MAYDAY ou MAY DAY - Commodities Chicago - 1k14

464 visualizações

Publicada em

Enquanto a maioria do mundo celebra o Dia do Trabalho, ou MAY DAY em inglês, aqui nos EUA o pessoal não para não... comemorar o Dia do Trabalho aqui só na primeira segunda-feira de Setembro...Mercados abertos hoje mas pelo que parece resolveram celebrar o MAY DAY na bolsa também...Só que parece que, pelo menos os traders do CME (CBOT) – a bolsa de commodities em Chicago – entenderam a mensagem errado, levaram o MAYDAY ao pé da letra!

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
464
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

MAYDAY ou MAY DAY - Commodities Chicago - 1k14

  1. 1. AUTOR: PEDRO H DEJNEKA phderivativos@gmail.com www.twitter.com/PHDerivativos www.facebook.com/PHDerivativos SKYPE: phdbrasil MAY DAY OU MAYDAY? 1 DE MAIO DE 2014 Enquanto a maioria do mundo celebra o Dia do Trabalho, ou MAY DAY em inglês, aqui nos EUA o pessoal não para não... comemorar o Dia do Trabalho aqui só na primeira segunda-feira de Setembro...Mercados abertos hoje mas pelo que parece resolveram celebrar o MAY DAY na bolsa também...Só que parece que, pelo menos os traders do CME (CBOT) – a bolsa de commodities em Chicago – entenderam a mensagem errado, levaram o MAYDAY ao pé da letra!
  2. 2. www.twitter.com/PHDerivativos 2 www.facebook.com/PHDerivativos 1º de MAIO de 2014 Boa noite! Enquanto a maioria do mundo celebra o Dia do Trabalho, ou MAY DAY em inglês, aqui nos EUA o pessoal não para não... comemorar o Dia do Trabalho aqui só na primeira segunda-feira de Setembro... Mercados abertos hoje mas pelo que parece resolveram celebrar o MAY DAY na bolsa também... Só que parece que, pelo menos os traders do CME (CBOT) – a bolsa de commodities em Chicago – entenderam a mensagem errado, levaram o MAYDAY ao pé da letra! O que quero dizer com isso? Bem, MAY DAY (com espaço entre as duas palavras) se refere ao Dia de Trabalho Internacional, comemorado oficialmente em mais de 80 países no mundo. Já a expressão MAYDAY (sem espaço), é um sinal oficial de socorro transmitido geralmente por rádio em casos sérios de emergência. Utilizada principalmente por marinheiros, pilotos de avião e também por policiais e bombeiros, a chamada é geralmente repetida três vezes “MAYDAY, MAYDAY, MAYDAY” para que não haja confusão na interpretação. Nos EUA, fazer uma chamada falsa de MAYDAY em linha oficial de rádio é um crime federal, carregando penas de até 6 anos e também uma multa pesada de até USD $250.000. Chega de curiosidades, vamos aos fatos... O mercado amanheceu um pouco “tenso”, mas nada que apontasse para o tamanho da realização que ocorreu. O primeiro semanal de exportações que apontou vendas negativas para soja EUA, as 7:30hs Chicago, contribuiu para adicionar um pouco mais de pressão antes da interrupção das 7:45hs. Soja Julho (SN4) se aproximou do suporte de $15/bushel no final da sessão noturna, o que deixou vários traders atentos para a reabertura das 8:30hs Chicago. E não deu outra, já no primeiro minuto da reabertura o mercado levou SN4 abaixo dos $15 e continuou a puxada pra baixo. Níveis técnicos foram sendo ultrapassados em um movimento clássico e volátil de “venda atrai venda”. Quanto mais o mercado caia, mais era claro que buscaria o fortíssimo piso de $14,60 para SN4. E não deu outra – a baixa do dia foi registrada exatamente nos $14,60 e o mercado fechou o dia com perdas entre 1,5% a 3,5% na curva de preços da soja, com Julho registrando baixa de mais de 50 centavos no dia... MAYDAY! MAYDAY! MAYDAY! Parece que realmente o MAY DAY virou MAYDAY!
  3. 3. www.twitter.com/PHDerivativos 3 www.facebook.com/PHDerivativos 1º de MAIO de 2014 A estimativa de ação por parte dos fundos hoje foi de venda de 12.000 contratos de SOJA, 10.000 contratos de MILHO e 4.000 contratos de TRIGO.É primeiro dia do mês, e fundos pegaram muitos dos participantes de calça curta, já que muitos esperavam a entrada e não saída, de capital na área de commodities. Mais interessante é observar o que aconteceu com o famoso e volátil SPREAD X4-N4 (diferencial de preço entre o contrato de Soja Julho 2014 e Novembro 2014). O contrato é um dos mais visados por especuladores todos os anos, por claramente delinear a “velha safra” ou old-crop da “nova safra” ou new crop Americana. Em anos de estoques apertados este spread é ainda mais volátil – tanto que ano passado o spread chegou a tocar a área de $3,50 prêmio para Julho, durante o período de entrega do contrato de Julho. Já que este ano os estoques parecem**estar mais apertados do que ano passado, muitos especuladores esperam que este spread pelo menos se aproxime deste nível nas próximas semanas. **(isto de acordo com dados oficiais, apesar do basis (prêmio) não estar indicando isso aqui nos EUA – hmmmm – será que o USDA errou na conta do tamanho real da safra passada aqui nos EUA e tem bem mais soja no mercado do que se cogita??? - hmmm – teoria de conspiração ou análise realista?) Mais interessante ainda é a comparação do spread deste ano com o de 2004 – como mostra o gráfico abaixo:
  4. 4. www.twitter.com/PHDerivativos 4 www.facebook.com/PHDerivativos 1º de MAIO de 2014 A correlação é realmente impressionante e sinceramente, não duvido que possa continuar nas próximas semanas. A realização de hoje foi muito mais técnica do que por qualquer outro fator e foi principalmente guiada pelo spread, que só hoje perdeu mais de 30 centavos. Apesar de acreditar que o mercado está fazendo tempestade em copo d’água quanto a situação real de estoques de soja este ano nos EUA, acredito que ainda seja um pouco cedo para uma realização mais forte. Digo isso pois acredito que para que isso ocorra, precisamos ver um pouco mais de prova de que o clima ajudará no plantio e também a comprovação da chegada e/ou contratação de mais soja e/ou farelo importado aqui nos EUA. Isto pode curiosamente acontecer até meados de Maio, o que poderia deixar a correlação no gráfico acima intacta... Agora, é claro que este cenário pode mudar – um dos primeiros pontos de observação sobre se teremos ou não mais realização após o movimento de hoje será como o mercado se comportará na sessão noturna de hoje e amanhã durante o pregão... a área de $14,55 - $14,60 é importantíssima para os Bulls (compradores) retomarem controle pelo menos temporário deste mercado, controle este que parecia inatingível até ontem à noite! Se esta área de suporte não se segurar, podemos ver mais um(uns) dia(s) de realização pela frente. De qualquer maneira, repito, na minha opinião ainda me parece um pouco precoce para tal realização... Fiquem de olho para um possível rebote na sessão de amanhã – podemos até ter uma sessão bastante lenta, com poucos traders querendo aumentar suas apostas antes do final de semana – veremos... Mas para que isto aconteça, repito, de olho na área de $14,55 - $14,60, que era forte suporte no SK4 e agora é no SN4. *Vale à pena lembrar que amanhã temos estimativas da empresa INFORMA sobre o relatório da semana que vem do USDA – em um dia de possíveis notícias e participação lentas – isto pode ter um efeito relevante no mercado* Quanto a safra nova, vale lembrar que se o clima se desenhar por aqui nos EUA como muitos dizem (El Niño = temperaturas amenas com boas chuvas durante a safra) e se os produtores Norte Americanos realmente conseguirem plantar mais de 33,5 milhões de hectares de soja este ano, o contrato de Novembro poderá chegar a operar à níveis muito mais baixos do que muitos esperam. Ainda temos muito chão pela frente e falar de clima é sempre um grande “SE”, mas o dia de hoje serviu para nos mostrar a força e velocidade de baixas que fundos saindo do mercado podem causar... ACHTUNG BABY! _____________________________________ IMPORTANTE! Um PEQUENO detalhe está se desenvolvendo que está passando vazado por muitos hoje e que pode muito bem ter ajudado a influenciar o mercado... mas antes de falar o que é, vale montar bem o quadro: Já faz algum tempo que venho defendendo a tese de que a demanda Chinesa atual e a velocidade de seu crescimento nos últimos anos é pelo menos, em parte, devido à fatores “artificiais” como a utilização da oleaginosa para especulação através de um processo conhecido como COMMODITY TRADE FINANCE e também por políticas de governo que incentivaram a acumulação de enormes estoques domésticos***. É difícil “remar contra maré”, já que uma enorme parte de participantes do mercado não enxergam (ou pelo menos não querem enxergar) isso... mas – continuo acreditando nesta tese, que se tornou mais forte ainda de pois de uma conversa recente com o Professor Harwood Schaffer, do Departamento de Agricultura da Universidade do Tennessee.
  5. 5. www.twitter.com/PHDerivativos 5 www.facebook.com/PHDerivativos 1º de MAIO de 2014 Em conversa duradoura, constatamos que compartilhamos desta tese, e que é perigosíssimo simplesmente acatar as teses atuais que falam de China importando mais de 100 milhões de toneladas até 2020, etc.., sem um maior questionamento. Uma das perguntas mais importantes que pode-se fazer é: “Será que a China continuará aumentando o seu ritmo de importação nos próximos anos da mesma forma que aumentou ano à ano desde o início da década de 2000? Será que isto é sustentável?” Ainda não temos uma resposta clara, mas o gráfico abaixo apenas valida ainda mais tal pergunta: O gráfico mostra que, dede 1999, a demanda de importação por parte da China saiu de pouco mais de 10 milhões de toneladas ao ano para próximo de 70 milhões de toneladas este ano. Enquanto isso, as importações de soja por parte do resto do mundo se mantiveram estáveis em torno de 35 milhões de toneladas. Será que não seria sensato parar e observar os fatos um pouco melhor antes de assumirmos que a demanda Chinesa continuará crescendo no mesmo ritmo nos próximos anos? Vocês que têm um relacionamento próximo à mim e à PHDerivativos devem se lembrar de conversas que tivemos algumas semanas atrás sobre este tópico, onde descrevia que eu discordava das perspectivas atuais de RITMO de crescimento da demanda Chinesa. Eu apontava que não acreditava nos números anunciados pelo USDA recentemente, onde eles estimam que até 2020 a China importará mais de 110 milhões de toneladas. Vários fatores contribuem para esta minha análise (fico à disposição para conversar mais detalhadamente sobre por telefone). Eu completava minha tese dizendo que dentro de minhas estimativas, a demanda Chinesa oscilaria entre 55 e 85 milhões de toneladas por ano até o ano 2020... Como eu disse, não é sempre fácil nadar contra a maré ;) Mas, como diz o ditado, a esperança é a última que morre... E me parece que algumas pessoas que têm tudo à ver com esta discussão concordam com esta minha linha de pensamento... Ontem aconteceu em Beijing a Conferência Chinesa de Perspectivas Agrícolas de 2014, que teve duas principais instituições como anfitriões: O Instituto de Informação Agricultural e a Academia Chinesa de Ciências Agriculturais. Os anfitriões lançaram a primeira perspectiva de longo prazo do setor agrícola Chinês em muito tempo. Nos seus relatos, os grupos fazem estimativas de oferta e demanda Chinesas para o setor agrícola, incluindo várias commodities como soja, milho, algodão, etc... entre 2014 – 2023. Hmm, Hmm, e sabem qual é a estimativa destes grupos sobre aonde estará o ritmo de importação anual de soja Chinesa em 2023? Tã tã tã tã... 73 MILHÕES DE TONELADAS Exato, não é um erro na digitação... 73 milhões ao ano, apenas em torno de 5 milhões de toneladas acima do que a China hoje importa. O primeiro estudo de perspectivas de longo prazo de demanda Chinesa feito por entidades daquele país contraria por completo o pensamento da maioria de “experts” do mercado até agora. Talvez esta estimativa esteja muito baixo, e talvez não... mas o que ela faz é colocar de vez lenha na fogueira de uma tópico que já deveria estar sendo analisado com mais cuidado á muuuuuito tempo... Se a tese de menor velocidade no crescimento da demanda Chinesa nos próximos anos estiver correta, o que isto significará para países como o nosso querido BR que depois de muita demora, agora investem bilhões e trilhões no desenvolvimento de um sistema moderno e caro de infraestrutura, contando com um aumento anual quase exponencial de demanda Chinesa?!?! Vale a pena refletir não? ... ... ...
  6. 6. www.twitter.com/PHDerivativos 6 www.facebook.com/PHDerivativos 1º de MAIO de 2014 Por último, e como não podia deixar de ser – registro aqui a nossa homenagem àquele que muito orgulho trouxe a nós Brasileiros em uma época que poucos acreditavam no nosso país... É difícil não se emocionar à lembrar do nosso querido “Ayrton Senna do Brasil”!!! Obrigado Ayrton por tudo o que você significou pra nós que crescemos junto com você... O que você fez vai muito além de ter se tornado o melhor piloto de F-1 de todos os tempos... SENNA PRA SEMPRE... Até a próxima... PEDRO H DEJNEKA phderivativos@gmail.com Tel: +1 540 841 1078 | SKYPE: phdbrasil www.facebook.com/PHDerivativos www.twitter.com/PHDerivativos ________________________________________________________________________________________________________________ *Esta e outras colunas e relatórios, fazem parte da gama de serviços oferecidos pela PHDerivativos Consultoria Internacional. Esta obra tem como simples intuito informar e comunicar ao leitor a visão do autor. *Pedimos com toda a gentiliza que a propriedade intelectual do autor seja respeitada, lembrando que todo e qualquer trecho desta obra a serem citados em sites, revistas, blogs, livros, programas de rádio e TV, ou qualquer outra forma de comunicação, deverá acompanhar o nome do autor. *A PHDerivativos é uma empresa internacional de consultoria macroeconômica e financeira que traz uma visão global, imparcial e direta a assuntos interligados á diversas indústrias, dentre elas a do Agronegócio. Situada em Chicago, IL – EUA e com representações no Brasil, tem o privilégio de trazer ao cliente Brasileiro e Latino Americano, uma análise mais ampla e global, de assuntos internacionais, regionais e locais.

×