Estudos Dirigidos
O Pensamento
Voltamos com o
nosso assunto...
Estudos Dirigidos
O Pensamento
Vamos ver alguns textos
sobre a transmissão do
pensamento.
Capítulo VII
A telepatia é uma forma de comunicação sutil que ocorre entre pessoas.
Sugere-se que a telepatia ocorra quand...
Parte 2ª
Capítulo VI
Da Vida Espírita
282. Como se comunicam entre si os Espíritos?
“Eles se vêem e se compreendem. A pala...
Capítulo VI.
Das Manifestações
Visuais
Questão 100.
11ª Poderá aquele a quem um Espírito apareça travar com ele
conversaçã...
Capítulo XXV.
Das Evocações
CONTINUA
282. 5ª Como podem os Espíritos, dispersos pelo espaço ou pelos dife-
rentes mundos, ...
Capítulo XXV.
Item 282.
FIM
7ª Dar-se-á que o pensamento do evocador seja mais ou menos
facilmente percebido, conforme as ...
Pergunta 459:
— Nesse sentido a sua influência é
maior do que supondes, porque
muito frequentemente são eles que
vos dirig...
Capítulo 50
Cidadão de “Nosso Lar”
(...) lembrei certa lição de Tobias, quando me
dissera:
– "aqui, em “Nosso Lar”, nem to...
Capítulo 24
O Impressionante Apelo
(...) os que se afinam
perfeitamente entre si podem
permutar pensamentos, sem as
barrei...
“— Vemos aqui o fenômeno da perfeita assimilação de correntes mentais
que preside habitualmente a quase todos os fatos med...
“Tais estímulos se expressam ainda pelo mecanismo das mãos e
dos pés ou pelas impressões dos sentidos e dos órgãos, que tr...
“Sobre a cabeça da médium apareceu brilhante feixe de luz. Desde
esse instante, vimo-la extática, completamente desligada ...
“(...) nos fenômenos gerais de intercâmbio em que a Humanidade total
se envolve sem perceber...”
“(...) as faculdades medi...
“– Importa não esquecer que ambas (as médiuns) se encontram reunidas
na faixa magnética do mentor, fixando as imagens que ...
Capítulo 26
Psicometria
‒ (...) não dispomos de recursos para alcançar o pensamento
daqueles que se fizeram superiores a n...
“Sem qualquer impulso intencional, Ernesto e Evelina
(desencarnados) permutavam impressões, telepatica-
mente, reconhecend...
Capítulo 13.
Necessitava desdobrar medidas de proteção; entender-me com algum
amigo encarnado, em ligação com o grupo; sug...
Cap. 2 Segunda parte
Linguagem dos
Desencarnados
– Como se caracteriza a linguagem entre os Espíritos?
– Incontestavelment...
Cap. 2 Segunda parte
Linguagem dos
Desencarnados
Nessas circunstâncias, expressa-se a mensagem pelo sistema de
reflexão, e...
Vejam a seguir o quanto as pessoas
desencarnadas, “que foram”, são
afetadas pelos pensamentos dos
encarnados, os “que fica...
Capítulo 27
O Trabalho, enfim
‒ Irmão Tobias!... Irmão Tobias!... por caridade! ‒ gritou um ancião,
gesticulando, agarrado...
Capítulo 27
O Trabalho, enfim
‒ Fez muito bem ‒ acentuou Tobias, pensativo ‒, vou pedir provi-
dências contra a atitude da...
Capítulo 33
Herança e Eutanásia
Um velhinho que estava sendo tratado em “Nosso Lar”,
sendo visitado por sua filha, também ...
Capítulo 37
A Preleção da Ministra
“(...) nas mentes evolvidas (em evolução, em progressão), entre os
desen-carnados e enc...
Capítulo 11
Efeitos das Drogas
Assim que as famílias tomassem conhecimento do infortúnio que as
alcançava (um acidente de ...
Capítulo 11
Efeitos das Drogas
Para uma reencarnação completar-se, desde o primeiro instante
quando da fecundação, transco...
Capítulo 12
Despertamento
em outra
Realidade
Correspondendo à hora do reconhecimento e translado dos corpos
pelos familiar...
Capítulo 12
Despertamento
em outra
Realidade
"A família soube, pela Polícia, que ele havia ingerido alta dose de dro-
gas,...
Capítulo 25
Técnica de
Libertação
"A oração intercessória, realizada com unção,
com sentimentos elevados, envolve aquele p...
Estudos Dirigidos
Vamos dar uma
pausa por aqui.
http://vivenciasespiritualismo.net/index.htm
Luiz Antonio Brasil
Périclis ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

18.12 O Pensamento - Transmissão XII 20 jan 2015

446 visualizações

Publicada em

18.12 O Pensamento - Transmissão XII 20 jan 2015

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

18.12 O Pensamento - Transmissão XII 20 jan 2015

  1. 1. Estudos Dirigidos O Pensamento Voltamos com o nosso assunto...
  2. 2. Estudos Dirigidos O Pensamento Vamos ver alguns textos sobre a transmissão do pensamento.
  3. 3. Capítulo VII A telepatia é uma forma de comunicação sutil que ocorre entre pessoas. Sugere-se que a telepatia ocorra quando as energias do pensamento são transmitidas de uma pessoa para outra. O efeito telepático assemelha-se um pouco a uma espécie de ressonância energética entre os cérebros e os sistemas de chakras do emissor e do receptor telepático. Os pensamentos são transmitidos mais em termos de conteúdo geral e não de palavras. O cérebro do receptor telepático traduz os padrões de pensamentos recebidos de acordo com símbolos, imagens, palavras e sentimentos comuns aos vocabulários mentais do emissor e do receptor. O fenômeno telepático é um reflexo da ressonância energética entre os campos mentais do emissor e do receptor. Em outras palavras, as ondas de pensamento são recebidas e, a seguir, por indução, parecem ressoar junto com determinados circuitos de memória relativos a imagens, palavras e sentimentos que o cérebro usa para interpretar o pensamento recebido. Quando ocorre a comunicação telepática entre duas pessoas, elas frequentemente chegam ao mesmo pensamento simultaneamente. Esta é uma consequência colateral da indução de ressonância entre os campos mentais. Na telepatia consciente, muitas vezes acontece de nenhum dos indivíduos conseguir saber quem captou primeiro uma determinada ideia. FIM Essa telepatia ocorre não só entre encarnados, mas também entre desencarnados. E também entre desencarnados e encarnados, e vice-versa. Lembrando que todo este processo se passa através dos corpos espirituais dos envolvidos.
  4. 4. Parte 2ª Capítulo VI Da Vida Espírita 282. Como se comunicam entre si os Espíritos? “Eles se vêem e se compreendem. A palavra é mate- rial: é o reflexo do Espírito. O fluido universal esta- belece entre eles constante comunicação; é o vei- culo da transmissão de seus pensamentos, como, para vós, o ar o é do som. É uma espécie de telé- grafo universal, que liga todos os mundos e permite que os Espíritos se correspondam de um mundo a outro.” 283. Podem os Espíritos, reciprocamente, dis- simular seus pensamentos? Podem ocultar-se uns dos outros? “Não; para os Espíritos, tudo é patente, sobretudo para os perfeitos. Podem afastar-se uns dos outros, mas sempre se vêem. Isto, porém, não constitui re- gra absoluta, porquanto certos Espíritos podem muito bem tornar-se invisíveis a outros Espíritos, se julgarem útil fazê-lo.” FIM
  5. 5. Capítulo VI. Das Manifestações Visuais Questão 100. 11ª Poderá aquele a quem um Espírito apareça travar com ele conversação? “Perfeitamente e é mesmo o que se deve fazer em tal caso, perguntando ao Espírito quem ele é, o que deseja e em que se lhe pode ser útil. Se se tratar de um Espírito infeliz e sofredor, a comiseração que se lhe testemunhar o aliviará. Se for um Espírito bondoso, pode acontecer que traga a intenção de dar bons conselhos.” a) Como pode o Espírito, nesse caso, responder? “Algumas vezes o faz por meio de sons articulados, como o faria uma pessoa viva. Na maioria dos casos, porém, pela transmissão dos pensa- mentos.” FIM
  6. 6. Capítulo XXV. Das Evocações CONTINUA 282. 5ª Como podem os Espíritos, dispersos pelo espaço ou pelos dife- rentes mundos, ouvir as evocações que lhes são dirigidas de todos os pontos do Universo? “Muitas vezes são prevenidos pelos Espíritos familiares que vos cercam e que os vão procurar. Porém, aqui se passa um fenômeno difícil de vos ser explicado porque ainda não podeis compreender o modo de transmissão do pensamento entre os Espíritos. O que te posso afirmar é que o Espírito evocado, por muito afastado que esteja, recebe, por assim dizer, o choque do pensamento como uma espécie de comoção elétrica que lhe chama a atenção para o lado de onde vem o pensamento que o atinge. Pode dizer-se que ele ouve o pensamento, como na Terra ouves a voz.” a) Será o fluido universal o veículo do pensamento, como o ar o é do som? “Sim, com a diferença de que o som não pode fazer-se ouvir senão dentro de um espaço muito limitado, enquanto que o pensamento alcança o infinito. O Espírito, no Além, é como o viajante que, em meio de vasta planície, ouvindo pronunciar o seu nome, se dirige para o lado de onde o chamam.”
  7. 7. Capítulo XXV. Item 282. FIM 7ª Dar-se-á que o pensamento do evocador seja mais ou menos facilmente percebido, conforme as circunstâncias? “Sem dúvida alguma. O Espírito é mais vivamente atingido, quando chamado por um sentimento de simpatia e de bondade. É como uma voz amiga que ele reconhece. A não se dar isso, acontece com frequência que a evocação nenhum efeito produz. O pensamento que se desprende da evocação toca o Espírito; se é mal dirigido, perde-se no vácuo. Dá-se com os Espíritos o que se dá com os homens; se aquele que os chama lhes é indiferente ou antipático, podem ouvi-lo, porém, as mais das vezes, não o atendem.”
  8. 8. Pergunta 459: — Nesse sentido a sua influência é maior do que supondes, porque muito frequentemente são eles que vos dirigem. Os Espíritos influem sobre os nossos pensamentos e as nossas ações? FIM
  9. 9. Capítulo 50 Cidadão de “Nosso Lar” (...) lembrei certa lição de Tobias, quando me dissera: – "aqui, em “Nosso Lar”, nem todos necessitam do aeróbus para se locomoverem, porque os habitantes mais elevados da colônia dispõem do poder de volitação; e nem todos precisam de aparelhos de comunicação para conversar a distância, por se manterem, entre si, num plano de perfeita sintonia de pensamentos. Os que se encontrem afinados desse modo, podem dispor, à vontade, do processo de conversação mental, apesar da distância". “Conversação Mental” FIM
  10. 10. Capítulo 24 O Impressionante Apelo (...) os que se afinam perfeitamente entre si podem permutar pensamentos, sem as barreiras idiomáticas; mas, de modo geral (no Nosso Lar), não podemos prescindir da forma, no lato sentido da expressão. (...) Lísias FIM
  11. 11. “— Vemos aqui o fenômeno da perfeita assimilação de correntes mentais que preside habitualmente a quase todos os fatos mediúnicos.” “(...) comparemos (...) nosso companheiro encarnado, a um aparelho re- ceptor, quais os que conhecemos na Terra, nos domínios da radiofonia.” “A emissão mental do mentor, condensando-lhe o pensamento e a vonta- de, envolve o médium em profusão de raios que lhe alcançam o campo interior, primeiramente pelos poros, que são miríades de antenas sobre as quais essa emissão adquire o aspecto de impressões fracas e indecisas.” “Essas impressões apoiam-se nos centros do corpo espiritual, que funcionam à guisa de condensadores, atingem, de imediato, os cabos do sistema nervoso, a desempenharem o papel de preciosas bobinas de indução, acumulando-se aí num átimo e reconstituindo-se, automaticamente, no cérebro, onde possuímos centenas de centros motores, semelhante a milagroso teclado de eletroímãs, ligados uns aos outros e em cujos fulcros dinâmicos se processam as ações e as reações mentais, que determinam vibrações criativas, através do pensamento ou da palavra, considerando-se o encéfalo como poderosa estação emissora e receptora e a boca por valioso alto-falante.” Capítulo 5 Assimilação de Correntes Mentais O Instrutor/Assistente Áulus fala para André Luiz... CONTINUA
  12. 12. “Tais estímulos se expressam ainda pelo mecanismo das mãos e dos pés ou pelas impressões dos sentidos e dos órgãos, que tra- balham na feição de guindastes e condutores, transformadores e analistas, sob o comando direto da mente.” Capítulo 5 Assimilação de Correntes Mentais FIM Capítulo 26 Psicometria “Em tudo, vemos integração, afinidade, sintonia... E de uma coisa não tenhamos dúvida: através do pensamento, comungamos uns com os outros, em plena vida universal.” Áulus
  13. 13. “Sobre a cabeça da médium apareceu brilhante feixe de luz. Desde esse instante, vimo-la extática, completamente desligada do corpo físico, cercada de azulíneas irradiações.” “– Nossa irmã médium transmitirá a palavra de um benfeitor que, apesar de ausente daqui, sob o ponto de vista espacial, entrará em comunhão conosco através dos fluidos teledinâmicos que o ligam à mente da médium.” “– Mas isso é possível?” “(...) a médium conhece a sublimidade das forças que a envolvem e entrega-se, confiante, assimilando a corrente mental que a solicita. Irradiará o comunicado- lição, automaticamente, qual acontece na psicofonia sonambúlica, porque o amigo espiri- tual lhe encontra as células cerebrais e as energias nervosas quais teclas bem ajustadas de um piano harmonioso e dócil.” “Foi então que a voz diferenciada da médium ressoou, clara e comovente,(...)” FIM Capítulo 13 Pensamento e Mediunidade Após a mensagem... “A voz da médium emudeceu...
  14. 14. “(...) nos fenômenos gerais de intercâmbio em que a Humanidade total se envolve sem perceber...” “(...) as faculdades medianímicas e cooperação do mundo espiritual surgem por toda parte. Onde há pensamento, há correntes mentais e onde há correntes mentais existe associação.” “(...) E toda associação é interdependência e influenciação recíproca.” “(...) Daí concluímos quanto à necessidade de vida nobre, a fim de atrairmos pensamentos que nos enobreçam.” “(...) Trabalho digno, bondade, compreensão fraterna, serviço aos semelhantes, respeito à Natureza e oração constituem os meios mais puros de assimilar os princípios superiores da vida, porque damos e recebemos, em espírito, no plano das ideias, segundo leis universais que não conseguiremos iludir.” FIM Capítulo 15 Forças Viciadas
  15. 15. “– Importa não esquecer que ambas (as médiuns) se encontram reunidas na faixa magnética do mentor, fixando as imagens que a mente dele lhes sugere. Viram-lhe os pensamentos (...)” “(...) Idéias, elaboradas com atenção, geram formas, tocadas de movimento, som e cor, perfeitamente perceptíveis por todos aqueles que se encontrem sintonizados na onda em que se expressam.” “(...) existem aqueles que decorrem da sugestão que lhes é trazida pelo pensamento cria- dor dos amigos desencarnados ou encarnados, estímulos esses que a mente de cada mé- dium traduz, segundo as possibilidades de que dispõe, favorecendo, por isso mesmo, as mais díspares interpretações.” “– Oh! (...) – temos aí a técnica dos obsessores quando improvisam para as suas vítimas variadas impressões alucinatórias... “ “– Sim, sim... – confirmou o Assistente. É isso mesmo (...)” FIM Capítulo 12 Clarividência e Clariaudiência
  16. 16. Capítulo 26 Psicometria ‒ (...) não dispomos de recursos para alcançar o pensamento daqueles que se fizeram superiores a nós... — Sim, aqueles que atingiram uma elevação que não somos capa- zes de imaginar, remontaram a outros planos, transcendendo-nos o modo de expressão e de ser. O pensamento deles vibra em outra frequência. Naturalmente, podem acompanhar-nos e auxiliar-nos, porque é da Lei que o superior venha ao inferior quando queira, contudo, por nossa vez, não nos é facultado segui-los. “(...) O pensamento nos condiciona ao circulo em que devemos ou merecemos viver e, só ao preço de esforço próprio ou de segura evolução, logramos aperfeiçoá-lo, superando limitações para fazê- lo librar em esferas superiores.” FIM
  17. 17. “Sem qualquer impulso intencional, Ernesto e Evelina (desencarnados) permutavam impressões, telepatica- mente, reconhecendo com mais clareza que lhes era possível conversar pelo idioma do pensamento, de mo- do espontâneo, principalmente ali, diante de um com- panheiro que não lhes comungava o mesmo nível de idéias e emoções. Naquele momento, guardavam a convicção de ler na alma de Túlio (recém-desencarna- do), como num livro aberto.” “Nem a ela, nem a Fantini (Ernesto) passavam desper- cebidos os propósitos enfermiços a lhe nascerem, ali mesmo, à frente dos dois. Sem que o moço (Túlio) se soubesse intimamente visto e analisado.”Capítulo 14. FIM
  18. 18. Capítulo 13. Necessitava desdobrar medidas de proteção; entender-me com algum amigo encarnado, em ligação com o grupo; sugerir providências que evitassem a consumação do projeto; criar circunstâncias em que o so- corro chegasse em nome do acaso, entretanto... Debalde (inutilmente, em vão), (...) FIM Ninguém estendendo antenas espirituais, com possibilidades de au- xílio, ninguém orando, ninguém refletindo... Em todos os lugares, pensamentos entouçados sobre raízes de sexo e finança, configuran- do cenas de prazeres e lucros, com receptividade frustrada para qualquer interesse de outro tipo. Até mesmo um dos chefes de Ma- rita, do qual me acerquei, tentando insuflar-lhe a ideia de reter a jovem, no serviço, até altas horas da noite, ao sentir-lhe a imagem, na tela mental, transmitida por mim, para inicio de entendimento, acreditou estar pensando consigo mesmo, inclinando o assunto para questões salariais; concentrou-se, de pronto, nas vantagens econô- micas, agarrou-se a cifras, encheu a cabeça com parágrafos da legis- lação trabalhista e expulsou-me a influência, sumariamente, mono- logando no íntimo: “essa moça já percebe o suficiente, não lhe darei nem mais um centavo.” Nenhum outro recurso senão permanecer no casarão, de sentinela.
  19. 19. Cap. 2 Segunda parte Linguagem dos Desencarnados – Como se caracteriza a linguagem entre os Espíritos? – Incontestavelmente, a linguagem do Espírito é, acima de tudo, a imagem que exterioriza de si próprio. Isso ocorre mesmo no plano físico, em que alguém, sabendo refletir- se, necessitará poucas palavras para definir a largueza de seus planos e sentimentos, acomodando-se à síntese que lhe angaria maior cabe- dal de tempo e influência. Círculos espirituais existem, em planos de grande sublimação, nos quais os desencarnados, sustentando consigo mais elevados recursos de riqueza interior, pela cultura e pela grandeza moral, conseguem plasmar, com as próprias idéias, quadros vivos que lhes confirmem a mensagem ou o ensi- namento, seja em silêncio, seja com a despesa mínima de suprimento verbal, em livres circuitos mentais de arte e beleza, tanto quanto muitas Inteligências infelizes, treinadas na ciência da reflexão, conseguem formar telas aflitivas em circuitos mentais fechados e ob- sessivos, sobre as mentes que magneticamente jugulam. De acordo com o mesmo princípio, Espíritos desencarnados, em muitos casos, quando controlam as personalidades mediúnicas que lhes oferecem sintonia, operam sobre elas à base das imagens positivas com que as envolvem no transe, compelindo-as a lhes expedir os conceitos. CONTINUA
  20. 20. Cap. 2 Segunda parte Linguagem dos Desencarnados Nessas circunstâncias, expressa-se a mensagem pelo sistema de reflexão, em que o médium, embora guardando o córtex encefálico anestesiado por ação magnética do comunicante, lhe recebe os ideogramas e os transmite com as palavras que lhe são próprias. Todavia, não obstante reconhecermos que a imagem está na base de todo intercâmbio entre as criaturas encarnadas ou não, é forçoso observar que a linguagem articulada, no chamado espaço das nações, ainda possui fundamental importância nas regiões a que o homem comum será transferido imediatamente após desligar-se do corpo físico. FIM Cap. 7 Segunda parte Vida Social dos Desencarnados Por isso mesmo, na esfera seguinte à condição humana, temos o es- paço das nações, com as suas comunidades, idiomas, experiências e inclinações, inclusive organizações religiosas típicas, junto das quais funcionam missionários de libertação mental, operando com caridade e discrição para que as ideias renovadoras se expandam sem dilace- ração e sem choque.
  21. 21. Vejam a seguir o quanto as pessoas desencarnadas, “que foram”, são afetadas pelos pensamentos dos encarnados, os “que ficaram”... Estudos Dirigidos O Pensamento
  22. 22. Capítulo 27 O Trabalho, enfim ‒ Irmão Tobias!... Irmão Tobias!... por caridade! ‒ gritou um ancião, gesticulando, agarrado ao leito, à maneira de louco ‒ estou a sufo- car! Isto é mil vezes pior que a morte na Terra... Socorro! socorro! quero sair, sair!... quero ar, muito ar! Tobias aproximou-se, examinou-o com atenção e perguntou: ‒ Por que teria o Ribeiro piorado tanto? ‒ Experimentou uma crise de grandes proporções ‒ explicou a ser- va ‒ e o Assistente Gonçalves esclareceu que a carga de pensa- mentos sombrios, emitidos pelos parentes encarnados, era a cau- sa fundamental desse agravo de perturbação. Enquanto o generoso Tobias acariciava a fronte do enfermo, a serviçal prosseguia esclare- cendo: “Visto achar-se ainda muito fraco e sem ter acumulado força mental suficiente para des- prender-se dos laços mais fortes do mundo, o pobre não tem resistido, como seria de dese- jar. CONTINUA
  23. 23. Capítulo 27 O Trabalho, enfim ‒ Fez muito bem ‒ acentuou Tobias, pensativo ‒, vou pedir provi- dências contra a atitude da família. É preciso que ela receba maior bagagem de preocupações, para que nos deixe o Ribeiro em paz. ‒ Hoje, muito cedo, ele se ausentou sem consentimento nosso, a correr desabaladamente. Gritava que lhe exigiam a presença no lar, que não podia esquecer a esposa e os filhos chorosos; que era crueldade retê-lo aqui, distante do lar. Lourenço e Hermes esforça- ram-se por fazê-lo voltar ao leito, mas foi impossível. Deliberei, en- tão, aplicar alguns passes de prostração. Subtrai-lhe as forças e a motilidade, em benefício dele mesmo. FIM
  24. 24. Capítulo 33 Herança e Eutanásia Um velhinho que estava sendo tratado em “Nosso Lar”, sendo visitado por sua filha, também desencarnada... Estive em nossa casa, ainda hoje, lá observando extremas perturbações. Daqui, deste leito, o senhor envolve todos os nossos em fluidos de amargura e incompreensão, e eles lhe fazem o mesmo por idêntico modo. O pensamento, em vibrações sutis, alcança o alvo, por mais distante que esteja. A permuta de ódio e desentendimento causa ruína e sofrimento nas almas. FIM
  25. 25. Capítulo 37 A Preleção da Ministra “(...) nas mentes evolvidas (em evolução, em progressão), entre os desen-carnados e encarnados, basta o intercâmbio mental sem necessida-de das formas, e é justo destacar que o pensamento em si é a base de todas as mensagens silenciosas da ideia, nos maravilhosos planos da intuição, entre os seres de toda espécie. “Dentro desse princípio, o espírito que haja vivido exclusivamente em França poderá comunicar-se no Brasil, pensamento a pensa- mento, prescindindo de forma verbalista especial, que, nesse caso, será sempre a do receptor; mas isso também exige a afinidade pura. “Não estamos, porém, nas esferas de absoluta pureza mental, onde todas as criaturas têm afinidades entre si. “Afinamo-nos uns com os outros, em núcleos insulados (isolados), e somos compelidos a prosseguir nas construções transitórias da Ter- ra, a fim de regressar aos círculos planetários com maior bagagem evolutiva.” FIM
  26. 26. Capítulo 11 Efeitos das Drogas Assim que as famílias tomassem conhecimento do infortúnio que as alcançava (um acidente de automóvel fatal com todos os tripulantes), a falta de preparo espiritual para as realidades da breve existência cor-poral desataria o superlativo das aflições, provocando a atração, ao lar, de alguns daqueles seres queridos, ora em condição delicada. A lamentação e os impropérios, que a ausência de segurança religiosa, a par da angústia enlouquecedora e da revolta, promovendo cenas que poderiam ser evitadas, produzem, no Espírito recém-liberto, maior soma de desconforto, porquanto, atravessando momentos de alta sensibilidade psíquica, automática vinculação ao corpo sem vida e a família, as atitudes referidas transformam-se em chuvas de fagulhas comburentes que os atingem, ferindo-os ou dando-lhes a sensação de ácidos que os corroem por dentro. Nominalmente chamados, desejam atender, sem poder fazê-lo, experimentando as dores que os vergastam, adicionadas pelos desesperos morais que os dominam. A misericórdia divina fá-los adormecer, naqueles primeiros períodos, em tentativas de pô- los a repousar, o que dificilmente conseguem, em face dos apelos exagerados dos familia- res. E quando logram adormecer, não raro, porque não souberam dignificar os tesouros da vida com a consequente preparação para a viagem inadiável, estando com a mente em desalinho pelo choque da desencarnação, debatem-se em pesadelos afligentes, que são liberação de imagens perturbadoras das zonas profundas do inconsciente... CONTINUA
  27. 27. Capítulo 11 Efeitos das Drogas Para uma reencarnação completar-se, desde o primeiro instante quando da fecundação, transcorrem anos que se alargam pela primeira infância. É natural que a desencarnação necessite de tempo suficiente para que o Espírito se desimpregne dos fluidos mais grosseiros, nos quais esteve mergulhado... FIM
  28. 28. Capítulo 12 Despertamento em outra Realidade Correspondendo à hora do reconhecimento e translado dos corpos pelos familiares para as providências da inumação cadavérica, acompanhamos o despertar de quase todos, sob os duros apelos dos pais e irmãos, partindo, semi-hebetados, para os atender... Após as autópsias e a liberação dos corpos, em um acidente fatal automobilístico... Todos já haviam sidos resgatados e encaminhados ao hospital espiritual... Explicou-nos o Diretor amável: – As nossas providências de socorro não geram clima de privilégio, nem protecionismo injustificável. Cada um respira a psicosfera que gera no campo mental. Todos somos as aspirações que cultivamos, os labores que produzimos. (...) A agitação era geral. Podíamos observar que rápidas flechadas de forte teor vibratório os alcançavam, fazendo-os estremecer, estorcegar. O motorista subitamente apresentou uma fácies de loucura, ergueu-se, trêmulo, respon- dendo algo com palavras desconexas e como que envolto pelo fio de densa energia que o alcançava, pereceu sugado, desaparecendo... – Foi atender – elucidou Dr. Bezerra – aos que o chamam sob chuvas de blasfêmias e acusações impróprias. CONTINUA
  29. 29. Capítulo 12 Despertamento em outra Realidade "A família soube, pela Polícia, que ele havia ingerido alta dose de dro- gas, o que parecia responder pelo acidente, provocando, a informação, mágoa e revolta nos pais." Em continuação, mais dois se evadiram do local de amparo obedecen- do ao impositivo evangélico: "Onde estiver o tesouro, aí estará o coração." Fábio e outro amigo, porque não se encontrassem muito comprometi- dos com os vícios e viessem de uma estrutura familiar mais digna, foram poupados à presença do cadáver e às cenas fortes que se desenrolaram antes e durante a inumação dos corpos. FIM
  30. 30. Capítulo 25 Técnica de Libertação "A oração intercessória, realizada com unção, com sentimentos elevados, envolve aquele por quem se recorre, considerando-se que toda emissão mental, de acordo com a sua intensidade e o conteúdo que lhe dá frequên- cia, termina por alcançar o que ou a quem se destina. "A prece é vibração poderosa de que o homem não tem sabido valer-se como seria de desejar.“ Dr. Bezerra de Menezes FIM
  31. 31. Estudos Dirigidos Vamos dar uma pausa por aqui. http://vivenciasespiritualismo.net/index.htm Luiz Antonio Brasil Périclis Roberto pericliscb@outlook.com

×