SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Trabalho elaborado por :Diana Cortinhal
Nº5 10ºTAR
Serra de S. Mamede
Estrutura de trabalho
 Serra de S. Mamede
 Vila de Marvão
 Localização
 Relevo
 Hidrologia
 Fauna
 Flora
 Habitats Naturais
 Património Cultural
 Património Construído
 Sugestões de actividades
 Sugestões de Alojamento
Serra de S. Mamede
 A criação do Parque Natural marca, em consonância com o seu património natural e
paisagístico, o início de um processo de restauro dos sistemas agrícolas tradicionais
da serra, em degradação desde finais do século XIX pelas campanhas cerealíferas.
 O Parque Natural engloba a importante serra de São Mamede. Este é o único parque
natural no Norte alentejano, e tem por missão a protecção dos recursos naturais e
elementos da fauna e flora, mas e também a protecção geomorfológica e paisagem
regionais.
 A agricultura continua a ser a actividade económica dominante nesta região.
 Na zona mais serrana, a norte, predomina a pequena e média propriedade, com uma
utilização diversificada que resulta da consequente compartimentação do espaço:
carvalhais, soutos e montados de sobro, alternando com olivais, pinhais e eucaliptais, e
o sequeiro alternando com pequenos regadios e matos, nos terrenos de maior altitude.
 A sul, a pequena e média propriedade é substituída pela grande propriedade,
predominando a agricultura extensiva de sequeiro, por vezes em associação com o
montado de sobro e azinho e a criação de gado.
Vila de Marvão
 O Parque Natural da Serra de S. Mamede (PNSSM) é uma Área Protegida,
classificada através do Decreto-Lei 121/89 de 14 de Abril, e situa-se na região
fronteiriça do Nordeste Alentejano.
 Ocupa uma área aproximada de 31 750 hectares distribuídos por 4 concelhos:
Portalegre, Castelo de Vide, Marvão e Arronches .
Localização
Clima
 As características morfológicas do Parque Natural da Serra de S. Mamede
influenciam o tipo de clima existente na região.
 No verão o clima é seco e quente e no inverno é frio e chuvoso: é uma situação
que ocorre devido à sua elevada altitude, que faz com que a serra sofra uma
influência continental ibérica e uma atlântica.
Relevo
 A área do parque natural impõe-se por se elevar da peneplanície
alentejana, englobando assim diferentes tipos de relevo:
 A zona sul do Parque faz parte da peneplanície e apresenta um relevo
suave e ondulado com uma altitude que varia dos 300 aos 400 metros.
 É uma zona onde predominam os declives suaves.
Hidrologia
 A rede hidrográfica do Parque Natural integra cursos de água das bacias
do Tejo e do Guadiana.
 A existência destes cursos de água pertencentes a estas duas bacias
hidrográficas são importantes porque são um facto pouco comum, senão
único, no nosso país, ao nível das áreas protegidas.
Fauna
 Na Serra de S. Mamede predominam 40 aves, das quais se destacam espécies com
estatuto de conservação da natureza.
 Mamíferos:
 Texugo
• Toirão
Doninha
 Anfíbios e Répteis:
 Lagarto-de- água
• Tritão-ibérico
Habitats naturais
 A Serra de S. Mamede tem uma área com grande diversidade de habitats, devido às
características geomorfológicas e climáticas da serra.
 Montado de Azinho e Sobro
 Carvalho Negral
Património cultural
 Na região do Parque Natural da serra de S. Mamede caracteriza-se por uma
intervenção humana por pastores, agricultores e carvoeiros que foram
provocando várias transformações no coberto vegetal, contribuíram para a
mudança da paisagem e de habitats existentes.
Património construído
 Chafurdões - São técnica de
construção que recorrem a lajes de
granito ou xisto dispostas horizontal-
mente que se constituem numa falsa
cúpula. Uma porta, e por vezes uma
pequena fresta que sobre ela se abre,
são as únicas comunicações com o
exterior.
 Choças - Cortam-se as giestas que
entrelaçadas e por vezes atadas
cobrem completamente a estrutura
de madeira previamente montada.
Uma porta, por norma de vermelho
possibilita o acesso ao interior.
Continuação
 Menir da Meada - Monólito de granito ,têm 7m de altura e um diâmetro máximo de
1,25m.
Sugestões de actividades
 No parque da Serra de S. Mamede pode-se fazer
várias actividades.
 Hipismo
 Escalada e rapel
 BTT (bicicleta todo o terreno)
 Desportos aéreos
 Canoagem.
Sugestões de Alojamento
 Na região do Parque Natural D serra de S. Mamede , encontra-se neste momento
dotada de 21 unidades hoteleiras, sendo grande parte integradas nas categorias
de pensões e residências .
 1 parque de campismo
 3 pensões
 1 unidade de turismo em espaço rural
 1 casa da natureza
 1 estalagem

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisIlda Bicacro
 
38 portugal no século xix
38   portugal no século xix38   portugal no século xix
38 portugal no século xixCarla Freitas
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalSusana Simões
 
A Restauração Da Independência
A Restauração Da IndependênciaA Restauração Da Independência
A Restauração Da IndependênciaRui Neto
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumIlda Bicacro
 
Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Miguel Sargento
 
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2Belmira Baptista
 
Paisagens agrarias 1
Paisagens agrarias 1Paisagens agrarias 1
Paisagens agrarias 1Idalina Leite
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Idalina Leite
 
Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordensMaria Gomes
 
Formas relevo litoral
Formas relevo litoralFormas relevo litoral
Formas relevo litoralmanjosp
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoRita Pontes
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoSara Guerra
 
A agricultura em portugal no século xix
A agricultura em portugal no século xixA agricultura em portugal no século xix
A agricultura em portugal no século xixAnabela Sobral
 
Agricultura e pecuária
Agricultura e pecuáriaAgricultura e pecuária
Agricultura e pecuáriaGisela Alves
 
Indústria e desenvolvimento rural 11ºse
Indústria e desenvolvimento rural 11ºseIndústria e desenvolvimento rural 11ºse
Indústria e desenvolvimento rural 11ºsemariajosantos
 

Mais procurados (20)

As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
38 portugal no século xix
38   portugal no século xix38   portugal no século xix
38 portugal no século xix
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Regioes agrarias
Regioes agrariasRegioes agrarias
Regioes agrarias
 
A Restauração Da Independência
A Restauração Da IndependênciaA Restauração Da Independência
A Restauração Da Independência
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
 
Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária
 
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
 
Paisagens agrarias 1
Paisagens agrarias 1Paisagens agrarias 1
Paisagens agrarias 1
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
 
Ulisses
UlissesUlisses
Ulisses
 
As serras de portugal
As serras de portugalAs serras de portugal
As serras de portugal
 
Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordens
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
Formas relevo litoral
Formas relevo litoralFormas relevo litoral
Formas relevo litoral
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
 
A agricultura em portugal no século xix
A agricultura em portugal no século xixA agricultura em portugal no século xix
A agricultura em portugal no século xix
 
Agricultura e pecuária
Agricultura e pecuáriaAgricultura e pecuária
Agricultura e pecuária
 
Indústria e desenvolvimento rural 11ºse
Indústria e desenvolvimento rural 11ºseIndústria e desenvolvimento rural 11ºse
Indústria e desenvolvimento rural 11ºse
 

Semelhante a Parque Natural da Serra de S. Mamede

Serra do Barroso e serra de sSão Mamede
Serra do Barroso e serra de sSão MamedeSerra do Barroso e serra de sSão Mamede
Serra do Barroso e serra de sSão MamedeLuís Pinto Domingues
 
2014 12-11 - o relevo - ana bruno catarina - 10º h
2014 12-11 - o relevo - ana bruno catarina - 10º h2014 12-11 - o relevo - ana bruno catarina - 10º h
2014 12-11 - o relevo - ana bruno catarina - 10º hO Ciclista
 
Maravilhasdeportugal total 3anos
Maravilhasdeportugal total 3anosMaravilhasdeportugal total 3anos
Maravilhasdeportugal total 3anosSocasbecasmio
 
Problemas do declínio da floresta do mediterrâneo
Problemas do declínio da floresta do mediterrâneoProblemas do declínio da floresta do mediterrâneo
Problemas do declínio da floresta do mediterrâneoTiago Silva
 
Parque Natural do Alvão
Parque Natural do AlvãoParque Natural do Alvão
Parque Natural do AlvãoPedro Peixoto
 
Áreas Protegidas de Portugal
Áreas Protegidas de PortugalÁreas Protegidas de Portugal
Áreas Protegidas de PortugalTatiana Losinska
 
Conceitos.em.imagens
Conceitos.em.imagensConceitos.em.imagens
Conceitos.em.imagensIdalina Leite
 
Promoção de Destino Turístico – Região Autónoma da Madeira_Renata Maia.pptx
Promoção de Destino Turístico – Região Autónoma da Madeira_Renata Maia.pptxPromoção de Destino Turístico – Região Autónoma da Madeira_Renata Maia.pptx
Promoção de Destino Turístico – Região Autónoma da Madeira_Renata Maia.pptxBrielSilca
 
Paisagens protegidas Gerês 8º ano
Paisagens protegidas Gerês 8º anoPaisagens protegidas Gerês 8º ano
Paisagens protegidas Gerês 8º anoCarolina
 
geografia-trabalho rio, serra e acidentes geograficos.pptx
geografia-trabalho rio, serra e acidentes geograficos.pptxgeografia-trabalho rio, serra e acidentes geograficos.pptx
geografia-trabalho rio, serra e acidentes geograficos.pptxsilviaestriga
 
Áreas Protegidas
Áreas ProtegidasÁreas Protegidas
Áreas Protegidasaveca
 
Parque natural da arrábida
Parque natural da arrábidaParque natural da arrábida
Parque natural da arrábidadavidjpereira
 
Os domínios morfoclimáticos
Os domínios morfoclimáticosOs domínios morfoclimáticos
Os domínios morfoclimáticosRosemildo Lima
 
Domínio morfoclimático [recuperado]
Domínio morfoclimático [recuperado]Domínio morfoclimático [recuperado]
Domínio morfoclimático [recuperado]Isabel Vitória
 

Semelhante a Parque Natural da Serra de S. Mamede (20)

Serra do Barroso e serra de sSão Mamede
Serra do Barroso e serra de sSão MamedeSerra do Barroso e serra de sSão Mamede
Serra do Barroso e serra de sSão Mamede
 
2014 12-11 - o relevo - ana bruno catarina - 10º h
2014 12-11 - o relevo - ana bruno catarina - 10º h2014 12-11 - o relevo - ana bruno catarina - 10º h
2014 12-11 - o relevo - ana bruno catarina - 10º h
 
Maravilhasdeportugal total 3anos
Maravilhasdeportugal total 3anosMaravilhasdeportugal total 3anos
Maravilhasdeportugal total 3anos
 
Problemas do declínio da floresta do mediterrâneo
Problemas do declínio da floresta do mediterrâneoProblemas do declínio da floresta do mediterrâneo
Problemas do declínio da floresta do mediterrâneo
 
Parque Natural do Alvão
Parque Natural do AlvãoParque Natural do Alvão
Parque Natural do Alvão
 
Áreas Protegidas de Portugal
Áreas Protegidas de PortugalÁreas Protegidas de Portugal
Áreas Protegidas de Portugal
 
As principais serras de portugal
As principais serras de portugalAs principais serras de portugal
As principais serras de portugal
 
Conceitos.em.imagens
Conceitos.em.imagensConceitos.em.imagens
Conceitos.em.imagens
 
Promoção de Destino Turístico – Região Autónoma da Madeira_Renata Maia.pptx
Promoção de Destino Turístico – Região Autónoma da Madeira_Renata Maia.pptxPromoção de Destino Turístico – Região Autónoma da Madeira_Renata Maia.pptx
Promoção de Destino Turístico – Região Autónoma da Madeira_Renata Maia.pptx
 
Paisagens protegidas Gerês 8º ano
Paisagens protegidas Gerês 8º anoPaisagens protegidas Gerês 8º ano
Paisagens protegidas Gerês 8º ano
 
geografia-trabalho rio, serra e acidentes geograficos.pptx
geografia-trabalho rio, serra e acidentes geograficos.pptxgeografia-trabalho rio, serra e acidentes geograficos.pptx
geografia-trabalho rio, serra e acidentes geograficos.pptx
 
Áreas Protegidas
Áreas ProtegidasÁreas Protegidas
Áreas Protegidas
 
Serra do caramulo
Serra do caramuloSerra do caramulo
Serra do caramulo
 
Cátia e rita (2)
Cátia e rita (2)Cátia e rita (2)
Cátia e rita (2)
 
Serra da estrela e serra da lousã
Serra da estrela e serra da lousãSerra da estrela e serra da lousã
Serra da estrela e serra da lousã
 
Parque natural da arrábida
Parque natural da arrábidaParque natural da arrábida
Parque natural da arrábida
 
áReas protegidas
áReas protegidasáReas protegidas
áReas protegidas
 
Os domínios morfoclimáticos
Os domínios morfoclimáticosOs domínios morfoclimáticos
Os domínios morfoclimáticos
 
Domínio morfoclimático [recuperado]
Domínio morfoclimático [recuperado]Domínio morfoclimático [recuperado]
Domínio morfoclimático [recuperado]
 
Mata dos medos
Mata dos medosMata dos medos
Mata dos medos
 

Mais de Pedro Peixoto

Transporte marítimo
Transporte marítimoTransporte marítimo
Transporte marítimoPedro Peixoto
 
Transporte tubular - gasodutos e oelodutos
Transporte tubular - gasodutos e oelodutosTransporte tubular - gasodutos e oelodutos
Transporte tubular - gasodutos e oelodutosPedro Peixoto
 
Transporte ferroviário - o comboio
Transporte ferroviário - o comboioTransporte ferroviário - o comboio
Transporte ferroviário - o comboioPedro Peixoto
 
Transporte rodoviário - o autocarro
Transporte rodoviário - o autocarroTransporte rodoviário - o autocarro
Transporte rodoviário - o autocarroPedro Peixoto
 
Transporte rodoviário - o camião
Transporte rodoviário - o camiãoTransporte rodoviário - o camião
Transporte rodoviário - o camiãoPedro Peixoto
 
Paises da europa rafael resende e joao pedro 7 e
Paises da europa rafael resende e joao pedro 7 ePaises da europa rafael resende e joao pedro 7 e
Paises da europa rafael resende e joao pedro 7 ePedro Peixoto
 
Acordos Bilaterais das Pescas na UE
Acordos Bilaterais das Pescas na UEAcordos Bilaterais das Pescas na UE
Acordos Bilaterais das Pescas na UEPedro Peixoto
 
A erosão costeira no Furadouro
A erosão costeira no FuradouroA erosão costeira no Furadouro
A erosão costeira no FuradouroPedro Peixoto
 
Obstáculos ao desenvolvimento - Angola
Obstáculos ao desenvolvimento - AngolaObstáculos ao desenvolvimento - Angola
Obstáculos ao desenvolvimento - AngolaPedro Peixoto
 
Parque Natural do Douro Internacional
Parque Natural do Douro InternacionalParque Natural do Douro Internacional
Parque Natural do Douro InternacionalPedro Peixoto
 
Parque Natural da Arrábida
Parque Natural da ArrábidaParque Natural da Arrábida
Parque Natural da ArrábidaPedro Peixoto
 
Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina
Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa VicentinaParque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina
Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa VicentinaPedro Peixoto
 
Parque Natural do Vale do Guadiana
Parque Natural do Vale do GuadianaParque Natural do Vale do Guadiana
Parque Natural do Vale do GuadianaPedro Peixoto
 
Parque Natural do Tejo Internacional
Parque Natural do Tejo InternacionalParque Natural do Tejo Internacional
Parque Natural do Tejo InternacionalPedro Peixoto
 

Mais de Pedro Peixoto (20)

Transporte
Transporte Transporte
Transporte
 
Transporte aéreo
Transporte aéreoTransporte aéreo
Transporte aéreo
 
Transporte fluvial
Transporte fluvialTransporte fluvial
Transporte fluvial
 
Transporte marítimo
Transporte marítimoTransporte marítimo
Transporte marítimo
 
Transporte tubular - gasodutos e oelodutos
Transporte tubular - gasodutos e oelodutosTransporte tubular - gasodutos e oelodutos
Transporte tubular - gasodutos e oelodutos
 
Metropolitano
MetropolitanoMetropolitano
Metropolitano
 
Transporte ferroviário - o comboio
Transporte ferroviário - o comboioTransporte ferroviário - o comboio
Transporte ferroviário - o comboio
 
Transporte rodoviário - o autocarro
Transporte rodoviário - o autocarroTransporte rodoviário - o autocarro
Transporte rodoviário - o autocarro
 
Transporte rodoviário - o camião
Transporte rodoviário - o camiãoTransporte rodoviário - o camião
Transporte rodoviário - o camião
 
Paises da europa rafael resende e joao pedro 7 e
Paises da europa rafael resende e joao pedro 7 ePaises da europa rafael resende e joao pedro 7 e
Paises da europa rafael resende e joao pedro 7 e
 
Acordos Bilaterais das Pescas na UE
Acordos Bilaterais das Pescas na UEAcordos Bilaterais das Pescas na UE
Acordos Bilaterais das Pescas na UE
 
O Porto de Lisboa
O Porto de LisboaO Porto de Lisboa
O Porto de Lisboa
 
A erosão costeira no Furadouro
A erosão costeira no FuradouroA erosão costeira no Furadouro
A erosão costeira no Furadouro
 
Obstáculos ao desenvolvimento - Angola
Obstáculos ao desenvolvimento - AngolaObstáculos ao desenvolvimento - Angola
Obstáculos ao desenvolvimento - Angola
 
Angola
AngolaAngola
Angola
 
Parque Natural do Douro Internacional
Parque Natural do Douro InternacionalParque Natural do Douro Internacional
Parque Natural do Douro Internacional
 
Parque Natural da Arrábida
Parque Natural da ArrábidaParque Natural da Arrábida
Parque Natural da Arrábida
 
Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina
Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa VicentinaParque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina
Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina
 
Parque Natural do Vale do Guadiana
Parque Natural do Vale do GuadianaParque Natural do Vale do Guadiana
Parque Natural do Vale do Guadiana
 
Parque Natural do Tejo Internacional
Parque Natural do Tejo InternacionalParque Natural do Tejo Internacional
Parque Natural do Tejo Internacional
 

Último

Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfEversonFerreira20
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasnarayaskara215
 

Último (20)

Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 

Parque Natural da Serra de S. Mamede

  • 1. Trabalho elaborado por :Diana Cortinhal Nº5 10ºTAR Serra de S. Mamede
  • 2. Estrutura de trabalho  Serra de S. Mamede  Vila de Marvão  Localização  Relevo  Hidrologia  Fauna  Flora  Habitats Naturais  Património Cultural  Património Construído  Sugestões de actividades  Sugestões de Alojamento
  • 3. Serra de S. Mamede  A criação do Parque Natural marca, em consonância com o seu património natural e paisagístico, o início de um processo de restauro dos sistemas agrícolas tradicionais da serra, em degradação desde finais do século XIX pelas campanhas cerealíferas.  O Parque Natural engloba a importante serra de São Mamede. Este é o único parque natural no Norte alentejano, e tem por missão a protecção dos recursos naturais e elementos da fauna e flora, mas e também a protecção geomorfológica e paisagem regionais.  A agricultura continua a ser a actividade económica dominante nesta região.  Na zona mais serrana, a norte, predomina a pequena e média propriedade, com uma utilização diversificada que resulta da consequente compartimentação do espaço: carvalhais, soutos e montados de sobro, alternando com olivais, pinhais e eucaliptais, e o sequeiro alternando com pequenos regadios e matos, nos terrenos de maior altitude.  A sul, a pequena e média propriedade é substituída pela grande propriedade, predominando a agricultura extensiva de sequeiro, por vezes em associação com o montado de sobro e azinho e a criação de gado.
  • 5.  O Parque Natural da Serra de S. Mamede (PNSSM) é uma Área Protegida, classificada através do Decreto-Lei 121/89 de 14 de Abril, e situa-se na região fronteiriça do Nordeste Alentejano.  Ocupa uma área aproximada de 31 750 hectares distribuídos por 4 concelhos: Portalegre, Castelo de Vide, Marvão e Arronches . Localização
  • 6. Clima  As características morfológicas do Parque Natural da Serra de S. Mamede influenciam o tipo de clima existente na região.  No verão o clima é seco e quente e no inverno é frio e chuvoso: é uma situação que ocorre devido à sua elevada altitude, que faz com que a serra sofra uma influência continental ibérica e uma atlântica.
  • 7. Relevo  A área do parque natural impõe-se por se elevar da peneplanície alentejana, englobando assim diferentes tipos de relevo:  A zona sul do Parque faz parte da peneplanície e apresenta um relevo suave e ondulado com uma altitude que varia dos 300 aos 400 metros.  É uma zona onde predominam os declives suaves.
  • 8. Hidrologia  A rede hidrográfica do Parque Natural integra cursos de água das bacias do Tejo e do Guadiana.  A existência destes cursos de água pertencentes a estas duas bacias hidrográficas são importantes porque são um facto pouco comum, senão único, no nosso país, ao nível das áreas protegidas.
  • 9. Fauna  Na Serra de S. Mamede predominam 40 aves, das quais se destacam espécies com estatuto de conservação da natureza.  Mamíferos:  Texugo • Toirão Doninha  Anfíbios e Répteis:  Lagarto-de- água • Tritão-ibérico
  • 10. Habitats naturais  A Serra de S. Mamede tem uma área com grande diversidade de habitats, devido às características geomorfológicas e climáticas da serra.  Montado de Azinho e Sobro  Carvalho Negral
  • 11. Património cultural  Na região do Parque Natural da serra de S. Mamede caracteriza-se por uma intervenção humana por pastores, agricultores e carvoeiros que foram provocando várias transformações no coberto vegetal, contribuíram para a mudança da paisagem e de habitats existentes.
  • 12. Património construído  Chafurdões - São técnica de construção que recorrem a lajes de granito ou xisto dispostas horizontal- mente que se constituem numa falsa cúpula. Uma porta, e por vezes uma pequena fresta que sobre ela se abre, são as únicas comunicações com o exterior.  Choças - Cortam-se as giestas que entrelaçadas e por vezes atadas cobrem completamente a estrutura de madeira previamente montada. Uma porta, por norma de vermelho possibilita o acesso ao interior.
  • 13. Continuação  Menir da Meada - Monólito de granito ,têm 7m de altura e um diâmetro máximo de 1,25m.
  • 14. Sugestões de actividades  No parque da Serra de S. Mamede pode-se fazer várias actividades.  Hipismo  Escalada e rapel  BTT (bicicleta todo o terreno)  Desportos aéreos  Canoagem.
  • 15. Sugestões de Alojamento  Na região do Parque Natural D serra de S. Mamede , encontra-se neste momento dotada de 21 unidades hoteleiras, sendo grande parte integradas nas categorias de pensões e residências .  1 parque de campismo  3 pensões  1 unidade de turismo em espaço rural  1 casa da natureza  1 estalagem