Projeto de Apoio à Elaboração de Planos          Estaduais de Cultura              PLANOS ESTADUAIS DE CULTURA:        Est...
PARTE I
OS OBJETIVOS DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE                             CULTURA•Conceber estratégias para ...
Plano Estadual de Cultura representativo e legitimado pelos atoressociais que atuam no setor cultural ou por ele se intere...
Para cada uma das fases descritas no processo serão utilizados comoreferência os conteúdos técnicos e políticos produzidos...
PARTE II
TÉCNICOS FACILITADORESA implementação da metodologia deve ser executada por facilitadorescapacitados para atuar com viés m...
Desta forma, o projeto visa contribuir para criação de novas competênciasem cada uma das regiões onde se aplica a metodolo...
PARTE III
PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃOA metodologia proposta para elaboração do Plano Estadualde Cultura fundamenta-se no planejamento ...
PARTE IV
Fase I        Sensibilização e mobilização dosatores sociais chaves e articulação de parceiros
ObjetivoSensibilizar e mobilizar a atores sociais chaves e articularparceiros, sensibilizando-os a participar do processo ...
Objetivos específicos• Divulgar o propósito do processo de elaboração do planoestadual de cultura;• Identificar e articula...
Para atendê-los se utiliza as seguintes estratégias:• Articular os líderes e os representantes dos poderes  federal, regio...
•Resultados esperados da fase I• Grupo técnico de planejamento territorial capacitado• A proposta de planejamento divulgad...
A abordagem territorial no processo de elaboração do planoestadual de culturaO processo de elaboração do Plano Estadual de...
O Fórum Territorial de Planejamento da CulturaOs fóruns constituem-se em espaços políticos e técnicos decaráter contínuo e...
Pode-se indicar como representações desejáveis:Do setor público:•Representações regionais do órgão estadual de cultura,con...
Cada Fórum Territorial designará um grupo de pessoas(facilitadores territoriais) que constituirão o “Grupo técnicode plane...
Os facilitadores estaduais e os facilitadores territoriaispromoverão atividades nos Fóruns Territoriais para divulgaro pro...
Grupos de Trabalho SetoriaisSão formados a partir das primeiras reuniões do FórumTerritorial e reúnem atores ligados aos d...
Divulgar o processo de planejamento no territórioOutra estratégia sugerida para a fase de mobilização é adivulgação do pro...
Institucionalização da instancia territorialO marco de finalização desta fase no território será um Eventosobre cultura e ...
Grupo técnico de planejamento territorial deve ser efetivadocomo o responsável pela coordenação de todas as atividadesno t...
A abordagem estadual no processo de elaboração do planoestadual de culturaA construção do Plano Estadual de Cultura deve p...
O Fórum estadual de planejamento da culturaO Fórum estadual de planejamento da cultura constitui-sena instância coordenado...
Sua composição deverá privilegiar a participação dosrepresentantes dos organismos públicos (que sãoresponsáveis pela gestã...
O Fórum pode estruturar-se da seguinte forma:Plenário geral – congrega todos os participantes e é responsável peladiscussã...
Fase IIAnálise situacional da realidade do setor cultural
Fase II: Análise situacional da realidade do setor culturalA construção de um plano estadual de cultura deve estar fundame...
ObjetivoCompreende-se como objetivo desta fase a formulação de um retrato darealidade cultural do estado, formulado a part...
No nível territorialA implementação da reflexão sobre a realidade do setor cultural deve serempreendida de forma concomita...
Recomenda-se que sejam implementadas as diversas instâncias territoriais eeventos previstos para esta fase:(i) Grupos de t...
(ii) Consulta virtual territorial• produto gerado no primeiro momento deverá ser submetido a uma consulta  virtual pública...
(iii) Fóruns territoriaisO diagnóstico da realidade cultural do território será submetido, avaliado evalidado no Fórum Ter...
No nível estadual(i) Grupo técnico de planejamento estadualO Grupo Técnico de Planejamento Estadual será responsável pelas...
(iii) Grupo técnico de planejamento estadualApós transcorrida a consulta virtual, o grupo técnico de planejamentoestadual ...
Fase IIIPROGNÓSTICO PARA O FUTURO DO SETOR CULTURAL
A fase de prognóstico é o cerne do processo deplanejamento. Seu processo de implementaçãovisa oferecer à sociedade o conju...
Fase 1    · Criação das instâncias de            coordenação e construção do plano            estadual de culturaFase 2   ...
Grupos de trabalho setoriaisOs grupos de trabalho serão responsáveis pela elaboração do Prognóstico para ofuturo do setor ...
Este esforço deverá levar em consideração os interesses setoriais e anecessidade de integração entre os diversos setores e...
Consulta virtual territorialproduto gerado no primeiro momento deverá ser submetido a uma consultavirtual pública de âmbit...
Após transcorrida a consulta virtual o grupo técnico de planejamentoterritorial procederá a sistematização, análise das co...
No nível estadualGrupo técnico de planejamento estadualGrupo Técnico de Planejamento Estadual será responsável pela sistem...
Grupo técnico de planejamento estadualApós transcorrida a consulta virtual o grupo técnico de planejamento estadualprocede...
Fase IVSISTEMA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PLANO             ESTADUAL DE CULTURA
Esta estratégia propõe uma sistemática demonitoramento das alterações ocorridas noestado, tendo como base a utilização de ...
Dentro da perspectiva elencada para construção do Prognóstico, deve-seestabelecer um conjunto de indicadores que permitam ...
Resumindo
ENCAMINHAMENTOS• Apresentar a proposta metodológica para os gestores  estaduais• Efetivar a adesão ao processo de planejam...
Estratégias Metodológicas para um processo participativo Estratégias Metodológicas para um processo participativo Estratég...
Estratégias Metodológicas para um processo participativo Estratégias Metodológicas para um processo participativo Estratég...
Estratégias Metodológicas para um processo participativo Estratégias Metodológicas para um processo participativo Estratég...
Estratégias Metodológicas para um processo participativo Estratégias Metodológicas para um processo participativo Estratég...
Estratégias Metodológicas para um processo participativo Estratégias Metodológicas para um processo participativo Estratég...
Estratégias Metodológicas para um processo participativo Estratégias Metodológicas para um processo participativo Estratég...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Estratégias Metodológicas para um processo participativo Estratégias Metodológicas para um processo participativo Estratégias Metodológicas para um processo participativo Planos Estaduais de Cultura: Estratégias metodológicas para um processo part

2.746 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.746
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
382
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estratégias Metodológicas para um processo participativo Estratégias Metodológicas para um processo participativo Estratégias Metodológicas para um processo participativo Planos Estaduais de Cultura: Estratégias metodológicas para um processo part

  1. 1. Projeto de Apoio à Elaboração de Planos Estaduais de Cultura PLANOS ESTADUAIS DE CULTURA: Estratégias Metodológicas para um processo participativo
  2. 2. PARTE I
  3. 3. OS OBJETIVOS DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE CULTURA•Conceber estratégias para planejar o desenvolvimento cultural de umestado de forma participativa e democrática;•Estimular alianças de cooperação, parcerias e transferência detecnologias sociais;•Capacitar, mobilizar e fortalecer os atores sociais que transitam emtorno do setor cultural;•Dinamizar e qualificar o processo de mobilização e participação social ecidadã através de estratégias construídas a partir das potencialidadesregionais e estaduais;•Estabelecer um processo de reflexão coletiva sobre o presente e ofuturo do setor cultural de cada Estado.
  4. 4. Plano Estadual de Cultura representativo e legitimado pelos atoressociais que atuam no setor cultural ou por ele se interessem.• Tecnicamente consistente• Politicamente poderosoReconhecido como um instrumento de planejamentoestratégico, de duração decenal, que organiza, regula e norteia aexecução da Política Estadual de Cultura.
  5. 5. Para cada uma das fases descritas no processo serão utilizados comoreferência os conteúdos técnicos e políticos produzidos emconferências nacionais, estaduais, fóruns de cultura, territoriais esetoriais, bem como a legislação em vigor.
  6. 6. PARTE II
  7. 7. TÉCNICOS FACILITADORESA implementação da metodologia deve ser executada por facilitadorescapacitados para atuar com viés multiplicador em todas as etapas do processo.Esses facilitadores devem apresentar algumas características pessoais e deliderança, como:· Capacidade de atuar em equipe· Visão sistêmica e estratégica· Capacidade empreendedora· Capacidade de adaptação e flexibilidade· Criatividade· Capacidade de comunicação
  8. 8. Desta forma, o projeto visa contribuir para criação de novas competênciasem cada uma das regiões onde se aplica a metodologia proposta.Este objetivo será buscado através da implementação de algumasestratégias:i) Inicia-se o planejamento participativo pela capacitação prévia da equipe de trabalho (facilitadores estaduais).ii) Serão oportunizados momentos e materiais de formação técnica sobre os temas e metodologias referentes ao processo de planejamento;iii) O planejamento das atividades da equipe técnica deve ser contínuo em todo o processo de planejamento, ou seja, deve ser proposto para cada etapa das atividades previstas.iv) As atividades de monitoramento do trabalho dos facilitadores serão contínuas.
  9. 9. PARTE III
  10. 10. PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃOA metodologia proposta para elaboração do Plano Estadualde Cultura fundamenta-se no planejamento estratégico eparticipativo.O conjunto de atividades proposto ocorre em fasesdistintas, mas integradas entre si.Cada uma delas possui papel determinante na construçãodo processo de aprendizagem e de gestão social por partedos atores sociais da cultura, que assumem um papel deprotagonistas no processo de planejamento e gestão dosetor cultural.
  11. 11. PARTE IV
  12. 12. Fase I Sensibilização e mobilização dosatores sociais chaves e articulação de parceiros
  13. 13. ObjetivoSensibilizar e mobilizar a atores sociais chaves e articularparceiros, sensibilizando-os a participar do processo deelaboração do plano estadual decultura.O elemento conceitual importante é a valorização doterritório como espaço deconsolidação dos objetivos dos atores em torno de suaespecificidade e suas potencialidades.
  14. 14. Objetivos específicos• Divulgar o propósito do processo de elaboração do planoestadual de cultura;• Identificar e articular parceiros regionais representativos einstituições estaduais e federais que apóiem o processo.• Sensibilizar e comprometer a sociedade política e a civil aparticipar das atividades realizadas em cada região;• Constituir o fórum Estadual de Planejamento da Cultura• Constituir os Fóruns Regionais de Planejamento daCultura
  15. 15. Para atendê-los se utiliza as seguintes estratégias:• Articular os líderes e os representantes dos poderes federal, regional, estadual e local para constituição dos fóruns regionais e estadual;• Divulgar a proposta em todo o território;• Sensibilizar e capacitar os atores sociais regionais e estaduais por meio de oficinas de capacitação, materiais didáticos e eventos mobilizadores.
  16. 16. •Resultados esperados da fase I• Grupo técnico de planejamento territorial capacitado• A proposta de planejamento divulgada, discutida econhecida por meio de reuniões e oficinas de sensibilizaçãoem todo o território• Levantamento expedito da realidade de cada territóriorealizado• Grupos de Trabalho Setoriais organizados• Oficinas e eventos de mobilização promovidos• Seminário sobre cultura e desenvolvimento sustentávelrealizado
  17. 17. A abordagem territorial no processo de elaboração do planoestadual de culturaO processo de elaboração do Plano Estadual de Culturapropõe, durante sua implementação, a criação demecanismos que possibilitem o surgimento de enfoquessetoriais e territoriais da cultura.A territorialização (regionalização) será realizada com aparticipação dos atores sociais relevantes e representantes deinstituições que atuem no setor cultural.Para tanto, se propõe a organização de instâncias deplanejamento de âmbito regional, denominadas “ForunsTerritoriais de Planejamento da Cultura”.
  18. 18. O Fórum Territorial de Planejamento da CulturaOs fóruns constituem-se em espaços políticos e técnicos decaráter contínuo e com mandato e tempo de duraçãopreviamente definidos.Deve ser formado por representantes de organismospúblicos e de atores sociais que atuam no setor cultural.
  19. 19. Pode-se indicar como representações desejáveis:Do setor público:•Representações regionais do órgão estadual de cultura,conselhos e consórcios de âmbito regional, órgãosregionais, prefeituras, organizações de gestores públicos,representantes do legislativo e outros.Da sociedade civil:•Artistas, produtores culturais, entidades, federações,grupos culturais, empreendedores, empresas culturais,instituições de ensino e pesquisa, agentes e gestores deequipamentos culturais privados.
  20. 20. Cada Fórum Territorial designará um grupo de pessoas(facilitadores territoriais) que constituirão o “Grupo técnicode planejamento territorial”.Este grupo de pessoas será capacitado pelo Projeto e atuarácomo facilitador e sistematizador dos resultados dasdiversas atividades de planejamento que ocorrerão em cadaterritório.Após definida a instancia territorial e realizada a primeiraetapa de capacitação, os técnicos-facilitadores organizarão oplano de trabalho de cada território, levando emconsideração os cronogramas definidos pelo FórumEstadual de Planejamento da Cultura.
  21. 21. Os facilitadores estaduais e os facilitadores territoriaispromoverão atividades nos Fóruns Territoriais para divulgaro projeto, nivelar conceitos e mobilizar osparticipantes, visando seu envolvimento em todas as fasesdo processo.Aproveita-se deste momento para identificar osrepresentantes do núcleo que comporão os Grupos deTrabalho Setoriais e demais espaços de discussão.
  22. 22. Grupos de Trabalho SetoriaisSão formados a partir das primeiras reuniões do FórumTerritorial e reúnem atores ligados aos diversos campos dacultura (artesanato, teatro, música...).Seus membros responsabilizam-se pelo processo desocialização das informações, através da promoção defóruns/reuniões de debate e consulta à população.Estes grupos de trabalho serão acompanhados porfacilitadores territoriais e participarão de todas as etapasdo processo de planejamento.
  23. 23. Divulgar o processo de planejamento no territórioOutra estratégia sugerida para a fase de mobilização é adivulgação do processo de planejamento e asensibilização da população sobre a importância dacultura no desenvolvimento de um território sustentável,realizado de forma massiva e envolvendo os meios decomunicação de massa e de audiência local.Para tanto, deve ser formada uma comissão decomunicação no âmbito do Grupo técnico deplanejamento territorial e elaborado um plano dedivulgação do processo de planejamento no território.
  24. 24. Institucionalização da instancia territorialO marco de finalização desta fase no território será um Eventosobre cultura e desenvolvimento sustentável, que tem comoobjetivos principais:• Reunir os atores sociais que foram sensibilizados• Referendar a estratégia proposta pelo Fórum Estadual dePlanejamento da Cultura• Constituir oficialmente o Fórum Territorial de Planejamentoda Cultura
  25. 25. Grupo técnico de planejamento territorial deve ser efetivadocomo o responsável pela coordenação de todas as atividadesno território.Para realizar essas funções o Grupo técnico de planejamentoterritorial deverá:• Coordenar o fórum territorial de planejamento da cultura.• Animar o funcionamento dos Grupos de Trabalho Setoriais• Sistematizar os resultados de cada uma das etapas do processo de planejamento• Responsabilizar-se por socializar as informações junto à população;• Atuar de forma articulada e integrada com o fórum estadual de planejamento da cultura
  26. 26. A abordagem estadual no processo de elaboração do planoestadual de culturaA construção do Plano Estadual de Cultura deve primar pelacriação de ambientes de planejamento que possibilitemestabelecer uma visão global sobre a realidade do estado.Este objetivo deve levar em consideração as visõesterritoriais, as expectativas setoriais, as demandas epotencialidades do território.Além disso, deve estabelecer a integração e sistematizaçãodestes aspectos, gerando uma visão global da realidade, dasestratégias de desenvolvimento e do futuro do setor no estado.
  27. 27. O Fórum estadual de planejamento da culturaO Fórum estadual de planejamento da cultura constitui-sena instância coordenadora e validadora de todo o processode elaboração e dos produtos que resultarão no PlanoEstadual de Cultura.Sua organização deverá primar pela necessidade detransformá-lo num ambiente representativo dos interessespúblicos e da sociedade, tendo como referência os principaisatores sociais do setor cultural.
  28. 28. Sua composição deverá privilegiar a participação dosrepresentantes dos organismos públicos (que sãoresponsáveis pela gestão da cultura no estado) e pelosrepresentantes dos diversos setores culturais.O Fórum deve ser compreendido como uma instância degovernança, cujo mandato restringe-se à elaboração doPlano Estadual de Cultura.
  29. 29. O Fórum pode estruturar-se da seguinte forma:Plenário geral – congrega todos os participantes e é responsável peladiscussão e deliberações sobre todos os itens que comporão o PlanoEstadual de Cultura.Câmara técnica de planejamento estadual – É constituída por técnicosindicados pelo Plenário Geral e por representantes dos Grupos técnicos deplanejamento territorial. Esta Câmara será responsável pela coordenaçãode todas as etapas do processo de planejamento. Suas funções principaissão: • Articular as atividades em âmbito territorial e as de âmbito estadual • Sistematização de todos os resultados obtidos durante o processo de planejamentoSugere-se que o Fórum Estadual seja instituído por portaria assinada pelorepresentante do órgão estadual de cultura.
  30. 30. Fase IIAnálise situacional da realidade do setor cultural
  31. 31. Fase II: Análise situacional da realidade do setor culturalA construção de um plano estadual de cultura deve estar fundamentada numaprofundado conhecimento sobre a realidade cultural do estado. Neste sentido,esta fase do processo reveste-se de importância estratégica.As atividades que prevêem a reflexão sobre a realidade do setor representam osespaços de participação para que se evidenciem, objetivamente, as condiçõesatuais da realidade territorial e estadual.Além disso, é por intermédio delas que se revelam as posições e percepçõescoletivas dos grupos populacionais sobre o futuro e as expectativas de mudançaque predominam na consciência das pessoas.Por intermédio dessa ação humana, participativa e cooperativa, deve ser possívelchegar a um diagnóstico que tenha como fundamento: a experiência vivencial, amotivação pessoal e as expectativas de mudança dos atores sociais locais.
  32. 32. ObjetivoCompreende-se como objetivo desta fase a formulação de um retrato darealidade cultural do estado, formulado a partir de reflexões estabelecidasem cada um dos territórios e consolidado no âmbito estadual.Objetivos específicos•Identificar o que é preciso saber para agir sobre a realidade regional eestadual;•Decidir quais são as metodologias mais bem adaptadas para reunir asinformações correspondentes;•Realizar o processo concreto de coleta de informações;•Implementar o tratamento e análise dos dados coletados;•Traduzir estas conclusões – ou seja o seu diagnóstico – em componentesbásicos de uma estratégia de intervenção.
  33. 33. No nível territorialA implementação da reflexão sobre a realidade do setor cultural deve serempreendida de forma concomitante em todos os territórios do estado.As instâncias de coordenação do processo de planejamento (Fórum estadual eterritorial de planejamento da cultura) deverão de forma articulada eintegrada fomentar um esforço concentrado de realização das atividadesprevistas na metodologia.Pretende-se com isso criar uma sinergia entre os diversos atores sociaisenvolvidos e evidenciar politicamente o processo de planejamento do setorcultural.
  34. 34. Recomenda-se que sejam implementadas as diversas instâncias territoriais eeventos previstos para esta fase:(i) Grupos de trabalho setoriaisOs grupos de trabalho serão responsáveis pela elaboração das caracterizações decada setor, pela análise e pela formulação do diagnóstico sobre a sua realidade.Esta tarefa deverá ser orientada pelos facilitadores territoriais.Num segundo momento os produtos gerados serão sistematizados pelo Grupotécnico de planejamento territorial, que tratará de evidenciar as questõesespecíficas e estabelecer as interfaces intersetoriais, constituindo, desta forma,uma visão diagnóstica sobre o território e a visão do território sobre a realidadeestadual.
  35. 35. (ii) Consulta virtual territorial• produto gerado no primeiro momento deverá ser submetido a uma consulta virtual pública de âmbito territorial. Esta instância tem como objetivo publicizar o resultado parcial do processo de planejamento e permitir a participação do maior número possível de atores interessados no desenvolvimento cultural do estado e do território. A ferramenta de consulta virtual será disponibilizada e acessada via internet.Após transcorrida a consulta virtual, o grupo técnico de planejamento territorialprocederá a sistematização, análise das contribuições e consolidação dodocumento final que conterá o diagnóstico da realidade cultural do território.
  36. 36. (iii) Fóruns territoriaisO diagnóstico da realidade cultural do território será submetido, avaliado evalidado no Fórum Territorial de Planejamento da Cultura.(iv) Grupo técnico de planejamento territorialFinalmente, caberá ao Grupo técnico de planejamento territorial realizar asistematização final do diagnóstico da realidade cultural do território e o seuencaminhamento ao Grupo Técnico de Planejamento Estadual.
  37. 37. No nível estadual(i) Grupo técnico de planejamento estadualO Grupo Técnico de Planejamento Estadual será responsável pelasistematização do diagnóstico da realidade cultural do estado, a partir daanálise e compatibilização dos relatórios territoriais.(ii) Consulta virtual estadualNum segundo momento este diagnóstico será submetido a uma consultavirtual pública de âmbito estadual. Esta instância tem como objetivo publicizaro resultado parcial do processo de planejamento e permitir a participação domaior número possível de atores interessados no desenvolvimento cultural doestado. A ferramenta de consulta virtual será disponibilizada e acessada viainternet.
  38. 38. (iii) Grupo técnico de planejamento estadualApós transcorrida a consulta virtual, o grupo técnico de planejamentoestadual procederá a sistematização, análise das contribuições econsolidação do documento final que conterá o diagnóstico da realidadecultural do estado.(iv) Fórum estadual de planejamento da culturaO diagnóstico da realidade cultural do estado será submetido, avaliado evalidado no Fórum Estadual de Planejamento da Cultura.
  39. 39. Fase IIIPROGNÓSTICO PARA O FUTURO DO SETOR CULTURAL
  40. 40. A fase de prognóstico é o cerne do processo deplanejamento. Seu processo de implementaçãovisa oferecer à sociedade o conjunto deestratégias que permitirão alcançar os resultadosfuturos desejados.
  41. 41. Fase 1 · Criação das instâncias de coordenação e construção do plano estadual de culturaFase 2 · Diagnóstico do desenvolvimento da culturaFase 3 · Diretrizes e prioridades · Objetivos gerais e específicos · Estratégias, metas e ações · Prazos de execução · Resultados e impactos esperados · Recursos materiais, humanos e financeiros disponíveis e necessarios · Mecanismos e fontes de financiamento;Fase 4 · Indicadores de monitoramento e avaliação
  42. 42. Grupos de trabalho setoriaisOs grupos de trabalho serão responsáveis pela elaboração do Prognóstico para ofuturo do setor cultural. Cada grupo de trabalho procederá uma reflexão,baseada no diagnóstico elaborado na fase anterior, procurando definir:• Diretrizes e prioridades• Objetivos gerais e específicos• Estratégias, metas e ações• Prazos de execução• Resultados e impactos esperados• Recursos materiais, humanos e financeiros disponíveis e necessarios• Mecanismos e fontes de financiamento;
  43. 43. Este esforço deverá levar em consideração os interesses setoriais e anecessidade de integração entre os diversos setores e o nível territorial, estaduale federal.Esta tarefa deverá ser orientada pelos facilitadores territoriais.Num segundo momento os produtos gerados serão sistematizados pelo Grupotécnico de planejamento territorial, que tratará de evidenciar as questõesespecíficas e estabelecer as interfaces intersetoriais e interterritoriais.
  44. 44. Consulta virtual territorialproduto gerado no primeiro momento deverá ser submetido a uma consultavirtual pública de âmbito territorial. Esta instância tem como objetivopublicizar o resultado parcial do processo de planejamento e permitir aparticipação do maior número possível de atores interessados nodesenvolvimento cultural do estado e do território.A ferramenta de consulta virtual será disponibilizada e acessada via internet.
  45. 45. Após transcorrida a consulta virtual o grupo técnico de planejamentoterritorial procederá a sistematização, análise das contribuições econsolidação do documento final que conterá a visão territorial sobre o futurodo setor cultural do estado, as estratégias e os meios para a transformação darealidade cultural do estado.Fóruns territoriaisprognóstico para o futuro da realidade cultural será submetido, avaliado evalidado no Fórum Territorial de Planejamento da Cultura.Grupo técnico de planejamento territorialFinalmente, caberá ao Grupo técnico de planejamento territorial realizar asistematização final e encaminhamento ao Grupo Técnico de PlanejamentoEstadual.
  46. 46. No nível estadualGrupo técnico de planejamento estadualGrupo Técnico de Planejamento Estadual será responsável pela sistematizaçãoda fase de prognóstico do estado, a partir da análise e compatibilização dosrelatórios territoriais.Consulta virtual estadualNum segundo momento este prognóstico será submetido a uma consultavirtual pública de âmbito estadual. Esta instância tem como objetivo publicizaro resultado parcial do processo de planejamento e permitir a participação domaior número possível de atores interessados no desenvolvimento cultural doestado. A ferramenta de consulta virtual será disponibilizada e acessada viainternet.
  47. 47. Grupo técnico de planejamento estadualApós transcorrida a consulta virtual o grupo técnico de planejamento estadualprocederá a sistematização, análise das contribuições e consolidação dodocumento final que conterá o prognóstico da realidade cultural do estado.Fórum estadual de planejamento da culturaO prognóstico da realidade cultural do estado será submetido, avaliado evalidado no Fórum Estadual de Planejamento da Cultura.
  48. 48. Fase IVSISTEMA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE CULTURA
  49. 49. Esta estratégia propõe uma sistemática demonitoramento das alterações ocorridas noestado, tendo como base a utilização de umsistema de indicadores de desenvolvimentocultural, que se constitua em instrumento deapoio à gestão do plano de cultura do estado.
  50. 50. Dentro da perspectiva elencada para construção do Prognóstico, deve-seestabelecer um conjunto de indicadores que permitam avaliar as metasestabelecidas e os resultados e impactos esperados.(i) Grupo técnico de planejamento territorialEstas instâncias deverão propor um conjunto de indicadores concebidosna perspectiva territorial, que serão consolidados pelo Grupo Técnico dePlanejamento Estadual.(ii) Grupo técnico de planejamento estadualNeste momento do processo de planejamento serão estabelecidos oscomponentes do Sistema de Monitoramento do Plano Estadual deCultura: Indicadores, parâmetros, meios e fontes de verificação.(iii) Fórum estadual de planejamento da culturaO Sistema de Monitoramento do Plano Estadual de Cultura serásubmetido, avaliado e validado pelo Fórum estadual de planejamento daCultura.
  51. 51. Resumindo
  52. 52. ENCAMINHAMENTOS• Apresentar a proposta metodológica para os gestores estaduais• Efetivar a adesão ao processo de planejamento proposto• Compatibilizar as agendas e estratégias existentes no estado com a proposta metodológica• Elaborar e validar plano de ação da equipe estadual• Encaminhar para coordenação do Projeto PRAZO 30 DIAS

×