Apresentação Institucional 2T10

129 visualizações

Publicada em

Apresentação Institucional 2T10

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
129
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação Institucional 2T10

  1. 1. Apresentação Institucional 2T10
  2. 2. Perfil e História Banco PINE A História do Banco PINE Estratégias de Negócios Oportunidades de Cross-Selling Agilidade na Concessão de Crédito Estrutura Organizacional O Cenário Atual e suas Perspectivas Destaques e Resultados Agenda Governança Corporativa e Ações Governança Corporativa Principais Comitês Estrutura Acionária Composição da Base Acionária Dividendos Responsabilidade Social Reconhecimentos do Mercado Elevação dos Ratings pela Fitch Eventos e Destaques do Período Banco PINE Relações com Investidores | 2T10 2/35
  3. 3. Perfil e História
  4. 4. Banco PINE Resultados baseados em uma forte estrutura de crédito e no cross-selling de produtos e serviços O Banco PINE Especializado no atendimento a Empresas: O Banco PINE é focado no atendimento a empresas com faturamento acima de R$ 150 milhões e conhece profundamente as necessidades e estratégias de seus clientes O Banco oferece: • Produtos de crédito e repasses, em moeda local e estrangeira • Serviços de assessoria financeira e estratégica • Produtos de tesouraria • Investimentos Crescimento dos resultados: Contribuição positiva de todos os negócios ao resultado do Banco: Crédito Corporativo, Mesa para Clientes e PINE Investimentos Forte relacionamento com clientes: 81% da base de clientes ativos utilizam mais de um instrumento financeiro oferecido pelo Banco Contribuição de 102 novos clientes de crédito corporativo no 2T10 para a base de cerca de 950 empresas Sólida Avaliação de Crédito A1.br Escala Nacional Ba2 Longo/Curto prazo depósito em moeda local e estrangeira Br A- Escala Nacional BB- Longo/Curto prazo depósito em moeda local e estrangeira A(bra) Escala Nacional BB- Longo/Curto prazo depósito em moeda local e estrangeira Relações com Investidores | 2T10 4/35
  5. 5. A História do Banco PINE Fundado em 1997, o Banco PINE revela uma trajetória de desenvolvimento contínuo 2007 IPO Criação da agência Cayman 1997 Fundação do Banco PINE Foco exclusivo em empresas 2004 Oportunidade no consignado 2005 Noberto Pinheiro torna-se o único acionista do Banco PINE 1939 - A família Pinheiro funda seu primeiro Banco no Brasil – O Banco Central do Nordeste 1939 Família Pinheiro funda seu primeiro banco 1975 Noberto Pinheiro torna-se um dos controladores do BMC 2009 Criação da PINE Investimentos 1975 - Noberto Pinheiro se torna um dos controladores do Banco BMC 1997 - Noberto e Nelson Pinheiro vendem suas participações no BMC e fundam o Banco PINE 2005 - Noberto Pinheiro torna-se o único acionista do Banco PINE 2007 – IPO e abertura da Agência Cayman 2009 – Criação da PINE Investimentos Relações com Investidores | 2T10 5/35
  6. 6. Estratégia de Negócios
  7. 7. Oportunidades de Cross-Selling Diversidade de instrumentos financeiros para as diversas necessidades de nossos clientes Desafios: Taxas de juros menores e volatilidade reduzida Otimização do capital: Crescimento seletivo da carteira de crédito Cross-selling: Maior penetração de produtos por cliente Empréstimos Corporativos Mútuo Câmbio/Comércio Exterior Exportação ACC/ACE Repasses FINAME Automático Fianças Licitação Concorrência Mesa para Clientes Moedas Juros Investimentos Moeda Local CDB/ RDB PINE Investimentos Underwriting e Sindicalização de Conta Garantida Desconto Compror/Vendor Cobrança Vinculada Carta de Crédito Cobrança Documentária Pré–pagamento Importação Carta de Crédito Pagam. Antecipado Cobrança Documentária Câmbio Pronto Emp. e Invest. em Moeda Estrangeira 2770 Empréstimo Externo Investimento Externo Fabricante Agrícola Outros EXIM Pré-Embarque Pré-Embarque Especial Pós-Embarque BNDES Automático FINEM Performance Crédito/Financeira Commodities Equities Assessoria Macro Títulos Públicos FIDC CDI LCA Fundos de Crédito Private Equity Moeda Estrangeira CD - Certificate of Deposit Demand Deposit Accounts Eurobonds Conta de Custódia Money Market Accounts Time Deposit Private Equity Credito Private Equity Fundos de Crédito Assessoria Financeira Relações com Investidores | 2T10 7/35
  8. 8. Oportunidades de Cross-Selling Diversidade de instrumentos financeiros para atender às necessidades de nossos clientes Produtos de Crédito em Moeda Local e Estrangeira Mútuo Conta Garantida Desconto Repasses BNDES Fianças Compror/Vendor ACC/ACE Pré-pagamento de Exportação Finimp Carta de Crédito Produtos de Captação em Moeda Local/Estrangeira CDB/RDB/CDI CDB com Duplo Indexador LCA/LCI Repasses BNDES FIDC e Fundos de Crédito Letra Financeira Senior e Subordinada Time Deposits CD – Certificate of Deposit Eurobonds Dívida Subordinada Produtos de Crédito e Captação Resolução 2.770 (Antiga Resolução 63) Mesa para Clientes PINE Investimentos Produtos para mitigação de riscos de descasamentos de mercado Derivativos de Moedas, Commodities, Juros e Índices: NDF Opções Swaps Opções estruturadas Câmbio Pronto Resolução 2.770 Estruturação de Crédito Sindicalização Gestão de Recursos de Terceiros Fundos de Crédito Fundos de Investimento em Participação - Private Equity Serviços Corporativos Fusões e Aquisições Assessoria Financeira Relações com Investidores | 2T10 8/35
  9. 9. Agilidade na Concessão de Crédito Processo toma em média 72h; análise de crédito pode ser concluída em 1 dia útil em casos especiais Expõem as propostas ao comitê COMITÊ DE CRÉDITO Esteira eletrônica Diretor e Analista de Crédito Superintendentes Forte equipe de originação Relacionamento próximo aos clientes e alta taxa de renovação entre clientes Cross-selling de produtos de crédito e serviços financeiros Análise de crédito diligente e completa Emitem suas opiniões Realiza análise de crédito, visita clientes, atualiza os dados, interage com a equipe interna de análise e emite opinião Elabora relatório de visita de crédito e estrutura a operação de crédito de Plataforma e Regional Analista de Crédito Gerente Comercial Expertise e flexibilidade na estruturação de operações Monitoramento próximo da evolução do crédito Agilidade na processo de decisão das operações de crédito Gestão dos riscos da carteira de recebíveis e da qualidade das garantias Processamento, documentação e controle eficientes Relações com Investidores | 2T10 9/35
  10. 10. Estrutura Organizacional Estrutura desburocratizada e hierarquia horizontal RRiissccoo OOppeerraacciioonnaall Auditoria Interna Tikara Yoneya Auditoria Externa Deloitte Noberto Pinheiro Presidente Noberto Pinheiro Jr. Vice Presidente Maurizio Mauro Membro Independente Fernando Albino Membro Externo Mailson da Nóbrega Membro Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal Sidney Veneziani Sérgio Machado Alcindo Itikawa CEO Noberto N. Pinheiro Jr. Risco Operacional & Compliance PINE Investimentos Gustavo Junqueira Controladoria e Risco de Mercado e Liquidez Susana Waldeck Finanças & Produtos Norberto Zaiet Jr. Comercial Empresas Clive Botelho Análise e Risco de Crédito Gabriela Chiste Operações Empresas Ulisses Alcantarilla Empresas • Carteira de Crédito R$ 4,8 bilhões • 939 Clientes • São Paulo • Ribeirão Preto • São José do Rio Preto • Rio de Janeiro • Curitiba • Porto Alegre • Belo Horizonte • Recife Crédito Empresas • Análise e concessão de crédito • Monitoramento dos riscos de crédito e análise setorial Tesouraria • Local • Internacional • Clientes Captação • Local • Internacional Internacional • Cayman • Trade Finance Pesquisa Macro Produtos Relações com Investidores Riscos de Mercado e Liquidez Recursos Humanos Contabilidade Controladoria Operações Estruturadas Fundos de Crédito Assessoria Financeira Private Equity Distribuição Processamento e Formalização Jurídico Relações com Investidores | 2T10 10/35
  11. 11. O Cenário Atual e suas Perspectivas O Banco PINE está bem posicionado no mercado e preparado para o crescimento sustentável dos resultados Capitalização adequada Emissão de US$ 125 milhões, aprovada como Tier II pelo Banco Central em junho 18,5% de Índice de Basiléia Estrutura de captação eficiente Alongamento: prazo médio de 18 meses (Junho/2010) Maior diversificação Equipe preparada e incentivada Meritocracia Qualificação Oportunidades de cross-selling na base de clientes Contribuição de 102 novos clientes no 2T10 Diversidade de produtos construída ao longo dos últimos anos 81% dos clientes utilizam mais de um produto (Junho/2010) Relações com Investidores | 2T10 11/35
  12. 12. Destaques e Resultados
  13. 13. Destaques Melhora dos principais indicadores: rentabilidade, crédito e captação Carteira de Crédito de Empresas 3.068 3.416 (R$ Milhões) D 12M D Sem D Tri 56,3% 16,4% 7,5% 4.118 4.462 4.794 Jun-09 Set-09 Dez-09 Mar-10 Jun-10 21,8 Lucro Líquido (R$ Milhões) D 12M D Tri 63,3% 18,0% 30,2 35,6 D Sem 57,1% 41,9 65,8 2T09 1T10 2T10 1S09 1S10 34,5 Resultado Operacional (R$ Milhões) D 12M D Tri 75,2% 26,2% 47,9 D Sem 65,8% 60,4 65,3 108,3 2T09 1T10 2T10 1S09 1S10 1.917 Depósitos Totais + LCA (R$ Milhões) 2.302 D 12M D Sem D Tri 66,0% 5,6% 5,1% 3.029 3.013 3.183 Jun-09 Set-09 Dez-09 Mar-10 Jun-10 11,1% D 12M D Tri 6,8 p.p. 2,6 p.p. 15,3% ROAE 17,9% D Sem 5,8 p.p. 10,5% 16,3% 2T09 1T10 2T10 1S09 1S10 Índice de Eficiência D 12M D Tri -6,5 p.p. -6,0 p.p. 40,0% 39,5% 33,5% D Sem -3,1 p.p. 39,3% 36,2% 2T09 1T10 2T10 1S09 1S10 Relações com Investidores | 2T10 13/35
  14. 14. Resultados Crescimento consistente dos resultados ao longo dos últimos trimestres, como consequência do aumento seletivo da carteira de crédito e da estratégia cross-selling Mesmo durante a crise, o ROAE manteve um patamar mínimo de 10% Aumento de 2,6 p.p. no trimestre 17,1% 9,9% 10,1% 11,1% 11,3% ROAE 10,7% 15,3% 17,9% 13,2% 10,5% 10,8% 16,3% 3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 2S08 1S09 2S09 1S10 33.429 19.821 20.070 21.800 Lucro Líquido (R$ Milhares) 22.068 21.148 30.171 35.605 53.250 41.870 43.216 65.776 3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 2S08 1S09 2S09 1S10 Crescimento gradual e consistente dos resultados no período pós-crise Expansão de 18% do lucro líquido no trimestre Relações com Investidores | 2T10 14/35
  15. 15. Carteira de Crédito Desenvolvimento positivo da carteira de crédito A carteira de empresas apresentou crescimento de 7,5% no 2T10 e 56,3% em doze meses 3.533 3.534 3.070 2.842 3.068 3.416 4.118 4.462 4.794 Carteira de Crédito de Empresas (R$ Milhões) 5.047 4.885 Carteira de Crédito Total (R$ Milhões) 4.264 3.873 3.922 4.113 4.753 4.980 5.208 Jun-08 Set-08 Dez-08 Mar-09 Jun-09 Set-09 Dez-09 Mar-10 Jun-10 Jun-08 Set-08 Dez-08 Mar-09 Jun-09 Set-09 Dez-09 Mar-10 Jun-10 Crescimento da carteira de crédito de Empresas, que em junho de 2008 representava 72% do total da carteira e que hoje é responsável por 94% do total Relações com Investidores | 2T10 15/35
  16. 16. Perfil da Carteira de Crédito - Empresas O Banco PINE atua nos principais setores da economia, com diversidade de produtos e distribuição geográfica próxima à do PIB Sudeste 66% Sul 12% Nordeste 10% Centro- Oeste 10% Norte 2% Carteira de Crédito por Setor Carteira de Crédito por Região Agricultura Energia Elétrica e Renovável 11% 8% Construção Civil 7% Instituição Financeira 6% Processamento de Carne 5% Veículos e Peças 5% Transportes e Logística 4% Carteira de Crédito por Produtos Capital de Giro 58% Repasses BNDES 9% Repasses 2770 1% Trade Finance 14% Fiança 18% Infra Estrutura Açúcar e Álcool 15% 13% Farmacêutica e Cosméticos 3% Comércio Exterior 3% Metalurgia 3% Serviços Especializados 2% Alimentos 2% Serviços Médicos 2% Outros 11% Relações com Investidores | 2T10 16/35
  17. 17. Qualidade da Carteira de Crédito A cobertura da carteira de crédito vencida ficou em 214,7%, em junho de 2010 1,6% 1,7% 1,3% 0,7% 0,7% 0,7% Mar-09 Jun-09 Set-09 Dez-09 Mar-10 Jun-10 Qualidade da Carteira de Crédito – Junho 2010 A; 49,6% B; 18,9% Carteira D-H Vencida/Carteira Total AA; 26,3% C; 3,5% D-E; 0,4% F-H; 1,3% Carteira Vencida/Carteira Total 1,8% 1,7% 1,5% 0,8% 0,7% 0,7% Mar-09 Jun-09 Set-09 Dez-09 Mar-10 Jun-10 Relações com Investidores | 2T10 17/35
  18. 18. Captação O Banco PINE mantém fontes diversificadas de captação 4.396 4.311 3.772 3.656 3.701 3.875 4.553 4.655 4.890 Captação Total (R$ Milhões) Organismos Multilaterais US$ 28,9 Milhões US$ 33,5 Milhões US$ 30,2 Milhões US$ 20,0 Milhões US$ 50,9 Milhões Jun-08 Set-08 Dez-08 Mar-09 Jun-09 Set-09 Dez-09 Mar-10 Jun-10 24 29 144 147 467 288 1.119 554 429 1.005 2.354 2.148 Mix da Captação (R$ Milhões) 35 35 29 156 143 127 496 382 306 663 713 959 832 1.462 1.553 642 679 1.917 27 142 275 576 552 2.302 26 27 229 229 296 508 242 447 160 586 521 541 440 351 268 3.029 3.013 3.183 Jun-08 Set-08 Dez-08 Mar-09 Jun-09 Set-09 Dez-09 Mar-10 Jun-10 Dívida Subordinada Obrigação por repasses Recursos, aceites e emissão de títulos Trade Finance / Cayman Cessão de Crédito Depósitos Totais Relações com Investidores | 2T10 18/35
  19. 19. Prazo das Captações vs. Crédito No 2T10, o prazo médio das captações foi 18 meses, ante 13 meses para a carteira de crédito R$ milhões De 3 a 12 meses R$ 1.675 De 1 a 3 anos R$ 1.069 De 3 a 5 anos R$ 250 Acima de 5 Crédito + Caixa Sem De 1 a 3 anos R$ 1.185 De 3 a 5 anos R$ 299 Acima de 5 anos R$ 661 Captação(1) Até 3 meses R$ 1.244 (1) Não considera o Patrimônio Líquido anos R$ 76 Até 3 meses (inclui Caixa) R$ 2.557 Vencimento R$ 36 De 3 a 12 meses R$ 1.465 Relações com Investidores | 2T10 19/35
  20. 20. Basiléia O Índice da Basiléia atingiu 18,5%, o que demonstra uma base confortável de capital. O crescimento do índice reflete a aprovação da dívida subordinada como Tier II 16,5% 15,6% 19,3% 18,6% 19,3% 17,2% 15,6% 14,9% 18,5% Basiléia Oferta Pública Fevereiro / 2010 Dívida Subordinada Coordenadores US$ 125 Milhões Patrimônio (R$ Milhares) Basiléia % Jun-08 Set-08 Dez-08 Mar-09 Jun-09 Set-09 Dez-09 Mar-10 Jun-10 Tier I 854.041 14,6% Tier II 228.230 3,9% Basiléia 1.082.271 18,5% Relações com Investidores | 2T10 20/35
  21. 21. Resultados O resultado operacional cresceu 26,2% no 2T10 R$ milhares 2T10 1T10 2T09 Resultado bruto da intermediação financeira 89.491 78.187 43.922 Receitas de prestação de serviços 15.719 13.245 29.498 Despesas de pessoal (11.911) ( 10.989) (9.266) Despesas administrativas (19.356) ( 18.855) ( 21.805) Despesas tributárias (7.361) (7.289) (7.716) Outras receitas (despesas) operacionais (6.147) (6.419) (131) Resultado operacional 60.435 47.880 34.502 Resultado não-operacional (790) - 886 Resultado antes da tributação 59.645 47.880 35.388 Imposto de renda e contribuição social (15.485) ( 12.451) (9.056) Participações no resultado (8.555) (5.258) (4.532) Lucro líquido 35.605 30.171 21.800 ROAE Anualizado 17,9% 15,3% 11,1% Relações com Investidores | 2T10 21/35
  22. 22. Balanço As operações de crédito em balanço apresentaram aumento de 2,5% no trimestre R$ milhões Jun-10 Mar-10 Jun-09 Ativo 8.014 7.792 6.275 Títulos e valores mobiliários e instrumentos financeiros derivativos 3.364 2.968 2.791 Operações de crédito 4.097 3.996 2.951 (-) Provisão para operações de crédito de liquidação duvidosa (68) ( 67) (107) Operações de crédito - líquido 4.029 3.929 2.844 Outros 621 895 640 Passivo 7.161 6.953 5.463 Depósitos 2.929 2.735 1.849 Captações no mercado aberto 2.100 2.236 1.915 Obrigações por empréstimos e repasses 1.050 817 769 Outros 1.082 1.165 930 Patrimônio líquido 853 839 811 Passivo + Patrimônio líquido 8.014 7.792 6.275 Relações com Investidores | 2T10 22/35
  23. 23. Estratégia Consistente e Consolidada O Banco PINE é um banco de atendimento a empresas, com diversidade de produtos Vamos reforçar nosso foco em empresas, acompanhando de perto o nosso portfolio de clientes e trabalhando para atender às suas necessidades de forma ágil e personalizada, oferecendo uma diversidade de produtos que potencializam as oportunidades de cross-selling (Press Release 4T08 – Página 2) Nossa estratégia não é só de working capital e trade finance, mas uma estratégia de atender uma empresa em um cross-selling amplificado (...) A escolha de um cliente se foca em uma estratégia global de atendimento de vários produtos (Conference Call 2T09) Nós somos e seremos um banco comercial, essa é a nossa vocação, esse é o nosso DNA (Conference Call 2T09) O objetivo é suprir cada vez mais as necessidades de nossos clientes com uma ampla gama de produtos, procurando otimizar a utilização do capital, aumentando, assim, a rentabilidade por cliente (Conference Call 3T09) Essas duas vertentes, pôr mais capital para trabalhar e a estratégia de cross-selling, farão com que o ROAE de 2010 seja mais próximo de 15% (Conference Call 3T09) Estamos otimistas e acreditamos em uma tendência de crescimento e recuperação para os próximos trimestres (Conference Call 4T09) Conforme mencionamos desde o final de 2008, o Banco reforçou sua estratégia, atendendo empresas de uma forma mais completa através do cross-selling de instrumentos financeiros e foi bem sucedido (Conference Call 4T09) Relações com Investidores | 2T10 23/35
  24. 24. Governança Corporativa e Ações
  25. 25. Governança Corporativa O Banco PINE adota as melhores práticas de governança corporativa PPoollííttiiccaass CCllaarraass Monitoramento de Desempenho Determinação de Responsabilidades Alinhamento das Políticas Internas Dois Membros Independentes e um Membro Externo no Conselho de Administração Mailson Ferreira da Nóbrega: Ministro das Finanças do Brasil de 1988 a 1990 Maurizio Mauro: CEO da Booz Allen Hamilton e do Grupo Abril Fernando Albino de Oliveira: ex-diretor da CVM e sócio da Albino Advogados Associados Nível 1 de Governança Corporativa na Bovespa Gerenciamento de Riscos Observância da Legislação e de interesses Conselho Fiscal Tag along de 100% para todos tipos de ações, inclusive as sem direito de voto Procedimentos de arbitragem para a resolução rápida de processos judiciais Relações com Investidores | 2T10 25/35
  26. 26. Principais Comitês Para o Banco PINE, a adoção das melhores práticas de governança corporativa contribui efetivamente para o sucesso do negócio Principais decisões tomadas de forma colegiada: Conselho de Administração e estrutura de comitês específicos Troca intensa de conhecimento e informação Transparência Conselho de Administração Conselho Fiscal FFiissccaall Comitê de CCoommiittêê ddee Suporte à Auditoria Comitê de Tesouraria (ALCO) Comitê Executivo Comitê de Captação Nacional, Internacional e Produtos Comitê de Crédito Comitê de Varejo Comitê de Contencioso Comitê de Compliance e Risco Basiléia Comitê de Avaliação de Performance Comitê de Conduta Ética Comitê de Tecnologia Comitê de Recursos Humanos Comitê PINE Investimentos Relações com Investidores | 2T10 26/35
  27. 27. Estrutura Acionária Em 1º de julho, a BMFBOVESPA deferiu o pedido de extensão do prazo para enquadramento do percentual mínimo de ações em circulação, que passou a ser janeiro de 2011 Base: 30/07/2010 ON PN Total % Noberto Nogueira Pinheiro 45.443.872 14.490.556 59.934.428 70,2% Administradores - 2.631.243 2.631.243 3,1% Free Float - 20.768.595 20.768.595 24,3% Subtotal 45.443.872 37.890.394 83.334.266 Tesouraria - 2.074.839 2.074.839 2,4% Total 45.443.872 39.965.233 85.409.105 100,0% O Banco deverá manter em circulação, no mínimo, 24,3% de ações do capital social até 10/01/2011 No caso de as ações em circulação atingirem patamar superior a 24,3%, em qualquer momento até 10/01/2011, o Banco não permitirá a redução desse patamar Relações com Investidores | 2T10 27/35
  28. 28. Composição da Base Acionária Mudança no perfil do investidor desde a crise 2007 IPO Estrangeiros 78,4% Pessoa Jurídica 12,9% 39,7% 39,5% 37,8% 38,3% 38,4% 38,5% 39,5% 39,8% 40,5% 41,0% Pessoa Jurídica 42,0% 41,6% 41,7% 39,3% 38,6% 40,7% 40,3% 40,1% 40,1% 39,6% 39,8% 38,4% 38,2% 38,1% 38,0% 37,3% Estrangeiros Pessoa Física 8,7% 21,1% Pessoa Física 21,9% 21,5% 21,4% 21,5% 21,4% 20,9% 20,4% 21,1% 20,8% 19,9% 20,4% 21,0% jul-09 ago-09 set-09 out-09 nov-09 dez-09 jan-10 fev-10 mar-10 abr-10 mai-10 jun-10 jul-10 OO mmúúllttiipplloo ddee PPrreeççoo//VVaalloorr PPaattrriimmoonniiaall ffiiccoouu eemm 11,,1177xx eemm 2200 ddee aaggoossttoo ddee 22001100.. Relações com Investidores | 2T10 28/35
  29. 29. Dividendos Desde 2008, o Banco PINE distribui dividendos/JCP trimestralmente Dividendos e JCP R$ Milhões R$ Valor Bruto Valor Total Valor por Ação 1T10 15,0 0,179998 2T10 20,0 0,239997 Total distribuído no 1S10 35,0 0,419995 16 Dividendos e JCP (R$ Milhões) 25 25 33 45 30 35 1S07 2S07 1S08 2S08 1S09 2S09 1S10 Relações com Investidores | 2T10 29/35
  30. 30. Responsabilidade Social O Banco PINE apóia e divulga a cultura brasileira Social Casa Hope Instituto Alfabetização Solidária Instituto Sedes Sapientiae Instituto Casa da Providência Esporte Minas Tênis Clube: programa de formação de atletas para as equipes de base de diversas modalidades esportivas Cultura A Cidade e a Rosa: retrospectiva do artista plástico Paulo Von Poser Paisagem e Olhar: retratos em aquarela da biodiversidade da Mata Atlântica. Embarcações: registro histórico das embarcações típicas brasileiras Passe de Mágica: criado em 2004 por Magic Paula e Branca, para oferecer a prática lúdica do basquete a crianças Projeto Rede Atletismo Novos Talentos: programa de formação de atletas desenvolvido e mantido pela Fundação Aquarela Green Building Crédito Responsável “Listas de exclusão” no financiamento, por meio de linhas de organismos multilaterais, de projetos ou organizações que agridam o meio ambiente, que tenham práticas trabalhistas ilegais ou que envolvam produtos ou atividades considerados nocivos à sociedade Sistema, financiado pelo BID e coordenado pela FGV, de monitoramento ambiental e relatórios internos de sustentabilidade para empréstimos corporativos Relações com Investidores | 2T10 30/35
  31. 31. Reconhecimentos do Mercado
  32. 32. Elevação dos Ratings pela Fitch Desempenho consistente e qualidade da carteira de crédito Em 24 de maio, a Fitch Ratings, uma das principais agências internacionais, elevou os ratings do PINE conforme abaixo: IDR de Longo Prazo em Moeda Local e Estrangeira de ‘B+’ para ‘BB-’ Rating Nacional de Longo Prazo de ‘A-(bra)’ para ‘A(bra)’ Rating Nacional Curto Prazo de ‘F2(bra)’ para ‘F1(bra)’ Rating Individual de ‘D’ para ‘C/D’ Os fatores abaixo levaram a agência a atribuiu a melhora dos ratings: Consistente desempenho do Banco durante a crise financeira global Adequada qualidade da carteira de crédito Prudente gestão de crédito e liquidez Índices de capitalização favoráveis Segundo a agência, “os ratings refletem, ainda, a agilidade com que o banco se adaptou à volatilidade econômica e sua estratégia em administrar adequadamente os riscos e ajustes no balanço” Adicionalmente, “desde o segundo semestre de 2009, o PINE retomou o foco no crescimento da carteira de crédito a (...) empresas e ampliou também as receitas oriundas do cross-selling com a tesouraria, direcionadas a seus clientes, e de serviços de assessoria financeira” Relações com Investidores | 2T10 32/35
  33. 33. Eventos e Destaques do Período Reconhecimentos do mercado O Banco PINE é um dos 15 maiores bancos do país em oferta de crédito para Pessoa Jurídica, segundo a edição 2010 da revista Melhores e Maiores, da Exame O Banco PINE foi eleito o melhor Banco Comercial do Brasil, pelo World Finance Banking Awards, promovido pela revista inglesa World Finance. Entre os fatores analisados, estão: estratégia de soluções para clientes e otimização do relacionamento, inovação e flexibilidade, e por manter-se à frente da concorrência Relações com Investidores | 2T10 33/35
  34. 34. Banco PINE Pioneiro, sólido e transparente, com a agilidade que as empresas precisam O primeiro banco brasileiro de seu porte a abrir capital Um dos 15 maiores bancos do país em volume de crédito para empresas, destacado por sua boa gestão durante a crise Informações claras, acessíveis e consistentes Relações com Investidores | 2T10 34/35
  35. 35. Relações com Investidores Norberto Zaiet Júnior CFO Nira Bessler Superintendente de Relações com Investidores Alejandra Hidalgo Analista de Relações com Investidores Fone: +55-11-3372-5553 / 5552 www.bancopine.com.br/ri ri@bancopine.com.br As afirmações contidas neste documento relacionadas a perspectivas sobre os negócios, projeções sobre resultados operacionais e financeiros e aquelas relacionadas a perspectivas de crescimento do PINE são meramente projeções e, como tais, são baseadas exclusivamente nas expectativas da administração sobre o futuro dos negócios. Essas expectativas dependem, substancialmente, das condições de mercado, do desempenho da economia brasileira e do setor (mudanças políticas e econômicas, volatilidade nas taxas de juros e câmbio, mudanças tecnológicas, inflação, desintermediação financeira, pressões competitivas sobre produtos e preços e mudanças na legislação tributária) e, portanto, sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Relações com Investidores | 2T10 35/35

×