Pré- Modernismo: Vanguardas europeias

790 visualizações

Publicada em

Dividi esse conteúdo em três aulas, onde pude explicar as características dos cinco principais movimentos de vanguarda que inspiraram a arte moderna.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
790
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pré- Modernismo: Vanguardas europeias

  1. 1. PROFESSOR PEDRO AGORA Vanguardas europeias
  2. 2. O que foram as vanguardas europeias ?  As vanguardas europeias foram manifestações artístico- literárias surgidas na Europa, nas duas primeiras décadas do Século XX, e vieram provocar uma ruptura da arte moderna com a tradição cultural do século anterior.  Com o advento da tecnologia, as consequências da Revolução Industrial, a Primeira Guerra Mundial e atmosfera política que resultou destes grandes acontecimentos, surgiu um sentimento nacionalista, um progresso espantoso das grandes potências mundiais, e uma disputa pelo poder. Várias correntes ideológicas foram criadas, como o nazismo, o fascismo e o comunismo, e também com a mesma terminação “ismo” surgiram os movimentos artísticos que chamamos de vanguardas. Todos pautavam-se no mesmo objetivo, que era o questionamento, a quebra dos padrões, o protesto contra a arte conservadora, a criação de novos padrões estéticos, que fossem mais coerentes com a realidade histórica e social do século que surgia.
  3. 3. O que foram as vanguardas europeias?  Estas manifestações se destacaram por sua radicalidade, a qual proporcionou que influenciassem a arte em todo o mundo.  No Brasil não poderia ser diferente, uma vez que este era o exato momento da história em que as manifestações artísticas estavam crescendo em nosso país, e que a maioria dos artistas se espelhavam nas tendências europeias, fosse para imitar-lhes, fosse para combater-lhes.
  4. 4. Os 5 “ismos”  No Brasil não poderia ser diferente, uma vez que este era o exato momento da história em que as manifestações artísticas estavam crescendo em nosso país, e que a maioria dos artistas se espelhavam nas tendências europeias, fosse para imitar-lhes, fosse para combater-lhes.  As vanguardas europeias passaram pela Literatura Brasileira deixando sua contribuição, especialmente ao somarem com a Semana de Arte Moderna e o movimento modernista, pois juntos vieram romper com a antiga estética que até então reinava em nosso país.  As cinco correntes vanguardistas que mais influenciaram o fazer literário no Brasil foram: Expressionismo, Cubismo, Futurismo, Dadaísmo e Surrealismo.  Vejamos um pouco de cada uma delas:
  5. 5. Cubismo
  6. 6. Cubismo  Teve maior representatividade entre os anos de 1907 e 1914, mais especificamente na pintura. Seu propósito era decompor, fragmentar as formas geométricas. Investia na subjetividade de interpretação das obras, afirmando que um mesmo objeto poderia ser visto de vários ângulos. Na literatura, caracteriza-se pela representação de uma realidade fragmentada, que é retratada por palavras dispostas simultaneamente, com o objetivo de formar uma imagem. Os principais artistas que representaram esta vanguarda foram: Pablo Picasso, Fernand Léger, André de Lothe, Juan Gris e Georges Braque, na pintura, e Apollinaire e Cendras na literatura.
  7. 7. Cubismo  O movimento cubista teve início na frança, em 1907, com o quadro Les demoiselles d’Avignon, do pintor espanhol Pablo Picasso. A partir de então, em torno de Picasso e do poeta francês Apollinaire formou-se um grupo de artistas que cultivaria as técnicas cubistas até o término da Primeira Guerra Mundial, em 1918.
  8. 8. Les demoiselles d’Avignon
  9. 9. Características cubistas na LITERATURA  Na literatura, essas técnicas da pintura correspondem à fragmentação da realidade, à superposição e simultaneidade de planos – por exemplo, reunir assuntos aparentemente sem nexo, misturar assuntos, espaços e tempos diferentes.  Assim, a literatura cubista apresenta características como ilogismo, humor, antiintelectualismo e instantaneísmo.
  10. 10. Poema cubista
  11. 11. Principais nomes na pintura cubista  Pablo Picasso  Fernand Léger  André de Lothe  Juan Gris  Georges Braque  Delaunay
  12. 12. Os acrobatas – Ferdnand Léger
  13. 13. Picasso: Factory in horta de Ebbo
  14. 14. Braque: Mulher com violão
  15. 15. Principais nomes na literatura cubista  Apollinaire  Blaise Cendras  Oswald de Andrade (Brasil)
  16. 16. Futurismo
  17. 17. Futurismo  Em 1909, a Europa é surpreendida pelo surgimento de uma nova vanguarda: o Futurismo. Com propostas mais organizadas que o Cubismo, o Futurismo é divulgado através de um manifesto assinado pelo seu lider, Fillipo Tommaso Marinetti. O grande estardalhaço do Futurismo é provocado pela polêmica figura de marinetti, que lança mais de 30 manifestos definindo diversos aspectos da nova vanguarda. Em todos, a mesma proposta violenta de destruição total do passado; a mesma exaltação pelas formas do mundo moderno: automóveis, aviões, em um eterno culto à velocidade que Marinetti, fascinado pelas novas tecnologias, vê como uma força mística.
  18. 18. continuação  Adotando uma perspectiva violenta, agressiva e iconoclasta, os futuristas exaltam “a bofetada e o soco” como meio de despertar o público da passividade em que se encontra. Por que o desejo de destruição, o fascínio pela guerra, o amor à violência? Embora não haja uma única resposta para tais perguntas, a exaltação da violência pode ser interpretada como um desejo de levar a humanidade a um ponto sem retorno. “ Nós queremos demolir os museus, as bibliotecas (...)” significa eliminar a possibilidade de o passado ser retomado como modelo, porque, com a destruição de seus símbolos e de sua memória, ele não existirá mais como referência.
  19. 19. Primeiro manifesto futurista em 1909
  20. 20. Fillipo Tommasio Marinetti, o pai do futurismo
  21. 21. Trecho do primeiro manifesto futurista  O primeiro manifesto futurista em 1909, por Filippo Tommasio Marinnetti.  Nós queremos cantar o amor, o hábito à energia e à temeridade.  Os elementos essenciais de nossa poesia serão a coragem, a audácia e a revolta.  Tendo a literatura até aqui enaltecido a imobilidade pensativa, o êxtase e o sono, nós queremos exaltar o movimento agressivo, a insônia febril, o passo ginástico, o salto mortal, a bofetada e o soco.  Nós declaramos que o esplendor do mundo se enriqueceu com uma beleza nova: a beleza da velocidade. Um automóvel de corrida com seu cofre adornado de grossos tubos como serpentes de fôlego explosivo... um automóvel rugidor, que parece correr sobre a metralha, é mais belo que a Vitória de samotrácia. (...)
  22. 22. Influências futuristas na literatura  As principais manifestações ocorrem na poesia italiana. Sempre a serviço de causas políticas, a primeira antologia sai em 1912. O texto é marcado pela destruição da sintaxe, dos conectivos e da pontuação, substituída por símbolos matemáticos e musicais. A linguagem é espontânea e as frases são fragmentadas para expressar velocidade. Os autores abolem os temas líricos e incorporam à poesia palavras ligadas à tecnologia. As ideias de Marinetti, mais atuante como teórico do que como poeta, influenciam o poeta cubista francês Guillaume Apollinaire (1880-1918). Na Rússia, o futurismo expressa-se principalmente na literatura.
  23. 23. Manifesto técnico da literatura Futurista  As propostas representam uma verdadeira revolução literária. Dentre elas destacam-se:  A destruição da sintaxe e a disposição das “palavras em liberdade”;  A abolição dos adjetivos e dos advérbios;  O emprego do substantivo duplo (praça-funil, mulher-golfo, por exemplo) em lugar do substantivo acompanhado de adjetivo;  A abolição da pontuação, que seria substituída por sinais da matemática (+,-,:, =, >, < ) e pelos sinais musicais
  24. 24. Uma literatura agressiva e provocadora  A violência que destrói as certezas e os modelos obriga o leitor a reagir. O processo de recepção da nova arte passa a ser, assim, mais dinâmico e interativo. Marinetti recomenda que os textos futuristas destruam a sintaxe, apresentando os substantivos “ao acaso, como nascem”. Os verbos devem ser usados no infinitivo, para que o leitor seja levado a participar da construção do sentido do texto. O líder futurista também recomenda abolir a pontuação, os adjetivos e os advérbios. O objetivo é sempre o mesmo: impedir que a literatura continue a exalar “a imobilidade pensativa”.
  25. 25. Poema Futurista de Marinnetti
  26. 26. Trecho de um poema futurista: Álvaro de Campos  [...] Sentir tudo de todas as maneiras, Viver tudo de todos os lados, Ser a mesma coisa de todos os modos possíveis ao mesmo tempo, Realizar em si toda a humanidade de todos os momentos Num só momento difuso, profuso, completo, longínquo.
  27. 27. Velocidade Abstrata: Giacomo Balla
  28. 28. Expressionismo
  29. 29. Expressionismo  No começo do século XX, na França e na Alemanha, surge um grupo de pintores chamados expressionistas. Curiosamente, o objetivo dos integrantes desse grupo era combater o Impressionismo, tendência da qual eles provinham. O impressionismo consistia em uma corrente da pintura que valorizava a impressão, isto é, era uma arte sensorial e subjetiva quanto ao modo de captação da realidade. Na relação entre o artista impressionista e a realidade, o movimento de criação vai do mundo exterior para o mundo interior.
  30. 30. Expressionismo  Já no Expressionismo ocorre o oposto: o movimento de criação parte da subjetividade do artista, do seu mundo interior, em direção ao mundo exterior. Assim, para o artista expressionista, a obra de arte é reflexo direto de seu mundo interior e toda a atenção dada à expressão, isto é, ao modo como forma e conteúdo livremente se unem para dar ao modo como forma e conteúdo livremente se unem para dar vazão às sensações do artista no momento da criação.
  31. 31. Expressionismo  A base do Expressionismo é o resultado de um processo criativo que supõe a perda do controle consciente durante a produção da obra de arte. A realidade não deve mais ser percebida em planos distintos (físico, psíquico, etc.), mas sim transformada em expressão.  O movimento expressionista é bastante influenciado pela Primeira Guerra Mundial, e seus quadros ressaltam um lado obscuro da humanidade, retratando faces marcadas pela angústia e pelo medo.
  32. 32. O grito. 1893. Edvard Munch
  33. 33. Sangue no céu de Nordstrand Na tela O grito, as linhas retorcidas e as cores fortes contribuem para criar um clima de aflição e angústia que parecem ecoar no grito que dá nome à obra. Em seu diário, Munch escreve sobre o entardecer de Nordstrand, cidade da Noruega, que inspirou o quadro:
  34. 34. Sangue no céu de Nordstrand “ Eu estava a passear cá fora com dois amigos e o sol começava a pôr-se, de repente o céu ficou vermelho, cor de sangue. Eu parei, sentia-me exausto e apoiei-me a uma cerca, havia sangue e línguas de fogo por cima do fiorde azul-escuro e da cidade. Os meus amigos continuaram a andar e eu ali fiquei, de pé, a tremer de medo, e senti um grito infindável atravessar a Natureza”.
  35. 35. Dadaísmo: A antiarte
  36. 36. Segundo o próprio Tazara: “Dadá não significa nada”. Em 1916, durante a Primeira Guerra Mundial, o romeno Tristan Tzara espanta o mundo com mais uma vanguarda: o Dadaísmo, ou Dadá, a mais radical e a menos compreensível de todas as vanguardas. O Dadá vem para abolir de vez a lógica, a organização, o olhar racional , dando à arte um caráter de espontaneidade total. A falta de sentido já é anunciada no nome escolhido para a vanguarda.
  37. 37. “Sou por princípio contra os manifestos, como sou também contra os princípios”. O principal problema de todas as manifestações artísticas está, segundo os dadaístas, em almejar algo impossível: explicar o ser humano. Em mais uma afirmação retumbante, Tzara decreta: “A obra de arte não deve ser a beleza em si mesma, porque a beleza está morta”. Em 21 de fevereiro de 1935, Tzara declara suas opiniões sobre as próprias vanguardas de modo desafiador:
  38. 38. A destruição também é criação O movimento promovia o "terrorismo cultural", pois negava todas as tradições sociais e artísticas. Tinha como base o niilismo (descrença absoluta), o ilogismo (ausência de lógica ou de regras) e o slogan "a destruição também é criação".  Na arte, havia grande admiração pela arte abstrata e cultuava a realidade mágica da infância: "Mona Lisa com bigodes, de Marcel Duchamp
  39. 39. O Dadá e o contexto histórico  O Dadaísmo surgiu na Suíça durante a Primeira Guerra Mundial. A suíça era um país neutro no conflito, e serviu de abrigo para alguns intelectuais “fugidos da guerra”. O ponto de encontro era na cidade de Zurique, mais especificamente no espaço cultural Cabaret Voltaire, onde nasce o movimento. Criado a partir do clima de instabilidade, medo e revolta provocado pela guerra, o movimento dadá pretendia ser uma reposta à nítida decadência da civilização representada pelo conflito. Daí provém
  40. 40. O Dadá e o contexto histórico  a irreverência, o deboche, a agressividade e o ilogismo dos textos e das manifestações dadaístas. Os dadás entendiam que, com a Europa banhada de sangue, o cultivo da arte não passava de hipocrisia e presunção. Por isso, adotaram a postura de ridicularizá-la, agredi-la, destruí-la.
  41. 41. Marcel Duchamp e o “ready-made”
  42. 42. Ready-made  Marcel Duchamp (1887- 1968) criou uma técnica chamada “ready-made”. Com essa técnica, Duchamp satirizava o mito mercantilista da civilização capitalista extraindo um objeto do seu uso cotidiano e, sem nenhuma ou com pequenas alterações , atribuia-lhe um valor artístico.
  43. 43. Ready-made  Ficaram famosos certos objetos, como um urinol de porcelana ( A fonte ), uma roda de bicicleta enxertada numa cadeira, um rolo de cordas, uma ampola de vidro, um suporte para garrafas, todos elevados por Duchamp à condição de objetos de arte.
  44. 44. Roda de bicicleta. Marcel Duchamp -1913
  45. 45. A Fonte (1917)
  46. 46. Duchamp e seu discípulo  A Fonte é um urinol de porcelana branco, considerado uma das obras mais representativas do dadaísmo na França, criada em 1917, sendo uma das mais notórias obras do artista Marcel Duchamp. O objeto foi vandalizado em 6 de janeiro de 2006, no centro Pompidou, em Paris, por um francês de 77 anos que atacou com um martelo.
  47. 47. Duchamp e seu discípulo  O vândalo foi detido logo em seguida e alegou que o ataque com o martelo era uma performance artística e que o próprio Marcel Duchamp teria apreciado tal atitude. A obra sofreu apenas escoriações leves. Em janeiro de 2006, estimava- se que a obra valeria cerca de 3 milhões de euros.
  48. 48. Dadaísmo na literatura  Na literatura, o Dadaísmo procurava chocar o público. Agressividade, improvisação, desordem, rejeição a qualquer tipo de racionalização e equilíbrio, estavam presente nos textos. O acaso substituiu a inspiração e a brincadeira tomou o lugar da seriedade. Invenção de palavras com base na sonoridade.
  49. 49. Exemplo de poema dadaísta  Die Schlacht (A Batalha), de Ludwig Kassak Berr... Bum, bumbum, bum... Ssi... Bum, papapa,bum, bumm Zazzau... Dum, bum, bumbumbum Prä, prä, prä... râ, äh-äh, aa... Haho...
  50. 50. Receita para fazer um poema - por Tristan Tzara  Pegue um jornal  pegue a tesoura  escolha no jornal um artigo do tamanho que você deseja dar a seu poema  recorte o artigo  recorte em seguida com atenção algumas palavras que formam esse artigo e meta-as num saco  agite suavemente  tire em seguida cada pedaço um após o outro  copie conscienciosamente na ordem em que elas são tiradas do saco  o poema se parecerá com você  e ei-lo um escritor infinitamente original e de uma sensibilidade graciosa, ainda que incompreendido do público
  51. 51. Eis,então, um poema dadaísta
  52. 52. Surrealismo A persistência da memória – Salvador Dalí- 1931
  53. 53. Surrealismo  O movimento surrealista tem início na França a partir da publicação do Manifesto do Surrealismo (1924), de André Breton. Diversos pintores aderem ao movimento, interessados nas propostas de Breton, que, tendo sido psicanalista, procura unir arte e psicanálise. Duas são as linhas de atuação do surrealismo em seu início: as experiências criadoras automáticas e o imaginário extraído do sonho
  54. 54. Pintura surrealista
  55. 55. Pintura surrealista
  56. 56. Surrealismo: O grito da mente  “ O Surrealismo não é um estilo. É o grito da mente que se volta para si mesma.” Assim o ator e escritor Antonin Artaud definiu a última das vanguardas europeias. Fortemente ligado às artes visuais, o Surrealismo é uma vanguarda interessada em adquirir um maior conhecimento do ser humano. Seus seguidores pretendem, por meio da valorização da fantasia, do sonho, do interesse pelo loucura, liberar o inconsciente humano, terreno fértil e ainda muito pouco explorado. O fascínio pelo inconsciente e por todas as formas que vão além da realidade objetiva aproxima os surrealistas da teoria psicanalítica de Sigmund Freud.
  57. 57. Pintura de salvador Dalí
  58. 58. A desintegração da persistência da Memória
  59. 59. A caravela
  60. 60. 1944 – Sonho causado pelo voo de uma abelha...
  61. 61. Cisnes refletindo elefantes
  62. 62. O ovo cósmico
  63. 63. Literatura Surrealista  O grande nome da literatura surrealista é André Breton. Em 1924, ele publica em Paris o Manifesto do Surrealismo, em que define o espírito e os objetivos da nova vanguarda. Na literatura, a liberação do inconsciente deve ser alcançada com o auxílio da escrita automática. No manifesto, André Breton ensina como usar o automatismo para fazer emergir o inconsciente.
  64. 64. Literatura Surrealista “Mandem trazer algo com que escrever, depois de se haverem estabelecido em um lugar tão favorável quanto possível à concentração do espírito sobre si mesmo. Ponham –se no estado mais passivo, ou receptivo que puderem. Façam abstração de seu gênio, de seus talentos e dos de todos os outros .
  65. 65. Literatura Surrealista “Digam a si mesmos que a literatura é um dos mais tristes caminhos que levam a tudo. Escrevam depressa, sem um assunto preconcebido, bastante depressa para não se conterem e não serem tentados a reler. A primeira frase virá sozinha, tanto é verdade que a cada segundo é uma frase estranha a nosso pensamento consciente que só pede para se exteriorizar.”
  66. 66. Resultado...  O resultado desse processo é sempre um texto em que as relações lógicas não servem de apoio para o leitor, porque as imagens criadas não encontram equivalente no mundo conhecido. Privado das bases racionais de análise, não resta ao leitor outra saída a não ser entregar-se ao universo de sonho proposto pelo texto.
  67. 67. Poema de Murilo Mendes  No Brasil, o Surrealismo lança suas raízes na obra do modernista Murilo Mendes, que procura, em vários poemas, construir imagens que trazem à tona o misterioso inconsciente.  Aproximação do Terror Dos braços do poeta Pende a ópera do mundo (Tempo, cirurgião do mundo):- O abismo bate palmas, A noite aponta o revólver. Ouço a multidão, o coro do universo, O trote das estrelas Já nos subúrbios da caneta: As rosas perderam a fala. Entrega-se a morte a domicílio. Dos braços... Pende a ópera do mundo.

×