Criação de
Novas capacidades
de Tratamento
Justificativa
A explanação e proposta que segue não tem por objetivo interferir imediatamente no
processo de destinação de...
Introdução
Precárias condições de saneamento, dentre elas a questão dos resíduos sólidos
são identificados hoje como um do...
Considerando que a prefeitura vem acompanhando a tendência da destinação do resíduo sólido urbano no mundo, com a
preocupa...
Portanto, atualmente não pode ser excluído um gargalo a
curto prazo de descarte de lixo que o fato em nossa região
. Ele s...
AProposta
CriaçãodeNovasCapacidades
deTratamento
http://www.b-t-einc.com/municipal-waste-to-energy.htm
Do Lixão a Energias
PreservaçãodeRecursosNaturais.
Não há Água no Aterro
Processos em
avaliação que
exijam
ciclo vapor
Geração e cogeração
Em 1923, na Alemanha, a firma Badische
Anilin Soda Fabrik (BASF) consegue
produzir metanol a partir do gás de síntese
(CO ...
11
Álcool: O mercado do metanol
Mesmo sem receber o mesmo nível de interesse do óleo vegetal, o discreto metanol consolido...
https://docs.google.com/viewer?a=v&q=cache:OHxhB5LatEkJ:www.cgee.org.br/atividades/redirect.php?idProduto%3D6821+&hl=pt&gl...
Do Syngás ao biocombustível
http://www.nrel.gov/learning/avf_gas_to_liquid.html
Menoremissõesemmotores
Uso do Metanol em Célula a Hidrogênio
16
Opção: Célula a Hidrogênio
Centro Tecnológico
17
Opção: Célula a Hidrogênio
Centro Tecnológico
Bioquerosene
Pneus, Óleos, Embalagens
Bioquerosene
Pneus, Óleos, Embalagens
Considerando que:
1 – dentre os mais graves problemas que o mundo pós-industrial enfrenta, o tratamento e a
disposição fin...
5 – certamente o interesse em eliminar a situação de vulnerabilidade, tais como ter as maiores taxas de crescimento
urbano...
9 - o destino parcial ou total do lixo urbano proporcionará o prolongamento da vida útil dos aterros em operação a recuper...
Objetivo de Campinas
Liderar com
Vanguarda no Trato
da Destinação de Resíduo
Garantir que o município de Campinas exija a melhores praticas disponíveis para a solução final
de destinação de resíduos...
 A implantação deste centro de destinação de resíduos deve dar-se mediante carta convite
, no qual o setor público terá u...
A prefeitura irá destinar a cada projeto o volume de 100 t/dia diretamente dos caminhões
coletores aos processos colocado...
PLO 168/2012
Paulo Oya
PLO 168/2012
- Projeto de Lei Ordinária - Processo 210444 DISPÕE SOBRE
A CRIAÇÃO DO PLANO DO CENTRO...
PLO 168/2012
Paulo Oya
O LODO DE ESGOTO
2.010
Média diária = 39,526 ton.
Teor de humidade médio = 70%
Teor de sólidos 30 %
Campinas
Ambiental e Energético
Criar parâmetros tecnológicos para atender de forma descentralizada utilizando toda a biom...
Campinas
Vai Determinar Solução
Flexível. Não Apenas Destrutível
A solução a ser empregada deve prever a mudança
de hábito...
StoAntoniodaPosse exemploaserevitado
ACADÊMICA: Formação prática de profissionais na área ambiental em específicos gestão de resíduos
sólidos;
Capacitação tecn...
DISPOR SOBRE A CRIAÇÃO DO PLANO DO CENTRO DE QUALIFICAÇÃO DE
DESTINAÇÃO DE RESÚDIOS SÓLIDOS PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO
PR...
 Separação de material através de operários registrados CLT;
 Não emissão de metano na atmosfera;
 Não emissão de odore...
 Prestação de serviços de destinação de resíduo sólido urbano;
 Prestação de serviços de destinação de resíduos industri...
 Serão aceitos até 3 projetos concorrentes;
 A prefeitura e demais interessados (outros municípios) pagarão o valor de R...
Os projetos podem ser inovadores com pouca base instalada mundialmente deste que atendam ao
inicio do projeto a apresentaç...
Resolver o Problema
Antigo Buscaporuma
SoluçãoModernaeEficiente
Importância da Separação
Futuro Flexível
 Tecnologias que necessitem destruir materiais nobres como os hidrocarbonetos
pl...
 Prestação de serviços de destinação de resíduo sólido urbano;
 Prestação de serviços de destinação de resíduos industri...
ExigênciasTécnicas e Econômicas
para a Solução Final Segura
e Eficiente e Flexível
OCentrodeQualificação
ApoioLegalaNovasTecnologias
REPUBLICADA NO DOE DE 07-11-09 SEÇÃO I PAG 63-65
RESOLUÇÃO SMA Nº 79, DE...
O Centro de Qualificação
Estabelecer Normas e Critérios Baseados
em Aspectos Práticos.
LIDERANÇA
AMBIENTAL
Exigências de Campinas
 Garantir que o município tenha as melhores praticas disponíveis para
a solução final de destinaçã...
 Evitar a utilização de combustíveis fósseis nos processos de destinação de resíduo sólido poupando
assim o poder público...
 O resíduo sólido hoje contem:
 Água através dos materiais orgânicos como comidas;
 Plásticos não separados como sacola...
 Hoje o Brasil produz de modo geral um lixo de alto teor de umidade e com muitos
itens recicláveis. A tecnologia suportar...
I – Descarte: Garantir a geração do menor índice rejeitos do processo para disposição em solo se
necessário e material 100...
IV – Energia: eficiência energética como uso secundário, ou seja, deve gerar energia para
exportação além do consumo própr...
VII – Antecipação: melhor perspectiva de sustentabilidade de receitas a médio e longo prazo;
capacidade de gerar receitas ...
Conclusões
Básicas
Sobre as
tecnologias
avaliadas
SOBRE SEGURANÇA AERO PORTUÁRIA
Garantir o Futuro de Salvador
RESOLUÇÃO CONAMA Nº 4, DE 9 DE OUTUBRO DE
1995
Publicada no D...
CAMPINAS NÃO ATENDE
Distância 10 Km
A região esta localizada dentro da área de grande movimentação de aeronaves
e deve eliminar qualquer risco de corresponsab...
Aterro sanitário
Considerações
 O Aterro é eternamente uma solução temporária:
 De tempos em tempos geram custos de impl...
 Tentativas para contornar as exigências do descarte ecologicamente correta do lixo urbano
Embora as exigências da Norma...
Aterro Sanitário
Solução Sempre Temporária
 O que motiva a criação de centro de certificação
Ultimamente expressões como ...
 Economia de lixo compatível com o clima
As descobertas científicas dos últimos anos evidenciaram que a implementação do ...
 O Aterro é eternamente uma solução
temporária:
 Reduz áreas que permitem
exploração econômica do
município no futuro. Á...
Aterro Sanitário
Solução Sempre Temporária
 Apesar de ser uma recomendação do programa nacional de resíduos sólidos é uma
tecnologia:
 Ultrapassada conforme regime...
Incineradores
http://www.greenpeace.org.br/toxicos/pdf/sumario_exec_health.pdf
 A aplicação na cidade de Peruíbe traz lim...
Compostagem
O ideal e o Real
 Produto ideal para compostagem
 Coleta específica
 Elevação do custo de coleta
 Falta de...
Compostagem
AgentesdeContaminação
 Grande quantidade de fezes de animais:
 Fezes humanas;
 Absorvente íntimo;
 Animais...
 Apresentar custo aparentemente bom e solução simples mas esconde algumas
questões:
 Não estão enquadradas com as normas...
http://www.bvsde.paho.org/bvsaidis/resisoli/brasil/iii-021.pdf
 A pesar de ser uma solução de baixo custo e aparentemente...
http://www.bvsde.paho.org/bvsaidis/resisoli/brasil/iii-021.pdf
......Os principais problemas de contaminação na compostage...
Layout proposto
A proposta da ABRINTER junto as
Exigências determinadas pelo centro
A Estrutura
empresa altamente especializada
INSTALAÇÕES com 1400 m² com modernos equipamentos para
projeto, fabricação, te...
O projeto REB
Reformador escalonado de biomassa
Apresentamos descritivo básico da solução para a destinação dos
resíduos (...
 Embalagens de agrícolas;
 Tintas;
 Borras;
 Solventes;
 Lodos de estações de águas residuais;
 Saúde;
 Hospital;
...
Conceito
Total Reprocessamento
Conceito
Total Reprocessamento
Conceito
Total Reprocessamento
O Processo REB em
Campinas
 Atender as exigência de Sumaré
enquadrado nos conceitos de melhor
prática disponível e melhor...
Fonte CENBIO
O processo em que a BIOMASSA é fragmentada com o uso
de calor numa atmosfera com pouco/sem alimentação de
oxi...
 2a Guerra Mundial, os países importadores de
petróleo recorrem ao gasogênio; mais de
um milhão de unidades são construíd...
 A Torre Azul é um núcleo de processamento de biomassa que permite o aproveitamento de resíduos de
aterros sanitários ou ...
Atendendo ao Centro e a Resolução
Conversão de Energia Pequeno Espaço
Características gerais
Altura da torre 42 metros
Mat...
FASE III - Nesta fase do processo, o reservatório é preenchido com material
esférico de liga metálica, o qual é aquecido a...
Dióxido de Carbono
Hidrogênio
Monóxido de Carbono
Metano
Propano
Nitrogênio
Resultado do REB
Reformador Escalonado de Biom...
Usos Viáveis do Gás Gerado
Diferencial Tecnológico
http://bioenfapesp.org
A solução operacional
 Iniciar a destinação com recuperação (se
instalado onde há passivo) do lixão de
forma isolada, sem...
Solução
Descentralizada
Energia Elétrica
 Cooperativa, leias –se funcionários CLT
Expansão Ilimitada
Possível a instalação
De Central Regional
Expansão Ilimitada
 Expansão conforme adesão das
outras cida...
RESOLVE:
Artigo 1º - Estabelecer condições operacionais, limites de emissão, critérios de controle e
monitoramento para di...
Necessário fator de composição do gás de síntese => 1,5 de acordo com a formula fornecida, Fórmula
fornecida para o cálcul...
Do Syngás
ao Biocombustível
Na usina
01 kg de Biomassa = 3.080 kCal/kg
Reformador Escalonado de Biomassa
01 Nm3 de Gás de Síntese = 3.100 kCal/Nm3
Con...
Destinação de Lodo
I - Usina de Recuperação de Energia (URE) - qualquer
unidade dedicada ao tratamento térmico de resíduos sólidos
conforme e...
RESOLVE:
I - Usina de Recuperação de Energia (URE) - qualquer unidade dedicada ao tratamento térmico de
resíduos sólidos c...
GA
SEI
FI
CA
DOR
BIOMASSA
PET
CALOR
RESIDUAL
GÁS DE
PRODUTO
UNIDADE DE
COMPRESSÃO
GASÔMETRO
ENERGIA
ELÉTRICA
Lavanderia In...
Eficiência
de Conversão
Item ATIVIDADES MESES
p/ Itens p/ Obra
01 Engenharia básica detalhamento. 01 0
02 Projeto básico e de detalhamento do empr...
Inauguração Unidade Japão
Unidade Separadora de Hidrogênio
http://www.youtube.com/watch?v=GOG0RpC3csU
Vídeos da Tecnologia...
abrinter.org.br | (+55 85 ) 4062-9676
contato@abrinter.org.br
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Centro de certificação_de_destinação _campinas

813 visualizações

Publicada em

Precárias condições de saneamento, dentre elas a questão dos resíduos sólidos são identificados hoje como um dos principais fatores de ameaça a preservação do ambiente: ar, água e solo.

Os resíduos sólidos, em função de sua variedade de volume e diferentes graus de degradação constituem hoje uma das grandes preocupações tanto em territórios urbanos quanto rurais, principalmente em áreas sensíveis ambientalmente, caso da Mata Atlântica.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
813
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Centro de certificação_de_destinação _campinas

  1. 1. Criação de Novas capacidades de Tratamento
  2. 2. Justificativa A explanação e proposta que segue não tem por objetivo interferir imediatamente no processo de destinação de resíduos mas sim garantir que no futuro as soluções sejam as corretas do ponto de vista ambiental , social e financeiro. Locais para despejo serão extintos com toda certeza e a elevação de custos ainda é um problema menor que a contaminação ou desperdício energético. Existe em andamento em Campinas uma proposta PLO que nos permite fazer a coisa correta no tempo correto.
  3. 3. Introdução Precárias condições de saneamento, dentre elas a questão dos resíduos sólidos são identificados hoje como um dos principais fatores de ameaça a preservação do ambiente: ar, água e solo. Os resíduos sólidos, em função de sua variedade de volume e diferentes graus de degradação constituem hoje uma das grandes preocupações tanto em territórios urbanos quanto rurais, principalmente em áreas sensíveis ambientalmente, caso da Mata Atlântica. O aumento do consumo e principalmente o manejo e destinação inadequada dos resíduos vêm causando problemas diversos para a saúde pública e para o ambiente com efeitos indesejáveis para a preservação dos recursos naturais.
  4. 4. Considerando que a prefeitura vem acompanhando a tendência da destinação do resíduo sólido urbano no mundo, com a preocupação de se enquadrar nas mais rígidas normas visando a não prejudicar o parque industrial e a colocação de seus produtos no mercado exterior bem como afugentar a instalação de novas empresas em seu território. É certo que a prática de depositar lixo urbano não tratado em aterros sanitários, causavam poluição do solo, das águas superficiais e dos lençóis freáticos, além de liberarem gases prejudiciais ao clima. As populações vizinhas dos aterros sanitários se queixavam de mau cheiro, poeira, papéis e pedaços de plástico esvoaçando no ar. Posteriormente, houve progressos consideráveis na tecnologia de aterros sanitários, principalmente através de medidas dispendiosas para a vedação, para a coleta e purificação da água de infiltração e para a coleta e o aproveitamento dos gases liberados pelos aterros. Apesar de todos os progressos, não foi possível assegurar a compatibilidade ecológica da modalidade tradicional de depositar o lixo em aterros sanitários. Continuava existindo o risco de sites problemáticos cujo saneamento representa encargos financeiros consideráveis para os nossos descendentes. O lixo contém diferentes tipos e quantidades de substâncias nocivas e substâncias biodegradáveis, as quais no aterro sanitário reagem biologicamente e quimicamente entre si, como em um reator. Como ao mesmo tempo a água da chuva penetra na massa do aterro, é criada uma água de infiltração carregada de substâncias nocivas, cujos múltiplos compostos nocivos orgânicos e inorgânicos podem atravessar o material armazenado, penetrando no lençol freático e contaminando-o. Os processos biológicos de decomposição na massa do aterro formam um gás que contém metano e é emitido pelo aterro, contaminando a atmosfera e contribuindo consideravelmente para o efeito estufa. Desta maneira, a armazenagem tradicional em aterros sanitários constitui uma fonte considerável para o gás de estufa metano. O metano tem uma relevância para o clima 21 vezes maior do que o CO2 e causa danos permanentes à atmosfera. APropostaCriaçãodeNovasCapacidades deTratamento
  5. 5. Portanto, atualmente não pode ser excluído um gargalo a curto prazo de descarte de lixo que o fato em nossa região . Ele só pode ser evitado com a realização acelerada dos projetos em andamento e com a criação imediata de novas capacidades de processamento para combustíveis secundários e capacidades de combustão secundária e ou produtos. Além disto, é necessário verificar até que ponto as capacidades existentes e incentivar outras tantas através do setor publico podem ser ampliadas a curto prazo de aterro sanitário e a busca de tecnologia pode levar alguns anos. Uma vez que a utilização do gás para combustão secundária e/ou eletricidade pode ser vantajosa para a indústria, tanto por motivos de custo como em vista da economia de emissões de CO2 no âmbito das transações de emissões, é de se supor que haverá uma disposição crescente de usar no futuro combustíveis alternativos provenientes de lixo urbano que atendam às exigências (com garantia de qualidade e produção em massa), principalmente por parte dos operadores de usinas AProposta CriaçãodeNovasCapacidades deTratamento
  6. 6. AProposta CriaçãodeNovasCapacidades deTratamento
  7. 7. http://www.b-t-einc.com/municipal-waste-to-energy.htm Do Lixão a Energias
  8. 8. PreservaçãodeRecursosNaturais. Não há Água no Aterro Processos em avaliação que exijam ciclo vapor
  9. 9. Geração e cogeração
  10. 10. Em 1923, na Alemanha, a firma Badische Anilin Soda Fabrik (BASF) consegue produzir metanol a partir do gás de síntese (CO e H2); Produçãocombustívellíquido Ainda em 1923, Fischer e Tropsch conseguem produzir produtos liquefeitos tal como "Synthol e petróleo sintético" a partir de gás de síntese. Synthol: mistura de álcoois, aldeídos e cetonas; Petróleo sintético: hidrocarbonetos de cadeia longa sem oxigênio;
  11. 11. 11 Álcool: O mercado do metanol Mesmo sem receber o mesmo nível de interesse do óleo vegetal, o discreto metanol consolidou-se como ingrediente fundamental para o biodiesel brasileiro Fábio Rodrigues, de São Paulo Pegue qualquer bom manual de química e ele vai explicar que o biodiesel é fabricado normalmente através da transesterificação, que vem a ser um processo onde se mistura um óleo – de origem vegetal ou animal – e um álcool na presença de um catalisador. ....................... Embora seja possível usar praticamente qualquer tipo de álcool, só dois deles têm sido explorados para a produção de biodiesel em nível comercial: o metanol e o etanol. Os processos de transesterificação baseados nessas duas substâncias são chamados, respectivamente, rota metílica e rota etílica do biodiesel. Mas a impressão é que, desses dois, por enquanto só o metanol pode mesmo ser levado a sério. Os números do setor são bem eloquentes a respeito do pouco crédito que a rota etílica goza entre os produtores brasileiros de biodiesel: de um total de 99 fábricas presentes na lista compilada pelo portal BiodieselBR, apenas três informam que utilizam a rota etílica. Embora o metanol possa ser fabricado com biomassa e tenha durante muitos anos sido produzido a partir de um processo de destilação da madeira, hoje em dia os grandes fabricantes comerciais usam gás natural como matéria- prima para o produto. Além disso, a maior parte do metanol usado no Brasil precisa ser importada. Segundo dados publicados pela Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim) na edição 2010 de seu Anuário da Indústria Química Brasileira, o mercado nacional consumiu pouco menos de 770 mil toneladas da substância, das quais 73,2% tiveram que ser importadas. Só há duas empresas brasileiras competindo no mercado de metanol: a GPC Química do Rio de Janeiro, com capacidade para 220 mil toneladas, e a Companhia Petroquímica do Nordeste (Copenor), de Camaçari (BA), com 82,5 mil toneladas.....
  12. 12. https://docs.google.com/viewer?a=v&q=cache:OHxhB5LatEkJ:www.cgee.org.br/atividades/redirect.php?idProduto%3D6821+&hl=pt&gl=br&pid=bl&srcid=ADGEEShqoLo5po8l oCDPX5VoP--bYB6poghR1g4lR6gthGMte1xZcaSwFv0KrhJMigNRoQYIJvxD1JxuU1-KCRRI6PtDRiRV6zV7b92r44Zlk- JE2cAuBHfUE5Ap50WUz9rQyTwx98qK&sig=AHIEtbTaM6oSedT0F1Rbez_c5vlv4RX4Iw
  13. 13. Do Syngás ao biocombustível
  14. 14. http://www.nrel.gov/learning/avf_gas_to_liquid.html Menoremissõesemmotores
  15. 15. Uso do Metanol em Célula a Hidrogênio
  16. 16. 16 Opção: Célula a Hidrogênio Centro Tecnológico
  17. 17. 17 Opção: Célula a Hidrogênio Centro Tecnológico
  18. 18. Bioquerosene Pneus, Óleos, Embalagens
  19. 19. Bioquerosene Pneus, Óleos, Embalagens
  20. 20. Considerando que: 1 – dentre os mais graves problemas que o mundo pós-industrial enfrenta, o tratamento e a disposição final do lixo urbano é sem dúvida o maior. Tanto pela escassez de áreas para disposição em razão do volume gerado quanto pela sua periculosidade. 2 – segundo a ONU aproximadamente 5,2 milhões de pessoas, incluindo 4 milhões de crianças relacionadas com o lixo. Dato que se agrava quando se associa à ausência de coleta ou tratamento de esgoto, como é o caso das maiorias das cidades brasileiras. 3 – no Brasil o volume de lixo produzido é consideravelmente elevado. 120 mil toneladas/dia ou 43,2 milhões/ano sendo que 76% desse lixo é lançado a céu aberto em lixões, a vezes próximo a aeroportos e industrias, poluindo o solo, o ar, as águas subterrâneas e as águas superficiais justamente quando a água poderá ser o principal argumento de interferência entre nações. 4 – nos últimos 30 anos, o crescimento se faz de modo acelerado e sem planejamento. Grandes obras acabaram levando ao surgimento de núcleos urbanos sem infra- estrutura, resultando na produção de esgotos e resíduos sólidos urbanos que sem tratamento adequado associado ao garimpo., à mineração e .à extração de madeira que provocam elevados danos ambientais como a contaminação das águas dentre outros.
  21. 21. 5 – certamente o interesse em eliminar a situação de vulnerabilidade, tais como ter as maiores taxas de crescimento urbano, os piora índices de saneamento ambiental como é o caso do abastecimento de água tratada; de tratamento de esgoto; de limpeza urbana e exclusão de um grande número de pessoas do acesso à energia elétrica, destinação de resíduos. No que diz respeito aos resíduos sólidos urbanos ( lixo ), os municípios na sua maioria apresentam um quadro de futuro duvidoso a partir da coleta até a destinação final 6 – os baixos investimentos dos governos e a fragilidade institucional da prefeitura municipal, carente de recurso financeiros e humanos, tanto em número, quanto em qualificação técnica colaboram para esta situação. 7 – o desafio é minimizar esse passivo com implantação de programas que ajudem a desenvolver a região de forma sustentável, preservando os recursos naturais, gerar empregos e elevar a qualidade de vida da população, a exemplo da geração de energia de forma descentralizada aproveitando os recursos energéticos renováveis existentes nos municípios a exemplo do lixo domiciliar urbano. Possibilitando inclusive o maior aproveitamento do manejo sustentável de outras fontes como madeira, poda de árvores em busca da redução significativa das perdas por beneficiamento. 8 – a destinação do lixo urbano, além de possibilitar a geração de energia elétrica/térmica, permite reduzir o consumo de matéria prima, possibilita ao poder público local solucionar o crescente problema de locação de áreas nos centros urbanos para destinação e tratamento final, a recuperação das áreas atualmente utilizadas, minimizar impactos ambientais decorrentes da degradação de áreas, emissões de gases dos aterros, como o metano ( CH4 ) que tem efeito no aquecimento global de aproximadamente 21 vezes maior do que o dióxido de carbono ( CO2 ) e do chorume que contamina ás águas subterrâneas e superficiais.
  22. 22. 9 - o destino parcial ou total do lixo urbano proporcionará o prolongamento da vida útil dos aterros em operação a recuperação de lixões e/ou a recuperação do passivo ambiental dos aterros fechados ou encerrados. Também tem como resultante por exemplo a produção de gás de síntese, metano, adubos, etc...que esta sendo apontado como o combustível do futuro. 10 – é desejável a máxima recuperação energética para o calor residual gerado pelos processos pode ser recuperado para uso diversificado, como produção de água quente para uso industrial; plantas de bioenergia, energia elétrica; frio para sistemas de condicionamento de ar e câmaras frigoríficas, calor gás, instalação de parque industrial, etc... E, pode representativa pela energia consumida pela população, órgãos públicos e entidades privadas parceiras da solução. 11 – políticas de aproveitamento do lixo e da viabilização de novas tecnologias podem ajudar na manutenção em índices aceitáveis dos custos da destinação final e evitar também as perdas relativas ao consumo de energia, matérias-primas, águas e controle ambiental, como da energia elétrica que tem baixíssimo consumo na produção a partir da reciclagem em comparação ao consumo a partir da matéria virgem. A exemplo do plástico, cabos elétricos, embalagens longa vida e da lata de alumínio que a partir do processo de reciclagem, atingem uma redução de energia elétrica de 78 a 96 % respectivamente. 12 – a geração de energia a partir da destinação do lixo domiciliar urbano e a recuperação de material disposto em solo é uma possibilidade real, e ainda, considerando-se os aspectos como o de podermos realizar esta empreitada compartilhando com as a iniciativa privada, por beneficiar a todos. A eventual substituição de combustível fóssil ( óleo diesel ) e reduzindo a emissão de gases na atmosfera; a PREFEITURA – que possa contar com adequada destinação final do lixo; INICIATIVA PRIVADA – que possa a ter consideráveis quantidades de energia biocombustível/ combustível/elétricidade também colocados à disposição dos consumidores e a POPULAÇÃO ou mercado privado – se beneficiara dos investimentos na região . Integrar com os Planos de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos e demonstrar à comunidade global a vontade política em antecipar o cumprimento das normas e legislações ambientais vigentes.
  23. 23. Objetivo de Campinas Liderar com Vanguarda no Trato da Destinação de Resíduo
  24. 24. Garantir que o município de Campinas exija a melhores praticas disponíveis para a solução final de destinação de resíduos e aproveitamento energético conforme ; Servir de referência técnico ambiental a outros municípios Brasileiros; Permitir conscientização da sociedade da R.M.C quando a vanguarda tecnológica atingida com este projeto; Possibilidade da participação de outros municípios nos custos da certificação de tal forma a permitir que possam fazer uso de Termo de Ajusta de Conduta – TAC para licitação de destinação após a conclusão do projeto em Campinas; Permitir a perfeita elaboração de licitação final prevista na P.P.P; Permitir o envolvimento do setor acadêmico criando oportunidades profissionais e desenvolvimento tecnológicos como por exemplo: interação com a FIESP uma vez que o setor empresarial é co-responsável por problemas ocorridos pela destinação de forma incorreta de seus resíduos e exemplificar o aterro Mantovani; Meta de Campinas InvestimentoProjetoPiloto
  25. 25.  A implantação deste centro de destinação de resíduos deve dar-se mediante carta convite , no qual o setor público terá uma alternativa para a destinação de resíduos que naturalmente vão para aterros sanitários;  Neste caso, objetiva-se que a prefeitura ceda uma área para a implantação do projeto e garanta o transporte dos resíduos até o centro, de modo que não haja custos de aquisição/arrendamento do terreno para o empreendedor e logística para o lixo urbano a ser processado;  A avaliação da viabilidade econômica do projeto, assim como os riscos envolvidos, será dada com base na operação comercial durante 5 anos a todas as tecnologias e após este período todas devem ser removidas ou podem continuar operando se forem viáveis com o valor a ser determinado pela licitação de PPP que será realizada em base aos par  Parâmetros técnicos registrados.  é a base do interesse e viabilidade econômica e desenvolvimento tecnológico. Meta de Campinas InvestimentoProjetoPiloto
  26. 26. A prefeitura irá destinar a cada projeto o volume de 100 t/dia diretamente dos caminhões coletores aos processos colocados. Ou seja 300 t/dia aos processos. Os processos deverão ter capacidade de continuidade no processo por um período mínimo de 5 anos, prazo o qual a prefeitura considera ser o suficiente para remuneração do investimento que não for contemplando com o contrato da PPP. A remuneração por tonelada será sugerida a titulo de incentivo no valor inicial de R$ 200,00 (duzentos reais por tonelada). O valor para a PPP será definido posteriormente. A eletricidade gerada no empreendimento piloto será destinada no aterro sanitário e terá a sua remuneração na razão de R$ 200,00/MWh em baixa tensão e desta forma eliminando a necessidade de grandes investimentos em sistemas de conexão a rede de distribuição elétrica . Os projetos poderão operar com a destinação de resíduos privados o quais deverão remunerar diretamente os empreendedores de tal forma a desonerar a cidade desde que dentro do limite de 100t/dia total desde que todos os projetos recebam o mesmo material em caracterÍsticas e valores e volumes para manter assim os conceitos em analise viávies. Meta de Campinas InvestimentoProjetoPiloto
  27. 27. PLO 168/2012 Paulo Oya PLO 168/2012 - Projeto de Lei Ordinária - Processo 210444 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PLANO DO CENTRO DE QUALIFICAÇÃO DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Data da Entrada: 02/04/2012 Autor: Paulo Shinji Oya Localização Atual: Presidência Situação: Concluso à Presidência Última Ação: P/ MANIFESTAÇÃO DA PRESIDÊNCIA Em: 04/04/2012 Acompanhar matéria
  28. 28. PLO 168/2012 Paulo Oya
  29. 29. O LODO DE ESGOTO 2.010 Média diária = 39,526 ton. Teor de humidade médio = 70% Teor de sólidos 30 %
  30. 30. Campinas Ambiental e Energético Criar parâmetros tecnológicos para atender de forma descentralizada utilizando toda a biomassa , resíduos disponível de forma a proporcionar desenvolvimento sócio econômico a TODAS as cidades do estado da Bahia visando a não circulação e gerando emprego e renda de forma descentralizada. BIOMASSA DISPONÍVEL:  PODAS DE ÁRVORES;  VARRIÇÃO;  RESÍDUOS DOMÉSTICOS E INDUSTRIAIS;  LODO DE ESGOTO;  RESÍDUOS HOSPITALAR, FARMACEÚTICO, ODONTOLÓGICO;  RECUPERAÇÃO DE PASSIVOS EXISTENTES APÓS A EXPLORAÇÃO DO BIOGÁS.  DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICOS PARA O SETOR PRIVADO, A EXEMPLICAR USO EFICIENTE DE BIOMASSA EM COGERAÇAO (SETOR DE SUCRO E ALCOOL);
  31. 31. Campinas Vai Determinar Solução Flexível. Não Apenas Destrutível A solução a ser empregada deve prever a mudança de hábitos da população bem como a mudança da indústria no conceito de fornecimento de alimentos. Exemplo comum: Substituição do PET por Vidro. Determinar que sejam analisadas soluções que permitem o uso futuro de outras usos do material e não simplesmente promover a DESTRUIÇÃO do material que seria também a DESTRUIÇÃO de oportunidades futuras.
  32. 32. StoAntoniodaPosse exemploaserevitado
  33. 33. ACADÊMICA: Formação prática de profissionais na área ambiental em específicos gestão de resíduos sólidos; Capacitação tecnológica com equipamentos e criação de laboratórios especializados em análise do ar, água, gases e emissões; Permitir fazer do centro o ponto principal de formação e treinamento profissional para outras unidades que utilizem os conceitos e tecnologias aqui implementadas e contempladas; Gerar parâmetros para o setor financeiro privado BNDES e entidades de outros estados BNB, SUDENE, FCO, etc...para que possam participar deste modelo de negocio viabilizando as PPP s; Gerar segurança ao mercado financeiro e investidores privados para a expansão do projeto e outros oportunidades; Gerar desenvolvimento industrial permitindo o desenvolvimento e capacitação de parque fabril; Encontrar solução flexível e expansível permitindo desta forma a evolução do projeto final conforme a demanda regional, como por exemplo a entrada de municípios vizinhos, portanto aumento gradual e ou redução de volume em mudança de hábitos da população como a entrada de vidro em lugar ao PET no mercado. Campinas : O Centro de Qualificação
  34. 34. DISPOR SOBRE A CRIAÇÃO DO PLANO DO CENTRO DE QUALIFICAÇÃO DE DESTINAÇÃO DE RESÚDIOS SÓLIDOS PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Fica criado o PLANO DO CENTRO DE QUALIFICAÇÃO DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR no Município de Campinas - SP Plano do centro de qualificação de destinação de resíduos sólidos proposta de desenvolvimento preliminar do Campinas tem como objetivo identificar as melhores práticas possíveis na destinação e reprocessamento de resíduos sólidos através dos critérios básicos a seguir determinados. Isto vai permitir que 100% do resíduos sólidos urbanos e industriais sejam licitados de forma escalonada e até mesmo alterando tecnologias caso surjam novas e melhores práticas Campinas : O Centro de Qualificação
  35. 35.  Separação de material através de operários registrados CLT;  Não emissão de metano na atmosfera;  Não emissão de odores;  Instalação na atual área de destinação;  Projeto enquadrado dentro das normas Europeias de emissões;  Não produção de efluentes líquidos;  Balanço energético positivo;  Não utilizar combustível fóssil;  Água circuito fechado. O Centro de Qualificação exigências
  36. 36.  Prestação de serviços de destinação de resíduo sólido urbano;  Prestação de serviços de destinação de resíduos industriais;  Destinação de lodo de esgoto ETE;  Prestação de serviços de destinação a grandes geradores;  Venda de energia térmica para processos agregados;  Venda de energia na forma de gás e/ou elétrica. O Centro de Qualificação Fonte de Receitas
  37. 37.  Serão aceitos até 3 projetos concorrentes;  A prefeitura e demais interessados (outros municípios) pagarão o valor de R$ 250,00/t  Os investimentos deverão ser privados podendo haver colaboração institucional do poder público junto a fontes de recursos;  Os projetos terão avaliação econômica operacional deste a unidade aqui dita piloto, ou seja, não será aceito instalação subsidiada uma vez que é foco que as tecnologias sirvam para aplicações em cidades menores que são a maioria das aplicações;  O volume para cada tecnologia será limitado a 100t/d no perído 24hrs/dia. 365 dias/ano;  Outros materiais diferentes do RSU somente será de responsabilidade do operador e terá função de gerar diferencial tecnológico a este;  A energia elétrica a ser gerada, que é obrigatória, será adquirida para uso no local da instalação remunerada ao valor de mercado para este tipo de energia e seus benefícios, ou seja, mercado livre – custos de incentivo;  Demonstrarão capacidade de reprocessamento ou aproveitamento dos compostos;  Os projetos receberão materiais idênticos da seguinte forma:  Triturados: material do caminhão compactador diretamente aos processos;  Um período material seco inorgânico; outro período totalmente orgânico; Estatuto específico será elaborado com participação dos interessados. O Centro de Qualificação Conceitual Operacional
  38. 38. Os projetos podem ser inovadores com pouca base instalada mundialmente deste que atendam ao inicio do projeto a apresentação de atendimento de todas as necessidades da solução final (da recepção do lixo, reciclagem até a destinação) com apresentação de capacidade financeira/parceria para o comprimento do projeto (cartas de parcerias estratégicas). Não será aceito modelos experimentais sem nenhuma unidade instalada. Não poderá participar em mais que um grupo de soluções os proponentes. As empresas deverão ter total controle por equipe própria ou grupo econômico da solução. É obrigatória a participação de grupo tecnologia ou econômico existente e instalada até a data de contemplação na R.M.C. A fim de evitar monopólio de grupos econômicos e vícios não é necessário que o grupo tenha operações de destinação ou operação de aterros nesta fase da proposta. Este centro tem por objetivo viabilizar que novos tecnologias e interessados apareçam com inovações tecnológicas, o que não é o forte dos operadores deste segmento. O objeto desta laboratório é viabilizar futuras parcerias entre tecnologia e grupos econômicos e ou operadores da área. Meta de Campinas Investimento Projeto Piloto
  39. 39. Resolver o Problema Antigo Buscaporuma SoluçãoModernaeEficiente
  40. 40. Importância da Separação Futuro Flexível  Tecnologias que necessitem destruir materiais nobres como os hidrocarbonetos plásticos, borrachas, pneus IMPEDIRÃO uso eficiente destes materiais no futuro, a conscientização da população tende a permitir uma melhor reaproveitamento do lixo e isto deve ser levado em conta.  A Solução para Campinas deve justamente ter a capacidade de ajustar a solução do lixo, separado ou não , conforme os volumes de material a ser tratado bem como a flexibilização do uso destes materiais e conversão, em opções como:  Gás combustível, eletricidade;  Bioquerosene;  Biodiesel;  Metanol/ Etanol.
  41. 41.  Prestação de serviços de destinação de resíduo sólido urbano;  Prestação de serviços de destinação de resíduos industriais;  Destinação de lodo de esgoto ETE;  Prestação de serviços de destinação a grandes geradores;  Prestação de serviços de destinação a cidades vizinhas;  Venda de energia térmica para processos agregados;  Crédito da comercialização de carbono;  Venda de reciclados separados na unidade de destinação;  Venda de água de para reuso;  Venda de energia na forma de gás e/ou elétrica. O Centro de Qualificação Fonte de Receitas da Futura PPP
  42. 42. ExigênciasTécnicas e Econômicas para a Solução Final Segura e Eficiente e Flexível
  43. 43. OCentrodeQualificação ApoioLegalaNovasTecnologias REPUBLICADA NO DOE DE 07-11-09 SEÇÃO I PAG 63-65 RESOLUÇÃO SMA Nº 79, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLVE: Artigo 1º - Estabelecer condições operacionais, limites de emissão, critérios de controle e monitoramento para disciplinar o processo de licenciamento do aproveitamento energético dos processos de tratamento térmico de resíduos sólidos, em Usina de Recuperação de Energia (URE), visando a atender o critério de melhor tecnologia prática disponível, de modo a minimizar os impactos deletérios à saúde pública e ao meio ambiente. Artigo 2º - Para efeito desta Resolução são adotadas, conforme classificação imposta pelos artigos 6º e 35 da Lei Estadual nº 12.300, de 16 de março de 2006, em consonância com o disposto no artigo 2º da Resolução CONAMA nº 316, de 29 de outubro de 2002 as seguintes definições: I - Usina de Recuperação de Energia (URE) - qualquer unidade dedicada ao tratamento térmico de resíduos sólidos conforme especificados no artigo 3º desta Resolução, com recuperação de energia térmica gerada pela combustão. Esta definição inclui o tratamento por oxidação térmica e outros processos como a pirólise, gaseificação ou processos de plasma, desde que se demonstre equivalência ao tratamento por oxidação....
  44. 44. O Centro de Qualificação Estabelecer Normas e Critérios Baseados em Aspectos Práticos. LIDERANÇA AMBIENTAL
  45. 45. Exigências de Campinas  Garantir que o município tenha as melhores praticas disponíveis para a solução final de destinação de resíduos e aproveitamento energético;  Servir de referência técnico ambiental a outros municípios Brasileiros;  Possibilidade da participação de outros municípios nos custos da certificação de tal forma a permitir que possam fazer uso de Termo de Ajusta de Conduta – TAC para licitação de destinação após a conclusão do projeto em Campinas planejando-se a expansão e as atividades, eletricidade, biocombustível, etc..;
  46. 46.  Evitar a utilização de combustíveis fósseis nos processos de destinação de resíduo sólido poupando assim o poder público de elevação de preços no futuro uma vez que a escassez do petróleo e seus derivados é certa;  Evitar a utilização de aditivos químicos uma vez por estarem sujeitos a variações de mercado o que eleva o preço da destinação, mais um elemento a ser tratado com riscos de emissões;   Total preservação dos recursos naturais:  menor utilização de recursos naturais nos processo, ex: água;  menor emissões de gases, sólidos e líquidos residuais;  reprocessar material do aterro existente a fim de devolver a área do aterro ao seu estado natural reduzindo riscos ambientais e custos de manutenção.  Tecnologia que estejam menos sujeitas a variações na qualidade e no tipo do resíduo a ser destinado, a tecnologia deve prever tanto e elevação de materiais altamente energéticos como a eventual redução destes itens o que aumentaria a carga orgânica a ser tratada, a exemplificar: Exigências de Campinas
  47. 47.  O resíduo sólido hoje contem:  Água através dos materiais orgânicos como comidas;  Plásticos não separados como sacolas, pets, materiais de higiene pessoal;  Pneus; Vidros; Metais;  Papel;  Papelão;  Lodos destinados ao aterro.  Esta consideração é importante pois, a exemplo dos incineradores na Europa e educação da população com o tempo poderá haver a diminuição de materiais altamente energéticos e podem afetar o equilíbrio energético do processo o que resultara em ineficiência e por outro lado a elevação dos custos de destinação. Por outro lado pode ocorrer justamente o contrário o que melhora o desempenho da reciclagem e ainda assim haverá excesso de orgânicos a serem destinados. Esta condição deverá ser prevista, ou seja, os processos devem tratar lixo misto como é hoje e/ou só orgânicos e/ou só material seco (CDR) sendo desejável e aceitável que esta unidades possam desenvolver outros matérias (biomassa) proporcionando desenvolvimento econômico ao país. Exigências de Campinas
  48. 48.  Hoje o Brasil produz de modo geral um lixo de alto teor de umidade e com muitos itens recicláveis. A tecnologia suportar que estes itens tanto aumentem nos próximos anos por crescimento populacional ou pelo aumento de renda através da instalação de novos módulos.  Hoje países europeus veem seus empreendimentos comprometidos pela eliminação do pet com o retorno do vidro, o que vem comprometendo os incineradores e tecnologias que dependem desta energia, o objetivo é detectar soluções que possam ter suas instalações reduzidas com a realocação dos equipamentos e desta forma ajustando a necessidades e/ou expansão flexível. Exigências de Campinas
  49. 49. I – Descarte: Garantir a geração do menor índice rejeitos do processo para disposição em solo se necessário e material 100% inerte: menor produção de rejeitos por tonelada de material processado; II – Inertização: Total inertização do material resultante do processo: o material deve ter tal característica que sob ação de chuva, sol, umidade não produza mais nenhum componente contaminante como chorume, metano, riscos de combustão, nem mesmo cinzas metalizadas; III – Co-processamento: Total capacidade de recuperação de itens recicláveis incluindo novos conceitos de recuperação e separação para comercialização: material nobre como embalagens longa vida (recuperação de alumínio), cabos elétricos (recuperação de metais), etc... produtos descartados que podem ter seus metais recuperados e não apenas encapsulados ou fundidos; Exigências de Campinas
  50. 50. IV – Energia: eficiência energética como uso secundário, ou seja, deve gerar energia para exportação além do consumo próprio: Cita-se como exemplo Kcal/Kg x eletricidade, ou seja, com os resíduos de caracterização conhecidos e no mesmo padrão fornecido a cada processo deve avaliar qual irá produzir maior quantidade de energia elétrica; V – Remoção de Passivo: maior capacidade de recuperação do material enterrado em solo: visto que Salvador tem por objetivo ser líder e com esta iniciativa o processo deverá tratar o reprocessamento de material hoje depositado no solo e desta forma prever a futura recuperação do local e permitir a outras cidades o conhecimento da tecnologia para remoção de passivos existente; VI – Flexibilidade: processo capaz de destinar os resíduos em conjunto ou isoladamente. Capacidade de tratar maior número de elementos existentes no lixo incluindo hospitalar: a tecnologia deve processar em conjunto ou isoladamente materiais como lixo orgânico, material de base aquosa como lodo de ETE, lixo seco como o CDR (combustível de resíduo), biomassa vegetal como podas de árvore, varrição, jardinagem, hidrocarbonetos como pneus; Exigências de Campinas
  51. 51. VII – Antecipação: melhor perspectiva de sustentabilidade de receitas a médio e longo prazo; capacidade de gerar receitas adicionais (subprodutos) bem como agregar projetos de interesse do município como produção de biocombustível em desenvolvimento com setores acadêmicos e tecnológicos; VIII – Combustível Fóssil: determinar processos com a menor ou nenhuma utilização de combustível fóssil e/ou eletricidade como parte do processo, a escassez anunciada destes recursos podem levar a elevação insustentável operacional do processo no futuro. A elevação destes insumos levaria por outro lado a correção de preços dos serviços contratados pelo poder público e privado o que no futuro próximo obrigaria a reajustes que podem comprometer os recursos públicos: IX - Recursos Naturais: determinante a menor utilização de recursos naturais em qualquer fase do processo. Deixando claro que o Centro de destinação e as soluções para destinação de resíduos sólidos será instalado nos aterros sanitários (prevendo a recuperação) portanto distantes de manancial de água e/ou escasso deste recurso a ser preservado e não utilizado. Por exemplo, áreas para aterros, a necessidade de água na geração de energia deve ter sua demanda reduzida e o ideal é fazer uso em circuito fechado com reposição deste recurso com a água contida no chorume e/ou no material orgânico. Exigências de Campinas
  52. 52. Conclusões Básicas Sobre as tecnologias avaliadas
  53. 53. SOBRE SEGURANÇA AERO PORTUÁRIA Garantir o Futuro de Salvador RESOLUÇÃO CONAMA Nº 4, DE 9 DE OUTUBRO DE 1995 Publicada no DOU de 11 de dezembro de 1995 “Art. 1º São consideradas "Área de Segurança Aeroportuária - ASA" as áreas abrangidas por um determinado raio a partir do "centro geométrico do aeródromo", de acordo com seu tipo de operação, divididas em 2 (duas) categorias: I - raio de 20 km para aeroportos que operam de acordo com as regras de vôo por instrumento (IFR); e II - raio de 13 km para os demais aeródromos. Parágrafo único. No caso de mudança de categoria do aeródromo, o raio da ASA deverá se adequar à nova categoria. Art. 2º Dentro da ASA não será permitida implantação de atividades de natureza perigosa, entendidas como "foco de atração de pássaros", como por exemplo, matadouros, curtumes, vazadouros de lixo, culturas agrícolas que atraem pássaros, assim como quaisquer outras atividades que possam proporcionar riscos semelhantes à navegação aérea. “
  54. 54. CAMPINAS NÃO ATENDE Distância 10 Km
  55. 55. A região esta localizada dentro da área de grande movimentação de aeronaves e deve eliminar qualquer risco de corresponsabilidade. As linhas vermelhas são de 13KM CAMPINAS Região NÃO Atende
  56. 56. Aterro sanitário Considerações  O Aterro é eternamente uma solução temporária:  De tempos em tempos geram custos de implementação;  Deixam um rastro de material a ser monitorado, gerando eterno custo de manutenção e com grande probabilidade de se tratar a remoção;  Contratação de aterros de terceiros, transbordo deixa a cidade com a eterna corresponsabilidade ambiental e sujeita a gastos elevados (no momento de descarte) e no futuro para remover passivo como o aterro Mantovani em Santo Antonio da Posse no Estado de São Paulo, mencionado mais a frente.  Reduz áreas que permitem exploração econômica do município no futuro. Áreas tornan-se inúteis.  Já é fato a fim dos aterros sanitários na comunidade européia a qual não estamos sujeitos as normas mas podemos ganhar conhecimento.
  57. 57.  Tentativas para contornar as exigências do descarte ecologicamente correta do lixo urbano Embora as exigências da Norma Técnica sobre Lixo Urbano para a armazenagem de lixo tenham adquirido força de lei com a aprovação do Decreto sobre Depósitos de Lixo, não faltaram tentativas de contestar estas exigências mandatórias ou de contorná-las permanentemente ou por algum tempo. Sob a pressão da data-limite que se aproxima, os geradores de lixo e as empresas de descarte de lixo, que ainda não asseguraram capacidade para atender a tais exigências, estão cada vez mais à procura de saídas.  Armazenagem temporária de lixo Parece que alguns dos envolvidos cogitam da possibilidade de efetuar inicialmente a armazenagem temporária do lixo a ser eliminado em aterros sanitários se houver capacidade insuficiente, p.ex., devido a atraso nas construções. Obviamente as pessoas esperam escapar desta maneira (pelo menos temporariamente) às rigorosas exigências do Decreto sobre Depósitos de Lixo e poder oferecer (talvez até permanentemente) uma solução barata para o descarte do lixo. Entretanto, estas tentativas estão fadadas ao fracasso. Neste caso, deverão ser feitas exigências consideráveis para que uma tal armazenagem temporária não agrida o meio- ambiente. O fato de que numa armazenagem prolongada a parte orgânica do lixo doméstico sofre nitidamente uma alteração (água de infiltração altamente carregada, gases emitidos pelos aterros) dificulta a retirada posterior do lixo para incineração ou tratamento mecânico e biológico. Aterro sanitário Considerações
  58. 58. Aterro Sanitário Solução Sempre Temporária  O que motiva a criação de centro de certificação Ultimamente expressões como "colapso do descarte do lixo" e "estado de emergência do lixo" - havia capacidades de descarte cada vez menores, para volumes cada vez maiores de lixo. Apesar disso, era pequena a aceitação da criação de novas instalações de descarte de lixo - quer sejam fornos de incineração, aterros sanitários ou sistemas de compostagem. Esta recusa era motivada pelo receio de que as instalações de tratamento de lixo, principalmente os fornos de incineração, liberariam poluentes nocivos na atmosfera (principalmente dioxinas, metais pesados e poeira), os quais poderiam resultar em danos à saúde e ao meio-ambiente. Ao mesmo tempo foi constatado que a prática adotada até então, de depositar lixo urbano não tratado em aterros sanitários sem vedação adequada, causavam poluição do solo, das águas superficiais e dos lençóis freáticos, além de liberarem gases prejudiciais ao clima. As populações vizinhas dos aterros sanitários se queixavam de mau cheiro, poeira, papéis e pedaços de plástico esvoaçando no ar. Posteriormente, houve progressos consideráveis na tecnologia de aterros sanitários, principalmente através de medidas dispendiosas para a vedação, para a coleta e purificação da água de infiltração e para a coleta e o aproveitamento dos gases liberados pelos aterros. Apesar de todos os progressos, não foi possível assegurar a compatibilidade ecológica da modalidade tradicional de depositar o lixo em aterros sanitários. Continuava existindo o risco de sites problemáticos cujo saneamento representa encargos financeiros consideráveis para os nossos descendentes.
  59. 59.  Economia de lixo compatível com o clima As descobertas científicas dos últimos anos evidenciaram que a implementação do Decreto sobre Depósitos de Lixo através do tratamento preliminar dos resíduos não só protege o solo e a água contra a contaminação com substâncias nocivas, mas também dá uma contribuição importante para a proteção do clima através da utilização do seu potencial energético, que é acompanhada da substituição de combustíveis primários. O tratamento do lixo antes da sua armazenagem resulta diretamente em uma redução acentuada das emissões de metano nos aterros sanitários. Já hoje o tratamento do lixo obtém quantidades consideráveis de créditos de CO2 e assim contribui para a consecução das ambiciosas metas nacionais de redução dos gases que atuam sobre o clima, no âmbito do Tratado de Kioto. Também as próprias medidas de tratamento preliminar favorecem a proteção ao clima: uma vez que cerca de 50% do lixo urbano é de origem orgânica, seu aproveitamento energético é neutro em relação ao clima. Além disso, um aproveitamento energético eficiente dos demais componentes orgânicos do lixo, de alto valor calórico, pode substituir em grande parte os combustíveis fósseis. Também no futuro não se pode excluir a ocorrência de exportações em que o lixo é transferido para fins de aproveitamento. Neste caso, as autoridades devem estar atentas para que não ocorra um aproveitamento aparente, ou seja, que uma pequena parte do lixo seja encaminhada ao aproveitamento, enquanto a maior parte é eliminada em aterros sanitários de baixo custo. Aterro Sanitário Solução Sempre Temporária
  60. 60.  O Aterro é eternamente uma solução temporária:  Reduz áreas que permitem exploração econômica do município no futuro. Áreas tornan-se inúteis. A instalação de empreendimentos nestes locais é inviável, problemas futuros como do Shopping Center Norte.  http://vejasp.abril.com.br/materia/center-norte-gas-area-de-risco Aterro Sanitário Solução Sempre Temporária
  61. 61. Aterro Sanitário Solução Sempre Temporária
  62. 62.  Apesar de ser uma recomendação do programa nacional de resíduos sólidos é uma tecnologia:  Ultrapassada conforme regimes europeus onde esta pratica já esta proibida;  O armazenamento de lixo em solo então só permitido se este estiver em estado completamente inerte o que só é possível após um tratamento térmico (COMO EXEMPLO RESOLUÇÃO SMA Nº 79, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2009) que é totalmente diferente de disposição na forma separada secos de orgânicos;  Isto descarta tecnologias como autoclave (submeter o lixo a tratamento térmico a alta pressão porém em ambiente aquoso, que é o problema da formação do chorume);  Também impede o uso do micro ondas que é um simples inertizador de material desde que estejam úmidos, não se aplica a materiais metálicos e não reduzem o volume. Aterro Sanitário Solução Sempre Temporária
  63. 63. Incineradores http://www.greenpeace.org.br/toxicos/pdf/sumario_exec_health.pdf  A aplicação na cidade de Peruíbe traz limitações a esta tecnologia além das descritas no artigo citado.  Incineradores devem ser de grande porte 1000t/d de material seco;  Não se aplica a cidade;  Necessitam de material seco, lixo seco que são os itens recicláveis;  Geração de energia somente através do ciclo vapor;  Caso ocorra a redução de materiais energéticos no lixo como plásticos e com a alta taxa de orgânicos levam estes equipamentos a ineficiência. A exemplo da Alemanha onde hoje necessitam importar lixo mas “ rico” para manterem os incineradores operando inclusive com combustível auxiliar ( Gás Natural) .
  64. 64. Compostagem O ideal e o Real  Produto ideal para compostagem  Coleta específica  Elevação do custo de coleta  Falta de ambiente  Política educacional  Coleta real no Brasil  Caminhão Compactador  Coleta mais barata  Falta de cultura  Contaminantes  Papel higiênico  Absorventes  Fezes animas
  65. 65. Compostagem AgentesdeContaminação  Grande quantidade de fezes de animais:  Fezes humanas;  Absorvente íntimo;  Animais mortos nos lixos  Cães, ratos, gatos, pássaros
  66. 66.  Apresentar custo aparentemente bom e solução simples mas esconde algumas questões:  Não estão enquadradas com as normas de destinação e conversão do lixo;  A compostagem fica a cargo municipal o que transfere o investimento do privado para o público  Não existe como aplicar tamanha quantidade de adubos;  Obriga um outra solução de destinação dos materiais não aproveitáveis conforme Resolução de SP e tendência mundial; dois projetos juntos para atender uma aplicação;  Riscos de contaminação passam a fazer parte da gestão pública como cólera, gripe H1Ni;  Excesso de vidro no lixo e outros produtos de impossível separação Compostagem Riscos
  67. 67. http://www.bvsde.paho.org/bvsaidis/resisoli/brasil/iii-021.pdf  A pesar de ser uma solução de baixo custo e aparentemente sustentável traz alguns problemas aplicados como os levantados:  A cidade de Peruíbe é uma cidade de temporada o que impede o uso contínuo do material em jardins e/ou produções hortas caseiras;  O processo traz riscos de contaminação devido a não existência de coleta seletiva entre orgânicos, tais como restos de alimentos, de outros itens como de higiene pessoal, papel higiênico, absorventes, baterias;  Caso prático o e-coli na Alemanha que aponta contaminação de produtos orgânico por patogênicos; Compostagem Riscos
  68. 68. http://www.bvsde.paho.org/bvsaidis/resisoli/brasil/iii-021.pdf ......Os principais problemas de contaminação na compostagem são devidos à determinados elementos químicos (a exemplo dos metais pesados) e dos microrganismos patógenos. Em relação ao primeiro caso, vários trabalhos de pesquisa desmitificaram cientificamente os erros de interpretação e exageros sobre o tema (1, 2, 3), principalmente porque pouquíssimos resíduos orgânicos de uso na compostagem são contaminados por metais pesados. Já no segundo caso, da contaminação biológica, a grande maioria dos resíduos orgânicos são, na verdade, contaminados, direta ou indiretamente, por patógenos, ovos de helmintos, ovos e/ou larvas de insetos, etc. Este fato se constitui em grave problema sanitário, pela possibilidade de contaminação do homem por via direta (quando em contato com esses resíduos ou com o composto), ou indiretamente, através de vetores biológicos (moscas, mosquitos, etc.) e alimentos contaminados.... Compostagem Riscos
  69. 69. Layout proposto A proposta da ABRINTER junto as Exigências determinadas pelo centro
  70. 70. A Estrutura empresa altamente especializada INSTALAÇÕES com 1400 m² com modernos equipamentos para projeto, fabricação, testes e certificação.
  71. 71. O projeto REB Reformador escalonado de biomassa Apresentamos descritivo básico da solução para a destinação dos resíduos (lodo de esgoto, resíduo sólido urbano, industrial e vegetal) da Cidade de Sumaré. A característica de avançado parque industrial pode ser transferida para novas perspectivas em inovação voltado ao meio ambiente. A proposta é fazer uso AMPLO da palavra ENERGIA e não exclusivamente Eletricidade. A ENERGIA com desenvolvimento na forma de BIOCOMBUSTÍVEL LÍQUIDO, GASASO E/OU TÉRMICA,. A EDRB tem total interesse em formar parcerias de sucesso com a Cidade de Sumaré contribuindo com os desdobramentos possíveis solicitados. Atenciosamente, Marcelo M. Escarlassara 019-9198-4054 Aldo Wagner 019-9162-5205
  72. 72.  Embalagens de agrícolas;  Tintas;  Borras;  Solventes;  Lodos de estações de águas residuais;  Saúde;  Hospital;  Material de poda de árvores;  Óleos;  Graxas;  Materiais de postos de gasolina;  Materiais de Aterros e/ou lixões existentes;  Animais;  Construção (madeira, tubos de plástico, plástico, etc );  Os óleos de origem complexa;  Produtos vencidos;  Alimentos vencidos,  Couro;  Residências;  Remoção de passivo caso exista;  Etc. Produtos Destináveis Convertidos em Gás Combustível
  73. 73. Conceito Total Reprocessamento
  74. 74. Conceito Total Reprocessamento
  75. 75. Conceito Total Reprocessamento
  76. 76. O Processo REB em Campinas  Atender as exigência de Sumaré enquadrado nos conceitos de melhor prática disponível e melhor conversão energética.
  77. 77. Fonte CENBIO O processo em que a BIOMASSA é fragmentada com o uso de calor numa atmosfera com pouco/sem alimentação de oxigênio para a geração de uma mistura de gases combustíveis. Conhecido e desenvolvido desde o ano de 1839. Gaseificação é:
  78. 78.  2a Guerra Mundial, os países importadores de petróleo recorrem ao gasogênio; mais de um milhão de unidades são construídas na Europa. Foto JENBACH Austria O Syngás Combustível de Fato
  79. 79.  A Torre Azul é um núcleo de processamento de biomassa que permite o aproveitamento de resíduos de aterros sanitários ou matéria-prima orgânica para a produção de combustíveis e/ou energia elétrica;  O produto básico gerado pela Torre Azul é o blue gas, que é uma substância gasosa rica em hidrogênio, com baixa presença de alcatrão e praticamente livre de nitrogênio;  Esse “gás azul” pode ser filtrado e usado em motores a gás para a geração de eletricidade ou processado para obtenção de hidrogênio puro;  Uma vez que a tecnologia Blue Tower permite o uso de uma ampla variedade de componentes orgânicos (tais como lixo doméstico, resíduos de madeira, matéria-prima verde, etc.), a sua implantação é factível em diversas localidades;  Os resíduos de combustão da usina podem ser tratados para se obter fertilizantes, ou também vitrificados para utilização como matéria-prima para outros fins, como pavimentação asfáltica. VÍDEO: http://www.youtube.com/watch?v=cJvth9vbgYg Torre Azul – REB Reformador Escalonado de Biomassa
  80. 80. Atendendo ao Centro e a Resolução Conversão de Energia Pequeno Espaço Características gerais Altura da torre 42 metros Matérias-prima 48.000 t/ano (biomassa vegetal) Capacidade 15 MW (térmica - equivalente a 4,4 MW de elétrica) Produção de hidrogênio 150 m³/h Produção de eletricidade Aprox. 33,500 MWh/ano Redução do uso de combustíveis fósseis Aprox. 17,8 milhões de m³ de gás natural por ano Redução da emissão de dióxido de carbono Aprox. 15.300 toneladas por ano
  81. 81. FASE III - Nesta fase do processo, o reservatório é preenchido com material esférico de liga metálica, o qual é aquecido a uma temperatura máxima de até 1.000 °C, temperatura que é atingida através de fonte de calor externa, utilizando combustível auxiliar (gás ou carbono residual do processo de gaseificação). Circulação de condutor térmico, inicialmente, armazenado em vez de transporte da biomassa à zona térmica. FASE II - Enriquecimento do gás produzido através da separação molecular dos gases de base ( principalmente o metano ) e o alcatrão no processo de REFORMER, já utilizado em processos industriais para a produção de gases, tais como, hidrogênio, CO2, CO e o “City gás” ( gás de rua ) utilizado na cidade do Rio de Janeiro e de São Paulo, proveniente da nafta e, antigamente, do carvão mineral e/ou vegetal. Atualmente substituído pelo gás natural FASE I – Em um forno de pirólise é feita introdução da biomassa ou dos compostos orgânicos no sistema e onde ocorre a quebra das moléculas da biomassa em gases de base (CH4, CO2, CO, O2, N2 etc. ) na ausência do Oxigênio atmosférico. A Tecnologia Torre Azul – REB Reformador Escalonado de Biomassa
  82. 82. Dióxido de Carbono Hidrogênio Monóxido de Carbono Metano Propano Nitrogênio Resultado do REB Reformador Escalonado de Biomassa Marcelo019-9198-4054  Gás resultante do processo conhecido com Syngás que pode ser utilizado em diversas funções
  83. 83. Usos Viáveis do Gás Gerado Diferencial Tecnológico http://bioenfapesp.org
  84. 84. A solução operacional  Iniciar a destinação com recuperação (se instalado onde há passivo) do lixão de forma isolada, sem a necessidade de formação de consórcio com demais municípios.  Permitir a expansão modular desta forma permitir que a cidade tenha a vantagem em gerar receitas e empregos na cidade permitindo que o empreendimento preste serviços a terceiros.
  85. 85. Solução Descentralizada Energia Elétrica  Cooperativa, leias –se funcionários CLT
  86. 86. Expansão Ilimitada Possível a instalação De Central Regional Expansão Ilimitada  Expansão conforme adesão das outras cidades gerando emprego e receitas a cidade de Peruíbe.  Cidades da RMC
  87. 87. RESOLVE: Artigo 1º - Estabelecer condições operacionais, limites de emissão, critérios de controle e monitoramento para disciplinar o processo de licenciamento do aproveitamento energético dos processos de tratamento térmico de resíduos sólidos, em Usina de Recuperação de Energia (URE), visando a atender o critério de melhor tecnologia prática disponível, de modo a minimizar os impactos deletérios à saúde pública e ao meio ambiente. REPUBLICADA NO DOE DE 07-11-09 SEÇÃO I PAG 63-65 RESOLUÇÃO SMA Nº 79, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2009 Atendendo a Campinas e Resolução Saúde Pública e Meio Ambiente REFORMADOR ESCALONADO DE BIOMASSA  Destina doméstico, domiciliar, fezes, lodo a alta temperatura;  Residual até 8% do lixo totalmente encapsulado/fundido impossível de reação ou recomposição;
  88. 88. Necessário fator de composição do gás de síntese => 1,5 de acordo com a formula fornecida, Fórmula fornecida para o cálculo do fator de composição: H2(%) - CO2(%) ------------------- => 1,5 C0(%) + CO2(%) Obtido que o valor para biomassa pode chegar a = 2,35 mediante a introdução de um passo adicional (de conhecimento da DM1_2) no processo. A composição final do gás: H2: 47,1 / (1 – 0,191) = 58,2% CO: 20,0 / (1 – 0,191) = 24,7% CO2: = 0,0% CH4: 11,2 / (1 – 0191) = 12,6% Já é confirmada a elevação da quantidade de Hidrogênio na Torre Azul, ajuste técnico Do Syngás ao Biocombustível
  89. 89. Do Syngás ao Biocombustível
  90. 90. Na usina 01 kg de Biomassa = 3.080 kCal/kg Reformador Escalonado de Biomassa 01 Nm3 de Gás de Síntese = 3.100 kCal/Nm3 Conversão 01 kg de biomassa ou 0,78 Nm3 Gás de Síntese = **0,11 kg de metanol ** depende da rota tecnológica utilizada Imagem: http://www.nrel.gov/learning/avf_gas_to_liquid.html Do Syngás ao Biocombustível
  91. 91. Destinação de Lodo
  92. 92. I - Usina de Recuperação de Energia (URE) - qualquer unidade dedicada ao tratamento térmico de resíduos sólidos conforme especificados no artigo 3º desta Resolução, com recuperação de energia térmica gerada pela combustão. Esta definição inclui o tratamento por oxidação térmica e outros processos como a pirólise, gaseificação ou processos de plasma, desde que se demonstre equivalência ao tratamento por oxidação.... Atendendo a resolução conceito aprovado
  93. 93. RESOLVE: I - Usina de Recuperação de Energia (URE) - qualquer unidade dedicada ao tratamento térmico de resíduos sólidos conforme especificados no artigo 3º desta Resolução, com recuperação de energia térmica gerada pela combustão. Esta definição inclui o tratamento por oxidação térmica e outros processos como a pirólise, gaseificação ou processos de plasma, desde que se demonstre equivalência ao tratamento por oxidação.... REFORMADOR ESCALONADO DE BIOMASSA  Conversão de 100% dos itens gaseificáveis em energia;  Conversão em energia:  Elétrica  Vapor  Frio  Biocombustível Atendendo e Resolução Conversão de Energia Cada Tonelada de resíduo sólido urbano a umidade de 30%, mesmo contendo orgânico pode chegar a uma conversão de 80% em gás combustível e até 1 Mwe. Isto só é possível por não utilizar o ciclo vapor que é exigência de qualquer outra tecnologia.
  94. 94. GA SEI FI CA DOR BIOMASSA PET CALOR RESIDUAL GÁS DE PRODUTO UNIDADE DE COMPRESSÃO GASÔMETRO ENERGIA ELÉTRICA Lavanderia Industrial INDÚSTRIAS Biodiesel Termas Artificial OUTROS CENTRALIZADA DISTRIBUÍDA REDE DE DISTRIBUIÇÃO Possibilidades Lavanderia Industrial
  95. 95. Eficiência de Conversão
  96. 96. Item ATIVIDADES MESES p/ Itens p/ Obra 01 Engenharia básica detalhamento. 01 0 02 Projeto básico e de detalhamento do empreendimento. 06 06 03 Pré-licenciamento relatório de impacto ambiental do projeto 08 02 04 Preparação para construção. Canteiro de Obras 02 05 Construção Civil. 04 01 06 Detalhamento Final. 09 07 Fabricação e importação de motores 09 08 08 Montagem. 07 03 09 Gerenciamento executivo / supervisão 14 0 10 Comissionamento. Preparação para partida. 01 01 11 Partida. 01 01 Tempo necessário para a execução completa da OBRA 24 Cronograma de Obra
  97. 97. Inauguração Unidade Japão Unidade Separadora de Hidrogênio http://www.youtube.com/watch?v=GOG0RpC3csU Vídeos da Tecnologia http://www.youtube.com/watch?v=GOG0RpC3csU A Tecnologia
  98. 98. abrinter.org.br | (+55 85 ) 4062-9676 contato@abrinter.org.br

×