As infâncias no teatro para crianças revista art& 01

920 visualizações

Publicada em

Artigo publicado na Revista Art& no 01.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
920
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As infâncias no teatro para crianças revista art& 01

  1. 1. As Infâncias no Teatro para Crianças[1]Autor: Taís Ferreira [2] - taisferreirars@yahoo.com.brResumo:Este artigo apresenta-se como um trabalho de caráter analítico, no qual discuto e reflito acerca dasrepresentações de infâncias presentes no contemporâneo teatro para crianças, ou seja, o teatro produzidotendo como público alvo as crianças espectadoras. Divide-se em três seções principais, a primeira, na qualcontextualizo os referenciais teóricos sobre as infâncias com os quais dialogo neste momento, sendo eles:Postman, Ariès e Steinberg e Kincheloe. Na segunda seção realizo a análise de dois espetáculos teatrais infantisproduzidos e encenados em Porto Alegre, baseada em observações empíricas e nos textos dramáticos,focalizando os personagens-criança que os protagonizam. Na terceira seção, analiso os depoimentos de atorese atrizes que atuaram nesses espetáculos, seus processos de construção dos personagens-criança e asrepresentações de infância neles envolvidas.Palabras-chave: teatro infantil – infâncias – personagens-criança – kindercultura1. Introdução – Por onde trilho meus caminhos...Neste trabalho, proponho-me a analisar as relações entre os conceitos de infância que circulam em algunsdiscursos acerca da mesma (notadamente sobre o proclamado fim-da-infância/ desaparecimento da infânciatrazido por Postman, 1999 e a kindercultura de Steinberg e Kincheloe, 1997) e os modelos de criançasapresentados pelo teatro infantil produzido e consumido hoje.Algumas perguntas nortearam esta análise e foram o mote para sua realização: 1) Qual é/ quais são a(s)criança(s) representada(s) nas peças de teatro que serão consumidas pelo público infantil? 2) Como essespersonagens-criança são construídos no texto dramático, na encenação e pelos atores que os interpretam? E apartir destas duas primeiras, a seguinte questão: 3) Quem/ como é o público infantil idealizado ou imaginadopelo endereçamento destes espetáculos?Um dos pressupostos que acompanham esta análise é o de que percebendo a forma como os atores, diretores edramaturgos do teatro infantil representam esta criança em cena, podemos obter um caminho de acesso paraentender qual é o público ao qual estes produtos culturais se dirigem, qual/ quais é/ são o(s) seu(s) modo(s)de endereçamento (ELLSWORTH, 2001), enfim, para que criança estes espetáculos falam, que modelos deinfância levam em conta e colocam em cena; qual é a infância da qual fala o teatro infantil e,conseqüentemente, a que infância ele se dirige.Os conceitos de fim-da-infância e de kindercultura ao mesmo tempo que se opõem, completam-se. Podeparecer estranho que em uma conjuntura na qual crianças são veementemente adultizadas pelos mecanismosde disciplinamento/ controle e pelos meios de comunicação de massa – que destróem as barreiras entre oconhecido e o desconhecido, entre o que se pode ou não saber , onde a informação (sons, imagens,mensagens) chega de maneira idêntica e insidiosa a todos os lares, em qualquer horário, atingindo indivíduosde qualquer idade – haja uma emergência concreta de toda uma gama de produtos culturais e de consumofeitos ‘para (e somente para) crianças’. É incoerente pensar que em uma sociedade onde os interesses elugares sociais de crianças e adultos cada vez mais estão confundidos, onde as fronteiras entre o ser criança eo ser adulto estão borradas, prolifere vertiginosamente toda uma produção cultural voltada ao público infantil, aseus supostos interesses e em consonância às características próprias do dito ‘desenvolvimento infantil’.Se seguirmos o movimento neste sentido, a kindercultura seria uma forte tentativa de definição do que éadequado, próprio para a infância e de qual é o lugar desta criança, dissociando através de seus produtosaquilo que pode ser consumido pelos adultos daquilo que deve ser consumido pelas crianças, padrões adultosde comportamento versus padrões infantis. É importante considerar que alguns destes artefatos,principalmente o vestuário e objetos como telefones e maquiagem, aproximam adultos de crianças, por vezesmais do que adultizando, erotizando as experiências infantis. Já outros produtos (como alguns programastelevisivos, peças de teatro, gibis, livros e desenhos animados) marcam fortemente estas diferenças. Porém,mesmo marcando as diferenças, igualam as crianças aos adultos no momento em que todos (velhos, adultos,crianças e, principalmente, adolescentes) são considerados consumidores, antes de serem cidadãos ouindivíduos. Além do apelo comercial característico da maior parte destes artefatos, há uma profundademarcação de lugares que se realiza no ato de produção e de consumo, modelos sociais e identitáriosveiculados que constroem nossos significados de infância e de idade adulta e que reforçam algumasrepresentações de infância surgidas já no início da Modernidade.Assim como P. Ariès nos traz em sua “História Social da Criança e da Família”, a infância é um construto sociale cultural que sequer existia antes do século XVI. Crianças e adultos viviam juntos, não havia distinções entreum ‘mundo adulto’ e um ‘mundo das crianças’. Os jogos, brincadeiras, espaços sociais – e também artefatosculturais como a literatura, os contos orais, os espetáculos teatrais e as danças – eram partilhados porindivíduos de todas as idades. Muitas destas práticas (como as brincadeiras, jogos e contos de fada, compassar dos séculos, se restringirão ao ‘universo infantil’, enquanto outras manifestações como a literatura, oteatro e a música terão acrescidas aos seus corpus as categorias de literatura infantil, teatro infantil e música
  2. 2. infantil, ou seja, uma produção específica nestas linguagens destinadas a um público eminentemente compostopor crianças.Sendo assim, a kindercultura reforça a existência da infância enquanto uma fase da vida com características enecessidades distintas das dos adultos (os discursos verbais, textuais e visuais destes artefatos têm nítidasespecificidades formais e conteudísticas se comparadas a seus similares para adultos). Porém, a mesmakindercultura transforma alguns conceitos como o de uma criança dependente, ingênua, incapaz, incompleta,desprotegida – enfim, os significados de infância que tiveram seu ápice no período compreendido entre 1850 e1950 –, ao considerar a criança enquanto um consumidor apto a escolher e adquirir os produtos de suapreferência.Conforme Postman, a necessidade da invenção da infância surge com a prensa tipográfica e a disseminação doslivros e da leitura, dividindo o mundo entre os letrados (adultos) e os não letrados (crianças), aqueles quetinham acesso aos conhecimentos e segredos do mundo e aqueles aos quais estes conhecimentos eramvetados. Com o advento dos meios de comunicação de massa – iniciado com a invenção do telégrafo,rapidamente seguido pelo telefone, rádio, televisão e agora com a presença indiscutível da informática emnossas vidas, – inicia-se um processo de desaparecimento da infância. Não há mais distinções e mistérios quesegreguem adultos de crianças e, com isso, não há mais a necessidade da própria infância. Considero o textode Postman um importante referencial no pensamento contemporâneo acerca das questões da infância, masnão posso deixar de perceber em seu discurso um tom catastrófico de perda de um valor maior à sociedade – ainfância – em detrimento de outras possibilidades de abordagem, como a tentativa de entender estasmudanças enquanto uma metamorfose daquilo que consideramos a infância e as crianças. Metamorfose estaque está em consonância com as rupturas e transformações que vêm demarcando o período que, conformeKumar, convencionamos chamar de Pós-Modernidade, no qual a conjuntura em que estamos inseridos pode sersituada. Neste mundo de sociedades híbridas, fluidas, sem fronteiras, disciplinares, controladas, hierarquizantese normalizantes, existem, sim, crianças, porém tão ou mais diferentes dos infantes do século passado do quedos próprios adultos, seus ‘outros’ que justificariam seu sentido de ser através da diferença. Ser criança nãotem mais o mesmo significado; outras práticas e dispositivos norteiam a construção da infância pós-moderna,entre elas as práticas de produção e consumo dos artefatos da kindercultura.Literatura, roupas, CDs, espetáculos teatrais, shows de música, dança e humor, espaços recreativos variados,filmes, brinquedos, jogos eletrônicos, periódicos dos mais diversos formatos e conteúdos, lanchonetes, móveis,material escolar, utensílios domésticos, comida congelada, sites na Internet, desenhos animados, programastelevisivos e uma infinidade de produtos, alguns com cunho artístico-cultural, outros tantos puramenteincentivadores da propagação de bens de consumo, compõem aquela produção realizada geralmente poradultos e que tem como público alvo as crianças, que podemos chamar de ‘kindercultura’, segundo o vocábulotrazido por Steinberg e Kinchelou,ou simplesmente de ‘cultura infantil’.2. Os objetos – nem teatrinho, nem criancinhasA partir da breve contextualização de alguns importantes referenciais teóricos sobre a infância, inicio minhasreflexões analíticas acerca das representações de infâncias presentes no teatro infantil contemporâneo.Utilizarei como foco de minha análise dois espetáculos, apresentados em Porto Alegre, que têm comopersonagens principais crianças. Voltarei meu olhar para os textos dramáticos que deram origem às montagenscênicas, bem como às minhas apreciações e impressões como espectadora das peças e ao relato de algunsatores que interpretaram os personagens-criança, seus processos de criação e a relação com o público infantil.A opção pela escolha de dois espetáculos deve-se ao fato de que cada um deles apresenta seus personagens-criança de forma distinta, possibilitando assim o enriquecimento de pontos de vista a serem discutidos nesteespaço.Um dos espetáculos é “Do Outro Lado da Cerca”, encenação do texto do dramaturgo gaúcho Hermes Mancilha,que teve sua primeira montagem em 1987 e que volta em outra montagem, com a direção de Fernando Ochoa,em 2001. É à encenação de 2001 que farei referência, ganhadora de vários Prêmios Tibicuera na edição 2001,inclusive na categoria de Melhor Espetáculo. O outro espetáculo com o qual trabalharei é “Abracadabra”, queesteve em cartaz no primeiro semestre de 2003, sob direção de Roberto Oliveira, baseado no texto de AneliseMarques, em uma livre adaptação dos atores.3. Apresento o meu olhar, entre tantas e infinitas possibilidades de olhar...A seguir, farei um pequeno exercício analítico sobre as representações de infância contidas nos espetáculos.Parto de uma atenta leitura dos textos dramáticos, até minhas impressões subjetivas de espectadora, numatentativa de exercitar meu olhar de pesquisadora.Inicio o texto a respeito dos espetáculos com uma breve sinopse, seguida da análise dos personagens e dealgumas relações que pude tecer com os Estudos Culturais em Educação.3.1 “DO OUTRO LADO DA CERCA” – a dor e a delícia de se ser o que é...
  3. 3. Um grupo de seis crianças (3 meninos de 3 meninas), todos da mesma idade e colegas de classe, resolveprocurar um ‘suposto’ urso que teria invadido o pátio da casa de uma das meninas durante a madrugada, issodepois de uma divertida aula sobre pronomes possessivos com uma professora que canta, dança e gosta muitodas crianças. Em sua busca pelo urso, acabam atravessando os limites do quintal de Clara e vivendo algumasaventuras, do outro lado da cerca. Ultrapassando as fronteiras físicas do terreno, também conseguem trabalharsuas próprias limitações, envolvendo-se com uma cultura diferente (de uma tribo indígena), com umtamanduá-bandeira e outros seres estranhos.No decorrer da trama, ficam bem delineadas as relações que os seis personagens-criança mantêm entre si etambém com alguns adultos como os pais, a professora e os índios. Como o foco de minha análise é aconstituição dos discursos e conceitos de infância através das ações e relações destes personagens, trareialguns exemplos para elucidar a discussão.Todas as crianças são bem próximas e convivem diariamente. Na encenação, a interpretação dos atores, acomposição dos personagens (ver imagens no anexo 2), deixa bem clara uma certa tipificação de cada umdeles: Pedro é o corajoso, Clara a mimada, Zé, o comilão que todos reprimem e repreendem, Henrique o‘chatinho chorão’, Sílvia (irmã gêmea de Zé) a curiosa, investigadora e Pupi, uma menina meiga, porém muitofofoqueira e astuta. Há um equilíbrio entre as qualidades negativas e positivas dos personagens masculinos efemininos, ainda que no decorrer do texto algumas falas explicitem a diferença entre ser um menino e ser umamenina no cotidiano destas crianças, principalmente no que se refere às expectativas dos adultos. O diálogoque se passa na última cena da peça exemplifica.CLARA – A minha mãe vai me matar.PUPI – E a minha! O que eu vou ouvir...PEDRO – Ainda bem que a gente é homem.ZÉ – Pior ainda. Vamos levar uma sova. (cena 14)Lendo as falas das crianças, percebemos que meninas sofrem cobranças dos pais com maior freqüência, masaos meninos, quando infringem as regras familiares, não restam sequer as chateações verbais, só agressõesfísicas sem nenhuma possibilidade de diálogo. Algumas meninas negociam posições tipicamente ‘masculinas’com os meninos, enquanto outras continuam assumindo posições consideradas ‘normais’ na construção defeminilidade, que vigoraram (e talvez vigorem) em alguns espaços de nossa sociedade até não muito tempo.Vejamos o diálogo entre Pupi, Clara e Pedro.PEDRO – Eu vou na frente.PUPI – Que nada, primeiro as mulheres.PEDRO – E se o urso estiver escondido? Vai lutar com ele?PUPI - Por que não?CLARA – Acho melhor ele ir primeiro. (cena 8)Há muita riqueza de detalhes na encenação, que excede e amplia bastante o sentido do texto. O cotidianodestas crianças, contextualizado em espaços como a casa, a escola, o quintal e a floresta, é explorado de formamuito profícua, propondo um certo realismo presente nas ações e gestos, bem como nos figurinos dospersonagens. Logicamente, o que vemos como espectadores são personagens teatrais, interpretados por atoresque não são mais crianças cronologicamente. Contudo, talvez pudéssemos encontrar muitas destas crianças emsituações e espaços ‘reais’.Estes personagens gozam de uma liberdade de ir e vir pelos espaços nos quais circulam que não condiz com ocotidiano urbano das ‘crianças de apartamento’ das grandes cidades. Mesmo assim, muito das representaçõesde infância que vemos na cena tem relação direta com o dia-a-dia de nossas crianças, principalmente aquelasque vivem em bairros e cidades onde existam pátios e cercas de madeira, ao invés de muros, grades, cercaseletrificadas, interfones e câmeras de vídeo.Entretanto, uma série de características comportamentais dos personagens está em consonância com a infânciapós-moderna, ou ao menos com uma visão menos idílica das ‘doces criaturinhas do Senhor’.Em “Do outro lado da cerca” há crueldade e preconceito no trato com os colegas, bem como uma visívelhierarquização dos ‘lugares sociais’ no grupo. Crianças dizem ‘verdades’ carregadas de preconceitos que fazemparte da construção cultural de suas identidades, e mesmo que Mickey, as Princesas da Disney, Barbie e HarryPotter não digam palavrões nem humilhem ou julguem seu companheiros, outras relações sociais propiciam àscrianças o aprendizado de tais práticas tão comuns em nossa constituição enquanto indivíduos e cidadãos. Osexcertos abaixo exemplificam.PEDRO – Procurou direito? Acho que ele deveria procurar mais.CLARA – Tu queria que ele ficasse a tarde inteira procurando? O meu pai não é ‘vagal’ que nem o teu irmão,não.PEDRO – Ele não é ‘vagal’. Ele só está desempregado, tá? E vai cuidar do teu caderno. (cena 7)CLARA – Vai ver o pai dela anda bebendo de novo.SÍLVIA – O pai dela saiu de casa.PEDRO – Agora ele vive bêbado no armazém.HENRIQUE – E tu com isso! Pelo menos ela tem pai e tu que nem tem pai. (cena 5)
  4. 4. Dentre as inúmeras represálias e preconceitos que sofre o personagem Zé, o menino gordo, desajeitado e meiolento, que tem certa dificuldade em acompanhar os colegas em suas brincadeiras, uma põe em questão asexualidade do garoto, que por não ser tão forte, ágil e corajoso como Pedro, por exemplo, não pode seencaixar no padrão de masculinidade hegemônica que constrói o ser menino em nossa sociedade. Durante afala de Pedro que segue, todos riem muito e ‘tiram sarro’ com a cara de Zé.PROFESSORA – Fila! Fila! Meninos de um lado, as meninas do outro.PEDRO – E o Zé, onde fica?PROFESSORA – Por que?PEDRO – Por nada, por nada. (cena 4)Entretanto, também há companheirismo, humor, picardia, namoricos e amizade entre as crianças. E é avariedade de sentimentos e relações humanas entre os personagens que provoca a grande empatia que sentinas duas vezes em que assisti à peça, e que pude perceber também no público mirim que acompanhava oespetáculo. As crianças da platéia vêem-se ao contemplar representações de crianças que têm medos,inseguranças e defeitos, que são cruéis, alegres, debochadas, carinhosas, protetoras e protegidas, espirituosase aventureiras, amáveis e detestáveis, apaixonadas e apaixonantes, seres repletos de uma humanidadecontrastante, típica dos indivíduos múltiplos de nossos tempos, e, por que não?, de uma infância pós-moderna.Desta forma, percebe-se que há uma consideração com a provável multiplicidade e heterogeneidade dascrianças às quais endereça-se o espetáculo. A peça não pressupõe como seu público dóceis ‘criancinhas’contentes ao ver seu ‘teatrinho’. São crianças repletas de conflitos e dispostas a assistirem um teatro quecontemple suas necessidades de indivíduos múltiplos e complexos. Porque, às vezes, é a Chapeuzinho que quercomer o Lobo Mau e mandar a Vovozinha passear na floresta...O encontro com os índios levanta alguns conflitos entre uma visão, hoje hegemônica, do que é ser ou agir‘ecologicamente’ em contraste com o pensamento indígena de uma relação harmônica (e não romântica) entrea natureza e o homem. O diálogo entre Pedro e os índios nos mostra como a crianças de hoje sãoculturalmente construídas por discursos ditos ecológicos, que impõem algumas condutas sem que se pense ouse tente contextualizá-las a diferentes realidades. São as ‘verdades’ que inventamos e passamos a crer comonaturais dos seres humanos, construtos social e culturalmente formulados, apenas.TUCUMÃ – Vou caçar o urso. Tucumã sabe todos os caminhos da mata.ÍNDIO GORDO – Filho agora deve trazer comida casa. Tucumã homem grande, caça pra alimenta família.PEDRO – Mas tu não podes matar o urso. Não é certo.TUCUMÃ – Pode morrer de fome, Tucumã e os seus? (Pedro fica pensando e Tucumã sai.) (cena 9)Segundo Maria Lúcia Pupo, em seu estudo sobre a dramaturgia infantil realizada em São Paulo entre os anos de1970 e 1976, o tratamento dispensado às questões de raça, etnia e nacionalidade no teatro infantil geralmenteveicula-se a seguinte visão: “O indivíduo ‘divergente’ é caracterizado, os demais são a norma, nãonecessitando, portanto, de maiores especificações”. Parece que “Do outro lado da cerca” não é uma exceção,sendo que os personagens da tribo indígena são diferenciados dos outros pelo seu modo de falar e pelo uso demáscaras. Ainda segundo Pupo, “... nas raríssimas vezes em que índios aparecem em cena, são quase sempreidentificados através dos estereótipos culturais mundialmente disseminados pelo cinema americano”. Noespetáculo que analiso, o figurino dos índios é perceptivelmente muito mais baseado na indumentária apachedo que no vestuário dos índios brasileiros. Reforça-se, desta forma, a visão do índio como ‘o outro’ da culturabranca do homem de classe média, assim como a influência exercida pelas mídias na construção de visõeshegemônicas de raça e etnia que constituirão nossas identidades e subjetividades.Tanto a criação dos personagens-criança como o ritmo, as músicas e deslocamentos propiciam uma intensaidentificação com a infância apresentada em cena aos espectadores. As crianças de “Do Outro lado da Cerca”são tridimensionais, com sentimentos ambíguos e desejos conflitantes, muito próximos da imagem de criançapós-moderna que Steinberg e Kincheloe nos trazem em seus artigos e presente em muitos dos textos do livroorganizado pelos mesmos autores, “Cultura Infantil – A construção corporativa da infância”. Modos semelhantesde como considero que vivam, sintam e pensem grande parte de nossos filhos, alunos e vizinhos de andar.Uma análise mais aprofundada nos traria ainda muitas e muitas possibilidades de perceber como nos éapresentada (e é apresentada às próprias crianças), nesta peça teatral, a infância e seus desdobres.Mas passemos agora ao outro espetáculo com o qual escolhi trabalhar, e que, sem dúvida, trará outraspossibilidades de olhar a infância e as crianças presentes nos palcos gaúchos.3.2 “ABRACADABRA” – o ritmo frenético da infância pós-modernaMuita cor, luz, som e movimento, ritmo e linguagem de vídeo-clip, diálogos curtos e rápidos, figurinosestilizando ’roupas de criança’, coloridíssimos também. Gelo seco e atmosferas de mistério e suspense,rapidamente substituídas por coreografias e marcações de cena ágeis e repletas de acrobacias e gestosestilizados. Enfim, o ritmo frenético da infância pós-moderna, as cores e tons fortes da mídia (ver figura doprograma do espetáculo no anexo 3), a velocidade das imagens televisivas, o deslocamento constante einstantâneo por páginas e links propiciado por um ‘click’ no mouse, o movimento, a cor e os ruídos da Internet.Entretanto, convivendo mutuamente com esta linguagem teatral ágil e contemporânea, algumasrepresentações de infância típicas de um relato da primeira metade do século XX. E parece-me ser este o
  5. 5. nosso mundo de hoje, uma grande ‘geléia geral’, misto de contradições e de convenções, o velho e novo, o beloe o feio, todos sob o mesmo céu, ainda que em lugares/ posições diferentes na rígida hierarquia normalizantedas sociedades disciplinares e de controle.Toda a peça é uma grande brincadeira de faz-de-conta de um grupo de cinco crianças (2 meninas e 3meninos). As referências trazidas pelos jogos brincados pelos cinco amigos vão de números circenses aosfilmes de terror e suspense. A trama desenvolve-se a partir do conflito entre três das crianças e sua supostaProfessora-Bruxa que, descobre-se ser (com o desenlace da ação) uma das meninas do grupo, assim como seuzumbi-ajudante era o menino Dudu. Encarnando em sua brincadeira detetives, magos e pokemons, as criançastentam vencer a mal intencionada professora, que percebemos como uma nítida representação negativa deuma relação provavelmente pouco saudável entre as crianças e sua professora.A primeira fala da professora (indignada e áspera, é bom lembrar), ao esbarrar em uma das meninas, é aseguinte: “– Ora, sua pestinha, não olha por onde anda?”. Desde já se percebe porque a professoratransforma-se em bruxa na brincadeira das crianças. No decorrer da peça, fica claro que as crianças precisamrecorrer a várias artimanhas para não serem subjugadas pelo ‘poder-saber’ representado pela professora narelação de forças que se estabelece entre ela e seus alunos. Provavelmente este seja um sentimento muitocomum entre as crianças na contemporaneidade, tanto maior deve ter sido em tempos em que o espancamentodos alunos era prática comum nas escolas, além de outras humilhações de caráter físico e moral.Ao mesmo tempo em que se aproximam dos adultos nas possibilidades de obter informações, as crianças têmsempre estas informações fornecidas por provedores eminentemente adultos, ainda que através de produtosformatados para seu entendimento e linguagem, como geralmente os são os da Kindercultura. As ‘verdades’ àsquais têm acesso são as verdades estabelecidas pelo poder-saber de um universo adultocêntrico. Negociar seuespaço de resistência e intervenção neste hegemônico mundo ‘adulto’ deve ser uma tarefa árdua e angustiantepara estas crianças.Visões de uma dicotomia cartesiana, comumente presentes nos contos de fadas e histórias para crianças, entreo bem e o mal, o belo e o feio, o esperto e o bobo, são contestadas pelos personagens-criança em“Abracadabra”. Algumas falas dos personagens demonstram este aspecto: “BIBI – Eu quero ser a bruxa quenão morre.” (cena 18). Logo na seqüência, sua morte é justificada por Rubinho: “RUBINHO – A bruxa sempremorre no final, né Temis?” (cena 18).Mas parece que a importância da morte da bruxa se esvai em outra brincadeira e o assunto definha por alimesmo, dando lugar ao próximo jogo. O importante é resistir à bruxa, não a eliminar para todo o sempre.Há certa ambigüidade no existir destas crianças, como já me referi anteriormente, várias contradiçõespermeiam o universo delas e coexistem em seus cotidianos. São crianças de uma ’geração digital’, ainda que aludicidade das brincadeiras de rua e de faz-de-conta (em grupo) seja resgatada pela peça. Eles conhecem eusam computadores, mas abusam da imaginação em brincadeiras com seus companheiros. Tanto como naoutra peça, a solidão não parece fazer parte do universo infantil mostrado no palco. Não é exatamente assimque costuma acontecer com as crianças nos grandes centros urbanos. A violência, as distâncias e as paredesdos apartamentos dificultam este contato direto e a formação de ‘turmas’, principalmente entre as crianças dasclasses média e alta. Porém, nos bairros e áreas menos favorecidas, as crianças ainda brincam muito na rua,com ‘turma’ e tudo que é próprio deste tipo de atividade lúdica ao ar livre, não controlada por rígidos espaços eenquadramentos como os playgrounds dos condomínios e pátios escolares. Às ‘crianças de apartamento’restam a televisão, o videogame, as conversas nos chats da Internet e os amigos da escola, que raramentemoram na mesma rua ou prédio. O diálogo que segue mostra o quanto estas crianças representadas na peçafazem parte de uma realidade tecnológica, ainda que, no final, optem novamente pelo recurso imagético (amemória).TEMIS – Tá aqui a prova de que ela é uma bruxa de verdade.FLO-FLÓ – Vamos mostrar para todo mundo.RUBINHO – Vamos imprimir.FLO-FLÓ – Não, vamos xerocar!TEMIS – Não, cada um decora um feitiço.FLO-FLÓ – Tá, pode ser. (cena 10)Parece que as crianças em “Abracadabra”, apesar da linguagem ‘pós-moderna’ da encenação do espetáculo,ainda fazem uso de recursos advindos da oralidade primária da qual nos fala Viñao Frago (1993). Outrosmomentos nos mostram uma infância que parece estar distante dos pequenos ‘sabe-tudo’ da nova geração. Amenina Bibi constantemente invoca sua mãe como forma de se proteger dos amigos, ou para legitimar algumasde suas vontades. A relação de dependência e a incapacidade de resolver sozinha seus problemas é presenteem muitos momentos do espetáculo. Antes de sair de cena, após um desentendimento com os meninos, Bibifala, quase que chorando: “– Eu não vou mais brincar e vou chamar a minha mãe!” (cena 18).A pobreza, a fome, o trabalho infantil, a violência parecem não fazer parte do universo infantil representadonos dois espetáculos. Por mais que haja lutas, disputas, atos e palavras cruéis, as crianças da cena vivem emmeio a ludicidade e rodeadas de amigos, seus pais são presentes e participativos, os problemas acima citadosnão aparecem em momento algum, suscitando a percepção de um endereçamento dirigido basicamente àscrianças das classes média e alta. Com isso, não quero dizer que uma criança que vive a pobreza e a fome
  6. 6. também não possa ter uma experiência profícua ao assistir um destes espetáculos. Talvez eles sirvam como umincentivador das capacidades criativas e de imaginação de qualquer criança, pois a experiência da recepção deum espetáculo nunca é uma, sempre é tantas quantas forem seus espectadores, diferentes entre si, sujeitos adiferentes leituras , mediadas por instâncias as mais variadas.As crianças representadas nas cenas dos espetáculos pertencem à classe média, possivelmente a maior partedo público presente nas platéias dos teatros também seja de crianças das classes mais favorecidas, masprojetos de descentralização cultural da Prefeitura Municipal de Porto Alegre e da iniciativa privada têmpropiciado a várias crianças de bairros periféricos e de baixo poder aquisitivo, assim como públicos do interiordo estado, o contato com estes produtos cênicos, aumentando a gama de possibilidades de leituras com avariedade de receptores. É notável que a produção cultural para crianças tem negligenciado mazelas sociais degrande abrangência como as que já citei. Parece que mostrar uma infância saudável e de classe média é fatorcomum nos livros, peças, filmes e produtos culturais para crianças, ainda que estas crianças não sejam maisrepresentadas, na maioria das vezes, como frágeis, inocentes, meigas, ignorantes, desprotegidas edependentes dos adultos.Fazendo um paralelo com as observações de Pupo em sua análise do teatro infantil em são Paulo nos anos 70,posso dizer que em vários aspectos, entre eles os que dizem respeito às funções socialmente construídas dosgêneros, há uma perceptível evolução no teatro infantil contemporâneo. Segundo Pupo, “A imagem damasculinidade , portanto, aparece associada à independência e à produtividade, enquanto que a imagem demulher veiculada pela criação teatral dirigida `a criança é assimilada à dependência e não à produtividade“. Apersonagem Flo-fló, de “Abracadabra”, mostra-nos justamente o contrário.A menina é irmã do medroso e inseguro Rubinho (seu contraponto) e participa ativamente, em pé deigualdade, das aventuras vividas pela turma (que conta ainda com o líder Temis, seu provável ‘namoradinho’,segundo indicações de ações em cena) contra a Bruxa-Professora e seu ajudante Genival. Ela é ativa eproponente de grande parte das ações do grupo, como se pode verificar nos seguintes diálogos.RUBINHO – Temis! Temis! Eu podia fazer o vampiro sedento de sangue e a Florinda a minha vítima.FLO-FLÓ – Só aceito se no final eu matar o vampiro. (cena 1)FLO-FLÓ – Estou dizendo que a gente tem que investigar.(...)FLO-FLÓ – Vamos entrar na casa da Mafalda!(cena 6)FLO-FLÓ – Só tem um jeito de saber: investigando. Mais um caso para Detetive Flo-fló. E seus ajudantes;Gordo e Nanico. (cena 4)O teatro na contemporaneidade parece trazer para a cena modelos de comportamentos infantis mais conformescom o que se pode observar no cotidiano das crianças, inclusive nas relações de gênero e no tocante àsexualidade.Lembrando o texto de Walkerdine, “A erotização das garotinhas”, nestes dois espetáculos as meninas em cenaem nenhum momento apresentam características erotizadas, comumente incentivadas por produtos culturais e‘artistas pop’. O que se faz presente em ambos é a presença da sexualidade infantil, mostrando que estascrianças não são assexuadas e há desejos envolvidos em suas relações, ainda que expressos de forma singelae até delicada, através de toques furtivos, beijos rápidos do tipo ‘selinho’ e abraços atrapalhados. Portanto, oteatro infantil não se apresenta, segundo os exemplos colhidos destes dois espetáculos, como um artefatocultural que incentivaria a erotização infantil precoce. Parece-me que nos produtos culturais direcionados àscrianças vinculados à literatura, ao teatro, filmes e desenhos animados não é esta uma prática assídua, sendoque o que ocorre freqüentemente é a total indiferença à sexualidade infantil, tomando as crianças como ‘anjosassexuados’. Já na televisão e no mercado fonográfico, cantoras, apresentadoras e grupos musicais (quecontam com insinuantes bailarinas e bailarinos) marcam presença constante, sendo que o público infantil foidescoberto como um grande mercado consumidor a investir-se.4. O olhar dos atores – como são construídas as crianças no teatro infantilA análise do espetáculo deveria começar pela descrição do ator, pois este está no centro da encenação e tendea chamar o resto da representação para si.(Patrice Pavis, 2003)Em toda a parte deste trabalho que antecede esta na qual encontramo-nos agora, propus-me a exercitar meuolhar sobre certas questões de dois espetáculos teatrais para crianças. Tentei lançar sobre esta produção umolhar atento a como são representadas as crianças nos espetáculos teatrais dirigidos a elas mesmas,levantando também categorias de análise pertinentes aos Estudos Culturais, como o tratamento dado asquestões de gênero, das raças e etnias, das diferenças e do multiculturalismo.A citação que abre esta parte do trabalho é do teatrólogo francês P. Pavis, e legitima um pensamento que hámuito vem sendo formulado e presentificado nas experiências, teóricas e práticas, de minha história teatral: oator constitui a centralidade de qualquer evento teatral. É a ele que é delegada a difícil tarefa da comunicaçãoestética direta com a segunda parte imprescindível à existência do teatro enquanto tal, o espectador. Parahaver teatro, basta um ator que represente/ comunique algo a partir de uma intenção estética, diante de umespectador. São esses os elementos fundamentais ao teatro.
  7. 7. Sendo os personagens que vemos em cena criações (ou construções) dos atores, no caso destes doisespetáculos tendo como estímulo-base ao processo criativo textos dramáticos, fui até eles na tentativa deobservar quais os modelos de infância que buscaram durante o processo de feitura destes personagens e, apartir disto, qual a representação de infância veiculada nos palcos, sugerindo um modo de endereçamento(ELLSWORTH, 1991) específico a um provável público alvo.Consegui contatar alguns dos atores que atuaram em “Do outro lado da cerca” e “Abracadabra”, verificando apossibilidade deles em responder a um simples e breve questionário (anexo 1) que caracterizaria umdepoimento (escrito) deles acerca do processo de criação de seus respectivos personagens, a ser usado em umtrabalho de um seminário que cursava no PPGEDU/UFRGS. Obtive o depoimento de quatro atores a partir doquestionário, sendo que dois (um ator/”D”e uma atriz/”A”) participantes do elenco de “Abracadabra” e outrosdois (também um ator/”S” e uma atriz/”M”) do elenco de “Do outro lado da cerca”. [3]Comentarei, agora, parte de algumas de suas respostas, traçando uma relação com meus interesses de análise,ou seja, as representações de infância através dos personagens-criança.Respondendo a primeira questão que orienta o depoimento, todos os atores caracterizaram seus personagens,primeiramente, a partir de características constitutivas de suas personalidades, adjetivando-os como‘atrapalhado’, ‘cansado’, ‘mimada’, ‘meiga’, ‘medrosa’, ‘super-criativo’, ‘inteligente’, ‘medroso’, ‘esperta’,‘corajosa’, etc.Os dois atores que representam os ‘gordinhos’ das duas encenações, respectivamente Temis e Zé, citam acaracterística física corporal que os determina (ou seja, o peso excessivo) e adjetivam seus personagens como‘comilões’.Zé era o gordinho da turma, o atrapalhado, o comilão, sempre cansado. Muito querido pelos amigos, mas aomesmo tempo o motivo de chacota dos mesmos. (S)O Temis é inteligente (apesar de ele se ‘achar’ mais do que é!), comilão, medroso (apesar de ser bem corajosoem certos momentos...), e gosta de ser o chefinho da turma. (D)Parece que o fato de ambos os personagens não se enquadrarem no padrão corporal de magreza consideradocomo normal e desejável pela mídia, é um fator que constrói e determina seus lugares e suas identidadesdentro do grupo. Contudo, o que observamos é que, ao mesmo tempo em que Zé é motivo de gozação, Temisocupa a privilegiada posição de líder do grupo. Será que não temos na imagem do segundo personagem umaforma de resistência aos lugares sociais (inferiores e desfavorecidos) geralmente destinados aqueles que não seenquadram nos padrões de beleza estética da contemporaneidade?As meninas são retratadas preferencialmente segundo seus caracteres comportamentais e psicológicos. Porém,aparência física da personagem Clara é a primeira a aparecer no relato da atriz que a interpreta, determinadotodas suas outras características, em uma representação óbvia, proveniente dos contos de fada, de que abeleza sempre está associada à meiguice, a bondade e à fragilidade femininas.A Clara tem uns sete anos e é a ‘bonitinha’ da turma. (...) Na turma ela é meiga e medrosa. Durante aaventura na floresta ela é sempre a primeira a querer voltar. (M)Porém, não me parece que a personagem Clara seja um exemplo de modelo feminino ultrapassado condenadopela crítica feminista. Eu leria a meiguice e o medo relatados pela atriz muito mais como característicasinerentes a uma representação de infância dependente e dócil do que à questão do gênero. Mas outrospersonagens exercem um forte contraponto dentro da diversidade de tipos e possibilidades identitárias e desubjetividade propostas pelas duas peças. A menina Flo-fló é exemplo disto, nas palavras da atriz que ainterpreta.Flo-fló é muito esperta, corajosa, gosta muito de brincar com os meninos (...). Flo-fló é um pouco esquentada,quando algo lhe incomoda ela põe a boca no trombone. (A)Todos os atores, em seus relatos sobre como foi seu processo de criação, referiram-se às observações decrianças nas ruas, em situações cotidianas, na saída do colégio, etc como um dos métodos utilizados nacomposição dos personagens. Esse processo de mímese corpórea auxiliou, segundo os relatos, na construçãoda gestualidade, dos movimentos e da energia consideradas próprias das crianças.Podemos inferir que, mesmo que a infância constitua-se em um construto essencialmente cultural e social, éfato que não é possível desconsiderar que a faixa etária acaba acarretando algumas diferenças relativas ao usodas capacidades motoras do indivíduo. É importante salientar que a energia, a movimentação constante eagilidade das crianças devem-se também a ser socialmente permitido às crianças movimentarem-se e agiremde uma forma mais livre, sem a interferência tão constante de automatismos culturais que marcam nosso corpono decorrer de nossas vidas. Assim sendo, crianças fariam uso pleno de suas capacidades e vigor corporais, embrincadeiras ou no trabalho que algumas executam desde cedo, segundo as representações de infância
  8. 8. presentes nos relatos dos atores. Parece que é a estas características, de cunho físico-corporal, maseminentemente possibilitadas pelas convenções culturais, que os atores se referem nos depoimentos:...estávamos sempre observando crianças, principalmente nas ruas, para ter um contato maior com os gestuaisdelas, com sua energia... (D)...observei atitudes e deslocamentos de crianças em situação cotidiana e aproveitei algumas coisas nacomposição da personagem. (A)A inspiração veio em primeiro lugar da minha própria vida (sempre fui gordinho) e da observação de criançasna rua, suas motivações e a energia delas. (S)Para Clara, comecei a observar as meninas na saída do colégio e na rua. Observando as crianças, sempreencontrava os ‘tipos’, e as Clarinhas. (M)As lembranças e rememorações de sua própria história de vida, em busca de uma infância perdida ouesquecida, também aparece como um dos recursos utilizados pelos atores. Mas a preocupação em não comporpersonagens que fossem meras caricaturas de crianças, não parecer uma criança ‘boba’ ou ‘retardada’ (enfim,características facilmente encontráveis em muitos espetáculos destinados ao público infantil, subestimando acapacidade de percepção dos espectadores mirins) se impõe nos depoimentos. Nos atores que interpretam ascrianças destas peças, percebe-se uma preocupação que caminha no sentido inverso, tentando ultrapassar osestereótipos que se encontra com freqüência em grande parte da produção cultural para crianças. Com isto,podemos crer que o público suposto pelo modo de endereçamento destes espetáculos não é raso, bobo ouimpotente.Os atores falam em um pretenso retorno a uma infância já ultrapassada, fase de suas vidas que ficou para tráse que o trabalho de interpretar uma criança em cena incita-os a resgatar.As falas seguintes exemplificam as duas questões expostas nos parágrafos anteriores:Tentando sempre encontrar a minha própria criança, por isso trago características minhas para a personagem.Minha maior preocupação era de não interpretar uma criança boba, de não parecer um adulto. (A)Nos ensaios, apareceram muitas características da minha infância. Algumas eu aproveitei, outras não eramcompatíveis com a personagem. Mas, a grande busca, era tentar ser criança, sem subestimar meus 20 anos. Oque não foi fácil. Temia ficar uma ’retardada’, não uma criança. (M)Conforme vimos, a infância é representada nestes enunciados como sendo ‘o outro’ das identidades adultasdestes atores. A marcação da diferença na formação das identidades infantil e adulta opõe estas duas ‘etapasda vida’, culturalmente construídas, sendo que a presença de uma necessariamente exclui a outra. E a maiordificuldade dos intérpretes em seu trabalho de composição era, justamente, resgatar a outridade ‘perdida’, semfazer dela uma caricatura daquilo que supostamente foi.As ‘experiências de si’ de lembrar-se e narrar-se, explicadas por Larrosa (1995) em “Tecnologias do Eu eEducação”, são também elas constituintes de identidades e subjetividades. É no ato da rememoração e danarração que construímos a nós mesmos. E neste pequeno exercício de lembrar e narrar seu processo decriação nos depoimentos, os atores fazem emergir o grande trabalho de constituir a si próprios através da(re)constituição da infância durante a construção dos personagens-criança.Interessa-nos, aqui, quais representações de infância emergiram deste híbrido de jogo de memória e blocosencaixáveis de Lego. Através das lentes dos atores sobre seu trabalho, percebemos quem ou o que significa ainfância para aqueles que são os agentes do teatro, que comunicam com seus corpos e almas.5. Encaminhando-me... mas para onde?!?Durante a realização deste trabalho, foi a reconstituição do emaranhado de representações de infância, queestão presentes nos vários níveis de produção e recepção de um espetáculo teatral, que tentei comentar eobservar. Ainda que reconheça o quanto é impossível aprofundar-se em assuntos/ tópicos tão debatidos como ainfância, e outros tão inexplorados quanto o teatro infantil (e grande parte da produção cultural para criança noBrasil), em um artigo como este, devo mencionar como foi/ está sendo extremamente profícuo e instigantedebater estas matérias, construindo relações e desvendando algumas práticas.Procurei exercitar meu olhar sobre os artefatos (espetáculos) e alguns componentes de sua estrutura, como otexto dramático, minha assistência às apresentações, características formais e estéticas, além de materialperiférico como fotos, programas, sites, etc... E meu olhar buscava nestes objetos, como e qual(is) a(s)infância(s) representada(s), o que significava ser (ou estar) criança nas instâncias de um produto que temcomo público suposto as crianças. Mas, que crianças são estas que o teatro infantil supõe? Não obtiverespostas, nem era este meu intuito. Contudo, vi surgir diante de mim um horizonte de possibilidades imenso,dentro do qual tive de fazer algumas escolhas relativas àquilo que incluiria no trabalho. E estas escolhas forammediadas por questões que julgo pertinentes aos Estudos Culturais em Educação, além daquelas presentes nabibliografia comentada na primeira parte destes escritos.
  9. 9. Seguindo os caminhos que se apresentaram a mim, além de lançar meu olhar sobre os personagens-criança(que foram meus objetos específicos neste momento), considerei também como objeto de análise o olhar dosatores que interpretaram-nos. Posso dizer, então, que olho com meus olhos e através das lentes dos EstudosCulturais, primeiramente, aos personagens e, num segundo momento, olho com meus olhos para o olhar dosoutros (neste caso os atores) sobre os mesmos objetos, os personagens. E neste trajeto meio confuso eincerto, fui tentando traçar os caminhos da infância, construindo eu mesma minhas trilhas e meus rumos...Percebendo as representações de infância, tentando montar, como em um quebra-cabeça, as peças quecompunham a infância (ou as infâncias?) que se faz presente no teatro infantil contemporâneo.Encaminho-me, agora, a finalizar este trabalho. Entretanto, está longe de ser esgotada a discussão acerca dostemas e assuntos que perpassam estas páginas. Espero que, a partir desta primeira tentativa, outros caminhosse apresentem, outras trilhas eu percorra, mesmo que não saiba ao certo para onde... Acho que os destinospodem se construir enquanto percorremos os (tantos) caminhos que levam a eles!BIBLIOGRAFIAARIÈS, P. História Social da Infância e da Família. Rio de Janeiro: LTC, 1981.ELLSWORTH, E. Modos de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também. In SILVA,T.T.da (org.). Nunca fomos humanos. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p.07-86.LARROSA, J. Tecnologias do eu e educação. In SILVA, T.T. da. O Sujeito da Educação – estudos foucaultianos.Petrópolis: Vozes, 1995. p. 35-86.PAVIS, P. A análise dos espetáculos. São Paulo: Perspectiva, 2003.POSTMAN, N. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia Editora, 1999.PUPO, M.L. No reino da desigualdade. São Paulo: Perspectiva, 1991.KINCHELOE, J.L. e STEINBERG, S. Cultura infantil – a construção corporativa da infância. Rio de Janeiro:Civilização Brasileira, 2001.STEINBERG, S. Kindercultura: a construção da infância pelas grandes corporações. In SILVA, L.H. da.Identidade social e a construção do conhecimento. Porto Alegre: Ed. SMED/ Pref. POA, 1997. p.98-145.VIÑAO-FRAGO, A. Alfabetização na sociedade e na história: vozes, palavras e textos. Porto Alegre : ArtesMédicas, 1993.WALKERDINE, V. A cultura popular e a erotização das garotinhas. In Educação e realidade. Porto Alegre: v.24,n.2, jul./dez. 1999. p.75-88.Textos dramáticos:MANCILHA, H. Do outro lado da cerca. Porto Alegre: Instituto Estadual do Livro/ CORAG, 2002.MARQUES, A. Abracadabra. (versão final livremente adaptada pelos atores). Arquivo de texto, 2003.Sites consultados na web:www.cbtij.org.brwww.bife.com.brNotas:[1] Este trabalho de pesquisa foi realizado junto ao Seminário Avançado Alfabetismos e Infâncias nos EspaçosVirtuais e Midiáticos, ministrado pela Profa. Dra. Iole Maria Faviero Trindade, na linha de pesquisa EstudosCulturais em Educação, do Programa de Pós-graduação em Educação da UFRGS, no primeiro semestre de2003.[2]Mestranda do Programa de Pós-graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federaldo Rio Grande do Sul.[3]Identificarei as falas dos atores transcritas ao longo do texto pelas letras maiúsculas correspondentes. Atorde Abracadabra: D, atriz de Abracadabra: A, ator de Do outro lado...: S, atriz de Do outro lado...: M.Revista Digital Art& - ISSN 1806-2962 - Ano II - Número 01 - Abril de 2004 - Webmaster - Todos os Direitos Reservados OBS: Os textos publicados na Revista Art&só podem ser reproduzidos com autorização POR ESCRITO dos editores.

×