Pedro Lins: Os Nefilins, Um Pequeno Panorama

599 visualizações

Publicada em

Os Nefilins, uma série de estudos, videos e alguns comentários Bíblicos a respeito de Gênesis 6, sobre os filhos de Deus que possuíram, coabitaram com as filhas dos homens e delas geraram os Nefilins, os varões de renome, de grande fama da antiguidade.

Aqui o Autor, comenta e explica no horizonte de sua visão e opinião o quanto se pode entender sobre esta perspectiva o mundo atual, as "novas" espiritualidades que surgem e o engano que permeia a desinformação a respeito do Dilúvio e por sobre o que em grande parte da Bíblia os Evangélicos não gostam de discutir.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
599
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pedro Lins: Os Nefilins, Um Pequeno Panorama

  1. 1. Os Nefilins um p eque no pano rama Pedro Lins /pedrolins.com.br/os-nefilins
  2. 2. intro dução
  3. 3. Um pequeno panorama por sobre o medo A muito e muito tempo, eu sempre me perguntei, desde muito novo, a s e guinte questão: O q u e são Anjos, O que são espíritos imundos? Quem são estes? De q u e matér i a eles vieram? Quem poderia te-los criado? Es t es sendo maus, foram criados para este fim, certo? E se foram c r i ados para este fim, seria o seu criador extremamente m ais malé fico ai nda, e comparado a ciência dos humanos eu diria que ele t e ria uma das me ntes mais psicopatas, maléficas do mundo, correto? Até que ponto deve-se temer estes seres diabólicos? Es t es eram alguns de meus questionamentos por sobre estas dúvidas que h abi tavam minha mente. Inicia r tais perguntas e tecer tais respostas cabe um pequeno backgrou d , uma c u r ta aplicação, e até mesmo o porque de meu interesse para c om est e t ema. De sde muito novo, tive tais questionamentos para comigo mesmo a re spe i to de s te assunto, porem, por ter tido uma infância muito cont u rbada, desprovida de muita calma existêncial, cresci vivendo ext remos de ansiedade, pânico, medo e por ter tido um contato muit o no v o co m o Neo-Pentecostalismo, isso em mim acabou se tornando crônico , de modo que, eu não podia ficar instantes a sós no escuro, ja mais! Eu o uvia vo ze s , via vultos, criava em minha psique toda matéria orgâ nic a de f antas i as o bscuras, pois o meu repertório era infestado deste tip o d e cont eú do, e q u a n do se convive com isto, a única coisa que se pode produzir ou pe n sar é a re s peito de seu repertório! Dai o p o rque e ste medo encontrou morada em mim e dado aquele mo me nto , somatizou muito terror decorrido deste alimento podre do q u al eu desde muito cedo me alimentava. Em u m c e r to momento de minha existência precisei tomar decisões, pre cisei vi rar a chave da porta para procurar o desconhecido, e foi ai q u e , en co ntre i to das as respostas para a quantidade de mistérios que hav iam como “ que s tõ es” em mim.
  4. 4. Demônios, espíritos imundos, Anjos é tudo a mesma coisa? V iv e m o s e m um século “moderno” onde mesmo com tadas as c a racte r ís ti cas de modernidade, ainda assim, o amor é escandaloso, est e as s unto é bizarro, e falar de Cristo, o Cristo que não advêm do C ris ti ani s mo, é pior do que falar de qualquer Ovni, pois Cristo e a C ruz são e scandalosos, são bizarros demais. Fat o é que , s e você ousar tentar estabelecer um contato com uma c rianç a que t enha ou não contato com a religião que apresenta Jesus de ma ne ira mais po bre e i matura, tente estabelecer uma contato, tente traçar p e rfis im agé tico s e e m seguida converse sobre ovnis por exemplo. Vo cê ver á a desenvoltura da criança pra conversar sobre Ovnis, será muit o maio r do que falar sobre Jesus. Exa gero ³? Pois be m, co m todo este panorama dado, aqui, gostaria de citar sobre os De m ô nio s que, por uma visão Bíblica nós temos algumas par t iculari dades, temos alguns casos, mas não temos por exemplo um liv ro que s eja explicitamente entregue a elaborar, a exclarecer o que e s te s seres são. Porque? Ora , não é ne cessário! Simples, a seguir não só neste texto, mas nos pro ximo s vou exclarecer isso de forma a evidenciar visceralmente o q u e a B í blia no s coloca, nos ensina e você perceberá que, realmente não exist e a ne ce s sidade de separar por exemplo um livro para ser falado ape n a s dis s o . De st e modo, a Bíblia não tem uma “Demonologia” para explicar este s sere s, e la da-nos um panorama, da-nos uma visão para que saibamos disc ernir que m são estes, ou melhor, quem foram estes, e o material q u e t emo s nas e s crituras é o suficiente para que percorramos a respeito d e st e t ema e que assim possamos compreender o que de fato houve, mas ant e s é prec i s a voltar. S im, v oltar muito antes, voltar no início, voltar e tomar como referênc ia, o Gê n es i s . S im, para que essa viagem faça sentido e para que você deguste e a preci e e s s a viagem, será necessário ler Gênesis 6. Ire mo s le r juntos, se quiser, leia, já! Tome n o tas, pois a seguir teremos uma visão e saberemos discernier t ais dif e renças, ou que “diabo” é este que estes seres apareceram no mu nd o? Qu e o s cr i aram?
  5. 5. Os medos se tornam mistérios, e os mistérios esclarecimentos. Alguns mis té r i os dos quais eu os valorizava muito, se tornaram coisas inút eis, o utro s eu os achei interessantes e outros, os guardei pois disc er n i que eram mistérios que, de fato eram não essênciais, veja be m , não es s ê nc i as; porem, importantes para discernir muito do que hoje po uc o se co mpreende a respeito deste sistema, deste mundo que viv e em prol da matéria e não do espírito, que perde a alma mas não o c onhe ci me nto. Ass im , a par ti r deste momento, volto ao início, aos questionamentos exist ênci as, as perguntas, a partir daqui, eu gostaria de tecer argume ntos, não de base teológica, muito menos de questionamentos int e le ctuai s , não, aqui não vou perder meu tempo no “abobalhamento” em provar nada, não existe em mim tal idiotice. Ao co ntrári o , aqui depositarei toda a minha perspectiva e estudos com bas e em minha percepção para com este tema, estudos estes que, bus c a m trans cender, buscam e impulsionam a você ler, ouvir, dar razã o e se embre nhar nesta viagem que traz luz ao que é obscuro, mas traz lu z não porque e u digo, não só, mas porque o Evangelho é a base para q u e se e n te nda, e quando digo evangelho, estou dizendo Jesus, o Cristo, o Co rdei ro que foi imolado desde antes da fundação do mundo¹. E es s a ale g aç ão é forte o suficiente para iniciarmos dizendo que, na d a, ne m morte , nem vida, nem anjos nem potestades podem no separar do a m o r de Cr isto.² De st e modo, entenda estudos, quando digo, estudos, não como uma t er m ino loga e s tática, não como um simples conhecimento que se absorve por ler, não. Ma s que i r á fazer com que você faça a viagem para com este tema de u m a mane i ra que, tendo Cristo como sua chave interpreativa, t endo to da e qualquer informação com base, com luz no que está em Cr is to . Ne st e as pecto , com esta base, com esta chave; quero com isto, que a luz de Deus lhe forneça vida, percepção excluindo todo seu “m e d o”, pav or , pânico , dúvida, e substitua toda a “bizarrice” que por entre est e t ema ex is te , e que isso seja reajustado, por algo tão lúcido que, pro v a ve lmente nenhum livro de história, de ficção científica irá lhe pro po rci o nar , não, nem de perto. Ass im , quero que lucidez enconte morada em ti.
  6. 6. De s t e m o d o , cr eio que, a Bíblia, Os evangelhos, Cristo, o Dilúvio, Deus, a criaçã o , An jo s, Espíritos imundos, Demônios, Livros Apócrifos, o co nh e cim e n to, a árvore da Vida, Adão, Eva, Enoque, Caim, Sete, Abel , A árv or e d o conhecimento, os Profetas, os Nefilins, Os sentinelas, o Dilú vio a s or ações e por ai vai… Creio q u e tu d o isso irá se resignificar a você, creio que tudo isso fará co m q ue você faça uma viagem da qual, será uma das mais absolutas em pe rcep çõe s, em ter Cristo como sua ótica sua percepção para todo o o lha r, p o is se seu olhar é limpo, tudo será limpo4 . A ssim , inciar emos esta jornada, uma boa viagem!
  7. 7. Notas ¹ APC 13:18 ² R O M 8:38 ³ h t t p://www. cartoonnetwork.com/tv_shows/ben10/video/index.htm- l?at c lk_g n= un_video_Ben-10 -Omni ve r s e 4 T I TO 1:15

×