SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
CAROLINE NICOLA
   As aulas de demonstrações em biologia
    servem,       principalmente,    para
    apresentar            à        classe
    técnicas, fenômenos e espécimes…

   A utilização de demosntrações é
    justificada em casos em que o
    professor     deseja    economizar
    tempo, ou não dispõe de material em
    quantidade suficiente para toda
    turma.

   Em alguns casos também serve para
    que todos os alunos vejam o mesmo
    fenômeno simultaneamente como
    ponto de partida comum para uma
    aula expositiva.
O material em apresentação deve estar visível para todos
os estudantes;

Paranão distrair a atenção dos alunos, o material em
demonstração deve ser simples;

O professor deve ser claro, falar alto e entusiasticamente,
mostrando o que deseja passo a passo, repetindo tantas
vezes quanto forem necessárias para que todos possam
acompanhar seu procedimento;
A modalidade didática
      Demonstração tem por objetivo:

 Propiciar   a articulação da prática com o conhecimento
teórico;

 Aprofundar  e consolidar conhecimentos; confirmar
explicações orais e escritas, tornando-as mais reais e
concretas;

 lustrar o que foi exposto, discutindo ou lido; estimular a
criticidade e a criatividade;

 Propor alternativas para resolver problemas;
As aulas demonstrativas são um importante
recurso, entretanto, é preciso à participação
do aluno e não apenas tê-lo como observador
passivo.
As    atividades   experimentais  de
demonstração em sala de aula, tanto
quanto as atividades tradicionais de
laboratório realizadas por grupos de
alunos com orientação do professor,
apresentam dificuldades comuns para a
sua realização, desde a falta de
equipamentos até a inexistência de
orientação pedagógica adequada.
No entanto, alguns fatores parecem favorecer a
  demonstração experimental:
A possibilidade de ser realizada comum único
equipamento para todos os alunos, sem a necessidade
de uma sala de laboratório específica;

 A possibilidade de ser utilizada em meio à
apresentação teórica, sem quebra de continuidade da
abordagem conceitual que está sendo trabalhada
e, talvez o fator mais importante, a motivação ou
interesse que desperta e que pode predispor os
alunos para a aprendizagem;
Demonstrações abordando conteúdos de Física:

 Aos  alunos do primeiro ano do Ensino Médio
apresentamos um conjunto de três etapas.
Na experiência I- explorando o conceito de pressão
atmosférica, embora não tivessem estudado o assunto
naquele ano letivo.

 Paraos alunos do terceiro ano do Ensino Médio, que
estavam iniciando o estudo da óptica geométrica,
apresentamos também três etapas de demonstrações
experimentais sobre espelhos planos e curvos;
INTRODUÇÃO DA DEMONSTRAÇÃO

 Na experiência I, ao iniciar a atividade, procuramos saber dos
alunos o que eles esperavam com a demonstração, haja vista
que, apesar de não terem estudado nada sobre pressão
atmosférica naquele ano letivo, já haviam discutido sobre
este conteúdo em outras séries do Ensino Fundamental.

 Parafacilitar a observação dos alunos, apresentamos uma
pergunta diretamente relacionada com a demonstração.


Assim,  nessas etapas, apresentamos primeiramente a
demonstração e questionamos apenas o que estavam
observando de interessante
DESENVOLVIMENTO DA DEMONSTRAÇÃO:

Procuramos   reunir as respostas e idéias apresentadas
pelos alunos no quadro-negro.

Nossa intenção foi tornar claras para os estudantes suas
próprias concepções acerca do fenômeno a ser estudado;

 Observamos   que os alunos tiveram muita dificuldade
para apresentar suas idéias de uma maneira organizada,
sistematizada dentro de qualquer contexto explicativo.

 Mesmo  inseguros sobre a explicação que poderiam dar,
muitos se animaram a expor suas idéias, provavelmente
motivados pelo que veriam em seguida.

Os   alunos apresentaram explicações espontâneas,
desvinculadas de qualquer modelo teórico, apresentadas
pelo interesse de acertar a explicação do que viam, ou de
adivinhar o que iriam ver
1ª Etapa: O BEBEDOURO


Esta demonstração experimental foi realizada com duas
garrafas com água (de 1 litro e de 2 litros), pires e copo de
vidro, utilizados nas três situações representadas na figura
1:




             Esquema de atuação da pressão do ar
                sobre a água nos bebedouros
2ª Etapa: A PIPETA


Esta demonstração experimental pode ser realizada com
uma pipeta, dispositivo comum em laboratórios de
química ou, como fizemos, com um tubinho de PVC flexível,
transparente, de diâmetro menor que 5 mm,
aproximadamente, para evitar a formação de bolhas de ar
e a conseqüente queda da água.
3ª Etapa: TAMPANDO A ÁGUA COM PAPEL

Nesta experiência utilizamos um copo com água e uma folha de
papel. A experiência consiste em encher o copo com água e
tampá-lo com a folha de papel, vedando a boca do copo.

Com  o apoio de uma das mãos, giramos o copo de cabeça para
baixo e soltamos a mão.

Observa-se que a água não cai, sustentada pela folha de papel.




                      A água do copo tapado
                        pelo papel não cai.
Explicação da demonstração


 Nofinal das atividades, apresentamos aos alunos o
modelo científico capaz de explicar a demonstração
e, sempre que possível, retomamos as idéias
propostas previamente pelos alunos comparando-as
com o modelo científico.

 As experiências de demonstração apresentadas A
seguir, descrevemos sucintamente as demonstrações
experimentais 1 nas etapas em que foram
apresentadas, os equipamentos e os conceitos físicos
envolvidos.
O objetivo da demonstração




 Mostrar que, em nenhuma das três situações, a água
contida nas garrafas cai, como também, por meio dessa
observação, discutir a ação da pressão atmosférica sobre a
superfície livre da água do pires.


 Em todas essas situações esquematizadas, a explicação é
a mesma: a água que está dentro da garrafa não cai por
causa da ação da pressão atmosférica sobre a superfície
livre da água contida no pires.
A  experiência consiste em encher o tubo com água,
tampar a sua abertura superior com o polegar e mostrar
que a água contida no tubo não cai.

 Mostra-se em seguida que, ao destampar e tampar tubo, a
água cai e deixa de cair, o que permite controlar a
quantidade de água que se deseja deixar vazar da pipeta -
esse é o princípio do seu funcionamento.

 Evidencia-se aqui, de novo, a ação da pressão
atmosférica. Com a abertura superior tampada, a pressão
atmosférica atua somente de baixo para cima e impede a
queda da água contida no tubo.

 Destampada   a abertura superior, a pressão do ar passa a
atuar igualmente nas duas extremidades; seu efeito é
equilibrado, e a água cai devido ao seu peso
A explicação é a mesma da pipeta: a água não cai por causa da
ação da pressão atmosférica atuando sobre o papel, de baixo
para cima.

 Mostra-se aqui que a função do papel é servir como película de
apoio para a ação da pressão atmosférica, evitando a penetração
do ar por meio de bolhas, o que se consegue na pipeta pela
limitação da sua abertura inferior.

É importante mostrar aos alunos a forma côncava que o papel
assume, o que evidencia a ação da pressão atmosférica
empurrando a água para dentro do copo.

 Mostra-se  ainda que não é preciso encher completamente o
copo, a pressão atmosférica sustenta o papel mesmo nessa
situação.

 Pode-seassim comparar, neste caso, o equilíbrio de pressões
com o equilíbrio observado na demonstração do bebedouro.
 Constata-se que todos os autores são unânimes em
   defender o uso de atividades experimentais, podendo-
   se destacar dois aspectos fundamentais pelos quais eles
   acreditam na eficiência desta estratégia:

 Capacidade de estimular a participação ativa dos
estudantes, despertando sua curiosidade e interesse
favorecendo assim um efetivo envolvimento com sua
aprendizagem

 Tendência em propiciar a construção de um ambiente
motivador, agradável, estimulante e rico em situações
novas e desafiadoras que, quando bem empregadas,
aumentam a probabilidade de que sejam elaborados
conhecimentos e sejam desenvolvidas habilidades,
atitudes e competências relacionadas ao fazer e entender
a Ciência. (Araújo & Abib, 2003, p. 190-191)

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Pibid demonstrações

Meu desempenho como professor universitário
Meu desempenho como professor universitárioMeu desempenho como professor universitário
Meu desempenho como professor universitárioFlavio Farah
 
Lavoisier na sala de aula
Lavoisier na sala de aulaLavoisier na sala de aula
Lavoisier na sala de aulaSilvanaMuniz7
 
aula-nota-dez.docx
aula-nota-dez.docxaula-nota-dez.docx
aula-nota-dez.docxssuserca8ee1
 
Ciências da natureza
Ciências da naturezaCiências da natureza
Ciências da naturezaalaecioramos
 
Densidade dos líquidos
Densidade dos líquidosDensidade dos líquidos
Densidade dos líquidosMateus Dantas
 
Guiao tarefa trabalho-campo_LEPA
Guiao tarefa trabalho-campo_LEPAGuiao tarefa trabalho-campo_LEPA
Guiao tarefa trabalho-campo_LEPACarolina Gonçalves
 
Métodos de Ensino e Aprendizagem
Métodos de Ensino e AprendizagemMétodos de Ensino e Aprendizagem
Métodos de Ensino e AprendizagemJoao Papelo
 
Ensino de química por meio de atividades
Ensino de química por meio de atividadesEnsino de química por meio de atividades
Ensino de química por meio de atividadesaleciam18
 
Introducao a metodologias ativas e uma visão de TBL - Ronaldo Barbosa
Introducao a metodologias ativas e uma visão de TBL - Ronaldo BarbosaIntroducao a metodologias ativas e uma visão de TBL - Ronaldo Barbosa
Introducao a metodologias ativas e uma visão de TBL - Ronaldo BarbosaRonaldo Barbosa
 
Feirasde cienciasparaqueserveme
Feirasde cienciasparaqueservemeFeirasde cienciasparaqueserveme
Feirasde cienciasparaqueservemeNívia Sales
 
MATERIAL PARA ESTUDO
MATERIAL PARA ESTUDOMATERIAL PARA ESTUDO
MATERIAL PARA ESTUDONívia Sales
 
Apresentação pibid fernanda welter adams
Apresentação pibid fernanda welter adamsApresentação pibid fernanda welter adams
Apresentação pibid fernanda welter adamsSimara Nunes
 

Semelhante a Pibid demonstrações (20)

Meu desempenho como professor universitário
Meu desempenho como professor universitárioMeu desempenho como professor universitário
Meu desempenho como professor universitário
 
Lavoisier na sala de aula
Lavoisier na sala de aulaLavoisier na sala de aula
Lavoisier na sala de aula
 
Feira literária -Arte e Poesia
Feira literária -Arte e PoesiaFeira literária -Arte e Poesia
Feira literária -Arte e Poesia
 
aula-nota-dez.docx
aula-nota-dez.docxaula-nota-dez.docx
aula-nota-dez.docx
 
Ciências da natureza
Ciências da naturezaCiências da natureza
Ciências da natureza
 
Densidade dos líquidos
Densidade dos líquidosDensidade dos líquidos
Densidade dos líquidos
 
Guiao tarefa trabalho-campo_LEPA
Guiao tarefa trabalho-campo_LEPAGuiao tarefa trabalho-campo_LEPA
Guiao tarefa trabalho-campo_LEPA
 
Meu primeiro amigo
Meu primeiro amigoMeu primeiro amigo
Meu primeiro amigo
 
Métodos de Ensino e Aprendizagem
Métodos de Ensino e AprendizagemMétodos de Ensino e Aprendizagem
Métodos de Ensino e Aprendizagem
 
Ensino de química por meio de atividades
Ensino de química por meio de atividadesEnsino de química por meio de atividades
Ensino de química por meio de atividades
 
Doação de livro
Doação de livroDoação de livro
Doação de livro
 
Projeto Ar feira cultural
Projeto Ar feira culturalProjeto Ar feira cultural
Projeto Ar feira cultural
 
Introducao a metodologias ativas e uma visão de TBL - Ronaldo Barbosa
Introducao a metodologias ativas e uma visão de TBL - Ronaldo BarbosaIntroducao a metodologias ativas e uma visão de TBL - Ronaldo Barbosa
Introducao a metodologias ativas e uma visão de TBL - Ronaldo Barbosa
 
Lesson Planning Group 6 pt.pdf
Lesson Planning Group 6 pt.pdfLesson Planning Group 6 pt.pdf
Lesson Planning Group 6 pt.pdf
 
Estudar vale a pena
Estudar vale a penaEstudar vale a pena
Estudar vale a pena
 
Feirasde cienciasparaqueserveme
Feirasde cienciasparaqueservemeFeirasde cienciasparaqueserveme
Feirasde cienciasparaqueserveme
 
MATERIAL PARA ESTUDO
MATERIAL PARA ESTUDOMATERIAL PARA ESTUDO
MATERIAL PARA ESTUDO
 
Tcc versao final word
Tcc versao final wordTcc versao final word
Tcc versao final word
 
Apresentação pibid fernanda welter adams
Apresentação pibid fernanda welter adamsApresentação pibid fernanda welter adams
Apresentação pibid fernanda welter adams
 
Hiperactividade
HiperactividadeHiperactividade
Hiperactividade
 

Mais de pibidbio

Slides apresentação do projeto pibid
Slides apresentação do projeto pibidSlides apresentação do projeto pibid
Slides apresentação do projeto pibidpibidbio
 
Projeto três mártires
Projeto três mártiresProjeto três mártires
Projeto três mártirespibidbio
 
Apresentação projeto pibid
Apresentação projeto pibidApresentação projeto pibid
Apresentação projeto pibidpibidbio
 
Slides projeto
Slides projetoSlides projeto
Slides projetopibidbio
 
Microbiologia democrática
Microbiologia democráticaMicrobiologia democrática
Microbiologia democráticapibidbio
 
Apresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistasApresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistaspibidbio
 
Aprentação artigo 01 dez 2011
Aprentação artigo   01 dez 2011Aprentação artigo   01 dez 2011
Aprentação artigo 01 dez 2011pibidbio
 
Modalidades didáticas
Modalidades didáticasModalidades didáticas
Modalidades didáticaspibidbio
 
Modalidades didáticas
Modalidades didáticasModalidades didáticas
Modalidades didáticaspibidbio
 
Modalidades didáticas estudo de texto
Modalidades didáticas estudo de textoModalidades didáticas estudo de texto
Modalidades didáticas estudo de textopibidbio
 
Modalidade didática
Modalidade didáticaModalidade didática
Modalidade didáticapibidbio
 
Discussão
DiscussãoDiscussão
Discussãopibidbio
 
Apresentação excursões
Apresentação excursõesApresentação excursões
Apresentação excursõespibidbio
 
Apresentação modalidade didática - 13 dez 2011
Apresentação   modalidade didática - 13 dez 2011Apresentação   modalidade didática - 13 dez 2011
Apresentação modalidade didática - 13 dez 2011pibidbio
 
O diálogo entre ciência e arte
O diálogo entre ciência e arteO diálogo entre ciência e arte
O diálogo entre ciência e artepibidbio
 
Ensino não formal no campo das ciências através dos quadrinhos
Ensino não formal no campo das ciências através dos quadrinhosEnsino não formal no campo das ciências através dos quadrinhos
Ensino não formal no campo das ciências através dos quadrinhospibidbio
 
Aprendendo com imagens
Aprendendo com imagensAprendendo com imagens
Aprendendo com imagenspibidbio
 

Mais de pibidbio (20)

Slides apresentação do projeto pibid
Slides apresentação do projeto pibidSlides apresentação do projeto pibid
Slides apresentação do projeto pibid
 
Projeto três mártires
Projeto três mártiresProjeto três mártires
Projeto três mártires
 
Apresentação projeto pibid
Apresentação projeto pibidApresentação projeto pibid
Apresentação projeto pibid
 
Slides projeto
Slides projetoSlides projeto
Slides projeto
 
Microbiologia democrática
Microbiologia democráticaMicrobiologia democrática
Microbiologia democrática
 
Cesar
CesarCesar
Cesar
 
Apresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistasApresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistas
 
Pibid
PibidPibid
Pibid
 
Aprentação artigo 01 dez 2011
Aprentação artigo   01 dez 2011Aprentação artigo   01 dez 2011
Aprentação artigo 01 dez 2011
 
Modalidades didáticas
Modalidades didáticasModalidades didáticas
Modalidades didáticas
 
Pibid
PibidPibid
Pibid
 
Modalidades didáticas
Modalidades didáticasModalidades didáticas
Modalidades didáticas
 
Modalidades didáticas estudo de texto
Modalidades didáticas estudo de textoModalidades didáticas estudo de texto
Modalidades didáticas estudo de texto
 
Modalidade didática
Modalidade didáticaModalidade didática
Modalidade didática
 
Discussão
DiscussãoDiscussão
Discussão
 
Apresentação excursões
Apresentação excursõesApresentação excursões
Apresentação excursões
 
Apresentação modalidade didática - 13 dez 2011
Apresentação   modalidade didática - 13 dez 2011Apresentação   modalidade didática - 13 dez 2011
Apresentação modalidade didática - 13 dez 2011
 
O diálogo entre ciência e arte
O diálogo entre ciência e arteO diálogo entre ciência e arte
O diálogo entre ciência e arte
 
Ensino não formal no campo das ciências através dos quadrinhos
Ensino não formal no campo das ciências através dos quadrinhosEnsino não formal no campo das ciências através dos quadrinhos
Ensino não formal no campo das ciências através dos quadrinhos
 
Aprendendo com imagens
Aprendendo com imagensAprendendo com imagens
Aprendendo com imagens
 

Pibid demonstrações

  • 2.
  • 3. As aulas de demonstrações em biologia servem, principalmente, para apresentar à classe técnicas, fenômenos e espécimes…  A utilização de demosntrações é justificada em casos em que o professor deseja economizar tempo, ou não dispõe de material em quantidade suficiente para toda turma.  Em alguns casos também serve para que todos os alunos vejam o mesmo fenômeno simultaneamente como ponto de partida comum para uma aula expositiva.
  • 4.
  • 5. O material em apresentação deve estar visível para todos os estudantes; Paranão distrair a atenção dos alunos, o material em demonstração deve ser simples; O professor deve ser claro, falar alto e entusiasticamente, mostrando o que deseja passo a passo, repetindo tantas vezes quanto forem necessárias para que todos possam acompanhar seu procedimento;
  • 6. A modalidade didática Demonstração tem por objetivo:  Propiciar a articulação da prática com o conhecimento teórico;  Aprofundar e consolidar conhecimentos; confirmar explicações orais e escritas, tornando-as mais reais e concretas;  lustrar o que foi exposto, discutindo ou lido; estimular a criticidade e a criatividade;  Propor alternativas para resolver problemas;
  • 7. As aulas demonstrativas são um importante recurso, entretanto, é preciso à participação do aluno e não apenas tê-lo como observador passivo.
  • 8. As atividades experimentais de demonstração em sala de aula, tanto quanto as atividades tradicionais de laboratório realizadas por grupos de alunos com orientação do professor, apresentam dificuldades comuns para a sua realização, desde a falta de equipamentos até a inexistência de orientação pedagógica adequada.
  • 9. No entanto, alguns fatores parecem favorecer a demonstração experimental: A possibilidade de ser realizada comum único equipamento para todos os alunos, sem a necessidade de uma sala de laboratório específica;  A possibilidade de ser utilizada em meio à apresentação teórica, sem quebra de continuidade da abordagem conceitual que está sendo trabalhada e, talvez o fator mais importante, a motivação ou interesse que desperta e que pode predispor os alunos para a aprendizagem;
  • 10.
  • 11. Demonstrações abordando conteúdos de Física:  Aos alunos do primeiro ano do Ensino Médio apresentamos um conjunto de três etapas. Na experiência I- explorando o conceito de pressão atmosférica, embora não tivessem estudado o assunto naquele ano letivo.  Paraos alunos do terceiro ano do Ensino Médio, que estavam iniciando o estudo da óptica geométrica, apresentamos também três etapas de demonstrações experimentais sobre espelhos planos e curvos;
  • 12. INTRODUÇÃO DA DEMONSTRAÇÃO  Na experiência I, ao iniciar a atividade, procuramos saber dos alunos o que eles esperavam com a demonstração, haja vista que, apesar de não terem estudado nada sobre pressão atmosférica naquele ano letivo, já haviam discutido sobre este conteúdo em outras séries do Ensino Fundamental.  Parafacilitar a observação dos alunos, apresentamos uma pergunta diretamente relacionada com a demonstração. Assim, nessas etapas, apresentamos primeiramente a demonstração e questionamos apenas o que estavam observando de interessante
  • 13. DESENVOLVIMENTO DA DEMONSTRAÇÃO: Procuramos reunir as respostas e idéias apresentadas pelos alunos no quadro-negro. Nossa intenção foi tornar claras para os estudantes suas próprias concepções acerca do fenômeno a ser estudado;  Observamos que os alunos tiveram muita dificuldade para apresentar suas idéias de uma maneira organizada, sistematizada dentro de qualquer contexto explicativo.  Mesmo inseguros sobre a explicação que poderiam dar, muitos se animaram a expor suas idéias, provavelmente motivados pelo que veriam em seguida. Os alunos apresentaram explicações espontâneas, desvinculadas de qualquer modelo teórico, apresentadas pelo interesse de acertar a explicação do que viam, ou de adivinhar o que iriam ver
  • 14. 1ª Etapa: O BEBEDOURO Esta demonstração experimental foi realizada com duas garrafas com água (de 1 litro e de 2 litros), pires e copo de vidro, utilizados nas três situações representadas na figura 1: Esquema de atuação da pressão do ar sobre a água nos bebedouros
  • 15. 2ª Etapa: A PIPETA Esta demonstração experimental pode ser realizada com uma pipeta, dispositivo comum em laboratórios de química ou, como fizemos, com um tubinho de PVC flexível, transparente, de diâmetro menor que 5 mm, aproximadamente, para evitar a formação de bolhas de ar e a conseqüente queda da água.
  • 16. 3ª Etapa: TAMPANDO A ÁGUA COM PAPEL Nesta experiência utilizamos um copo com água e uma folha de papel. A experiência consiste em encher o copo com água e tampá-lo com a folha de papel, vedando a boca do copo. Com o apoio de uma das mãos, giramos o copo de cabeça para baixo e soltamos a mão. Observa-se que a água não cai, sustentada pela folha de papel. A água do copo tapado pelo papel não cai.
  • 17. Explicação da demonstração  Nofinal das atividades, apresentamos aos alunos o modelo científico capaz de explicar a demonstração e, sempre que possível, retomamos as idéias propostas previamente pelos alunos comparando-as com o modelo científico.  As experiências de demonstração apresentadas A seguir, descrevemos sucintamente as demonstrações experimentais 1 nas etapas em que foram apresentadas, os equipamentos e os conceitos físicos envolvidos.
  • 18. O objetivo da demonstração  Mostrar que, em nenhuma das três situações, a água contida nas garrafas cai, como também, por meio dessa observação, discutir a ação da pressão atmosférica sobre a superfície livre da água do pires.  Em todas essas situações esquematizadas, a explicação é a mesma: a água que está dentro da garrafa não cai por causa da ação da pressão atmosférica sobre a superfície livre da água contida no pires.
  • 19. A experiência consiste em encher o tubo com água, tampar a sua abertura superior com o polegar e mostrar que a água contida no tubo não cai.  Mostra-se em seguida que, ao destampar e tampar tubo, a água cai e deixa de cair, o que permite controlar a quantidade de água que se deseja deixar vazar da pipeta - esse é o princípio do seu funcionamento.  Evidencia-se aqui, de novo, a ação da pressão atmosférica. Com a abertura superior tampada, a pressão atmosférica atua somente de baixo para cima e impede a queda da água contida no tubo.  Destampada a abertura superior, a pressão do ar passa a atuar igualmente nas duas extremidades; seu efeito é equilibrado, e a água cai devido ao seu peso
  • 20. A explicação é a mesma da pipeta: a água não cai por causa da ação da pressão atmosférica atuando sobre o papel, de baixo para cima.  Mostra-se aqui que a função do papel é servir como película de apoio para a ação da pressão atmosférica, evitando a penetração do ar por meio de bolhas, o que se consegue na pipeta pela limitação da sua abertura inferior. É importante mostrar aos alunos a forma côncava que o papel assume, o que evidencia a ação da pressão atmosférica empurrando a água para dentro do copo.  Mostra-se ainda que não é preciso encher completamente o copo, a pressão atmosférica sustenta o papel mesmo nessa situação.  Pode-seassim comparar, neste caso, o equilíbrio de pressões com o equilíbrio observado na demonstração do bebedouro.
  • 21.
  • 22.  Constata-se que todos os autores são unânimes em defender o uso de atividades experimentais, podendo- se destacar dois aspectos fundamentais pelos quais eles acreditam na eficiência desta estratégia:  Capacidade de estimular a participação ativa dos estudantes, despertando sua curiosidade e interesse favorecendo assim um efetivo envolvimento com sua aprendizagem  Tendência em propiciar a construção de um ambiente motivador, agradável, estimulante e rico em situações novas e desafiadoras que, quando bem empregadas, aumentam a probabilidade de que sejam elaborados conhecimentos e sejam desenvolvidas habilidades, atitudes e competências relacionadas ao fazer e entender a Ciência. (Araújo & Abib, 2003, p. 190-191)