PROGRAMA NACIONAL DE FORMAÇÃO
CONTINUADA EM TECNOLOGIA EDUCACIONAL - PROINFO INTEGRADO
CURSO DE REDES DE APRENDIZAGEM – 40...
PROGRAMA NACIONAL DE FORMAÇÃO
CONTINUADA EM TECNOLOGIA EDUCACIONAL - PROINFO INTEGRADO
CURSO DE REDES DE APRENDIZAGEM – 40...
PROGRAMA NACIONAL DE FORMAÇÃO
CONTINUADA EM TECNOLOGIA EDUCACIONAL - PROINFO INTEGRADO
CURSO DE REDES DE APRENDIZAGEM – 40...
PROGRAMA NACIONAL DE FORMAÇÃO
CONTINUADA EM TECNOLOGIA EDUCACIONAL - PROINFO INTEGRADO
CURSO DE REDES DE APRENDIZAGEM – 40...
PROGRAMA NACIONAL DE FORMAÇÃO
CONTINUADA EM TECNOLOGIA EDUCACIONAL - PROINFO INTEGRADO
CURSO DE REDES DE APRENDIZAGEM – 40...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

RADC03 1 atividade_3_1_fabiano

114 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
114
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

RADC03 1 atividade_3_1_fabiano

  1. 1. PROGRAMA NACIONAL DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM TECNOLOGIA EDUCACIONAL - PROINFO INTEGRADO CURSO DE REDES DE APRENDIZAGEM – 40 h Turma: RAD.C03.1 Unidade: 03 – Mídias Sociais e Escola – Caminhos para cidadania Ferramenta (local): Portfólio Tutor: Roberto Marquedonen M. dos Santos (marquedonen@gmail.com) Atividade: 1.3: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1) Escola: EEM Professora Marieta Santos Cursistas: Francisco Fabiano Araujo, Francisco Marques e Vongesse Júnior Para a realização desse trabalho um encontro com os professores da área de Linguagens e Códigos se fez necessário. Nele pudemos discutir sobre os impactos, desafios e vantagens da utilização das redes sociais em sala. A partir do debate foi possível criar o relato abaixo: 1. Contextualização do uso de Mídias Sociais na Escola Quando me lembro de avanços tecnológicos, penso logo na música de Lulu Santos. Porém poderia fazer uma mudança em uma pequena estrofe. Nada do que foi será, de novo, do jeito que já foi um dia. Trocaria o “nada” por “somente a sala de aula”. Sei que o discurso é velho, porém muito presente, ainda. Veio quadro negro com giz, veio quadro branco e seus pincéis, lousas digitais, multimídia, Internet et cetera. E a escola, em sua grande maioria, permanece com salas de aulas caracterizadas com práticas as quais nossos pais estudaram. As redes sociais (dia a dia do nosso aluno) estão presentes e devem ser vistas não como uma ameaça, mas sim como aliadas no processo de construção do conhecimento. Existe uma disparidade enorme entre a forma de utilização real e ideal, a qual tento descrever citando características de cada uma. 1. Realidade – A escola não dispõe de Internet de qualidade para um trabalho com redes sociais, sem comentar nos computadores. Em minha escola, por exemplo, trabalhamos com computadores de 2007, o que chega a ser irônico, visto que as novidades tecnológicas duram cada vez menos. Computadores ultrapassados colaboram para uma insatisfação dos nossos alunos, já que seus celulares com Android e outros sistemas
  2. 2. PROGRAMA NACIONAL DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM TECNOLOGIA EDUCACIONAL - PROINFO INTEGRADO CURSO DE REDES DE APRENDIZAGEM – 40 h bem mais avançados. Então é só utilizar o celular, correto? Não. A utilização de celulares na escola não é permitida. Existem leis que proíbem esses recursos em sala. Afinal, proibir é mais fácil do que sensibilizar. A maioria dos professores, em conversas com colegas, pode-se afirmar que 95% deles, defendem essa proibição, já que no contrário, não seria mais possível dar aula, a lousa iria ser substituída pelo visor do celular, canetas e lápis, trocados por teclados. Nunca gostei de criar pássaros, porque para isso precisaria prendê-los; quando criava cachorro, esse tinha livre arbítrio para transitar e voltar na hora que bem entendia/sentia necessidades. E o que isso implica em nossos questionamentos? Professores adeptos a essa proibição são criadores de pássaros presos, que vivem com medo de soltá-los e eles não voltarem. Temos que entender que quando o aluno, no lugar de estar assistindo as nossas aulas, está mexendo em um celular, não se trata de uma ofensa, mas sim, um pedido de socorro. POR FAVOR, EU PRECISO DE AJUDA. NÃO POSSO MAIS CONVIVER COM LOUSA E PINCEL COMO ÚNICOS RECURSOS, JÁ QUE A SOCIEDADE COBRA-ME BEM MAIS DO QUE ISSO. 2. Ideal – Começamos com Internet para todos e de qualidade. Uma escola toda coberta por wi-fi, alunos e professores sensibilizados para uma utilização correta. Professores conscientes da importância da utilização da informática em sala como meio de atrair seus alunos, e esses, conscientes que há momento para tudo. Conversa, brincadeiras e paqueras é bom, porém instrução se faz necessário. Como que a escola trabalhará a formação do cidadão dessa forma? Como conseguiremos conquistar os nossos alunos por meios que não funcionam mais? Até quando ficaremos nessa situação cômoda acreditando que essas transformações são coisas de pedagogos que não sabem o que é uma sala de aula? 2. Justificativa para o uso das Mídias Sociais na Escola É preciso sensibilizar nossos alunos e professores para essa prática. Dentre os principais problemas citados pelos professores está a falta de controle dos professores no número e horário de acesso dos alunos. Acreditam que com a liberação desse recurso, não
  3. 3. PROGRAMA NACIONAL DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM TECNOLOGIA EDUCACIONAL - PROINFO INTEGRADO CURSO DE REDES DE APRENDIZAGEM – 40 h será mais possível dar aula. Não é fácil. A utilização de recursos, como esse, requer planejamento e estudo. E como isso exige tempo, acaba sendo um fator determinante para o descaso real. Enquanto não nos sensibilizarmos para a importância dessa prática, como forma de atrair nossos alunos para as nossas aulas, estaremos fadados ao fracasso. Constantemente veremos alunos mexendo em celular. Esse comportamento, frente a algo que não é interessante, já é velho. As tecnologias só substituíram os bilhetinhos que corre de mão em mão entre alunos. O maior desafio do professor em sala é o de conquistar o aluno para sua aula, então, procuremos o que desperta sua atenção. Temos que vender nosso peixe e na maioria das vezes não percebemos que existem várias ferramentas ao nosso redor que facilitariam nosso trabalho 3. Diretrizes Percepção, Integração, Planejamento e Criatividade devem ser diretrizes norteadoras do processo de utilização de redes sociais em sala de aula. Percepção porque é a partir daí que o professor sentirá a necessidade de sair da zona de conforto e modificar suas estratégias de ensino; Integração, pois é bem melhor ver as tecnologias como aliadas e não, como rivais em um processo; Planejamento é sempre exigido quando se busca sucesso e em menos tempo, pode-se dizer que quanto melhor a fase de planejamento, menos tempo de perde buscando a realização de um objetivo; Criatividade, não só na escola, mas em todas as outras profissões tem ajudado no “desenrolar” das atividades. Não seria diferente em uma escola, onde a principal meta do professor é despertar o interesse do aluno em sua aula. Diria até que Audácia deveria compor as diretrizes, pois estaremos propondo uma atividade aos nossos alunos onde, na maioria das vezes, sabem mais do que a gente. 4. Considerações Finais
  4. 4. PROGRAMA NACIONAL DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM TECNOLOGIA EDUCACIONAL - PROINFO INTEGRADO CURSO DE REDES DE APRENDIZAGEM – 40 h Nossos professores, escola e sistema não estão preparados, é preciso pensar e repensar essa prática. Em uma conversa que tive com um aluno sobre o uso “descontrolado do celular”, seja na hora de dormir (debaixo do travesseiro), seja no banheiro, um aluno surpreendeu-me a dizer que para mim, era fácil viver sem utilizá-lo dessa forma, mas para ele, isso já era mais difícil. Existe um descontrole, contradição quanto à utilização das redes sociais em sala. Uma turbulência que nos obriga a sair do estágio de conforto, o que é bom, pois, isso é um sinal que existe aprendizagem. 5. Registros 6. Referências Bibliográficas CASTELLS, M. A sociedade em rede – v. 1, 4. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
  5. 5. PROGRAMA NACIONAL DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM TECNOLOGIA EDUCACIONAL - PROINFO INTEGRADO CURSO DE REDES DE APRENDIZAGEM – 40 h GREENFIELD, Patrícia M. O desenvolvimento do raciocínio na era eletrônica: os efeitos da TV, computadores e videogames. São Paulo: Summus, 1988. YAGER, T O M. Inf orm ation’s Human Dimention: Multimedia technologies can improve presentations today. Byte, p. 153-160, dez. 1991.

×