Apresentação roma

4.090 visualizações

Publicada em

1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.090
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.207
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação roma

  1. 1. INTRODUÇÃO● Fundação: 753 a.C.● Apogeu:entre os séculos VI a.C. e o séc III● Conquistado: 476
  2. 2. LOCALIZAÇÃOPenínsula Itálica, limita-se ao Norte com as Montanhasdos Alpes, a Leste com o Mar Adriático, a Oeste com o MarTirreno e ao Sul com o Mar Jônico.
  3. 3. MEIO FÍSICOMontes Apeninos Planícies férteis do rio do Pó e rio Tibre, o que favoreceu a atividade agrícola. O clima não é rigoroso.
  4. 4. NASCENTE RIO TIBRE
  5. 5. RIO DO PÓ
  6. 6. POVOAMENTO DA PENÍNSULA ITÁLICA
  7. 7. ORIGEM LENDÁRIA
  8. 8. AMÚLIO, RÉA SILVIA E OS GÊMEOS
  9. 9. RÔMULO E REMO SENDOENCONTRADOS PELO PASTOR
  10. 10. Rômulo mata remo e funda a cidade
  11. 11. A gruta tornou-se palco de um ritual chamado Lupercália. Todo fevereiro, animais eram sacrificados em homenagem a Luperco – uma divindadeassociada ao Pã grego – e dois jovens do patriciado eram ungidos com sanguee leite de cabra. Acreditava-se que esse ritual garantia colheita farta e ajudavaas mulheres a arranjar marido e a ter filhos. A tradição manteve-se até o século V, quando foi banida pela Igreja Católica .
  12. 12. Rapto das sabinas
  13. 13. FUNDAÇÃO DE ROMA POR RÔMULO
  14. 14. Origem histórica de roma
  15. 15. Sete colinas
  16. 16. Monte palatino
  17. 17. HISTÓRIA POLITICAMonarquia ou Realeza: do ano 753 a 509 a. C.República: 509 a.C. a 27 a. C.Império: 27 a.C. a 476
  18. 18. Organização social durante a monarquia:● Inicio eram organizados em gens.● 10 gens = 1 cúria● 10 cúrias = 1 tribo● Eram 3 tribos em roma.O gens era dirigido pelo patriarca, que tinha poderes absolutos sobre todos os membros da comunidade. Com o passar do tempo, o patriarca e seus parentes mais próximos se apossaram das melhores
  19. 19. Classes sociais de Roma durante a Monarquia
  20. 20. Patrícios pertenciam as famílias dos fundadores de Roma, ocupavamas melhores terras e únicos com direitos políticos.
  21. 21. Clientes poderiam ser aparentados ounão dos patrícios, não possuíam terras e por issoviviam nas terras destes, sob suaproteção. Deviamfavores a família.
  22. 22. plebeuseram comerciantes e artesãos, estrangeiros ou descendentes dos primitivos habitantes e pequenos proprietários de terras, não participavam da política, nem do exército, nem dos
  23. 23. Escravos Em pequeno 12número, alguns escravos por 10 divida, eram 8 escravos 6 Coluna 1 domésticos. Coluna 2 Coluna 3 4 2 0 Linha 1 Linha 2 Linha 3 Linha 4
  24. 24. ORGANIZAÇÃO POLITICA DURANTE A MONARQUIARei: era vitalício e escolhido a partir de uma lista tríplice, tinha funções de chefe político e militar, de supremo sacerdote e juiz.Senado: palavra que vem de senil (velho), formado pelos 300 patriarcas das famílias iniciais. Controlavam o poder do rei, e elaborava a lista com 3 nomes para
  25. 25. ETRUSCOS EM ROMA
  26. 26. Domínio etrusco
  27. 27. Consequências do domínio etrusco● Houve um enfraquecimento do poder dos patrícios, pois os reis etruscos consideravam súditos tanto patrícios como plebeus, permitindo que estes últimos participassem do exército.● Para reconquistar sua posição anterior, os patrícios destituíram o último rei etrusco e organizaram um governo no qual detinham o poder, a República.
  28. 28. REPÚBLICA ROMA
  29. 29. ORGANIZAÇÃO POLITICADURANTE A REPÚBLICA
  30. 30. SENADOA base da República Romana era o Senado, formado por trezentos patrícios, com a responsabilidade de propor leis. Os cargos eram vitalícios, abrigando outras funções: garantir a integridade da tradição e da religião, supervisionar as finanças públicas, conduzir a política externa e administrar as províncias. A presidência do senado era exercida pelo magistrado, que o convocava, podendo ser um cônsul, um pretor ou um tribuno.
  31. 31. DUAS ASSEMBLEIASAssembleia Curiata, que perdeu quase toda a sua importância durante a República, e aAssembleia Centuriata, formada pelas centúrias (divisões políticas e militares compostas por cem cidadãos), a quem cabia de fato discutir e votar as propostas
  32. 32. MAGISTRADOSCônsules: Detinham o maior poder, equivalente ao dos antigos reis. Eram dois, eleitos para um período de um ano. Tinham como atribuições comandar o exército, convocar o Senado e presidir os cultos. Nos períodos de crise, indicavam um ditador, que exercia o poder de forma absoluta durante o período máximo de seis meses.Pretores: Ministravam a justiça, existindo dois: um para as cidades, chamado de urbano, e outro para o campo e para estrangeiros, chamado de peregrino.
  33. 33. ORGANIZAÇÃO SOCIAL DURANTE A REPÚBLICA Patrícios: mantiveram os privilégios do inicio daMonarquia. Cavaleiros: classe recente, eram homens denegócios, com menor prestigio político do que ospatrícios mas com riquezas. Clientes: praticamente desapareceram. Plebeus: formavam a maioria dapopulação, não tinham direitos políticos, masmuitas obrigações como: um terço deveria lutar
  34. 34. A LUTA ENTRE PATRICIOS E PLEBEUS
  35. 35. LUTA ENTRE PATRICIOS E PLEBEUSO primeiro ato de rebeldia foi a retirada (494 a.C.) para o monte Sacro ameaçando fundar uma nova cidade. Diante dessa ameaça foram feitas algumas concessões como: Liberdade para os escravos por dívida. Eleição de 2 tribunos da plebe: 2depois 4 e depois 10. Poder do veto.Depois de uma nova
  36. 36. EXPANSÃO ROMANA Conquista daPenínsula Itálica: doséculo V ao III a. C.
  37. 37. Guerras púnicas
  38. 38. PRIMEIRA GUERRA PÚNICA Provocada por Roma, a desculpa foi dada quando a cidade de Messina (Sícilia) foi ameaçada. Tanto os romanos como os cartaginenses chegaram para ajudar mas Roma conseguiu expulsar os cartagineses.Sardenha, Sicília e Córsega são anexadas ao domínio de Roma, e os cartagineses têm restringida a influência ao norte da África.
  39. 39. SEGUNDA GUERRA PÚNICAComeça na Espanha, onde Cartago amplia seu poder para compensar a perda da Sicília. Comandadas por Aníbal, as tropas cartaginesas tomam Saguntum, cidade espanhola aliada de Roma: é a declaração de guerra. Com 50 mil homens, 9 mil cavalos e 37 elefantes, Aníbal atravessa os Pireneus e conquista cidades no norte da Itália. Durante essa campanha fica cego de um olho e perde metade dos homens. Mesmo assim chega às portas de Roma. A falta de reforços e o cerco de Cartago pelas forças romanas sob o comando de Cipião, o Africano (235 a.C.-183 a.C.) obrigam Aníbal a voltar para defendê-la. Vencido, refugia-se na Ásia
  40. 40. TRAVESSIA DOS PIRENEUS NOS ALPES ● Fiel ao juramento de vingança feito a seu pai Amílcar, Aníbal decide realizar uma audaciosa ofensiva contra os romanos. Assim, em 218 a.C., parte de Nova Cartago, na Ibéria púnica, comandando um exército heterogêneo de 100 mil homens, composto de soldados cartagineses, cavaleiros númidas, mercenários gauleses e iberos. ● Após desferir golpes esmagadores em diversas legiões romanas (vitórias de Trébia, do lago Trasimeno e de Cannae), desiste, apesar do veemente apelo de seus segundos, da tentativa de tomar Roma, num dos mais inexplicáveis
  41. 41. CAMINHO REALIZADO PORANÍBAL PARA CHEGAR AOS ROMANOS
  42. 42. CIPIÃO, O AFRICANO12108 Coluna 16 Coluna 2 Coluna 3420 Linha 1 Linha 2 Linha 3 Linha 4
  43. 43. ANÍBAL
  44. 44. DESTINOS DE ANIBAL E CIPIÃO● Após a rendição, Aníbal permaneceu em Cartago, como magistrado-chefe, tentando obter meios de pagar a grande indenização exigida por Roma. É consenso entre os historiadores que procedeu bem nesta tarefa, agindo com honestidade e irritando a nobreza cartaginesa, que o denunciou a Roma. Ao receberem a denúncia, os romanos viram a ocasião para se livrarem do velho adversário, exigindo que Cartago o entregasse.
  45. 45. CONDIÇÕES EXIGIDAS POR ROMA ● Roma aproveitaria a derrota total da inimiga, impondo as seguintes condições: Cartago deveria entregar toda a sua frota, pagar uma brutal indenização, abandonar todas as suasposses e aceitar a proibição de fazer guerra sem que Roma aprovasse.
  46. 46. TERCEIRA GUERRA PÚNICAAs drásticas condições impostas por Roma minaram a economia de Cartago, mas os cartagineses logo se recuperaram. A agricultura e o comércio marítimo voltaram a constituir a base de uma crescente riqueza.Em Roma, Catão o Censor se tornou porta-voz dos radicais e exigiu com a frase que se tornaria famosa, que Roma pusesse fim à ameaça: Delenda Carthago (Cartago deve ser destruída). A oportunidade para o ataque foi fornecida pelo rei da Numídia, Massinissa, protegido de Roma e que fustigava com frequência as tropas de Cartago. Uma pequena violação dos tratados de paz serve de pretexto para a terceira guerra.
  47. 47. ● Na terceira e última guerra (150-146 a.C.), um exército de oitenta mil homens, liderados pelo general Cipião Emiliano, foi enviado a África e reduziu Cartago a uma simples província. A cidade foi totalmente destruída, seus quarenta mil habitantes escravizados e as terras conquistadas divididas entre os invasores. Assim, Roma completou seu domínio sobre todo o Mediterrâneo Ocidental.A antiga potência fenícia é reduzida a província romana na África.
  48. 48. DESTRUÍÇÃO DE CARTAGO
  49. 49. SALGAR A TERRA
  50. 50. SÍNTESE DAS G. PÚNICAS-PRIMEIRA GUERRA: Cartago perdeu Sícilia, Córsega e Sardenha.-SEGUNDA GUERRA: Cartago perdeu a Nova Espanha.-TERCEIRA GUERRA: Cartago foi destruída.
  51. 51. MARE NOSTRUM● Conquista de todas as terras próximas ao Mediterrâneo.
  52. 52. CONQUISTA DA GRÉCIA Séc.II a.C em 189 a.C. Os romanos absorveram areligião, filosofia, literatura, escultura, arquitetura e o luxohelenístico, no que influenciaram na sua cultura.
  53. 53. CONQUISTA DA BRITÂNIA
  54. 54. TODAS
  55. 55. EXÉRCITO ROMANO
  56. 56. A FALANGE● Em âmbito militar, uma falangeé uma formação retangular de infantaria, tipicamente lanceiros. Os soldados (ou Falangistas) mantinham uma formação cerrada, com as armas das primeiras linhas (o número exato dependia do comprimento das lanças, entre 4 e 5 metros, chamadas sarissas, contendo apenas o ponta afiada e um contrapeso) projetadas para a frente, de modo que seria impossível atingir qualquer homem da formação sem ser perfurado por alguma lança. Os restantes membros da formação, aqueles longe demais da primeira linha, mantinham-nas elevadas a uma média de 45º graus, numa posição de prontidão e anulando parcialmente um ataque pelo alto, como com a cavalaria saltando sobre a primeira linha de lanças. Os homens que ficavam nas
  57. 57. A LEGIÃO● A legião romana era a divisão fundamental do exército romano. As legiões variavam entre os 4.000 e os 8.000 homens, dependendo das baixas que eventualmente sofressem nas batalhas. Para além dos soldados, há que contar com os inúmeros servos, escravos e seguidores que os acompanhavam. Durante as suas campanhas na Gália, as legiões de Júlio César eram compostas por não mais de 3.000 soldados.
  58. 58. FORMAÇÃO TARTARUGA
  59. 59. catapulta
  60. 60. ESCRAVIDÃO ROMANA
  61. 61. CONSEQUÊNCIAS DA ESCRAVIDÃO ROMANAPara os plebeus pobres: os encravos●passaram a realizar todo o trabalho e estesacabaram ficando sem emprego.●Para os pequenos proprietários: searruinaram, pois não tinham comoconcorrer com a produção em larga escalados latifúndios e acabaram tendo queentregar suas terras.
  62. 62. POLÍTICA DO PÃO E CIRCO
  63. 63. FORMAÇÃO DE DOIS PARTIDOSOs● democratas: que lutavam pormudanças e melhorias nas condições devida da população.●Os aristocratas: queriam manter asociedade sem alterações, garantindo assimsua posição de domínio e riqueza.
  64. 64. OS IRMÃOS TIBÉRIO E CAIOGRACO: PRIMEIROS A LUTAREM POR REFORMAS SOCIAS Tibério: conseguiu fazer aprovar uma Lei Agrária, que visavadistribuir terra entre os soldados pobres e confiscar grandespropriedades rurais. O Senado não concedeu os recursos necessáriose Tibério acabou sendo morto em um comício. Caio: com o apoio dos cavalheiros conseguiu criar mais colônias emedidas que beneficiavam os plebeus pobres e vender trigo porpreços baixos a população urbana.
  65. 65. PRIMEIRO TRIUNVIRATO● JÚLIO CÉSAR● CRASSO● POMPEU
  66. 66. CRASSO
  67. 67. JÚLIO CÉSAR
  68. 68. POMPEU
  69. 69. GOVERNO DE JÚLIO CÉSAR Redução da autoridade do Senado. Adoção do calendário solar egípcio, de 365 dias. Concessão de direito de cidadania às Províncias daGália e Espanha. Doação de terras aos soldados. Fortalecimento da moeda romana. Extinção de privilégios conferidos aos naturais daItália. Determinação de que as grandes propriedadestivessem para cada escravo um trabalhador livre.
  70. 70. ASSASSINATO DE CÉSAR
  71. 71. GOVERNOS MILITARES DE MÁRIO E SILA: PRECURSORES DOS TRIUNVIRATOSA política romana estava instável, as instituições sem credibilidade e isso começou a revoltar a população. É nessa fase que se destacaram generais vitoriosos. Mário: no seu comando o exército tornou-seprofissional, permitiu a entrada de romanos pobres einstituiu o soldo. Entrou para a política como líder daplebe e foi reeleito 6 vezes para cônsul. Acabou passandopara o lado do Senado o que o tornou impopular. Sila: várias revoltas estavam acontecendo e por isso oSenado nomeou Sila para resolver o problema. Eleresolveu o problema nas províncias e invadiuRoma, tornando-se ditador perpétuo e aboliu asAssembleias Tribunas. Enfim, abriu caminho para que os
  72. 72. SEGUNDO TRIUNVIRATO● MARCO ANTONIO● OTÁVIO● LÉPIDOEssa união não durou muito, pois Otávio reconciliou-se com a aristocracia e consolidou seu poder na Itália, eliminando os poderes de Lépido. Depois reuniu seus exércitos e enfrentou Marco Antonio saindo vencedor. Diante da derrota Marco Antonio suicidou
  73. 73. IMPÉRIO ROMANO
  74. 74. TITULOS ACUMULADOS POR OTÁVIO●Princeps: primeiro cidadão de Romae, portanto chefe do Senado.●Imperator (general vitorioso): dava-lheautoridade sobre o exército.●Tribuno: inviolável.●Censor: estimular impostos, nomearsenadores e orientar costumes.●Cônsul: administrador da cidade de Roma.●Sumo Pontífice: autoridade religiosasuprema.●Augusto: divino.
  75. 75. REALIZAÇÕES DE OTÁVIO Os cidadãos romanos foram divididos em 3 categorias:1º Ordem Senatorial: composta por cidadãos com riqueza mínima de 1 milhão de sestércios. Só eles poderiam ser senadores.2º Ordem de cavaleiros: 400 mil sestércios e podiam participar de cargos públicos.3º Ordem inferior: menos de 400 mil sestércios, não tinham direitos políticos. O poder do Senado foi diminuído. As Assembleias limitavam-se a aceitar os nomes indicados pelo imperador. Aumentou a autonomia administrativa das províncias do império, queforam divididas em: Províncias imperiais: ficavam nas fronteiras e estavam sob controle direto do imperador, sendo administradas por um governo militar.Províncias senatoriais: ficavam sob controle do Senado e eram dirigidas por um pro cônsul. Reorganizou o exército, criando a guarda pretoriana, uma guarda pessoal doimperador.
  76. 76. SÉCULO DE OURO
  77. 77. PAX ROMANA Foi um período de paz, mas com o uso das armas, ou seja, os povos dominados tinham seus territórios ocupados permanentemente por tropas romanas, que reprimiam qualquer tentativa
  78. 78. CRISTIANISMO
  79. 79. Os cristãosExplicação para as perseguição aos cristãos:● os romanos sempre foram tolerantes com outras crenças e religiões, apesar disso, alguns imperadores rejeitaram o Cristianismo e o consideraram um perigo público, para eles, não era apenas mais uma crença mas um novo sistema de vida que se contrapunha ao romano.Se recusavam a adorar os deuses oficiais●de Roma e reconhecer a divindade do
  80. 80. catacumbas
  81. 81. Crise do século III
  82. 82. Tentativas de salvar o império Dioclesiano: dividiu o império emuma tetrarquia e fixou o preço máximo paraprodutos de primeira necessidade. Constantino: construiu uma novacapital, Constantinopla, transferiu a cortepara lá e outorgou o Edito de Milão, no qualconcedeu liberdade religiosa no império.Também decretou que os colonos nãopoderiam abandonar as terras ondetrabalhavam.
  83. 83. CULTURA ROMANA
  84. 84. EDUCAÇÃOTotal respeito ao pai – pater familias – que possuía direitos irrestritos sobre todos. Foi importante para o Exército essa rigidez, pois o patriarca pregava a lealdade, disciplina, coragem e o amor ao Estado.Aprendiam também o culto à religião, bons costumes, respeito à velhice, instituições e a valorização dos heróis. As crianças podiam brincar até os 12 anos.As mulheres, cabia os afazeres domésticos.
  85. 85. DIREITOLei das Doze Tábuas.Código Romano:Jus Civile, ou Direito Civil, que norteava a conduta do cidadão romano;- Jus Gentium, ou Direito das Gentes, que abrangia a todos os habitantes não romanos do Império;- Jus Naturale, ou Direito Natural: todos eram iguais perante a Lei” e obrigava o Estado a tratar igualmente todas as
  86. 86. LITERATURAVirgílio: escreveu Eneida (narra a fundação de Roma por Enéias), Bucólicas e Geórgicas.Horácio: escreveu Odes (reflexão filosófica sobre a amizade), Sátiras e Epístolas.Ovídio: escreveu a Arte de Amar e Metamorfoses. Considerado um dos maiores poetas da língua latina.
  87. 87. FILOSOFIA● Epicurismo● Estoicismo.
  88. 88. TEATRO
  89. 89. CIENCIASMedicina: se desenvolveu em função dos gladiadores. (feridas e fraturas)BotânicaEngenharia: engenhos de guerra, estradas, pontes
  90. 90. RELIGIÃO● Politeístas● Deuses antropomórficos● Principais deuses romanos : Júpiter, Juno, Apolo, Marte, Diana, Vênus, Ceres e Baco.● Deuses lares e penates● Cultuavam os espíritos dos ancestrais.● Acreditavam que objetos e plantas poderiam revelar uma força sagrada, mágica. Muitos ritos e lendas foram criados com a finalidade de explicar os acontecimentos do cotidiano.● Faziam o uso de presságios e adivinhações.● A princípio, o Sumo Sacerdote era o Rei; mais tarde, esse cargo ficou nas mãos de um sacerdote, o Sumo Pontífice.● O Cristianismo
  91. 91. ARQUITETURA IInicialmente, influência etrusca, com linhas curvas, arco redondo, cúpula abóboda , cloaca máxima (esgoto). Mais tarde, recebeu grande influência grega.Alguns exemplos característicos deste estilo expandiram-se por toda a Europa, devido ao expansionismo do Império Romano. Suas principais construções foram: a (a basílica romana inspirou a arquitetura das futuras igrejas cristã), a , o , o , o , o , termas e edifícios comemorativos (Arco do Triunfo de Tito, Coluna de Trajano), as
  92. 92. ARCOS
  93. 93. AQUEDUTO
  94. 94. TERMAS
  95. 95. A Via Ápia (Via Appia), uma estrada romana que liga a cidade de Roma ao sul da Itália, permanece utilizável até hoje.
  96. 96. MURALHA DE ADRIANO Ao longo dos 118 km de extensão havia fortes, castelos e atalaias, atendidos por cerca de 18.000 soldados. Pelo lado norte, a muralha estava reforçada por um foço de 8 metros de altura e quase 3 de profundidade. Pelo lado sul havia um vallum, ou vala de fundo
  97. 97. BASÍLICA ROMANA
  98. 98. FÓRUM ROMANO
  99. 99. PONTES
  100. 100. VILA ROMANA
  101. 101. TEMPLO ROMANO
  102. 102. Fontana Di Trevi
  103. 103. CLOACA MÁXIMA
  104. 104. OBELISCOS: Obelisco Lateranense, na Praça São João de Latrão
  105. 105. O COLISEU
  106. 106. ARCO DE TRIUNFO
  107. 107. vestuário
  108. 108. Atividades de lazer Além da luta de gladiadores, outras"modalidades" de lazer atraíam o homemromano. Os espetáculos faziam parte das relações quotidianas, e os homensadmiravam o teatro, as corridas de carro no circo, realizavambanquetes, praticavam o jogo de dados e frequentavam os banhos públicos.

×