SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
E D U C A Ç Ã O N Ã O - F O R M A L /A R T I G O S

O DIÁLOGO ENTRE                                                                     A idéia, então, foi trazer o artista para perto do fazer científico, para
CIÊNCIA E ARTE                                                                      d e n t rodo laboratório, fazendo desse espaço tão distante do faze r
                                                                                    artístico mais uma fonte de inspiração. Assim, quem sabe, podería-
                                                                                    mos utilizar a mesma linguagem que a obscureceu para mostrar a
                                                                                    ciência como mais uma das atividades do homem, tão bela ou apa-
Diucênio Rangel                                                                     vorante quanto qualquer outra, e sem a qual nossa sobrevivência se




V
                                                                                    tornaria bem mais difícil.
                    ários autores, revistos por Turney (1), acreditam que           O artista precisa conhecer o tema sobre o qual vai executar sua obra.
                    o romance Frankenstein, de Mary Shelley, foi funda-             Poucas são, porém, as manifestações artísticas que se dedicam, por
                    mental no estabelecimento de uma visão negativa da              exemplo, a interpretar as formas dos transportadores de membrana
                    ciência, mostrando pela primeira vez a imagem do                mitocondrial ou o “canto do cisne na apoptose celular”. Mas... e se
                    cientista tomado pela paixão e pela loucura, “crian-            o artista convivesse com o cientista no laboratório, se visse os expe-
do” um monstro que foge ao seu controle e ameaça a sociedade.                       rimentos e a carga emocional que despertam no pesquisador, se con-
Su rgia o “cientista louco” e a ciência como um instrumento perigoso                versassem diariamente sobre seus trabalhos, sobre bobagens... como
e incontrolável.                                                                    cinema, proteínas e a novela? Será que a ciência seria interpretada e
Segundo Wolpert, “foi Mary Shelley quem criou o monstro de                          mostrada de outra forma? Pois bem, desde então, esse convívio tem
Frankenstein, não foi a ciência; mas sua imagem é tão poderosa que                  sido pro d u t i vo. Publicamos dois livros em quadrinhos: O método
alimentou medos sobre a engenharia genética que dificilmente se-                    científico, atualmente na terceira edição, e A respiração e a Primeira
rão re m ov i d o s”(2).                                                            Lei da Termodinâmica ou... A alma da matéria, já na segunda edição
Particularmente sempre gostei da imagem de Frankenstein. Não                        (4). A abordagem do primeiro álbum, utilizando o método cientí-
poderia imaginar, acredito que igual a muitas pessoas, que para os                  fico como tema e enfatizando a sua importância para o avanço do
cientistas aquela alegoria seria tão nefasta. Hoje entendo o porquê.                conhecimento, derivou da constatação de que alunos de iniciação
Desde 1988, o Instituto de Bioquímica Médica da UFRJ vem desen-                     científica e pós-graduandos não sabiam o que era o método cientí-
vo l vendo diversas iniciativas educacionais dirigidas a pro f e s s o res e        fico, num levantamento realizado com 50 estudantes. Baseado nesse
alunos do ensino fundamental e médio. Essas atividades e os proje-                  levantamento, o primeiro álbum foi planejado com a pretensão não
tos de pesquisa em educação a elas associados deram origem ao                       só de contar a história da evolução do conhecimento até os experi-
Núcleo de Educação em Ciência e, posteriormente, ao Programa de                     mentalistas e a descrição do método por Descartes mas, também, a
Educação, Difusão e Gestão em Biociências da pós-graduação em                       de enfatizar o impacto que a nova filosofia causou na sociedade. O
química biológica. Em 1995 fui apresentado ao professor Leopoldo                    objetivo principal foi contar esta história de forma agradável e
de Meis. Acabara de me formar em gravura pela Escola de Belas Artes                 atraente, evitando entediar o leitor.
da UFRJ e fui indicado por uma professora de pintura chamada Lur-                   A experiência com o primeiro álbum serviu de estímulo e mostrou
des Barreto, amiga em comum. O Núcleo de Educação em Ciência                        que era possível tratar um tema acadêmico com a linguagem das gra-
iniciava uma nova linha de trabalho que visava à confecção de livros                phic nove l s. Decidiu-se, então, iniciar um segundo álbum, com o
ilustrados contando episódios da ciência, unindo artistas e cientis-                apoio da Academia Brasileira de Ciências. Dessa vez, escolhemos
tas. Aceitei a proposta e sugeri que fizéssemos quadrinhos, área que                um tema bastante amplo, a Primeira Lei da Termodinâmica. Esse
domino, o que tornaria mais fácil desenvolver o projeto.                            álbum contém capítulos que abordam diversos tópicos de destaque
O livro de Ma ry Shelley é considerado o primeiro livro de ficção                   na história da bioquímica, desde as primeiras noções sobre a compo-
científica, mas o tratamento dado à figura dos cientistas nas obras de              sição da matéria viva até a descoberta da interconversão da energia,
ficção científica que o sucederam, não melhora a imagem do cien-                    passando pela alquimia e sua associação com o empirismo e o
tista. Quando foi feito um estudo em que se pediu que crianças, ado-                mágico, e o surgimento e queda da teoria do flogístico. Tal como no
lescentes e adultos definissem um cientista, utilizando a linguagem                 caso de O método científico, ele inicia e termina com imagens enfo-
não-verbal do desenho, a imagem que apareceu com enorme fre-                        cando o lado não materialista da ciência. São imagens oníricas que
qüência, foi negativa. Lá estava o cientista com olhos esbugalhados                 buscam seduzir o leitor para a ciência. O objetivo do álbum foi bem
e cara de louco, cabelos desgrenhados, raios e trovões em seus tubos                caracterizado pelo artista plástico Marcos Varela, professor da escola
de ensaio. De maneira semelhante, em outro estudo, uma propor-                      de Belas Artes, mestre em antropologia da arte:
ção considerável de estudantes universitários manifestou-se negati-                 “As imagens, ora oníricas na abertura de capítulos, ora objetivas quando
vamente com relação à ciência e aos cientistas (3). Essa visão estereo-             ilustram experimentos, facilitam a compreensão destas noções científi-
tipada do cientista é difundida em diversos meios de comunicação                    cas surgidas ao longo da história humana”.
muito poderosos (cinema, quadrinhos, desenhos animados, televi-                      Nenhum dos álbuns publicados foi comercializado por livrarias ou
são) e contribui para dificultar o entendimento do que seja ciência e               bancas de jornal. A metade da primeira edição de O método cientí-
qual a sua importância na vida da sociedade. Sob o ponto de vista da                fico foi transferida à Fapesp pela Academia Brasileira de Ciências
política, torna-se difícil esperar um suporte à ciência por parte da                que, por sua vez, os distribuiu para escolas e centros universitários.
sociedade se esta tem uma visão distorcida da profissão.                            Freqüentemente, os livros são enviados, a preço de custo, para pro-

                                                                               36
E D U C A Ç Ã O N Ã O - F O R M A L /A R T I G O S

fessores de diversas regiões do país, que os solicitam via correio ele- p a rte por uma platéia das mais diversas idades, cuja formação não
trônico. A maior parte dos exemplares dos álbuns publicados foi dis-    temos a mínima idéia.
tribuída gratuitamente a:                                               Foram, também, produzidos dois vídeos: A mitocôndria em três atos,
   Alunos e pro f e s s o res de escolas que freqüentaram os cursos de  que mostra o funcionamento dessa organela celular, e A explosão do
férias do programa de educação em ciências do De p a rtamento de        saber, que fala sobre as dificuldades advindas do aumento do conhe-
Bioquímica Médica, ICB/UFRJ, hoje, IBqM.                                cimento nos últimos duzentos anos. Estamos finalizando um ter-
   Salas de leitura de escolas públicas de São Paulo (Campinas, Soro-   ceiro vídeo, A contração muscular, e um terceiro livro em quadrinhos
caba, Piracicaba), Rio Grande do Sul (Porto Alegre, Pelotas, Caxias     contando a história das vacinas. Nos vídeos buscamos utilizar as
do Sul, Santa Maria), Minas Gerais (Belo Horizonte) e Bahia (Sal-       imagens e os sons para cativar o espectador e emocioná-lo, tornando
vador). Nestes casos, os livros foram solicitados por pró-reitores de   os temas abordados mais divertidos e de fácil assimilação. São utili-
universidades federais que, por sua vez, os distribuíam entre as esco-  zados programas de animação 3D, modelagem e edição de som e
las públicas da região.                                                 imagem. Cada vídeo tem uma duração aproximada de 25 minutos,
   C o o rdenadorias regionais de ensino do município do Rio de         tendo sido planejados e confeccionados em nosso laboratório. A
Ja n e i ro, que se encarregaram de distribuir nas salas de leitura das criação das imagens foi sempre acompanhada de perto por especia-
escolas públicas.                                                       listas dos assuntos tratados, visando sempre ter como produto final
Montamos, também, uma peça teatral baseada em livros e artigos de       a informação correta transmitida de forma lúdica.
Leopoldo de Meis (5): O método científico. A primeira iniciativa de     Quando convidado a ilustrar uma cena de livro ou uma história em
encenar a peça surgiu nos cursos de férias que, regularmente, o         quadrinhos, o ilustrador precisa conhecer o assunto a ser tratado, às
IBqM oferece para alunos e professores de ensino médio. Tradicio-       vezes com detalhes que normalmente escapariam a percepção de
nalmente, a última atividade do curso costuma ser uma palestra          quem só imagina a cena. Se for alguma imagem que retrate uma
apresentada por um cientista ou educador de                                                    época específica, ou um personagem histórico, o
renome nacional. Em 1999, não foi possível contar                                              ilustrador parte para a pesquisa em livros, fotos, fil-
com a presença do conferencista. Decidimos,                EM SUA ÉPOCA,                       mes que retratem a época, qualquer referência que
então, encerrar o curso com uma palestra, mas                                                  dê credibilidade a seu trabalho final. Nossos livros
                                                           MARY SHELLEY
substituindo a projeção de slides e transparências                                             exigiram esse tipo de pesquisa.
por cenas interpretadas pelos estudantes de pós-               CRIOU UMA                       Em sua época, Ma ry Shelley criou uma ótima his-
graduação e iniciação científica, monitores do ÓTIMA HISTÓRIA, tória, porém distante do que é a ciência. Ho j e ,
c u r s o. A proposta foi aceita por todos e coube a               PORÉM                       podemos usar a linguagem áudio visual para con-
mim a tarefa de montar cenários e planejar as cenas          DISTANTE DO                       quistar o público e mostrar a ciência desmistifi-
junto com Leopoldo de Meis, no curto prazo de
                                                           QUE É A CIÊNCIA cada, como uma atividade humana, portanto pas-
duas semanas. A partir do primeiro ensaio, estabe-                                             sível das paixões que toda atividade humana traz
leceu-se um clima que favo recia a interação entre                                             c o n s i g o.Ainda bem!
todos os membros do grupo, que participaram ati-
vamente, sugerindo e argumentando sobre a melhor forma de trans-        Diucênio Rangel é doutor em química biológica, área de concentração em educação, gestão e
mitir para o público os conceitos que se desejava dramatizar em cada    difusão em ciência, pelo Instituto de Bioquímica Médica, ICB/UFRJ.
cena. Os resultados da primeira apresentação foram encorajadores.
Com essa primeira experiência, formou-se um grupo de trabalho           NOTAS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
com a proposta de aprimorar aquela apresentação para que pudesse
ser apresentada em qualquer espaço com o objetivo de divulgar a         1. Turney, J. Frankenstein’s footsteps. Science, genetics and popular cul-
ciência. Sob o ponto de vista da didática, a peça apresenta uma breve        ture. New Haven and London: Yale University Press. 1998.
história da evolução do saber, desde o homem das cavernas até os        2. Wolpert, L. The unnatural nature of science. London: Farber and Far-
dias atuais. Em diversas cenas, procura-se desmitificar os estereóti-        ber. 1993.
pos populares de que “os cientistas são seres eminentemente lógicos     3. de Meis L. et al. “The stereotyped image of the scientist among stu-
e desumanos” (6).                                                            d e nts of diffe rent co u nt r i es. Evoking the alchemist?” Biochemical
A dramatização, com duração de pouco mais de uma hora, visa                  Education: 21, 75-81, 1993-b.
atingir um público eclético, de qualquer idade e nível educacional.     4. O método científi co, publicado em 1997 com apoio da Academia Bra s i-
Essa peça passou a integrar o programa dos cursos de férias e, graças        leira de Ciências e do Co n selho Nacional de Desenvolvimento Científico
à divulgação feita por pessoas da platéia, passamos a receber dive r-        e Tecnológico(CNPq); A respiração e a 1ª Lei da Termodinâmicaou... A
sos convites para apresentá-la, de início no próprio estado, e poste-        almada matéria,publicado com o apoioda Academia Brasileira de Ciên-
riormente em outros estados do Brasil, como São Paulo, Rio                   cias. Podem ser requisitados pelo e-mail demeis@bioqmed.ufrj.br
Grande do Sul, Espírito Santo, Bahia e Minas Gerais. Em 28 apre-        5. de Meis, L. O perfil da ciência brasileira. Rio de Janeiro: UFRJ. 1996.
sentações a peça foi vista por cerca de oito mil pessoas, num público   6. de Meis, L. Ciência e educação – O conflito humano-tecnológico. Rio
composto por estudantes de ensino médio, universitário e uma boa             de Janeiro: Graftex Editora, 1998.


                                                                               37

Mais conteúdo relacionado

Destaque

product.ppt
product.pptproduct.ppt
product.pptcmalixi
 
Triptico en aleman
Triptico en alemanTriptico en aleman
Triptico en alemancitraruni
 
Planilha ensino medio
Planilha ensino medioPlanilha ensino medio
Planilha ensino medioLinna Braga
 
Lição 11 – o dia de adoração e serviço a deus
Lição 11  – o dia de adoração e serviço a deusLição 11  – o dia de adoração e serviço a deus
Lição 11 – o dia de adoração e serviço a deusestevao01
 
Resistance soldering
Resistance solderingResistance soldering
Resistance solderingsmislov
 
Cartaz ati.janeiro 6º ano
Cartaz ati.janeiro 6º anoCartaz ati.janeiro 6º ano
Cartaz ati.janeiro 6º anobibdjosei2006
 

Destaque (11)

012 - Chancen für Akademiker im Ausland.pdf
012 - Chancen für Akademiker im Ausland.pdf012 - Chancen für Akademiker im Ausland.pdf
012 - Chancen für Akademiker im Ausland.pdf
 
product.ppt
product.pptproduct.ppt
product.ppt
 
Triptico en aleman
Triptico en alemanTriptico en aleman
Triptico en aleman
 
Subido
SubidoSubido
Subido
 
Planilha ensino medio
Planilha ensino medioPlanilha ensino medio
Planilha ensino medio
 
Ind. 2511
Ind. 2511Ind. 2511
Ind. 2511
 
Lição 11 – o dia de adoração e serviço a deus
Lição 11  – o dia de adoração e serviço a deusLição 11  – o dia de adoração e serviço a deus
Lição 11 – o dia de adoração e serviço a deus
 
Resistance soldering
Resistance solderingResistance soldering
Resistance soldering
 
Catequese 3 fradelos
Catequese 3 fradelosCatequese 3 fradelos
Catequese 3 fradelos
 
Diariooficial2
Diariooficial2Diariooficial2
Diariooficial2
 
Cartaz ati.janeiro 6º ano
Cartaz ati.janeiro 6º anoCartaz ati.janeiro 6º ano
Cartaz ati.janeiro 6º ano
 

Semelhante a Diálogo entre ciência e arte através de quadrinhos e vídeos

História em quadrinhos
História em quadrinhosHistória em quadrinhos
História em quadrinhosntebrusque
 
181213historiaemquadrinhos
181213historiaemquadrinhos181213historiaemquadrinhos
181213historiaemquadrinhosLailsa Li
 
Artigo filme alexandria revisado
Artigo filme alexandria revisadoArtigo filme alexandria revisado
Artigo filme alexandria revisadoMaria Elba Soares
 
Caderno 4 emerson
Caderno 4   emersonCaderno 4   emerson
Caderno 4 emersonLia Araújo
 
O F U T U R O D A H U M A N I D A D E Augustio Cury
O  F U T U R O  D A  H U M A N I D A D E    Augustio  CuryO  F U T U R O  D A  H U M A N I D A D E    Augustio  Cury
O F U T U R O D A H U M A N I D A D E Augustio CurySamia Monteiro
 
O que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
O que é divulgação científica? - Henrique César da SilvaO que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
O que é divulgação científica? - Henrique César da SilvaCleberson Moura
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologiaAUR100
 
Aprender Antropologia - François Laplantine
Aprender Antropologia - François LaplantineAprender Antropologia - François Laplantine
Aprender Antropologia - François LaplantineJéssika Pereira
 
Reflexões sobre gesto etnográfico
Reflexões sobre gesto etnográficoReflexões sobre gesto etnográfico
Reflexões sobre gesto etnográficoJairo Gomes
 
RPC inovando com o uso de celulares em reportagens p. 57-62
RPC inovando com o uso de celulares em reportagens p. 57-62RPC inovando com o uso de celulares em reportagens p. 57-62
RPC inovando com o uso de celulares em reportagens p. 57-62Michel Itakura
 
Progr.radio in progress
Progr.radio in progressProgr.radio in progress
Progr.radio in progressfilipassis
 

Semelhante a Diálogo entre ciência e arte através de quadrinhos e vídeos (20)

Pibid
PibidPibid
Pibid
 
História em quadrinhos
História em quadrinhosHistória em quadrinhos
História em quadrinhos
 
181213historiaemquadrinhos
181213historiaemquadrinhos181213historiaemquadrinhos
181213historiaemquadrinhos
 
181213historiaemquadrinhos
181213historiaemquadrinhos181213historiaemquadrinhos
181213historiaemquadrinhos
 
Artigo filme alexandria revisado
Artigo filme alexandria revisadoArtigo filme alexandria revisado
Artigo filme alexandria revisado
 
Caderno 4 emerson
Caderno 4   emersonCaderno 4   emerson
Caderno 4 emerson
 
Fisica e arte
Fisica e arteFisica e arte
Fisica e arte
 
O F U T U R O D A H U M A N I D A D E Augustio Cury
O  F U T U R O  D A  H U M A N I D A D E    Augustio  CuryO  F U T U R O  D A  H U M A N I D A D E    Augustio  Cury
O F U T U R O D A H U M A N I D A D E Augustio Cury
 
O que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
O que é divulgação científica? - Henrique César da SilvaO que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
O que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
 
39 319-1-pb (1)
39 319-1-pb (1)39 319-1-pb (1)
39 319-1-pb (1)
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
 
Aprender antropologia (françois laplantine)
Aprender antropologia (françois laplantine)Aprender antropologia (françois laplantine)
Aprender antropologia (françois laplantine)
 
Almost over
Almost overAlmost over
Almost over
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
 
Aprender Antropologia - François Laplantine
Aprender Antropologia - François LaplantineAprender Antropologia - François Laplantine
Aprender Antropologia - François Laplantine
 
Reflexões sobre gesto etnográfico
Reflexões sobre gesto etnográficoReflexões sobre gesto etnográfico
Reflexões sobre gesto etnográfico
 
RPC inovando com o uso de celulares em reportagens p. 57-62
RPC inovando com o uso de celulares em reportagens p. 57-62RPC inovando com o uso de celulares em reportagens p. 57-62
RPC inovando com o uso de celulares em reportagens p. 57-62
 
clifford.ppt
clifford.pptclifford.ppt
clifford.ppt
 
Francis Bacon
Francis BaconFrancis Bacon
Francis Bacon
 
Progr.radio in progress
Progr.radio in progressProgr.radio in progress
Progr.radio in progress
 

Mais de pibidbio

Slides apresentação do projeto pibid
Slides apresentação do projeto pibidSlides apresentação do projeto pibid
Slides apresentação do projeto pibidpibidbio
 
Projeto três mártires
Projeto três mártiresProjeto três mártires
Projeto três mártirespibidbio
 
Apresentação projeto pibid
Apresentação projeto pibidApresentação projeto pibid
Apresentação projeto pibidpibidbio
 
Slides projeto
Slides projetoSlides projeto
Slides projetopibidbio
 
Microbiologia democrática
Microbiologia democráticaMicrobiologia democrática
Microbiologia democráticapibidbio
 
Apresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistasApresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistaspibidbio
 
Aprentação artigo 01 dez 2011
Aprentação artigo   01 dez 2011Aprentação artigo   01 dez 2011
Aprentação artigo 01 dez 2011pibidbio
 
Modalidades didáticas
Modalidades didáticasModalidades didáticas
Modalidades didáticaspibidbio
 
Pibid demonstrações
Pibid demonstraçõesPibid demonstrações
Pibid demonstraçõespibidbio
 
Modalidades didáticas
Modalidades didáticasModalidades didáticas
Modalidades didáticaspibidbio
 
Modalidades didáticas estudo de texto
Modalidades didáticas estudo de textoModalidades didáticas estudo de texto
Modalidades didáticas estudo de textopibidbio
 
Modalidade didática
Modalidade didáticaModalidade didática
Modalidade didáticapibidbio
 
Discussão
DiscussãoDiscussão
Discussãopibidbio
 
Apresentação excursões
Apresentação excursõesApresentação excursões
Apresentação excursõespibidbio
 
Apresentação modalidade didática - 13 dez 2011
Apresentação   modalidade didática - 13 dez 2011Apresentação   modalidade didática - 13 dez 2011
Apresentação modalidade didática - 13 dez 2011pibidbio
 
Ensino não formal no campo das ciências através dos quadrinhos
Ensino não formal no campo das ciências através dos quadrinhosEnsino não formal no campo das ciências através dos quadrinhos
Ensino não formal no campo das ciências através dos quadrinhospibidbio
 
Aprendendo com imagens
Aprendendo com imagensAprendendo com imagens
Aprendendo com imagenspibidbio
 
Aprendizagem significativa, sob o enfoque da psicologia
Aprendizagem significativa, sob o enfoque da psicologiaAprendizagem significativa, sob o enfoque da psicologia
Aprendizagem significativa, sob o enfoque da psicologiapibidbio
 

Mais de pibidbio (20)

Slides apresentação do projeto pibid
Slides apresentação do projeto pibidSlides apresentação do projeto pibid
Slides apresentação do projeto pibid
 
Projeto três mártires
Projeto três mártiresProjeto três mártires
Projeto três mártires
 
Apresentação projeto pibid
Apresentação projeto pibidApresentação projeto pibid
Apresentação projeto pibid
 
Slides projeto
Slides projetoSlides projeto
Slides projeto
 
Microbiologia democrática
Microbiologia democráticaMicrobiologia democrática
Microbiologia democrática
 
Cesar
CesarCesar
Cesar
 
Apresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistasApresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistas
 
Aprentação artigo 01 dez 2011
Aprentação artigo   01 dez 2011Aprentação artigo   01 dez 2011
Aprentação artigo 01 dez 2011
 
Modalidades didáticas
Modalidades didáticasModalidades didáticas
Modalidades didáticas
 
Pibid
PibidPibid
Pibid
 
Pibid demonstrações
Pibid demonstraçõesPibid demonstrações
Pibid demonstrações
 
Modalidades didáticas
Modalidades didáticasModalidades didáticas
Modalidades didáticas
 
Modalidades didáticas estudo de texto
Modalidades didáticas estudo de textoModalidades didáticas estudo de texto
Modalidades didáticas estudo de texto
 
Modalidade didática
Modalidade didáticaModalidade didática
Modalidade didática
 
Discussão
DiscussãoDiscussão
Discussão
 
Apresentação excursões
Apresentação excursõesApresentação excursões
Apresentação excursões
 
Apresentação modalidade didática - 13 dez 2011
Apresentação   modalidade didática - 13 dez 2011Apresentação   modalidade didática - 13 dez 2011
Apresentação modalidade didática - 13 dez 2011
 
Ensino não formal no campo das ciências através dos quadrinhos
Ensino não formal no campo das ciências através dos quadrinhosEnsino não formal no campo das ciências através dos quadrinhos
Ensino não formal no campo das ciências através dos quadrinhos
 
Aprendendo com imagens
Aprendendo com imagensAprendendo com imagens
Aprendendo com imagens
 
Aprendizagem significativa, sob o enfoque da psicologia
Aprendizagem significativa, sob o enfoque da psicologiaAprendizagem significativa, sob o enfoque da psicologia
Aprendizagem significativa, sob o enfoque da psicologia
 

Último

Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 

Último (20)

Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 

Diálogo entre ciência e arte através de quadrinhos e vídeos

  • 1. E D U C A Ç Ã O N Ã O - F O R M A L /A R T I G O S O DIÁLOGO ENTRE A idéia, então, foi trazer o artista para perto do fazer científico, para CIÊNCIA E ARTE d e n t rodo laboratório, fazendo desse espaço tão distante do faze r artístico mais uma fonte de inspiração. Assim, quem sabe, podería- mos utilizar a mesma linguagem que a obscureceu para mostrar a ciência como mais uma das atividades do homem, tão bela ou apa- Diucênio Rangel vorante quanto qualquer outra, e sem a qual nossa sobrevivência se V tornaria bem mais difícil. ários autores, revistos por Turney (1), acreditam que O artista precisa conhecer o tema sobre o qual vai executar sua obra. o romance Frankenstein, de Mary Shelley, foi funda- Poucas são, porém, as manifestações artísticas que se dedicam, por mental no estabelecimento de uma visão negativa da exemplo, a interpretar as formas dos transportadores de membrana ciência, mostrando pela primeira vez a imagem do mitocondrial ou o “canto do cisne na apoptose celular”. Mas... e se cientista tomado pela paixão e pela loucura, “crian- o artista convivesse com o cientista no laboratório, se visse os expe- do” um monstro que foge ao seu controle e ameaça a sociedade. rimentos e a carga emocional que despertam no pesquisador, se con- Su rgia o “cientista louco” e a ciência como um instrumento perigoso versassem diariamente sobre seus trabalhos, sobre bobagens... como e incontrolável. cinema, proteínas e a novela? Será que a ciência seria interpretada e Segundo Wolpert, “foi Mary Shelley quem criou o monstro de mostrada de outra forma? Pois bem, desde então, esse convívio tem Frankenstein, não foi a ciência; mas sua imagem é tão poderosa que sido pro d u t i vo. Publicamos dois livros em quadrinhos: O método alimentou medos sobre a engenharia genética que dificilmente se- científico, atualmente na terceira edição, e A respiração e a Primeira rão re m ov i d o s”(2). Lei da Termodinâmica ou... A alma da matéria, já na segunda edição Particularmente sempre gostei da imagem de Frankenstein. Não (4). A abordagem do primeiro álbum, utilizando o método cientí- poderia imaginar, acredito que igual a muitas pessoas, que para os fico como tema e enfatizando a sua importância para o avanço do cientistas aquela alegoria seria tão nefasta. Hoje entendo o porquê. conhecimento, derivou da constatação de que alunos de iniciação Desde 1988, o Instituto de Bioquímica Médica da UFRJ vem desen- científica e pós-graduandos não sabiam o que era o método cientí- vo l vendo diversas iniciativas educacionais dirigidas a pro f e s s o res e fico, num levantamento realizado com 50 estudantes. Baseado nesse alunos do ensino fundamental e médio. Essas atividades e os proje- levantamento, o primeiro álbum foi planejado com a pretensão não tos de pesquisa em educação a elas associados deram origem ao só de contar a história da evolução do conhecimento até os experi- Núcleo de Educação em Ciência e, posteriormente, ao Programa de mentalistas e a descrição do método por Descartes mas, também, a Educação, Difusão e Gestão em Biociências da pós-graduação em de enfatizar o impacto que a nova filosofia causou na sociedade. O química biológica. Em 1995 fui apresentado ao professor Leopoldo objetivo principal foi contar esta história de forma agradável e de Meis. Acabara de me formar em gravura pela Escola de Belas Artes atraente, evitando entediar o leitor. da UFRJ e fui indicado por uma professora de pintura chamada Lur- A experiência com o primeiro álbum serviu de estímulo e mostrou des Barreto, amiga em comum. O Núcleo de Educação em Ciência que era possível tratar um tema acadêmico com a linguagem das gra- iniciava uma nova linha de trabalho que visava à confecção de livros phic nove l s. Decidiu-se, então, iniciar um segundo álbum, com o ilustrados contando episódios da ciência, unindo artistas e cientis- apoio da Academia Brasileira de Ciências. Dessa vez, escolhemos tas. Aceitei a proposta e sugeri que fizéssemos quadrinhos, área que um tema bastante amplo, a Primeira Lei da Termodinâmica. Esse domino, o que tornaria mais fácil desenvolver o projeto. álbum contém capítulos que abordam diversos tópicos de destaque O livro de Ma ry Shelley é considerado o primeiro livro de ficção na história da bioquímica, desde as primeiras noções sobre a compo- científica, mas o tratamento dado à figura dos cientistas nas obras de sição da matéria viva até a descoberta da interconversão da energia, ficção científica que o sucederam, não melhora a imagem do cien- passando pela alquimia e sua associação com o empirismo e o tista. Quando foi feito um estudo em que se pediu que crianças, ado- mágico, e o surgimento e queda da teoria do flogístico. Tal como no lescentes e adultos definissem um cientista, utilizando a linguagem caso de O método científico, ele inicia e termina com imagens enfo- não-verbal do desenho, a imagem que apareceu com enorme fre- cando o lado não materialista da ciência. São imagens oníricas que qüência, foi negativa. Lá estava o cientista com olhos esbugalhados buscam seduzir o leitor para a ciência. O objetivo do álbum foi bem e cara de louco, cabelos desgrenhados, raios e trovões em seus tubos caracterizado pelo artista plástico Marcos Varela, professor da escola de ensaio. De maneira semelhante, em outro estudo, uma propor- de Belas Artes, mestre em antropologia da arte: ção considerável de estudantes universitários manifestou-se negati- “As imagens, ora oníricas na abertura de capítulos, ora objetivas quando vamente com relação à ciência e aos cientistas (3). Essa visão estereo- ilustram experimentos, facilitam a compreensão destas noções científi- tipada do cientista é difundida em diversos meios de comunicação cas surgidas ao longo da história humana”. muito poderosos (cinema, quadrinhos, desenhos animados, televi- Nenhum dos álbuns publicados foi comercializado por livrarias ou são) e contribui para dificultar o entendimento do que seja ciência e bancas de jornal. A metade da primeira edição de O método cientí- qual a sua importância na vida da sociedade. Sob o ponto de vista da fico foi transferida à Fapesp pela Academia Brasileira de Ciências política, torna-se difícil esperar um suporte à ciência por parte da que, por sua vez, os distribuiu para escolas e centros universitários. sociedade se esta tem uma visão distorcida da profissão. Freqüentemente, os livros são enviados, a preço de custo, para pro- 36
  • 2. E D U C A Ç Ã O N Ã O - F O R M A L /A R T I G O S fessores de diversas regiões do país, que os solicitam via correio ele- p a rte por uma platéia das mais diversas idades, cuja formação não trônico. A maior parte dos exemplares dos álbuns publicados foi dis- temos a mínima idéia. tribuída gratuitamente a: Foram, também, produzidos dois vídeos: A mitocôndria em três atos, Alunos e pro f e s s o res de escolas que freqüentaram os cursos de que mostra o funcionamento dessa organela celular, e A explosão do férias do programa de educação em ciências do De p a rtamento de saber, que fala sobre as dificuldades advindas do aumento do conhe- Bioquímica Médica, ICB/UFRJ, hoje, IBqM. cimento nos últimos duzentos anos. Estamos finalizando um ter- Salas de leitura de escolas públicas de São Paulo (Campinas, Soro- ceiro vídeo, A contração muscular, e um terceiro livro em quadrinhos caba, Piracicaba), Rio Grande do Sul (Porto Alegre, Pelotas, Caxias contando a história das vacinas. Nos vídeos buscamos utilizar as do Sul, Santa Maria), Minas Gerais (Belo Horizonte) e Bahia (Sal- imagens e os sons para cativar o espectador e emocioná-lo, tornando vador). Nestes casos, os livros foram solicitados por pró-reitores de os temas abordados mais divertidos e de fácil assimilação. São utili- universidades federais que, por sua vez, os distribuíam entre as esco- zados programas de animação 3D, modelagem e edição de som e las públicas da região. imagem. Cada vídeo tem uma duração aproximada de 25 minutos, C o o rdenadorias regionais de ensino do município do Rio de tendo sido planejados e confeccionados em nosso laboratório. A Ja n e i ro, que se encarregaram de distribuir nas salas de leitura das criação das imagens foi sempre acompanhada de perto por especia- escolas públicas. listas dos assuntos tratados, visando sempre ter como produto final Montamos, também, uma peça teatral baseada em livros e artigos de a informação correta transmitida de forma lúdica. Leopoldo de Meis (5): O método científico. A primeira iniciativa de Quando convidado a ilustrar uma cena de livro ou uma história em encenar a peça surgiu nos cursos de férias que, regularmente, o quadrinhos, o ilustrador precisa conhecer o assunto a ser tratado, às IBqM oferece para alunos e professores de ensino médio. Tradicio- vezes com detalhes que normalmente escapariam a percepção de nalmente, a última atividade do curso costuma ser uma palestra quem só imagina a cena. Se for alguma imagem que retrate uma apresentada por um cientista ou educador de época específica, ou um personagem histórico, o renome nacional. Em 1999, não foi possível contar ilustrador parte para a pesquisa em livros, fotos, fil- com a presença do conferencista. Decidimos, EM SUA ÉPOCA, mes que retratem a época, qualquer referência que então, encerrar o curso com uma palestra, mas dê credibilidade a seu trabalho final. Nossos livros MARY SHELLEY substituindo a projeção de slides e transparências exigiram esse tipo de pesquisa. por cenas interpretadas pelos estudantes de pós- CRIOU UMA Em sua época, Ma ry Shelley criou uma ótima his- graduação e iniciação científica, monitores do ÓTIMA HISTÓRIA, tória, porém distante do que é a ciência. Ho j e , c u r s o. A proposta foi aceita por todos e coube a PORÉM podemos usar a linguagem áudio visual para con- mim a tarefa de montar cenários e planejar as cenas DISTANTE DO quistar o público e mostrar a ciência desmistifi- junto com Leopoldo de Meis, no curto prazo de QUE É A CIÊNCIA cada, como uma atividade humana, portanto pas- duas semanas. A partir do primeiro ensaio, estabe- sível das paixões que toda atividade humana traz leceu-se um clima que favo recia a interação entre c o n s i g o.Ainda bem! todos os membros do grupo, que participaram ati- vamente, sugerindo e argumentando sobre a melhor forma de trans- Diucênio Rangel é doutor em química biológica, área de concentração em educação, gestão e mitir para o público os conceitos que se desejava dramatizar em cada difusão em ciência, pelo Instituto de Bioquímica Médica, ICB/UFRJ. cena. Os resultados da primeira apresentação foram encorajadores. Com essa primeira experiência, formou-se um grupo de trabalho NOTAS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS com a proposta de aprimorar aquela apresentação para que pudesse ser apresentada em qualquer espaço com o objetivo de divulgar a 1. Turney, J. Frankenstein’s footsteps. Science, genetics and popular cul- ciência. Sob o ponto de vista da didática, a peça apresenta uma breve ture. New Haven and London: Yale University Press. 1998. história da evolução do saber, desde o homem das cavernas até os 2. Wolpert, L. The unnatural nature of science. London: Farber and Far- dias atuais. Em diversas cenas, procura-se desmitificar os estereóti- ber. 1993. pos populares de que “os cientistas são seres eminentemente lógicos 3. de Meis L. et al. “The stereotyped image of the scientist among stu- e desumanos” (6). d e nts of diffe rent co u nt r i es. Evoking the alchemist?” Biochemical A dramatização, com duração de pouco mais de uma hora, visa Education: 21, 75-81, 1993-b. atingir um público eclético, de qualquer idade e nível educacional. 4. O método científi co, publicado em 1997 com apoio da Academia Bra s i- Essa peça passou a integrar o programa dos cursos de férias e, graças leira de Ciências e do Co n selho Nacional de Desenvolvimento Científico à divulgação feita por pessoas da platéia, passamos a receber dive r- e Tecnológico(CNPq); A respiração e a 1ª Lei da Termodinâmicaou... A sos convites para apresentá-la, de início no próprio estado, e poste- almada matéria,publicado com o apoioda Academia Brasileira de Ciên- riormente em outros estados do Brasil, como São Paulo, Rio cias. Podem ser requisitados pelo e-mail demeis@bioqmed.ufrj.br Grande do Sul, Espírito Santo, Bahia e Minas Gerais. Em 28 apre- 5. de Meis, L. O perfil da ciência brasileira. Rio de Janeiro: UFRJ. 1996. sentações a peça foi vista por cerca de oito mil pessoas, num público 6. de Meis, L. Ciência e educação – O conflito humano-tecnológico. Rio composto por estudantes de ensino médio, universitário e uma boa de Janeiro: Graftex Editora, 1998. 37