A igreja medieval e a cultura medieval

1.688 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.688
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
71
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A igreja medieval e a cultura medieval

  1. 1. A IGREJA MEDIEVAL Poder espiritual = como herdeira e representante de Cristo, poder que teria para orientar seus fiéis no âmbito religioso em geral (fé, questões teológicas etc.) Poder temporal ou secular = poder político e econômico da Igreja. Esses poderes, quase sempre, mantiveram- se unidos.
  2. 2. PAPADO – organizou-se durante a Idade Média. Papas conseguiram que o governo da Igreja fosse separado do governo dos monarcas. Papas queriam reinar sobre os monarcas. Igreja x Rei PAPA = bispo de Roma. 1o. dos Bispos. O Bispo era escolhido por sacerdotes e fiéis da cidade. Papel de destaque – Papa Gregório Magno (590-604)- fundador do papado medieval.
  3. 3. O PODER DO PAPADO = cresce o poder Declínio do Império Bizantino – liberdade para Roma Apoio dos Francos – Pepino, o Breve – lutou contra bárbaros (lombardos) que invadiram terras da Igreja. Patrimônio de São Pedro. Poder espiritual e temporal. Papa – intermediador de conflitos.
  4. 4. A ELEIÇÃO DOS PAPAS Pontificado de Nicolau II (1059-1061) – papas passaram a ser eleitos exclusivamente pelos cardeais, e não mais pelo clero romano. 1271 – fechar os cardeais para votar – cum clavis – Conclave= local de reunião dos cardeais para escolha de um novo papa.
  5. 5. A QUERELA DAS INVESTIDURAS Gregório VII – reformas: proibiu venda de cargos eclesiásticos, proibiu casamentos (celibato –regra – século XI). Também tentou tirar dos monarcas o direito destes nomearem bispos. Investidura = nomeação. Membros da Igreja eram vassalos e suseranos. Daí, dificuldade de acatar ordem do papa.
  6. 6. Imperador do Sacro Império Romano- germânico se rebelou – Henrique IV. Foi excomungado. Conflito resolvido em 1.122 – Concordata de Worms. Investidura espiritual à Igreja e temporal ao monarca.
  7. 7. O COMBATE ÀS HERESIAS Papa Inocêncio III (1198-1216) Herege – aquele que não concordava com as doutrinas professadas pela Igreja. Albigenses (da cidade de Albi, sul da França) OU cátaros– dois deuses – um do bem e um do mal. Anjo do mal prendeu almas nos corpos. Cristo é quem iria libertar. METEMPSICOSE – alma de um homem podia passar para o corpo de um animal. Por isso, não matar animal e nem comer sua carne.
  8. 8. CRUZADA CONTRA OS ALBIGENSES – 16 anos. Populações inteiras foram dizimadas. ESTABELECIMENTO DA INQUISIÇÃO Pontificado do papa Gregório IX – Concílio de Toulouse (1229) – inquisidores da fé. Perseguição, tortura. Os “relapsos” (recorrentes em erros) eram queimados vivos, entregues às autoridades civis.
  9. 9. AS ORDENS RELIGIOSAS – criadas para combater as heresias. Franciscanos – contra do desejo de riqueza. Dominicanos – restaurar a fé ameaçada. Essas duas eram conhecidas como ordens mendicantes – voto de pobreza.
  10. 10. AS ORDENS DE CAVALARIA Criadas durante as Cruzadas contras os infiéis. Formadas por monges. Votos de obediência e pobreza. Ordem dos Cavaleiros Teutônicos Ordem dos Templários – não podia recusar- se ao combate. Ordem dos Cavaleiros de São João de Jerusalém (Hospitalários)
  11. 11. FELIPE IV x PAPA BONIFÁCIO VIII Papa criou novo bispado na França sem a autorização do rei. Rei prendeu bispo, chefe do bispado criado. Papa excomungou rei. Auxiliar do rei acusa Papa de vários crimes (simonias etc). Papa foi preso, e depois morreu, abalado pelo episódio.
  12. 12. Novo Papa – Benedito XI – perdoou rei, mas não seu auxiliar. Por isso, morre envenenado. Novo Papa – Clemente V – sede do papado em Avignon. Em Roma, cardeais elegeram outra papa, Urbano VI. CISMA DO OCIDENTE. Conflito resolvido em 1417 – Concílio de Constança – eleição de Martinho V. Fim da dualidade de papas. Esse episódio enfraqueceu papado, dando abertura às reformas.
  13. 13. AS CRUZADAS Expedições militares empreendidas pelos cristãos na Europa Ocidental (séc. XII a XIII); fim = conquistar Jerusalém e o Sepulcro de Cristo. Perspectivas de ganhos comerciais. Motivos iniciais: Turcos perseguiam os peregrinos cristãos e impediam visitações nos lugares santos. Outros motivos: gosto pela aventura, paixão pelos combates, expectativa de fazer fortuna. Outro motivo: desviar a atenção da população de problemas por ela vivenciados.
  14. 14. OITO CRUZADAS / 1a. e 4a. (senhores) – Demais (reais). 1a. CRUZADA = (1096-1099) Conquista de Jerusalém. Criação de estados cristãos na Palestina. Paralelamente – Cruzada dos Pobres – Pedro, o Eremita. Massacrada pelos turcos. 2a. CRUZADA = (1147-1149) Auxiliar franceses na Palestina. Reinos cristãos são destruídos.
  15. 15. 3a. CRUZADA = (1189-1192) – Liderada por Frederico Barbarroxa (Alemanha), Filipe Augusto (França), Ricardo Coração de Leão (Inglaterra). Feita para recuperar Jerusalém ocupada pelos turcos. Ricardo e Frederico morrem. Jerusalém e Egito tomados. 4a. CRUZADA = (1202-1204) – senhores franceses e venezianos. Auxílio do papa Inocêncio III. Finalidade econômica. 5a. CRUZADA (1217-1221) – contra o Egito. Mal sucedida.
  16. 16. 6a. CRUZADA (1228-1229) – negociou com os muçulmanos. Peregrinos poderiam visitar Jerusalém. Liderada por Frederico II, do Sacro Império. 7a. CRUZADA (1248-1254) = liderada por Luís IX (São Luís). Objetivavam conquistar o Egito. Peste. Perderam. 8a. CRUZADA (1270) = Morte de São Luís.
  17. 17. RESULTADOS – criação de reinos cristãos de curta duração. Riqueza devido saques. Relações comerciais entre Oriente e Ocidente. Dinamização das rotas de comércio. Debilitaram o poder da nobreza feudal. (mortes, empobrecimentos). Reis se beneficiaram desse processo de empobrecimento da nobreza feudal. Fortalecimento do poder dos reis.
  18. 18. A CULTURA MEDIEVAL NA ALTA IDADE MÉDIA Igreja – guardiã da cultura que restou do período clássico Santo Agostinho – inspirado em Platão. Princípios filosóficos do cristianismo. (corrente filosófica chamada “patrística”). Harmonizar fé com razão. Predestinação. Contra a venda de indulgências. Latim como língua culta.
  19. 19. NA BAIXA IDADE MÉDIA Cruzadas e renascimento comercial = contribuíram para o desenvolvimento cultural. Arquitetura = românico (arco romano) e gótico(arcos ovalados – ogivas). Filosofia = escolástica (escolas e universidades). São Tomás de Aquino. Estabelecer nexo entre fé e razão. Fontes para a “verdade”= Bíblia, escritos dos primeiros padres e a filosofia de Aristóteles.
  20. 20. Roger Bacon = contra a Escolástica. Observação da natureza experimentação como métodos básicos para o conhecimento científico. Primeiras universidades: Salerno, Bolonha e Paris. Literatura = relatos hagiográficos (vidas de santos), relatos de lendas (Tristão e Isolda), relatos heróicos (rei Arthur e os cavaleiros da Távola Redonda, El Cid). Historiadores (Robert de Clari – Conquista de Constantinopla).
  21. 21. Dante Alighieri – Divina Comédia. Humanismo cristão medieval. Pintura = Giotto. Pintura bíblica.

×