SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
E D U C A Ç Ã O N Ã O - F O R M A L /A R T I G O S

ENSINO NÃO-FORMAL NO                                                               m e n t o”(5). Assim, através dos fundamentos e da prática, inserimos
CAMPO DAS CIÊNCIAS                                                                 no projeto EDUHQ uma perspectiva crítica e transformadora
ATRAVÉS DOS QUADRINHOS                                                             com relação à mencionada catástrofe, atitude que assumimos
                                                                                   como meta político-filosófica, voltada para a produção de conhe-
                                                                                   cimento e para a invenção no campo da arte, atuando no espaço e
                                                                                   no tempo de hoje, como ação questionadora do projeto neoliberal,
Francisco Caruso, Mirian de Carvalho                                               no que se re f e re ao Brasil.
e Maria Cristina de Oliveira Silveira                                              De acordo com esse quadro da “catástro f e”, em uma sociedade
                                                                                   onde a informação é veiculada com velocidades cada vez maiore s ,




A
                                                                                   fazem-se re l e vantes, atuais e necessárias ao projeto EDUHQ as
                      s atividades do Projeto de Educação de Ciências Atra-        idéias de Paulo Fre i re sobre o ensinar, que podemos sintetizar na
                      vés de Histórias em Quadrinhos (EDUHQ) são de-               frase: “ensinar é substantivamente formar” (6). A esse mundo que
                      s e n volvidas numa Oficina de Ensino localizada na          se vislumbra nessa proposição, acrescentamos outras idéias desen-
                      sala 3017 do Bloco F, 3º andar, da Universidade
                                                 -                                 volvidas em texto de nossa autoria, no qual se argumenta que “e d u-
                      Estadual do Rio de Janeiro(UERJ), contando com a             car é fazer sonhar” (7).
participação de pesquisadores, professores, licenciandos e alunos do               Embora, “formar” e “informar” não sejam metas excludentes, en-
ensino médio, sob coordenação de Francisco Caruso (1). O projeto                   tendemos que é possível informar sem formar, mas o ato de formar,
multidisciplinar tem como meta principal o ensino das ciências atra-               por sua vez, pressupõe o ato de informar. Constatamos, assim, uma
vés de procedimentos didáticos não-formais, que articulam conteú-                  relação a ser estudada – uma articulação entre formar e informar
dos cognitivos e produção artística, através de uma raiz comum: a                  – relação essa que é considerada no projeto EDUHQ, o qual,
ênfase na criatividade operando no campo pedagógico. O material                    tendo como alvo o ensino da ciência através da descoberta, nos leva
didático produzido pode ser utilizado em sala de aula, em ensino à                 a definir metas voltadas para o questionamento do diferencial
distância e, em particular, serve também como suporte para vencer                  e n t re “f o r m a r” e “informar”. Uma vez que ambos pressupõem
os desafios da “alfabetização” científica (2).                                     c o m p o rtamentos e va l o res da parte do educador e do educando, no
Esse projeto fundamenta-se no pensamento de Gaston Ba c h e l a rd,                referido projeto as linhas pedagógicas – através da valorização da
filósofo que valorizou a razão e a imaginação como forças propulso-                educação não-formal – equacionam esse diferencial, com vistas à
ras de significados e sentidos do mundo, no campo das ciências e das               descoberta científica e não à mera repetição de conhecimentos
artes, ao enfatizar o pensamento criativo como ponto fundamental                   consagrados institucionalmente.
nos processos inova d o res, quer na ciência, quer na arte. Ba c h e l a rd
refletiu sobre a importância da liberdade do homem ao produzir                     RESPALDO E O DESAFIO DA LDB O projeto EDUHQ traz uma pro-
ciência, tecnologia e arte, como bens a serem partilhados pela huma-               posta de ensino não-formal. Segundo nossos propósitos, localizamos
nidade. Nessa confluência de produções diferenciadas, ele deu igual                como fundamental sua relação com os princípios da LDB, quanto à
valor ao conhecimento e à poética relacionando-os aos planos da                    viabilização do ensino quer formal quer não-formal, haja vista que o
razão e da imaginação, como instâncias psíquicas capazes de produ-                 ensino não-formal em nossa sociedade se torna diverso do que se ve i-
zir mudanças cognitivas, e transformações no mundo e no próprio                    cula nas sociedades tribais, além de apresentar uma enorme potencia-
homem (3). Embora as artes se cristalizem no plano sensível, e as                  lidade ainda pouco explorada. As sociedades ditas primitivas pos-
ciências no plano do pensamento formal, é preciso não perder de                    suem uma característica única que, via de regra, tem sido usada para
vista que ambas advêm de um pensador criativo que desconstrói a                    rotulá-las de “mais atrasadas”: são sociedades pré-escolares. Nelas, “a
natureza para construir e estudar, respectivamente, fenômenos for-                 prática educativa consistia na aquisição de instrumentos de trabalho e na
malizados na instância cognitiva ou expressos no mundo da expe-                    interiorização de valores e comportamentos, enquanto o meio ambiente
riência estética.                                                                  em seu conjunto era um contexto permanente de form a ç ã o”(Harper et
Desse modo, valorizando a perspectiva pedagógica implícita ao                      al., 2000). Pa r a d oxalmente, esse comentário, referente à prática edu-
pensamento de Ba c h e l a rd, pôde-se atualizá-la para contemplar o               cativa de uma sociedade primitiva, reflete anseios atuais dos países
espírito da Lei de Di re t r i zes e Bases da Educação Nacional (LDB               d e s e n volvidos e em desenvolvimento, no tocante à cultura popular
9.394/96), no âmbito do ensino médio. E com fundamentação e                        regional e urbana, contemplados pela LDB.
o b j e t i vos articulados à LDB, tornou-se possível, através desse pro-          Em nossa LDB, por exemplo, afirma-se que o “ensino será minis-
jeto, criar condições para refletir e enfrentar o desafio contido na               trado com base [no princípio da] vinculação entre a educação esco-
afirmativa de H.G. Wells de que “e n t ramos numa corrida entre a                  lar, o trabalho e as práticas sociais” (LDB, Art. 3o, inciso XI). Exce-
educação e a catástro f e” (4) – corrida cada vez mais real e impera-              tuando-se a diferença entre o princípio e a prática, nem sempre
t i va, em larga escala, a partir da imposição de um projeto neo-libe-             desprezível, é notável a semelhança do conteúdo das duas citações.
ral ao mundo globalizado, observamos. Nessas circunstâncias,                       Por outro lado, a questão de “um contexto permanente de forma-
como afirma, de modo crítico, Paulo Fre i re “atualmente, não se                   ção”, ou, em outras palavras, a questão da contextualização do
entende mais a educação como form a ç ã o, mas apenas como tre i n a-              ensino, se impõe cada vez mais e é um dos pontos centrais no debate

                                                                              33
E D U C A Ç Ã O N Ã O - F O R M A L /A R T I G O S

sobre educação escolar hoje em dia, com reflexo evidente, por exem-              Contribuir para o aprimoramento dos professores que participa-
plo, nos vestibulares, que já mudaram seus programas e seus objeti-            rão do projeto, no tocante às técnicas e metodologias de ensino, bem
vos, enquanto as escolas não. Mas quando nasce o problema da                   como daqueles que, fora da oficina, posteriormente, terão contato
necessidade de contextualizar o aprendizado? É esse um problema                com o material ali produzido, como agentes desencadeadores de
característico apenas da sociedade pós-moderna?                                outros processos criativos em situações diversas.
Esse problema não é novo e nasce exatamente com a institucionali-                 Enfatizar e incentivar a produção artística não apenas como ins-
zação da escola na Idade Média, quando a educação tornou-se um                 trumento didático, mas como produção estética autônoma inserida
p roduto da escola (8) e a atividade de ensinar passou a ser desenvo l-        na cultura e na sociedade.
vida por profissionais em um espaço físico específico, isolado do                Criar e desenvolver técnicas e metodologias facilitadoras da trans-
resto do mundo, e desvinculado das exigências da vida quotidiana:              ferência de conhecimentos na própria oficina, em sala de aula, atra-
o espaço da escola, no qual se valoriza, de forma crescente ao longo           vés do ensino à distância e na vida prática, imprimindo à produção
dos séculos, o ensino formal e formalizante, deixando de lado, por             do conhecimento um aspecto lúdico e estético.
exemplo, a experiência extra-escolar do aluno. A esse re s p e i t o ,         Alguns objetivos mais específicos estão relacionados abaixo:
Moacir Carneiro (9), comentando o Art. 3o, inciso X, da LDB, que                  In c e n t i var os alunos participantes a traduzirem em linguagem
trata da valorização da experiência extra-escolar como princípio               artística (tirinhas e charges) os conteúdos trabalhados pelos profes-
básico do ensino, afirma que esta é “uma das desafiadoras questões do          sores em sala de aula e na oficina.
ensino bra s i l e i ro. Nossa tradição escolar, radicalmente formal e form a-   Produzir material didático lúdico, utilizando a linguagem dos qua-
lizante, tem impedido o desenvolvimento de uma cultura pedagógica              drinhos, para o segundo segmento do ensino fundamental (de5a a 8a
que valorize o patrimônio de conhecimentos que o aluno construiu e             séries) e para o ensino médio.
constrói fora do espaço de sala de aula. No fundo, esta dificuldade tra-          Contribuir para a formação dos futuros professores (licencian-
duz a relevância absoluta que se dá à qualidade for-                                                  dos) a partir do aprimoramento de conteúdos
mal do conhecimento (...). O extra-escolar representa                                                 específicos, preparando-os para estar sempre aber-
um canal importante para abrir espaços de art i c u l a-            “ E D U CAÇÃO                     tos ao novo.
ção escola/comunidade, pela possibilidade de cons-                                                       Buscar a interdisciplinaridade tanto na confecção
                                                                          É O QUE
t ruir um conteúdo de ensino capaz de ‘satisfazer as                                                  dos materiais, como na utilização dos mesmos.
necessidades de aprendizagem’.” Ac rescenta ainda o                  SOBREVIVE                        Foi com esses objetivos que o projeto foi concebido
comentarista da lei que “o extra-escolar não é a sube-                  QUANDO                        e a prática do dia-a-dia da oficina EDUHQ tem
ducação. Pelo contrário, o extra-escolar é o tra b a l h o,            O QUE FOI                      sido pautada neles, com frutos muito positivos, que
a convivência, o laze r, a família, o amor, a festa, a           APRENDIDO FOI nos encorajam a continuar o trabalho.
igreja, (...), a vida, enfim” (9).
                                                                    ESQUECIDO”
Reconhecemos a relevância do pensamento desse                                                         V I A B I L I DA D E Do ponto de vista didático, nossa
autor quanto à valorização do extra-escolar que, em                                                   p roposta vislumbra o ensino não-formal, mas se
certa escala, corresponde ao ensino não-formal, por                                                   p rojeta numa crítica da formalização do ensino
isso o mencionamos como comentarista da LDB. Mas no caso do                    através do conhecimento dos conteúdos, tendo como meta transfor-
projeto EDUHQ, cria-se uma perspectiva diversa, capaz de integrar              mar o ensino das ciências, viabilizando-o através da prática artística.
o formal e o não-formal, permitindo que um transforme o outro.                 Valorizamos o não-formal como método para transformação do for-
                                                                               mal, e viabilizamos uma aproximação entre ambos que permita ao
OBJETIVOS DO PROJ E TO A oficina EDUHQ reúne pesquisadores,                    educando brasileiro, enquanto habitante de um país em desenvolvi-
p ro f e s s o res de ensino médio, alunos de licenciatura e alunos do         mento, lançar-se ao conhecimento formal através do não-formal,
ensino médio, de diversas instituições de ensino e pesquisa do Rio de          sem o que não teremos voz ante a globalização.
Janeiro, criando uma rede dedicada à produção de novas tecnologias             Na oficina EDUHQ, a ação pedagógica – com base nos pro c e d i-
educacionais, a partir de uma análise crítica da atual situação do             mentos informais – tornou-se chave-mestra para as condições essen-
ensino básico, médio e universitário (licenciaturas). Seus objetivos           ciais do ensino como criatividade e ação para a liberdade, proposta
gerais podem ser resumidos assim:                                              que se coaduna com a seguinte idéia de Skinner: “Educação é o que
   Priorizar uma pedagogia que contemple articulações entre ensino-            sobrevive quando o que foi aprendido foi esquecido” (10). Através desse
aprendizagem e conhecimento-sociedade, integrando metodologi-                  projeto, nossa meta é a sobrevivência dos conteúdos formais através
camente os conteúdos das disciplinas curriculares, através da produ-           do ensino não-formal, que se inicia como mundivisão e cosmovisão
ção artística.                                                                 abrangendo os direitos humanos, quer no campo, quer na urbe, quer
   Contribuir para que o aluno possa ser um ator importante na                 na Aldeia Global.
difusão do conhecimento a partir de um processo que se inicia nos              Assim sendo, torna-se oportuno lembrar que aquilo que nos é infor-
p rocessos didáticos e culmina com seu ato criativo, processo esse             mado pode ser esquecido, mas os valores assimilados passam a con-
que deverá lhe dar uma nova dimensão dialógica do pro c e s s o                tribuir para a transformação de outros valores, em escala social,
ensino-aprendizado.                                                            embora, é claro, os valores possam ser pensados e transformados his-

                                                                            34
E D U C A Ç Ã O N Ã O - F O R M A L /A R T I G O S

toricamente. E esta é uma das metas desse projeto: deixar para quem                                             4. Ronái, P. Dicionário unive rsa l - n ova fro nte i ra de cita ç õ es. Ed. Nova
passou pela oficina EDUHQ a consciência de quanto é negativo tra-                                                   Fronteira, Rio de Janeiro. 1995.
tar a informação como produto descartável, como vem sendo feito                                                 5. Freire, P. Pedagogia dos sonhos possíveis. Editora UNESP, São Paulo.
no processo de globalização. Deixar também o gosto pelo sonho, por                                                  2001.
aquele sonho transformador do próprio homem e de seu entorno.                                                   6. Fre i re, P. Pedagogia da autonomia – Sa b e res necess á r i os à prática
Nesse sentido, foi muito gratificante para o grupo da oficina                                                       educativa. Editora Paz e Terra, São Paulo, 15a edição. 2000.
EDUHQ receber por escrito as impressões de Gleidson de Castro                                                   7. Ca r u so, F. e Fre i ta s, M.C . S. “Ed u car é fa zer so n h a r”, Ciência & Socie-
Araújo, aluno do ensino médio do CIEP 169 de São João de Meriti,                                                    dade C B P F- CS- 0 0 9/03, 20 03, ace i to pa ra publicação na rev i sta
que escolheu referir-se ao que estava aprendendo na oficina com as                                                  Princípios.
seguintes palavras: “É gostoso escre ver e imaginar./ Os desenhos nos                                           8. Harper, B. et al. Cuidado escola!. Editora Brasiliense. São Paulo, 35a
fazem sonhar./ As palavras nos faze m pensar./ As histórias nos fazem                                               edição. 2000.
viajar por um mundo desconhecido.” E como diria Ba c h e l a rd, “o                                             9. Ca r n e i ro, M.A. LDB Fácil – Leitu ra crítico-co m p re e n s i va artigo a
sonhador não consegue sonhar diante de um espelho que não seja ‘-                                                   artigo. Editora Vozes, Petrópolis, 8a. edição, p. 39. 2002.
profundo’’” (11). O que, no início, pareceu ser uma opinião indivi-                                             10. K n ow l es, E. The Oxfo rd dictionary of phra se, saying, and quota t i o n,
dual, mostrou-se ter sido assimilado pela enorme maioria dos alunos                                                 Oxford University Press. 1998.
que passaram pela EDUHQ. De fato, um estudo mostrou que este                                                    11. Bachelard, G. A Terra e os devaneios do repouso. Martins Fontes, São
grupo compreende o quanto é essencial que o professor mude seu                                                      Paulo. 1990.
modo de dar aula para que a escola se torne mais motivadora (12), o                                             12. Fre i ta s, M.C . S. “Da mot i vação e de sua re l evância no pro cesso de
que não foi apontado pelo gru p o - c o n t role (formado de alunos da                                              aprendizagem escolar”, monografia do curso de pedagogia da Facul-
mesma faixa etária e das mesmas escolas que participam do projeto),                                                 dade de Educação e Letras da Universidade Iguaçu, Unig. 2002.
corroborando a nossa tese de que é possível ensinar e transformar o                                             13. Caruso, F. “Em defesa da licenciatura”. Scientia (São Leopoldo) vol. 6,
formal a partir do ensino não-formal. En t retanto, para se chegar                                                  no. 1, pp. 93-98. 1995.
realmente a começar a construir a escola do futuro, onde a criativi-
dade desempenhe um papel central e transformador, é preciso rees-
truturar nossas licenciaturas (13). Enquanto isso, insistamos nas
experiências pontuais.
Quanto ao fim último do projeto EDUHQ, elegemos a criativi-
dade e a liberdade de produzir conhecimento e objetos de arte. Uma
l i b e rdade que coloca em primeiro plano o reconhecimento dos
d i reitos humanos como o legado maior da ciência e das artes. Por
último, para dar uma noção da produção da Oficina, podemos
d i zer que em seus primeiros dois anos de funcionamento foram
p roduzidas cerca de 700 tirinhas em diversas áreas do conheci-
m e n t o. Mais detalhes sobre o projeto podem ser encontrados em
www.cbpf.br/eduhq.

Francisco Caruso é doutor em física pela Universidade de Turim, pesquisador titular do Ce n t ro
Bra s i l e i rode Pesquisas Físicas, professor adjunto do Instituto de Física da UERJ. Foi editor cien-
tífico da Ciência Ho j e, e é editor da revista Di a l o g h i.Atualmente é superintendente de divulga-
ção científica da Se c retaria de Ciência, Tecnologia & In ovação do Estado do Rio de Janeiro.
Mirian de Carvalho é doutora em filosofia pela UFRJ. Vice-presidente da Associação Brasilei-
ra de Críticos de Arte e membro da Associação Internacional de Críticos de Arte.
Maria Cristina de Oliveira Silveira é pedagoga, tendo pós-graduação lato sensu na Uerj so-
bre “Dificuldade de aprendizagem”, professora da rede pública do estado do RJ e do município
de Caxias.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1.   Ca r u so, F., Carva l h o, M. e Freitas, M.C.S. “Uma pro p osta de ensino e
     divulgação de ciências através dos quadrinhos”, Ciência & Sociedade
     CBPF-CS-008/02. 2002.
2. Caruso, F. “Desafios da alfabetização científica”, Ciência & Sociedade
     CBPF-CS-010/03. 2003.
3. Bachelard, G. O novo espírito científico. Rio de Janeiro: Tempo Brasi-
     leiro, p 12. 1968.


                                                                                                           35

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coordenacao pedagogica 4
Coordenacao pedagogica 4Coordenacao pedagogica 4
Coordenacao pedagogica 4Liberty Ensino
 
Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6Liberty Ensino
 
Sacristan, jose g., a educacao que temos
Sacristan, jose g., a educacao que temosSacristan, jose g., a educacao que temos
Sacristan, jose g., a educacao que temosmarcaocampos
 
Programa_filosofia
Programa_filosofiaPrograma_filosofia
Programa_filosofiaIsabel Moura
 
Experiências de aprendizagem aberta, flexível e a distância para a 4ª revoluç...
Experiências de aprendizagem aberta, flexível e a distância para a 4ª revoluç...Experiências de aprendizagem aberta, flexível e a distância para a 4ª revoluç...
Experiências de aprendizagem aberta, flexível e a distância para a 4ª revoluç...UFPE
 
10 ec interdisciplinaridade
10 ec interdisciplinaridade10 ec interdisciplinaridade
10 ec interdisciplinaridadeMariana Correia
 
Web caderno-4
Web caderno-4Web caderno-4
Web caderno-4luci96
 
As Diretrizes Curriculares Da Pedagogia
As Diretrizes Curriculares Da PedagogiaAs Diretrizes Curriculares Da Pedagogia
As Diretrizes Curriculares Da PedagogiaMariana Nascimento
 
OS DESAFIOS DA RELAÇÃO ENTRE GESTÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA - CAMINHOS PE...
OS DESAFIOS DA RELAÇÃO ENTRE GESTÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA - CAMINHOS PE...OS DESAFIOS DA RELAÇÃO ENTRE GESTÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA - CAMINHOS PE...
OS DESAFIOS DA RELAÇÃO ENTRE GESTÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA - CAMINHOS PE...ProfessorPrincipiante
 
Trabalho cooperativo e coordenado. Entrevista com Jurjo Torres Santomé
Trabalho cooperativo e coordenado. Entrevista com Jurjo Torres SantoméTrabalho cooperativo e coordenado. Entrevista com Jurjo Torres Santomé
Trabalho cooperativo e coordenado. Entrevista com Jurjo Torres SantoméJurjo Torres Santomé
 
Web caderno-3
Web caderno-3Web caderno-3
Web caderno-3luci96
 
Educomunicação e pedagogia de projetos
Educomunicação e pedagogia de projetosEducomunicação e pedagogia de projetos
Educomunicação e pedagogia de projetosFatima Costa
 
Pistrak
PistrakPistrak
Pistrakmauxa
 
Análise texto Currículo Educacional - Sacristán
Análise texto Currículo Educacional  - SacristánAnálise texto Currículo Educacional  - Sacristán
Análise texto Currículo Educacional - SacristánRenata Aquino
 

Mais procurados (18)

Coordenacao pedagogica 4
Coordenacao pedagogica 4Coordenacao pedagogica 4
Coordenacao pedagogica 4
 
Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6
 
Sacristan, jose g., a educacao que temos
Sacristan, jose g., a educacao que temosSacristan, jose g., a educacao que temos
Sacristan, jose g., a educacao que temos
 
Programa 10 11
Programa 10 11Programa 10 11
Programa 10 11
 
Programa_filosofia
Programa_filosofiaPrograma_filosofia
Programa_filosofia
 
Experiências de aprendizagem aberta, flexível e a distância para a 4ª revoluç...
Experiências de aprendizagem aberta, flexível e a distância para a 4ª revoluç...Experiências de aprendizagem aberta, flexível e a distância para a 4ª revoluç...
Experiências de aprendizagem aberta, flexível e a distância para a 4ª revoluç...
 
10 ec interdisciplinaridade
10 ec interdisciplinaridade10 ec interdisciplinaridade
10 ec interdisciplinaridade
 
Etapa I - Caderno 04
Etapa I - Caderno 04Etapa I - Caderno 04
Etapa I - Caderno 04
 
Web caderno-4
Web caderno-4Web caderno-4
Web caderno-4
 
As Diretrizes Curriculares Da Pedagogia
As Diretrizes Curriculares Da PedagogiaAs Diretrizes Curriculares Da Pedagogia
As Diretrizes Curriculares Da Pedagogia
 
Sacristã e Gomez aula 9
Sacristã e Gomez aula 9Sacristã e Gomez aula 9
Sacristã e Gomez aula 9
 
OS DESAFIOS DA RELAÇÃO ENTRE GESTÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA - CAMINHOS PE...
OS DESAFIOS DA RELAÇÃO ENTRE GESTÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA - CAMINHOS PE...OS DESAFIOS DA RELAÇÃO ENTRE GESTÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA - CAMINHOS PE...
OS DESAFIOS DA RELAÇÃO ENTRE GESTÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA - CAMINHOS PE...
 
Trabalho cooperativo e coordenado. Entrevista com Jurjo Torres Santomé
Trabalho cooperativo e coordenado. Entrevista com Jurjo Torres SantoméTrabalho cooperativo e coordenado. Entrevista com Jurjo Torres Santomé
Trabalho cooperativo e coordenado. Entrevista com Jurjo Torres Santomé
 
Web caderno-3
Web caderno-3Web caderno-3
Web caderno-3
 
Etapa I - Caderno 03
Etapa I - Caderno 03Etapa I - Caderno 03
Etapa I - Caderno 03
 
Educomunicação e pedagogia de projetos
Educomunicação e pedagogia de projetosEducomunicação e pedagogia de projetos
Educomunicação e pedagogia de projetos
 
Pistrak
PistrakPistrak
Pistrak
 
Análise texto Currículo Educacional - Sacristán
Análise texto Currículo Educacional  - SacristánAnálise texto Currículo Educacional  - Sacristán
Análise texto Currículo Educacional - Sacristán
 

Destaque

Will Play For Pay
Will Play For PayWill Play For Pay
Will Play For PayAheard94_
 
130816 年収150万円でぼくらは自由に生きていく:5つのキーワードで見る情報社会
130816 年収150万円でぼくらは自由に生きていく:5つのキーワードで見る情報社会130816 年収150万円でぼくらは自由に生きていく:5つのキーワードで見る情報社会
130816 年収150万円でぼくらは自由に生きていく:5つのキーワードで見る情報社会Hayato Ikeda
 
Aktifbank Event Processing For Campaign Management
Aktifbank Event Processing For Campaign ManagementAktifbank Event Processing For Campaign Management
Aktifbank Event Processing For Campaign ManagementEvam Streaming Analytics
 
Pensando o-significado-das-cotas-sociais-e-raciais
Pensando o-significado-das-cotas-sociais-e-raciaisPensando o-significado-das-cotas-sociais-e-raciais
Pensando o-significado-das-cotas-sociais-e-raciaisgeorgeharrilson
 

Destaque (6)

Digitalizacion
DigitalizacionDigitalizacion
Digitalizacion
 
Will Play For Pay
Will Play For PayWill Play For Pay
Will Play For Pay
 
130816 年収150万円でぼくらは自由に生きていく:5つのキーワードで見る情報社会
130816 年収150万円でぼくらは自由に生きていく:5つのキーワードで見る情報社会130816 年収150万円でぼくらは自由に生きていく:5つのキーワードで見る情報社会
130816 年収150万円でぼくらは自由に生きていく:5つのキーワードで見る情報社会
 
Cidadania e Controle Social - Gestão Municipal Voltada para Atender os Cidadãos
Cidadania e Controle Social - Gestão Municipal Voltada para Atender os CidadãosCidadania e Controle Social - Gestão Municipal Voltada para Atender os Cidadãos
Cidadania e Controle Social - Gestão Municipal Voltada para Atender os Cidadãos
 
Aktifbank Event Processing For Campaign Management
Aktifbank Event Processing For Campaign ManagementAktifbank Event Processing For Campaign Management
Aktifbank Event Processing For Campaign Management
 
Pensando o-significado-das-cotas-sociais-e-raciais
Pensando o-significado-das-cotas-sociais-e-raciaisPensando o-significado-das-cotas-sociais-e-raciais
Pensando o-significado-das-cotas-sociais-e-raciais
 

Semelhante a Ensino Ciências Quadrinhos

Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavalletDocencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavalletPROIDDBahiana
 
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavalletDocencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavalletPROIDDBahiana
 
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidadePNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidadeElieneDias
 
O uso responsável do celular na sala de aula
O uso responsável do celular na sala de aulaO uso responsável do celular na sala de aula
O uso responsável do celular na sala de aulaEdison Paulo
 
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINICaderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINISalete Perini
 
capítulo 11 Fenômenos da Tecnologia Educacional - Rumos de Ensino Integrado v...
capítulo 11 Fenômenos da Tecnologia Educacional - Rumos de Ensino Integrado v...capítulo 11 Fenômenos da Tecnologia Educacional - Rumos de Ensino Integrado v...
capítulo 11 Fenômenos da Tecnologia Educacional - Rumos de Ensino Integrado v...VitorOliveira450883
 
Seminário Currículo e EAD
Seminário Currículo e EADSeminário Currículo e EAD
Seminário Currículo e EADAmorim Albert
 
O dilema da Interdisciplinaridade : Algumas questões para quem forma professo...
O dilema da Interdisciplinaridade : Algumas questões para quem forma professo...O dilema da Interdisciplinaridade : Algumas questões para quem forma professo...
O dilema da Interdisciplinaridade : Algumas questões para quem forma professo...Seminário Latino-Americano SLIEC
 
41597 100588-1-pb
41597 100588-1-pb41597 100588-1-pb
41597 100588-1-pbMarta Gama
 
Didática do ensino superior aula 01 07 08 2013
Didática do ensino superior aula 01 07 08 2013Didática do ensino superior aula 01 07 08 2013
Didática do ensino superior aula 01 07 08 2013Ronilson de Souza Luiz
 
O CURRÍCULO ESCOLAR COMO ESPAÇO DE RECONHECIMENTO DE NOSSAS IDENTIDADES CULTU...
O CURRÍCULO ESCOLAR COMO ESPAÇO DE RECONHECIMENTO DE NOSSAS IDENTIDADES CULTU...O CURRÍCULO ESCOLAR COMO ESPAÇO DE RECONHECIMENTO DE NOSSAS IDENTIDADES CULTU...
O CURRÍCULO ESCOLAR COMO ESPAÇO DE RECONHECIMENTO DE NOSSAS IDENTIDADES CULTU...christianceapcursos
 
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...KATIA CAVALCANTI
 

Semelhante a Ensino Ciências Quadrinhos (20)

Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavalletDocencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
 
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavalletDocencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
 
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidadePNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
 
Dicas interdisciplinaridade[1]
Dicas interdisciplinaridade[1]Dicas interdisciplinaridade[1]
Dicas interdisciplinaridade[1]
 
Apresentação slide marcos pessoa
Apresentação slide marcos pessoaApresentação slide marcos pessoa
Apresentação slide marcos pessoa
 
Apresentação slide marcos pessoa
Apresentação slide marcos pessoaApresentação slide marcos pessoa
Apresentação slide marcos pessoa
 
O uso responsável do celular na sala de aula
O uso responsável do celular na sala de aulaO uso responsável do celular na sala de aula
O uso responsável do celular na sala de aula
 
TEXTO 1.pdf
TEXTO 1.pdfTEXTO 1.pdf
TEXTO 1.pdf
 
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINICaderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
 
capítulo 11 Fenômenos da Tecnologia Educacional - Rumos de Ensino Integrado v...
capítulo 11 Fenômenos da Tecnologia Educacional - Rumos de Ensino Integrado v...capítulo 11 Fenômenos da Tecnologia Educacional - Rumos de Ensino Integrado v...
capítulo 11 Fenômenos da Tecnologia Educacional - Rumos de Ensino Integrado v...
 
Inf historia 2
Inf historia 2Inf historia 2
Inf historia 2
 
Seminário Currículo e EAD
Seminário Currículo e EADSeminário Currículo e EAD
Seminário Currículo e EAD
 
O dilema da Interdisciplinaridade : Algumas questões para quem forma professo...
O dilema da Interdisciplinaridade : Algumas questões para quem forma professo...O dilema da Interdisciplinaridade : Algumas questões para quem forma professo...
O dilema da Interdisciplinaridade : Algumas questões para quem forma professo...
 
Didática geral
Didática geralDidática geral
Didática geral
 
41597 100588-1-pb
41597 100588-1-pb41597 100588-1-pb
41597 100588-1-pb
 
Didática do ensino superior aula 01 07 08 2013
Didática do ensino superior aula 01 07 08 2013Didática do ensino superior aula 01 07 08 2013
Didática do ensino superior aula 01 07 08 2013
 
Teorias do Currículo
Teorias do Currículo Teorias do Currículo
Teorias do Currículo
 
Ctsa Eja 4
Ctsa Eja 4Ctsa Eja 4
Ctsa Eja 4
 
O CURRÍCULO ESCOLAR COMO ESPAÇO DE RECONHECIMENTO DE NOSSAS IDENTIDADES CULTU...
O CURRÍCULO ESCOLAR COMO ESPAÇO DE RECONHECIMENTO DE NOSSAS IDENTIDADES CULTU...O CURRÍCULO ESCOLAR COMO ESPAÇO DE RECONHECIMENTO DE NOSSAS IDENTIDADES CULTU...
O CURRÍCULO ESCOLAR COMO ESPAÇO DE RECONHECIMENTO DE NOSSAS IDENTIDADES CULTU...
 
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
 

Mais de pibidbio

Slides apresentação do projeto pibid
Slides apresentação do projeto pibidSlides apresentação do projeto pibid
Slides apresentação do projeto pibidpibidbio
 
Projeto três mártires
Projeto três mártiresProjeto três mártires
Projeto três mártirespibidbio
 
Apresentação projeto pibid
Apresentação projeto pibidApresentação projeto pibid
Apresentação projeto pibidpibidbio
 
Slides projeto
Slides projetoSlides projeto
Slides projetopibidbio
 
Microbiologia democrática
Microbiologia democráticaMicrobiologia democrática
Microbiologia democráticapibidbio
 
Apresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistasApresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistaspibidbio
 
Aprentação artigo 01 dez 2011
Aprentação artigo   01 dez 2011Aprentação artigo   01 dez 2011
Aprentação artigo 01 dez 2011pibidbio
 
Modalidades didáticas
Modalidades didáticasModalidades didáticas
Modalidades didáticaspibidbio
 
Pibid demonstrações
Pibid demonstraçõesPibid demonstrações
Pibid demonstraçõespibidbio
 
Modalidades didáticas
Modalidades didáticasModalidades didáticas
Modalidades didáticaspibidbio
 
Modalidades didáticas estudo de texto
Modalidades didáticas estudo de textoModalidades didáticas estudo de texto
Modalidades didáticas estudo de textopibidbio
 
Modalidade didática
Modalidade didáticaModalidade didática
Modalidade didáticapibidbio
 
Discussão
DiscussãoDiscussão
Discussãopibidbio
 
Apresentação excursões
Apresentação excursõesApresentação excursões
Apresentação excursõespibidbio
 
Apresentação modalidade didática - 13 dez 2011
Apresentação   modalidade didática - 13 dez 2011Apresentação   modalidade didática - 13 dez 2011
Apresentação modalidade didática - 13 dez 2011pibidbio
 
O diálogo entre ciência e arte
O diálogo entre ciência e arteO diálogo entre ciência e arte
O diálogo entre ciência e artepibidbio
 
Aprendendo com imagens
Aprendendo com imagensAprendendo com imagens
Aprendendo com imagenspibidbio
 

Mais de pibidbio (20)

Slides apresentação do projeto pibid
Slides apresentação do projeto pibidSlides apresentação do projeto pibid
Slides apresentação do projeto pibid
 
Projeto três mártires
Projeto três mártiresProjeto três mártires
Projeto três mártires
 
Apresentação projeto pibid
Apresentação projeto pibidApresentação projeto pibid
Apresentação projeto pibid
 
Slides projeto
Slides projetoSlides projeto
Slides projeto
 
Microbiologia democrática
Microbiologia democráticaMicrobiologia democrática
Microbiologia democrática
 
Cesar
CesarCesar
Cesar
 
Apresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistasApresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistas
 
Pibid
PibidPibid
Pibid
 
Aprentação artigo 01 dez 2011
Aprentação artigo   01 dez 2011Aprentação artigo   01 dez 2011
Aprentação artigo 01 dez 2011
 
Modalidades didáticas
Modalidades didáticasModalidades didáticas
Modalidades didáticas
 
Pibid
PibidPibid
Pibid
 
Pibid demonstrações
Pibid demonstraçõesPibid demonstrações
Pibid demonstrações
 
Modalidades didáticas
Modalidades didáticasModalidades didáticas
Modalidades didáticas
 
Modalidades didáticas estudo de texto
Modalidades didáticas estudo de textoModalidades didáticas estudo de texto
Modalidades didáticas estudo de texto
 
Modalidade didática
Modalidade didáticaModalidade didática
Modalidade didática
 
Discussão
DiscussãoDiscussão
Discussão
 
Apresentação excursões
Apresentação excursõesApresentação excursões
Apresentação excursões
 
Apresentação modalidade didática - 13 dez 2011
Apresentação   modalidade didática - 13 dez 2011Apresentação   modalidade didática - 13 dez 2011
Apresentação modalidade didática - 13 dez 2011
 
O diálogo entre ciência e arte
O diálogo entre ciência e arteO diálogo entre ciência e arte
O diálogo entre ciência e arte
 
Aprendendo com imagens
Aprendendo com imagensAprendendo com imagens
Aprendendo com imagens
 

Último

Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 

Ensino Ciências Quadrinhos

  • 1. E D U C A Ç Ã O N Ã O - F O R M A L /A R T I G O S ENSINO NÃO-FORMAL NO m e n t o”(5). Assim, através dos fundamentos e da prática, inserimos CAMPO DAS CIÊNCIAS no projeto EDUHQ uma perspectiva crítica e transformadora ATRAVÉS DOS QUADRINHOS com relação à mencionada catástrofe, atitude que assumimos como meta político-filosófica, voltada para a produção de conhe- cimento e para a invenção no campo da arte, atuando no espaço e no tempo de hoje, como ação questionadora do projeto neoliberal, Francisco Caruso, Mirian de Carvalho no que se re f e re ao Brasil. e Maria Cristina de Oliveira Silveira De acordo com esse quadro da “catástro f e”, em uma sociedade onde a informação é veiculada com velocidades cada vez maiore s , A fazem-se re l e vantes, atuais e necessárias ao projeto EDUHQ as s atividades do Projeto de Educação de Ciências Atra- idéias de Paulo Fre i re sobre o ensinar, que podemos sintetizar na vés de Histórias em Quadrinhos (EDUHQ) são de- frase: “ensinar é substantivamente formar” (6). A esse mundo que s e n volvidas numa Oficina de Ensino localizada na se vislumbra nessa proposição, acrescentamos outras idéias desen- sala 3017 do Bloco F, 3º andar, da Universidade - volvidas em texto de nossa autoria, no qual se argumenta que “e d u- Estadual do Rio de Janeiro(UERJ), contando com a car é fazer sonhar” (7). participação de pesquisadores, professores, licenciandos e alunos do Embora, “formar” e “informar” não sejam metas excludentes, en- ensino médio, sob coordenação de Francisco Caruso (1). O projeto tendemos que é possível informar sem formar, mas o ato de formar, multidisciplinar tem como meta principal o ensino das ciências atra- por sua vez, pressupõe o ato de informar. Constatamos, assim, uma vés de procedimentos didáticos não-formais, que articulam conteú- relação a ser estudada – uma articulação entre formar e informar dos cognitivos e produção artística, através de uma raiz comum: a – relação essa que é considerada no projeto EDUHQ, o qual, ênfase na criatividade operando no campo pedagógico. O material tendo como alvo o ensino da ciência através da descoberta, nos leva didático produzido pode ser utilizado em sala de aula, em ensino à a definir metas voltadas para o questionamento do diferencial distância e, em particular, serve também como suporte para vencer e n t re “f o r m a r” e “informar”. Uma vez que ambos pressupõem os desafios da “alfabetização” científica (2). c o m p o rtamentos e va l o res da parte do educador e do educando, no Esse projeto fundamenta-se no pensamento de Gaston Ba c h e l a rd, referido projeto as linhas pedagógicas – através da valorização da filósofo que valorizou a razão e a imaginação como forças propulso- educação não-formal – equacionam esse diferencial, com vistas à ras de significados e sentidos do mundo, no campo das ciências e das descoberta científica e não à mera repetição de conhecimentos artes, ao enfatizar o pensamento criativo como ponto fundamental consagrados institucionalmente. nos processos inova d o res, quer na ciência, quer na arte. Ba c h e l a rd refletiu sobre a importância da liberdade do homem ao produzir RESPALDO E O DESAFIO DA LDB O projeto EDUHQ traz uma pro- ciência, tecnologia e arte, como bens a serem partilhados pela huma- posta de ensino não-formal. Segundo nossos propósitos, localizamos nidade. Nessa confluência de produções diferenciadas, ele deu igual como fundamental sua relação com os princípios da LDB, quanto à valor ao conhecimento e à poética relacionando-os aos planos da viabilização do ensino quer formal quer não-formal, haja vista que o razão e da imaginação, como instâncias psíquicas capazes de produ- ensino não-formal em nossa sociedade se torna diverso do que se ve i- zir mudanças cognitivas, e transformações no mundo e no próprio cula nas sociedades tribais, além de apresentar uma enorme potencia- homem (3). Embora as artes se cristalizem no plano sensível, e as lidade ainda pouco explorada. As sociedades ditas primitivas pos- ciências no plano do pensamento formal, é preciso não perder de suem uma característica única que, via de regra, tem sido usada para vista que ambas advêm de um pensador criativo que desconstrói a rotulá-las de “mais atrasadas”: são sociedades pré-escolares. Nelas, “a natureza para construir e estudar, respectivamente, fenômenos for- prática educativa consistia na aquisição de instrumentos de trabalho e na malizados na instância cognitiva ou expressos no mundo da expe- interiorização de valores e comportamentos, enquanto o meio ambiente riência estética. em seu conjunto era um contexto permanente de form a ç ã o”(Harper et Desse modo, valorizando a perspectiva pedagógica implícita ao al., 2000). Pa r a d oxalmente, esse comentário, referente à prática edu- pensamento de Ba c h e l a rd, pôde-se atualizá-la para contemplar o cativa de uma sociedade primitiva, reflete anseios atuais dos países espírito da Lei de Di re t r i zes e Bases da Educação Nacional (LDB d e s e n volvidos e em desenvolvimento, no tocante à cultura popular 9.394/96), no âmbito do ensino médio. E com fundamentação e regional e urbana, contemplados pela LDB. o b j e t i vos articulados à LDB, tornou-se possível, através desse pro- Em nossa LDB, por exemplo, afirma-se que o “ensino será minis- jeto, criar condições para refletir e enfrentar o desafio contido na trado com base [no princípio da] vinculação entre a educação esco- afirmativa de H.G. Wells de que “e n t ramos numa corrida entre a lar, o trabalho e as práticas sociais” (LDB, Art. 3o, inciso XI). Exce- educação e a catástro f e” (4) – corrida cada vez mais real e impera- tuando-se a diferença entre o princípio e a prática, nem sempre t i va, em larga escala, a partir da imposição de um projeto neo-libe- desprezível, é notável a semelhança do conteúdo das duas citações. ral ao mundo globalizado, observamos. Nessas circunstâncias, Por outro lado, a questão de “um contexto permanente de forma- como afirma, de modo crítico, Paulo Fre i re “atualmente, não se ção”, ou, em outras palavras, a questão da contextualização do entende mais a educação como form a ç ã o, mas apenas como tre i n a- ensino, se impõe cada vez mais e é um dos pontos centrais no debate 33
  • 2. E D U C A Ç Ã O N Ã O - F O R M A L /A R T I G O S sobre educação escolar hoje em dia, com reflexo evidente, por exem- Contribuir para o aprimoramento dos professores que participa- plo, nos vestibulares, que já mudaram seus programas e seus objeti- rão do projeto, no tocante às técnicas e metodologias de ensino, bem vos, enquanto as escolas não. Mas quando nasce o problema da como daqueles que, fora da oficina, posteriormente, terão contato necessidade de contextualizar o aprendizado? É esse um problema com o material ali produzido, como agentes desencadeadores de característico apenas da sociedade pós-moderna? outros processos criativos em situações diversas. Esse problema não é novo e nasce exatamente com a institucionali- Enfatizar e incentivar a produção artística não apenas como ins- zação da escola na Idade Média, quando a educação tornou-se um trumento didático, mas como produção estética autônoma inserida p roduto da escola (8) e a atividade de ensinar passou a ser desenvo l- na cultura e na sociedade. vida por profissionais em um espaço físico específico, isolado do Criar e desenvolver técnicas e metodologias facilitadoras da trans- resto do mundo, e desvinculado das exigências da vida quotidiana: ferência de conhecimentos na própria oficina, em sala de aula, atra- o espaço da escola, no qual se valoriza, de forma crescente ao longo vés do ensino à distância e na vida prática, imprimindo à produção dos séculos, o ensino formal e formalizante, deixando de lado, por do conhecimento um aspecto lúdico e estético. exemplo, a experiência extra-escolar do aluno. A esse re s p e i t o , Alguns objetivos mais específicos estão relacionados abaixo: Moacir Carneiro (9), comentando o Art. 3o, inciso X, da LDB, que In c e n t i var os alunos participantes a traduzirem em linguagem trata da valorização da experiência extra-escolar como princípio artística (tirinhas e charges) os conteúdos trabalhados pelos profes- básico do ensino, afirma que esta é “uma das desafiadoras questões do sores em sala de aula e na oficina. ensino bra s i l e i ro. Nossa tradição escolar, radicalmente formal e form a- Produzir material didático lúdico, utilizando a linguagem dos qua- lizante, tem impedido o desenvolvimento de uma cultura pedagógica drinhos, para o segundo segmento do ensino fundamental (de5a a 8a que valorize o patrimônio de conhecimentos que o aluno construiu e séries) e para o ensino médio. constrói fora do espaço de sala de aula. No fundo, esta dificuldade tra- Contribuir para a formação dos futuros professores (licencian- duz a relevância absoluta que se dá à qualidade for- dos) a partir do aprimoramento de conteúdos mal do conhecimento (...). O extra-escolar representa específicos, preparando-os para estar sempre aber- um canal importante para abrir espaços de art i c u l a- “ E D U CAÇÃO tos ao novo. ção escola/comunidade, pela possibilidade de cons- Buscar a interdisciplinaridade tanto na confecção É O QUE t ruir um conteúdo de ensino capaz de ‘satisfazer as dos materiais, como na utilização dos mesmos. necessidades de aprendizagem’.” Ac rescenta ainda o SOBREVIVE Foi com esses objetivos que o projeto foi concebido comentarista da lei que “o extra-escolar não é a sube- QUANDO e a prática do dia-a-dia da oficina EDUHQ tem ducação. Pelo contrário, o extra-escolar é o tra b a l h o, O QUE FOI sido pautada neles, com frutos muito positivos, que a convivência, o laze r, a família, o amor, a festa, a APRENDIDO FOI nos encorajam a continuar o trabalho. igreja, (...), a vida, enfim” (9). ESQUECIDO” Reconhecemos a relevância do pensamento desse V I A B I L I DA D E Do ponto de vista didático, nossa autor quanto à valorização do extra-escolar que, em p roposta vislumbra o ensino não-formal, mas se certa escala, corresponde ao ensino não-formal, por p rojeta numa crítica da formalização do ensino isso o mencionamos como comentarista da LDB. Mas no caso do através do conhecimento dos conteúdos, tendo como meta transfor- projeto EDUHQ, cria-se uma perspectiva diversa, capaz de integrar mar o ensino das ciências, viabilizando-o através da prática artística. o formal e o não-formal, permitindo que um transforme o outro. Valorizamos o não-formal como método para transformação do for- mal, e viabilizamos uma aproximação entre ambos que permita ao OBJETIVOS DO PROJ E TO A oficina EDUHQ reúne pesquisadores, educando brasileiro, enquanto habitante de um país em desenvolvi- p ro f e s s o res de ensino médio, alunos de licenciatura e alunos do mento, lançar-se ao conhecimento formal através do não-formal, ensino médio, de diversas instituições de ensino e pesquisa do Rio de sem o que não teremos voz ante a globalização. Janeiro, criando uma rede dedicada à produção de novas tecnologias Na oficina EDUHQ, a ação pedagógica – com base nos pro c e d i- educacionais, a partir de uma análise crítica da atual situação do mentos informais – tornou-se chave-mestra para as condições essen- ensino básico, médio e universitário (licenciaturas). Seus objetivos ciais do ensino como criatividade e ação para a liberdade, proposta gerais podem ser resumidos assim: que se coaduna com a seguinte idéia de Skinner: “Educação é o que Priorizar uma pedagogia que contemple articulações entre ensino- sobrevive quando o que foi aprendido foi esquecido” (10). Através desse aprendizagem e conhecimento-sociedade, integrando metodologi- projeto, nossa meta é a sobrevivência dos conteúdos formais através camente os conteúdos das disciplinas curriculares, através da produ- do ensino não-formal, que se inicia como mundivisão e cosmovisão ção artística. abrangendo os direitos humanos, quer no campo, quer na urbe, quer Contribuir para que o aluno possa ser um ator importante na na Aldeia Global. difusão do conhecimento a partir de um processo que se inicia nos Assim sendo, torna-se oportuno lembrar que aquilo que nos é infor- p rocessos didáticos e culmina com seu ato criativo, processo esse mado pode ser esquecido, mas os valores assimilados passam a con- que deverá lhe dar uma nova dimensão dialógica do pro c e s s o tribuir para a transformação de outros valores, em escala social, ensino-aprendizado. embora, é claro, os valores possam ser pensados e transformados his- 34
  • 3. E D U C A Ç Ã O N Ã O - F O R M A L /A R T I G O S toricamente. E esta é uma das metas desse projeto: deixar para quem 4. Ronái, P. Dicionário unive rsa l - n ova fro nte i ra de cita ç õ es. Ed. Nova passou pela oficina EDUHQ a consciência de quanto é negativo tra- Fronteira, Rio de Janeiro. 1995. tar a informação como produto descartável, como vem sendo feito 5. Freire, P. Pedagogia dos sonhos possíveis. Editora UNESP, São Paulo. no processo de globalização. Deixar também o gosto pelo sonho, por 2001. aquele sonho transformador do próprio homem e de seu entorno. 6. Fre i re, P. Pedagogia da autonomia – Sa b e res necess á r i os à prática Nesse sentido, foi muito gratificante para o grupo da oficina educativa. Editora Paz e Terra, São Paulo, 15a edição. 2000. EDUHQ receber por escrito as impressões de Gleidson de Castro 7. Ca r u so, F. e Fre i ta s, M.C . S. “Ed u car é fa zer so n h a r”, Ciência & Socie- Araújo, aluno do ensino médio do CIEP 169 de São João de Meriti, dade C B P F- CS- 0 0 9/03, 20 03, ace i to pa ra publicação na rev i sta que escolheu referir-se ao que estava aprendendo na oficina com as Princípios. seguintes palavras: “É gostoso escre ver e imaginar./ Os desenhos nos 8. Harper, B. et al. Cuidado escola!. Editora Brasiliense. São Paulo, 35a fazem sonhar./ As palavras nos faze m pensar./ As histórias nos fazem edição. 2000. viajar por um mundo desconhecido.” E como diria Ba c h e l a rd, “o 9. Ca r n e i ro, M.A. LDB Fácil – Leitu ra crítico-co m p re e n s i va artigo a sonhador não consegue sonhar diante de um espelho que não seja ‘- artigo. Editora Vozes, Petrópolis, 8a. edição, p. 39. 2002. profundo’’” (11). O que, no início, pareceu ser uma opinião indivi- 10. K n ow l es, E. The Oxfo rd dictionary of phra se, saying, and quota t i o n, dual, mostrou-se ter sido assimilado pela enorme maioria dos alunos Oxford University Press. 1998. que passaram pela EDUHQ. De fato, um estudo mostrou que este 11. Bachelard, G. A Terra e os devaneios do repouso. Martins Fontes, São grupo compreende o quanto é essencial que o professor mude seu Paulo. 1990. modo de dar aula para que a escola se torne mais motivadora (12), o 12. Fre i ta s, M.C . S. “Da mot i vação e de sua re l evância no pro cesso de que não foi apontado pelo gru p o - c o n t role (formado de alunos da aprendizagem escolar”, monografia do curso de pedagogia da Facul- mesma faixa etária e das mesmas escolas que participam do projeto), dade de Educação e Letras da Universidade Iguaçu, Unig. 2002. corroborando a nossa tese de que é possível ensinar e transformar o 13. Caruso, F. “Em defesa da licenciatura”. Scientia (São Leopoldo) vol. 6, formal a partir do ensino não-formal. En t retanto, para se chegar no. 1, pp. 93-98. 1995. realmente a começar a construir a escola do futuro, onde a criativi- dade desempenhe um papel central e transformador, é preciso rees- truturar nossas licenciaturas (13). Enquanto isso, insistamos nas experiências pontuais. Quanto ao fim último do projeto EDUHQ, elegemos a criativi- dade e a liberdade de produzir conhecimento e objetos de arte. Uma l i b e rdade que coloca em primeiro plano o reconhecimento dos d i reitos humanos como o legado maior da ciência e das artes. Por último, para dar uma noção da produção da Oficina, podemos d i zer que em seus primeiros dois anos de funcionamento foram p roduzidas cerca de 700 tirinhas em diversas áreas do conheci- m e n t o. Mais detalhes sobre o projeto podem ser encontrados em www.cbpf.br/eduhq. Francisco Caruso é doutor em física pela Universidade de Turim, pesquisador titular do Ce n t ro Bra s i l e i rode Pesquisas Físicas, professor adjunto do Instituto de Física da UERJ. Foi editor cien- tífico da Ciência Ho j e, e é editor da revista Di a l o g h i.Atualmente é superintendente de divulga- ção científica da Se c retaria de Ciência, Tecnologia & In ovação do Estado do Rio de Janeiro. Mirian de Carvalho é doutora em filosofia pela UFRJ. Vice-presidente da Associação Brasilei- ra de Críticos de Arte e membro da Associação Internacional de Críticos de Arte. Maria Cristina de Oliveira Silveira é pedagoga, tendo pós-graduação lato sensu na Uerj so- bre “Dificuldade de aprendizagem”, professora da rede pública do estado do RJ e do município de Caxias. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Ca r u so, F., Carva l h o, M. e Freitas, M.C.S. “Uma pro p osta de ensino e divulgação de ciências através dos quadrinhos”, Ciência & Sociedade CBPF-CS-008/02. 2002. 2. Caruso, F. “Desafios da alfabetização científica”, Ciência & Sociedade CBPF-CS-010/03. 2003. 3. Bachelard, G. O novo espírito científico. Rio de Janeiro: Tempo Brasi- leiro, p 12. 1968. 35