe enquanto uns se perdem na ideologia do capital, tornando-se grãos que não prestam, outros conseguem avançar na sua consciência social, contribuindo para o processo de desenvolvimento histórico. Ocorre irremediavelmente uma seleção moral que exclui aqueles que – como grãos de feijão imprestáveis – devem ser excluídos Ao expulsar o filho Tião de casa, Otávio reafirma o valor do núcleo humanofamiliar a partir de valores da classe social do proletariado. O valor moral fundamental e fundante da classe do proletariado é a solidariedade. É um valor moral sagrado que está na base ontológica da comunidade humana. Ao tornarse fura-greve, Tião renegou àquilo que sempre marcou o militante Otávio. Por iss, como um grão de feijão que não presta, precisava ser jogado fora. A jovem operária Maria, noiva de Tião, é a figura da nova mulher que busca uma vida digna diante da miséria humana do mundo social do capital. Ela vem de uma família pobre, cujo pai é operário da construção civil desempregado (que depois consegue um emprego) e a mãe adoentada, sofre com a embriaguez recorrente do marido. Quando o pai bebe, para desafogar a angústia do desemprego, oprime a família. Maria Chega a exclamar para si: “Não agüento mais essa vida”. Ela divide o quarto com o irmão mais novo (Bié). Maria vive o drama da jovem operária oprimida pela miséria da família e cujo horizonte de vida está além daquele berço originário. Como Tião, ela está insatisfeita com a 49   

×