Estudos Dirigidos
O Corpo Astral
Vamos falar aqui sobre
o Corpo Astral.
Relativamente ao aerossoma II, o corpo astral,
muito embora o coronel Rochas o tivesse previsto
e até certo ponto o confun...
Corpo Astral
“É com este corpo que os espíritos vivem na dimensão astral; os que se
comunicam habitualmente nas sessões es...
Corpo Astral
“Uma das mais importantes funções do corpo astral é a da sensibilidade.
Sabemos que ela reside nesse campo ou...
Segunda Parte
Capítulo 7
O Corpo Emocional (Segunda Camada)
O segundo corpo áurico, ou o corpo mais fino
que se segue ao c...
Segunda Parte
Capítulo 7
O Corpo Emocional (Segunda Camada)
De um modo geral, o corpo se diria
constituído de bolhas de co...
A autora e curadora Barbara Ann Brennan
descreveu não só o Corpo Emocional como
também descreve, não um corpo, mas o que e...
O Nível Astral (Quarta Camada)
O corpo astral é amorfo e composto
de nuvens de cor mais bonitas que
as do corpo emocional....
Quarta Parte
Capítulo 15
No nível astral, experimenta-se a consciência em forma de e-
moções fortes, que se estendem além ...
Capítulo II
O corpo astral e as emoções
Esse terceiro corpo é o veículo dos sentimentos.
Esse corpo é composto de matéria ...
Capítulo II
Para aqueles que o percebem, ele possui uma estrutura multicor que
rodopia de cinquenta a oitenta centímetros ...
É um pattern (motivo) caleidoscópico de cores cuja sombra ou brilho
designa as qualidades das emoções. Na maioria das pess...
Capítulo IV
O corpo astral, algumas vezes chamado de corpo emocional, é
considerado a sede das emoções humanas. Nossas emo...
O corpo astral também tem sido chamado de corpo do desejo ou corpo
emocional. A literatura descreve o corpo astral como a ...
A programação desse biocomputador pode provir de muitos níveis
diferentes de input. Os cientistas ocidentais atualmente só...
As pessoas muitas vezes descreveram corretamente detalhes das
tentativas de ressuscitação efetuadas pelos paramédicos, tai...
A literatura esotérica afirma que durante o sono todas as pessoas
abandonam o corpo físico e viajam pelo reino astral, int...
Capítulo IV
O corpo astral abriga a
personalidade depois da
transição representada pela
morte física. A consciência e a
pe...
Capítulo 4
Holossoma
PSICOSSOMA
Veículo utilizado pela consciência primariamente durante o período
intermissivo, ou seja, ...
Capítulo 4
Holossoma
O psicossoma é a matriz ou molde básico para a formação do corpo
físico. Contribui com a paragenética...
Capítulo 12
Fatores
Bloqueadores
CICATRIZES RETROPSÍQUlCAS
Da mesma forma que certos acidentes deixam registros de sua oco...
Capítulo 12
Fatores
Bloqueadores
Ao lembrar-se daquele evento e abordá-lo de maneira mais lúcida e
racional, o indivíduo d...
Capítulo 15
Benefícios
(...) Muitos traumas e enfermidades físicas, emocionais e mentais do
passado deixam marcas na parag...
Capítulo 12
Fatores
Bloqueadores
REPRESSÕES
A partir do conhecimento dos mecanismos de defesa do ego, e entre
eles, em esp...
OS CORPOS DO HOMEM
No plano físico atuamos com um corpo físico denso, formado
de carne e ossos. Com ele podemos agir e inf...
Novo Testamento
1 Coríntios 15
Paulo de Tarso FIM
Observem nesses trechos
da Bíblia, que destacamos,
a explicação de Paulo...
Nesta projeção ao lado
temos uma outra
representação do Corpo
Astral e o Duplo Etérico,
sobre o corpo físico.
Estudos Diri...
Estudos Dirigidos
O Corpo AstralObservem esta outra imagem
também do Corpo Astral. Não há
distinção dos orgãos. Isso pode ...
Estudos Dirigidos
Vamos dar uma
pausa por aqui.
http://vivenciasespiritualismo.net/index.htm
Luiz Antonio Brasil
Périclis ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

04.01 O Corpo Astral I 20 jan 2015

649 visualizações

Publicada em

04.01 O Corpo Astral I 20 jan 2015

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
649
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

04.01 O Corpo Astral I 20 jan 2015

  1. 1. Estudos Dirigidos O Corpo Astral Vamos falar aqui sobre o Corpo Astral.
  2. 2. Relativamente ao aerossoma II, o corpo astral, muito embora o coronel Rochas o tivesse previsto e até certo ponto o confundisse, por vezes, com o duplo etérico, especialmente no início das suas memoráveis experiências do desdobramento da alma humana, é justo que se preste a devida homenagem ao eminente experimentador, Hector Durville, que, não só obteve, em 1909, o desdobramento direto do corpoastral do duplo etérico (tantas vezes confundidos numa mesma nomenclatura e até nas suas propriedades), mas ainda pelo estudo profundo e minucioso que fez das complexas e variadas propriedades, ainda hoje clássicas, numa orientação essencialmente científica e experimental. FIM Capítulo VII Experiências de Charles Lancelin
  3. 3. Corpo Astral “É com este corpo que os espíritos vivem na dimensão astral; os que se comunicam habitualmente nas sessões espíritas possuem este veículo mais, ou menos, denso, conforme o grau evolutivo do seu possuidor. Aqueles que já não o possuem, porque mais evoluídos, comunicam-se com os médiuns por sintonia mental, sem incorporação.” “(...) quando desencarnados, somos quase automaticamente localizados na região ou faixa vibratória do mundo espiritual que for mais compatível com nosso peso específico.” “O corpo astral não tem a mesma densidade em todas as criaturas humanas. Varia grandemente de massa, de tal modo que o homem desencarnado possui verdadeiro peso específico ...” “Os espíritos muito materializados vivem na erraticidade, junto às criaturas encarnadas.” “Chama-se erraticidade o estado de existência sem finalidade objetiva e útil, em que se encontram espíritos desencarnados.” Páginas 66 e 67. FIM
  4. 4. Corpo Astral “Uma das mais importantes funções do corpo astral é a da sensibilidade. Sabemos que ela reside nesse campo ou dimensão; o corpo físico apenas transmite estímulos recebidos, cabendo a essa estrutura o registro da sensação dolorosa ou de prazer. Os vícios são de natureza psíquica exa- tamente por causa disso, sua origem está no astral: é o astral que sen- te. Por essa razão, levamos conosco os nossos vícios e paixões, ao mor- rermos; se fosse de modo diverso, não haveria motivo para desencarna- dos continuarem sofrendo dores de natureza física, nem serem porta- dores de deformações dolorosas — como se constata em reuniões espí- ritas.” “A sensação é a mais grosseira forma de sentimento. Primária. Instintiva. Já a emoção tem mais complexidade, ligando-se ao desejo; pode ser exacerbada até atingir a anormalidade da paixão. Mas não nos esqueçamos que tanto sensações como emoções são estados muito importantes de consciência, pois dão colorido e força aos nossos atos.” “A luta maior que travamos — contra nós mesmos, em favor de nossa evolução — consiste precisamente em refrear, policiar e dominar desejos e sentimentos, principalmente as paixões. Desde os impulsos instintivos e animais, como fome, sede, desejo sexual, até os sentimentos elevados, como o amor ao próximo, solidariedade, amizade, afeto, ternura, etc, ou as desen- freadas paixões de posse, poder ou concupiscência, todas as emoções e desejos se manifes- tam no mundo astral. Desse corpo, e por evolução, os sentimentos elevam-se e passam a outros níveis de consciência, próprios de espíritos superiores.” Página 71 e 72. FIM
  5. 5. Segunda Parte Capítulo 7 O Corpo Emocional (Segunda Camada) O segundo corpo áurico, ou o corpo mais fino que se segue ao corpo etérico, geralmente chamado de corpo emocional, está associado aos sentimentos. Segue aproximadamente os contornos do corpo físico. Sua estrutura, muito mais fluida que a do corpo etérico, não duplica o corpo físico. Mais parece feito de nuvens co- loridas de substância fina em contínuo movi- mento. Estende-se a uma distância de 25 a 75 cm do corpo. Esse corpo penetra os corpos mais densos que ele envolve. Suas cores vão dos matizes claros brilhantes aos matizes escuros e turvos, dependendo da clareza ou da confusão dos sentimentos ou da energia que os produz. Sentimentos claros e altamente ati- vados, como o amor, a comoção, a alegria ou a raiva, são brilhan- tes e claros; os sentimentos confusos são escuros e turvos. A maneira que esses sentimentos forem ativados através da intera- ção pessoal, da psicoterapia do corpo, etc., as cores se separarão no matiz primário e se avivarão. FIM
  6. 6. Segunda Parte Capítulo 7 O Corpo Emocional (Segunda Camada) De um modo geral, o corpo se diria constituído de bolhas de cor (*), que se movem no interior da matriz do campo etérico, e que também se estendem um pouco além dele. Em determinadas ocasiões, uma pessoa pode arremessar bolhas coloridas de energia ao ar que a cerca. Isso é especialmente observável quando alguém libera sentimentos numa sessão de terapia. (*) Veremos este assunto mais adiante sobre formas-pensamento. FIM
  7. 7. A autora e curadora Barbara Ann Brennan descreveu não só o Corpo Emocional como também descreve, não um corpo, mas o que ela chama de um nível acima, e deu o nome de Nível Astral. Vamos então ver agora sobre este nível. Estudos Dirigidos O Corpo Astral
  8. 8. O Nível Astral (Quarta Camada) O corpo astral é amorfo e composto de nuvens de cor mais bonitas que as do corpo emocional. O corpo as- tral tende a ter o mesmo conjunto de cores, mas geralmente impre- gnadas da luz do amor. Estende-se para fora, a uma distância aproxi- mada do corpo de 15 a 30 cm. Quando as pessoas se apaixonam, podem ver-se belos arcos de luz rósea entre os seus corações, e uma bela cor rósea se adiciona às pulsações áureas normais que observo na pituitária. Os chakras estadeiam a mesma oitava de cores do arco-íris do corpo emocional, mas todas impregnadas da luz rósea do amor. O chakra do coração de uma pessoa amante está cheio de luz cor-de-rosa no nível astral. Corpo Emocional FIM Corpo Astral
  9. 9. Quarta Parte Capítulo 15 No nível astral, experimenta-se a consciência em forma de e- moções fortes, que se estendem além do eu e do outro para abranger a humanidade. O plano astral, um mundo inteiramente diferente, é o plano em que se realiza a viagem astral e, como o descreveram as pessoas que o experimentaram, difere do plano físico das seguintes maneiras: os objetos têm forma fluida; a luz se irradia deles, em vez de refletir-se primariamente fora deles; e, para viajar, basta-nos focalizar o lugar onde desejamos ir e permanecer focalizados nele. A direção muda com o foco, de sorte que, se você mudar o foco, mudará a direção. O poder de concentração é muito importante nesse plano! FIM
  10. 10. Capítulo II O corpo astral e as emoções Esse terceiro corpo é o veículo dos sentimentos. Esse corpo é composto de matéria astral, campo energético que vibra a uma frequência ainda mais elevada do que o campo etéreo. O corpo astral é um componente do ser humano multidimensional. Os seis campos são distintos, mas não separados. O campo astral é com- posto de frequências que vão bem além da percepção humana normal. É invisível, exceto para as pessoas que começaram a ativar certos po- tenciais. A partir de 1986, comecei (o autor) a percebê-lo a cinquen- ta/sessenta centímetros a volta do corpo físico, como uma concha lumi- nosa brilhante. Ele envolve o corpo físico e o corpo etéreo, e mantém uma forma humanóide. É a razão pela qual os iogues falam do corpo emocional, de corpo dos desejos: todos os apegos não resolvidos do passado se encon- tram aí. E essa matéria astral ocupa uma faixa de frequência superior às da matéria física e da matéria etérea. CONTINUA
  11. 11. Capítulo II Para aqueles que o percebem, ele possui uma estrutura multicor que rodopia de cinquenta a oitenta centímetros do corpo físico, conforme o estado de consciência. As cores presentes indicam a qualidade e a intensidade dos sentimentos da pessoa, e se são estruturais ou con- junturais. Assim, os conflitos internos podem ser percebidos anotando- se a sombra, o contraste, a posição das cores. A "textura" do campo astral é flexível, muitas vezes descritas como fluídica. Ela tem a propriedade de estender-se de maneira considerável, mas a periferia é claramente mar- cada. As características desse campo astral dão indicações importantes sobre o ser huma- no, e permitem ressaltar toda vibração anormal. Nas minhas investigações, utilizei regular- mente um checklist sobre a qual gravei minhas observações. Para Dora Kunz, uma das grandes clarividentes americanas, essa lista se compõe assim: a qualidade (tipo de energia, densidade de substância, pureza de tons), a textura, a forma (simétrica ou assimétrica), a cor e sua localização no campo, o movimento (rítmico ou turbulento), a relação entre os corpos (com o etéreo e os corpos mais elevados) e a luminosidade. A característica principal do campo astral é seu dinamismo. CONTINUA O campo astral ou emocional é realmente universal. Mundo de energia fluida, em movimento extremamente rápido, é salpicado de cores, car- regado de símbolos e de imagens que turbilhonam à volta de cada ser e podem encher-nos de medos e angústias, ou cuja beleza nos faz evo- luir. Dora Kunz – escritora americana, psíquica, clarividente, curadora, ocultista, teósofa.
  12. 12. É um pattern (motivo) caleidoscópico de cores cuja sombra ou brilho designa as qualidades das emoções. Na maioria das pessoas, isso varia conforme o humor, e as cores podem aparecer ou desaparecer, ilumi- nar-se ou escurecer-se. As energias estão em constante movimento. Capítulo II FIM Por exemplo, um indivíduo alegre em presença de um amigo vai mos- trar um pattern harmonioso de cores na gama das rosas. Enquanto que, durante a meditação ou a prece, essas cores podem tornar-se azuis e douradas. Explosões de cólera dão reflexos vermelhos a esse campo; nuvens cinzentas denotam o ódio ou os sentimentos de fre- quência extremamente baixa. Os tibetanos reconhecem que a expressão emocional da personalidade tem efeitos sobre o funcionamento hormonal ou glandular, no nível da atividade celular. O reconhecimento das influências astrais sobre o equilíbrio dinâmico de um ser humano existe também em medicina convencional. Os endocrinologistas reconheceram que certos desequilíbrios e- mocionais estavam ligados a tipos específicos de disfunção glandular. Mas com toda evi- dência, a maioria dos endocrinologistas não considera ainda a atividade hormonal das glândulas endócrinas maiores dependente da influência energética dos respectivos cha- kras. Estudaremos e veremos mais adiante os ckakras. Pattern – sem tradução no livro, mas poderemos usar a palavra conjunto.
  13. 13. Capítulo IV O corpo astral, algumas vezes chamado de corpo emocional, é considerado a sede das emoções humanas. Nossas emoções têm origens mais profundas e sutis do que a ciência moderna atualmente reconhece. Nas últimas décadas, a medicina começou a reconhecer e a esclarecer as relações existentes entre o stress emocional e a doença física. Como o corpo astral está fortemente ligado ao nosso lado emocional, na expressão das doenças físicas e emocionais há um elo poderoso e não reconhecido entre a mente, o corpo físico e o corpo astral. Os desequilíbrios emocionais podem ser causados tanto por distúrbios neuroquímicos na atividade cerebral como nos padrões anormais de fluxo de energia no corpo astral e nos seus chakras(*). O Corpo Astral: A Sede das Nossas Emoções e um Mecanismo para a Consciência Desencarnada “Os centros (chakras) e glândulas... basicamente determinam o estado de saúde — bom, indiferente ou ruim — e as condições psicológicas de um indivíduo. O efeito mais imediato da atividade glandular é psicológico... No plano emocional e mental, um homem é aquilo que o seu sistema glandular faz com que ele seja e, incidentalmente, o mesmo acontece no plano físico, uma vez que este frequentemente é determinado pelo seu estado mental e emocional.” (do livro Cura Esotérica de Alice Bailey) CONTINUA(*) Falaremos dos chakras, e das glândulas, mais adiante, em outros slides.
  14. 14. O corpo astral também tem sido chamado de corpo do desejo ou corpo emocional. A literatura descreve o corpo astral como a sede dos nossos desejos sexuais, anseios, disposição de espírito, sentimentos, apetites e temores. Surpreendentemente, o medo é uma das energias astrais que mais nos influenciam atualmente. O grau em que as pessoas são afeta- das por esses temores e desejos determina a extensão e a natureza da expressão de suas personalidades no plano físico. Embora a maioria dos médicos e cientistas ocidentais considere a expressão emocional huma- na uma característica da atividade neural do sistema límbico (*) cerebral, este é apenas um sistema auxiliar em relação às energias de dimensões superiores que também penetram no sistema. Capítulo IV O cérebro físico é visto pelos mecanicistas newtonianos como um complexo biocompu- tador neuroquímico. Os mecanicistas acham que o cérebro se assemelha a um sofisticado servomecanismo. O cérebro vivo é, na verdade, uma interface para que a alma se expresse na forma de vida física ativa. Se o sistema nervoso for debilitado pela doença, a personalidade pode ficar aprisionada num vínculo não expressivo (é o que acontece na Síndrome do Homem Trancado Dentro de Si). Assim, por exemplo, vítimas de derrame cerebral que sofrem uma grave diminuição da capacidade motora, sem perda cognitiva, podem estar plenamente conscientes e, não obstante, serem incapazes de se comunicar com aqueles que as cercam. CONTINUA (*) Sistema Límbico - Sistema responsável pelo controle emocional do comportamento.
  15. 15. A programação desse biocomputador pode provir de muitos níveis diferentes de input. Os cientistas ocidentais atualmente só reconhecem a influência de fatores físicos sobre o sistema nervoso. As energias astrais afetam o cérebro físico e o sistema nervoso através de suas ligações sutis com o corpo etérico e de suas interligações com o corpo físico. Diferentemente do corpo etérico, que sustenta e energiza o corpo físico, o corpo astral também opera como um veículo de consciência que pode existir independentemente do corpo físico, embora não deixe de estar ligado a ele. A consciência móvel do indivíduo pode deslocar-se e interagir com o ambiente através do corpo astral enquanto o corpo físico permanece inativo ou adormecido(*).Capítulo IV Embora isso possa parecer estranho, essa função do corpo astral é importante para a explicação de um interessante fenômeno humano que só recentemente foi reconhecido: a Experiência de Proximidade da Morte (EPM). Descrições de experiências relatadas por indivíduos que estiveram clinicamente mortos durante um determinado tempo têm sido objeto de uma série de livros escritos pelo Dr. Raymond Moody e, mais recentemente, pelo Dr. Kenneth Ring. Entrevistas com centenas de indivíduos que foram temporaria- mente classificados como clinicamente mortos produziram descrições semelhantes de experiências nesse misterioso estado. Uma das experiências mais comuns vividas por pessoas que estiveram próximas da morte é a sensação de flutuar acima do corpo físico e de olhar para baixo. CONTINUA(*) Falaremos mais sobre este assunto no estudo sobre o Desacoplamento dos Corpos.
  16. 16. As pessoas muitas vezes descreveram corretamente detalhes das tentativas de ressuscitação efetuadas pelos paramédicos, tais como as roupas usadas pelos membros da equipe de socorro, as palavras ditas e as drogas ministradas. Na falta de explicações lógicas, os médicos contemporâneos têm procurado invocar mecanismos bioquímicos rela- cionados com a anoxia cerebral (falta de oxigênio no cérebro) para explicar essas aparentes alucinações. Muitos dos que estiveram próximos da morte descreveram a sensação de serem puxados para cima, em direção a uma luz no fim de um túnel, enquanto flutuavam acima da mesa e olhavam para os seus próprios corpos, que estavam embaixo. As experiências de proximidade da morte são representativas de um estado conhecido como uma Experiência de Viagem Fora do Corpo (EVFQ). Capítulo IV A EVFC talvez seja uma descrição mais precisa do que acontece ao indivíduo porque, durante a EPM, a pessoa na verdade está fora do seu corpo físico. Neste caso, então, a partir de que ponto a pessoa vê o que se passa? A resposta para esta pergunta é que ela está vendo o mundo através dos olhos do seu corpo astral! Outro sinônimo de EVFC e, possivelmente, uma designação mais precisa, é o fenômeno conhecido como projeção astral. A projeção astral envolve a projeção da consciência do indivíduo para fora de seu envoltório físico através do seu veículo de expressão astral. Durante a vida, diz-se que o corpo astral mantém-se ligado ao corpo físico através de uma espécie de cordão umbilical às vezes chamado de cordão de prata. Supõe-se que, no momento da morte física, esse cordão é rompido e o corpo astral deixa para trás o envoltório físico-etérico em decomposição. CONTINUA
  17. 17. A literatura esotérica afirma que durante o sono todas as pessoas abandonam o corpo físico e viajam pelo reino astral, interagindo com seus componentes e habitantes. Obviamente, como a maioria das pessoas não se lembra do que lhes acontece durante o sono, é extremamente difícil provar que alguma experiência astral tenha ocorrido. Na maior parte dos casos as pessoas tendem a considerar essas experiências como sonhos, eles próprios um estado de consciência imperfeitamente compreendido por muitos. Quando o indivíduo se lembra de ter passado por uma projeção astral, isso geralmente acontece durante ejeções traumáticas do corpo físico, como em acidentes violentos e em Experiências de Proximidade da Morte. Parece que nessas circunstâncias a dissociação entre o molde astral e o corpo físico é uma manifestação de algum tipo de reflexo energético primitivo que protege nossa consciência contra experiências traumáticas. Capítulo IV FIM Todavia, foram descobertos alguns indivíduos bem-dotados que têm a capacidade de se auto induzirem repetidamente a essas experiências de viagens para fora do corpo e de projetarem seus seres astrais para locais remotos. Depois de voltarem ao estado de vigília, muitos desses EVFC conseguem lembrar-se de extraordinárias visões e de importantes informações relativas às suas jornadas astrais.
  18. 18. Capítulo IV O corpo astral abriga a personalidade depois da transição representada pela morte física. A consciência e a personalidade do indivíduo são transferidas para o veículo astral, tal como acontece durante a vida por ocasião da projeção astral. Nessa altura, o corpo mental ainda está associado nos veículos astral e causal. FIM MENTAL ASTRAL ETÉRICO FÍSICO CAUSAL
  19. 19. Capítulo 4 Holossoma PSICOSSOMA Veículo utilizado pela consciência primariamente durante o período intermissivo, ou seja, no intervalo entre vidas, e na maioria das projeções conscientes. É também conhecido como corpo astral, corpo emocional, ou perispírito. Normalmente, o psicossoma apresenta as mesmas características vi- suais do soma (corpo físico) atual (no caso da consciência intrafísica projetada) ou do último ou algum dos últimos somas (no caso da consciência extrafísica). Contudo, o psicossoma manifesta características radicalmente diferentes do soma, tais como a emissão de luz, ausência de peso, invisibilidade, inaudibilidade (inaudível), capacidade de passar através dos objetos materiais, invulnerabilidade a toda e qualquer influência física e, principalmente, a capacidade de assumir distintas formas, o que é coerente com o fato de termos um soma diferente a cada vida e do psicossoma adaptar-se a cada um deles. CONTINUA
  20. 20. Capítulo 4 Holossoma O psicossoma é a matriz ou molde básico para a formação do corpo físico. Contribui com a paragenética na determinação das caracte- rísticas gerais do soma. De certa forma, pode-se afirmar que o psicossoma é um morfopensene (popular: forma-pensamento) man- tido pelo mentalsoma. Memórias, traumas, e eventos antigos ficam registrados na estrutura do psicossoma, principalmente no que se refere a emoções e afetividade. A consciência, através do mentalsoma atua sobre o paracérebro ou cérebro do psicossoma, o qual é a primeira sede das memórias de experiências passadas, já que este mesmo paracérebro participou de cada uma das vidas e períodos intermissivos anteriores. FIM
  21. 21. Capítulo 12 Fatores Bloqueadores CICATRIZES RETROPSÍQUlCAS Da mesma forma que certos acidentes deixam registros de sua ocor- rência em nosso soma (corpo físico) na forma de cicatrizes, vários traumas, sofrimentos, descompensações energéticas e assédios do passado deixam "cicatrizes" em nossos corpos mais sutis, principal- mente no psicossoma ou corpo emocional. Tais cicatrizes não são ne- cessariamente marcas visíveis à visão extrafísica. São, em sua maioria, registros pensênicos (pensamentos e emoções) entranhados na estru- tura do psicossoma. Um bom exemplo desse mecanismo é o caso real da pessoa que sofria de crises severas de asma de forma regular e frequente, e que superou totalmente esta enfermidade depois de passar por uma terapia hipnótica regressiva e lembrar-se de que na vida anterior havia morrido em um incêndio, asfixiada pela fumaça. O sofrimento e desespero associados a tal tipo de morte gravou mnemopensenes (memó- rias de pensamentos e emoções) — intensamente carregados no sen (sentimento) — na estrutura psicossomática daquela consciência. Ressomando (reencarnando) em um novo corpo, o psicossoma — matriz da formação e manutenção do soma — imprimiu nova- mente as mesmas características daquele momento do passado no Corpo físico usado no presente. CONTINUA
  22. 22. Capítulo 12 Fatores Bloqueadores Ao lembrar-se daquele evento e abordá-lo de maneira mais lúcida e racional, o indivíduo dissipou boa parte da carga energético-emocional da experiência, reduzindo ou cessando completamente as manifesta- ções físicas da asma (catarse). De qualquer forma, aquelas lembranças não serão esquecidas jamais, pois fazem parte da holomemória daque- la pessoa. Os últimos pensenes (emoções e pensamentos) em uma vida — ome- gapensenes — gerados com incomum intensidade imediatamente antes e durante o processo da lª dessoma (desativação do corpo etérico), determinam profundamente várias características da vida seguinte. Qual será, provavelmente, a qualidade e intensidade de seu omega- pensene? FIM Ou seja, quais serão, provavelmente, as qualidades e intensidades de suas últimas emoções, sentimentos e pensamentos, nesta sua vida? Já parou para pensar sobre isso?
  23. 23. Capítulo 15 Benefícios (...) Muitos traumas e enfermidades físicas, emocionais e mentais do passado deixam marcas na paragenética. Esses retropensenes, (pen- samentos e emoções do passado) discutidos anteriormente sob o nome de cicatrizes retropsíquicas, podem haver afetado ou estar afetando a constituição do presente soma (corpo físico). Se não forem superados agora, podem até mesmo vir a interferir com a estrutura do futuro corpo. Nosso corpo atual é fruto da combinação da gené-tica, herdada de nossos pais, e de nossa paragenética, herdada de nós mesmos. O psicossoma (corpo astral), através das energias do holochacra (cor- po etérico), atua como molde ou matriz para formação do corpo físico (hipótese também conhecida como a do modelo organizador bioló-gico ou do campo morfogenético). Desta forma, certos problemas de saúde podem manifestar-se desde o nascimento ou podem ir implantando-se pouco a pouco através dos anos, como resultado de falhas ou imperfeições daquele molde ou matriz. Falaremos mais adiante sobre o MOB – Modelo Organizador Biológico FIM
  24. 24. Capítulo 12 Fatores Bloqueadores REPRESSÕES A partir do conhecimento dos mecanismos de defesa do ego, e entre eles, em especial, a repressão de memória, entende-se que a cons- ciência (o Espírito) bloqueia inconscientemente certas memórias trau-máticas do passado desta ou de outras vidas para evitar sofrer nova-mente. Análogo às más experiências desta vida física, que a princípio são dolorosas e que, com o tempo, vão perdendo sua intensidade até se- rem lembradas mais intelectualmente que emocionalmente, algumas vezes até se tornando piada, também os traumas do passado neces- sitam ser trazidos "à tona" da consciência para serem esvaziados de seu conteúdo emocional. O desenvolvimento da consciência, que se faz cada vez mais forte, le- va naturalmente à desrepressão. BLOQUEIOS PROGRAMADOS NA INTERMISSÃO (período entre-vidas) Como parte do planejamento e preparo para a próxima vida física, para evitar desvios ectópicos na proéxis (vivência da encarnação) ou evocações conscienciais indevidas, a consciência (o Espírito) pode receber uma intervenção pensênica (de seus pensamentos e emoções) por parte dos amparadores ou orientador evolutivo, de forma a bloquear certas memórias ou períodos específicos de sua para-história ou de sua biografia multiexistencial. Isto explicaria também a dificuldade maior de se recuperar as lembranças de certas FIM
  25. 25. OS CORPOS DO HOMEM No plano físico atuamos com um corpo físico denso, formado de carne e ossos. Com ele podemos agir e influir no mundo material. Para esse corpo, formado de substâncias grosseiras (minerais, carbono e água) precisamos de uma contraparte energética que proporcione vida e energia a esse conglomerado de moléculas materiais. Para isso, existe o corpo físico ener- gético que ocupa o mesmo lugar no espaço e tem a função de transmitir vitalidade ao corpo denso. Por isso é também deno- minado corpo vital, corpo pránico (1), corpo etérico ou duplo (2) etérico. A nomenclatura varia conforme a escola filosófica. É deste corpo que se forma o ectoplasma, mencionado no espiritismo. (1) Prána é o nome sânscrito que designa qualquer tipo de energia, desde que manifestada biologicamente. (2) Chamado “duplo” porque reproduz com exatidão todos os órgãos do corpo físico denso; “etérico”, porque na época em que essa nomenclatura foi suscitada no Ocidente, supunha-se que o espaço sideral fosse preenchido por uma substância denominada éter. FIM Numa oitava acima do corpo físico energético possuímos um corpo emocional, também chamado corpo astral ou corpo de desejos, destinado a atuar no plano emocional ou quarta dimensão. Como o seu nome sugere, é onde se processam as emoções.
  26. 26. Novo Testamento 1 Coríntios 15 Paulo de Tarso FIM Observem nesses trechos da Bíblia, que destacamos, a explicação de Paulo de Tarso sobre o corpo físico e o corpo espiritual. Será o nosso Corpo Astral? 38 Mas Deus lhe dá um corpo, como determinou, e a cada espécie de semente dá seu corpo apropriado. 39 Nem toda carne é a mesma: os homens têm uma espécie de carne, os animais têm outra, as aves outra, e os peixes outra. 40 Há corpos celestes e há também corpos terrestres; mas o esplendor dos corpos celestes é um, e o dos corpos terrestres é outro. 44 É semeado um corpo natural e ressuscita um corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual.
  27. 27. Nesta projeção ao lado temos uma outra representação do Corpo Astral e o Duplo Etérico, sobre o corpo físico. Estudos Dirigidos O Corpo Astral Corpo Astral Duplo Etérico Corpo Físico Imagem Fonte: www.ibbis.org.br
  28. 28. Estudos Dirigidos O Corpo AstralObservem esta outra imagem também do Corpo Astral. Não há distinção dos orgãos. Isso pode ser visto em pessoas que estão desenvolvendo ainda este corpo. Ou seja, estão a “moldar” ainda este corpo na forma humana.
  29. 29. Estudos Dirigidos Vamos dar uma pausa por aqui. http://vivenciasespiritualismo.net/index.htm Luiz Antonio Brasil Périclis Roberto pericliscb@outlook.com O Corpo Astral

×