1 
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS 
DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA, GEOGRAFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS 
Teodoro Gonçalves Si...
2 
RELATO DE UMA VIDA: 
ENCANTAMENTOS DA MEMÓRIA E FENDAS DA HISTÓRIA 
Monografia apresentada ao Departamento 
de História...
3 
RELATO DE UMA VIDA: 
ENCANTAMENTOS DA MEMÓRIA E FENDAS DA HISTÓRIA 
Goiânia, Goiás, _____ de dezembro de 2012. 
_______...
4 
Dedico este trabalho a todos que, de uma 
forma ou de outra, me ajudaram a chegar 
ao final. Aos colegas que participei...
5 
“(...): a vós graça e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo! 
(...) Dou graças ao meu Deus todas as v...
6 
Este trabalho acadêmico é uma narrativa da trajetória de vida do autor e uma 
reflexão sobre o binômio História e Memór...
7 
This academic work is a narrative of the author and a reflection on the binomial 
History and Memory. The narrative bec...
8 
INTRODUÇÃO............................................................................................................0...
9 
INTRODUÇÃO 
Sempre vinha à minha cabeça a vontade, o desejo de escrever algo sobre a 
minha vida, minha luta, busca e t...
10 
repousa em vós”. 
Seguindo a ideia agostiniana, Deus é aquele que é capaz de satisfazer, 
preencher, saciar plenamente...
11 
evidentemente, cada um terá e dará um significado próprio a isso. Portanto, a vida e 
a história de cada um será vista...
12 
Nélida Piñon, em seu livro, Coração Andarilho – memórias, fala da 
necessidade, importância e risco de falar da histór...
13 
CAPÍTULO I 
INCOMPLETUDES DA HISTÓRIA E DA MEMÓRIA 
"A memória é a vida, sempre carregada por grupos vivos e, neste se...
14 
Quem conta a própria história, corre o risco de pender muito para a direita ou 
para a esquerda; isto quer dizer, se o...
15 
sucessivas e aberta a qualquer tipo de uso e manifestação. Às vezes fica 
latente por longos períodos, depois desperta...
16 
O termo penumbra, aqui, o autor emprega, quero crer, no sentido de que nem 
tudo é compreendido; e além disso, muita c...
17 
de história, esquecendo do homem, das suas qualidades e desvirtudes. Crer-se que 
é essa a perspectiva do outro. 
Agor...
18 
(...) A conquista do seu próprio século e mesmo do presente por parte do 
historiador constituiu um dos avanços da dis...
19 
fosse, já não se falaria mais em humanos. E o sujeito, descobrindo como o passado 
está muito próximo a ele, pode faze...
20 
Alcides não tinha visão boa, manifestando-se o glaucoma; nos óculos dele, as lentes 
pareciam-se com um fundo de garra...
21 
Ele não respondia às cartas que eu o enviava, e nunca me disse porquê, não 
dava explicações. Mas, numa das férias que...
22 
da vida, deve ser, para todos nós, estímulo e fonte de inspiração. S. Freud, que ao 
descobrir que a repressão sexual ...
23 
Quando tinha que advertir a comunidade, cobrando dela responsabilidade, ele 
fazia também, como é o caso da carta a Ti...
24 
No espírito do texto, e a força moral que Paulo tinha, advinda do seu trabalho, 
a carta se tornava insignificante... ...
25 
CAPÍTULO II 
CADÊ O PASSADO QUE ESTAVA ALI? ESTILHAÇOS DISTANTES 
"Em história tem-se a impressão de que tudo se renov...
26 
Ainda continuando nesse raciocínio: 
a biografia é um gênero crucial, mas difícil. Até uma biografia inadequada é 
sem...
27 
sei contar isso, pois o meu irmão mais velho de todos os irmãos vivos me colocou a 
par. Nessa casa, morava a minha ma...
28 
Creio que não conseguirei relatar exatamente as coisas como 
aconteceram de fato, e de acordo com (BOURDIEU, 1984, p. ...
29 
conhecida: quando se olha rapidamente, ela aparenta um vaso; quando se olha mais 
atentamente, percebe-se que se apres...
30 
Tive uma vida infantil como todo garoto do sítio: vez ou outra ia à vila com 
meus pais para fazer feira para manutenç...
31 
Mas, antes foi a minha Crisma, 1957/58, tinha 8 ou 9 anos. Mas, antes de 
falar do crisma, queria falar da escolha do ...
32 
outra. Não tinha o hábito de ir sempre. Minha mãe, sim, eu e as meninas que eles 
criaram, a gente ia sempre. 
Naquela...
33 
aprendido o “abc”, passei para a cartilha e com uns 3 ou 4 meses já estava sabendo 
ler alguma coisa, já descobria pal...
34 
linda minha madrinha; muito bonita; uma mulher loira! Tenho a imagem dela na 
minha memória. E a memória raramente mor...
35 
É necessário ressaltar, que aqui, se estava vivenciando o despontar do 
Concílio Vaticano II, começado em 1962 e concl...
36 
O método genealógico desenvolvido por Foucault evidencia a existência de 
formas de exercício do poder diferentes do E...
37 
semana, nas celebrações que ele fazia nos sítios, eu ia junto. Foi uma experiência 
muito rica. 
Também nesta Paróquia...
38 
possuíam o curso primário. No final de 1971, esse curso ginasial acabou por falta de 
candidatos para ser padre. 
A pa...
39 
CAPÍTULO III 
EM BUSCA DO TEMPO VIVIDO NA TERRA DISTANTE 
Iaweh disse à Abraão: sai da tua terra, da tua parentela e d...
40 
o estar próximo de Deus. Viu-se o que Sto. Agostinho afirma: que o homem só é 
feliz, quando seu coração repousa, desc...
41 
Chegando ao Rio de Janeiro, ficou-se por lá um dia e uma noite. O 
companheiro que fui com ele, encontrou com o irmão ...
42 
menos 10 ou 11 meses. Entrava 7h e saía às 19h; quando o colega não chegava 
para ficar no meu lugar, tinha que dobrar...
43 
Depois de um certo tempo, pedi transferência para um posto de serviço mais 
perto. Me transferiram para o bairro de Pe...
44 
parte da manhã, fazia serviços gerais. E, à tarde, nos feriados e alguns domingos, 
na portaria. Atendia as pessoas, t...
45 
Candeias, emiti os votos temporários, por um período de três anos. Mas, 10 meses 
depois, eu saí, final de novembro de...
46 
família num bairro vizinho, Rio Verde, que morava naquelas redondezas, que fui 
algumas vezes visitá-la, com um outro ...
47 
Nessas alturas, o Pe. Davi já havia conversado com o bispo da Diocese de 
Itapeva/SP, surgiu a possibilidade de eu ir ...
48 
CAPÍTULO IV 
FARIA TUDO DE NOVO OU REINVENTARIA O PASSADO 
E A MEMÓRIA? 
Claro que a memória depende dos subsídios da ...
49 
tinha; esta só se a tem, depois que o fato acontece, depois que a ideia se torna 
realidade. Mas, a esperança de que p...
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Monografia história
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Monografia história

547 visualizações

Publicada em

Mono

Publicada em: Saúde
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
547
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Monografia história

  1. 1. 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA, GEOGRAFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS Teodoro Gonçalves Silva RELATO DE UMA VIDA: ENCANTAMENTOS DA MEMÓRIA E FENDAS DA HISTÓRIA GOIÂNIA 2012 TEODORO GONÇALVES SILVA
  2. 2. 2 RELATO DE UMA VIDA: ENCANTAMENTOS DA MEMÓRIA E FENDAS DA HISTÓRIA Monografia apresentada ao Departamento de História Geografia e Ciência Sociais da Pontifícia Universidade Católica de Goiás como requisito parcial para obtenção da Licenciatura em História, sob a orientação do Profº. Ms. Antonio Luiz de Souza. GOIÂNIA 2012 TEODORO GONÇALVES SILVA
  3. 3. 3 RELATO DE UMA VIDA: ENCANTAMENTOS DA MEMÓRIA E FENDAS DA HISTÓRIA Goiânia, Goiás, _____ de dezembro de 2012. __________________________________ __________ Profº. Ms. Antônio Luiz Souza Nota Orientador __________________________________ __________ Profª. Ms. Suely Molina Nota __________________________________ __________ Profª. Ms. Lázara Alzira Freitas Nota GOIÂNIA 2012
  4. 4. 4 Dedico este trabalho a todos que, de uma forma ou de outra, me ajudaram a chegar ao final. Aos colegas que participei com eles de muitas aulas, como portador de diploma não tive uma turma definida. Ao Pe. Sebastião Martiniano França, pelas muitas conversas para a realização deste e, ao meu irmão José Borges de Oliveira, pelas muitas informações de quando eu era pequeno; senão, o trabalho não teria acontecido. AGRADECIMENTO
  5. 5. 5 “(...): a vós graça e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo! (...) Dou graças ao meu Deus todas as vezes que me lembro de vós, e sempre em todas as minhas súplicas oro por todos vós com alegria, pela vossa participação no evangelho desde o primeiro dia até agora, e tenho certeza de que aquele que começou em vós a boa obra há de levá-la à perfeição até o dia de Cristo Jesus” (Fl 1,2-6). O apóstolo Paulo, demonstrava paixão em tudo o que fazia. A comunidade de Filipos, recebeu dele carinho especial em muitas situações. No decorrer de toda a carta, ele se refere àquela comunidade, filipense, com carinho, cheio de apreço e sempre agradecido por tudo. Há uma passagem desta mesma carta em que ele se dirige à comunidade e chama-a: “minha joia, minha coroa”. Também, aqui, em primeiro lugar, quero agradecer a Deus Pai, por tudo o que Ele me dá: a vida, o gosto pelas coisas boas, capacidade para superar as dificuldades, etc. Agradeço também, pelas amizades e coleguismos que foram alimentados e mantidos no decorrer do curso. Agradeço aos professores, sobretudo, àqueles que não se colocaram nem acima e nem abaixo dos alunos em sala de aulas; mas, se colocando lado a lado com os alunos, “fazendo parcerias”, usando uma expressão de Paulo Freire, para que o gosto pelo conhecimento fosse fisgado pelos alunos. À professora Lazara Alzira, pela grande contribuição para que o trabalho se tornasse realidade. À professora Suely Molina, por ter aceitado prontamente a tarefa de arguir o trabalho. Ao professor Antonio Luiz, pela generosidade, paciência e prontidão em me orientar, tirar as dúvidas e, dar suporte para que o trabalho se organizasse, crescesse e se tornasse real. Foi muito bom! Agradeço aos colaboradores Maristela das Graças Ribeiro e Maria Aparecida da Silva; a W. S. G Júnior, psicólogo, pelas contribuições na digitação do trabalho, ao Edivar Bispo de Jesus, pela correção do português e pela amizade. Meu colega no ministério presbiteral até pouco tempo, e também psicólogo. In Memoriam a Caio César Mesquita, falecido dia 26/08/2012, que tanto queria ler este trabalho, mas, infelizmente não teve tempo! Foi ele quem digitou o resumo e a introdução. Segundo Tereza de Ávila, “tudo é graça”. Por isso, agradeço ao Pai criador, a graça de, aos Sessenta e Três anos de vida, ainda estar freqüentando a academia. Nem todos podem, infelizmente! Obrigado, meu Deus, por tudo! Tua presença em nossa vida é a Graça maior. RESUMO
  6. 6. 6 Este trabalho acadêmico é uma narrativa da trajetória de vida do autor e uma reflexão sobre o binômio História e Memória. A narrativa transforma-se em depoimento, sendo escrita na primeira pessoa, alcançando a infância, a formação educacional e vocacional. Os objetivos do trabalho alcançam a questão acadêmica e a literatura de testemunho, uma vez que a vocação do autor era ser ordenado padre da Igreja Católica. Palavras-chaves: História, narrativa, memória. ABSTRACT
  7. 7. 7 This academic work is a narrative of the author and a reflection on the binomial History and Memory. The narrative becomes testimony, being written in first person, achieving childhood, educational and vocational formation. The objectives reach the issue of academic literature and testimony, since the author's vocation was to be ordained a priest of the Catholic Church. Key-words: History, narrative, memory. SUMÁRIO
  8. 8. 8 INTRODUÇÃO............................................................................................................09 CAPÍTULO I - INCOMPLETUDES DA HISTÓRIA E DA MEMÓRIA..........................13 CAPÍTULO II - CADÊ O PASSADO QUE ESTAVA ALI? ESTILHAÇOS DISTANTES..25 CAPÍTULO III - EM BUSCA DO TEMPO VIVIDO NA TERRA DISTANTE................39 CAPÍTULO IV - FARIA TUDO DE NOVO OU REINVENTARIA O PASSADO E A MEMÓRIA? 48 CONSIDERAÇÕES FINAIS........................................................................................67 BIBLIOGRAFIA............................................................................................................69
  9. 9. 9 INTRODUÇÃO Sempre vinha à minha cabeça a vontade, o desejo de escrever algo sobre a minha vida, minha luta, busca e trajetória até chegar ao sacerdócio. Mas isso vinha e ficava sufocado, achando que não seria capaz de colocar tudo no papel, pelo fato de ser trabalhoso e cansativo e iria depender de muito tempo. Mas, às portas de chegar aos 63 anos (ou 64), que mal teria ocupar-me com essa tarefa? Arturo Paoli, um teólogo italiano que viveu na América Latina e atualmente está na Itália, em seu livro Caminhando se Abre Caminho, defende essa idéia: só se sabe a extensão e comprimento do caminho percorrendo-o. Se isso nunca se fizer, nunca se saberá. Então, por que não começar? No curso de Monografia I, destinado ao projeto da monografia, para poder concluir o curso de História, alguns temas foram sugeridos: Canudos, o primeiro a ser cogitado. Depois, veio a idéia de se trabalhar algo com um viés psicológico, surgindo assim a possibilidade de trabalhar algo sobre Pedro Ludovico Teixeira. Também, por duas vezes, o orientador falou da possibilidade de se fazer algo sobre Padre Pereira – o que seria muito interessante - mas, nada disso me animou, me despertou para o assunto. Não me sentia trabalhando o assunto. Então, surgiu a ideia de fazer algo no sentido autobiográfico. E, conversando com a professora Lázara Alzira, esta achou a ideia boa, pertinente e, se tratando da questão vocacional, disse: “no futuro poderá ajudar alguém a decidir” dar sentido ou rumo àquilo que possivelmente venha a almejar vocacionalmente falando, isto é, ser padre. E, possivelmente, será para mim uma alegria futura, poder olhar para a minha busca, conquista e vivência ministerial e poder ver retratado no papel aquilo que eu sempre pensei em fazer, mas, nunca me dispus de fato. Santo Agostinho, em seu livro As Confissões, (1981: 5), bem no início, diz: “criastes-nos para vós Senhor; e o nosso coração permanece inquieto enquanto não
  10. 10. 10 repousa em vós”. Seguindo a ideia agostiniana, Deus é aquele que é capaz de satisfazer, preencher, saciar plenamente toda sede humana: sede de justiça, verdade, saber, plenificando o homem, enchendo-o de paz. Sendo assim, também as realizações humanas, as conquistas, tarefas realizadas, tanto materiais, intelectuais, espirituais procedem dessa saciedade que vem de Deus e que realiza o homem plenamente. Sigmund Freud (1996), em sua obra O Mal Estar na Civilização, quando fala do cuidado e da sutileza que o psicanalista deverá ter para investigar a alma humana, suas dores e angústias, diz que o artista quando está esculpindo uma obra de arte, primeiro concebe a escultura na sua mente e, à medida que vai esculpindo a estátua, aquilo que fora concebido antes, vai sendo colocado para fora. Esse trabalho que se está fazendo, acredita-se, tem muito a ver com a afirmação freudiana. Então, quem sabe, a estátua aparecerá no final. E só aguardando para poder se ver. Antes, porém, fica a expectativa, ansiedade e a angústia, aguardando que a conclusão, isto é, a concretização do trabalho chegue logo. Ou ainda, no dizer de Cortázar, (1974, p. 147-173), falando do conto, de sua importância e leveza, ele diz: É preciso chegar à ideia viva do que é o conto, e isso é sempre difícil na medida em que as ideias tendem ao abstrato, a desvirtualizar seu conteúdo, ao passo que a vida rejeita angustiada o laço que a conceituação quer lhe colocar para fixá-la e categorizá-la. Mais, se não possuirmos uma ideia viva do que é o conto, teremos perdido nosso tempo, pois um conto, em ultima instancia, se coloca no plano humano em que a vida e a expressão escrita dessa vida travam uma batalha fraternal se me permitem o termo; e o resultado dessa batalha e o próprio conto, uma síntese viva e ao mesmo tempo uma vida sintetizada, algo como tremor de água dentro de um cristal a fugacidade numa permanência. Belíssima a ideia de Cortázar! Chega a emocionar a gente. Falando do conto, ele coloca como esse algo fugaz, presente/ausente, como o borbulhar da água dentro de um recipiente de cristal! ... É lindo! E a vida, não é isso? Diria que a mesma, parafraseando Cortázar, é semelhante a vários canhões de luz, cada um de uma cor: vermelho, amarelo, azul...; e todos focalizando o mesmo ponto. E cada um que olhar esse ponto focalizado pelas luzes de diferentes cores, o verá de um modo próprio seu. E,
  11. 11. 11 evidentemente, cada um terá e dará um significado próprio a isso. Portanto, a vida e a história de cada um será vista na perspectiva de cada um; diga-se, ainda, que aquele que traçou o próprio caminho terá e dará um significado à luz de tudo aquilo que foi e é vivenciado. O trabalho que hora se apresenta trata da autobiografia, ou relato ego-histórico do autor, para poder chegar à vida sacerdotal. Fala da sua luta, busca, tentativas, decepções, e finalmente a ordenação presbiteral, em dezembro de 1988. Contém o trabalho, quatro capítulos, onde o mesmo fala da sua vida, acertos e desacertos. No capítulo primeiro, faz-se o embasamento teórico baseando-se em duas figuras fora de suspeita para referendar o assunto, reforçando teoricamente a questão da ego-história: Hobsbawm e Nora. No capítulo segundo é relatado seu contexto familiar, social, sua meninice, adolescência e a juventude; o despertar da vocação e, as tentativas na sua diocese de origem, para encaminhar os estudos; os incentivos dos amigos e os desestímulos. O terceiro capítulo narra a saída do seu contexto social, deixando para trás sua gente, amigos e partindo para tentar encaminhar os estudos e trabalho em São Paulo, capital. São mostradas suas buscas em São Paulo, convivência na casa da tia adotiva, trabalhos, amizades; esforço para alimentar a vida espiritual, sua relação com o Mosteiro de São Bento, centro de São Paulo e, finalmente, a ida para o interior, a cidade de Itaporanga, o tempo que lá permaneceu e, chegando à conclusão que em Itaporanga não teria como encaminhar os estudos, vindo, finalmente, a deixar o Mosteiro no final do ano de 1976. Volta para São Paulo, permanece aí até o início do ano de 1977. O quarto capítulo fala da sua ida para Ribeirão Preto, (SP); onde morou de janeiro de 1977 até 1984, quando foi dispensado da diocese de Franca, do encaminhamento dos estudos, primeiro e segundo graus supletivo, do curso de filosofia e a teologia, contato e vinda para Goiânia em 1985. Aqui concluiu o curso teológico e foi ordenado diácono a seis de abril de 1988, anti-véspera do aniversário natalício e, a ordenação sacerdotal, afinal, a 22 de dezembro do mesmo ano, em Pintadas, (BA), sua terra natal. E, foi o primeiro da sua cidade a ser ordenado padre. Depois dele, outros cinco já foram ordenados também (filhos da cidade).
  12. 12. 12 Nélida Piñon, em seu livro, Coração Andarilho – memórias, fala da necessidade, importância e risco de falar da história pessoal. Hobsbawm, na introdução do seu livro, A era dos Impérios, fala que, entre a história e a memória, há uma “zona de penumbra”, para falar da dificuldade e risco que há em se falar de si; isto é, o trabalho daquele que conta a sua autobiografia, deve ser muito criterioso e sutil. E Nora, prefaciando o livro, Ensaios de Ego-história, fala do medo, da insegurança e da inibição que os historiadores tiveram no decorrer da história para falar de suas vidas. Se escondiam atrás de suas escrivaninhas, contentando-se apenas em falar de si nas conclusões dos ensaios que escreviam. É Nélida quem afirma: “falar de si é não ter vergonha de se expor”. Lendo estes e outros historiadores, citados no trabalho, foi se convencendo, no decorrer do mesmo, que valia e, estava valendo a pena, escrever o relato sobre a sua vida (o autor). Esse trabalho, que hora se está concluindo, teve como objetivo, narrar a história do autor. Daí o nome, Relato de uma Vida. Como se falou na introdução, era algo que se queria, pensava vez ou outra, mas, nunca se imaginou que fosse exatamente acontecer na monografia encerrando o curso de história. Para mim foi um voltar atrás em minha caminhada, um olhar à minha história pelo retrovisor do carro da vida, e vivenciar, ou pelo menos, recordar, muitos momentos que tive de enfrentar: barreiras, montanhas que tive de atravessar, espinhos que doeram no mais profundo da alma, e, rosas que colhi. Amizades que encontrei, muitos amigos já mortos e que me ajudaram tanto. Mas, nesses dias, 21/10/2012, postei no facebook algo mais ou menos dizendo assim: enfrentar a vida com as dificuldades que a mesma apresenta em diversas circunstâncias; pois, se assim não fosse, com as dificuldades, como seria o viver humano, quais experiências e crescimento se teriam? Viver, portanto, ainda é a melhor opção! Viva a vida, com tudo que a ela diz respeito! E, olhar para trás e perceber que alguma semente foi jogada no caminho, vale a pena. Não deixa bater aquele vazio de não ter feito nada.
  13. 13. 13 CAPÍTULO I INCOMPLETUDES DA HISTÓRIA E DA MEMÓRIA "A memória é a vida, sempre carregada por grupos vivos e, neste sentido, ela está em permanente evolução, aberta à dialética da lembrança e do esquecimento." Pierre Nora. Hobsbawm (2011, p. 11), em sua obra, A Era dos Impérios, que trata das transformações ocorridas no mundo, no período que vai de 1875 – 1914, sobretudo na Europa, afirma no prefácio desta obra que: entender e explicar um mundo em processo de transformação revolucionária, localizar as raízes de nosso presente no solo do passado e, talvez sobretudo, ver o passado como um todo coerente (...) como uma montagem de tópicos isolados: (...). Desde que comecei a me interessar por história, sempre quis saber como se articulam todos esses aspectos da vida passada (ou presente) e por quê. Ninguém, mais do que Hobsbawm, está fora de suspeita para fazer esta reflexão; pois, a tendência a retratar da história, é se preenchê-la ou envolvê-la de preconceitos e “valores ideológicos.” Sobretudo, quando se trata da autobiografia de alguém; pois, refletir, fazer uma autoanálise, apontar os pontos em nós que devem ser mudados, questionados é muito difícil. Mas, quando se trata de elevar a pessoa, o indivíduo, o risco é muito grande de colocar-se “qualidades” que, na maioria do nosso agir, ser e vivenciar, não são no sujeito identificados, não fazem parte do seu ser. Os leitores de uma autobiografia, ainda seguindo a ideia de Hobsbawm, devem procurar ter o cuidado de lê-la com olhos abertos e procurar afastar de si o espírito dogmático; e, nas entrelinhas procurar verdadeiramente onde se encontra de verdade aquilo que foi, é e continuará sendo verdadeiro.
  14. 14. 14 Quem conta a própria história, corre o risco de pender muito para a direita ou para a esquerda; isto quer dizer, se o indivíduo se coloca como uma figura impecável, um “Santo”, ou então, se omite, não fala de si com verdade, por uma série de razões como pudor exagerado, receio de se expor e assim, não fala do si real, mas do si imaginário, que desejaria ser e não do que ele é verdadeiramente. Falar de si, corre-se o risco de dizer muito ou então não dizer nada, a tentação de multiplicar palavras é muito grande. Mas, apesar desses riscos, procurar ser verdadeiro vale a pena. Piñon será mencionada à frente, fala numa entrevista ao jornalista Rogério Borges, na coluna Magazine do jornal O Popular, de 25 de março de 2009, que ela não tem vergonha de se expor. E assim, essa deve ser a atitude de todo aquele ou aquela que pretende falar da sua vida. Não falar de si, ter vergonha de falar de sua vida, não seria negar o seu existir? Falar de sua vida, pode significar também gosto pelo que é, o que fez, pode significar ter prazer em ser o que é. Se o indivíduo não se valorizar, quem o fará isso? Isso pode até parecer narcisismo; mas que mal há em escrever sobre os espaços e lugares onde se nasceu, de onde veio e falar dos seus propósitos, ideais, gostos etc? E reconhecer sua história? Já disse Pascal, “É justo conhecermo-nos a nós próprios; mesmo se isso não bastasse para encontrarmos a verdade, seria útil, ao menos para regularmos a vida, e nada há de mais justo.” (frases. netsaber.com. br) Talvez, até para não cometer os erros que seus familiares e parentes cometeram no passado. Conhecer-se também, pode ser uma forma de trazer o passado para o presente, presentificá-lo e assim, pelo menos imaginativamente, poder saborear aquilo que é “seu”. Conhecer-se a si mesmo, já disse Sócrates, nos Séculos V e IV a.C, é a maior das virtudes e o exercício maior que o homem pode fazer, pois trata-se de uma verdadeira arte e tarefa árdua; pois não é conhecer por conhecer apenas! Mas, conhecer para crescer e consequentemente, viver com mais qualidade; ou talvez, não. Hobsbawm, citando Nora, apud NORA (2011, p. 13) afirma que: memória é vida. Seus portadores sempre são grupos de pessoas vivas, e por isso a memória está em permanente evolução. Ela está sujeita à dialética da lembrança e do esquecimento, inadvertida de suas deformações
  15. 15. 15 sucessivas e aberta a qualquer tipo de uso e manifestação. Às vezes fica latente por longos períodos, depois desperta subitamente. A história é a sempre incompleta e problemática reconstrução do que não existe. A memória sempre pertence à nossa época, está intimamente ligada ao eterno presente; a história é uma representação do passado. De acordo com a afirmativa acima, não se deve ter receio de dizer que a história “é morta”; ela apenas nos faz tomar conhecimento de algo que aconteceu no passado. Ao passo que a memória e a criatividade, elas não se prendem nem ao passado e nem tem como ser futuras, elas acontecem agora, nesse instante e, no entanto, se reportam ao passado para não deixar a história desfalecer, apagar-se. Assim, tanto a memória como a criatividade são como que uma faca de dois gumes, ou como o fiel da balança: além do princípio da fidelidade, que nestas circunstâncias é muito fluída, também semelhantes ao existir do conto, que na afirmação de Cortázar, existe enquanto é, e requer o cuidado para recorrer às fontes escritas, orais, fotográficas etc, para não se fantasiar muito, embora a fantasia é semelhante ao sonho: tenha também sua importância neste contexto, sem dúvida. Pois, a fantasia é semelhante ao sonho: quem não sonha não projeta, não almeja, não vai à frente. Fica olhando para os pés e não é capaz de olhar à distância, para o horizonte, para o futuro, portanto. Ainda de acordo com Hobsbawm (2011, p. 15), “há uma zona de penumbra, entre a história e a memória.” Isso é sempre árduo para o historiador, não há como abarcar completamente o sentido dessa “terra de ninguém” (idem, p.16). Essa “zona de penumbra”, ela é por demais complexa, até mesmo para aqueles que pertencem a uma tal família, grupo, contexto social e para aqueles que narram sua própria história. Isto, porque o sentido que se dá a algo acontecido há muitos anos antes, é diferente do sentido que se dá à mesma realidade muitos anos depois. Os contextos, os sentimentos, interpretações e ressignificações são, em muitas circunstâncias, até opostos. É desafiador, sem dúvida. Terá que se ter em vista também que os destinos públicos e privados são inseparáveis e se determinam mutuamente. Dessa forma, pode-se afirmar que o passado está fortemente presente no momento atual e o presente encontra suas raízes firmemente fincadas no passado. Assim, nesse sentido, passado e presente estão entremeados, emaranhados numa intersecção viva e atual, na vida de cada indivíduo e na sua história.
  16. 16. 16 O termo penumbra, aqui, o autor emprega, quero crer, no sentido de que nem tudo é compreendido; e além disso, muita coisa fica perdida, se jogando no campo da psicanálise fica na zona perdida do inconsciente do indivíduo, e que no vem e vai, aparece e desaparece no seu agir, fazer e dizer que nem ele nem os seus se dão conta. Porque está na zona do “escondido”, zona do não dito, mas existente. E isso, de acordo com Hobsbawm, não está presente só nos indivíduos, mas também é aplicado às sociedades. E isto é por demais compreensível, pois as sociedades são compostas de indivíduos. Assim, não são apenas os indivíduos que sofrem e também se beneficiam dos prazeres existentes no mundo, mas as sociedades também. Não seria por causa disso que o mundo já enfrentou duas grandes guerras e por que os homens não vivem em paz? Por que os homens não se entendem e não vivem em harmonia? Por que conflitos pipocam em todo mundo? É bom ouvir Hobsbawm (2011, p. 18). Ali onde os historiadores tentam se defrontar com um período para o qual existem testemunhas oculares vivas, dois conceitos de história bem diferentes se chocam ou, no melhor dos casos, completam-se mutuamente: a acadêmica e a existencial, o arquivo e a memória pessoal. Pois todo mundo é historiador de sua própria vida passada consciente, na medida em que elabora uma visão pessoal dela: um historiador nada confiável, sob a maioria dos pontos de vista, como bem sabem todos os que se aventuram pela ‘história oral’, mas um historiador cuja contribuição é essencial. Ora, depois dessa afirmativa de Hobsbawm, não se tem muito mais o que argumentar; a diferença entre história acadêmica e existencial é muito grande: o autor não pende nem para um lado e nem para o outro, mas essa constatação de uma autoridade no assunto, figura respeitadíssima, do calibre de Eric Hobsbawm, o que mais se poderia dizer? Embora o autor, nesta obra, A Era dos Impérios, esteja falando de um determinado período específico (1875 – 1914), é importante se perceber esses conflitos, contradições e desencontros que Hobsbawm quer nos fazer perceber que existem em todos os campos históricos, tanto da alçada social, como individual, evidentemente. Essa colocação dele é genial! Aqui, vê-se, não há espaço para sentimentalismo e dramaticidade, no sentido pejorativo; mas, há de se perceber, que o homem/mulher é gente em todos os momentos históricos. Não tem como se falar
  17. 17. 17 de história, esquecendo do homem, das suas qualidades e desvirtudes. Crer-se que é essa a perspectiva do outro. Agora, poderia se colocar um questionamento, qual o sentido e a importância do sujeito escrever sobre si mesmo, tratar de sua biografia? Nora (1987, p. 9) afirma: a ego-história, um gênero novo, para uma nova idade da consciência histórica, que nasce do cruzamento de dois grandes movimentos: por um lado, o abalo das referências clássicas da objetividade histórica, por outro, a investigação do presente pelo olhar do historiador. De acordo com o pensamento e colocação de Nora, depreende-se que ele coloca a necessidade do historiador conhecer a sua história, sua vida, e não somente isso, mas procurar conhecer o presente, através de um olhar voltado para o passado. Vê-se, assim, que conhecer o presente pelo presente, se torna por demais imediatista; o passado está presente em nós, assim como nós estamos ligados ao passado. Se assim não fosse, ficar-se-ia sem referencial algum. É, ainda, Nora (1987, p. 9) que diz: Toda uma tradição científica levou os historiadores, desde há um século, a apegarem-se perante o seu trabalho, a dissimularem a personalidade por detrás do conhecimento, barricaram-se por detrás de suas fichas, a evadirem-se para uma outra época, a não se exprimirem senão por intermédio de outros, permitindo-se fazer na dedicatória da tese, no prefácio do ensaio, uma confidência furtiva. A experiência da historiografia pôs em evidência, há uma vintena de anos, os falsos aspectos desta personalidade e o caráter precário da sua garantia. É a sensação de ausência que se tem, e até um vazio, que dói na alma da gente, essa exigência de que o sujeito que está escrevendo não pode isso, não pode aquilo, não pode dizer quase nada próprio, só deve trabalhar com outros autores e se embasar neles. É muito chato e se tem uma sensação de aniquilamento daquele que escreve. Trata-se, evidentemente, do exagero do cientificismo, assim se pode dizer. E o prazer, a alegria e a presença daquele que escreve? Tem-se a sensação de que é uma “entidade” que escreve, mas, não um indivíduo de carne e osso, com sentimentos, opiniões, ideias, etc. Ainda, Nora, (1987, p. 9):
  18. 18. 18 (...) A conquista do seu próprio século e mesmo do presente por parte do historiador constituiu um dos avanços da disciplina no decurso das últimas décadas. Ela mostrou que os obstáculos considerados redibitores eram ultrapassáveis e que uma inteligência histórica do presente era não só possível, mas também necessária. Genial a afirmação do autor! Diria até, não só em relação à história. Este excesso de ciência e tecnologia demasiada impedem os avanços no campo da própria ciência. Seria a ciência, impedindo a si mesma, a possibilidade de avanço, crescimento no campo do conhecimento. O autor deixa claro a necessidade de mentes e posturas abertas, para que a história não venha a ser prejudicada, com excesso de ciência. Essa visão tecnocrata tira todo prazer e leveza da produção literária, da arte de escrever. O tecnicismo engana a ciência, sobretudo quando se trata da inspiração e liberdade para fluir livremente, deslizando pelas páginas da história da imaginação. Escrever requer leveza, desenvoltura e capacidade de ultrapassar os limites que nos impedem de avançar. Engessados pelos rigores do tecnicismo, é difícil alçar voo. O espírito humano, para ser ele mesmo e produzir frutos, não pode e não deve ser engaiolado. Se isto ocorrer, não haverá produção e nem crescimento científicos. Ainda, Nora (1987, p. 11): o exercício consiste em esclarecer a sua própria história como se fizesse a história. Como se fizesse história de outro, em tentar aplicar a si próprio, cada um no seu estilo e com os métodos que lhe são caros, o olhar frio englobante, explicativo que tantas vezes se aplicou sobre os outros. De explicitar, como historiador, o elo entre a história que se fez e a história que vos fez. Vê-se, assim, de acordo com a colocação de Nora, que a disciplina e a seriedade devem estar presentes, não a secura e a rigidez, mas a seriedade e o espírito histórico devem estar na narrativa da história, da mesma maneira que deverão estar presentes na narrativa e reflexões da história dos outros, da história como tal. E isto sendo feito, ou havendo esta preocupação ética com a narrativa da história pessoal, o indivíduo acabará se descobrindo e descobrindo a sua importância no universo em que ele vive. E ainda mais, verá como ele está, ou se ligará à história passada, através do presente, e que o presente tem suas raízes e deve isso muito ao passado. O homem não é só, não é único no mundo. Se assim o
  19. 19. 19 fosse, já não se falaria mais em humanos. E o sujeito, descobrindo como o passado está muito próximo a ele, pode fazer o ato de fé de não negá-lo. O passado está no indivíduo e este, está fortemente ligado ao passado. Os dois são inseparáveis, assim como a morte e a vida são realidades antagônicas, mas uma não existe sem a outra. É, o indivíduo se descobre entre as contradições. Foi-me proposto pelo orientador, que trabalhasse o cap. 3 da 2ª carta de Paulo aos Coríntios. Fiquei preocupado e sem saber por onde começar. Como fazer essa reflexão, ligando, fazendo a ponte com o trabalho que estou desenvolvendo? Pois, literalmente, ele colocou assim: “Gostaria que o cap. 3 e o espírito inteiro do texto, sejam motes do capítulo; e ego-história, missão e experiência serão os conceitos”. Como se trata de uma narrativa e reflexão autobiográfica ver-se-á que não é fácil, pois ou exalta-se em demasia a si mesmo, ou em nome de uma falsa modéstia, pode-se não dizer quase nada. Isso ficou me martelando, e eu, sem saber por onde começar, liguei para o meu amigo Pe. Sebastião, em São Paulo e comecei trocar ideias com ele, como deveria trabalhar com isto. Aí, na conversa com ele, me lembrei de duas coisas importantes que não aparecerão na parte autobiográfica: a) Uma carta de Pe. João b) Conversa com Pe. Alcídes. A carta do Pe. João Farias, trata-se de uma resposta a uma carta que enviei à ele. Quando cheguei em São Paulo capital, os conflitos não foram poucos (isto aparecerá na autobiografia). E as pessoas a quem eu recorria antes de me encontrar com D. Bernardo no mosteiro de São Bento, eram Pe. João e Pe. Alcides. Mas, nenhum deles respondia às minhas cartas. Eu lamentava, jogava para fora as minhas angústias, incertezas, fragilidades, faltas de perspectiva. Enfim, escrevia a eles para desabafar. Telefonar, naquelas circunstâncias, nem pensar. Não tinha telefone nas casas paroquiais de Mairi e Ipirá (BA). Nesse sentido, falando de telefone, não teria como haver comunicação. Então, era carta mesmo. E como escrevi! Coitados, não sei como eles davam conta de ler, pois além de eu escrever muita coisa errada, não tinha conhecimento nenhum, culturalmente falando, naquela época; e, ainda, a minha letra é horrível. Ainda hoje é. E o Pe.
  20. 20. 20 Alcides não tinha visão boa, manifestando-se o glaucoma; nos óculos dele, as lentes pareciam-se com um fundo de garrafa. Mas, entre tantas cartas que iam para os dois, sem ter nenhuma resposta, um certo dia, chegou uma: era o Pe. João que respondia. Era uma carta pequenininha, minúscula, escrita numa folha daquelas de cadernos pequenos, que normalmente eram usados para fazer anotações em padarias, bazares etc. Aqueles cadernos que o tamanho seria a metade do tamanho de um caderno universitário de espiral. A carta era muito pequena, mas trouxe-me uma alegria muito grande e força também. Imaginem, você está longe dos seus, e receber um telefonema, carta, bilhete, ou, atualmente um e-mail. Essa carta do padre me trouxe um novo vigor! Criei ânimo! Quisera eu que ele estivesse vivo, para poder dizer isso a ele pessoalmente!... Escrevo isso e os meus olhos se enchem de lágrimas! No final, ele terminou a carta com essa frase: “teus passos não serão em vão”. Tenho a mesma guardada nos meus papéis até hoje. É um bem que não vale só pela carta. Ela tem o seu valor, sim, mas o que a carta me lembra e representa, vale muito mais. É uma relíquia! Essa frase é um paralelo bíblico; 1Cor 15,58 diz algo bem semelhante: “Assim, irmãos bem amados, sede firmes, inabaláveis, fazei incessantes progressos na obra do Senhor, cientes de que a vossa fadiga não é vã no Senhor.” O apóstolo, com esta carta, estava alertando e advertindo a Comunidade de Corinto, para que não se deixassem levar, nem seguir caminhos contrários à fé no Ressuscitado. E os exortava, a viverem produzindo boas obras, diante do Senhor; e assim, o cansaço, a fadiga não seriam em vão. Quem planta colhe, diz um outro trecho bíblico. E essa afirmação caiu no gosto popular, pois as pessoas normalmente dizem isso. Essa carta, então, levantou-me, no sentido de me ajudar a enfrentar as adversidades. Quando as coisas se complicavam, eu pegava a carta, lia, ou me lembrava da mesma. Ainda hoje, isso acontece... Quanto ao Pe. Alcides, ele nunca respondeu nenhuma carta. Não tinha como, também. Naquela época já rezava a missa com bastante dificuldade. Os olhos não ajudavam. Mas mesmo assim, quando ele estava na casa paroquial, a gente encontrava-o sempre com um livro nas mãos. Era um homem de leitura, bastante informado. Normalmente, ouvia “A Voz do Brasil”. Naquele contexto, era um forte veículo, ou meio de informação, comunicação.
  21. 21. 21 Ele não respondia às cartas que eu o enviava, e nunca me disse porquê, não dava explicações. Mas, numa das férias que fui à Bahia, estando na casa paroquial, a gente estava almoçando e ele disse-me: - “Teté (é meu apelido na minha cidade) você, semelhantemente ao apóstolo Paulo, é uma pessoa muito comunicativa. As suas cartas revelam o dom, as características que o aproximam do estilo dele. Você comunica as suas preocupações, partilha suas aspirações, angústias e anseios. Coloca-nos a par das suas expectativas.” Recordo-me disso, dessa fala dele e da carta do Pe. João, na conversa com o Pe. Sebastião. Foi uma conversa muito proveitosa. A gente se conhece há mais de 30 anos, desde os tempos do Mosteiro de Itaporanga e posteriormente, bem depois, os dois já sendo padres, na Diocese de São José do Rio Preto/SP. O conheço um pouco e ele também a mim. À medida que a conversa fluía, ele foi me fazendo compreender muita coisa que se vivenciou no mosteiro, depois na Diocese de Rio Preto e clareou bem mais a fala do Pe. João e também trocou-se algumas ideias sobre a segunda carta de Paulo aos Coríntios, capítulo terceiro. A fala do Pe. João, “teus passos não serão em vão”, é uma frase bíblica, naturalmente, se aproxima do texto bíblico da primeira carta de Paulo aos Coríntios, capítulo 15, versículo 58, já mencionado a cima. O Apóstolo, depois de uma série de exortações à comunidade de Corinto, diz: “Assim irmãos (...), cientes que a vossa fadiga não é vã no Senhor” (1Cor 15, 58b). A explicação literal é: “Este versículo liga a explanação antecedente ao versículo 14, início da instrução. A certeza da vitória dá ao fiel a força para progredir. Para Paulo, não pode haver fé sem vida em progresso.” (explicação da letra h do texto bíblico). “Teus passos não serão em vão”, pode ser interpretado aqui como a certeza de que eu iria conseguir, foi um modo do Padre me incentivar e desejar que eu fizesse progresso, atingisse meus objetivos etc. Que eu crescesse, atingisse e desse passos na direção para a qual eu queria seguir. Coloquei tudo isso, para poder chegar à 2ª Coríntios, capítulo terceiro. Existem pessoas que cativam a gente, nos seduzem, mesmo sem a gente conhecê-las e tendo, entre a gente e elas, anos e anos que nos separam. São figuras apaixonantes/cativantes da história; só para citar algumas: umas mais distantes, como a figura de Abrão, como se verá, ao ser convocado por Javé, para conquistar uma nova terra, deixou tudo e partiu. A sua coragem, confiança no Deus
  22. 22. 22 da vida, deve ser, para todos nós, estímulo e fonte de inspiração. S. Freud, que ao descobrir que a repressão sexual nas mulheres era a grande causadora da histeria, uma doença psíquica ou psicossocial, que deveria ser tratada, cuidada psicanaliticamente, com isso, demonstrou-se uma pessoa muito corajosa. Foi criticado por muitos, desacreditado, até mesmo alguns de seus discípulos o abandonaram. João XXIII, que teve a coragem de dizer ao mundo em pleno século XX, que a Igreja teria que abrir-se para a nova realidade que estava à sua frente: o mundo do trabalho, dos novos desafios científicos, tecnológicos, novos valores e assim por diante. Disse que a Igreja teria que abrir suas portas e janelas, para entrar novos ares, deixar se envolver pela nova realidade que despontava. E teve a coragem de convocar um novo concílio na História da Igreja: o Concílio Vaticano II. Não se pode esquecer de seu sucessor, o saudoso Paulo VI, que enfrentou o concílio e as suas consequências, de cabeça erguida e confiante. Aqueles anos da década de 1960, todos sabemos que foi a década da inquietação, das buscas, não se sabia muito o quê, enfim, os desafios que se apresentavam. E o Papa continuou firme. Foi durissimamente criticado pelas correntes conservadoras; tanto da Igreja, como da sociedade. E pensadores do cacife de K. Marx e muitos outros... E Paulo de Tarso é uma dessas grandes figuras. A gente, lendo qualquer uma das suas cartas, não tem como não se envolver com o seu espírito inquieto, falante, intrépido e questionador. Figura que, tanto no judaísmo, defendeu sua religião “com unhas e dentes”, como no cristianismo, se entregou totalmente à causa do Evangelho, ao ponto de entregar a vida pela causa do Ressuscitado. Grande figura! No novo Testamento, o maior número de livros é dele; escreveu 14 cartas. Todas as comunidades, por ele criadas, tiveram o privilégio de ter cartas dele, a elas dirigidas. Romanos, Hebreus, Efésios, só para citar algumas. Paulo era uma pessoa apaixonada, fazia as coisas com o coração, com inteligência e era uma figura destemida. Nas suas cartas, quando ele tinha que elogiar uma comunidade, ele fazia, como vê-se na Carta aos Filipenses, quando ele chama a comunidade de minha joia, minha coroa. Era uma comunidade que tudo faz crer, o apóstolo a amava, devido a seriedade da mesma, em relação às coisas da fé; como é o caso de Filipenses 4,1: “ Assim, irmãos amados e queridos, minha alegria e coroa, permanecei firmes no Senhor, ó amados.”
  23. 23. 23 Quando tinha que advertir a comunidade, cobrando dela responsabilidade, ele fazia também, como é o caso da carta a Tito 2,1-7; “Quanto a ti, fala do que pertence à sã doutrina. Que os velhos sejam sóbrios, respeitáveis, sensatos, fortes na fé, na caridade, na esperança. As mulheres idosas, igualmente, devem proceder como convém a pessoas santas: não sejam caluniadoras, nem escravas da bebida excessiva; mas sejam capazes de bons conselhos, de sorte que as recém-casadas aprendam com elas a amar os maridos e filhos, a ser ajuizadas, fiéis e submissas a seus esposos, boas donas-de-casa, amáveis, a fim de que a palavra de Deus não seja difamada. Exorta igualmente os jovens, para que em tudo sejam criteriosos. Sê tu mesmo modelo de belas obras” (...). Em todos os seus escritos, vê-se essa franqueza e firmeza: advertindo, estimulando, encorajando a comunidade a viver a seriedade da fé. Era uma figura fantástica. Era um apaixonado pelas coisas que fazia e ensinava. Em 2Cor 3, o capítulo inteiro, não é diferente, onde a ego-história do Apóstolo, sua missão e experiência estão presentes. Isto é, o apóstolo coloca a sua história, sua experiência e sua missão, como aquilo que legitima e dá credibilidade ao seu ser / fazer. Nos versículos 1 e 2, o apóstolo questiona as cartas de recomendações e afirma que a verdadeira carta de recomendação, são as comunidades, às quais ele prestou o serviço de evangelização. A coerência, a seriedade na missão e a sua experiência pastoral são a verdadeira carta de recomendação. Na troca de ideias com o Pe. Sebastião, ele me dizia sobre este texto de Paulo: “não adianta alguém dizer de alguém que este é um bom sapateiro e ele não sabe sequer utilizar o pé-de-ferro, moldar o couro, criar um sapato. Alguém vai provar isto, fazendo o sapato,” são palavras dele. A qualidade e coerência da experiência missionária de Paulo advinha do seu próprio trabalho às comunidades. E ele fala de boca e coração cheios disso. Segundo uma nota explicativa do texto, letra f, diz o seguinte: Havia quem censurasse Paulo por tecer seu próprio elogio (...), ao passo que os outros pregadores apresentavam cartas de recomendação das comunidades (...), Paulo responde que o fruto do seu apostolado, as comunidades que ele fundou, obras do Espírito, são recomendações vivas que tornam as cartas inúteis.
  24. 24. 24 No espírito do texto, e a força moral que Paulo tinha, advinda do seu trabalho, a carta se tornava insignificante... O papel se rasga, a tinta se apaga, mas, aquilo que foi escrito com suor, lágrima e sangue, isto não se apaga. É letra escrita na pedra da vida, é a vivência daquele que deu tudo pela causa do Evangelho. A ego-história paulina, aqui, é contada, é dita, a partir de sua própria experiência. É o olhar para trás, e o trazer ao presente, tudo aquilo que foi escrito, anteriormente, com a própria vida. No versículo 3, o apóstolo fala da verdadeira carta, ele e as comunidades que seguem sua orientação, pois uma carta de Cristo não é escrita com tinta, mas com o Espírito de Deus; não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne no coração. Com essa afirmação, o apóstolo está mostrando aos seus críticos que a carta escrita em papel, em tábua, representa a lei mosaica, mas que a carta escrita na tábua de carne do coração na vida, no sangue, representa o novo, aquilo que liberta, que quebra as algemas e faz o homem se tornar livre. É, Paulo é fantástico. Figura extraordinária!
  25. 25. 25 CAPÍTULO II CADÊ O PASSADO QUE ESTAVA ALI? ESTILHAÇOS DISTANTES "Em história tem-se a impressão de que tudo se renova de um período a outro". Maurice Halbwachs “Vamos ser criticados, porque escrever sobre a vida de alguém é mais adequado à outra pessoa fazer e, não ela própria”, dizia-me o orientador enquanto se trocava ideia sobre o trabalho. Mas, apesar disso, há a possibilidade do próprio indivíduo escrever sobre sua vida. É a chamada autobiografia. E o ato de escrever é sempre delicado ainda mais quando se trata da pessoa mesma, pois corre-se o risco de dizer muito sobre si mesma ou então não dizer nada. Neto (2005) trabalha muito bem isto, quando trata do endeusamento que o historiador pode fazer daquela pessoa que está sendo contemplada. Quando se trata de autobiografia então, esse endeusamento poderá ser supervalorizado, ou pode ocorrer uma falsa modéstia, não dizendo nada de si. A autora ainda coloca a ideia de Bourdieu, quando ele fala das possibilidades perdidas: utilizar-se do eu para libertar os excessos de carências e dos discursos históricos, para interrogar não somente sobre o que foi e o que é produzido, mas também sobre as incertezas do passado e as possibilidades perdidas, (NETO, 2005, p. 1534). Isto pode ocorrer no discurso do historiador sobre alguém, mas, poderá ser mais usual quando se trata do indivíduo falando de si mesmo. E se esse discurso for mesclado de uma ideia religiosa – como é o caso aqui - poderá ser muito mais sutil e com aparência de humildade.
  26. 26. 26 Ainda continuando nesse raciocínio: a biografia é um gênero crucial, mas difícil. Até uma biografia inadequada é sempre útil... Há algo de vital em cada leitor autêntico de literatura que responde ao grito de batalha de Emérson, ‘não existe história: só biografia’. Para, além disso, há uma percepção mais profunda: não existe literatura, só autobiografia. (HAROLD BLOOM, p. 1531) A autora explora aqui um pensamento de Harold Bloom, quando ele fala da biografia, se referindo à questão literária e o autor afirma: “não existe literatura só existe autobiografia” (NETO, 2005, p. 1531). Assim, tomando como referência a afirmação de Bloom, história, literatura biografia e autobiografia, trilham rumos diferentes, porém, andando pelo mesmo caminho. PIÑON (2009, p. 9) afirma: “a memória começa onde se nasceu”. A autora afirma isto, falando da sua memória pessoal. Tendo também em vista que o sujeito não é fruto e resultado do acaso; quando ele nasce, traz consigo introjetada toda uma herança que passa de geração para geração, de pai para filho etc, ninguém é só um e único no mundo. Um pensador inglês, da corrente filosófica empirista, (HUME, 1968, p. 139), afirmava que “o universo é um contínuo aparecer e desaparecer sensível das consciências, por sua vez feixes de impressões subjetivas”. Neste ponto, concorda-se com ele, retomando aqui o que foi dito acima, que ninguém é só no mundo, pode-se dizer que o homem é o resultado da junção de todas as heranças recebidas de seus antepassados. Depois das reflexões acima, creio que posso agora, começar a dizer algo sobre meu surgimento nesse espaço chamado mundo, em que se vive. Nasci quase na metade do século XX, 1949 (1948), quatro anos após o término da segunda Grande Guerra Mundial (já imaginou que recordação?!), depois, mais à frente, será explicado (1948); o local do meu nascimento foi um sitio chamado “José Bernardo”, bem perto da Vila Pintadas, hoje cidade, mas na época pertencia à Comarca de Ipirá. Fica distante de Salvador, mais ou menos 300 e poucos km. A casa onde nasci não existe mais; não conheci nem os torrões da mesma. Ficava junto à estrada, chegando em Pintadas, no estado da Bahia, mais ou menos 1 km e pouco. Conheci a casa maior que dava nome ao sítio, ficava ao fundo. A nossa, na beira da estrada, tinha uma árvore bem grande ao lado. Desse local, só
  27. 27. 27 sei contar isso, pois o meu irmão mais velho de todos os irmãos vivos me colocou a par. Nessa casa, morava a minha madrinha de batismo. Aos 5 meses de idade saí do convívio dos meus pais e irmãos e fui adotado por uma família que não teve filhos e meus pais me deram a eles para eu ficar uns dias por lá, pois minha mãe biológica estava grávida e tinha outro irmão meu começando a andar e, assim, minha mãe poderia ter um pouco mais de tempo para se preparar para o parto que estava chegando e cuidar do outro irmão pequeno. O fato é que não voltei mais para a casa dos meus pais. Coisas da Bahia. Assim, pode se ver, que meu convívio com o lar biológico foi muito pouco, 5 meses mais ou menos. A outra família, com quem fui criado, morava no mesmo município de Ipirá, também na circunscrição de Vila Pintadas, e morava no sítio chamado “Bonita”, distante do “Zé Bernardo” mais ou menos uns 8 ou 10 Km. Embora não sendo tão longe, estando na mesma circunscrição territorial, não me recordo de ter ido nenhuma vez a casa dos meus pais para ver meus irmãos, mãe e pai. Nem eles também iam a casa dos meus pais adotivos para me ver. Só mais tarde, depois que eles mudaram para o município de Mundo Novo/BA, terra de minha mãe biológica, aí sim, vez ou outra, a cada 3 ou 4 anos, ou mais, meu pai vinha a Pintadas para ver a mãe dele, irmãos e parentes próximos. Da família da minha mãe biológica não conheci ninguém, nem avós nem tios... Mas, ainda falando da mudança deles para Mundo Novo, segundo meu irmão José, isso ocorreu em 1952, eu tinha 3 anos, portanto. E me lembro de que era um dia chuvoso. Aí eles passaram na casa dos meus pais adotivos para me ver. Tenho a recordação da minha mãe montada em um cavalo, com uma sombrinha aberta, e o meu irmão no cabeçote (parte dianteira da cela) como se estivesse no colo dela. Tenho essa imagem vivíssima na minha cabeça até hoje. Não me recordo se chorei nem que ninguém deles chorasse; tinha só 3 anos de vida. Porque essa imagem é muito viva na minha memória não sei; só sei que tenho a sensação de ter sido bem mais recente, e não em 1952. Fora isso, só fui ver a minha mãe em 1969, quando eu mesmo, já com 20 anos, a fui visitar... foi um momento sublime! Pois, vivia sempre imaginando como ela era. Era uma figura bonita! Uma mulher bem baixa em estatura, talvez um metro e cinquenta centímetros. Nessa visita fiquei com eles 15 dias, foi ótimo, conheci meus irmãos todos. Depois disso os visitei mais frequentemente.
  28. 28. 28 Creio que não conseguirei relatar exatamente as coisas como aconteceram de fato, e de acordo com (BOURDIEU, 1984, p. 208, citando Robbe- Grillet): o advento do romance moderno está ligado precisamente a esta descoberta: o real é descontínuo, formado de elementos justapostos sem razão todos eles únicos e tanto mais difíceis de serem apreendidos porque surgem de modo incessantemente imprevisto fora do propósito, aleatório. De acordo com o pensamento acima, se já é difícil narrar, descrever e apresentar uma biografia, entra aqui a questão da empatia entre relator e relatado, muito mais difícil e perigoso se torna narrar a própria história; falar da autobiografia. Há o risco do indivíduo se inibir, achar que não há muita coisa para dizer ou que isto ou aquilo não é importante, como também, pode fantasiar. Terá, portanto, que ser uma apresentação muito criteriosa. Assim, precisa haver o cuidado para colher os ovos no ninho do pássaro sem, contudo, fazer muito barulho para não espantá-lo. Ainda, segundo o autor, criar um novo modo de se exprimir literalmente, possibilita o surgimento do contrário e do arbitrário. Significa, de certa forma, romper com aquilo que está aceito pacificamente, já é aceito por toda uma tradição. Em outras palavras, escrever uma autobiografia é estar disposto a “dar a cara a tapa”. É transgredir para poder ir além. Se não correr esse risco, também não criará algo de novo. Guimarães Rosa (1978, p. 16), afirma que “viver é muito perigoso” O mestre da literatura mineira, brasileira e mundial, tinha razão. Sem se arriscar, nada será feito. Mas, se arriscando é perigoso, porque corre o risco de ser incompreendido, criticado, caluniado e assim por diante. Ainda reportando à citação de Bourdier, se referindo Robbe-Grillet, Tudo isso é o real, isto é, o fragmentário, o fugaz, o inútil, tão acidental mesmo e tão particular que todo acontecimento ali aparece, a todo instante, como gratuito, e toda existência, afinal, como privada da menor significação unificadora (ROBBE-GRILLET, 1984, p.185). Há na psicologia gestáltica um princípio de figura e fundo. Ora, aquilo que é fundo, se torna mais evidente, sobressai, se tornando assim a figura principal. Ora, o que está em evidência, se torna fundo, tornando-se assim, naquele momento, menos importante. A chamada psicologia das formas. Existe até uma figura bastante
  29. 29. 29 conhecida: quando se olha rapidamente, ela aparenta um vaso; quando se olha mais atentamente, percebe-se que se apresentam duas faces frente a frente de perfil. Depende da maneira como se olha e da intensidade do olhar. A história pode ter esse movimento: de um local, uma pessoa... E, quando se trata de autobiografia, isto pode se tornar bem mais acentuado. Mas, voltando à narrativa, com 5 meses deixei o convívio do meu lar biológico, passando assim a ser integrante do lar adotivo. Meus pais, residentes no sítio “Bonita”, não tiveram filhos. A primeira filha da minha mãe nasceu morta. Teve outra gravidez, mas não chegou a gerar, ocorrendo um aborto espontâneo, na Bahia, no nosso meio rural, chamado “perca”. Fui o único filho homem adotado; outras adoções foram feitas, mas todas meninas; uma inclusive antes de mim, mais velha, hoje ela deve estar uma senhora com seus 68 ou 70 anos. As outras duas, moram, uma em Pintadas, na zona rural, está casada e não teve filhos, a outra em São Paulo, interior, (esta é filha de uma sobrinha de minha mãe adotiva), e tem um filho homem e esse está rapaz, talvez esteja casado. Minha infância não teve nada de extraordinário: vida no campo, trabalho no sítio, não fui explorado, tendo que trabalhar forçado, tínhamos criação de porcos, cabritos e ovelhas. Tudo era criado solto no campo; quando era necessário, vendia para suprir as necessidades, também para suprir as necessidades da casa. Isso tudo praticamente acabou quando, em 1960, um ano muito chuvoso, morávamos numa casa e os animais estavam num outro sítio e o Rio do Imbé ficou cheio por um mês ou mais, ninguém conseguia passar e assim, com tanta chuva, ninguém conseguia cuidar dos animais; praticamente o, criatório, sobretudo de cabras, foi dizimado. Me lembro que assim, com esse acontecimento, as coisas ficaram dificílimas! O trabalho com a lavoura, no nosso contexto, era comum, nos períodos de plantação: novembro, dezembro, janeiro e final de abril, maio e junho, plantio de milho, feijão. Mas, o retorno disso era muito incerto. Em alguns períodos, tinha-se a colheita suficiente para a manutenção da casa. Mas, quando não chovia no tempo certo para ganhar a “safra”, aí era terrível. Minha região é a de Feira de Santana, BA. Região agreste, semiárida. Vi muitas lavouras perderem por falta da chuva e muitos animais morrerem por falta de comida. Quando isto acontece, o povo sofre, e sofre muito!...
  30. 30. 30 Tive uma vida infantil como todo garoto do sítio: vez ou outra ia à vila com meus pais para fazer feira para manutenção da casa, ia à missa, orações na igreja local, mais à frente falarei dessa parte com mais detalhes. Ia à casa dos vizinhos com meus pais, quando alguém estava doente, nas visitas de final de semana, feriados e nos chamados “dias santos”. E, às vezes, à noitinha para uma mão de prosa. Nas festas, meu pai tocava viola, às vezes era convidado para animar a festa e a gente, na maioria das vezes, ia também. Minha mãe gostava muito das coisas religiosas; muitas vezes era convidada para “puxar” as orações, novenas, terços, muito comum no nosso contexto. Nos momentos de estiagem longa, 4, 5, 8, 10 meses ou mais sem chover, faziam-se as orações pedindo chuva. Colocava-se a imagem de um Santo na casa de um vizinho para que quando chovesse, trouxesse o Santo em “acompanhamento” (seria uma procissão), pagando a promessa. Escola, não tive. Até os 14 ou 15 anos, não sabia ler nem escrever nada. Na Vila havia a escola primária, atual “Escola Santo Antônio”; naquela época só até a 5ª série. E a professora Antonina Fernandes Leite, (? – 1960), tinha sido professora da minha mãe adotiva, sempre falava para minha mãe: “Lúcia, precisa colocar esse menino na escola; não pode deixar esse menino sem estudos, não. Ele é muito esperto”. Ela até se prontificou para eu morar com ela na vila, a casa da professora era na própria escola. Ela criava uma moça, cuidava da mãe dela, de idade e cega. Ela ajudava as pessoas que queriam estudar, mas moravam longe no sítio, ficavam na casa com ela. Mas, minha mãe nunca aceitou a ideia. Para ir todo dia para a escola e voltar era longe. Uma hora e meia para ir e hora e meia para voltar. Logo, meus estudos não existiram. Quando foi para eu fazer a minha 1ª Comunhão, já devia ter meus 14 anos, minha mãe conversou com o irmão dela, tio Norberto, pessoa muito ligada à igreja local, ele conversou com o padre, meu saudoso Vigário Cônego Alcides Cardoso e ele aceitou eu fazer a 1ª Comunhão sem precisar fazer a catequese. Foi ótimo. Foi um dia de muita chuva. O rio que passa perto da cidade, o “Rio do Peixe”, amanheceu cheio: a água da vazante veio perto da vila. O uniforme de 1ª Comunhão foi uma calça cor verde/azeitona e uma camisa branca manga comprida. Fiquei lindo. Detestava aquelas calças curtas com suspensório, eram horríveis. Felizmente, a da minha 1ª Comunhão não foi.
  31. 31. 31 Mas, antes foi a minha Crisma, 1957/58, tinha 8 ou 9 anos. Mas, antes de falar do crisma, queria falar da escolha do padrinho. Naquela época, crismava com 7 anos, a chamada “idade da razão”. Como eu não conheci o meu padrinho de batismo, mais tarde conheci a madrinha, era uma mulher linda! Quando foi para crismar, eu bati o pé e disse: Já que não conheci meu padrinho de batismo, eu vou escolher o padrinho de crisma. E fiz. Eu fui sempre assim: quando queria uma coisa, batia o pé e corria atrás. Escolhi o padrinho, falou-se com ele e o mesmo aceitou. Era o meu padrinho Sinfrônio. Já faleceu há muito tempo. Saudades! No dia do crisma, eram as “Santas Missões” lá na Vila. Os frades Capuchinhos de Feira de Santana, do Convento Santo Antônio, tinham um trabalho nesse sentido, naquela região toda. Fomos cedo para a Vila; chovia muito. Passando no rio, o famoso “Rio do Peixe”, estava cheio, a correnteza quase me levou. Sorte que meu pai percebeu logo. Que susto danado!... Logo após o meio-dia, torrei a paciência da minha mãe para vestir logo a roupa que eu ia ser crismado. Era uma roupa bonita. Meu pai tinha comprado. Era uma camisa de listra e uma calça cor cáqui, curta, porém, que eu detestava; mas, enfim, a roupa era bonita. Não tinha suspensório, era um cinto azul. Me lembro disso tudo. Minha mãe me deu a roupa, vesti-a e fiquei feliz da vida. E fui para a Igreja, brincar com a meninada. Havia, junto à Igreja, a construção de uma casa; era tempo chuvoso, buracos de esteios tinham sido cavados, porém tudo encoberto de mato. Nesse meio tempo caí num desses buracos. Eu, com 8 anos, a água suja quase me encobriu, indo até o pescoço. Me sujei todo. Aí tive que tirar a roupa, minha mãe lavou-a e a secou no ferro a brasa, pois, lá pelas 17h, tinha que estar pronto, pois era a hora da celebração do Crisma. Ainda bem que aquela tarde foi de sol, em um dia do mês de março de 1957. Na hora da celebração do Crisma, o frade Capuchinho passou realizando a cerimônia; quando chegou a minha vez, aquele homem grande com a barba branca quase chegando à cintura, chegou perto de mim para passar o óleo do Crisma na minha testa, olhei para a cara do homem, fixei os olhos e dei um grito, que chamou a atenção de todos os participantes. Ah, que coisa horrorosa! Chorei como um louco... Me assustei. Já que estou falando de igreja, padrinho e cerimônia, registro aqui que a minha mãe adotiva era muito religiosa; meu pai também; mas, ia à Igreja vez ou
  32. 32. 32 outra. Não tinha o hábito de ir sempre. Minha mãe, sim, eu e as meninas que eles criaram, a gente ia sempre. Naquela época, não tinha padre residente lá. Era o padre de Ipirá, naquele momento, era o Pe. Alcides, que ficou 44 anos na cidade, como vigário. Havia missa a cada dois meses, dois meses e pouco. E eu adorava aquele movimento de igreja. Achava lindo o padre entrar para celebrar a missa. Ainda hoje acho; mas, não tinha nenhuma intenção, naquele momento, de ser padre. Nem era concebível para nós, ser padre ou outra profissão qualquer que necessitasse estudar. Como? Nem passava pela cabeça da gente. Mas quando não havia missa, o pessoal fazia as orações, as novenas, a festa da Padroeira Imaculada Conceição, que, aliás, é uma imagem linda, toda de madeira; mede mais de um metro de altura. Meus pais não me mandaram para a vila para ficar na casa da professora para estudar. Mas minha mãe queria que eu aprendesse a ler com ela, o “abc”, a cartilha etc. Aí, quem não quis fui eu. Já que não me deixaram morar na casa da professora, também aprender a ler em casa eu não quis. Até aqui, falei de infância, vida no sítio, a vila onde íamos fazer feira, a Igreja etc. Na adolescência, a vida não mudou praticamente nada. Cresci no mesmo contexto, fazendo as mesmas atividades, e assim por diante. Os problemas da adolescência, não tinha com quem partilhá-los, a não ser em nível de brincadeira e gozações com a molecada. Muita coisa foi se resolvendo com o tempo. De acordo com a psicologia, adolescer é enfrentar as diferenças que vão surgindo em nós, mudanças no corpo, na maneira que a gente vai se formando. Isso é algo que não é muito fácil. No meu contexto essas coisas eram encaradas, em muitas situações, como pecado. Imagina só: eu me transformando, enfrentando as mudanças que a natureza me proporcionava e ainda me aceitar pecador... Mas, naquele contexto era assim. Hoje, o contexto rural já mudou muito. De uma coisa me recordo com muita clareza: nunca fui conformado com aquilo tudo. Eu queria fazer algo diferente, mudar. Mas, o quê? Essa era a chave da questão. Lembro-me que um dia à noite, já aos 15 ou 16 anos, eu tomei a seguinte decisão: vou aprender a ler. Procurei o danado do “abc”, pedi, à noite mesmo, para minha mãe me ensinar as letras e iniciei. Com uns 02 meses e pouco, já havia
  33. 33. 33 aprendido o “abc”, passei para a cartilha e com uns 3 ou 4 meses já estava sabendo ler alguma coisa, já descobria palavras num texto escrito. Vinha jornal de feira que embrulhava barra de sabão, eu pegava aquilo e lia. Até que logo comecei escrever bilhete, carta e outros. Não foi fácil! Ia também para a casa da irmã do meu pai, tia Aída, e ela, com toda paciência, me ensinava as coisas: ler, fazer cartas, tinha um livro chamado “paleógrafo”, que ensinava fazer a letra bonita. Mas não aprendi; a minha continua horrível. Ela tirava trechos desse livro e me dava para eu copiar, treinar a escrita, saudades!... Essa conquista, a professora Antonina não presenciou, a mesma faleceu em 1960. Foi fazer um mingau para a mãe cega, num vasilhame cheio de álcool, então veio a derramar o álcool em chamas sobre a mesma, vindo a falecer. Aquilo que a mesma tanto desejou ver, não viu, eu sabendo ler. Mas, ficou a semente jogada na minha consciência. Nada acontece por acaso. Não aprendi ler imediatamente, como ela tanto queria, mas a instigação dela me fez despertar posteriormente, já rapazinho. E a vida continuou, morando no sítio, fazendo os trabalhos que todos nós em casa e naquele contexto fazíamos. Passamos momentos difíceis; a sobrevivência não foi fácil, depois que se perdeu o criatório de cabras com as enchentes de 1960, já relatado acima. Assim, meu pai teve que ir para São Paulo, interior, procurar trabalho, como muitos da nossa região faziam. Ele foi três anos seguidos; trabalhou no corte de cana na Usina de Açúcar em Iracemápolis (SP), na região de Ribeirão Preto. Ficou minha mãe e nós, cuidando das coisas do sítio. Foram momentos difíceis. Queria muito conhecer minha mãe, meus irmãos, mas era muito difícil a locomoção de uma cidade para outra. Embora, de Pintadas para Mundo Novo não seja tão longe, 60 ou 80 km, mas naquela época teria que ir a pé, ou a cavalo. Automóvel, naquele contexto, era quase impossível. Também, tinha muita vontade de conhecer minha madrinha e padrinho. Quando me batizaram era apenas namorados e não se casaram. Minha madrinha casou-se com outro e morava em Feira de Santana. Fui vê-la, nas viagens de romaria para Candeias, uma cidade no Recôncavo Baiano, perto de Salvador. Existe a devoção à Nossa Senhora das Candeias (Nossa Senhora da Candelária), festa dia 02 de fevereiro. Nessas idas para Candeias, por duas vezes consegui vê-la. Minha madrinha chamava-se (chama?) Terezinha. Não sei se a mesma sobrevive. Era
  34. 34. 34 linda minha madrinha; muito bonita; uma mulher loira! Tenho a imagem dela na minha memória. E a memória raramente morre!... A essas alturas, já estava com meus 17 anos; fase de pleno Regime Militar. Foi ano de eleição para prefeitos e vereadores (Governo de Estado e Presidente da República era proibido se escolher naquele momento. Período das chamadas eleições indiretas). Aí eu quis votar, mas não tinha nenhum documento: certidão de nascimento, identidade ou reservista. Fui, então, encaminhar o processo para tirar o título de eleitor. Como primeiro tinha que fazer a certidão de nascimento e como não tinha contato naquele momento com meus pais biológicos, usei os nomes dos meus pais adotivos; e a data de nascimento também ficou errada. Em vez da idade de 1949, dei a data de nascimento 1948. Fiquei um ano mais velho. Se tivesse usado os nomes dos pais biológicos, eu seria: Teodoro Borges de Oliveira. A vida tem essas coisas. Nessa altura do campeonato, começaram os questionamentos existenciais: o que eu seria na vida, qual seria o meu futuro? O que fazer da vida? Nesse momento, já estava amando ler e escrever... E a vida continuava... Certo dia, conversando à noite com meus pais, depois da gente ter comido alguma coisa, surgiu a ideia: eu vou estudar. Mas, como e fazer o que, naquela realidade? Foi aqui que surgiu a ideia de ser padre; quase como uma brincadeira, sonho de um rapazinho de 17/18 anos, começando a viver, oriundo de uma região muito simples. Na nossa família até aquele momento ninguém tinha estudado nada, como é que me veio essa ideia doida, era muito alto, uma realidade quase inatingível! Ainda mais para ser padre, que tinha que estudar muito. Fazer filosofia, teologia e eu não tinha nem o primário!... Coisa de doido. Falei isso no dia de minha ordenação sacerdotal na minha cidade, dia 22 de dezembro de 1988. Dizia eu: lutei, corri atrás do que queria; ou eu tinha muita fé ou era doido mesmo. Mais à frente falarei melhor sobre isso. Assim, começou toda a história da caminhada ao sacerdócio. Tudo começou de maneira muito simples, era muito ingênuo ainda; não tinha noção da dimensão das dificuldades que iria enfrentar. Embora percebesse que as mesmas viriam. Aqui é bom lembrar que a dificuldade maior que encontrei, não foi tanto a questão da idade, mas o problema dos estudos. Não tinha nem o primário pronto.
  35. 35. 35 É necessário ressaltar, que aqui, se estava vivenciando o despontar do Concílio Vaticano II, começado em 1962 e concluído em 1965. Muitos seminários menores foram fechados (casas para formação de estudantes que querem ser padre, fazendo ginásio e 2º grau, hoje fundamental e médio). Fui conversar com o Pe. da Paróquia, na época, Cônego Alcides Cardoso, grande figura, uma inteligência extraordinária; homem culto, via-se o mesmo sempre com um livro nas mãos, quando estava na casa paroquial. Ele deu-me apoio moral, incentivou-me, mas, como e aonde estudar? Depois de tanto correr atrás, bater em várias portas, aqui já tinha se passado 3 ou 4 anos, fui conversar com Pe. João Farias, uma outra figura de quem me recordo com muita saudade! Era uma pessoa humana fabulosa (no dia do sepultamento dele, preferi não chegar perto do caixão, para poder me recordar dele vivo, sorrindo, brincando)! Morreu novo, 50 e poucos anos. Aí Pe. João me colocou para falar com o bispo da Diocese, aliás, minha Diocese de origem, Rui Barbosa (BA). O bispo funcionou como um balde de água fria. Me disse o mesmo: “para mandar um rapaz para o seminário, eu tenho que gastar por mês em torno de 20 cruzeiros; onde se vai achar esse dinheiro?” Na minha cabeça, surgiu o questionamento: eu quero é ser padre, não estou preocupado com dinheiro, não. Mas, não argumentei com o bispo. Não vou citar o nome, mas era uma figura que não era de agradável conversa. O obstáculo, posso dizer, veio do bispo. Também pessoas do meu convívio, muitas diziam-me: “que eu não iria conseguir, que eu não tinha dinheiro, para que correr atrás disso?”. Mas, outros, porém, incentivavam e encorajavam-me. Até minha mãe biológica, mais tarde, me disse: “meu filho isso é muito difícil, tem que estudar muito, procura fazer outra coisa”. Coitada; na simplicidade dela, pensava assim. Foucault, em sua obra Microfísica do Poder (2008), defende a ideia de que, ao lado do poder do Estado, existe, na base das pequenas coisas, o preconceito de pequenez; ou seja, cria-se uma mentalidade de fracasso, de impotência; isto é: quem não pode, não pode. Mentalidade do aniquilamento do indivíduo. Isto é, esta mentalidade ou esse poder vai se formando nas pequenas coisas, onde se acredita que tudo é simples, que não há interferência de forças externas ao meio em que se vive. Foucault afirma, na contracapa da obra, que
  36. 36. 36 O método genealógico desenvolvido por Foucault evidencia a existência de formas de exercício do poder diferentes do Estado, a ele articuladas e indispensáveis à sustentação e atuação eficaz. E na medida em que o poder não está localizado exclusivamente no aparelho do Estado, diz Foucault: ‘nada mudará a sociedade se os mecanismos de poder que funcionam fora, abaixo e ao lado dos aparelhos do Estado a um nível muito mais elementar, cotidiano, não forem modificados’. Mas, o Pe. João continuou me apoiando. Já que o bispo saiu com aquilo, ele me propôs um acompanhamento por um período de tempo, para a gente conversar, trocar ideia, visando assim, um crescimento. Esse acompanhamento, portanto, durou um ano. Donde eu morava, para a cidade de Mairi (BA), onde ele era o vigário, era em torno de 5 léguas (35km). E topei. Isso era final do 2º semestre de 1968; e, no início de 1969, todo mês eu ia para Mairi. Ele me passava lições de português, matemática, ciências etc., para eu fazer em casa; estudar, procurar ampliar os conhecimentos. Isso durou um ano. Ia todo mês, a pé ou a cavalo. Mas, fazia isto brincando; 18/19 anos, toda energia juvenil! Hoje faria tudo de novo! Mas, havia o cansaço, desânimo, todo mês tinha que fazer isso. Mas, não perdia a esperança. Nessas idas e vindas, eu cantava um canto que se cantava muito na Igreja de minha Vila, na época: 1 – Quero ouvir teu apelo Senhor; ao teu chamado de amor responder. Na alegria te quero servir, e anunciar o teu reino de amor! Refrão: E pelo mundo eu vou, Cantando o teu amor. Pois disponível estou. Para servir-te Senhor. 2 – Dia a dia tua graça me dás; Nela se apóia o meu caminhar. Se estás ao meu lado Senhor, que poderei então eu temer? Era muito idealista. E ainda o sou. Antes do contato com Pe. João Farias, já ajudava na Igreja da Vila; combinei com o Padre e fazia celebrações na minha casa aos domingos, no sítio, na casa dos vizinhos, e, assim, foi tomando corpo minha busca de ideal. Morei na Casa Paroquial por um ano, 1967, ajudava o padre nas celebrações de missas aos domingos, na
  37. 37. 37 semana, nas celebrações que ele fazia nos sítios, eu ia junto. Foi uma experiência muito rica. Também nesta Paróquia de Ipirá, naquele momento estava o Pe. Moisés Rodrigues. Era vigário Paroquial. Mas, foi uma figura que não contribuiu muito para a minha formação, não. Os questionamentos que o mesmo me fazia, não tinham – me parece – o objetivo de me fazer crescer. Pelo menos era essa a leitura e significação que eu os dava. Não deixou saudades! Mas, nada é por acaso. Voltando ao Pe. João Farias, no final de 1969, ele me propôs ir para Jequitibá, fazer um curso técnico e, com esse curso, eu concluiria o primário. Num primeiro momento, a proposta não era para ser padre. Lá é uma comunidade religiosa contemplativa e, assim, eu poderia me tornar um religioso depois do curso técnico. Assim fiz. Em 1970, início do ano, rumei para Jequitibá, que está distante de Mundo Novo (BA) cerca de 20 km, no mesmo município. É uma comunidade de monges cistercienses, oriundos da Áustria, chegaram ao Brasil no período do pós 2ª Guerra Mundial, ou durante a guerra. É uma fundação, a Fazenda foi doada aos padres, com essa finalidade: ajudar na formação de jovens daquela região. É uma região rica. Chove mais frequentemente do que a região de Ipirá. É uma região montanhosa, muito bonita. Comecei um curso de marceneiro; na parte da manhã, tinha-se aulas normais, também a parte teórica do curso e, na parte da tarde, aulas práticas na oficina. Na época funcionavam os cursos de mecânica, marcenaria (era o meu) e pecuária. Não me satisfazia o curso de marceneiro; levei a frente para poder, assim, melhorar a parte dos meus estudos. E melhorou bem. Mas, não era isso que eu queria. No final de 1970, fiz a petição para ingressar na comunidade religiosa e fui aceito. E, em 1971, iniciei o noviciado em Jequitibá. Embora sabendo que não estava sendo uma formação direta para ser padre, já me animava por estar envolvido com a vida religiosa e alimentava a esperança de que no final do noviciado, surgiria uma oportunidade para encaminhar de fato os estudos para ser padre. Mas, infelizmente, não foi assim que ocorreu. Até aquele ano, 1971, havia a “Escola Divina Pastora”, a que eu fui aluno, e havia também, o curso ginasial para os rapazes que queriam ser padre e já
  38. 38. 38 possuíam o curso primário. No final de 1971, esse curso ginasial acabou por falta de candidatos para ser padre. A partir do meio do ano, 1971, os padres começaram a querer me convencer para eu continuar apenas como religioso e não insistir com a idéia de estudar para padre. Imaginei: eu querendo uma coisa e eles querendo colocar outra em minha cabeça. Chamaram-me muitas vezes para conversar, querendo me fazer entender que como religioso eu me realizaria e seria feliz. Porém, não cedi às tentativas de convencimento dos padres. Também o padre Gabriel, que foi o mestre de noviços, me apoiou muito, me dizendo que eu devia continuar lutando pelo que eu queria e não deixar que os outros decidissem por mim. O resultado foi que no final de 1971, deixei Jequitibá. Assim, na minha Diocese de origem, na minha região, não tinha mais nada que fazer. Mas, mesmo assim, no 1º semestre de 1972, continuei tentando alguns seminários da região... Mas, nada... Mediante essa realidade, comecei pensar na possibilidade de ir pra São Paulo, lutar pelo que eu queria. A minha tia, irmã do meu pai adotivo, aquela que me dava lições do livro de paleógrafo, nessas alturas, já morava em São Paulo/SP, com a família. Mudara para lá na década de 1960. Já estavam instalados por lá, já trabalhavam e assim por diante. Assim, resolvi ir para São Paulo. Até aqui “correu muita água por baixo da ponte”. Procurei nessa primeira parte, relatar aquilo que é da maior relevância; aqueles fatos mais detalhistas, deixei-os. Também é impossível me lembrar de todos. Até porque, como problematizei acima, trabalhar com a Memória é saber que há muita fenda e esquecimentos. Não tenho a ilusão da biografia individual e sei que a Memória, mesmo individual, é perpassada pela Memória Social.
  39. 39. 39 CAPÍTULO III EM BUSCA DO TEMPO VIVIDO NA TERRA DISTANTE Iaweh disse à Abraão: sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que te mostrarei. Eu farei de ti um grande povo, eu te abençoarei, engrandecerei teu nome; sê uma benção! Abençoarei os que te abençoarem, amaldiçoarei os que te amaldiçoarem. Por ti serão benditos todos os clãs da terra. Bíblia de Jerusalém (Gn12,1-3). Quando se dispõe a fazer algo, sobretudo aquilo que diz respeito às conquistas humanas, não se tem respostas e nem certezas antecipadas. Tem-se a vontade, o desejo de fazer e disposição para ir atrás. O texto bíblico de Gêneses, acima, mostra muito bem isso: Iaweh, Deus, promete a Abraão uma terra, um grande povo, uma grande nação. Mas, não diz aonde e nem como conquistar. Se fosse assim, seria muito fácil! Deus promete a bênção, um nome grande, mas não diz também como será a grandeza desse nome! Isto porque é o homem que, à luz da fé, da esperança e confiança, vai descobrir o meio e o modo como chegar à terra e como conquistar a grande nação! Para isto se tornar realidade, precisa o homem se deixar conduzir pela fé. É o que nos diz o apóstolo Paulo, na carta aos Hebreus, capítulo 11 inteiro. E Hb11,1: “A fé é a garantia antecipada do que se espera, a prova de realidades que não se vêem”. Claro que o grande apóstolo, aqui, não está falando apenas de realidades terrenas, de conquistas pessoais de cada um – fala também dessas coisas – mas, ele fala de realidades futuras, escatológicas, da parusia, e da realização plena do homem, no encontro único e definitivo com Deus. Mas, também, as conquistas e anseios individuais, os sonhos humanos e buscas de realizações, aqui se fazem presentes. A felicidade do homem, não exclui
  40. 40. 40 o estar próximo de Deus. Viu-se o que Sto. Agostinho afirma: que o homem só é feliz, quando seu coração repousa, descansa em Deus. Afinal, Deus é a razão do viver humano. Depois de tanto correr atrás, para conquistar e concretizar meus sonhos, não tive outra saída senão ir para São Paulo (SP). Como muitos conterrâneos meus, tive também que deixar meu povo, minha terra e partir. Só que, com uma diferença: muitos deles foram para a capital paulista ou para o interior, com o objetivo de ganhar dinheiro, inclusive meu pai adotivo, já citei acima, para poder melhorar a situação financeira, cuidar da família etc. Este não era o meu objetivo. Estava disposto a trabalhar; meu objetivo, porém, era outro: através disso, encontrar uma forma de começar os estudos. Era o ano de 1972, mais precisamente, 22 de agosto. Contava com meus 23 anos de idade, Era uma segunda-feira, dia que o pessoal daquela região ia a Vila para fazer as compras. Cedo, saí de casa, pedi a bênção para minha mãe, esta ficou em prantos. Eu? Com um nó salgado na garganta! Despedida é terrível! À tarde, quando tive que tomar a condução para ir para Ipirá, para lá passar a noite na casa do padre, e no outro dia cedo ir à Feira de Santana para tomar o ônibus para o Rio de Janeiro, fui pedir a bênção ao meu pai, a voz dele não saiu do peito, nem um sussurro! Novamente o nó salgado me tomou a garganta. Ah, que tristeza! Passei o resto da tarde com aquela angústia no peito, mas partiu-se. Fui com um colega que ia pelo Rio de Janeiro, para ver um irmão dele que lá estava trabalhando. Na terça-feira, dia 23 de agosto, pegamos o ônibus em Feira de Santana rumo ao Rio de Janeiro e depois São Paulo. Meu peito parecia que estava sufocado com muito peso em cima. Quem passa ou passou por situações de separação de sua gente, sabe como isto é crucial. Saindo da rodoviária em Feira de Santana, era um ônibus da Empresa Itapemirim, tinha serviços de som a bordo e colocaram uma música do Roberto Carlos, que na época estava nas paradas de sucesso, “Um dia a areia branca, seus pés irão tocar; e vai molhar seus cabelos, a água azul do mar”. Nesse momento, felizmente, consegui chorar!... O choro, a saudade, o nó salgado que estava preso na garganta, naquele momento, vieram à tona. Foi um alívio para o peito!
  41. 41. 41 Chegando ao Rio de Janeiro, ficou-se por lá um dia e uma noite. O companheiro que fui com ele, encontrou com o irmão dele (aliás, ficou-se na casa do mesmo). Depois partiu-se para a capital paulista. Saiu-se do Rio de Janeiro às 0h e mais ou menos 05h 30min ou 06h estava em São Paulo. Chegou-se na antiga rodoviária, junto à Estação da Luz (lá hoje é um museu). Estava um frio terrível! Eu com uma camisa de manga curta. Da estação rodoviária até o Largo São Francisco, onde tomamos o ônibus para a casa da minha tia (irmã do meu pai adotivo), quase morri de frio. Nunca tinha sentido tanto frio. Na Bahia, nessa época, já está quente. Foi uma loucura! Essas coisas marcam a gente!... Nos anos 1960, tinha uma música que dizia: “Recordar é viver” (Vitor Espadinha). Recordar é, também, fazer memória; olhar para o caminho que se percorreu e atualizar ou ressignificar uma história que se viveu, ou fizeram a gente viver. Se a noite fosse uma linha reta, quem sabe as coisas seriam mais fáceis. No entanto, no viver humano, não há lá muita horizontalidade, não. Há altos, baixos, tropeços, erros e, também, acertos. Também, não há muita previsibilidade; se assim fosse, quem sabe, o viver humano, talvez fosse menos difícil e, talvez, muitas dores pudessem ser evitadas. Naquele ano, também, estava sendo exibida a novela Selva de Pedra, com Regina Duarte, Francisco Cuoco e Dina Sfat, pela Rede Globo. E, eu, chegando em São Paulo, enfrentando a “selva” de prédios, arranha-céus e uma cidade enorme. Para quem estava chegando do interior baiano, que apenas tinha ido a Salvador apenas uma vez, foi um choque de cultura/costumes e realidades totalmente alheias a mim. “Bota sofrer nisso”! Não foi mais difícil, pois fiquei na casa de minha tia Aída, irmã do meu pai adotivo; tinha a companhia dela e dos filhos que cresceram comigo lá no nosso contexto de “Bonita”, onde fui criado, como remontei no Capítulo Primeiro. Mas, tinha que correr atrás de um emprego: não tinha mão de obra qualificada, isto é, não tinha uma profissão, experiência profissional nenhuma, e precisava trabalhar para poder sobreviver, ajudar um pouco nas despesas da casa e adquirir experiência. Mas, só em outubro daquele ano, surgiu o primeiro emprego: trabalhar de guarda, vigilante. Tinha que assumir, não podia mais ficar parado. Além da saudade dos meus na Bahia, não conhecia nada em São Paulo e ainda sem trabalhar, não tinha como permanecer assim. Nesse emprego, permaneci mais ou
  42. 42. 42 menos 10 ou 11 meses. Entrava 7h e saía às 19h; quando o colega não chegava para ficar no meu lugar, tinha que dobrar, fazer 24 horas e sem jantar nem tomar lanche. Não podia sair do posto. Se fosse pego fora do posto de serviço, seria demitido por justa causa, na certa. Depois desse emprego, trabalhei numa fábrica de televisão (Telefunken), fazendo serviços gerais. Fiquei poucos dias, um mês e poucos dias. Depois, numa loja, na 25 de Março, Koraicho Mercantil, e meu último emprego foi no Mosteiro de São Bento, Largo São Bento, bem no centro de São Paulo (serviços gerais e portaria). Antes de trabalhar no São Bento, já havia entrado em contato com D. Bernardo Botelho Nunes, OSB, ia, vez ou outra, ao Mosteiro para a gente conversar, falei da vocação, estudos, ser padre etc. Foi uma grande figura amiga, que cruzou meu caminho. Foi graças a ele que consegui o emprego lá no Mosteiro. Me deu muita força para enfrentar as adversidades e me deu suporte me encorajando para não desanimar. Foram dias pesados! Há uma passagem bíblica que diz: “Amigo fiel é poderoso refúgio, quem o descobriu, descobriu um tesouro. Amigo fiel não tem preço, é incomparável o seu valor. Amigo fiel é um bálsamo vital e os que temem o Senhor o encontrarão” (Eclo.6,14-16). D. Bernardo foi um amigo assim: amigo para a conversa, o desabafo, partilhamento das preocupações; ia sempre conversar com ele, pedir orientação, conselho; foi uma figura formidável para mim. Não posso me queixar: Deus colocou muitas pessoas boas no meu caminho. Mas, o mais difícil, em São Paulo, foi a solidão, a distância da terra natal, a falta que as pessoas do meu convívio faziam! São Paulo é uma cidade maravilhosa, mas no início eu não conhecia nada. Seria como enxergar a luz do sol e não saber para onde estava o seu nascer e o seu se por. Andava pela cidade com minhas primas, mas não me adaptei de imediato, não; depois, com o tempo, as coisas foram melhorando. Também, a distância para o trabalho foi cruel! Morava em Pedreira, na região do Bairro Santo Amaro, zona sul da capital, e trabalhava em São Caetano do Sul. Uma distância de mais ou menos 20km. Saía de casa 05h e 30min ou 6h, para entrar no trabalho às 8h. Tomava dois ônibus: de Pedreira até o Parque Dom Pedro e outro daí para São Caetano. Foi pesado!...
  43. 43. 43 Depois de um certo tempo, pedi transferência para um posto de serviço mais perto. Me transferiram para o bairro de Pedreira mesmo, para uma usina da Light, empresa de eletricidade. Mas, trabalhava a noite. E, durante o dia, não conseguia dormir. Fiquei mais ou menos um mês, depois me transferiram para a Usina da Traição, no Morumbi, no Rio Pinheiros, também Usina da Light. Lá trabalhava durante o dia e conseguia dormir a noite. Naquela época, os rios da cidade de São Paulo já eram poluídos; era um mal cheiro insuportável. Aí eu não comia, perdi o apetite. Tive que tomar remédio para melhorar o apetite. Ficava 12 horas numa guarita, sem ver nenhuma vivalma, fazia as refeições ali mesmo. Ah, como era difícil. Naquela época havia um programa na Rádio 9 de Julho (extinta no final dos anos 1970, pelo regime militar). E havia um programa diário do Pe. José Fernandes, o Pe. Zezinho, das 10h 30min às 11h 30min. Esse programa chamava-se “Tempo e Contra Tempo”, começava com a música de Michael Jackson “Ben”, como fundo musical; era um programa interativo. Ali, liam-se cartas, respondia a perguntas que as pessoas faziam; tratava, enfim, de questões gerais. Esse programa era bom! E tratei de arrumar um radinho para ouvir. Tinha que tomar muito cuidado, para o fiscal não chegar ao posto de serviço e não encontrar a gente dormindo ou com o rádio ligado. Além do programa ajudar a passar o tempo, as questões que as pessoas queriam ter respostas, algumas tinham algo a ver comigo; e isso me ajudou muito a encontrar respostas para as minhas também. Depois desse emprego vieram os outros três já mencionados. Mas, estudar era o meu objetivo para poder encaminhar-me para ser padre. Nessas alturas, ia já, vez ou outra, ao São Bento, conversar com D. Bernardo. Foi quando surgiu a oportunidade de trabalhar com eles. Isso foi lá pelo final de 1973, mês de outubro, ou novembro. No São Bento, o serviço não era tão pesado, entrava às 08h e saía às 18h. Tinha uma hora e meia para a refeição do meio-dia. Lá tomava café da manhã, lanche às 10h, almoço e lanche às 15h 30min. Era outro ambiente... Mais tranquilo; onde não era tratado como empregado. Tinham mais atenção pela gente. Foi bom! Nessa época, eu ia à missa todo dia, antes de entrar no trabalho; me fez muito bem!... Aquela Igreja que fica na Praça João Mendes, ao fundo da Catedral da Sé, Igreja de Santo Inácio. A missa era às 06h 30min.; depois descia pela rua São Bento ou pela rua 15 de Novembro, tomava café e, às 08h, entrava no trabalho. Na
  44. 44. 44 parte da manhã, fazia serviços gerais. E, à tarde, nos feriados e alguns domingos, na portaria. Atendia as pessoas, telefonemas etc. Foi um período mais tranquilo. Quando comecei trabalhar aí, já estava em andamento a construção da Estação São Bento, do Metrô. O barulho era cruel. Mas, em dezembro ou janeiro de 1974, inauguraram-na. Aí, continuou a movimentação normal e não mais o barulho das máquinas. Mas, estudar, que era o meu objetivo, nada. E não estava conseguindo fazer nada neste sentido. Além de ganhar pouco, meus horários eram complicados; não me permitiam estudar. Ora trabalhava durante o dia, ora trabalhava durante a noite. Não estava conseguindo conciliar estudos e trabalho. Aliás, nem tinha começado estudar; o que me deixava mais angustiado. A essas alturas, já contava com meus 24 anos de idade; a idade estava chegando. Aí, comecei a me movimentar, entrar em contato com alguns seminários, casas religiosas. A mesma questão se repetia: faltava fazer o 1º e 2º graus, ou ginásio e colegial. Assim, entrei em contato com o Mosteiro Cisterciense de Itaporanga (SP). A mesma congregação religiosa que a de Jequitibá (BA), já citada. Era final de 1973, ou início de 1974. Obtive resposta positiva. Já estava ganhando um pouco melhor, já tinha comprado bastante roupa -- nunca escondi nem escondo meu gosto por vestir bem. Sou vaidoso, não nego. Mas, logo que tive a resposta positiva dos padres de Itaporanga, pedi demissão do emprego e, no início de março de 1974, rumei para Itaporanga. Fica na região sul do Estado de São Paulo, quase na divisa com o Estado do Paraná, próximo à Itapeva/SP e Itararé/SP. E, assim, fui. Morei na cidade de São Paulo, portanto, de agosto de 1972 até início de março de 1974, quando o governo Médici saia e iniciava a governo Geisel, anos difíceis politicamente no país. Em Itaporanga, como em Jequitibá, não fui fazer nenhum estudo. Foi uma experiência na vida religiosa. Em Jequitibá fiz a “escola técnica”, curso de marceneiro, aqui não. Logo chegando, depois de uns dias, comecei o aspirantado (espécie de preparação para o noviciado). Isso durou um bom tempo; creio que foi de março de 1974, até novembro do mesmo ano. Isso mesmo: dia 30 de novembro, comecei o noviciado, dia do apóstolo André. O noviciado, normalmente tem duração de um ano. E, em fevereiro de 1976, dia 2, dia de Nossa Senhora da Candelária ou das
  45. 45. 45 Candeias, emiti os votos temporários, por um período de três anos. Mas, 10 meses depois, eu saí, final de novembro de 1976. A vida no mosteiro de Itaporanga, para mim não foi muito diferente de Jequitibá. Já tinha conhecimento como as coisas andavam: horários para as orações em comum, as refeições, as aulas de formação religiosa (o que me ajudou muito para enfrentar a vida posteriormente, saindo de Itaporanga). Os horários de recreação eram muito poucos; meia hora após o almoço e meia hora após o jantar. Levantava-se muito cedo. Nos dias de semana, às 05h; às 05h 15min, oração. Na época do frio era terrível! Me recordo que em julho de 1975, deu geada, nunca tinha visto tanto frio na minha vida!... Quase morri. Aos domingos e feriados, levantava-se às 05h 30min. Havia os horários para as orações: manhã, 11h 15min; um momento de oração logo após o almoço e às 17h, 19h 30min havia missa (essa na semana inteira era nesse mesmo horário) e aos domingos também. Após o jantar que ocorria às 18h 30min, havia o recreio, a missa já mencionada acima e, após a missa, a oração da noite, chamada de completas, pois encerrava o dia. Após essa oração, era obrigatório o silêncio. Este na vida religiosa é muito cultivado. O que sempre foi para mim uma dificuldade enorme. Também, cada um teria que assumir um trabalho; um ou dois dias por semana, ia-se à horta, para fazer algum trabalho, mexer com a terra, aguar as hortaliças etc. Houve um período, também, que cuidei do refeitório, limpar o chão, encerar, arrumar as mesas para o café da manhã, almoço e jantar. Era em torno de 40 pessoas, naquele momento, no convento. Também, nesse mesmo período, cuidei da sacristia: arrumar as alfaias, os paramentos, preparar as coisas para a celebração das missas. Cuidei por quase um ano, de um monge com problemas de Alzheimer, tinha que cuidar, dar banho uma ou mais vezes por dia, pois com o tempo ele perdeu a consciência totalmente. Foi muito triste. Ele morreu, logo que saí do mosteiro: uma semana depois. Se soubesse, teria ficado e teria saído após a morte dele. Vida social no mosteiro, praticamente não existia – pelo menos para mim, não – a vida dentro do convento é bastante reclusa, até que me saí muito bem. Mas, não era mesmo ambiente para mim. Ia à cidade, vez ou outra, ao oculista, dentista, mas sair, fazer amizades, visitar as famílias era praticamente inexistente. Havia uma
  46. 46. 46 família num bairro vizinho, Rio Verde, que morava naquelas redondezas, que fui algumas vezes visitá-la, com um outro colega, o Rubens. Ele deixou a vida religiosa e casou-se; fiquei sabendo, depois que saí de lá e já estava morando em Ribeirão Preto. Fiz em Itaporanga, no mosteiro, boas amizades; ainda hoje me correspondo com alguns religiosos de lá. Naquela época, havia o irmão Adalberto, hoje, Pe. Sebastião, está na Diocese de São José do Rio Preto/SP, com quem no mosteiro partilhava algumas idéias e aspirações, e ainda hoje. A amizade ficou. Valeu a pena! Vale a pena! Também o irmão Constâncio, cuidava na época da contabilidade do mosteiro, e ainda cuida; também a amizade continua. Esse período, de março de 1974 até novembro de 1976, que passei em Itaporanga, teve bons momentos, a gente conseguiu concretizar algumas amizades, mas não estava conseguindo dar encaminhamento ao que pretendia: estudar. Então, comecei a questionar: Por que continuar aqui, se não estou atingindo meu objetivo? Aí comecei a entrar em contato com alguns bispos, mas poucos deram-me esperança. Só um, o arcebispo de Botucatu, respondeu positivamente, mas a carta dele, não chegou às minhas mãos. O abade atravessou na frente, leu a carta, e não me passou a mesma a tempo; tentei entrar em contato com o mesmo arcebispo, posteriormente, mas não consegui mais falar com o mesmo e nem me comunicar por telefone. Também o assunto morreu. O Pe. Davi Kneuttinger, monge do mosteiro, um homem santo, conversei com ele, coloquei-lhe as minhas aspirações e ele se propôs a me ajudar. Uma luz surgia no fim do túnel! Pe. Davi, juntamente com Pe. Alcides, Pe. João Farias, D. Bernardo, foi o quarto anjo que Deus colocou no meu caminho e que, sem ele, dificilmente eu seria padre, hoje. Quando ele me disse “eu vou ajudar o senhor”, eu criei ânimo novo! Pois, no mosteiro, dificilmente eu seria padre. Não havia interesse da parte dos que estavam à frente da comunidade para me ajudar concretamente, de verdade; não havia interesse da parte deles, mais precisamente o abade, que é a autoridade maior dentro de um mosteiro. Nessas alturas, já contava com meus 27 anos de idade. Decidi, então, pedi licença dos votos temporários e, no final de novembro, voltei para São Paulo, capital. Fiquei numa Paróquia na zona norte da capital paulista, no Tucuruví, com o Pe. Antônio Vilela e, em janeiro de 1977, fui para Ribeirão Preto (SP).
  47. 47. 47 Nessas alturas, o Pe. Davi já havia conversado com o bispo da Diocese de Itapeva/SP, surgiu a possibilidade de eu ir para o Seminário dos Padres Estigmatinos, pois ele, o bispo, pertencia à congregação. Fui para lá, como seminarista da Diocese de Itapeva, e não como seminarista religioso.
  48. 48. 48 CAPÍTULO IV FARIA TUDO DE NOVO OU REINVENTARIA O PASSADO E A MEMÓRIA? Claro que a memória depende dos subsídios da invenção, do que você inventa para sua vida. Não é uma falsidade ideológica. É que a memória não tem uma precisão pedagógica, ela não é uma cópia do que aconteceu. O que aconteceu está sujeito às várias versões que você dá aos fatos. Ao longo dos anos, a experiência olha o fato com outra mirada. Eu acho que o ato de inventar faz parte do uso da linguagem. A linguagem inventa. A memória inventa. Nélida Piñon A problematização apresentada por Nélida Piñon, faz a gente lembrar da música de Geraldo Vandré “Para não Dizer que Não Falei das Flores”, quando ele cantava lindamente, denunciando, como podia, o regime militar, que reprimiu o País de março de 1964, até quando se teve no Brasil as eleições para Presidente da República, no final de 1989, que ficou para o 2º turno, Fernando Collor de Mello e Luis Inácio Lula da Silva (PIÑON, 2009). Piñon fala da realidade da sua memória, de uma invenção, criatividade e capacidade humana de, a partir do que parece impossível, chegar ao possível se impor aos fatos quando possível e, ir em frente. Vandré falava da coragem que os brasileiros teriam que descobrir em si mesmos, para ir em frente, naquele momento em que a Nação tinha o cadeado na boca e não podia dizer nada, não podia achar nada, não pensar sobre nada. Essa foi a realidade que se viveu por quase 30 anos. Mas, mesmo assim, algumas pessoas diziam, falavam, corriam risco e tentavam falar das flores. No contexto em que estava vivendo, apesar de tudo parecer dizer não, tentou-se ir em frente, se jogar na luta pela conquista do que se queria. Certeza não
  49. 49. 49 tinha; esta só se a tem, depois que o fato acontece, depois que a ideia se torna realidade. Mas, a esperança de que poderia conseguir, esta não me abandonou. Apesar de que, em alguns momentos, vinha a falta de perspectiva, o desânimo, o cansaço, a tristeza, os tropeços e assim por diante. Uma passagem bíblica belíssima, do livro de Jeremias, valeria a pena citar aqui (Jr1,4-9). O profeta tímido, se sentindo fragilizado e, no versículo 6, ele deixa sair pela boca a sua inquietação: “Mas eu disse: Ah! Senhor Iaweh, eis que eu não sei falar, porque sou ainda uma criança”. É quando o ser humano reconhece a sua pequenez e confia, não na sua capacidade, mas apela para a força que está fora de nós!... Quantas e quantas vezes não se têm na vida a atitude de Jeremias? A experiência mostra que a força que se tem, muitas vezes, não pode muito não. Se a força humana não fosse fortalecida por essa força indescritível, o homem não iria muito longe. O Sl. 8 exalta muito a figura humana, a sua grandeza e valor. Mas, sem a força que vem do alto, tudo pode se tornar pó. Portanto, confiar em Deus e confiar na vida é fundamental. Caminhando entre as incertezas, chegar-se a certeza. É o caminho; caminhar implica tropeçar em pedras, machucar os pés, experimentar a dor, sentir-se só, frágil. A vida não é isso? Fui, então, para Ribeirão Preto. O Seminário dos Padres Estigmatinos, fica na R. Conde Afonso Celso, 1282, com a R. Floriano Peixoto, no Jardim Sumaré. Lá se tornou minha nova morada. Em fevereiro de 1977, comecei o curso supletivo de 1º Grau, na Sociedade Educacional de Ribeirão Preto - Colégio Bandeirantes- SERP, na Rua Garibaldi com a Mariana Junqueira – região central, distante do Seminário mais ou menos uns dois km. No seminário, a maioria era de garotos, meninos que queriam ser padre. De um modo geral, tinham entre 14 e 20 anos. Os mais velhos éramos dois: João Firmino, também da Diocese de Itapeva, filho de Itaporanga, ficou padre; é um ou dois anos mais velho que eu; e eu, agora imaginem, aguentar essa meninada! Foi um sufoco. Uma das coisas difíceis no seminário era que o dormitório era comum: cada um tinha aula num colégio diferente e ninguém chegava na hora certa para dormir. Às vezes, a gente já estava dormindo, aí chegava um, depois outro e outro... Ah que tristeza! Era horrível! Tinha a sala de leitura e estudos, mas não podia ficar lá depois

×