Neto a emergencia e desenvolvimento da imprensa

581 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
581
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Neto a emergencia e desenvolvimento da imprensa

  1. 1. A emergência e desenvolvimento da Imprensa (sécs. XV-XIX):consequência contextualizada da sua era, e não a sua causa
  2. 2. Comércio como vector decisivo (sécs. XI-XIV)sécs. V-XI: Paralisação do comércio europeu, suscitada pelas invasões bárbarassécs. XI-XIII: Contacto com a cultura árabe Recuperação da cultura ancestral Grega e Romana Escassez de pergaminho na Europa e assimilação do papel Ressurgimento da cultura escrita Adaptação da cunhagem (ourivesaria), para substituição da escrita à mão Comércio recupera dinamismo Urbanização e êxodo rural Escrita assume nova importância com a contabilidade e o notariado Emergência de escolas de natureza mercantil (Itália, séc. XIII) Aumento (lento) da alfabetização Emergência de universidadessécs. XIV-XV: turbulência social Guerra dos Cem anos Peste Negra Recessão económica Humanismo reinvenção da pontuação como vector de universalização do entendimento recuperação do Latim como matriz
  3. 3. Redes e Política (sécs. XV-XVI)Desenvolvimento da indústria metalúrgica alemã invenção, por Gutenberg (1450), da primeira Imprensa formatação do texto (pontuação, ordenação por parágrafos, paginação) passa a obedecer a um duplo critério: exequibilidade e eficiência, por influência dos impressores clareza linguística, por influência HumanistaMercadorização do livro e emergência das redes da cópia individual à edição da venda individual à feira do editor individual ao colectivo de editores centros de comércio assumem papel decisivo na difusão do livro tensão latim/línguas vernáculas novo campo de batalha política e simbólica (re)delimitação de fronteiras
  4. 4. Novas ideias e novos fluxosnovo espírito filosófico (compatibilização cada vez mais difícil entre Teologia e Filosofia): o Renascimento recuperação da Antiguidade Clássica, (sobretudo Romana) recusa dos dogmas eclesiásticos (redução do mundo a uma criação divina inacessível à compreensão humana) o Secularismo – recusa da centralidade política da Religião o Humanismo o Homem como centro ênfase da particularidade e dignidade do indivíduo desenvolvimento do sistema educativo aumento da consulta de imprensa aumento do debate em espaços públicos (cafés) aumento da circulação de ideias as redes informais como precursores da circulação de ideias (ex: Erasmo)novo espírito mercantil: crise económica e social êxodo rural e urbanização a cidade como espaço de Comunicação – recuperação da ideia Romana de espaço público o Mercantilismo a cidade como espaço de comércio expansão do conhecimento geográfico expansão das trocas com (re)conhecimento de novos mercados disponíveis o Secularismo – tensão política burguesia/aristocracia
  5. 5. Novas ideias e novos suportesnovo espírito técnico (compatibilização cada vez mais difícil entre Teologia e Filosofia): o Renascimento recusa dos dogmas eclesiásticos (redução do mundo a uma criação divina inacessível à acção humana) o conhecimento enquanto pré-condição de transformação técnica do mundo (Francis Bacon e a aplicação do conhecimento em invenções técnicas que domestiquem o mundo e permitam o progresso civilizador) o Materialismo o mundo passível de intervenção humana, empírica, “palpável” a intervenção no mundo passível de avaliação em termos de eficiência e eficácia desenvolvimento da tipografia, mecanismo de impressão de texto baseado na gravação originalmente usada na cunhagem de moeda desenvolvimento técnico do papel (substituto do pergaminho) como suporte de texto impresso necessidade de um meio de difusão portátil, partilhável, transportável, compatível com a noção de espaço público e de redes de conhecimento
  6. 6. Imprensa e Modernidade: Contexto Económico-PolíticoQue suportes? livros panfletosPara que fins? informativos (imprensa enquanto vector de coesão social) propaganda (imprensa enquanto veículo de aspirações sociais)Em que condições? ao aumento da procura corresponde uma periodicidade mais regular e constante a (re)acção dos Governos como vector decisivo constrangimentos à emissão de licenças imposição de taxas reconhecimento político (no final do séc. XVIII, com a Revolução Francesa (1789) e a Declaração Universal dos Direitos Humanos) em contextos de recessão económica, alterações de modelos de financiamento estagnam a imprensa “séria”, suscitando o avanço da imprensa popular imprensa de massas norte-americana como expoente (final do séc. XIX)
  7. 7. A emergência e desenvolvimento da Imprensa (sécs. XV-XIX):consequência contextualizada da sua era, e não a sua causa

×