Licenciatura em Relações Internacionais
Ano Letivo 2013 – 2014
1º Ano
História das Relações Internacionais
Avaliação Contí...
1
Nota Introdutória
A Europa do século XIX é, por vezes, apresentada como um modelo de um
sistema de equilíbrio de poder m...
2
Dado o primeiro passo, Bismarck inicia negociações com as potências
continentais. A aproximação à dupla monarquia austro...
3
de contacto com Londres e São Petersburgo. A diplomacia do chanceler de ferro triunfa
e a França nunca esteve tão isolad...
4
O Império Alemão vai viver um autêntico isolamento. A Europa encontra-se
dividida em dois blocos antagónicos (Milza, 200...
5
Bibliografia
Bismarcke Guilherme II:a Alemanha de Aço (1871-1914). (2003-2014). Obtidoem 20 de Março
de 2014, de Infopéd...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Alemanha: Análise do seu papel definidor de dinâmicas de cooperação e conflito durante o Século XIX e do seu estatuto no início da 1ª Guerra Mundial e em 1918

316 visualizações

Publicada em

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
316
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alemanha: Análise do seu papel definidor de dinâmicas de cooperação e conflito durante o Século XIX e do seu estatuto no início da 1ª Guerra Mundial e em 1918

  1. 1. Licenciatura em Relações Internacionais Ano Letivo 2013 – 2014 1º Ano História das Relações Internacionais Avaliação Contínua Elemento de Avaliação 2 Ficha Temática nº 1 Alemanha: Análise do seu papel definidor de dinâmicas de cooperação e conflito durante o Século XIX e do seu estatuto no início da 1ª Guerra Mundial e em 1918 Ana Oliveira A71256 Marta Silva A71299 Pedro Rocha A72100 Vânia Sousa A70954 Abril de 2014
  2. 2. 1 Nota Introdutória A Europa do século XIX é, por vezes, apresentada como um modelo de um sistema de equilíbrio de poder multipolar (Joseph S. Nye, 2002). É certo que, este sistema, produziu o mais longo intervalo sem conflito mundial. No entanto, esta estrutura é profundamente abalada maioritariamente pela Alemanha que ditou as dinâmicas de cooperação e conflito durante o século XIX e do seu estatuto no início da 1ª Guerra Mundial em 1918. Neste sentido, é necessário numa primeira fase analisarmos os primórdios da Europa bismarkiana em que se esboça a densa rede de alianças bem como o seu principal obreiro – Otto von Bismarck. A Europa Bismarquiana Otto von Bismarck, estadista prusso-germano, é um dos vultos mais distintos da história das relações internacionais que merece uma cuidada análise ao nível do indivíduo. Político hábil e diplomata de sucesso, seguindo fielmente a premissa do Realpolitik, Bismarck era dotado de uma personalidade ímpar e sempre prudente nas opções que fazia, nomeadamente nas alianças que formava. Graças ao pragmatismo de Bismarck, foi possível iniciar o grandioso e árduo projeto da união alemã. De facto, o processo de unificação vai ser executado a «ferro e fogo» (Excerto do discurso "Sague e Ferro" de Bismarck (1862, s.d.) e que irá culminar na última etapa de unificação - a guerra franco-prussiana de 1870-1871 - onde os germânicos levaram a melhor sobre os gauleses. O conflito franco-prussiano termina em 1871, um ano de referência na História das Relações Internacionais. Consequentemente consagra-se a supremacia do II Reichno continente com aproclamação do Império Alemão na Salados Espelhos em Versalhes. O seu primeiro sistema (1871-1878) passava por manter no continente um statu quo territorial favorável ao seu país (Milza, 2007), garantir que a França se restringia ao seu isolamento diplomático de modo a tornar impossível a desforra francesa e impedir um possível alinhamento francês com outra potência europeia. Cumprir estes objetivos só seria possível com um tratado consistente que restringisse qualquer movimento diplomático francês. O Tratado de Frankfurt assegurava isso.
  3. 3. 2 Dado o primeiro passo, Bismarck inicia negociações com as potências continentais. A aproximação à dupla monarquia austro-húngara processou-se sem dificuldades, mas Bismarck quis ir mais longe. O chanceler alemão pretendia que o Império Russo entrasse no seu jogo, tarefa que, à primeira vista, não seria difícil de concretizar já que não existia nenhum antagonismo entre Alemanha e a Rússia. Era necessário, ao mesmo tempo, certificar que as ambições austríacas não colidissemcom as russas. E, mais uma vez, Bismarck mostra a sua habilidade e o seu maquiavelismo (Milza, 2007). Alexandre II julga preferível juntar-se-lhes, formalizando assima Liga dos Três Imperadores em 1873 dedicada a conter os impulsos revolucionários (objetivo similar ao Concerto da Europa). Esta efémera aliança apresentou alguns problemas e não dissipou o dilema das rivalidades austro-russas na península balcânica. O problema agudiza-se com o Congresso de Berlim em 1878 e Bismarck continuava a não conseguir resolver o problema da hostilidade austro-húngara, amplificando o descontentamento da Rússia. O primeiro sistema bismarquiano acaba por colapsar. Desta forma, esta Liga só veio comprovar que era impossível a existência de uma aliança emque coexistissem uma Áustria-Hungria e uma Rússia. Mas Bismarck não desistiu e abrem-se as portas ao seu segundo sistema (1879-1886), tentando garantir o isolamento da França através de uma aliança austro-alemã que tomou corpo na Dupla Aliança. Apesar de garantir a satisfação da Austro-Hungria, este tratado não protegia a Alemanha a ocidente, pois a Áustria-Hungria limitava-se à neutralidade. A teia de alianças adensou-se coma adesão da Itália à Dupla Aliança que criou a Tripla Aliança consequentemente em 1882. É certo que Bismarck não nutria grandes simpatias com a Itália, mas não desprezava este estado que possuía o desejo de ascender a grande potência europeia. Bismarck consegue assim reunir, na mesma rede de alianças, a Áustria e a Rússia, mas a máquina de alianças bemoleada não tarda a dar sinais de problemas. No entanto, o sistema bismarquiano atinge o seu apogeu quando se renova a Tripla Aliança. Paralelamente, Bismarck efetua outros acordos, nomeadamente o tratado secreto de Resseguro que tentou manter a aliança com o Imperio Russo após a dissolução da Liga e evitar a «coligação-pesadelo» fraco-russa. A Alemanha encontrasse agora ligada à Áustria-Hungria e à Itália. Bismarck consegue, também, manter uma linha
  4. 4. 3 de contacto com Londres e São Petersburgo. A diplomacia do chanceler de ferro triunfa e a França nunca esteve tão isolada como em 1887. A Alemanha encontra-se agora no centro da vida internacional (Milza, 2007). O Termo da Europa de Bismarck Em 1888 o Kaiser Guilherme II, um jovem de 27 anos que ansiou desde o início reunir em si todas as responsabilidades do poder, principalmente os destinos da política externa do Império, sobe ao trono do Império Alemão, mas rapidamente entrou em choque e desacordo com grande parte das posições do velho chanceler. Face a divergências nos domínios da política interna e, nomeadamente, na forma de conduzir a política externa do Império, Bismarck é obrigado a deixar o poder em 1890. Guilherme II, fortemente influenciado pela premissa do Weltpolitik, adota uma nova política externa que vai lançar o Império Alemão não sóem novas iniciativas navais e coloniais de grande dimensão, mas também na inauguração de um ambicioso projeto de expansão das forças navais chefiadas pelo almirante Tirpitz. De facto, Kaiser vai substituir o sistema demasiado europeu por uma política mundial. O Império alemão preparava-se, assim, para adquirir o seu «lugar ao sol», mas chegara atrasado à competição imperialista uma vez que que as colónias mais atraentes já se encontravam ocupadas. Um importante facto deste pico de expansão colonial é que vai servir como uma válvula de segurança para aliviar as tensões europeias. Na ótica do Kaiser e de Tirpitz, só uma forte armada poderia inclinar a balança de poder para seu lado e pôr termo ao poderio naval da Grã-Bretanha. De facto, os espetaculares progressos navais do II Reich fizeram tremer a hegemonia britânica, levando os britânicos a romper com a sua política de containment e a formalizarem a Entente cordiale com a França em 1904. O Kaiser, no meio da sua política externa desastrada, vai desprezar a Rússia, não renovando o tratado de Resseguro. Face a este desprezo, o czar vai iniciar uma aproximação à França com a assinatura de vários acordos. A relação com a Itália degrada-se igualmente, não rompendo os seus compromissos com a Tripla Aliança e iniciando uma aproximação à França. A política bismarquiana, que visava o isolamento diplomático da França, colapsara. Guilherme II não revelara a capacidade de renovar o sistema do velho chanceler o que resultou no isolamento europeu do Império Alemão.
  5. 5. 4 O Império Alemão vai viver um autêntico isolamento. A Europa encontra-se dividida em dois blocos antagónicos (Milza, 2007) e, dentro de cada aliança, as rivalidades estão atenuadas, embora entre um campo e outro estejam exacerbadas. A Europa vai assistir a crises cada vez mais fortes e frequentes que vão ameaçar a paz europeia, provocadas pelas ambições nos Balcãs. Vivendo um autêntico «cerco» desde 1907, a Alemanha não vai desperdiçar uma oportunidade para quebrar o círculo de amizades francesas, mas, por outro lado, vai reunir esforços para criar um clima de desconfiança e de desinquietação que vai despoletar a corrida aos armamentos. Este ambiente tenso atingiu o seu clímax e ponto sem retorno em 1914. O detonador vai ser uma questão estritamente europeia - o assassinato do herdeiro do trono da Áustria- Hungria em Sarajevo. A 3 de Agosto de 1914 a espada sobrepõem-se ao diálogo e o conflito inevitável eclode. 1918 – Um novo capítulo da história alemã A Alemanha chega ao início da guerra com um estatuto de um Império isolado, pouco credível e pouco previsível o que suscitavareceio nas outras potências. Não havia certezas das intenções dos alemães devido à confusa política do Kaiser. O conflito mortífero desenrolou-se de uma forma global nunca antes vista, é certo, mas importa neste momento analisar o estatuto da Alemanha saída da Guerra. O armistício foi assinado entre os Aliados e a Alemanha a 11 de novembro de 1918, seguindo-se o humilhante tratado de Versalhes em 1919. A agitação social crescente chegou ao ponto de levar o desacreditado Kaiser Guilherme II a abdicar e restringir-se ao exílio. Internamente, o ambiente vivido no seio do Império era propício a uma convulsão social. A influência da Revolução Russa de 1917 chegava ao território alemão e acrescente força daInternacional Comunista fazia-sesentir.A efervescênciadas ideias mais marxistas e esquerdistas na Alemanha era inevitável. Os polos de proliferação comunista começaram a florescer ao longo de toda a Alemanha. A Revolução Alemã, que eclodiu em 1918, só terminaria em 1919 com a instituição da Constituição da República de Weimar. No mesmo ano a Alemanha fragilizada iria ser humilhada pelo diktat de Versalhes. Só restava ao povo reergue-se e reconstruir. Um novo capítulo da história alemã inicia-se.
  6. 6. 5 Bibliografia Bismarcke Guilherme II:a Alemanha de Aço (1871-1914). (2003-2014). Obtidoem 20 de Março de 2014, de Infopédia:http://www.infopedia.pt/$bismarck-e-guilherme-ii-a-alemanha- de-aco Excerto do discurso "SagueeFerro" de Bismarck(1862. (s.d.).(GermanHistorical Institute) Obtidoem20 de Março de 2014, de GermanHistoryinDocumentsand Images: http://germanhistorydocs.ghi- dc.org/sub_document.cfm?document_id=250&language=english Ferro,M. (1969). História da Primeira Guerra Mundial. Lisboa:Edições70. Huntzinger,J.(1987). Introdução àsRelaçõesInternacionais. PE-Edições. Joll,J.(1995). A Europa desde1870 (2ª ediçãoed.).Lisboa:DomQuixote. JosephS.Nye,J.(2002). CompreenderOsConflitosInternacionais:Uma Introduçãoà Teoria e à História (3ª ediçãoed.).Lisboa:Gradiva. Milza,P. (2007). As RelaçõesInternacionaisde1871 a 1914. Lisboa:Edições70. Otto von Bismarck.(s.d.).Obtidoem 19 de Março de 2014, de Infopédia: http://www.infopedia.pt/$otto-von-bismarck Silva,B.N. (s.d.). German Foreign Policy underWilliam IIfrom1890-1913. Obtidoem18 de Março de 2014, de SILVAPAGES: http://ibatpv.org/projects/germany/2ndreich/foreign.policy.williamII.htm Silva,B.N. (s.d.). TheBismarckian AllianceSystem.Obtidoem17 de Março de 2014, de SILVAPAGES: http://ibatpv.org/projects/germany/2ndreich/bismarckian_alliance_system.htm

×