Aula 61 teorias do comércio internacional

8.556 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.556
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
243
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 61 teorias do comércio internacional

  1. 1. Teorias Clássicas e Neoclássicas do Comércio Internacional
  2. 2. David Hume Tese Principal = specie flow-price hypothesis (hipótese do preço-fluxo de metais preciosos).Um superávit comercial continuado não é desejado PET-Economia FEAC-UFAL
  3. 3. Equilíbrio Automático do Balanço de Pagamentos superávit $ produtos domésticos $ produtos exportáveis demanda externaO país deficitário perderia metais preciosos nas trocas Demanda dos produtos externos PET-Economia FEAC-UFAL
  4. 4. Resultados dos ajustamento automático O país superavitário tenderia a exportar menos e importar mais O país deficitário tenderia a exportar mais e importar menos Conclusão: Os fatores reais e a produção determinavam a prosperidade de uma nação e não o meio circulante (a moeda) PET-Economia FEAC-UFAL
  5. 5. Adam Smith  Natureza Humana Trocas Divisão + RiquezaNegócios do Produtividade das Vendas Trabalho do Trabalho Nações O limite da divisão do trabalho é o tamanho do mercado PET-Economia FEAC-UFAL
  6. 6. As Vantagens Absolutas e o Comércio Internacional O comércio internacional seria possível tão somente quando o tempo de trabalho necessário para produzir pelo menos um produto fosse inferior aquele do exterior; O comércio internacional também serviria como válvula de escape para o excesso de produção interna; O livre comércio só mereceria restrições no caso de se proteger os empreendedores menos preparados à abertura comercial. Devia ser uma abertura gradual Em Smith, o comércio internacional está ligado a idéia de acumulação de capital, portanto de desenvolvimento econômico. PET-Economia FEAC-UFAL
  7. 7. David RicardoPressupostos para o modelo: O único fator de produção considerado é a mão-de-obra. Móvel no interior do país e imóvelinternacionalmente Os salários são nivelados na economia doméstica Comércio entre dois países com apenas dois produtos As diferenças na produtividade de mão-de-obrafariam surgir as vantagens comparativas entre doispaíses A balança comercial está sempre em equilíbrio Há crescentes rendimentos de escala PET-Economia FEAC-UFAL
  8. 8. A Teoria das Vantagens Comparativas Quantidade de Tecidos Vinhos homens/ano para produzir uma Inglaterra 100 120 unidade de Portugal 90 80 produtoOs países devem especializar-se na produçãodaqueles bens que produzam com maior eficiência,isto é, com menores custos relativos.Conclusão:Ricardo defendia o livre comércio por achar que maiscomércio é melhor do que menos comércio e paraquebrar o poder do monopólio sobre as terras (rendada terra) PET-Economia FEAC-UFAL
  9. 9. As Teorias Neoclássicas do Comércio InternacionalObservações sobre o modelo Hecksher-Ohlin: Contestação da teoria do valor trabalho; As diferenças levadas em consideração entre os paísesestavam na dotação de fatores de produção (mão-de-obra; capital; terra; recursos minerais e energéticos) esua utilização em diferentes tipos de atividadesprodutivas (tecnologia); Os fatores mão-de-obra e capital eram perfeitamentemóveis; A abertura do mercado ao comércio exterior implica queo $ de equilíbrio não é mais determinado pela oferta edemanda doméstica. PET-Economia FEAC-UFAL
  10. 10. O ModeloA relação de troca entre os países deve ser estabelecidapelas diferentes dotações de fatores produtivos e nãomais pela teoria do valor-trabalho apenas.Curva de Possibilidade de ProduçãoHipóteses:•um país A produz duas mercadorias apenas, x e y•1 tonelada da mercadoria x custa o mesmo que 1tonelada da mercadoria y•o país A produz 100 toneladas de mercadorias por ano(50 de x e 50 de y)•o país A produz com sua plena capacidade de produção PET-Economia FEAC-UFAL
  11. 11. Possibilidade de Produção x 100 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 y 0 10 20 60 40 50 60 70 80 90 100OBS:Para atingir C é necessário aumentar o parque produtivo e utilizar melhor os recursosEm D há uma queda da produção e a economia está trabalhando com capacidade ociosaA substituição de x por y, ou vice-versa, depende das conveniências do mercado, ouseja, do custo de oportunidade PET-Economia FEAC-UFAL
  12. 12. Curvas de Indiferença PET-Economia FEAC-UFAL
  13. 13. Modelo Aplicado ao Comércio Internacional Pressupostos:  O país A entra no comércio internacional;  No exterior o preço é 2x = 1y. Em A, o preço é 1x = 1y;  A produção e as vendas do país A no comércio internacional são tão pequenas que não afetam os preços internacionais (livre concorrência)  O país A terá vantagem comparativa na produção de y. Como, internamente, com 1y ele consegue apenas 1x, no comércio internacional com 1y ele consegue 2x. Portanto deixará de produzir x e aumentará a produção de y. PET-Economia FEAC-UFAL
  14. 14. Modelo de Hecksher-Olhin (cont.) X V1200 OBS: Efeitos no país A 1. a importação de x não gerou desemprego nem ociosidade de produção porque os recursos foram V canalizados para a produção de y;100 C 2. O padrão de vida melhorou porque o consumo que 90 estava limitado em P foi para C; 60 OBS: Efeito nos dois países (A e B) P Antes: em A, 1x = 1y (A produz y) Z em B, 3x = 1y (B produz x) D Depois: 0 40 55 100 Y A se beneficiará se conseguir trocar 1y por mais de 1x; B se beneficiará se conseguir trocar 3x por mais de 1y. Resultado: O país A propõe trocar 1y por 2x, o que será bom para ambos PET-Economia FEAC-UFAL
  15. 15. Modelo de Hecksher-Olhin (cont.)O Modelo Hecksher-Ohlin explica as diferenças entrecusto comparativo-oportunidade diante das seguintescircunstâncias: custo dos insumos produtivos (matérias-primas); a proporção dos fatores de produção (natureza, trabalho e capital) a mobilidade da mão-de-obra que é ilimitada em termos nacionais, mas em termos internacionais não têm livre mobilidade, o que pode provocar diferenciais de salários entre os países; monopólio sobre o conhecimento e tecnologia (patentes) PET-Economia FEAC-UFAL
  16. 16. Modelo de Hecksher-Olhin (cont.)Conclusão: Segundo o modelo, os países tendem a exportarprodutos que utilizam intensivamente o fator produçãoque se encontra relativamente abundante no país, eimportam a mercadoria que utiliza intensivamente o fatorde produção menos abundante no país. PET-Economia FEAC-UFAL
  17. 17. As Teorias Clássicas e o Modelo de Hecksher-Ohlin Teoria Clássica ModeloCoeficiente técnico de Função de produçãoprodução diferente igual para todos os países envolvidos noDiferenças comércio internacionaltecnológicas diferençasDiferenças em tecnológicasprodutividade variação na dotação de fatores PET-Economia FEAC-UFAL
  18. 18. O Paradoxo de Leontieff Wassily Leontieff (Nobel de Economia 1973) em estudopublicado em 1953, afirmou que as exportações norte-americanas eram menos intensivas em capital que asimportações norte-americanas. Esse é um dos maisimportantes estudos de evidência contra a teoria dasproporções dos fatores.Apesar dos EUA ser um país que utilizava intensivamenteo fator capital em relação ao fator mão-de-obra,importava produtos intensivos em fator capital eexportava produtos intensivos em mão-de-obra(primários) PET-Economia FEAC-UFAL

×