SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Stanislavski e o sistema Professora Taís Ferreira Universidade Federal de Pelotas Material para fins didáticos
Surgimento O sistema de Stanislasvki para o trabalho do ator surge da necessidade de um novo ator, que não estivesse vinculado às características de atuação vigentes na virada do século XIX para o XX, ou seja, “a forma sem impulso”, “os clichês” e a “falta de vida” das interpretações.
Fases do sistema 1ª fase ou psicotécnica ou memória afetiva/emotiva A mente atua antes da imaginação ativando-a racionalmente. Pergunta do ator: o que me motivaria, eu, ator, se tive se que agir como age o personagem? IMAGINAR – ACREDITAR – SENTIR – AGIR  2ª fase ou método das ações físicas Imaginação trabalha junto com o agir, mas de forma não-racional, improvisando. Pergunta do ator: o que eu faria se estivesse nas condições do personagem? AGIR – ACREDITAR – SENTIR – AGIR
A primeira fase do sistema desenvolve-se até os anos 30. Exaustivos trabalhos de mesa e análises textuais. Análise intelectual dos personagens , dos textos e das situações propostas na busca de emoções análogas entre personagem e ator. A segunda fase do sistema sistematiza-se  a partir dos anos 30. Indissolubilidade entre a vida física/ exterior do personagem e a vida emotiva/ interior. Psicotécnica na obtenção da organicidade do ator, na “verdade da cena”, na integralidade psicofísica do trabalho do ator.
Trabalho do ator sobre si mesmo: Domínio dos elementos da psicotécnica; construção de uma segunda natureza (corpo + mente); obtenção de ação orgânica e eliminação da ação simplesmente mecânica. Estado criador se daria partir de seis processos no trabalho do ator: vontade, indagação, vivência, imaginação e influência sobre espectador.
Leis orgânicas da ação Atenção Imaginação Músculos livres Circunstâncias Situações/acontecimentos Avaliação na mudança de situação Relação/ interação entre objetos de atenção da cena Comunicação Tempo-ritmo
Gesto, movimento e ação física Gesto: nasce da periferia do corpo, não implica sua totalidade (uma parte do corpo). Movimento: envolve todo o corpo, tem forma organizada e qualidades. Ação física: um gesto, um movimento ou uma atividade corporal com uma intencionalidade, com um objetivo a atingir, envolvidos por impulsos que visem a um objetivo.
Definição de ação segundo método das ações físicas A ação, segundo o método das ações físicas, não é fazer um gesto, uma atividade, um movimento. A ação é um processo psicofísico de luta contra as circunstâncias dadas para alcançar um determinado objetivo, que se dá no tempo e no espaço de uma forma teatral qualquer. A linha física da ação (PARTITURA) deve estar justificada num processo individual, que envolve imagens próprias (SUBPARTITURA) e que ajudam a definir a ação mental, sem a qual o ator corre o risco de não tornar vivas suas ações.
Ciclo do método das ações físicas no processo criativo do ator
Bibliografia
Bibliografia
Bibliografia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História do Cinema
História do CinemaHistória do Cinema
História do CinemaFilipe Leal
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatroKaren Olivan
 
Teatro Medieval e Renacentista
Teatro Medieval e RenacentistaTeatro Medieval e Renacentista
Teatro Medieval e RenacentistaAndrea Dressler
 
A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinemaRebeca Neiva
 
Evolução do Cinema
Evolução do CinemaEvolução do Cinema
Evolução do CinemaMichele Pó
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEAVIVIAN TROMBINI
 
A história do cinema no Brasil
A história do cinema no BrasilA história do cinema no Brasil
A história do cinema no BrasilJoão da Mata
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes) Wellinton Augusto
 
Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramáticoGlauco Souza
 
Teatro elisabetano
Teatro elisabetanoTeatro elisabetano
Teatro elisabetanoKarina Lima
 
Síntese - História do teatro
Síntese - História do teatroSíntese - História do teatro
Síntese - História do teatroCarla Camuso
 

Mais procurados (20)

Luz no teatro
Luz no teatroLuz no teatro
Luz no teatro
 
História do Cinema
História do CinemaHistória do Cinema
História do Cinema
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatro
 
Teatro Medieval e Renacentista
Teatro Medieval e RenacentistaTeatro Medieval e Renacentista
Teatro Medieval e Renacentista
 
A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinema
 
Historia do cinema
Historia do cinema Historia do cinema
Historia do cinema
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
 
Origem cinema
Origem cinemaOrigem cinema
Origem cinema
 
Tipos de palco
Tipos de palcoTipos de palco
Tipos de palco
 
Evolução do Cinema
Evolução do CinemaEvolução do Cinema
Evolução do Cinema
 
A origem do teatro
A origem do teatroA origem do teatro
A origem do teatro
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
 
Teatro contemporâneo
Teatro contemporâneoTeatro contemporâneo
Teatro contemporâneo
 
A história do cinema no Brasil
A história do cinema no BrasilA história do cinema no Brasil
A história do cinema no Brasil
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
 
Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramático
 
Arte cinética
Arte cinéticaArte cinética
Arte cinética
 
Sintaxe teatral
Sintaxe teatralSintaxe teatral
Sintaxe teatral
 
Teatro elisabetano
Teatro elisabetanoTeatro elisabetano
Teatro elisabetano
 
Síntese - História do teatro
Síntese - História do teatroSíntese - História do teatro
Síntese - História do teatro
 

Destaque

WILLIAN SHAKESPEARE. O TEATRO INGLÉS
WILLIAN SHAKESPEARE. O TEATRO INGLÉSWILLIAN SHAKESPEARE. O TEATRO INGLÉS
WILLIAN SHAKESPEARE. O TEATRO INGLÉSraquelcamacho2015
 
A preparação do ator stanislavski
A preparação do ator   stanislavskiA preparação do ator   stanislavski
A preparação do ator stanislavskiArthur Fernandes
 
Metodo Stanislavski
Metodo StanislavskiMetodo Stanislavski
Metodo StanislavskiNurbia Lopez
 
Teatro de Arte de Moscou e o naturalismo
Teatro de Arte de Moscou e o naturalismoTeatro de Arte de Moscou e o naturalismo
Teatro de Arte de Moscou e o naturalismoTaís Ferreira
 
Pelo devir de uma historiografia do teatro gaucho
Pelo devir de uma historiografia do teatro gauchoPelo devir de uma historiografia do teatro gaucho
Pelo devir de uma historiografia do teatro gauchoTaís Ferreira
 
modulo 7 o sonho de uma noite de verão
modulo 7 o sonho de uma noite de verãomodulo 7 o sonho de uma noite de verão
modulo 7 o sonho de uma noite de verão11CPTS
 
AULA 6 - 3º ANO - TEATRO- aula 1
AULA 6 - 3º ANO - TEATRO- aula 1AULA 6 - 3º ANO - TEATRO- aula 1
AULA 6 - 3º ANO - TEATRO- aula 1VIVIAN TROMBINI
 
‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin,
‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin, ‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin,
‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin, studio silvio selva
 
Un actor se prepara stanislavski
Un actor se prepara stanislavskiUn actor se prepara stanislavski
Un actor se prepara stanislavskirolandoteatro
 
Peter Slade - O Jogo Dramático Infantil
Peter Slade - O Jogo Dramático InfantilPeter Slade - O Jogo Dramático Infantil
Peter Slade - O Jogo Dramático InfantilVitor de Almeida
 
Sonho de uma noite de verão
Sonho de uma noite de verãoSonho de uma noite de verão
Sonho de uma noite de verãoSara Silva
 
William Shakespeare - Poeta, Dramaturgo e Ator Inglês.
William Shakespeare - Poeta, Dramaturgo e Ator Inglês.William Shakespeare - Poeta, Dramaturgo e Ator Inglês.
William Shakespeare - Poeta, Dramaturgo e Ator Inglês.PedroGualberto
 
A tempestade - Sheakespeare
A tempestade - SheakespeareA tempestade - Sheakespeare
A tempestade - SheakespeareNathan Lopes
 
William Shakespeare
William ShakespeareWilliam Shakespeare
William Shakespeareneusarocha
 

Destaque (20)

WILLIAN SHAKESPEARE. O TEATRO INGLÉS
WILLIAN SHAKESPEARE. O TEATRO INGLÉSWILLIAN SHAKESPEARE. O TEATRO INGLÉS
WILLIAN SHAKESPEARE. O TEATRO INGLÉS
 
A preparação do ator stanislavski
A preparação do ator   stanislavskiA preparação do ator   stanislavski
A preparação do ator stanislavski
 
Metodo Stanislavski
Metodo StanislavskiMetodo Stanislavski
Metodo Stanislavski
 
Teatro de Arte de Moscou e o naturalismo
Teatro de Arte de Moscou e o naturalismoTeatro de Arte de Moscou e o naturalismo
Teatro de Arte de Moscou e o naturalismo
 
Pelo devir de uma historiografia do teatro gaucho
Pelo devir de uma historiografia do teatro gauchoPelo devir de uma historiografia do teatro gaucho
Pelo devir de uma historiografia do teatro gaucho
 
Stanislavski
StanislavskiStanislavski
Stanislavski
 
Práticas corporais
Práticas corporaisPráticas corporais
Práticas corporais
 
modulo 7 o sonho de uma noite de verão
modulo 7 o sonho de uma noite de verãomodulo 7 o sonho de uma noite de verão
modulo 7 o sonho de uma noite de verão
 
AULA 6 - 3º ANO - TEATRO- aula 1
AULA 6 - 3º ANO - TEATRO- aula 1AULA 6 - 3º ANO - TEATRO- aula 1
AULA 6 - 3º ANO - TEATRO- aula 1
 
‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin,
‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin, ‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin,
‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin,
 
Un actor se prepara stanislavski
Un actor se prepara stanislavskiUn actor se prepara stanislavski
Un actor se prepara stanislavski
 
Sonho de Uma Noite De Verão
Sonho de Uma Noite De VerãoSonho de Uma Noite De Verão
Sonho de Uma Noite De Verão
 
Peter Slade - O Jogo Dramático Infantil
Peter Slade - O Jogo Dramático InfantilPeter Slade - O Jogo Dramático Infantil
Peter Slade - O Jogo Dramático Infantil
 
Aula criação de personagem
Aula   criação de personagemAula   criação de personagem
Aula criação de personagem
 
A TEMPESTADE
A TEMPESTADEA TEMPESTADE
A TEMPESTADE
 
Sonho de uma noite de verão
Sonho de uma noite de verãoSonho de uma noite de verão
Sonho de uma noite de verão
 
William Shakespeare - Poeta, Dramaturgo e Ator Inglês.
William Shakespeare - Poeta, Dramaturgo e Ator Inglês.William Shakespeare - Poeta, Dramaturgo e Ator Inglês.
William Shakespeare - Poeta, Dramaturgo e Ator Inglês.
 
A tempestade - Sheakespeare
A tempestade - SheakespeareA tempestade - Sheakespeare
A tempestade - Sheakespeare
 
Renascimento na Inglaterra
Renascimento na Inglaterra Renascimento na Inglaterra
Renascimento na Inglaterra
 
William Shakespeare
William ShakespeareWilliam Shakespeare
William Shakespeare
 

Semelhante a Sistema de Stanislavski

Diferentes conceções sobre o estudo do ser humano.pdf
Diferentes conceções sobre o estudo do ser humano.pdfDiferentes conceções sobre o estudo do ser humano.pdf
Diferentes conceções sobre o estudo do ser humano.pdfVitor149557
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos EmocionaisJorge Barbosa
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos EmocionaisJorge Barbosa
 
Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11Ana Lucia Gouveia
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoThaisremo
 
Processamento de informações sensoriais
Processamento de informações sensoriaisProcessamento de informações sensoriais
Processamento de informações sensoriaisFernanda Garcia Perez
 
Gênese do Pensamento e da Linguagem L. S. Vygotsky.
Gênese do Pensamento e da Linguagem L. S. Vygotsky.Gênese do Pensamento e da Linguagem L. S. Vygotsky.
Gênese do Pensamento e da Linguagem L. S. Vygotsky.ronnymm
 
SemióTica Apresentação Geral
SemióTica Apresentação GeralSemióTica Apresentação Geral
SemióTica Apresentação GeralLuci Bonini
 
Vygotsky - Desenvolvimento psicológico
Vygotsky - Desenvolvimento psicológicoVygotsky - Desenvolvimento psicológico
Vygotsky - Desenvolvimento psicológicoNuap Santana
 
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade  AULA 2.pdfPsicologia da personalidade  AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade AULA 2.pdfElionayFigueiredo1
 
Acção humana textoscomplementares
Acção humana textoscomplementaresAcção humana textoscomplementares
Acção humana textoscomplementaresbeatriz9911
 
Psicologia ( unidades com objectivos)
Psicologia ( unidades com objectivos)Psicologia ( unidades com objectivos)
Psicologia ( unidades com objectivos)joseantoniosebastiao
 
I tópica Aula da Analizzare em Pará de minas
I tópica   Aula da Analizzare em Pará de minasI tópica   Aula da Analizzare em Pará de minas
I tópica Aula da Analizzare em Pará de minasJoao António Fernandes
 

Semelhante a Sistema de Stanislavski (20)

Diferentes conceções sobre o estudo do ser humano.pdf
Diferentes conceções sobre o estudo do ser humano.pdfDiferentes conceções sobre o estudo do ser humano.pdf
Diferentes conceções sobre o estudo do ser humano.pdf
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 
Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
 
Apresent..
 Apresent.. Apresent..
Apresent..
 
Analise Semiotica
Analise SemioticaAnalise Semiotica
Analise Semiotica
 
Primórdio..
Primórdio..Primórdio..
Primórdio..
 
02 primórdio..
02 primórdio..02 primórdio..
02 primórdio..
 
Processamento de informações sensoriais
Processamento de informações sensoriaisProcessamento de informações sensoriais
Processamento de informações sensoriais
 
Funcionalismo
FuncionalismoFuncionalismo
Funcionalismo
 
Gênese do Pensamento e da Linguagem L. S. Vygotsky.
Gênese do Pensamento e da Linguagem L. S. Vygotsky.Gênese do Pensamento e da Linguagem L. S. Vygotsky.
Gênese do Pensamento e da Linguagem L. S. Vygotsky.
 
SemióTica Apresentação Geral
SemióTica Apresentação GeralSemióTica Apresentação Geral
SemióTica Apresentação Geral
 
Vygotsky - Desenvolvimento psicológico
Vygotsky - Desenvolvimento psicológicoVygotsky - Desenvolvimento psicológico
Vygotsky - Desenvolvimento psicológico
 
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade  AULA 2.pdfPsicologia da personalidade  AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
 
Passo 1 2007 1
Passo 1 2007 1Passo 1 2007 1
Passo 1 2007 1
 
Unidade 01 psicologia (1)
Unidade 01   psicologia (1)Unidade 01   psicologia (1)
Unidade 01 psicologia (1)
 
Acção humana textoscomplementares
Acção humana textoscomplementaresAcção humana textoscomplementares
Acção humana textoscomplementares
 
Psicologia ( unidades com objectivos)
Psicologia ( unidades com objectivos)Psicologia ( unidades com objectivos)
Psicologia ( unidades com objectivos)
 
I tópica Aula da Analizzare em Pará de minas
I tópica   Aula da Analizzare em Pará de minasI tópica   Aula da Analizzare em Pará de minas
I tópica Aula da Analizzare em Pará de minas
 

Mais de Taís Ferreira

Workshop-teachers-vienna 2016
Workshop-teachers-vienna 2016Workshop-teachers-vienna 2016
Workshop-teachers-vienna 2016Taís Ferreira
 
Slides II Seminário Subtexto - Galpão, BH, Minas, 2011.
Slides II Seminário Subtexto - Galpão, BH, Minas, 2011.Slides II Seminário Subtexto - Galpão, BH, Minas, 2011.
Slides II Seminário Subtexto - Galpão, BH, Minas, 2011.Taís Ferreira
 
O Poeta, a crente e o berrante
O Poeta, a crente e o berranteO Poeta, a crente e o berrante
O Poeta, a crente e o berranteTaís Ferreira
 
Infâncias, fotografias, literatura para crianças: cadê o teatro que estava aqui
Infâncias, fotografias, literatura para crianças: cadê o teatro que estava aquiInfâncias, fotografias, literatura para crianças: cadê o teatro que estava aqui
Infâncias, fotografias, literatura para crianças: cadê o teatro que estava aquiTaís Ferreira
 
Teatro amador como pedagogia cultural
Teatro amador como pedagogia culturalTeatro amador como pedagogia cultural
Teatro amador como pedagogia culturalTaís Ferreira
 
Artefatos culturais para infância e a escola
Artefatos culturais para infância e a escolaArtefatos culturais para infância e a escola
Artefatos culturais para infância e a escolaTaís Ferreira
 
Fundamentos da linguagem teatral
Fundamentos da linguagem teatralFundamentos da linguagem teatral
Fundamentos da linguagem teatralTaís Ferreira
 
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreiraPor uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreiraTaís Ferreira
 
Cena 4 - Pequena tragédia para crianças em um ato (2005)
Cena 4 - Pequena tragédia para crianças em um ato (2005)Cena 4 - Pequena tragédia para crianças em um ato (2005)
Cena 4 - Pequena tragédia para crianças em um ato (2005)Taís Ferreira
 
Identidades no contexto escolar livro
Identidades no contexto escolar   livroIdentidades no contexto escolar   livro
Identidades no contexto escolar livroTaís Ferreira
 
Conversações sobre teatro e educação livro
Conversações sobre teatro e educação   livroConversações sobre teatro e educação   livro
Conversações sobre teatro e educação livroTaís Ferreira
 
Capa livro identidades no contexto escolar
Capa livro identidades no contexto escolarCapa livro identidades no contexto escolar
Capa livro identidades no contexto escolarTaís Ferreira
 
Capa livro conversações sobre teatro e educação
Capa livro conversações sobre teatro e educaçãoCapa livro conversações sobre teatro e educação
Capa livro conversações sobre teatro e educaçãoTaís Ferreira
 
Múltiplas linguagens revista art& 02
Múltiplas linguagens   revista art& 02Múltiplas linguagens   revista art& 02
Múltiplas linguagens revista art& 02Taís Ferreira
 
As infâncias no teatro para crianças revista art& 01
As infâncias no teatro para crianças   revista art& 01As infâncias no teatro para crianças   revista art& 01
As infâncias no teatro para crianças revista art& 01Taís Ferreira
 
Oficina fantoches papel mache
Oficina fantoches papel macheOficina fantoches papel mache
Oficina fantoches papel macheTaís Ferreira
 
Moitará e oigalê o jogo das identidades populares brasileiras e a commedia ...
Moitará e oigalê   o jogo das identidades populares brasileiras e a commedia ...Moitará e oigalê   o jogo das identidades populares brasileiras e a commedia ...
Moitará e oigalê o jogo das identidades populares brasileiras e a commedia ...Taís Ferreira
 
About ‘hamlet, o príncipe da dinamarca
About ‘hamlet, o príncipe da dinamarcaAbout ‘hamlet, o príncipe da dinamarca
About ‘hamlet, o príncipe da dinamarcaTaís Ferreira
 

Mais de Taís Ferreira (20)

Selfpresentation
Selfpresentation Selfpresentation
Selfpresentation
 
Workshop-teachers-vienna 2016
Workshop-teachers-vienna 2016Workshop-teachers-vienna 2016
Workshop-teachers-vienna 2016
 
Slides II Seminário Subtexto - Galpão, BH, Minas, 2011.
Slides II Seminário Subtexto - Galpão, BH, Minas, 2011.Slides II Seminário Subtexto - Galpão, BH, Minas, 2011.
Slides II Seminário Subtexto - Galpão, BH, Minas, 2011.
 
O Poeta, a crente e o berrante
O Poeta, a crente e o berranteO Poeta, a crente e o berrante
O Poeta, a crente e o berrante
 
Do amor à profissão
Do amor à profissãoDo amor à profissão
Do amor à profissão
 
Infâncias, fotografias, literatura para crianças: cadê o teatro que estava aqui
Infâncias, fotografias, literatura para crianças: cadê o teatro que estava aquiInfâncias, fotografias, literatura para crianças: cadê o teatro que estava aqui
Infâncias, fotografias, literatura para crianças: cadê o teatro que estava aqui
 
Teatro amador como pedagogia cultural
Teatro amador como pedagogia culturalTeatro amador como pedagogia cultural
Teatro amador como pedagogia cultural
 
Artefatos culturais para infância e a escola
Artefatos culturais para infância e a escolaArtefatos culturais para infância e a escola
Artefatos culturais para infância e a escola
 
Fundamentos da linguagem teatral
Fundamentos da linguagem teatralFundamentos da linguagem teatral
Fundamentos da linguagem teatral
 
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreiraPor uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
 
Cena 4 - Pequena tragédia para crianças em um ato (2005)
Cena 4 - Pequena tragédia para crianças em um ato (2005)Cena 4 - Pequena tragédia para crianças em um ato (2005)
Cena 4 - Pequena tragédia para crianças em um ato (2005)
 
Identidades no contexto escolar livro
Identidades no contexto escolar   livroIdentidades no contexto escolar   livro
Identidades no contexto escolar livro
 
Conversações sobre teatro e educação livro
Conversações sobre teatro e educação   livroConversações sobre teatro e educação   livro
Conversações sobre teatro e educação livro
 
Capa livro identidades no contexto escolar
Capa livro identidades no contexto escolarCapa livro identidades no contexto escolar
Capa livro identidades no contexto escolar
 
Capa livro conversações sobre teatro e educação
Capa livro conversações sobre teatro e educaçãoCapa livro conversações sobre teatro e educação
Capa livro conversações sobre teatro e educação
 
Múltiplas linguagens revista art& 02
Múltiplas linguagens   revista art& 02Múltiplas linguagens   revista art& 02
Múltiplas linguagens revista art& 02
 
As infâncias no teatro para crianças revista art& 01
As infâncias no teatro para crianças   revista art& 01As infâncias no teatro para crianças   revista art& 01
As infâncias no teatro para crianças revista art& 01
 
Oficina fantoches papel mache
Oficina fantoches papel macheOficina fantoches papel mache
Oficina fantoches papel mache
 
Moitará e oigalê o jogo das identidades populares brasileiras e a commedia ...
Moitará e oigalê   o jogo das identidades populares brasileiras e a commedia ...Moitará e oigalê   o jogo das identidades populares brasileiras e a commedia ...
Moitará e oigalê o jogo das identidades populares brasileiras e a commedia ...
 
About ‘hamlet, o príncipe da dinamarca
About ‘hamlet, o príncipe da dinamarcaAbout ‘hamlet, o príncipe da dinamarca
About ‘hamlet, o príncipe da dinamarca
 

Último

ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 

Último (20)

ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 

Sistema de Stanislavski

  • 1. Stanislavski e o sistema Professora Taís Ferreira Universidade Federal de Pelotas Material para fins didáticos
  • 2. Surgimento O sistema de Stanislasvki para o trabalho do ator surge da necessidade de um novo ator, que não estivesse vinculado às características de atuação vigentes na virada do século XIX para o XX, ou seja, “a forma sem impulso”, “os clichês” e a “falta de vida” das interpretações.
  • 3. Fases do sistema 1ª fase ou psicotécnica ou memória afetiva/emotiva A mente atua antes da imaginação ativando-a racionalmente. Pergunta do ator: o que me motivaria, eu, ator, se tive se que agir como age o personagem? IMAGINAR – ACREDITAR – SENTIR – AGIR 2ª fase ou método das ações físicas Imaginação trabalha junto com o agir, mas de forma não-racional, improvisando. Pergunta do ator: o que eu faria se estivesse nas condições do personagem? AGIR – ACREDITAR – SENTIR – AGIR
  • 4. A primeira fase do sistema desenvolve-se até os anos 30. Exaustivos trabalhos de mesa e análises textuais. Análise intelectual dos personagens , dos textos e das situações propostas na busca de emoções análogas entre personagem e ator. A segunda fase do sistema sistematiza-se a partir dos anos 30. Indissolubilidade entre a vida física/ exterior do personagem e a vida emotiva/ interior. Psicotécnica na obtenção da organicidade do ator, na “verdade da cena”, na integralidade psicofísica do trabalho do ator.
  • 5. Trabalho do ator sobre si mesmo: Domínio dos elementos da psicotécnica; construção de uma segunda natureza (corpo + mente); obtenção de ação orgânica e eliminação da ação simplesmente mecânica. Estado criador se daria partir de seis processos no trabalho do ator: vontade, indagação, vivência, imaginação e influência sobre espectador.
  • 6. Leis orgânicas da ação Atenção Imaginação Músculos livres Circunstâncias Situações/acontecimentos Avaliação na mudança de situação Relação/ interação entre objetos de atenção da cena Comunicação Tempo-ritmo
  • 7. Gesto, movimento e ação física Gesto: nasce da periferia do corpo, não implica sua totalidade (uma parte do corpo). Movimento: envolve todo o corpo, tem forma organizada e qualidades. Ação física: um gesto, um movimento ou uma atividade corporal com uma intencionalidade, com um objetivo a atingir, envolvidos por impulsos que visem a um objetivo.
  • 8. Definição de ação segundo método das ações físicas A ação, segundo o método das ações físicas, não é fazer um gesto, uma atividade, um movimento. A ação é um processo psicofísico de luta contra as circunstâncias dadas para alcançar um determinado objetivo, que se dá no tempo e no espaço de uma forma teatral qualquer. A linha física da ação (PARTITURA) deve estar justificada num processo individual, que envolve imagens próprias (SUBPARTITURA) e que ajudam a definir a ação mental, sem a qual o ator corre o risco de não tornar vivas suas ações.
  • 9. Ciclo do método das ações físicas no processo criativo do ator