Successfully reported this slideshow.

Aula 53 capital estrangeiro

787 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Aula 53 capital estrangeiro

  1. 1. Economia Política Internacional:capital estrangeiro
  2. 2. Capital Estrangeiro: formas1. FDI – Investimento Externo Direto: investimento produtivo feito por uma empresa multinacional (MNC) para criar uma filial ou subsidiária num outro país. Envolve a transferência de um pacote composto por capital, tecnologia, expertise, marca, marketing e canais de distribuição: a) Controle gerencial permanece com a empresa matriz b) País hospedeiro não tem responsabilidade sobre a margem de retorno dos investimentos PET-Economia FEAC-UFAL
  3. 3. Capital Estrangeiro: formas2. Empréstimos externos: concedidos por bancos comerciais ou envolvendo a compra de títulos a) Traz consigo o compromisso legal de pagamento b) Não confere controle gerencial ao credor sobre o uso dos recursos c) Mecanismos de enforcement são indiretos: maior risco é a exclusão do mercado internacional de capitais PET-Economia FEAC-UFAL
  4. 4. Capital Estrangeiro: condições1. Estrutura de maturação: curto ou longo prazo O credor pode se recusar a renovar os créditos?2. Compartilhamento dos riscos moeda de denominação; juros fixos ou flutuantes; garantias governamentais implícitas3. Motivações dos credores e usos permitidos dos recursos: Credores oficiais têm motivações políticas, credores multilaterais têm motivações desenvolvimentistas e credores privados têm motivação na lucratividade e no pagamento PET-Economia FEAC-UFAL
  5. 5. Capital Estrangeiro: uso e conseqüências1. Financiar projetos de desenvolvimento2. Financiar despesas correntes É sempre necessária a preocupação em alavancar as exportações para viabilizar o pagamento dos juros e do principal em seu devido tempo de maturação3. Empréstimos e FDI são feitos sob a compreensão de que haverá condições de pagamento, remessa de lucros e saída PET-Economia FEAC-UFAL
  6. 6. Default O que acontece quando um país não consegue pagar suas dívidas ou não dispõe de reservas suficientes para permitir a remessa de lucros ao exterior?  Perda de credibilidade internacional: reduzida capacidade para atrair novos empréstimos ou FDI  Necessidade de recorrer a fontes oficiais, especialmente o FMI: condicionalidades  Programas de ajuste estrutural PET-Economia FEAC-UFAL
  7. 7. Ascensão e Crise do Modelo ISI O recurso à poupança externa foielemento essencial do desenvolvimento naAL: benefícios e custos:  Reduz restrições  Balanço de Pagamentos é dadas pela escassez afetado por remessa de lucros e serviços da dívida de capital (poupança doméstica)  Risco de que a entrada de capitais seja aquém das  Diversifica os riscos expectativas da economia  Impõe restrições às doméstica políticas econômicas PET-Economia FEAC-UFAL
  8. 8. ISI e Capital Estrangeiro nas décadas de 1950 e 1960 Após a II Guerra, a entrada de capital estrangeiro na AL se dá na forma de FDI e empréstimos governamentais  1950s, década das MNC. Modelo ISI oferecia:  Mercado cativo  Subsídios  Liberdades para remessa de lucros  1960s, empréstimos oficiais para o desenvolvimento econômico:  USAID, BID, BIRD, Aliança para o Progresso: EUA  Não havia prioridade para a agricultura PET-Economia FEAC-UFAL
  9. 9. 1970s: Crise Internacional e Empréstimos Privados Crise dos alimentos e do petróleo  Desequilíbrio no BdP  Reciclagem de petrodólares  Empréstimos de bancos comerciais a juros inicialmente negativos, mas flutuantes (43%/1983), e prazos curtos de maturação (média de 8,2 anos/1983)  Empréstimos não-específicos e com baixo monitoramento Crise dos juros norte-americanos  Elevação do serviço da dívida  Escassez de financiamentos para países em desenvolvimento PET-Economia FEAC-UFAL
  10. 10. A Crise dos Anos 1980 Incapacidade de servir dívida obriga a recurso ao FMI: Argentina, México, Brasil, Peru Ativismo do FMI e do Banco Mundial:  Organização dos credores e monitoramento dos devedores: condicionalidade  Programas de ajuste estrutural: dinheiro novo + políticas econômicas ortodoxas  Planos Baker (1985) e Brady (1988): redução da dívida e swaps de dívida (Brady Bonds, C-bonds) Retorno ao mercado de capitais no início dos anos 1990: privatizações, financiamento de exportações, FDI, investimentos em carteira, títulos públicos PET-Economia FEAC-UFAL

×