Valores subjetivos objetivos

2.641 visualizações

Publicada em

Filosofia Ética

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.641
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Valores subjetivos objetivos

  1. 1. Pedro Mota VALORES SUBJECTIVIDADE OU OBJECTIVIDADE?
  2. 2. Os valores – Análise e compreensão da experiência valorativa • Valores: • 1. Qualidades atribuídas a factos ou acções como bons ou maus, fundadas em critérios que justificam as nossas escolhas e preferências, e determinam o que que queremos ou não queremos que existam. • 2. Constituem a razão fundamental das nossas decisões. • 3. Orientam a nossa vida e influenciam as nossas decisões, determinando o que pensamos acerca do que é melhor e do que é pior, o que deve ser e o que não deve ser. • 4. Dão ao agente um motivo para agir. • A nossa relação com o mundo é em grande medida valorativa, pois preferimos ou rejeitamos constantemente os mais variados aspectos do mundo à nossa volta, seleccionando aqueles a que damos mais valor.
  3. 3. Os valores – Análise e compreensão da experiência valorativa • 1. Para responder à questão anterior devemos, em primeiro lugar, distinguir entre: Juízo de facto Juízo de valor Têm Valor de Verdade? SIM . O seu valor de verdade é independente das crenças ou dos gostos de quem os profere – é independente da perspectiva de qualquer sujeito. Talvez sim, talvez não. E se são verdadeiros ou falsos, talvez não o sejam independentemente dos gostos ou das crenças de quem julga. Talvez não o sejam independentemente da perspectiva de qualquer sujeito. São descritivos ou informativos? SIM. Se são verdadeiros dizem- nos, em parte como as coisas são e não como devem ser. A direcção da adequação é da realidade para o juízo. São em parte normativos. Dizem- nos como devemos avaliar as coisas. A direcção da adequação é do juízo para a realidade.
  4. 4. Os valores – Análise e compreensão da experiência valorativa • A diversidade dos valores : • Encontramos diversos tipos de valores que constituem o critério ou a razão de ser das nossas preferências : • (…) • Valores ético-políticos • Valores religiosos • Valores estéticos • (….) • As preferências valorativas variam: • De pessoa para pessoa • De grupo social para grupo social • De cultura para cultura Significa isto que não podemos avaliar objectivamente os valores?
  5. 5. A Questão da origem e fundamento dos valores: objectivismo e subjectivismo. •Avaliamos pessoas, leis políticas e as coisas segundo determinados critérios que decidam do seu valor. Como a justiça. Será que essas avaliações podem ser objectivamente correctas, ou seja, verdadeiras para todos e independentes da apreciação de cada um? •Concentremo-nos em juízos de valor de carácter moral como “matar pessoas inocentes é errado”, ou “a pena de morte é injusta”, ou em juízos estéticos como, por exemplo “x é belo” ou “x é uma obra de arte”. •Para compreender a sua natureza temos de responder a esta pergunta: •Os juízos de valor (por exemplo os juízos morais, ou estéticos) têm valor de verdade, ou seja, são objectivos, têm uma origem exterior ao indivíduo?
  6. 6. O problema dos critérios valorativos (1)
  7. 7. O problema dos critérios valorativos (2)
  8. 8. O problema dos critérios valorativos (3)
  9. 9. O problema dos critérios valorativos (4)
  10. 10. O problema dos critérios valorativos (4 A)
  11. 11. O problema da origem e fundamento dos critérios valorativos • Avaliamos as pessoas segundo determinados critérios, que fundam os valores como, por exemplo, a justiça ou o belo. • Problema: • 1. Será que essas avaliações podem ser objectivamente correctas? Afirmamos algo que é objectivamente bom ou mau? O bom e o mau são qualidades objectivas das coisas? São avaliações inerentes à sociedade como realidade exterior e independentes da nossa consciência pessoal? São ditadas por um poder transcendente?
  12. 12. PRIMEIRA RESPOSTA • Resposta 1: Objectivismo moral. O correcto é um valor próprio das coisas (boas ou más para nós), são os costumes sociais estabelecidos pensados como verdades absolutas, ou é ditado por Deus. • Quem responde afirmativamente defende que, afinal, não há uma diferença muito grande entre os juízos de facto e os juízos de valor; afirma que estes são verdadeiros ou falsos de uma forma objectiva. • Quem pensa assim tem uma perspectiva objectivista dos valores em geral ( neste caso dos valores éticos e estéticos). • O objectivismo defende que o critério dos valores é dado por algo exterior ao indivíduo, pelas propriedades da coisas, pela sociedade ou por Deus, sendo que esse critério é uma verdade absoluta.
  13. 13. HÁ OUTRA RESPOSTA POSSÍVEL • • Resposta 2: Subjectivismo moral. Não existem juízos morais ou estéticos(ou valores em geral) que ultrapassem o âmbito dos gostos e das preferências pessoais ou das nossas emoções (subjectivismo), ou ainda de uma cultura ou de uma época (relativismo). • Quem defende que os valores são uma questão de opinião individual adopta uma perspectiva chamada subjectivismo ou relativismo subjectivo. • O subjectivismo moral defende que os critérios dos valores têm origem na pessoa, em nós, que os seus critérios são os nossos desejos, as nossas preferências pessoais. Seriam estes critérios a determinar o que vale e o que não vale. • Sou eu quem determina o que é bom e o que é mau.
  14. 14. RESPOSTA 3 • Resposta 3: Relativismo cultural moral: Quem defende que o valor de verdade dos juízos de valor depende do que uma sociedade acredita ser verdadeiro ou falso adopta uma perspectiva denominada relativismo cultural. É a minha sociedade que determina o que é bom e o mau. • O relativismo cultural ou convencional moral é um meio-termo: os códigos morais são convenções, não têm carácter absoluto, mas também não se fundam num critério meramente subjectivo.

×