O que é o virtual

1.079 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.079
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
215
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O que é o virtual

  1. 1.  Pierre Lévy é um filósofo francês da cultura virtual contemporânea.  Leciona no Departamento de Hipermídia da Universidade de Paris VIII.  Especializou-se em abordagens hipertextuais quando lecionou na Universidade de Ottawa, no Canadá.  Após sua graduação, preocupou-se em analisar e explicar as interações entre Internet e sociedade.  Desenvolveu um conceito de rede, juntamente com Michel Authier, conhecido como ’Árvores do Conhecimento’.  Lévy também pesquisa a inteligência coletiva focando em um contexto antropológico.  É um dos maiores estudiosos sobre a Internet e um dos principais filósofos da mídia atualmente.  Suas pesquisas se concentram principalmente na área da cibernética.
  2. 2. “A palavra virtual vem do latim medieval virtualis, derivando por sua vez do virtus, força, potência. Na filosofia escolástica, é virtual o que existe em potência e não em ato.” (p. 5)  Momento de virtualização. Afetando a comunicação e os corpos.  Digitalização de mensagens e extensão do ciberespaço.  A virtualização não é nem boa, nem má.  O virtual surge como uma afinidade ao falso, ilusório ou imaginário.  Momento de desterritorialização.  Surge uma nova sensibilidade estética. CONTEXTO ATUALI
  3. 3. VIRTUALIZAÇÃO: É o movimento inverso da atualização. Passa de uma solução dada a outro problema. Um problema repensado, em vez de uma solução estável.  A entidade carrega e produz suas virtualidades  O virtual constitui a entidade. As virtualidades inerentes ao ser. (problemáticas e nós de tensões) ATUALIZAÇÃO (p. 6)  É a criação, invenção de uma forma a partir de uma configuração dinâmica de forças e de finalidades”  EX: Interação entre humanos e sistemas informáticos.  Programas de computador, são soluções a problemas. II
  4. 4. O virtual é não-presente ou onipresente ?  Em uma empresa virtual, os elementos são nômades. Livre de pertinência em posição geográfica.  O texto agora apresenta-se como a atualização de um hipertexto de suporte informático ‘conectado à memória digital’  “Quando uma pessoa, uma coletividade, um ato, uma informação se virtualizam, eles se tornam ‘não-presentes’” (p. 9)  “A virtualização submete a narrativa clássica a uma prova rude: unidade de tempo sem unidade de lugar (graças às interações em tempo real por redes eletrônicas, às transmissões ao vivo, aos sistemas de telepresença)” (p. 9) As representações digitalizadas no ciberespaço não são totalmente independentes de espaço físico uma vez que estão hospedadas nos servidores. III
  5. 5. VIRTUALIZAÇÃO (Desterritorialização) “Saída da ‘presença’, do ‘agora’ e do ‘isto’ como uma das vias régias da virtualização”  “Cada forma de vida inventa seu mundo” (p. 10)  O universo cultural, próprio dos humanos, estende ainda mais essa variabilidade dos espaços e das temporalidades. (p. 10)  A linguagem surge como sistema de registro e de transmissão (oral, escrita, audiovisual, digital) INTERAÇÃO MEDIADA E PRESENCIAL  “As pessoas que mais telefonam são também as que mais encontram outras pessoas em carne e osso” (p. 11) IV
  6. 6. A virtualização, passagem à problemática, deslocamento do ser para a questão, é algo que necessariamente põe em causa a identidade clássica, pensamento apoiado em definições, determinações, exclusões, inclusões e terceiros excluídos’ (p. 12)  Partimos da mesa de trabalho do trabalhador clássico às empresas virtuais, interligadas em sistemas de gestão eletrônica de documentos (bancos de dados).  Memória virtual.  Reversão entre exterioridade e interioridade. VIRTUALIZAÇÃO DO CORPO  “Nova etapa na aventura de autocriação que sustenta nossa espécie” (p. 13)  Cuidados com o corpo. (dietas, plásticas, academia, etc.)  Virtualização da informação, do conhecimento, da economia e da sociedade. V
  7. 7. Telepresença Projeção e Percepção Corpo tangível Corpo sonoro Realidade virtual Comandos cerebrais efetuando movimentos à distância ONIPRESENÇA MIDIÁTICA  “Estamos ao mesmo tempo aqui e lá, graças às técnicas de telepresença” (p. 13)  “Os sistemas ditos de realidade virtual nos permitem experimentar, além disso, uma integração dinâmica de diferentes modalidades perceptivas” (p. 14)  O telefone é um exemplo de telepresença. (forma parcial de ubiquidade)  As vídeo chamadas são exemplos de projeções associadas à telepresença.  Os sistemas de realidade virtual transmitem uma quase presença.  Transmissão multimídia associada à possibilidade de manipulação sensório- motora. VI
  8. 8. CICLO EVOLUTIVO Desenvolvimento ao longo dos tempos. O psiquismo constitui uma interioridade. A unidade do psiquismo é de uma ‘multiplicidade fervilhante’ e sua interioridade ‘afetiva’ não é em absoluto um fechamento. PSIQUISMO  ‘O psiquismo, por construção, transforma o exterior em interior (o lado de dentro é uma dobra do lado de fora) e vice-versa’. MULTIDÕES EM INTERAÇÃO  ‘Os coletivos humanos são espécies de megapsiquismos, não apenas por serem percebidos e afetivamente investidos por pessoas, mas porque podem ser adequadamente modelados por uma topologia uma semiótica, uma axiologia e uma energética mutuamente imanentes’. VII
  9. 9. SOFTWARES Os softwares são micromódulos cognitivos automáticos que aumentam a capacidade de cálculo, raciocínio, imaginação, criação, comunicação, aprendizagem e navegação, dos humanos. VIRTUALIZAÇÃO DA MEMÓRIA  A escrita, o alfabeto e a imprensa.  As sabedorias passam de geração em geração.  Surgimento de uma memória dinâmica ou consciência comum.  Paisagens de significação partilhadas nas árvores do conhecimento.  A memória coletiva é virtualizada no ciberespaço.  Diálogos virtuais em fóruns eletrônicos.  Passa-se da inteligência coletiva ao coletivo inteligente.  O ciberespaço manifesta propriedades novas. VIII
  10. 10. Desterritorialização do texto O ciberespaço está misturando as noções de unidade, identidade e de localização. No mundo digital, a distinção entre o original e a cópia deixa de ter qualquer pertinência.  Uma tecnologia intelectual, quase sempre, exterioriza, objetiviza, virtualiza uma função cognitiva, uma atividade mental.  A partir da escrita, as mensagens, frequentemente, são separadas no tempo e espaço de sua fonte de emissão.  ‘A tela informática é uma nova máquina de ler’.  A passagem ao hipertexto é uma virtualização.  A digitalização e as novas formas de apresentação do texto nos interessam por darem acesso a outras maneiras de ler e compreender.  Devido à possibilidade de interação, a partir do hipertexto, toda leitura tornou- se um ato de escrita. IX
  11. 11. As obras de arte possuem aspectos de virtualidade. Enquanto fonte de prestígio, aura ou valor mercantil. Surgem novas moedas virtuais. Valores de troca entre o que é intercambiado no ciberespaço. A informação se torna mercadoria. O plágio se torna crime comum. VIRTUALIZAÇÃO DA ECONOMIA  “A informação e o conhecimento, de fato, são doravante a principal fonte de produção de riqueza” (p. 33)  Vivemos em um mundo onde há coisas ‘materiais’ e ‘imateriais’.  A informação e o conhecimento são bens imateriais. Supondo a metafísica da substância.  Vivemos uma economia da desterritorialização.  Os mercados online são exemplos de virtualização do mercado.  No mercado virtual entra questão dos direitos autorais e da apropriação de conteúdo. X
  12. 12. Máquinas Darwinianas “A noção de inteligência coletiva não é uma simples metáfora” Além da inteligência artificial e da capacidade de aprendizagem, projetam-se sistemas capazes de autocriação. CORPO COLETIVO  ‘Cada corpo individual torna-se parte integrante de um imenso hipercorpo híbrido e mundializado’  A reunião de conhecimentos, saberes e informações individuais dá origem à Inteligência coletiva.  Há um processo de virtualização do saber, da memória e do corpo. RESPLANDECÊNCIA  ‘A virtualização do corpo não é portanto uma desencarnação mas uma reinvenção, uma reencarnação, uma multiplicação, uma vetorização, uma heterogênese do humano’ XI
  13. 13. ALGORÍTIMOS A linguagem de programação e os códigos informáticos surgem como um formato evoluído de comandos e fórmulas matemáticas.  “Um cérebro é ao mesmo tempo o resultado de um processo darwiniano na escala da evolução biológica e na escala da aprendizagem individual”  Mensagens complexas: Ideogramas, diagramas, mapas, esquemas, mensagens iconográficas e fílmicas.  Passagem do privado ao público. Atributos de virtualização.  Inversão entre o interno e o externo.  Corpo ampliado e modificado.  Surgimento de novos signos.  Extensões cognitivas.  Intercâmbios subjetivos.  Transformação nas ações humanas e nas relações sociais.  Virtualização dos relacionamentos. XII
  14. 14. Desterritorialização dos relacionamentos Virtualização da arte Surgimento de novos códigos linguísticos Códigos eletrônicos Linguagens de programação Criação de universos de significação XIII OS 3 PROCESSOS DE VIRTUALIZAÇÃO  Virtualização do tempo real.  Virtualização das ações, do corpo e do ambiente físico.  Virtualização da violência. (complexidade das ações sociais) O TRÍVIO (TRÍPLICE VÍA)  Gramática ( saber ler e escrever corretamente )  Dialética ( saber racional)  Retórica ( saber compor discursos e convencer )
  15. 15. PADRONIZAÇÃO ‘A padronização permite a compatibilidade entre sistemas de informação, sistemas econômicos, sistemas de transporte distintos’.  ‘As árvores do conhecimento propõem uma verdadeira gramatização do reconhecimento dos saberes’.  ‘A operação dialética funda o virtual porque abre, sempre de uma forma diferente, um segundo mundo’  ‘As operações gramaticais multiplicam os graus de liberdade’  A retórica reúne operações de criação de um mundo humano.  ‘O ato retórico, que diz respeito à essência do virtual, coloca questões, dispõe tensões e propõe finalidades’. ( pondo em jogo e em cena no processo vital ) XIV
  16. 16. Virtualização da inteligência. O pensamento coletivo está no indivíduo.  ‘O desenvolvimento da comunicação assistida por computador e das redes digitais planetárias aparece como a realização de um projeto mais ou menos bem formulado, o da constituição deliberada de novas formas de inteligência coletiva, mais flexíveis, mais democráticas, fundadas sobre a reciprocidade e o respeito das singularidades’. (Cap 7)  Estão associadas à virtualização, a desterritorialização e a constituição recíproca da interioridade e da exterioridade.  INTELIGÊNCIA  ‘O conjunto canônico das aptidões cognitivas, o saber, as capacidades de perceber, de lembrar, de aprender, de imaginar e de raciocinar’. XV
  17. 17. Aa tecnologia é uma das principais responsável pela transformação do mundo moderno. A virtualização da presença e do saber possibilita um intercâmbio maior de conhecimentos.  O coletivo humano é o palco de uma ecologia ou economia cognitiva.  Os sistemas de comunicação, de escrita, de registro e de tratamento da informação fazem parte de um conjunto de tecnologias intelectuais.  As infraestruturas de comunicação e as tecnologias intelectuais estabelecem estreitas relações com as formas de organização política e econômica.  O ideal é que todos pudessem tomar conhecimento das leis e discuti-las.  As técnicas não determinam. As técnicas condicionam. XVI
  18. 18. Como coordenar as inteligências que se multiplicam umas através das outras ? Como fazer sociedade de maneira flexível, intensa e inventiva ?  O ideal da inteligência coletiva será o momento em que haverá ‘avaliação permanente das obras pelos pares e pelo público, reinterpretação constante da herança, inaceitabilidade do argumento de autoridade, incitação a enriquecer o patrimônio comum, cooperação competitiva, educação contínua do gosto e do senso crítico, valorização do julgamento pessoal, preocupação com a variedade, encorajamento à imaginação, à inovação, à pesquisa livre’. XVII
  19. 19. A comunidade científica é um exemplo de coletivo inteligente unido pela circulação de objetos. A inventividade científica é responsável por colocar os objetos em circulação, transformando assim sua identidade da comunidade. O indivíduo dominante exerce uma função de unificação e coordenação. VIRTUALIZAÇÃO DA RIQUEZA  O dinheiro não é a riqueza, mas a sua virtualidade.  A moeda no regime capitalista constitui um dos objetos mais eficazes. Mas precisa circular.  Precisa haver fluxo econômico.  Se cada um guardasse o próprio dinheiro em um cofre pessoal, o jogo econômico contemporâneo se desmantelaria. XVIII
  20. 20. O ciberespaço faz circular conhecimento e riqueza. A técnica virtualiza a ação e as funções orgânicas. Os objetos mantém os homens juntos. Tem relação de memória com o espaço.  A extensão do ciberespaço representa o último dos grandes surgimentos de objetos indutores de inteligência coletiva.  O que torna a internet interessante?  Dizer que ela é anarquista é um modo grosseiro e falso de representar as coisas.  Trata-se de um objeto comum, dinâmico, construído, ou pelo menos alimentado, por todos os que o utilizam.  O ciberespaço possibilita o intercâmbio de saberes em um espaço de compartilhamento de memórias individuais e coletivas.  Induz o crescimento considerável da força virtualizante e circulação de objetos científicos e monetários. XIX
  21. 21. POTENCIALIZAÇÃO Do real ao possível Real ( Atual ) Possível ( Virtual ) A potencialização produz ordem e informação. A potencialização pode ser assimilada a uma subida na contracorrente da entropia. Entropia ‘é uma grandeza termodinâmica que mensura o grau de irreversibilidade de um sistema, encontrando-se geralmente associada ao que denomina- se por "desordem“’ ( Wikipédia ) LATENTE x MANIFESTO SUBSTÂNCIA  Possível (insiste) – Real (subsiste) ACONTECIMENTO  Virtual (existe) – Atual (acontece)  Embora vivemos hoje a sua aceleração, a virtualização não é um fenômeno recente.  O virtual não está aí. Sua essência está na saída. Ele existe. XX
  22. 22. ARTE DA VIDA (Restabelecer o equilíbrio) ‘Quando o possível esmaga o virtual, quando a substância sufoca o acontecimento, o papel da arte viva (ou arte da vida) é restabelecer o equilíbrio’. REALIZAÇÃO  Do potencial ao real (do que insiste ao que subsiste) POTENCIALIZAÇÃO  (o inverso) ATUALIZAÇÃO  Do virtual ao atual (do que existe ao que acontece) VIRTUALIZAÇÃO  (o oposto) XXI Apresentação: O que é o virtual ? De: Pierre Lévy Por: Juliano Dornelles

×