21.05 A Obsessão V 20 jan 2015

253 visualizações

Publicada em

21.05 A Obsessão V 20 jan 2015

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
253
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

21.05 A Obsessão V 20 jan 2015

  1. 1. Estudos Dirigidos A Obsessão Voltamos com o nosso assunto...
  2. 2. Vejam agora uma situação onde vemos um relato dos danos causados por alguns suicidas quando ficam próximos aos homens nos processos obsessivos, consciente e inconscientemente. Estudos Dirigidos A Obsessão
  3. 3. Seus deploráveis estados vibratórios, rebaixados a nível superlativo de depressão e inferioridade, são de tal sorte prejudiciais que, se se apro- ximassem de um homem encarnado, junto dele permanecendo vinte e quatro horas, e se esse homem, ignorante em assuntos psíquicos, lhes oferecesse analogias mentais, prestando-se à passividade para o domínio das sugestões, poderia suceder que o levassem ao suicídio, inconscientes de que o faziam, ou o prostrassem gravemente enfermo, alucinado, mesmo louco! O Manicômio (...) são portadores dos mais nefandos perigos – não só para homens encarnados, mas até para Espíritos não ainda imunizados pelas atitudes mentais sadias e vigorosas —, razão pela qual temo-los separados de vós outros, mantendo-os isolados. Junto a uma criança poderão matá-la de um mal súbito, se o pequenino ser não tiver ao redor de si alguém que, por disposições naturais, para si atraia tão perniciosas irradiações, ou uma terapêutica espiritual imediata, que o salvaguarde do funesto contágio, que, no caso, será o efeito lógico de uma peste que se propagou..." (Estes suicidas citados abaixo encontram-se confinados no manicômio, da Colônia Espiritual.) CONTINUA
  4. 4. O Manicômio Mas surge uma dúvida: Como pode isso acontecer a uma pessoa? E a uma criança? Tais casos, como os de que tratamos, têm possibilidades de se verificar e são resultantes de infrações cometidas pelos nossos estados de im- perfeição, prejuízos desagradáveis e constantes da inferioridade do planeta em que se dão. Convém notificar, porém, que não estou afir- mando que tais casos sejam freqüentes, mas que poderão acontecer, têm mesmo acontecido! E assim acontecerá quando exista semelhança de tendências — afinidades — entre as duas partes, ou seja, entre o desencarnado e o encarnado. A resposta é... Quanto à criança, ser melindroso e impressionável por excelência, convenhamos que será suscetível de molestar-se por bem insignificantes fatores, bastando não estejam estes concordes com sua delicada natureza. Não ignoramos, por exemplo, que um susto, uma impressão forte, um sentimento dominante, como a saudade de alguém muito querido, poderão igualmente levá-la a adoecer e abandonar o pequeno fardo carnal! CONTINUA
  5. 5. O Manicômio Para aquele que se deixou vencer pelo assédio da entidade desencar- nada, os males daí resultantes serão a conseqüência da invigilância, da inferioridade de costumes e sentimentos, do acervo de atitudes mentais subalternas, do alheamento da idéia de Deus, em que se prefere estagnar, esquecido de que a idéia de Deus é o manancial imarcescível a fornecer elementos imprescindíveis ao bem-estar, à vitória, em qualquer setor em que se movimente a criatura! Para o causador "inconsciente" do mal positivado, será o demérito de um ônus a mais, derivado do seu ato de suicídio, e cuja responsabili- dade irá juntar-se às demais que o sobrecarregam... FIM
  6. 6. Vamos agora dar o tratamento para esses casos. Mas que na verdade o próprio livro nos dá... Estudos Dirigidos A Obsessão
  7. 7. FIM O Manicômio A mesma Lei, sob a contradita da qual aquelas possibilidades poderão subsistir, também faculta aos homens meios eficazes de defesa! Através da higienização mental, no reajustamento dos sentimentos à prática do verdadeiro Bem, assim como no cumprimento do Dever; nas harmoniosas vibrações originadas da comunhão da mente com a Luz que do Alto irradia em tonos de beneficência para aqueles que a buscam, poderá a individualidade encarnada imunizar-se de tal contágio, assim como o homem se imuniza de males epidêmicos, próprios do físico- terrestre, com as substâncias profiláticas apropriadas à organização carnal, isto é, vacinas... Em se tratando de um vírus psíquico, é claro que o antídoto será análogo, harmonizado em energias opostas, também psíquicas... Por nossa vez, existindo, na Lei que orienta a Pátria Invisível, ordens perenes para que calamidades de tal vulto sejam evitadas o mais possível, todos os esforços empregamos a fim de bem cumpri-las, constituindo dever sagrado, para nós, o preservarmos os homens em geral, e a criança em particular, de acidentes dessa natureza.
  8. 8. Vamos agora mostrar uma técnica utilizada nas salas de doutrinação e de esclarecimento. É a de Regressão da Memória dos Espíritos comunicantes. Estudos Dirigidos A Obsessão
  9. 9. Depois de várias tentativas para obtermos a regressão da memória dos espíritos comunicantes, optamos pelo método magnético que raríssi- mamente nos falhou, de aplicação simples, prática e de efeito rápido — três a cinco minutos: sentados ou em pé, defronte do médium incor- porado pelo Espírito comunicante, colocamos as mãos em volta da ca- beça do médium, à maneira dum capacete, envolvendo-a em toda a sua superfície craniana. As mãos aplicam-se pelas suas faces palmares, dedos moderadamente afastados para melhor abranger a quase totalidade da região conside- rada. Os polegares fixados na raiz do nariz, entre as sobrancelhas; as faces palmares das mãos e dos outros dedos abrangendo as regiões laterais (parietais), assentando os quatro últimos dedos em plena região occipital, podendo ou não ficarem unidas as extremidades homôni- mas dos dedos similares, fato dependente do volume da cabeça do médium e da amplitude e extensão das mãos e dedos do magnetizador. Durante a aplicação das mãos, exercemos um certo esforço volitivo magnético contínuo, mas não demasiado forte ou intermitente, a fim de projetarmos o fluido magnético sobre o Espírito comunicante através do duplo etérico do médium. CONTINUA Capítulo V Das Experiências do Coronel A. Rochas D’Aiglun
  10. 10. É nossa firme convicção de que só podemos atuar sobre o perispírito do Espírito comunicante por intermédio do cérebro etérico do mé- dium, pois só assim se pode estabelecer uma escala regular, gradativa, de vibrações magnéticas sem solução de continuidade. (...) Durante esta aplicação magnética estática (sem passes) fazemos uma prece mental para que o Espírito comunicante possa ver a vida ante- rior que mais relação tenha tido com a sua última vida terrestre, que em 98% dos casos é a sua múltipla vida planetária. Este nosso método prescinde de todas a espécie de passes, de sugestões ou contra-su- gestões, de fricções no vertex (o ponto mais elevado da abóboda craniana, situado no vértice da região occipital), processo usados por vários magnetizadores. Terminada a visão panorâmica da vida ou vidas anteriores relacionadas com a última vida terrestre do Espírito comunicante, resta apenas ao magnetizador retirar as mãos da cabeça do médium; salvo, é claro, a desmagnetização do médium desde que o Espírito comuni- cante seja de inferior categoria moral, empregando-se os passes magnéticos transversais conjugados com os sopros magnéticos frios. CONTINUA Capítulo V Das Experiências do Coronel A. Rochas D’Aiglun
  11. 11. Os Espíritos comunicantes que necessitam da aplicação do método da regressão da memória para conjurar a sua confusão, revolta, de- sespero ou descorajamento e desânimo — fortes barreiras para o seu progresso espiritual —, pertencem a categorias muito diversas sob o ponto de vista moral. Em nossos trabalhos experimentais, que realizamos durante mais de vinte anos sucessivos, encontramos alguns casos muito interessan- tes e elucidativos de Espíritos comunicantes (...) Fato curioso: um dos grupos de Espíritos comunicantes mais recalcitrantes e revoltados eram precisamente almas devotas, consagradas e várias religiões confeccionais, que, não obstante a sua extrema devoção e já animadas de certo progresso espiritual, sofreram na Terra grandes desgostos e inclemências e, em vez de irem encontrar depois do seu fale- cimento o almejado paraíso, encontraram uma situação astral muito inferior às suas espe- ranças, situação que mais piorava devido à sua revolta, desespero e desânimo. Para estes Espíritos sofredores a regressão da memória operava uma cura maravilhosa, entrando logo depois em franca evolução espiritual, compreendida a causa determinante do seu desapontamento na vida astral. CONTINUA Capítulo V Das Experiências do Coronel A. Rochas D’Aiglun
  12. 12. FIM Por vezes, depois de examinarem a vida ou vidas passadas que de- terminaram, pela lei inflexível do carma, os seus sofrimentos, in- justiças, inclemências, perseguições, etc., na sua última vida terres- tre, prostravam-se espontaneamente de joelhos pedindo perdão a Deus e orando fervorosamente por aqueles que tinha agredido e le- sado em vidas anteriores. Uma nova aurora, ridente e bela, justa e compreensiva, despontava nas suas almas! A regressão da memória, através das vidas passadas, já obtida por muitos experimentadores, desde o coronel Rochas d’Aiglun até Charles Lancelin e Colavida, leva-nos à conclusão de que é nas camadas mais quintessen- ciadas e permanentes do perispírito que está registrado o arquivo pre- cioso de todas as nossas vidas passadas, através de milênios incontáveis, repositório de todos os nossos conhecimentos morais e intelectuais, resul- tantes dos nossos esforços, evolutivos, estendal de todos os nossos vícios e crimes, num atavismo ancestral onde estão inscritos todas as nossas quedas e triunfos, através do calvário das nossas inúmeras reencarnações cármicas. Capítulo V Das Experiências do Coronel A. Rochas D’Aiglun Capítulo XII Do Duplo Humano
  13. 13. Os fenômenos de incorporação são, pois, sempre resultantes da dis- sociação e exteriorização do duplo do médium, desintegrando a sua essência anímica do seu corpo físico para que nele se integre uma al- ma estranha, venha donde vier, que fica animando e dirigindo todo o seu invólucro físico. Por este mecanismo se explicam os casos de obsessão, fascinação e subjugação (dissociação de personalidade, estado segundo), que cons- tituem grande parte da população dos manicômios, renitentes aos tratamentos clássicos da psiquiatria, mas facilmente curáveis pelo Es- piritismo, pelo menos, em certos casos, sempre que se obtenha a ilu- minação do Espírito obsessor (doutrinação). Tendo a patologia das doenças nervosas e mentais por etiologia a ação manifesta dos de- sencarnados (falecidos) sobre os encarnados (vivos), por processos nefastos de sugestão e magnetismo, provocando desde a obsessão simples à subjugação, será, num futuro não longínquo, um dos capítulos mais interessantes da neuropatologia e da psiquiatria, que ne- cessariamente hão de recorrer ao estudo do Espiritismo para aí colherem os elementos in- dispensáveis para fundamentarem uma terapêutica causal de efeitos seguros, por intermé- dio da catequese dos Espíritos obsessores e das correntes fluídicas inerentes às sessões es- píritistas, quando orientadas num elevado sentido moral e com pleno conhecimento da técnica espírita, sem esquecer as preces fervorosas em benefício do Espírito obsessor, que muito facilitam a sua regeneração. FIM Capítulo VI Experiências de Hector Durville e de L. Lefranc
  14. 14. Em um trecho do livro “Nosso Lar” existe uma informação a respeito da técnica empregada nas lembranças de vidas passadas, vejamos... Estudos Dirigidos A Obsessão
  15. 15. Capítulo 21 Continuando a Palestra (...) Depois de longo período de meditação para esclareci- mento próprio, e como surpresas indescritíveis, fomos submetidos a determinadas operações psíquicas, a fim de penetrar os domínios emocionais das recordações. Os es- píritos técnicos no assunto nos aplicaram passes no cére- bro, despertando certas energias adormecidas... Ricardo e eu ficamos, então, senhores de trezentos anos de memória integral. Compreendemos, então, quão grande é ainda o nosso débito para com as organizações do planeta!... Apenas para nos situarmos, Dona Laura está explicando a André Luiz como foi que ela e seu marido tiveram acesso a algumas recordações de suas vivências passadas... FIM
  16. 16. “(...) milhares de almas, despidas do envoltório denso, praticam o vampirismo junto dos encarnados invigilantes, simplesmente no intuito de prosseguirem coladas às sensações do campo físico das quais não se sentem com suficiente coragem para se desvencilharem.” “Dois guardas arrastavam, de restaurante barato, um homem maduro em deploráveis condições de embriaguez.” Provavelmente, estava sendo preso... “O mísero esperneava e proferia palavras rudes, protestando...” “Achava-se o pobre amigo abraçado por uma entidade da sombra, qual se um polvo estranho o absorvesse.” “(...) reparamos que a bebedeira alcançava os dois, porquanto se justapunham completamente um ao outro, exibindo as mesmas perturbações.” FIM Capítulo 13 Pensamento e Mediunidade Capítulo 15 Forças Viciadas
  17. 17. Em um restaurante barato... “A casa de pasto regurgitava...” “Muita alegria, muita gente.” “As emanações do ambiente produziam em nós indefinível mal-estar.” “Junto de fumantes e bebedores inveterados, criaturas desencarnadas de triste feição se demoravam expectantes.” “Algumas sorviam as baforadas de fumo arremessadas ao ar, ainda aque- cidas pelo calor dos pulmões que as expulsavam, nisso encontrando ale- gria e alimento. Outras aspiravam o hálito de alcoólatras impenitentes.” “– Muitos de nossos irmãos, que já se desvencilharam do vaso carnal, se apegam com ta- manho desvario às sensações da experiência física, que se cosem àqueles nossos amigos terrestres temporariamente desequilibrados nos desagradáveis costumes por que se deixam influenciar.” “– Mas por que mergulhar, dessa forma, em prazeres dessa espécie?” “(...) o que a vida começou, a morte continua... Esses nossos companheiros situaram a men- te nos apetites mais baixos do mundo, alimentando-se com um tipo de emoções que os lo- caliza na vizinhança da animalidade.” ao entrar... CONTINUA Capítulo 15 Forças Viciadas Visão do Plano Espiritual
  18. 18. “(...) como se transformarão?” “– Chegará o dia em que a própria Natureza lhes esvaziará o cálice – (...) Há mil processos de reajuste, no Universo Infinito em que se cum- prem os Desígnios do Senhor, chamem-se eles aflição, desencanto, cansaço, tédio, sofrimento, cárcere...” “(...) tudo indica que esses Espíritos infortunados não se enfastiarão tão cedo da loucura em que se comprazem...” “– Concordo plenamente – (...), todavia, quando não se fatiguem, a Lei poderá conduzi-los a prisão regeneradora.” “– Como?” “– Há dolorosas reencarnações que significam tremenda luta expiatória para as almas ne- crosadas no vício. Temos, por exemplo, o mongolismo, a hidrocefalia, a paralisia, a cegueira, a epilepsia secundária, o idiotismo, o aleijão de nascença e muitos outros recursos, an- gustiosos embora, mas necessários, e que podem funcionar, em benefício da mente dese- quilibrada, desde o berço, em plena fase infantil. Na maioria das vezes, semelhantes pro- cessos de cura prodigalizam bons resultados pelas provações obrigatórias que oferecem...” Capítulo 15 Forças Viciadas CONTINUA
  19. 19. Capítulo 15 Forças Viciadas FIM — No entanto — comentei —, e se os nossos irmãos encarnados, visi- velmente confiados à devassidão, resolvessem reconsiderar o próprio caminho?... se voltassem à regularidade, através da renovação mental com alicerces no bem?... — Ah! Isso seria ganhar tempo, recuperando a si mesmos e amparando com segurança os amigos desencarnados... Usando a alavanca da vonta- de, atingimos a realização de verdadeiros milagres... Entretanto, para is- so, precisariam despender esforço heróico.
  20. 20. Capítulo 40 Quem Semeia Colherá – Todos nós, meu irmão, encontramos no caminho os frutos do bem ou do mal que semeamos. Esta afirmativa não é frase doutrinária, é realidade universal. (...) Bem-aventurados os devedores em condições de pagar. Narcisa FIM
  21. 21. E para quem trabalha nos tratamentos desobsessivos, vamos ver algumas recomendações... Estudos Dirigidos A Obsessão
  22. 22. Nos processos de desobsessão passam despercebidas as atividades que têm lugar em nosso plano de ação (plano espiritual), no qual a luta é mais tenaz (vigoroso), onde se deslindam (investigam) os laços apertados das causas complexas da problemática alienante. De bom alvitre, portanto, é que os membros das atividades desobses- sivas resguardem-se ao máximo, na oração, na vigilância e no trabalho superior, na caridade, precatando-se (prevenindo-se) de sofrer o desforço daqueles que se vêem frustrados nos planos nefastos de perseguição. Sabendo-se em desbaratamento, não poucas vezes, investem, furibun- dos, contra os trabalhadores de boa vontade domiciliados na matéria, agredindo-os, arremessando-lhes pessoas violentas, maledicentes ou cruéis com o objetivo de descoroçoá-los (desanimar) no ministério socorrista com que lhes facilitaria o prosseguimento do programa infeliz. Vendo-se impossibilitados de impedir a ação benfazeja dos Numes (ser divino) Tutelares, re- correm a projetos escabrosos, desanimadores e prejudiciais, a fim de crucificarem os operários da caridade, no mundo. De uma coerente e contínua sintonia entre os cooperadores encarnados e os Bons Espíri- tos, mental e moralmente, decorrem os resultados favoráveis da terapia anti-obsessiva, abrindo canais de saúde e paz com vistas ao futuro de todos. FIM Capítulo 29 Mecanismos de Recuperação
  23. 23. Estudos Dirigidos Vamos dar uma pausa por aqui. http://vivenciasespiritualismo.net/index.htm Luiz Antonio Brasil Périclis Roberto pericliscb@outlook.com

×