SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
PROGRAMA DE EDUCAÇÃO
EM SAÚDE – PES
CAPACITAÇÃO
PROFISSIONAL
PES - 3.4
FARINGITE E
AMIGDALITE
Farmacêuticas Responsáveis:
• Áurea Ribeiro Carvalho
• Cynthia Rafaela Generoso
www.farmaceuticodigital.com
FARINGITE / AMIGDALITE OU
DOR DE GARGANTA
 Faringite é o termo dado a inflamação da
faringe, enquanto que, amigdalite é a
inflamação das amígdalas. Ambas se
manifestam como dor de garganta e como
normalmente ocorrem simultaneamente,
denominamos esse quadro como
faringoamigdalite.
 Apesar de inflamarem juntas, algumas
pessoas tem predominantemente amigdalite,
enquanto outras, faringites.
 Normalmente causada por um vírus, mas
também pode ser decorrente de bactérias.
www.farmaceuticodigital.com
As faringites virais são processos benignos
que se resolvem espontaneamente, ao
contrário das faringites ou amigdalites
bacterianas que devem ser tratadas com
antibióticos e podem levar a complicações
como abscessos e febre reumática.
www.farmaceuticodigital.com
FARINGITE VIRAL
 Início gradual, que se acompanha de febre
baixa, mal-estar e anorexia (falta de apetite).
A dor de garganta costuma ser moderada ,
podendo estar presente desde o início do
processo ou, mais comum, aparecer um ou
dois dias após os outros sintomas.
 Normalmente as faringites virais são
acompanhadas de outros sinais de infecção
respiratória alta, como tosse, espirros,
constipação nasal, conjuntivite e rouquidão.
www.farmaceuticodigital.com
FARINGITE BACTERIANA
 Início súbito, calafrios, dor de garganta
intensa, dor ao engolir, cefaléia (dor de
cabeça), dor abdominal, orofaringe
hiperemiada com placas de pus, petéquias
no palato mole e adenite cervical (ingua
dolorosa). Em adultos a tríade formada por
febre acima de 37,8ºC, existência de placas
de pus e adenite cervical anterior é a mais
sugestiva de faringite bacteriana.
www.farmaceuticodigital.com
COMO DIFERENCIAR OS 2
TIPOS DE FARINGITES
SINTOMAS VIRAL BACTERIANA
INÍCIO Gradual Súbito
ADENITE CERVICAL Incomum Freqüente - doloroso
FEBRE Freqüente Freqüente
ANOREXIA Perda de Apetite Dor ao engolir
DOR DE GARGANTA Moderada Forte
“PLACAS DE PUS” Pode ser encontrada Freqüente
DOR ABDOMINAL Não usual Freqüente
TOSSE Não usual Não usual
CORIZA Freqüente Não usual
CONJUNTIVITE Freqüente Não usual
ROUQUIDÃO Freqüente Não usual
CALAFRIOS Não usual Freqüentewww.farmaceuticodigital.com
TRATAMENTO
 FARINGITE VIRAL Em geral são auto-limitadas e requerem
somente tratamento sintomático. Repouso e hidratação
são essenciais.
 Os analgésicos e antipiréticos de escolha são: Paracetamol
e Ibuprofeno, AAS está contra-indicado principalmente
para crianças.(Dengue, Síndrome de Reye).
Antiinflamatórios não – esteróides também podem ser
utilizados.
 Atenção para pessoas alérgicas, com problemas gástricos
graves ou com asma; nesses casos os antiinflamatórios não-
esteróides estão CONTRA-INDICADOS.
 O tratamento paliativo deve ser mantido por 5 a 7 diasse
nesse tempo os sintomas não tiverem regredido totalmente,
o paciente deve ser encaminhado ao médico.
 ATENÇÃO: Ibuprofeno não pode ser utilizado por diabéticos
em uso de hipoglicemiantes orais (metformina,
glibenclamida). Efeito hipoglicemiante aumentado.
www.farmaceuticodigital.com
TRATAMENTO
 FARINGITE BACTERIANA  Deve-se fazer um
tratamento paliativo com antipiréticos,
analgésicos e anti-inflamatórios, se necessário.
 O tratamento adequado será a
antibioticoterapia. Nesse caso específico,
devemos orientar o paciente a procurar o
médico, de acordo com a RDC 44/2011.
 Orientar o cliente a fazer o tratamento por
todo o tempo prescrito mesmo que haja
desaparecimento dos sintomas já nos primeiros
dias.
www.farmaceuticodigital.com
PASTILHAS
 Uma vez excluída a possibilidade de uma infecção
bacteriana, podem ser utilizadas para o ALÍVIO DOS
SINTOMAS de “dor de garganta”.
 É recomendável que se use uma pastilha que
contenha apenas açúcar e anti-sépticos;
 O Açúcar tem efeitos cicatrizante e hidratante;
 Os Anti-sépticos muitas vezes possuem efeitos
refrescante e odorizante;
 Não devem ser usados por crianças menores de 3
anos (devido a propensão de desenvolverem alergias
aos componentes).
 Devem ser usados por no máximo 5 dias consecutivos,
depois disso pode haver seleção de flora bacteriana
resistente. (devido a presença de anti sépticos)www.farmaceuticodigital.com
PASTILHAS
 As pastilhas devem ser isentas de antibióticos e
glicocorticóides.
 Os antibióticos além de não resolverem casos de
infecção, devido ao tempo de contato muito
restrito, selecionam flora bacteriana resistente.
 Os glicocorticóides possuem ação
antiinflamatória, o que poderia ser útil, porém eles
diminuem a imunidade do organismo, dificultam
a cicatrização da mucosa e não aliviam a dor
diretamente.
 Para as irritações de garganta o melhor a se
fazer é HIDRATAR bem e se possível AQUECER a
garganta. Bebidas quentes e doces tem um
ótimo efeito.
www.farmaceuticodigital.com
OUTRAS ALTERNATIVAS
 Nos casos de dor fazer um gargarejo com um
copo americano cheio de água bem quente
com uma colher de sopa de bicarbonato de
sódio e uma pitada de sal. Esse gargarejo
deverá ser feito 4 vezes ao dia
 Caso a garganta apresente-se com placas
brancas, o gargarejo deverá ser feito com um
copo americano cheio de água quente e uma
colher de água oxigenada 10 volumes. Esse
gargarejo deverá ser feito 3 vezes ao dia, se as
placas não desaparecerem, a pessoa deverá
ser encaminhada a um médico.
www.farmaceuticodigital.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exame físico do Tórax
Exame físico do TóraxExame físico do Tórax
Exame físico do Tóraxpauloalambert
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)João Marcos
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Paulo Alambert
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Jaqueline Almeida
 
Apendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufopApendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufopkalinine
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosresenfe2013
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidadeblogped1
 
Aula 5 - Sinusite / faringite e amigdalite
Aula 5 - Sinusite / faringite e amigdaliteAula 5 - Sinusite / faringite e amigdalite
Aula 5 - Sinusite / faringite e amigdaliteTaianyMelo
 
Pneumonia Pediatria
Pneumonia PediatriaPneumonia Pediatria
Pneumonia Pediatriagiolamarao
 
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumoniaCuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumoniaManoela Correia
 
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVAINSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVAPaulo Alambert
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioAroldo Gavioli
 
Fisiopatologia das infecções de micoses profundas
Fisiopatologia das infecções de micoses profundasFisiopatologia das infecções de micoses profundas
Fisiopatologia das infecções de micoses profundasSafia Naser
 

Mais procurados (20)

Exame físico do Tórax
Exame físico do TóraxExame físico do Tórax
Exame físico do Tórax
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
 
PES 3.3 Rinossinusite
PES 3.3 RinossinusitePES 3.3 Rinossinusite
PES 3.3 Rinossinusite
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Exame físico do tórax
Exame físico do tórax
 
Dor torácica
Dor torácicaDor torácica
Dor torácica
 
Fimose
FimoseFimose
Fimose
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
 
Laparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamentoLaparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamento
 
Apendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufopApendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufop
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Aula 5 - Sinusite / faringite e amigdalite
Aula 5 - Sinusite / faringite e amigdaliteAula 5 - Sinusite / faringite e amigdalite
Aula 5 - Sinusite / faringite e amigdalite
 
Pneumonia Pediatria
Pneumonia PediatriaPneumonia Pediatria
Pneumonia Pediatria
 
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos EdemasSemiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
 
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumoniaCuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
 
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVAINSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
 
Aula Hanseníase
Aula Hanseníase Aula Hanseníase
Aula Hanseníase
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
Fisiopatologia das infecções de micoses profundas
Fisiopatologia das infecções de micoses profundasFisiopatologia das infecções de micoses profundas
Fisiopatologia das infecções de micoses profundas
 

Destaque (20)

Faringite estreptocócica
Faringite estreptocócicaFaringite estreptocócica
Faringite estreptocócica
 
Faringoamigdalite Aguda
Faringoamigdalite AgudaFaringoamigdalite Aguda
Faringoamigdalite Aguda
 
Faringitis aguda y crónica
Faringitis aguda y crónicaFaringitis aguda y crónica
Faringitis aguda y crónica
 
Laringite - causas, sintomas e tratamento
Laringite - causas, sintomas e tratamentoLaringite - causas, sintomas e tratamento
Laringite - causas, sintomas e tratamento
 
Faringitis
FaringitisFaringitis
Faringitis
 
Faringitis
FaringitisFaringitis
Faringitis
 
Estreptococos i
Estreptococos iEstreptococos i
Estreptococos i
 
Faringitis
FaringitisFaringitis
Faringitis
 
PES 3.0 Sistema Respiratório
PES 3.0 Sistema RespiratórioPES 3.0 Sistema Respiratório
PES 3.0 Sistema Respiratório
 
Faringitis 090913220221-phpapp02
Faringitis 090913220221-phpapp02Faringitis 090913220221-phpapp02
Faringitis 090913220221-phpapp02
 
Faringitis
Faringitis Faringitis
Faringitis
 
Faringite estreptocócica
Faringite estreptocócicaFaringite estreptocócica
Faringite estreptocócica
 
Patologia
PatologiaPatologia
Patologia
 
PES 3.5 Asma
PES 3.5 AsmaPES 3.5 Asma
PES 3.5 Asma
 
IVAS na infância
IVAS na infânciaIVAS na infância
IVAS na infância
 
Amigdalectomia
 Amigdalectomia Amigdalectomia
Amigdalectomia
 
Faringitis
FaringitisFaringitis
Faringitis
 
Amigdalite Bacteriana
Amigdalite  BacterianaAmigdalite  Bacteriana
Amigdalite Bacteriana
 
A vida de são joão batista
A vida de são joão batistaA vida de são joão batista
A vida de são joão batista
 
Amigdalectomia
AmigdalectomiaAmigdalectomia
Amigdalectomia
 

Semelhante a PES 3.4 Faringite

PRINCIPAIS DOENÇAS ATENDIDAS EM FÁRMACIA.pptx
PRINCIPAIS DOENÇAS ATENDIDAS EM FÁRMACIA.pptxPRINCIPAIS DOENÇAS ATENDIDAS EM FÁRMACIA.pptx
PRINCIPAIS DOENÇAS ATENDIDAS EM FÁRMACIA.pptxdanielapqt
 
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil - Sintomas de Doença
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil -  Sintomas de Doença U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil -  Sintomas de Doença
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil - Sintomas de Doença I.Braz Slideshares
 
Tratamento Para Candidiase
Tratamento Para CandidiaseTratamento Para Candidiase
Tratamento Para Candidiasenvs74191
 
Tratamento Para Candidiase
Tratamento Para CandidiaseTratamento Para Candidiase
Tratamento Para Candidiasenvs74191
 
Tratamento Para Candidiase
Tratamento Para CandidiaseTratamento Para Candidiase
Tratamento Para Candidiasenvs74191
 
Tratamento Para Candidiase
Tratamento Para CandidiaseTratamento Para Candidiase
Tratamento Para Candidiasenvs74191
 
Tratamento Para Candidiase
Tratamento Para CandidiaseTratamento Para Candidiase
Tratamento Para Candidiasenvs74191
 
Alergia alimentar direção-geral da saúde
Alergia alimentar   direção-geral da saúdeAlergia alimentar   direção-geral da saúde
Alergia alimentar direção-geral da saúdeCarlos Rosete
 
Apresentação aos Doentes em Circuito Interno TV - Dia Europeu Antibiótico - 1...
Apresentação aos Doentes em Circuito Interno TV - Dia Europeu Antibiótico - 1...Apresentação aos Doentes em Circuito Interno TV - Dia Europeu Antibiótico - 1...
Apresentação aos Doentes em Circuito Interno TV - Dia Europeu Antibiótico - 1...Fernando Barroso
 
Doenças sazonais típicas do inverno
Doenças sazonais típicas do invernoDoenças sazonais típicas do inverno
Doenças sazonais típicas do invernoDaniela Simões
 
Uso racional de medicamentos (URM)..pptx
Uso racional de medicamentos (URM)..pptxUso racional de medicamentos (URM)..pptx
Uso racional de medicamentos (URM)..pptxricardocareli2
 
Uso correto de antibióticos
Uso correto de antibióticosUso correto de antibióticos
Uso correto de antibióticosLicínia Simões
 
Alimentacao em tempo de Gripe
Alimentacao em tempo de GripeAlimentacao em tempo de Gripe
Alimentacao em tempo de Gripenuno.jose.duarte
 

Semelhante a PES 3.4 Faringite (20)

PRINCIPAIS DOENÇAS ATENDIDAS EM FÁRMACIA.pptx
PRINCIPAIS DOENÇAS ATENDIDAS EM FÁRMACIA.pptxPRINCIPAIS DOENÇAS ATENDIDAS EM FÁRMACIA.pptx
PRINCIPAIS DOENÇAS ATENDIDAS EM FÁRMACIA.pptx
 
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil - Sintomas de Doença
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil -  Sintomas de Doença U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil -  Sintomas de Doença
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil - Sintomas de Doença
 
Tratamento Para Candidiase
Tratamento Para CandidiaseTratamento Para Candidiase
Tratamento Para Candidiase
 
Tratamento Para Candidiase
Tratamento Para CandidiaseTratamento Para Candidiase
Tratamento Para Candidiase
 
Tratamento Para Candidiase
Tratamento Para CandidiaseTratamento Para Candidiase
Tratamento Para Candidiase
 
Tratamento Para Candidiase
Tratamento Para CandidiaseTratamento Para Candidiase
Tratamento Para Candidiase
 
Tratamento Para Candidiase
Tratamento Para CandidiaseTratamento Para Candidiase
Tratamento Para Candidiase
 
Alergia alimentar direção-geral da saúde
Alergia alimentar   direção-geral da saúdeAlergia alimentar   direção-geral da saúde
Alergia alimentar direção-geral da saúde
 
Alergias alimentares
Alergias alimentaresAlergias alimentares
Alergias alimentares
 
Alergias
AlergiasAlergias
Alergias
 
PES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e ResfriadosPES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e Resfriados
 
Amigladalite
AmigladaliteAmigladalite
Amigladalite
 
Apresentação aos Doentes em Circuito Interno TV - Dia Europeu Antibiótico - 1...
Apresentação aos Doentes em Circuito Interno TV - Dia Europeu Antibiótico - 1...Apresentação aos Doentes em Circuito Interno TV - Dia Europeu Antibiótico - 1...
Apresentação aos Doentes em Circuito Interno TV - Dia Europeu Antibiótico - 1...
 
Ebook_gastrite.pdf
Ebook_gastrite.pdfEbook_gastrite.pdf
Ebook_gastrite.pdf
 
LinhaçA ôMega 3
LinhaçA ôMega 3LinhaçA ôMega 3
LinhaçA ôMega 3
 
Doenças sazonais típicas do inverno
Doenças sazonais típicas do invernoDoenças sazonais típicas do inverno
Doenças sazonais típicas do inverno
 
Uso racional de medicamentos (URM)..pptx
Uso racional de medicamentos (URM)..pptxUso racional de medicamentos (URM)..pptx
Uso racional de medicamentos (URM)..pptx
 
Uso correto de antibióticos
Uso correto de antibióticosUso correto de antibióticos
Uso correto de antibióticos
 
PES 3.2 Tosse
PES 3.2 TossePES 3.2 Tosse
PES 3.2 Tosse
 
Alimentacao em tempo de Gripe
Alimentacao em tempo de GripeAlimentacao em tempo de Gripe
Alimentacao em tempo de Gripe
 

Mais de Farmacêutico Digital

Informe Técnico 03 Notificações de Receita B e B2
Informe Técnico 03  Notificações de Receita B e B2Informe Técnico 03  Notificações de Receita B e B2
Informe Técnico 03 Notificações de Receita B e B2Farmacêutico Digital
 
Informe Técnico 02 Notificação de Receita A
Informe Técnico 02  Notificação de Receita AInforme Técnico 02  Notificação de Receita A
Informe Técnico 02 Notificação de Receita AFarmacêutico Digital
 
Informe técnico 01 Receituário de Emergência
Informe técnico 01 Receituário de EmergênciaInforme técnico 01 Receituário de Emergência
Informe técnico 01 Receituário de EmergênciaFarmacêutico Digital
 
Você está se prevenindo para não pegar dengue
Você está se prevenindo para não pegar dengueVocê está se prevenindo para não pegar dengue
Você está se prevenindo para não pegar dengueFarmacêutico Digital
 
Normas e Procedimentos de Uso Cartão Nacional de Saúde
Normas e Procedimentos de Uso Cartão Nacional de SaúdeNormas e Procedimentos de Uso Cartão Nacional de Saúde
Normas e Procedimentos de Uso Cartão Nacional de SaúdeFarmacêutico Digital
 
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 AnosCalendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 AnosFarmacêutico Digital
 
Lista de Medicamentos Similares e seus respectivos medicamentos de referência...
Lista de Medicamentos Similares e seus respectivos medicamentos de referência...Lista de Medicamentos Similares e seus respectivos medicamentos de referência...
Lista de Medicamentos Similares e seus respectivos medicamentos de referência...Farmacêutico Digital
 
Lista de medicamentos similares e seus respectivos medicamentos de referencia
Lista de medicamentos similares e seus respectivos medicamentos de referenciaLista de medicamentos similares e seus respectivos medicamentos de referencia
Lista de medicamentos similares e seus respectivos medicamentos de referenciaFarmacêutico Digital
 
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar dissoCartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar dissoFarmacêutico Digital
 
Folder Prevenção e Tratamento do Câncer de colo de Utero e de Mama
Folder Prevenção e Tratamento do Câncer de colo de Utero e de MamaFolder Prevenção e Tratamento do Câncer de colo de Utero e de Mama
Folder Prevenção e Tratamento do Câncer de colo de Utero e de MamaFarmacêutico Digital
 
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014Farmacêutico Digital
 
Resolução nº 2079 normatização do funcionamento das upas
Resolução nº 2079 normatização do funcionamento das upasResolução nº 2079 normatização do funcionamento das upas
Resolução nº 2079 normatização do funcionamento das upasFarmacêutico Digital
 
Resolução no 2.079, de 14 de agosto de 2014
Resolução no  2.079, de 14 de agosto de 2014Resolução no  2.079, de 14 de agosto de 2014
Resolução no 2.079, de 14 de agosto de 2014Farmacêutico Digital
 
MEDIDA PROVISÓRIA No 653, DE 8 DE AGOSTO DE 2014
MEDIDA PROVISÓRIA No 653, DE 8 DE AGOSTO DE 2014MEDIDA PROVISÓRIA No 653, DE 8 DE AGOSTO DE 2014
MEDIDA PROVISÓRIA No 653, DE 8 DE AGOSTO DE 2014Farmacêutico Digital
 

Mais de Farmacêutico Digital (20)

Informe Técnico 03 Notificações de Receita B e B2
Informe Técnico 03  Notificações de Receita B e B2Informe Técnico 03  Notificações de Receita B e B2
Informe Técnico 03 Notificações de Receita B e B2
 
Informe Técnico 02 Notificação de Receita A
Informe Técnico 02  Notificação de Receita AInforme Técnico 02  Notificação de Receita A
Informe Técnico 02 Notificação de Receita A
 
Informe técnico 01 Receituário de Emergência
Informe técnico 01 Receituário de EmergênciaInforme técnico 01 Receituário de Emergência
Informe técnico 01 Receituário de Emergência
 
Você está se prevenindo para não pegar dengue
Você está se prevenindo para não pegar dengueVocê está se prevenindo para não pegar dengue
Você está se prevenindo para não pegar dengue
 
Normas e Procedimentos de Uso Cartão Nacional de Saúde
Normas e Procedimentos de Uso Cartão Nacional de SaúdeNormas e Procedimentos de Uso Cartão Nacional de Saúde
Normas e Procedimentos de Uso Cartão Nacional de Saúde
 
RMNRB2
RMNRB2RMNRB2
RMNRB2
 
RMNRA
RMNRARMNRA
RMNRA
 
BMPO-Completo
BMPO-CompletoBMPO-Completo
BMPO-Completo
 
BMPO-Aquisição
BMPO-AquisiçãoBMPO-Aquisição
BMPO-Aquisição
 
BMPO-Capa
BMPO-CapaBMPO-Capa
BMPO-Capa
 
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 AnosCalendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
 
Lista de Medicamentos Similares e seus respectivos medicamentos de referência...
Lista de Medicamentos Similares e seus respectivos medicamentos de referência...Lista de Medicamentos Similares e seus respectivos medicamentos de referência...
Lista de Medicamentos Similares e seus respectivos medicamentos de referência...
 
Medicamento um direito essencial
Medicamento um direito essencialMedicamento um direito essencial
Medicamento um direito essencial
 
Lista de medicamentos similares e seus respectivos medicamentos de referencia
Lista de medicamentos similares e seus respectivos medicamentos de referenciaLista de medicamentos similares e seus respectivos medicamentos de referencia
Lista de medicamentos similares e seus respectivos medicamentos de referencia
 
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar dissoCartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
 
Folder Prevenção e Tratamento do Câncer de colo de Utero e de Mama
Folder Prevenção e Tratamento do Câncer de colo de Utero e de MamaFolder Prevenção e Tratamento do Câncer de colo de Utero e de Mama
Folder Prevenção e Tratamento do Câncer de colo de Utero e de Mama
 
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014
 
Resolução nº 2079 normatização do funcionamento das upas
Resolução nº 2079 normatização do funcionamento das upasResolução nº 2079 normatização do funcionamento das upas
Resolução nº 2079 normatização do funcionamento das upas
 
Resolução no 2.079, de 14 de agosto de 2014
Resolução no  2.079, de 14 de agosto de 2014Resolução no  2.079, de 14 de agosto de 2014
Resolução no 2.079, de 14 de agosto de 2014
 
MEDIDA PROVISÓRIA No 653, DE 8 DE AGOSTO DE 2014
MEDIDA PROVISÓRIA No 653, DE 8 DE AGOSTO DE 2014MEDIDA PROVISÓRIA No 653, DE 8 DE AGOSTO DE 2014
MEDIDA PROVISÓRIA No 653, DE 8 DE AGOSTO DE 2014
 

Último

O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxLeonardoSauro1
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfAlberto205764
 

Último (9)

O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
 

PES 3.4 Faringite

  • 1. PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE – PES CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL PES - 3.4 FARINGITE E AMIGDALITE Farmacêuticas Responsáveis: • Áurea Ribeiro Carvalho • Cynthia Rafaela Generoso www.farmaceuticodigital.com
  • 2. FARINGITE / AMIGDALITE OU DOR DE GARGANTA  Faringite é o termo dado a inflamação da faringe, enquanto que, amigdalite é a inflamação das amígdalas. Ambas se manifestam como dor de garganta e como normalmente ocorrem simultaneamente, denominamos esse quadro como faringoamigdalite.  Apesar de inflamarem juntas, algumas pessoas tem predominantemente amigdalite, enquanto outras, faringites.  Normalmente causada por um vírus, mas também pode ser decorrente de bactérias. www.farmaceuticodigital.com
  • 3. As faringites virais são processos benignos que se resolvem espontaneamente, ao contrário das faringites ou amigdalites bacterianas que devem ser tratadas com antibióticos e podem levar a complicações como abscessos e febre reumática. www.farmaceuticodigital.com
  • 4. FARINGITE VIRAL  Início gradual, que se acompanha de febre baixa, mal-estar e anorexia (falta de apetite). A dor de garganta costuma ser moderada , podendo estar presente desde o início do processo ou, mais comum, aparecer um ou dois dias após os outros sintomas.  Normalmente as faringites virais são acompanhadas de outros sinais de infecção respiratória alta, como tosse, espirros, constipação nasal, conjuntivite e rouquidão. www.farmaceuticodigital.com
  • 5. FARINGITE BACTERIANA  Início súbito, calafrios, dor de garganta intensa, dor ao engolir, cefaléia (dor de cabeça), dor abdominal, orofaringe hiperemiada com placas de pus, petéquias no palato mole e adenite cervical (ingua dolorosa). Em adultos a tríade formada por febre acima de 37,8ºC, existência de placas de pus e adenite cervical anterior é a mais sugestiva de faringite bacteriana. www.farmaceuticodigital.com
  • 6. COMO DIFERENCIAR OS 2 TIPOS DE FARINGITES SINTOMAS VIRAL BACTERIANA INÍCIO Gradual Súbito ADENITE CERVICAL Incomum Freqüente - doloroso FEBRE Freqüente Freqüente ANOREXIA Perda de Apetite Dor ao engolir DOR DE GARGANTA Moderada Forte “PLACAS DE PUS” Pode ser encontrada Freqüente DOR ABDOMINAL Não usual Freqüente TOSSE Não usual Não usual CORIZA Freqüente Não usual CONJUNTIVITE Freqüente Não usual ROUQUIDÃO Freqüente Não usual CALAFRIOS Não usual Freqüentewww.farmaceuticodigital.com
  • 7. TRATAMENTO  FARINGITE VIRAL Em geral são auto-limitadas e requerem somente tratamento sintomático. Repouso e hidratação são essenciais.  Os analgésicos e antipiréticos de escolha são: Paracetamol e Ibuprofeno, AAS está contra-indicado principalmente para crianças.(Dengue, Síndrome de Reye). Antiinflamatórios não – esteróides também podem ser utilizados.  Atenção para pessoas alérgicas, com problemas gástricos graves ou com asma; nesses casos os antiinflamatórios não- esteróides estão CONTRA-INDICADOS.  O tratamento paliativo deve ser mantido por 5 a 7 diasse nesse tempo os sintomas não tiverem regredido totalmente, o paciente deve ser encaminhado ao médico.  ATENÇÃO: Ibuprofeno não pode ser utilizado por diabéticos em uso de hipoglicemiantes orais (metformina, glibenclamida). Efeito hipoglicemiante aumentado. www.farmaceuticodigital.com
  • 8. TRATAMENTO  FARINGITE BACTERIANA  Deve-se fazer um tratamento paliativo com antipiréticos, analgésicos e anti-inflamatórios, se necessário.  O tratamento adequado será a antibioticoterapia. Nesse caso específico, devemos orientar o paciente a procurar o médico, de acordo com a RDC 44/2011.  Orientar o cliente a fazer o tratamento por todo o tempo prescrito mesmo que haja desaparecimento dos sintomas já nos primeiros dias. www.farmaceuticodigital.com
  • 9. PASTILHAS  Uma vez excluída a possibilidade de uma infecção bacteriana, podem ser utilizadas para o ALÍVIO DOS SINTOMAS de “dor de garganta”.  É recomendável que se use uma pastilha que contenha apenas açúcar e anti-sépticos;  O Açúcar tem efeitos cicatrizante e hidratante;  Os Anti-sépticos muitas vezes possuem efeitos refrescante e odorizante;  Não devem ser usados por crianças menores de 3 anos (devido a propensão de desenvolverem alergias aos componentes).  Devem ser usados por no máximo 5 dias consecutivos, depois disso pode haver seleção de flora bacteriana resistente. (devido a presença de anti sépticos)www.farmaceuticodigital.com
  • 10. PASTILHAS  As pastilhas devem ser isentas de antibióticos e glicocorticóides.  Os antibióticos além de não resolverem casos de infecção, devido ao tempo de contato muito restrito, selecionam flora bacteriana resistente.  Os glicocorticóides possuem ação antiinflamatória, o que poderia ser útil, porém eles diminuem a imunidade do organismo, dificultam a cicatrização da mucosa e não aliviam a dor diretamente.  Para as irritações de garganta o melhor a se fazer é HIDRATAR bem e se possível AQUECER a garganta. Bebidas quentes e doces tem um ótimo efeito. www.farmaceuticodigital.com
  • 11. OUTRAS ALTERNATIVAS  Nos casos de dor fazer um gargarejo com um copo americano cheio de água bem quente com uma colher de sopa de bicarbonato de sódio e uma pitada de sal. Esse gargarejo deverá ser feito 4 vezes ao dia  Caso a garganta apresente-se com placas brancas, o gargarejo deverá ser feito com um copo americano cheio de água quente e uma colher de água oxigenada 10 volumes. Esse gargarejo deverá ser feito 3 vezes ao dia, se as placas não desaparecerem, a pessoa deverá ser encaminhada a um médico. www.farmaceuticodigital.com