Futurismo

9.923 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Futurismo

  1. 1. Bruna . Juliana . Letícia . Natasha . Paula .. PA1
  2. 2. <ul><li>Movimento artístico e literário de vanguarda, anterior à 1ª Guerra Mundial. Iniciado em 1909 com a publicação do Manifesto Futurista, do poeta italiano Filippo Marinetti, no jornal francês Le Figaro . </li></ul><ul><li>Contexto histórico </li></ul><ul><li>Apogeu da ciência - novas descobertas causam fascínio </li></ul><ul><li>Paris - centro cultural do mundo </li></ul><ul><li>Invenção do automóvel </li></ul><ul><li>2ª Revolução Industrial (1860 até 1ª GM) </li></ul><ul><li>“ Os anos loucos” – pré-Guerra: rebeldia </li></ul>
  3. 3. Primeira página do jornal francês Le Figaro do dia 20 de fevereiro de 1909, onde foi publicado o Manifesto Futurista de Marinetti
  4. 4. 1.Pretendemos cantar o amor ao perigo , o hábito da energia e a intrepidez. 2. Coragem, audácia, e revolta serão elementos essenciais da nossa poesia. 3.Desde então a literatura exaltou uma imobilidade pesarosa, êxtase e sono. Nós pretendemos exaltar a ação agressiva , uma insônia febril, o progresso do corredor, o salto mortal, o soco e tapa. 4. Afirmamos que a magnificência do mundo foi enriquecida por uma nova beleza: a beleza da velocidade . 5. Queremos cantar hinos ao homem e à roda, que arremessa a lança de seu espírito sobre a Terra, ao longo de sua órbita. 6. O poeta deve esgotar a si mesmo com ardor, esplendor, e generosidade, para expandir o fervor entusiástico dos elementos primordiais . 7. Exceto na luta, não há beleza. Nenhum trabalho sem um caráter agressivo pode ser uma obra de arte. A Poesia deve ser concebida como um ataque violento em forças desconhecidas, para reduzir e serem prostradas perante o homem.
  5. 5. 8. Estamos no último promontório dos séculos!... Porque deveríamos olhar para trás, quando o que queremos é atravessar as portas misteriosas do Impossível? Tempo e Espaço morreram ontem. Nós já vivemos no absoluto, porque nós criamos a velocidade, eterna, onipresente. 9. Glorificaremos a guerra – a única higiene militar, patriotismo, o gesto destrutivo daqueles que trazem a liberdade, idéias pelas quais vale a pena morrer, e o escarnecer da mulher. 10. Destruiremos os museus, bibliotecas, academias de todo tipo , lutaremos contra o moralismo, feminismo, toda covardice oportunista ou utilitária. 11. Cantaremos as grandes multidões excitadas pelo trabalho, pelo prazer, e pelo tumulto; Cantaremos a canção das marés de revolução, multicoloridas e polifônicas nas modernas capitais; cantaremos o vibrante fervor noturno de arsenais e estaleiros em chamas com violentas luas elétricas; estações de trem cobiçosas que devoram serpentes emplumadas de fumaça; fábricas pendem em nuvens por linhas tortas de suas fumaças; pontes que transpõem rios, como ginastas gigantes, lampejando no sol com um brilho de facas; navios a vapor aventureiros que fungam o horizonte; locomotivas de peito largo cujas rodas atravessam os trilhos como o casco de enormes cavalos de aço freados por tubulações; e o vôo macio de aviões cujos propulsores tagarelam no vento como faixas e parecem aplaudir como um público entusiasmado.
  6. 6. NO PENSAMENTO <ul><li>Rejeição da tradição e do moralismo </li></ul><ul><li>Desprezo pela mulher </li></ul><ul><li>Desprezo pela racionalidade. </li></ul><ul><li>Glorificação da ação e violência </li></ul><ul><li>Valorização do desenvolvimento industrial e tecnológico </li></ul><ul><li>Militarismo e patriotismo </li></ul><ul><li>“ O artista tem que ser o herói” </li></ul><ul><li>Representavam um estado de espírito </li></ul>
  7. 7. Carrà, Russolo, Marinetti, Boccioni e Severini
  8. 8. NA REPRESENTAÇÃO <ul><li>Linhas confusas e trepidantes, retas ou curvas, mistura de gestos rápidos e delineados de pessoas. </li></ul><ul><li>Cores vivas e contrastes, sobreposição de imagens, idéia de movimento e dinamismo. </li></ul><ul><li>Cores e formas têm relações apenas exteriores </li></ul><ul><li>Geometrização </li></ul><ul><li>Onomatopéias </li></ul><ul><li>Poesias com frases fragmentadas para passar idéia de velocidade. </li></ul>
  9. 10. Giacomo Balla- “Street Light” (1909). <ul><li>Representações totalmente desnaturalizadas, embora sem chegar a uma total abstracção. </li></ul><ul><li>Preocupação com o dinamismo das formas, com a situação da luz e a integração do espectro cromático. </li></ul>
  10. 11. Giacomo Balla- The Hand of the Violinist (1912).
  11. 12. Giacomo Balla - Dinamismo de um Cão pela Trela
  12. 13. Severini.- A Dançarina Azul (1912).
  13. 14. Carlo Carrá- Funeral of the Anarchist Galli
  14. 15. Aborda temas político-anarquistas, cenas de grande movimentação de figuras e composições quase abstratas. Umberto Boccioni
  15. 16. <ul><li>Na escultura – linguagem tridimensional – ultrapassa a questão do movimento absoluto para um movimento relativo, estabelecendo uma tensão e fusão da forma e do espaço, que se interpenetram. </li></ul><ul><li>Experiências com materiais não tradicionais . </li></ul>Umberto Boccioni –Antigrazia. Umberto Boccioni- Transformer.
  16. 17. Leo Longanesi Portrait of F. T. Marinetti 1922 Oswado Bot F. T. Marinetti 1929 Mino Delle Site Aeromarinetti 1935 Giacomo Balla F. T. Marinetti circa 1920-22
  17. 18. Filippo Marinetti -Capa do livro  Zang Tumb Tumb ( 1914).
  18. 19. Fortunato Depero - Bozzetto pubblicitario per Vogue, 1930. Collage, cm 45,6 x 34,5. Rovereto, Mart deposito a lungo termine Fortunato Depero - Refrattari Verzocchi. Bozzetto per manifesto pubblicitario. 1924  Fortunato Depero - Copertina di &quot;News Auto Atlas&quot;, 1930.  Fortunato Depero - Movie Makers, Dicembre 1929
  19. 20. Luigi Russolo- Music (1911)
  20. 21. Fortunato Depero - Il ciclista attraversa la città (1945) .
  21. 22. Fortunato Depero - &quot;Abiti da uomo&quot; (1945).
  22. 24. Fortunato Depero- &quot;Ciclisti&quot; (1923).
  23. 25. Teatro - Introdução de tecnologia nos espetáculos. Tentativa de interação com o público. Música - Manifesto reflete sobre a necessidade de se questionar o papel que os instrumentos desempenhavam na música da época – resulta na criação de novos instrumentos. Arquitetura - Destruição da paisagem urbana. uma arquitetura renovável. Influências Futuristas
  24. 26. <ul><li>O slogan do primeiro manifesto futurista de 1909 era “Liberdade para as palavras”, e considerava o design tipográfico da época, especialmente em jornais e propaganda. A diferença entre arte e design passa a ser abandonada e a propaganda é escolhida como forma de comunicação . . </li></ul><ul><li>A vanguarda futurista mostrou uma nova maneira de olhar as palavras e utilizar as letras para formar imagens . </li></ul>Design
  25. 27. Os futuristas entendiam a publicidade como manifestação da vida moderna e se utilizavam dela para divulgar suas idéias (futuristas). Depero futurista , livro que contem vários exemplos do trabalho dele.
  26. 28. Após a 2 Guerra Mundial, os futuristas receberam que a ideilogia do movimento era um equívoco. A partir deste momento, comçou a florecer outro estilo.
  27. 29. 20’s
  28. 31. “ À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fabrica Tenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto, Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos, Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r-r-r eterno! Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria!” (Álvaro de Campos-heterônimo de Fernando Pessoa)
  29. 33. <ul><li>http://pintarpalavras.blogspot.com/ </li></ul><ul><li>http://www.lastfm.com.br/user/dreamsonnet/journal/2007/03/11/a7f2e_-___songs_that_paint_____________________________- </li></ul><ul><li>http://vasilis.nl/fotos/digitaal/diversen/umberto-boccioni-transformer-20081023.jpg/ </li></ul><ul><li>http://commons.wikimedia.org/wiki/File:'States_of_Mind_III;_Those_Who_Stay',_oil_on_canvas_painting_by_Umberto_Boccioni,_1911.jpg </li></ul><ul><li>http://www.crazyhorsenews.com/9P10.html </li></ul><ul><li>http://picasaweb.google.com/lh/photo/9E1e3a24qA9VW1G-6--bHw </li></ul><ul><li>http://www.internetculturale.it/genera.jsp?id=904&l=en </li></ul><ul><li>http://img.photobucket.com/albums/v506/VitorM/futurismo2.jpg </li></ul><ul><li>http://www.esfcastro.pt:8079/users/franciscosilva/Futurismo.html </li></ul><ul><li>http://www.mart.trento.it/gallery.jsp?ID_LINK=96&area=42&id_context=126 </li></ul><ul><li>http://www.massacriticatorino.it/photogallery.php/disegni_e_dipinti </li></ul><ul><li>http://hatfuturismo.blogspot.com/2008/05/tipologia-futurista.html </li></ul><ul><li>http://dwardmac.pitzer.edu/Anarchist_Archives/art/carlo_carra/works.html </li></ul><ul><li>roupa ----- http://www.arslibri.com/cat130w2.htm </li></ul>Bibliografia

×