SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: ______. Estética da criação verbal. São Paulo:
Martins Fontes, 1992. p. 277-326.
Cíntia Martins
Objetivo do texto: É discutir os problemas encontrados nos gêneros do discurso, já
que eles foram deixados de lado no estudo da língua, preteridos pelo estudo específico dos
gêneros literários, gêneros retóricos e gêneros do discurso cotidiano.
Destaques:
I – “... o problema geral dos gêneros nunca tenha sido colocado. (...) O problema de
lingüística geral colocado pelo enunciado, e também pelos diferentes tipos de enunciados,
quase nunca foi levado em conta”. (p. 280)
Nesta parte o autor especifica o que são exatamente os gêneros do discurso,
para que possa, posteriormente, tratar dos problemas do mesmo, como é o seu
objetivo. A lingüística geral do enunciado, então, é o que será levado em conta pelos
gêneros do discurso, enquanto os outros tipos de gênero estudam a arte, a natureza
verbal do enunciado e o discurso cotidiano oral.
II – “Importa (...) a diferença essencial existente entre o gênero de discurso primário
(simples) e o gênero de discurso secundário (complexo). Os gêneros secundários do discurso
(...) aparecem em circunstâncias de uma comunicação cultural. (...) Os gêneros primários (...)
perdem sua relação imediata com a realidade existente”. (p.281)
III – “Nem todos os gêneros são igualmente aptos para refletir a individualidade na
língua do enunciado, ou seja, nem todos estão propícios ao estilo individual”.(p. 283)
A primeira problemática a cerca os gêneros do discurso é apresentada. O
vínculo encontrado entre as definições de estilo e de gênero é notado pelo autor, mas
não havia sido citado nos estudos anteriores dos outros autores de classificação.
IV – “O problema geral dos princípios metodológicos aplicáveis ao estudo das
correlações existentes entre léxico e a estilística do outro, baseiam-se nesse mesmo problema
do enunciado e dos gêneros do discurso”. (p. 286)
Outro problema é apresentado. Este é o mais importante e o escolhido pelo
autor para ser aprofundado no restante do texto. A metodologia deve ser considerada
nos estudos sobre gêneros do discurso. É necessário entender a natureza do
enunciado no contexto dos gêneros do discurso para que o problema da metodologia
seja solucionado. Assim, as relações entre o estilo e os gêneros, discutidas
anteriormente no texto, são fundamentais para solucionar esse segundo problema.
V – “Na lingüística, até agora, persistem funções tais como o ‘ouvinte’ e o ‘receptor’
(...) Não se pode dizer que esses esquemas são errados e não correspondem a certos aspectos
reais, mas quando estes esquemas pretendem representar o todo real da comunicação verbal se
transformam em ficção científica”. (p. 290)
VI – “A vaga palavra ‘discurso’ que se refere indiferentemente à língua, ao processo
da fala, ao enunciado, a uma seqüência (de comprimento variável) de enunciados, a um
gênero preciso do discurso, etc., esta palavra, até agora, não foi transformada pelos lingüistas
num termo rigorosamente definido e de significação restrita”. (p. 192 e 193)
VII – “... nada impede que o enunciado seja constituído de uma única oração, ou de
uma única unidade de fala (o que acontece sobretudo na réplica do diálogo), mas não é isso
que converterá uma unidade da língua numa unidade da comunicação verbal”. (p. 297)
Bakhtin conceitua ‘oração’ para estabelecer relações entre ela e o enunciado.
Trata-se da análise de mais um problema nos estudos lingüísticos (os quais ele já
vinha tratando durante o texto). O problema agora é com o fato de a oração ser
entendo da como uma unidade da língua.
VIII – “A totalidade acabada do enunciado que proporciona a possibilidade de
responder (de compreender de modo responsivo) é determinada por três fatores
indissociavelmente ligados no todo orgânico do enunciado: 1) o tratamento exaustivo do
objeto do sentido; 2) o intuito, o querer-dizer do locutor; 3) as formas típicas de estruturação
do gênero do acabamento”. (p. 299)
Ao explicitar os fatores ligados à noção de enunciado, o autor aprofunda o
tema geral do texto, que são os gêneros do discurso. Essa informação é importante
para o leitor, na medida em que esclarece as formas de apresentação possíveis a um
enunciado e ajuda a compreender os gêneros do discurso e o próprio enunciado.
IX – “O querer-dizer do locutor se realiza acima de tudo na escolha de um gênero do
discurso. Essa escolha é determinada em função da especificidade de uma dada esfera da
comunicação verbal, das necessidades de uma temática (do objeto do sentido), do conjunto
constituído dos parceiros, etc.” (p. 301)
Bakhtin parte para o fator mais importante dentre a seleção de problemas
inseridos na problemática metodológica: as formas estáveis do gênero do enunciado.
Assim, trata da escolha do gênero como sendo o ponto de partida para a
comunicação.
X – “A quem se dirige o enunciado? Como o locutor (ou o escritor) percebe e imagina
seu destinatário? Qual é a força da influência deste sobre o enunciado? É disso que depende a
composição, e sobretudo o estilo, do enunciado. Cada um dos gêneros do discurso, em cada
uma das áreas da comunicação verbal, tem sua concepção padrão do destinatário que o
determina como gênero.” (p. 321)
XI – “Uma análise estilística que queira englobar todos os aspectos do estilo deve
obrigatoriamente analisar o todo do enunciado e, obrigatoriamente, analisá-lo dentro da cadeia
da comunicação verbal de que o enunciado é apenas um elo inalienável”. (p. 326)
O autor conclui sua idéia com a reafirmação de que todo o enunciado deve ser
analisado para que o discurso seja estudado nos moldes dos gêneros do discurso. Os
problemas não podem, de forma alguma, serem deixados de lado nessa análise. Se
isso acontecer, o elo comunicacional sairá prejudicado no estudo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoO funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoFrancione Brito
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTOMarcelo Cordeiro Souza
 
Texto literário e texto não literário
Texto literário e texto não literárioTexto literário e texto não literário
Texto literário e texto não literáriovinivs
 
AULA REDAÇÃO - 11-02.pptx
AULA REDAÇÃO - 11-02.pptxAULA REDAÇÃO - 11-02.pptx
AULA REDAÇÃO - 11-02.pptxLinoReisLino
 
Gênero - Memória Literária
Gênero - Memória LiteráriaGênero - Memória Literária
Gênero - Memória LiteráriaKetheley Freire
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literaturafabrinnem
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaJirede Abisai
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaElza Silveira
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15GernciadeProduodeMat
 
GÊNEROS DISCURSIVOS
GÊNEROS DISCURSIVOSGÊNEROS DISCURSIVOS
GÊNEROS DISCURSIVOSmarianna65
 

Mais procurados (20)

Gerativismo
GerativismoGerativismo
Gerativismo
 
O funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoO funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguistico
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
 
Funcionalismo
FuncionalismoFuncionalismo
Funcionalismo
 
Slide implicito e explicito
Slide implicito e explicitoSlide implicito e explicito
Slide implicito e explicito
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
Texto literário e texto não literário
Texto literário e texto não literárioTexto literário e texto não literário
Texto literário e texto não literário
 
AULA REDAÇÃO - 11-02.pptx
AULA REDAÇÃO - 11-02.pptxAULA REDAÇÃO - 11-02.pptx
AULA REDAÇÃO - 11-02.pptx
 
Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2
 
Gênero - Memória Literária
Gênero - Memória LiteráriaGênero - Memória Literária
Gênero - Memória Literária
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
14. elementos da textualidade nos textos - aula 16
14. elementos da textualidade   nos textos - aula 1614. elementos da textualidade   nos textos - aula 16
14. elementos da textualidade nos textos - aula 16
 
Gênero poesia
Gênero poesiaGênero poesia
Gênero poesia
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
GÊNEROS DISCURSIVOS
GÊNEROS DISCURSIVOSGÊNEROS DISCURSIVOS
GÊNEROS DISCURSIVOS
 
Estruturalismo - Introdução à Linguística
Estruturalismo - Introdução à LinguísticaEstruturalismo - Introdução à Linguística
Estruturalismo - Introdução à Linguística
 

Destaque

Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo. Martins Fontes, 2003.
Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo. Martins Fontes, 2003.Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo. Martins Fontes, 2003.
Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo. Martins Fontes, 2003.Franciele Reiza
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptpnaicdertsis
 
A matemática como linguagem
A matemática como linguagemA matemática como linguagem
A matemática como linguagemWilliamVSantos
 
Fichamento do artigo: Equívocos no discurso sobre gêneros (bezerra 2015)
Fichamento do artigo: Equívocos no discurso sobre gêneros (bezerra 2015)Fichamento do artigo: Equívocos no discurso sobre gêneros (bezerra 2015)
Fichamento do artigo: Equívocos no discurso sobre gêneros (bezerra 2015)Ladjane Pereira
 
Vygotsky a formação social da mente[1]
Vygotsky   a formação social da mente[1]Vygotsky   a formação social da mente[1]
Vygotsky a formação social da mente[1]adricoutinho
 
Textualidade e discursividade_(2)
Textualidade e discursividade_(2)Textualidade e discursividade_(2)
Textualidade e discursividade_(2)Lourdes Vinhal
 
A literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticaA literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticamarimidlej
 
Regras éticas do trabalho docente
Regras éticas do trabalho docenteRegras éticas do trabalho docente
Regras éticas do trabalho docentesuelyaparecida
 
Resumo maristela capitulo 1_parte1
Resumo maristela capitulo 1_parte1Resumo maristela capitulo 1_parte1
Resumo maristela capitulo 1_parte1marimidlej
 
Seminário marxismo e filosofia da linguagem
Seminário marxismo e filosofia da linguagemSeminário marxismo e filosofia da linguagem
Seminário marxismo e filosofia da linguagemdeismachadoo
 
Aspectos sociocognitivos do processamento da leitura
Aspectos sociocognitivos do processamento da leituraAspectos sociocognitivos do processamento da leitura
Aspectos sociocognitivos do processamento da leituraTerezinha Barroso
 

Destaque (20)

Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo. Martins Fontes, 2003.
Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo. Martins Fontes, 2003.Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo. Martins Fontes, 2003.
Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo. Martins Fontes, 2003.
 
Os gêneros do discurso
Os gêneros do discursoOs gêneros do discurso
Os gêneros do discurso
 
Aula iv introdução ao pensamento de bakhtin
Aula iv   introdução ao pensamento de bakhtinAula iv   introdução ao pensamento de bakhtin
Aula iv introdução ao pensamento de bakhtin
 
Marxismo e filosofia da linguagem - Bakhtin
Marxismo e filosofia da linguagem - BakhtinMarxismo e filosofia da linguagem - Bakhtin
Marxismo e filosofia da linguagem - Bakhtin
 
Marxismo e filosofia da linguagem
Marxismo e filosofia da linguagemMarxismo e filosofia da linguagem
Marxismo e filosofia da linguagem
 
Fichamento de Texto
Fichamento de TextoFichamento de Texto
Fichamento de Texto
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 
A criação
A criaçãoA criação
A criação
 
A matemática como linguagem
A matemática como linguagemA matemática como linguagem
A matemática como linguagem
 
Fichamento do artigo: Equívocos no discurso sobre gêneros (bezerra 2015)
Fichamento do artigo: Equívocos no discurso sobre gêneros (bezerra 2015)Fichamento do artigo: Equívocos no discurso sobre gêneros (bezerra 2015)
Fichamento do artigo: Equívocos no discurso sobre gêneros (bezerra 2015)
 
Fichamento ti cs
Fichamento   ti csFichamento   ti cs
Fichamento ti cs
 
Vygotsky a formação social da mente[1]
Vygotsky   a formação social da mente[1]Vygotsky   a formação social da mente[1]
Vygotsky a formação social da mente[1]
 
Textualidade e discursividade_(2)
Textualidade e discursividade_(2)Textualidade e discursividade_(2)
Textualidade e discursividade_(2)
 
Teoria da Recepção
Teoria da RecepçãoTeoria da Recepção
Teoria da Recepção
 
A literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticaA literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a crítica
 
Regras éticas do trabalho docente
Regras éticas do trabalho docenteRegras éticas do trabalho docente
Regras éticas do trabalho docente
 
Resumo maristela capitulo 1_parte1
Resumo maristela capitulo 1_parte1Resumo maristela capitulo 1_parte1
Resumo maristela capitulo 1_parte1
 
Seminário marxismo e filosofia da linguagem
Seminário marxismo e filosofia da linguagemSeminário marxismo e filosofia da linguagem
Seminário marxismo e filosofia da linguagem
 
GramáTica E LíNgua
GramáTica E LíNguaGramáTica E LíNgua
GramáTica E LíNgua
 
Aspectos sociocognitivos do processamento da leitura
Aspectos sociocognitivos do processamento da leituraAspectos sociocognitivos do processamento da leitura
Aspectos sociocognitivos do processamento da leitura
 

Semelhante a Fichamento estética da criação verbal bakhtin

Os gêneros do discurso
Os gêneros do discursoOs gêneros do discurso
Os gêneros do discursoNayane Maciel
 
Intertextualidade genérica
Intertextualidade genéricaIntertextualidade genérica
Intertextualidade genéricaEdilson A. Souza
 
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...Mayara Vellardi
 
Seminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobsonSeminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobsonFrancione Brito
 
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasO banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasAtitude Digital
 
Análise de livro didático língua portuguesa
Análise de livro didático língua portuguesaAnálise de livro didático língua portuguesa
Análise de livro didático língua portuguesaNágila De Sousa Freitas
 
A ordem do expor em géneros académicos...
A ordem do expor em géneros académicos...A ordem do expor em géneros académicos...
A ordem do expor em géneros académicos...Marisa Paço
 

Semelhante a Fichamento estética da criação verbal bakhtin (15)

Os gêneros do discurso
Os gêneros do discursoOs gêneros do discurso
Os gêneros do discurso
 
Intertextualidade genérica
Intertextualidade genéricaIntertextualidade genérica
Intertextualidade genérica
 
Caretta 2008
Caretta 2008Caretta 2008
Caretta 2008
 
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
 
Seminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobsonSeminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobson
 
Ensinodelinguagem
EnsinodelinguagemEnsinodelinguagem
Ensinodelinguagem
 
Análise do discurso
Análise do discursoAnálise do discurso
Análise do discurso
 
Discurso
DiscursoDiscurso
Discurso
 
Analise do discurso
Analise do discursoAnalise do discurso
Analise do discurso
 
Resumo acadêmico
Resumo acadêmicoResumo acadêmico
Resumo acadêmico
 
308
308308
308
 
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasO banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
 
Análise de livro didático língua portuguesa
Análise de livro didático língua portuguesaAnálise de livro didático língua portuguesa
Análise de livro didático língua portuguesa
 
A ordem do expor em géneros académicos...
A ordem do expor em géneros académicos...A ordem do expor em géneros académicos...
A ordem do expor em géneros académicos...
 
419-1362-1-PB (1).pdf
419-1362-1-PB (1).pdf419-1362-1-PB (1).pdf
419-1362-1-PB (1).pdf
 

Último

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfbragamoysesaline
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 

Último (20)

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 

Fichamento estética da criação verbal bakhtin

  • 1. BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: ______. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992. p. 277-326. Cíntia Martins Objetivo do texto: É discutir os problemas encontrados nos gêneros do discurso, já que eles foram deixados de lado no estudo da língua, preteridos pelo estudo específico dos gêneros literários, gêneros retóricos e gêneros do discurso cotidiano. Destaques: I – “... o problema geral dos gêneros nunca tenha sido colocado. (...) O problema de lingüística geral colocado pelo enunciado, e também pelos diferentes tipos de enunciados, quase nunca foi levado em conta”. (p. 280) Nesta parte o autor especifica o que são exatamente os gêneros do discurso, para que possa, posteriormente, tratar dos problemas do mesmo, como é o seu objetivo. A lingüística geral do enunciado, então, é o que será levado em conta pelos gêneros do discurso, enquanto os outros tipos de gênero estudam a arte, a natureza verbal do enunciado e o discurso cotidiano oral. II – “Importa (...) a diferença essencial existente entre o gênero de discurso primário (simples) e o gênero de discurso secundário (complexo). Os gêneros secundários do discurso (...) aparecem em circunstâncias de uma comunicação cultural. (...) Os gêneros primários (...) perdem sua relação imediata com a realidade existente”. (p.281) III – “Nem todos os gêneros são igualmente aptos para refletir a individualidade na língua do enunciado, ou seja, nem todos estão propícios ao estilo individual”.(p. 283) A primeira problemática a cerca os gêneros do discurso é apresentada. O vínculo encontrado entre as definições de estilo e de gênero é notado pelo autor, mas não havia sido citado nos estudos anteriores dos outros autores de classificação. IV – “O problema geral dos princípios metodológicos aplicáveis ao estudo das correlações existentes entre léxico e a estilística do outro, baseiam-se nesse mesmo problema do enunciado e dos gêneros do discurso”. (p. 286) Outro problema é apresentado. Este é o mais importante e o escolhido pelo autor para ser aprofundado no restante do texto. A metodologia deve ser considerada nos estudos sobre gêneros do discurso. É necessário entender a natureza do enunciado no contexto dos gêneros do discurso para que o problema da metodologia seja solucionado. Assim, as relações entre o estilo e os gêneros, discutidas anteriormente no texto, são fundamentais para solucionar esse segundo problema. V – “Na lingüística, até agora, persistem funções tais como o ‘ouvinte’ e o ‘receptor’ (...) Não se pode dizer que esses esquemas são errados e não correspondem a certos aspectos reais, mas quando estes esquemas pretendem representar o todo real da comunicação verbal se transformam em ficção científica”. (p. 290)
  • 2. VI – “A vaga palavra ‘discurso’ que se refere indiferentemente à língua, ao processo da fala, ao enunciado, a uma seqüência (de comprimento variável) de enunciados, a um gênero preciso do discurso, etc., esta palavra, até agora, não foi transformada pelos lingüistas num termo rigorosamente definido e de significação restrita”. (p. 192 e 193) VII – “... nada impede que o enunciado seja constituído de uma única oração, ou de uma única unidade de fala (o que acontece sobretudo na réplica do diálogo), mas não é isso que converterá uma unidade da língua numa unidade da comunicação verbal”. (p. 297) Bakhtin conceitua ‘oração’ para estabelecer relações entre ela e o enunciado. Trata-se da análise de mais um problema nos estudos lingüísticos (os quais ele já vinha tratando durante o texto). O problema agora é com o fato de a oração ser entendo da como uma unidade da língua. VIII – “A totalidade acabada do enunciado que proporciona a possibilidade de responder (de compreender de modo responsivo) é determinada por três fatores indissociavelmente ligados no todo orgânico do enunciado: 1) o tratamento exaustivo do objeto do sentido; 2) o intuito, o querer-dizer do locutor; 3) as formas típicas de estruturação do gênero do acabamento”. (p. 299) Ao explicitar os fatores ligados à noção de enunciado, o autor aprofunda o tema geral do texto, que são os gêneros do discurso. Essa informação é importante para o leitor, na medida em que esclarece as formas de apresentação possíveis a um enunciado e ajuda a compreender os gêneros do discurso e o próprio enunciado. IX – “O querer-dizer do locutor se realiza acima de tudo na escolha de um gênero do discurso. Essa escolha é determinada em função da especificidade de uma dada esfera da comunicação verbal, das necessidades de uma temática (do objeto do sentido), do conjunto constituído dos parceiros, etc.” (p. 301) Bakhtin parte para o fator mais importante dentre a seleção de problemas inseridos na problemática metodológica: as formas estáveis do gênero do enunciado. Assim, trata da escolha do gênero como sendo o ponto de partida para a comunicação. X – “A quem se dirige o enunciado? Como o locutor (ou o escritor) percebe e imagina seu destinatário? Qual é a força da influência deste sobre o enunciado? É disso que depende a composição, e sobretudo o estilo, do enunciado. Cada um dos gêneros do discurso, em cada uma das áreas da comunicação verbal, tem sua concepção padrão do destinatário que o determina como gênero.” (p. 321) XI – “Uma análise estilística que queira englobar todos os aspectos do estilo deve obrigatoriamente analisar o todo do enunciado e, obrigatoriamente, analisá-lo dentro da cadeia da comunicação verbal de que o enunciado é apenas um elo inalienável”. (p. 326) O autor conclui sua idéia com a reafirmação de que todo o enunciado deve ser analisado para que o discurso seja estudado nos moldes dos gêneros do discurso. Os problemas não podem, de forma alguma, serem deixados de lado nessa análise. Se isso acontecer, o elo comunicacional sairá prejudicado no estudo.