8 b grp07_trab1

3.901 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.901
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
104
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

8 b grp07_trab1

  1. 1. 100 Anos da implantação da republica em Portugal<br />GUERRA COLONIAL<br />E.B. 2/3 José Maria dos Santos - Área de Projecto 8ºB <br />Trabalho realizado por: <br />Joana Martins nº 10Patrícia Tavanez nº 17<br />
  2. 2. Guerra Colonial<br /><ul><li>Designa-se por Guerra Colonial ao período de confrontos entre as Forças Armadas Portuguesas e as forças organizadas pelos movimentos de libertação das antigas províncias ultramarinas. </li></ul>Mapa da Guerra<br />Fig.1 mapa das colónias portuguesas<br />
  3. 3. Guerra Colonial<br /><ul><li>A guerra Colonial portuguesa teve origem no dia 4 de Fevereiro de 1961 em Angola e terminou em Portugal, a 25 de Abril de 1974.
  4. 4. Esta guerra deu-se devido às colónias portuguesas nestes países africanos quererem atingir a sua independência.</li></li></ul><li>Guerra Colonial<br /><ul><li>Após a II Guerra Mundial todos os países europeus com excepção de Portugal foram concedendo a independência aos seus territórios na Ásia e em África.
  5. 5. Assim, Cabo Verde, Guiné, S. Tomé e Príncipe, Angola, Moçambique, o chamado "Estado da Índia" (constituído por Goa, Damão e Diu), Macau e Timor eram ainda colónias portuguesas.
  6. 6. Os primeiros territórios que Portugal perderia seria Goa, Damão e Diu.</li></li></ul><li>Guerra Colonial<br /><ul><li>Em 1955, a ONU recomendou ao governo tornar as suas colónias independentes, algo que não foi aceite.
  7. 7. Para tentar contornar a situação o regime declarou as colónias como "províncias ultramarinas" e concedeu a cidadania aos seus habitantes.
  8. 8. Tal medida foi reprovada internacionalmente pela Assembleia-Geral das Nações Unidas. </li></li></ul><li>Angola <br />Em 1961 marcou-se o inicio da grande rebelião em Angola pelos militantes do MPLA (Movimento Popular para a Libertação de Angola) em Luanda. <br />A 4 de Fevereiro e a 15 de Março, a UPA (União das Populações de Angola), posteriormente denominada FNLA (Frente Nacional de Libertação de Angola), inicia um conjunto de violentos ataques no norte da colónia.<br />Anos mais tarde, já com a presença da UNITA (União Nacional para a Independência Total de Angola), começa uma luta de guerrilha.<br />
  9. 9. Angola <br />A independência de Angola foi proclamada por António Agostinho Neto, primeiro Presidente da República Popular de Angola e do MPLA.<br />Foi às 23:00 horas do dia 11 de Novembro de 1975 que Agostinho Neto proclamava diante da África e do mundo Independência de Angola até então prospera colónia portuguesa em África.<br />Fig.2 António Agostinho Neto<br />
  10. 10. O conflito na Guiné-Bissau irá iniciar-se em 1963, com apenas uma organização política: o PAIGC (Partido Africano para a Independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde).<br />A guerra na Guiné colocou frente a frente dois homens de forte personalidade: Amílcar Cabral e António de Spínola.<br />Guiné-Bissau <br />VS.<br />Fig.3Amílcar Cabral <br />Fig.4António de Spínola <br />
  11. 11. Guiné-Bissau<br />Marcelo Caetano, em conflito com Spínola, dispensou o general do cargo de governador, que seria ocupado por Bettencourt Rodrigues a 21 de Setembro de 1973. <br />Três dias depois, o PAIGC declarava a independência do novo estado, em Madina do Boé. Curiosamente, nem Spínola nem Bettencourt estavam no terreno durante esta ocorrência.<br />
  12. 12. Em Moçambique, o movimento de libertação efectuou a sua primeira acção nos dias 24 e 25 de Setembro de 1964, num ataque a Chai, na província de Cabo Delgado, estendendo-se posteriormente ao Niassa, Tete e para o centro do território.<br />Moçambique <br />Fig.5 Mapa de Moçambique<br />
  13. 13. Moçambique <br />Relativamente a Moçambique, seria assinado a 7 de Setembro, em Lusaka, um acordo conducente à independência moçambicana. <br />Contudo, grupos organizados, num movimento contrário ao acordo, assaltaram as instalações da Rádio Clube de Moçambique, em Lourenço Marques e outras cidades, e seus emissores regionais, sugerindo a intervenção da África do Sul. <br />Esta tentativa desestabilizadora do processo de paz viria a fracassar, sob a acção das Forças Armadas Portuguesas.<br />
  14. 14. O Guerra teve fim devido ao descontentamento tanto por parte de populares, como de soldados. <br />Depois da revolução dos cravos a 25 de Abril de 1974, o regime liderado por Marcelo Caetano caiu e a política mudou bastante.<br />9 mil mortos e mais de 15 mil feridos portugueses, foi o balanço da guerra… <br />O fim da guerra <br />

×