HISTORIA DO PARAQUEDISMO MILITAR

1.764 visualizações

Publicada em

HISTORIA ILUSTRADA DO PARAQUEDISMO MILITAR

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.764
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

HISTORIA DO PARAQUEDISMO MILITAR

  1. 1. SERGIO DE MELLO QUEIROZ SER PARAQUEDISTA MILITAR BRASIL 2015
  2. 2. 2 INTRODUÇÃO Tropas paraquedistas não era um conceito novo na Segunda Guerra Mundial, nem a blitzkrieg que já tinha sido usada por Napoleão. Quando Napoleão era adolescente, Benjamim Franklin previa o uso de balões para levar tropas na retaguarda inimiga. Em 1783, Napoleão pensou em usar balonetes para invadir o Reino Unido. Em 1709, data em que o padre brasileiro Bartolomeu Lourenço de Gusmão (1685-1724) nascido em Santos-SP conseguiu em Lisboa, que o seu balão ou “passarola” como foi chamado pelo povo, se elevasse a quatro metros de altura na terceira tentativa e diante do rei D. João V e toda sua corte. Como na primeira tentativa a “passarola” havia pegado fogo, foi destruída por dois guardas, receosos de que o padre voador provocasse um incêndio no palácio. O experimento de Bartolomeu de Gusmão ficaria para a história como o primeiro vôo promovido pela engenharia humana.
  3. 3. 3 Antes dele a teoria mais aceita é a de que os índios Nazca do Peru teriam feito um balão com fibras vegetais existentes naquela região, e que teriam sobrevoado o deserto de Nazca. As provas desse feito estão em peças de cerâmica datadas do ano 500 que estão hoje em um Museu na cidade de Lima. É no entanto geralmente aceito que o primeiro vôo efetivo em balão foi o realizado pelos irmãos franceses Joseph e Jacques Montgolfier, primeiramente ao fazerem subir um engenho em 1783, meses mais tarde lançaram outro tripulado por um carneiro, um pato e um galo que retornaram ao solo em perfeitas condições. O primeiro era na verdade um grande saco de linho com ar aquecido, que eles soltaram na praça de sua cidade natal, Vidalon-les-Annonay na França, este balão subiu a 45 metros de altura e percorreu cerca de 2,4 quilometros em 10 minutos. Já o segundo era feito a base de culose e fibras vegetais, o curioso é que encheram o balão de fumaça acreditando que esse fluído fazia o balão se elevar, quando na verdade era o ar quente. Finalmente em 21 de novembro de 1783, o Marquês François d’Arlandes e o físico François de Rozier eleveram-se ao céu na cela do balão projetado pelos Irmãos Montgolfier, o feito foi assistido pelo rei da França Luis XVI, pela Rainha Maria Antonieta, Benjamin Franklin e pelo público parisiense estimado em 300.000 pessoas.
  4. 4. 4 O vôo durou 25 minutos, enquanto os dois inventores alimentavam a fonte de calor com palha úmida e lã de carneiro, ao mesmo tempo tentavam se proteger dos vapores e do mau cheiro da combustão e cuidavam para que nenhuma fagulha pudesse tudo a perder. Antes de todos esses acontecimentos uma das mais importantes descobertas para o mundo dos aerostatos já havia ocorrido: a do hidrogênio ou ar inflamável, como o chamava aquele que estudou suas propriedades, o físico inglês Henry Cavendish (nome hidrogênio, só foi inventado anos depois pelo físico francês Lavoisier). Correspondendo a apenas 1/14 da densidade do ar e de alta inflamabilidade, o gás era tudo com que os aeronautas sonhavam, o problema era encontrar um invólucro capaz de reter as pequenas moléculas do elemento. Então ainda em 1783, o professor e membro da Academia Francesa Jacques A.Charles descobriu um novo tecido, a base de seda e borracha capaz de conter o gás. Ele então voou por duas horas e meia a uma altura de mais de 250 metros, por cerca de 40 km em um balão de gás hidrogênio. No ano seguinte em 1784 Joseph Montgolfier voava no maior balão tripulado até então construído, com capacidade de 20.000 m³. Apartir desse ano a conquista dos céus começara. Em 1784 também foi registrada a primeira mulher á bordo de um balão, Madame Thible, passageira de M. Fleurant.
  5. 5. 5 O primeiro vôo na Inglaterra foi nesse mesmo ano e foi capitaneado pelo italiano Vicente Lunardi, que ficou no ar durante 1 hora e 40 minutos e foi recebido como herói pelo Rei George III. Em 1785 um balão atravessava o Canal da Mancha com o francês Jean-Pierre Blanchard e o americano John Jeffries á bordo. Blanchard se encarregaria de divulgar o novo meio de transporte pela Europa. Oito anos depois o francês Jean Pierre Blanchard vôou pela primeira vez de balão em território americano, foi na Filadélfia na presença de George Washington. Em 1786 foi realizado o primeiro vôo noturno de balão, na França de Paris à Breteuil. Em 1798 foi realizada a primeira ascenção exclusivamente feminina de balão, por Mlle. Labrosse e Mlle. Henry em Paris, França. Em 1850 o francês Giffard tentou acoplar ao seu aparelho um motor com hélices para impulsioná-lo e torná-lo independente do vento, mas não deu certo. Em 1867 ocorria o primeiro vôo de balão no Brasil por dois americanos, J. e E. Allen. Nesse mesmo ano aqui no Brasil um balão foi utilizado na Guerra do Paraguai pelo exército Imperial para observar as linhas paraguaias no dia 24 de junho.
  6. 6. 6 Em 1870 foi registrado o primeiro serviço postal aéreo, entre Paris e La Província, constituído por 66 balões postais. Em 1884, o brasileiro Júlio Cezar Ribeiro de Souza (1843-1887) patenteou em Paris o dirigível Victória (subvencionado pela Assembléia de sua província, região que corresponde ao atual Estado do Pará), que vôou contra o vento e em linha reta. A primeira ascenção do Victória ocorreu em 8 de novembro de 1881. O brasileiro escreveu um livro “Memórias do novo sistema de navegação aérea” que estabeleu as bases da aerodinâmica. Mais tarde por problemas financeiros não pode continuar seus projetos, mas as leis que descobriu foram aplicadas por Alberto Santos Dumond 20 anos mais tarde,
  7. 7. 7 na mesma Paris. Em 1893 Augusto Severo de Albuquerque Maranhão construiu em Paris um dirigível com o nome de "Bartholomeu de Gusmão". Em 1898 Alberto Santos Dumont (1873-1932) no dia 4 de julho, elevou-se aos céus em um balão, chamado de Brasil com 6 metros de diâmetro, invólucro de seda japonesa envernizada e capacidade de 113 m³ de gás e um peso de apenas 14 quilos. Em 1900 houve a primeira ascenção de um Zeppelin, dirigível rígido. Em 1901 na França, Alberto Santos Dumont (1873-1932), com seu dirigível número 3 partiu de Vaugirard e foi em direção ao campo de Marte, já fazendo de tudo e indo aonde queria.
  8. 8. 8 Com o número 6 deu a volta na Torre Eiffel no dia 19 de outubro do mesmo ano, o que fez com que ganhasse o Prêmio Deutsch de La Meurthe, de 125 mil francos. Santos Dumond, com seu aprendizado de construção de aeronaves fez vários dirigíveis, até que acabou de construir uma aeronave mais pesada que o ar. A construção por Dumont de um balão de 186 m³ com hélice serviu de base para o famoso 14 BIS. Não podemos esquecer que Santos Dumond voou primeiro num balão comum, tão livremente como fazem os balonistas atuais.
  9. 9. 9
  10. 10. 10 PARAQUEDAS Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Um paraquedas é um dispositivo que permite diminuir a velocidade de uma pessoa na atmosfera usando um arrasto que é criado. Normalmente um paraquedas é feito de tecido leve e forte de nylon, originalmente de seda. Dependendo da situação, paraquedas são usados com uma variedade de cargas, incluindo as pessoas, alimentos, equipamentos, cápsulas espaciais e bombas. A palavra "paraquedas" vem do prefixo francês "paracete", originalmente do grego, significando para proteger contra, e do substantivo "chute", a palavra francesa para "queda", e foi cunhada originalmente como palavra híbrida, que significava literalmente "aquele que protege contra uma queda", pelo aeronauta francêsFrançois Blanchard (1753-1809) em 1785. HISTÓRIA A história do paraquedas[ A mais antiga descrição de um paraquedas de um autor anônimo, British Museum Add. MSS 34,113, fol. 200v Segundo a literatura, o paraquedismo começou na China, há 2000 anos.1
  11. 11. 11 A primeira tentativa foi a construção de um tipo de guarda-chuva que usavam para pular de torres e penhascos. Em 852 d.c. em Córdova, na Andaluzia, um muçulmano chamado Armen Firman, construiu asas para planar, pulando de uma torre. Armen pousou com pequenos ferimentos, graças à sustentação que a sua asa lhe conseguiu dar.2 O primeiro indício para o paraquedas no mundo ocidental remonta ao período da Renascença. O projeto mais antigo paraquedas aparece em um manuscrito anônimo da década de 1470 da Itália Renascentista, mostrando um homem livre pendurado segurando um quadro de barra transversal conectado a uma cobertura cónica. Como medida de segurança, quatro cintas descem a partir das extremidades das hastes com um cinto. O design é uma melhoria acentuada em detrimento de outro folio que retrata um homem que tenta quebrar a força de sua queda por meio de duas fitas de pano longa presa a duas barras que ele agarra com as mãos. Embora a área de superfície do desenho do paraquedas parece ser pequeno demais para oferecer resistência eficaz ao atrito do ar e a base de madeira é supérfluo e, potencialmente, prejudicando, o caráter revolucionário do novo conceito é óbvio. Apenas um pouco mais tarde, um paraquedas mais sofisticado foi esboçado pelo sábio Leonardo da Vinci datado de 1485. Aqui, a escala do paraquedas está em uma proporção mais favorável para o peso do saltador. A cobertura de Leonardo foi mantida aberta pela uma moldura quadrada de madeira, que altera a forma do paraquedas de cônica a piramidal.
  12. 12. 12 Não se sabe se o inventor italiano foi influenciado pelo projeto anterior, mas ele pode ter aprendido sobre a ideia através da comunicação intensiva oral entreengenheiros-artistas da época. A viabilidade do projeto piramidal de Leonardo foi testada com sucesso em 2000 pelo inglês Adrian Nicholas e novamente em 2008 por outro paraquedista. Segundo o historiador da tecnologia Lynn White, estes projetos cônicos e piramidais, muito mais elaborados do início saltos artísticos com guarda-sóis rígida na Ásia, marca a origem de "paraquedas como a conhecemos". O inventor Fausto Veranzio (1551-1617), da República de Veneza, examinou um esboço de paraquedas de Da Vinci, e partiu para programar um de seus próprios. Manteve a moldura quadrada, mas substituiu a cobertura de com um pedaço saliente de algo semelhante à vela de pano que ele veio a perceber a desacelerar a queda de forma mais eficaz. A representação agora famosa de um paraquedas que ele apelidou de Homo Volans (homem voador) apareceu em seu livro sobre mecânica em 1595, ao lado de uma série de outros dispositivos e conceitos técnicos. Em 1617, Veranzio programou o seu projeto e testou o paraquedas, saltando de uma torre em Veneza.
  13. 13. 13 Paraquedas modernos[ Meados do Século XVIII e XIX Louis-Sébastien Lenormand salta da torre do observatório Montpellier, 1783. Ilustração do final do século XIX Representação esquemática do paraquedas de Garnerin, de uma ilustração início do século XIX O paraquedas moderno foi inventado pelo francês Louis-Sébastien Lenormand, que fez um salto pela primeira vez em público em 1783.
  14. 14. 14 Lenormand também esboçou o seu dispositivo de antemão. Dois anos depois, Lenormand inventou a palavra "paraquedas" por hibridação. Também em 1785, Jean-Pierre Blanchard demonstrou como um meio seguro de desembarcar de um balão de ar quente. Enquanto primeiras demonstrações de Blanchard de paraquedas foram realizadas com um cachorro como o passageiro, mais tarde ele teve a oportunidade de experimentá-lo nele mesmo em 1793 quando seu balão de ar quente rompeu e ele usou um paraquedas para escapar. Um desenvolvimento posterior do paraquedas focado nisso tornando-se mais compacto. Enquanto o paraquedas no início era feito de linho esticado sobre uma moldura de madeira, no final da década de 1790, Blanchard começou a fazer paraquedas de seda dobrada, aproveitando a força de seda e peso leve. Garnerin também inventou o paraquedas ventilado, o que melhorou a estabilidade da queda.
  15. 15. 15 PARAQUEDISMO MILITAR NA PRIMEIRA GUERRA
  16. 16. 16 VÉSPERAS DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL] Em 1911, um teste bem sucedido foi feito com um boneco na Torre Eiffel, em Paris. O peso do boneco era de 75 kg, e o peso do paraquedas era 21 kg. Os cabos entre a marioneta e o paraquedas tinham 9 m de comprimento. No ano seguinte, Franz Reicheltsaltou da torre demonstrando seu paraquedas, mas faleceu na queda. Também no mesmo ano, Grant de Morton deu o seu primeiro salto de paraquedas de um avião, um Wright Modelo B, em Venice, na Califórnia. O piloto do avião foi Phil Parmalee. Paraquedas de Morton era do tipo "jogar fora", onde ocupou a calha em seus braços quando ele saiu da aeronave. No mesmo ano, um russo Gleb Kotelnikov inventor inventou o paraquedas-mochila, embora Hermann Lattemann e sua esposa Käthe Paulus foram saltar com paraquedas ensacado na última década do século 19. Em 1912, numa estrada perto de Tsarskoye Selo, São Petersburgo, Kotelnikov demonstrra com sucesso os efeitos de travagem de paraquedas ao acelerar um automóvel à velocidade máxima, e em seguida, abrindo um paraquedas anexado ao banco de trás, assim inventando também o paraquedas que atualmente é usado para travar veículos a jato. Štefan Banič, na Eslováquia, inventou o paraquedas usado ativamente, patenteado em 1913. Em 21 de junho de 1913, Georgia Broadwick tornou-se a primeira mulher a saltar de paraquedas de uma aeronave em movimento, em Los Angeles.
  17. 17. 17 PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL O primeiro uso militar para o paraquedas foi para uso de detetores de artilharia amarrados em balões de observação na Primeira Guerra Mundial. Estes foram alvos tentadores para os aviões de combate do inimigo, embora difícil de destruir, devido às suas pesadas defesas antiaéreas. Porque eles eram difíceis de escapar, e perigoso quando em chamas devido a sua inflação de hidrogênio, observadores os abandonam e descem de paraquedas, logo que aeronaves inimigas foram vistos. A equipe de terra, então, tentar recuperar e desinflar o balão o mais rápido possível. A parte principal do paraquedas foi em um saco suspenso a partir do balão com o piloto vestindo apenas um cinto simples na cintura, que foi anexado ao paraquedas principal. Quando a equipe do balão saltou a parte principal do paraquedas foi retirado do saco de aproveitar a tripulação da cintura, primeiro as linhas de mortalha, seguido do velame principal. Este tipo de paraquedas foi adotado pela primeira vez em larga escala pelos alemães para as suas tripulações balão de observação, e depois pelo. Britânicos e franceses para as suas tripulações balão de observação. Embora este tipo de unidade funcionasse bem de balões tinha resultados mistos quando usado em aeronaves de asa fixa pelos alemães onde o saco foi armazenado em um compartimento atrás do piloto. Em muitos casos em que não funcionaram as linhas mortalha tornou-se enredado com a aeronave girando. Embora um número de famosos pilotos de caça alemães
  18. 18. 18 tivessem sido salvos por esse tipo de paraquedas, incluindo Hermann Göring, sem paraquedas foram emitidos para aliados "mais pesado que o ar" da tripulação, já que foi pensado na altura que, se um piloto tinha um paraquedas, ele iria saltar do avião, quando bateu em vez de tentar salvar o avião. Como resultado, o piloto de um avião com deficiência só tinha três opções:. Tente montar a sua máquina para o solo, muitas vezes queimadas vivas com ele, salto de vários milhares de pés, ou cometer suicídio utilizando um revólver padrão emitido. Evolução] Paraquedista dos Marines com um paraquedas militar. Com a formação de unidades especializadas em salto (paraquedistas) a Força Aérea de quase todos os países dispõe assim de uma possibilidade de colocar tropas no solo a partir do céu, possibilitando-as de serem transportadas mais rapidamente. Com novas opções de utilização do paraquedismo, começaram a aparecer várias modalidades desportivas, e o paraquedas evoluiu em vários sentidos: de abertura automática (tipicamente para uso militar) Tipos de paraquedas Militares a usar o paraquedas de abertura automática, lançados a partir de um Hércules C-130. Abertura automática Este tipo de paraquedas está preparado para ser engatilhado por um gancho que, amarrado a um cabo resistente, irá abrir o paraquedas depois do salto com a tensão no cabo resultante do afastamento do paraquedista em relação ao avião. Este tipo
  19. 19. 19 de paraquedas permite, assim, saltos de baixa altitude, já que o paraquedas é aberto quase instantaneamente. Este tipo não é muito manobrável e é utilizado especialmente para a largada de militares em alvos bem específicos. Para uma maior segurança do paraquedista, existe um dispositivo de abertura automática do paraquedas (DAA ou Automatic Activation Device - AAD em inglês), existindo em diversos modelos (Cypress, FXC e Vigil entre outros) de diferentes fabricantes. É um altímetrodigital e velocímetro que, em queda livre, estabelece uma relação entre altitude e velocidade e estipula uma altura mínima para abertura do paraquedas, ou seja, se por acaso o paraquedista enfrentar problemas no salto, tal como desmaios ou um Twist muito intenso, ao chegar a altitude pré-determinada o paraquedas reserva é acionado automaticamente.
  20. 20. 20 ASSALTO AEROTERRESTRE
  21. 21. 21 ASSALTO AEROTERRESTRE Esta ideologia de operações aeroterrestres foi praticada inicialmente pelos soviéticos, mas foram os alemães que colocaram em pratica. O desenvolvimento das aeronaves, planadores e dos pára-quedas fizeram o sonho do assalto aéreo, ou operações aeroterrestres, se tornarem uma realidade. As táticas variavam de uma nação para outra e nos teatros de operação. Inicialmente era esperado o uso apenas em incursões devido a limitação das aeronaves e dificuldade de comando & controle e logística de grandes operações. Operações de reconhecimento de longo alcance era uma opção estudada mas na época não havia bons radio leves de longo alcance. A opções de uso se tornaram mais ambiciosas com uso de tropas em nível de batalhão para tomar pontos chaves com pontes, entroncamentos, bases áreas para apoiar o avanço e atrapalhar o reforço inimigo. Os aliados atuaram assim na Europa em uma grande frente. Operações desta escala deveriam durar 3-5 dias e atuar de forma independente.
  22. 22. 22 Usariam apoio aéreo aproximado no lugar de artilharia. O Alemães atuaram assim na Noruega e Creta para tomar bases aéreas até o chegar reforços. Os aliados realizaram este tipo de missão no Pacífico em Nadzab em 1943. O assalto no forte de Eben Emael foi uma das melhores operações do tipo e todas as operações na Segunda Guerra tiveram sucesso e incluía o uso de aerobarcos em assaltos com pouso em rios. O Reino Unido realizou incursões com tropas pára-quedistas na França com sucesso. Os russos usaram unidades maiores em operações na Finlândia também com sucesso. A experiência pratica mostrou que as tropas do tipo Comandos eram melhores para realizar incursões enquanto os pára-quedistas eram melhores para operações decisivas de larga escala com tamanho de pelo menos um batalhão para tomar objetivos chaves até chegada de tropas convencionais. Tropas em pequeno número não podem cumprir estas missões que precisam de muito poder de fogo. Os alemães estudaram vários conceitos de uso de pára-quedistas. Um
  23. 23. 23 era atuar atrás das linhas, "cortando a cabeça para enfraquecer o corpo". Esta doutrina foi usada na Holanda e Dinamarca em 1940 com sucesso. Na função de seqüestro foi usado com Mussolini e contra Tito. Foi pensado no uso de pára-quedistas para tomar objetivos chave como pontes para as unidades Panzer passar antes de serem demolidas. Foi usado na Holanda, Bélgica e com sucesso parcial na Grécia. A quarta doutrina seria tomar bases para uso da Luftwaffe para aumentar o alcance e levar tropas para aumentar a cabeça de ponte aérea. Foi usado na Noruega, Dinamarca, Holanda e Creta. Outra função seria criar uma frente não esperada pelo inimigo sendo usada em Creta mas os aliados sabiam onde e como seria esta operação. Os aliados aplicaram esta última doutrina na Normandia. Os russos dividem as missões aerotransportadas em profundidade e importância do objetivo.
  24. 24. 24 As operações estratégicas ocorrem a mais de 500km, para demonstração de força, atacar centros políticos e industriais, portos, bases aéreas ou isolar um membro de coalizão. As operacionais ocorrem a até 50km como liberação nuclear, atacar quartéis, pontes, desfiladeiros e bloquear a fuga inimiga. As operações especiais ocorrem entre 50 a 500km como liberação nuclear, demonstração de força, fogo premeditado e apreensão de meios. O uso de tropas aerotransportadas tem muita vantagens. Pode ultrapassar rápido a frente de batalha podendo ser posicionado em áreas não acessíveis por terra; pode atravessar obstáculos como rios e até oceanos; podem evadir fortificações para prevenir ataque de uma direção especifica; tem capacidade de profundidade, velocidade e surpresa, principalmente operando na retaguarda que é difícil de defender. A retaguarda inimiga tem uma grande área, com as tropas dispersas, com tropas de reserva menos treinadas, pouca defesa aérea, e as forças de reação são poucas, com muitas oportunidades de explorar fraquezas do inimigo. O inimigo fica sempre forçado a espalhar suas defesas para proteger áreas normalmente seguras pela geografia.
  25. 25. 25 A ameaça de um assalto aéreo tem efeito devastador no inimigo levando a dispersão de defesas na retaguarda e aliviando as tropas de frente, já sendo uma justificativa para a sua existência. É a vantagem de poder ser inseridas atrás das linhas em qualquer lugar e sem muito aviso. O tamanho da formação é limitado apenas pelo núumero e tamanho das aeronaves. Uma unidade pára-quedista pode aparecer em qualquer lugar em minutos (envolvimento vertical). Um cargueiro C-17 auxiliado por reabastecimento em vôo permite atingir qualquer lugar do mundo. As tropas aerotransportadas podem ser usadas na defesa para reforçar, realizar ataques divisionários em uma operação maior, inquietação de retaguarda e ajudar em um contra-ataque. Os britânicos citam a opção de reforçar o sucesso ao invés de só apoiar tropas com problemas. As operações pára-quedistas têm muitos pontos negativos. As tropas ficam muito vulneráveis quando estão descendo; depois do pouso ainda estão muito desorganizadas levando tempo para se reagruparem; só tem mobilidade a pé após o salto apesar de serem
  26. 26. 26 muito móveis no ar; para apoio de fogo praticamente só tem o apoio aéreo aproximado e é difícil de serem reforçadas ou ressupridas. Atuando junto com operações terrestres as operações aerotransportadas são muito difíceis de coordenar com o avanço pois precisam de muito planejamento antecipado. A necessidade da missão pode deixar de existir antes de ficar pronta para ser levada adiante. As tropas aerotransportadas podem ser apoiadas pelo ar com apoio aéreo, reforço e munição. Isto é importante pois a duração e profundidade da ação são outra limitação dos pára-quedistas. Os pára-quedistas não levam suprimentos e equipamentos para operações de combate prolongadas, usando a cabeça ponte aérea para receber reforços e realizar a ocupação de longo termo. As aeronaves atuais são muito mais capazes podendo lançar cargas mais pesadas como canhões, veículos, suprimentos e blindados superando os problemas das primeira aeronaves usadas nas operações aeroterrestres. As tropas pára-quedistas são pouco capazes em mobilidade e poder de fogo e tem muito pouca capacidade contra uma divisão blindada. São poucas as armas para esta contingência, mas é um problema para toda divisão de infantaria leve.
  27. 27. 27 Desde a Segunda Guerra Mundial que as tropas pára-quedistas tem melhor valor quando usadas contra um inimigo já debilitado ou operações periféricas. Os alemães só tiveram sucesso com pára-quedistas na Holanda e Bélgica em 1940. Depois falharam ou sem impacto decisivo. O sucesso inicial foi contra inimigos fracos ou sem interesse. Em Arnhein os britânicos fracassaram devido a presença de uma divisão Panzer no local que não era conhecida. As forças pára-quedistas russas, ou VDV (Vozdushno-Desantnye Vojska), foram pensadas para a função de operações em profundidade como tomar uma cabeça de ponte aérea para a chegada de uma coluna mecanizada. Na realidade não se esperava que realizessem este tipo de missão em um cenário como o da Guerra Fria. A VDV é pensada mais guerra fora da Europa e não contra a OTAN. Em 1968 tomaram o aeroporto na Tchecoslováquia e sua liderança local. Em 1979 foram a força de frente na invasão do Afeganistão e depois eram o eram centro da força antiguerrilha local.
  28. 28. 28 Os problemas internos na Rússia também eram resolvidos com a VDV se as forças locais não derem conta. Como outras unidades de infantaria leve a VDV era pensada para conflito de baixa intensidade. As tropas de assalto aéreo russas VDV é uma força semi-independente do Exército Russo. Atualmente são cinco divisões pára-quedistas e oito brigadas de assalto aéreo. São formadas pelos recrutas de melhor desempenho em termos de preparo físico e liderança. O tamanho das unidades é menor que as forças motorizadas ou blindadas e mais parecidas com as tropas mecanizadas americanas. São tropas de infantaria leve, capazes de operar como força mecanizadas com seus BMD. Poucas nações que tem unidades pára-quedistas esperam usar em assalto aeroterrestre, mas para cumprir missões que outras unidades não conseguem realizar como citado anteriormente. Os pára-quedistas são questionados como um tipo de tropa absoleta com o aparecimento do helicóptero, mas ainda tem a capacidade de
  29. 29. 29 voar meio mundo e nem precisa de bases avançadas frente de combate. Os EUA passaram a usar suas tropas pára-quedistas como força de resposta rápida, apoio a ONU, e conflitos de média e baixa intensidade. As tropas blindadas e mecanizadas se concentram em conflitos de alta intensidade. TÁTICAS As tropas aerotransportadas devem ser muito bem treinadas, bem equipadas e bem lideradas. Os alemães treinavam muito a iniciativa e trabalho em equipe. A iniciativa era necessária pois podem estar espalhados e provavelmente superados e devem se juntar para não serem massacrados. O treinamento físico era necessário para ter velocidade e conseguir sustentar a luta até o reforço chegar. As missões dependem de muito planejamento e inteligência do objetivo, terreno, inimigo e meteorologia. A força deve ter superioridade local pelo menos, e depois devem ter garantia de receber ressuprimento, reforço e apoio aéreo aproximado. Uma operação aeromóvel (helicópteros) ou aeroterrestre (pára- quedista) de vulto sempre exige a superioridade aérea no local e no itinerário.
  30. 30. 30 As tropas alemães eram brifadas sobre todas as características da missão para poder continuar a missão se o líder for morto ou ferido. A mentalidade do "need to know" ocidental leva a tropa a esperar se o líder for morto e perdem a vontade de lutar. Os alemães ficam mais ligados a missão que a unidade. Não se importam se ficam isolados ou se algo der errado. Os oficiais não consideram um problemas se as tropas pensam por si ou se desobedecem ordens. A mentalidade do "need to know" favorecia os prisioneiros americanos que não sabiam informar nada. A execução do salto é complicada. Precisa de treino, ensaio, saltos de pratica, coordenação com transporte aéreo, planejamento de rota, coleta de inteligência, seleção da zona de desembarque e área de reagrupar, planos táticos, preparação do equipamento, movimento para o aeroporto, meios de despistamento, estudo da meteorologia, atualização constante do plano, e carregamento nas aeronaves. Geralmente estes passos são os mesmo desde pequena até grandes unidades. A meteorologia é importante pois um nevoeiro não deixa encontrar a zona de salto e com ventos acima de 25km/h não é seguro saltar. Ventos a grande altitude atrapalhava a navegação da aeronave.
  31. 31. 31 Os pára-quedistas usam a surpresa para conseguir superioridade local e temporária sendo muito necessária por só terem armamento leve. Conseguir surpresa é relativamente fácil com as tropas pára-quedistas pois o inimigo não tem condições de proteger todos os alvos em potencial ou ter reservas móveis para contra-ataque. Despistamento pode ser feito com ataque em alvo próximo por aeronaves de ataque. As operações alemãs em 1940 tiveram sucesso mais devido a surpresa pois as tropas estavam muito espalhadas ou muito fracas. Onde a oposição estava alerta tiveram muitas baixas e com sucesso marginal. O mau tempo atrapalhou mas só podiam rezar a respeito. As aeronaves de transporte têm que voar próximas para não dispersar as tropas e facilitar a navegação. O lançamento tem que ser feito em uma velocidade e altitude correta. O tipo de formação vai depender do tamanho da zona de salto. Na formação em "V" fica fácil não atingir avião do lado que fica 15 metros mais alto quando mais próxima. Os alemães lançavam seus pára-quedistas a cerca de 90 metros para ficar pouco tempo no ar.
  32. 32. 32 Com uma aeronave voando a 6 metros por segundo e com um salto a cada segundo, os pára-quedistas ficavam 15m separados no ar. Um grupo de combate de12 tropas ficava separado em uma faixa de 200 metros ao chegar no solo. No assalto ao canal de Suez em 1956 os Noratlas franceses permitiam lançar 17 pára-quedistas em dez segundos ficando dispersos em 800metros enquanto os Hastings britânicos levava vinte segundos para lançar quinze tropas e dispersos no dobro da distância. O salto a baixa altitude e abertura a baixa atitude (LALO - Low Altitude Low Opening) e o salto enganchado convencional (Low Level Static Line - LLSL ou MAMO - Medium Altitude Medium-Open) são realizados entre 250-400 metros. O pára-quedas abre logo após o salto automaticamente. A aeronave voa em uma altitude vulnerável ao radar e a maioria das armas no MAMO. O método Low Altitude Low Opening ou LALO é muito perigoso com o salto sendo realizado a cerca de 160-200 metros. É uma variação do MAMO mas com a aeronave voando mais baixo. Não é possível usar o pára-quedas reserva se o principal falhar.
  33. 33. 33 O LALO é usado em locais onde as defesas locais são intensas com risco da aeronave e dos pára-quedistas serem atingidos. Novos pára-quedas tipo Low Level Parachute permite salto enganchado a 85 metros. O lançamento operacional é feito geralmente entre 150-200 metros para diminuir a exposição e dispersão. As tropas no solo são proibidas de disparar contra os pára-quedistas no ar, mas caem relativamente rápido e são um alvo pequeno e móvel difícil de acertar. As baixas são relativamente poucas. Levam cerca de 20-30s para cair de uma altitude de 150-200m. A maior preocupação são arvores, fios de alta tensão e prédios. As tropas recebem flutuadores para o caso de caírem em água profunda. A zona de salto é ditada pelo alto comando com o planejamento no objetivo feito pela unidade, mas coordenado com o avanço da tropa em terra em avanço. Os pára-quedistas não podem explodir qualquer ponte que depois deve ser usada pelas forças amigas.
  34. 34. 34 A escolha da zona de salto depende do tamanho das áreas disponíveis, obstáculos no local, proximidade do inimigo, defesas e bases aéreas próximas, proximidade com cidades, facilidade de identificação, distância do objetivo, proximidade de cobertura e proteção, áreas para reagrupar, estradas que podem ser usadas por forças em terra. O alvo pode ser atacado diretamente (overhead assault) ou com os pára-quedistas sendo lançados próximos e atacam por terra. A distância do objetivo, obstáculos e terreno são importante pois as tropas pára-quedistas avançam a pé após o salto. As vezes é melhor saltar direto no alvo, mas geralmente é feito em incursões contra alvos pouco defendidos. Próximo do alvo e fora do alcance das armas leves é mais desejado. A experiência de saltos longe do alvo sempre leva o inimigo a bloquear o avanço ou atrasando a operação. As vezes é melhor ter perdas maiores perto do alvo que saltar longe do alvo. No chão as tropas se juntam e seguem qualquer oficial. Não há tempo para se organizar e por isso devem saber o objetivo próprio e dos outros de cor.
  35. 35. 35 Os postos de comando na Alemanha era ditada mais pela capacidade que pelo tempo pois os alemães sempre consideravam na possibilidade dos oficiais serem feridos e substituídos por outros. Os comandantes também ficam bem na frente de batalha pois não há retaguarda. No assalto a ilha de Creta os alemães usaram o conceito de "ink spot" lançando pequenas unidades do tamanho de pelotão, compania ou batalhão em uma grande área para tomar vários objetivos ao mesmo tempo, ao contrario das tropas convencionais que sempre concentram unidades. Funcionou na Holanda e Bélgica onde havia pouca oposição. Primeiro foi pensado em concentrar o assalto na capital e garantir reforço e concentrando o apoio aéreo aproximado, depois varrendo o resto da ilha, mas os britânicos podiam retomar a outra ponta da ilha e reconquistar. Na Normandia os pára-quedistas foram lançados primeiro para cobrir os flancos e tomar pontes para evitar reforços e deixar as tropas amigas avançarem. As tropas ficaram muito dispersas e não cumpriram todos os objetivos, mas criou muita confusão nos alemães.
  36. 36. 36 Achavam que era um ataque divisionário ou tropas muito superiores por estarem espelhadas em uma grande área. Uma lição dos ataques a Normandia e Sicília é que ao invés de atacar tudo que encontra, principalmente forças superiores, as tropas podem ir para um objetivo pré-planejado e encontrar companheiros para completar um objetivo principal ao invés de ter perdas com alvos sem sentido, mas com opção de pequenos grupos atacar tropas pequenas, cortar cabos telefônicos, e emboscar mensageiros para atrapalhar as comunicações. Os saltos podem ser noturnos ou diurnos. Na Segunda Guerra Mundial os saltos noturnos mostraram ser problemáticos. Em 1940 uma aeronave podia se desviar 7km a cada 100km de vôo durante a noite. A precisão era mais importante que a segurança que a noite oferecia contra a artilharia antiaérea e as baixas são maiores quando as tropas atingem o solo. As tropas também se reagrupam mais facilmente. O risco de lançamento diurno mostrou ser menos arriscado, sendo mais fácil localizar a zona de salto e evitar acidentes com os planadores. Um salto no sul da França foi diurno com 90% das tropas caindo no objetivo contra poucos na Normandia.
  37. 37. 37 A operação Market Garden também teve sucesso por ser de dia, mas uma Divisão Panzer estava no meio do caminho entre as tropas de reforço e os pára-quedistas. Por outro lado o ataque noturno na Normandia atrapalhou a linha de comando alemã e fez pensarem que era uma força muito mais numerosa que o real. As incursões continuaram sendo a noite, mas os saltos de grandes formações passou a ser só de dia. Atualmente o GPS e os óculos de visão noturna tornaram o salto noturno a melhor opção a não ser que seja realmente desnecessário. Os japoneses só saltavam de dia. Após o salto na Sicília os EUA e Reino Unido criaram os precursores para marcar as zonas de salto. Eram lançados por pilotos muito bem treinados em navegação para lançar no local certo. O salto em Creta mostrou que o reconhecimento da zona de salto também era muito importante. Os alemães saltavam sempre "cegos" sem o uso de precursores.
  38. 38. 38 Uma equipe de Combat Controller Team (CCT) fazendo aquisição de alvos para aeronaves de combate que é outra função dos precursores. As táticas de engajamento são iguais as da infantaria comum quando chegam ao chão, mas os pára-quedistas compensam a falta de armas pesadas de apoio com agressividade. Sempre esperam lutar contra forças superiores e cercadas. Sempre se preocupam com os flancos e retaguarda mais que a infantaria comum com as tropas de reservas e posto de comando cuidando da retaguarda e flancos.
  39. 39. 39 Apos atingir um objeto as tropas se deslocam para outro ou preparam defesas até chegar tropas convencionais de reforço. As vezes fazem patrulhas agressivas como meio de defesa. As operações aeroterrestres têm algumas regras para funcionar direito. As operações precisam de reforço rápido, pelo ar, terra ou mar. O salto em Creta quase falhou pois o reforço pelo mar não chegou pois lutaram contra força muito superior, estimada ser inferior. A operação Market Garden falho por isso. Logo foi observado a necessidade de uma artilharia pára-quedista. Com baixas de 20% só em mortos em Creta os alemães só realizaram seis operações pequenas de incursões com no máximo um batalhão. Os Aliados tiveram conclusões contrárias e prepararam saltos maiores como o Dia D. As operações aeroterrestres geralmente dão certo e quando bem empregadas e são muito eficientes, com as falhas relacionadas com inteligência insuficiente, como inimigo mais forte que o esperado, ou sem conseguir surpresa, mau tempo, navegação ruim, e falha nos rádios. O uso de pára-quedas pode ser custoso em perdas, e duvidoso com a opção de usar helicópteros.
  40. 40. 40 As vezes é usado apenas como rito de passagem ou símbolo de prestigio. A Divisão pára-quedista alemã sabe que nunca vai ser usada nesta função sendo apenas uma unidade anti-blindada transportada por helicópteros. Salta mais para operações independente de pequenas unidades. O risco de morte nos saltos de pára-quedas é de cerca de 1% e de ferimento de 4%. O risco é pior a noite, pouso em florestas e montanha. Na selva é levada uma corda extra para descer das árvores e roupa especial para evitar ferimento. Na invasão da ilha de Creta os britânicos descobriram o plano e tinham tropas esperando nas zonas de alto. Mesmo assim os alemães conseguiram vitória mas as grandes perda inibiu operações semelhantes pelos alemães pensando que os aliados sabiam como se defender, mas não pelos aliados que se impressionaram com o feito e não sabiam das grandes baixas (mas sabiam o motivo das baixas), estimulando o desenvolvimento de grandes forças de tropas pára-quedistas e planadores. Na Segunda Guerra Mundial os pára-quedistas deveriam ser retirados de combate depois de atingir seus objetivos, ou ser substituídos por tropas convencionais, e se preparar para outras missões.
  41. 41. 41 Porém, esta regra raramente era seguida, com as tropas continuando a campanha como uma unidade convencional. Por isso passaram a ter armas e equipamentos de infantaria comum incluindo blindados, e até atuam como força anfíbia. Depois da Normandia os pára-quedistas americanos passaram a realizar missões secundárias como tomar aeroportos, ataques diversionários, reforçar tropas cercadas ou em perigo, tomar ilhas não acessíveis por outros meios e dispersar tropas inimigas pela presença. Os pilotos das aeronaves de transporte devem ser muito bem treinados para operações aeroterrestres (lançamento de tropas e suprimentos). É a mesma dificuldade das aeronaves de ataque, mas operam em aeronaves bem maiores e mais lentas.
  42. 42. 42 Os primeiros pára-quedas eram brancos e chamavam a atenção de aeronaves no ar, dando indicação do tamanho das tropas ou atacavam o local. Passaram a ser verde ou mais escuros. Os pára-quedas brancos ainda são usados em treinamento. Outras cores são usadas para identificar lançamento de cargas como armas e suprimentos. Os pára-quedas redondos são difíceis de controlar enquanto os retangulares tipo "ram-ar" são muito manobráveis, mas os convencionais são mantidos pois não se quer que as tropas se espalhem ainda mais.
  43. 43. 43 ARMAS E EQUIPAMENTOS As armas das tropas pára-quedistas tem que ser leves, mas para uma força pequena não compensa desenvolver uma arma própria. Geralmente são modificações como cano mais curto e/ou coronha dobrável. As armas pesadas são desmontadas e as vezes são difíceis de remontar e danificadas facilmente. As peças ficam dispersas e podem ser difíceis de encontrar. As tropas pára-quedistas são muito móveis no ar, mas lentas em terra. Levam mais carga que a infantaria convencional e não tem cauda logística nem unidade de transporte orgânica, sendo inadequadas para operações convencionais. São unidades menores, menos armadas, com menos apoio de fogo e menos equipamentos de transporte. Como as unidades se movem rapidamente os rádios tem que ser leves para enviar a posição continuamente ao posto de comando. A operação Market-Garden teve vários problemas devido a falha dos rádios durante o salto que se quebraram. Os alemães foram os primeiros a equipar a infantaria com rádio.
  44. 44. 44 Antes só equipavam os blindados. Isto facilitou que a infantaria acompanhasse os blindados e podiam chamar artilharia em 15-20 minutos. Os blindados das tropas pára-quedistas estão disponíveis sempre em pequeno número e por isso são de uso discutível. Custa caro desenvolver um blindado leve que vai ser produzido em pequena quantidade. Exemplos de veículos modernos lançados do ar são o M-113 americano, o BMD russo, o Wiesel 1 alemão e o Bv206 sueco, usados pelas unidades aeroterrestres mecanizadas para dar mobilidade no solo. O país que mais usa blindados nas tropas pára-quedistas são os russos. Os pára-quedistas russos iniciaram suas operações com o ASU- 76 e depois o ASU-57 na década de 1950. Cada regimento pára-quedista tinha nove blindados. Durante o salto usavam retrofoguetes para desacelerar no fim da queda que era iniciado por contato com sonda. O ASU-85 era um caça-carros que entrou em serviço em 1960. Era lançado de aeronaves AN-12.
  45. 45. 45 Depois surgiu o transporte blindado BMD em 1970 que era uma versão leve do BMP e passou a equipar todas as divisões pára-quedistas com 320 blindados BMD cada. O BMD tomou o lugar do ASU-57. Era muito apertado, tinha um canhão automático de 73mm de baixa pressão com 40 tiros e dois mísseis AT-3 acima do canhão. O BMD dava muitos problemas mecânicos. Já o BMD-1M da década de 1980 tinha um canhão de 30mm e lança mísseis AT-4 (não é o lança foguete AT-4) e pode ser levado pelo helicóptero pesado Mi-6 e Mi-26. Cada Divisão de Assalto Aéreo Mecanizada russa tinha 6.500 homens e precisa de 639 saídas de aeronaves IL-76, sendo que apenas 60% era para lançar as tropas e o resto para lançar 17 blindados BMD e outros oito blindados e veículos motorizados. Os pára-quedistas russos podem operar sem equipamento pesado em algumas situações. A divisão tinha duas Brigadas com 4 batalhão cada, sendo que apenas dois batalhões eram equipados com o BMD. Além de pára-quedistas podiam ser transportados de helicópteros sendo necessário 40 saídas de Mi-8 e 125 de Mi-6 ou Mi-26 para transportar cada batalhão.
  46. 46. 46 Sem usar blindados precisa de 75 saídas de Mi-8 e 35 de Mi-26. Um lançamento de um BMD chinês a partir de um IL-76.
  47. 47. 47 OPERAÇÕES Os pára-quedistas britânicos, ou PARAs, foram criados na Segunda Guerra Mundial e iniciaram suas operações com pequenas incursões. A incursão contra o aqueduto de Trajano na Itália em 1941 foi realizada por seis bombardeiros Whitley com exfiltração planejada por submarino. As tropas levariam quatro dias a pé para cruzar a distância de 80km no terreno montanhoso até a praia. Todos foram detectados por civis e capturados. Mesmo se conseguissem chegar a praia não encontrariam o submarino que fugiu após uma aeronave cair próximo. O efeito militar foi pequeno, mas efeito moral foi alto, e baixou o moral dos italianos. Na incursão a estação de radar em Bruneval em 1942 por uma compania dos Paras tinham a missão de desmantelar um radar e levar de volta ao Reino Unido. A Royan Navy faria a extração com a RAF dando cobertura.
  48. 48. 48 A operação obteve sucesso levando partes e fotografando o resto. Um "stick" pousou 2km fora do alvo o que mostrou a necessidade de navegação precisa. Na incursão contra a hidroelétrica de Norsk na Noruega em 1942, 30 sapadores foram lançados de planadores. Dois planadores caíram ferindo a maioria e não tiveram sucesso. Nesta missão usaram um beacon solo pela primeira vez plantado por colaboradores locais. Na Operação Husky na Sicília foram usadas quatro unidades em um pouso noturno com tropas britânicas e americanas. O vento desviou as aeronaves da rota e muitas tropas ficaram espelhadas. Metade tropas não atingiu o ponto de encontro. Os planadores britânicos tiveram mais sucesso. Depois mais 5 mil tropas foram lançadas para reforçar a cabeça de praia após um contra-ataque alemão. A operação Market-Garden em 1944 teve o lançamento de 35 mil tropas pára-quedistas lançados 150 km atrás das linhas para capturar pontes na Holanda.
  49. 49. 49 A operação foi mal planejada e mal executada, com planejamento muito rápido. O salto foi diurno com pouca oposição inicial. Não sabiam da presença de uma Divisão Panzer no local que levou ao fracasso da missão. Depois da Segunda Guerra Mundial foi cobrado que todos os oficiais do US Army fossem qualificado em pára-quedismo. Queriam até que todas as Divisões fossem pára-quedistas, mas era impraticável. Em 1954 a vila de Diem Bien Phu no Vietnã foi tomada por um assalto pára-quedistas por três batalhões de franceses. Depois foi reforçado com 16 mil tropas que seriam apoiadas por ar com reforço, suprimentos e apoio aéreo aproximado. Ho Chi Min entrou no jogo enviando 50 mil tropas para cercar o local. Era o que os franceses queriam concentrando as forças inimigas em uma grande batalha. O problema é que os vietnamitas conseguiram transportar artilharia na selva e colocar ao redor.
  50. 50. 50 Destruíram as pistas e posições francesas mal preparadas para esta ameaça. Os franceses acabaram vencidos. Preparo para o saldo de pára-quedistas franceses a partir de um C-160. Em 1956 a brigada pára-quedistas israelense 202 saltou no Passo de Mitla com 16 Dakota lançando 356 pára-quedistas. O resto da Brigada chegou ao local por terra. O objetivo era cortar um dos pontos de avanço das tropas Egípcias e evitar que comandos inimigos tomassem o local. A Guerra do Vietnã variou de guerra de guerrilha a combates convencionais de alta intensidade, luta por cidades, e combates multi- divisão.
  51. 51. 51 A 82a Divisão Pára-quedistas foi deslocada para o país atuando na maioria das vezes como tropas convencionais atuando como força de resposta rápida após contato de outras tropas com o inimigo e emboscadas com grupos de combate e pelotão. Outras subunidades faziam reconhecimento e ação direta. Os pára-quedistas mostraram ser agressivos, e pela natureza das operações, com altas perdas por isso. Realizaram um salto operacional, mas algumas fontes citam que foi mesmo para falar que fizeram, pois podiam ir de helicópteros, apesar de poucos disponíveis. A Divisão responde que os helicópteros estavam ajudando outro batalhão e a velocidade era necessária para cercar o inimigo. O salto foi na operação Juncion City em 1967 com 20 C-130 lançando 845 pára-quedistas. Outro salto operacional foi realizado com mais de oito batalhões. O pára-quedas é o principal método de inserção dos Ranger. Seus membros têm que saltar pelo menos a cada três meses.
  52. 52. 52 As unidades ficam espalhadas em várias aeronaves. Depois se reagrupam em local determinado. Se uma aeronave for derrubada a missão não é comprometida. Ao chegarem ao chão leva cerca de 30 minutos até as tropas se reagruparem e iniciar o movimento até o alvo. As mochilas dos Rangers são mais pesadas que a das tropas pára- quedistas e saltam das duas portas dos C-130 (técnica shotgun). Se pousar em cima de arvore o Ranger só tem granadas para se defender pois as armas ficam em containers separados. O mestre de salto é responsável por brifar sobre a zona de desembarque (DZ), vento etc. Em 1983, durante a invasão da ilha de Granada, os Rangers foram destacados para tomar o aeroporto de Point Salinas no sul da ilha. Os Seals não conseguiram fazer reconhecimento da pista de pouso e das defesas para saber se era possível um pouso de assalto. Um AC-130 fez reconhecimento e percebeu que a pista estava bloqueada. Apenas uma compania iria saltar de pára-quedas, mas acabou que todos saltaram.
  53. 53. 53 Os 250 Rangers, que levavam apenas água e munições, estavam espalhados em 10 MC-130 apoiados por três AC-130 Spectre. Os AC-130 limparam as defesas que eram maiores que os esperado. Os canhões antiaéreos no local estavam em posição elevada e como não podiam atirar para baixo, ou a 200 metros no local, o lançamento seria então a 150 metros de altura. Em um lançamento a baixíssima altitude nem adiantaria levar o pára- quedas reserva. No preparo da missão era esperado tempo bom e pouca oposição. Tiveram que tirar o pára-quedas, depois recolocar o que atrasou o salto, que deveria ser noturno mas acabou sendo diurno. A zona de salto era ruim por ser estreita e com água dos dois lados, além do vento estar forte. Mesmo assim apenas um Ranger quebrou a perna e outro caiu na água e salvou o equipamento. Depois do salto usaram buldozers para limpar a pista. Snipers mantinham os morteiros inimigos abaixados a 600-1000m. A pista foi usada depois pelos MC-130 para deixar Jeeps e pegar feridos.
  54. 54. 54 Os Rangers tiveram mais oportunidades de realizar saltos de combate na invasão do Panamá em 1989. Dois batalhões formam lançados próximos a base panamenha de Rio Rato. Foram levados em 15 C-130 e lançados a menos de 200m a noite sofrendo 35 baixas por ferimentos no salto devido ao vento forte. Os primeiros C-130 tinham 65 Rangers em cada aeronave e por isso nem tinham espaço para ir no banheiro na viagem de sete horas até o salto. Junto foram levados quatro Jeeps e quatro motos. Apenas duas aeronaves não foram atingidas por fogo antiaéreo leve. Nos treinamentos o salto é realizado a cerca de 400m mas pode chegar a 200m. Os Rangers foram apoiados por helicópteros AH-6, AH-64 e aeronaves AC-130. Blindados CG-150 que estavam próximos foram logo destruídos com LAW. Um Ranger foi arrastado por um caminhão que fugiu e agarrou seu pára-quedas. Foi parado com um LAW a 150m.
  55. 55. 55 O comandante do regimento foi responsável por cortar a energia da base ao cair em cima das linhas de energia sem se ferir, mas no meio da base inimiga. Para abrir a porta de uma das casas de praia de Noriega também usaram um LAW. Outro batalhão Ranger (Terceiro Batalhão), durante a invasão do Panamá, tomou a base aérea de Tocumen para desembarque posterior da 82a Divisão. Tiveram apoio de helicópteros AH-64 e aeronaves AC-130. O salto dos 700 Rangers foi a menos de 200 metros com 19 feridos por atingir a pista dura. Junto foram lançados 12 Jeeps e 12 motos. Um batalhão costuma ter 2-3 feridos a noite com equipamento completo durante os treinamentos. Já a 82a Divisão tomou a base aérea de Torrijos com 2200 pára- quedistas levados por 20 aeronaves C-141 junto com o lançamento de oito carros de combate leve Sheridan. Foram 50 feridos no salto. Depois receberam helicópteros UH-60 para realizar assalto aéreo pelo país.
  56. 56. 56 As operações aeroterrestres mais recentes foram no Afeganistão e Iraque. Em 2001 o Terceiro Batalhão dos Rangers foi usado para tomar uma base aére no Afeganistão com apoio dos CCTs da USAF. Em 2003 a 173a Brigada Aeromóvel fez um salto no norte Iraque para tomar uma base aérea logo no inicio das operações bem a frente do avanço em terra. O salto foi realizado devido a falta de bases que foram negadas pela Turquia. O Exército Brasileiro tem uma Brigada de Infantaria Pára-quedista, chamada de "a brigada", formada por três batalhões de infantaria pára- quedista, um esquadrão de cavalaria pára-quedista, um grupo de artilharia pára-quedista, duas companias de engenharia pára-quedista e 1 batalhão logístico. As tropas são todas voluntárias com 10% passando pela seleção inicial. A Brigada de Infantaria Pára-quedista tem uma compania de precursores com 134 tropas. Sua missão é localizar, reconhecer e balizar a zona de lançamento (ZL), e depois auxiliar a organização das tropas em terra após o salto.
  57. 57. 57 Também são responsáveis por operar zona de pouso (ZP) e zona pouso de helicóptero (ZPH); auxiliar na navegação; lançar, desembarcar e reorganizar tropas e material lançado; realizar patrulhas apos a conquista da cabeça de ponte aérea; levantamento meteorológico; e controlador aéreo avançado. Os precursores são treinados em infiltração aquática e aérea como técnicas de HALO, HALO e mergulho. Tropas da Brigada Pára-quedista se preparando para um salto. Um grupo de pára-quedistas a ser lançados é chamado de "stick", enquanto as tropas para o movimento aéreo são chamados de "chalk".
  58. 58. 58 Uma equipe de precursores da Brigada Pára-quedista durante uma missão. Notar os óculos para salto tipo HAHO/HALO. TROPAS PÁRA-QUEDISTAS NO OFP O OFP é um bom jogo para uso de tropas pára-quedistas. Tropas e veiculos para os saltos são o que não falta como Rangers, tropas do VDV russos e aeronaves como o C-130. Alguns addons e scripts permitem lançar veículos e blindados. Os BMD russos já estão disponíveis no OFP. Alguns MODs com a invasão 44 tem ilhas e tropas para simular missões na invasão da Normandia.
  59. 59. 59 Na verdade todas as tropas lançadas das aeronaves abrem seu pára- quedas automaticamente e não precisam "vestir" um. O OFP aceita salto seguro a até 120m e já testei a 90 metros. É possível mandar as aeronaves voarem mais baixo forçando o salto tipo LALO. Um bom exemplo de missão é colocar artilharia bem alto para não atirar para baixo e forçar a aeronave a voar baixo para simular uma missão como o salto na ilha de Granada pelos Rangers em 1983. A maioria das missões no OFP são contra forças pouco potentes tipo operações periféricas e não ataques a linha de frente. As tropas pára- quedistas são ideais nestas missões mesmo já começando do solo. As tropas reais geralmente fazem salto um pouco longe do e evitam atacar diretamente (overhead assault) apesar de possível. Com altas perdas previstas em um overhead assault é bom ter AI no squad para poder continuar a missão devido a grande chance de morrer logo ao chegar no solo. No OFP as tropa atiram nos pára-quedistas caindo mas não conseguem atingir ou matar nunca. Addons com o Support Pack permite chamar caças para conseguir superioridade aérea ou para supressão de defesas.
  60. 60. 60 Depois pode chamar mais pára-quedistas para reforçar as tropas em terra e segurar o objetivo. Missões para tomar bases aéreas ou pontes já estão disponíveis e algumas usam tropas lançadas de pára-quedas. Também existem missões como seqüestro e assassinato onde é possível usar tropas pára-quedistas. Para usar tropas pára-quedistas para criar uma frente de combate ou cabeça ponte aérea precisa de forcas mais numerosas e com muitos AIs. Como na vida real os precursores devem estar presentes no local de salto com marcadores de fumaça. A missão pode até ser o uso de precursores lançados com método HALO para marcar a área de operação. O Armed Assault deve permitir iniciar a operação como uma marcação de zona de salto com precursores e depois continuar a missão com tropas pára-quedistas com o uso do "change caracter" com o jogador podendo trocar de tropa durante o jogo (no OFP só é possível com o respawn no grupo após morrer). Aqui no site tem tropas tipo Comandos e pára-quedistas para estas
  61. 61. 61 missões junto com aeronaves para o saldo como o C-130, C-95 Bandeirante e helicópteros de todas as nossas Forças Armadas. As pequenas operações do OFP lembram mais incursões onde as tropas deveriam ser do tipo Comandos. Estas tropas pára-quedistas podem ser usadas como infantaria convencional e não só no salto como na vida real.

×